Sérgio Sérvulo da Cunha: O mito de Lula fará parte da saga do povo brasileiro

Tempo de leitura: 3 min
Foto Ricardo Stuckert

Foto Ricardo Stuckert

O futuro do Brasil

por Sérgio Sérvulo da Cunha

Não sei dizer o que acontecerá com o Brasil no mês que vem, ou em outubro deste ano, ou daqui a um ano.

Mas a partir do julgamento em que o Supremo Tribunal Federal, por sua medíocre maioria, transformou Lula num mito nacional, posso dizer, com toda certeza, parte do que acontecerá no futuro.

Mito, por exemplo, é o advogado negro Esmeraldo Tarquínio, que eleito prefeito de Santos, foi impedido de tomar posse pela ditadura militar.

Mito, por exemplo, é o advogado negro Nelson Mandela, que obrigado, pelo governo racista da África do Sul, a passar grande parte de sua vida na prisão, dela saiu para liderar a luta contra a discriminação, e para ser eleito presidente daquele país.

Mito, por exemplo, é o pastor negro Martin Luther King, prêmio Nobel da Paz em 1964, que liderando a luta não violenta pelos direitos civis dos negros norte-americanos, foi assassinado em 1968.

Mito é o nosso alferes, iluminista e patriota que, julgado e condenado pela coroa lusitana, em processo regular, foi enforcado e esquartejado.

O que se dirá de Lula no futuro?

Que foi um menino pobre, que para sobreviver vendia amendoim e engraxava sapatos; que, tendo feito um curso de torneiro mecânico, virou operário; que perdeu um dedo em acidente de trabalho; que se tornou líder sindical durante a ditadura militar, sendo preso por ela; que, por insuficiência de instrução, tinha a princípio um português claudicante; que era dono de inteligência e personalidade invulgares; que foi fundador e o maior líder do Partido dos Trabalhadores; que se elegeu deputado federal, e foi constituinte.

Que na sua quarta tentativa foi eleito presidente da República; que fez um governo conciliador, segundo o seu temperamento.

Que não guardava ressentimentos, mágoas e rancores.

Que levou água, energia, saúde e alimento para o nordeste.

Que lutou pela independência do Brasil no plano internacional.

Que, reeleito para um segundo mandato, ao seu término recusou propostas para se reeleger por uma segunda vez.

Que deixou o governo com 87% de aprovação.

Que fez sua sucessora, contra a qual se sublevou a oligarquia.

Que foi o único presidente do Brasil a olhar pelos pobres.

E, coisa difícil na política brasileira, que era honesto.

Que a plutocracia nacional, sua inimiga, vasculhou sua vida pública e privada buscando incriminá-lo.

E que, nada encontrando, inventou acusações mentirosas.

Que foi julgado por juiz que não era o natural, mediante uma denúncia inepta, e foi condenado sem provas.

Que sua apelação, distribuída em segunda instância a julgadores que não eram os naturais, foi rejeitada sem que se tivessem analisado devidamente as suas razões.

Que também foi ré nesse processo sua esposa, que veio a morrer de desgosto antes do seu término.

Que seus filhos foram vítimas de calúnias e perseguições.

Que o Supremo Tribunal Federal negou-lhe o habeas corpus a que tinha direito nos termos da Constituição e da lei.

Que manteve sua dignidade, na prisão como fora dela.

Que o local do seu confinamento virou ponto de peregrinação.

E que depois de extravasarem seu ódio, seus linchadores nada mais tiveram a dizer senão algo que já tinha sido dito antes: que seu sofrimento caia sobre nossas cabeças e a de nossos filhos.

O mito de Lula fará parte da saga do povo brasileiro; fará parte dela como capítulo indispensável, que precisava ser escrito antes de soar, para os milhões de oprimidos, a hora da libertação.

Porque, como dizia o alferes, libertas quae sera tamen.

Marco Aurélio Mello: Supremo Presidente

Apoie o jornalismo independente


Siga-nos no


Comentários

Clique aqui para ler e comentar

lulipe

O Mito é outro e vem aí , é melhor JAIR se acostumando.

    Milton

    Acho que nem vai ter eleição, mas se o seu “mito” ganhar, vai ter duas coisas boas:

    1. Sendo um tipo de Trump tupiniquim, vai acabar pondo água no chopp dos golpistas, ainda que sem querer. Capaz de ser derrubado.

    2. Não sendo derrubado, não se reelege nem pra síndico de prédio em Copacabana. O cara é de uma nota só, pobre de ideias. Vai cansar rápido, tipo o Doria em SP. Que saiu antes da metade do mandato e mesmo assim ninguém tinha mais saco pra ele.

    Quatro anos, se tudo isso, passam rápido.

FrancoAtirador

De um Pedreiro:
“Este ano, se o Lula For Candidato, Voto nele.
Se não for, não vou Votar “

Deixe seu comentário

Leia também