VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.
Cartas de Minas
Cartas de Minas

Preso homem de confiança de Alckmin, que tucano escalou para investigar Paulo Preto

21 de junho de 2018 às 11h36

Gilberto Marques/Governo de SP

PF deflagra operação contra desvio de recursos nas obras do Rodoanel

Por Fernanda Cruz – Repórter da Agência Brasil São Paulo

A Polícia Federal (PF) deflagra hoje (21) a Operação Pedra no Caminho, que apura desvio de recursos públicos nas obras do trecho norte do Rodoanel, em São Paulo.

São cumpridos 15 mandados de prisão temporária e 51 mandados de busca e apreensão na capital paulista e nas cidades de Carapicuíba, Arujá, Bofete, Ribeirão Preto e São Pedro, além de Marataízes e Itapemirim, no Espírito Santo.

O inquérito policial foi instaurado em 2016, após denúncia de um ex-funcionário de uma empresa que atuou nas obras.

Ele apontou manipulações em termos aditivos ao contrato da obra, com o objetivo de aumentar o valor pago às empreiteiras.

Os aditivos contratuais, na fase de terraplanagem, eram para a remoção de rochas, mesmo que o projeto inicial já contemplasse o custo dessa remoção.

A irregularidade gerou sobrepreço de mais de R$ 131 milhões.

Segundo perícia da Polícia Federal e relatórios do Tribunal de Contas da União e da Controladoria-Geral da União, um dos cinco lotes onde houve aditivos para a remoção de rochas teve sobrepreço de R$ 33 milhões.

Os acusados vão responder pelos crimes de fraude à licitação, estelionato contra o poder público, falsidade ideológica e associação criminosa, conforme as suas participações.

Os presos permanecerão na sede da PF em São Paulo, à disposição da Justiça Federal.

PS do Viomundo: Um dos alvos, segundo a Folha, é “Laurence Casagrande Lourenço, que durante o governo Geraldo Alckmin (PSDB) foi presidente da Dersa, estatal responsável por obras rodoviárias paulistas, e secretário de Logística e Transportes. Atualmente, Lourenço preside a Cesp (Companhia Energética de São Paulo)”.

É homem do círculo íntimo de Alckmin, sob o qual teria se dado um desvio de R$ 600 milhões, nas contas dos acusadores.

Diz O Globo:

A investigação, no entanto, foca nos sete anos e quatro meses em que Laurence esteve na Dersa.

Ele assumiu o comando da Dersa logo no início do terceiro mandato de Alckmin no cargo, em 2011, meses após a revelação de possíveis atos de corrupção dentro da empresa durante a campanha eleitoral do ano anterior, envolvendo o antigo diretor de engenharia da Dersa, Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto.

A chegada de Laurence à Dersa ocorreu após um período de três anos na Kroll, empresa que atua na área de investigações corporativas.

Segundo seu perfil numa rede social de negócios, o ex-secretário afirma que “liderava um time de profissionais em investigação”.

Na ocasião, levou para a Dersa um de seus funcionários, Jefferson Bassan.

Dentro da estatal, Bassan liderou um grupo de investigação que chegou à conclusão de que a empresa praticou irregularidades no pagamento de indenizações a falsos beneficiários durante a gestão de Paulo Preto em uma das diretorias da Dersa.

Paulo Preto é, hoje, réu em uma ação que trata dessa suposta fraude, que chegaria a R$ 7 milhões.

Bassan é uma das principais testemunhas de acusação no caso.

Quando indagado sobre a corrupção supostamente praticada por Paulo Preto na Dersa, Alckmin costuma afirmar que foi quem determinou auditoria na empresa.

O departamento, segundo o ex-governador, teria confirmado os desvios e as fraudes nas empresas do perído de 2009 a 2011, quando Alckmin não estava à frente do governo.

Leia também:

Altamiro Borges: O que amedronta Jair Bolsonaro?

Apoie o VIOMUNDO

Crowdfunding

Veja como nos apoiar »

O lado sujo do futebol

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Entre os mais vendidos da VEJA, O Globo, Época e PublishNews. O Lado Sujo do Futebol é o retrato definitivo do que acontece além das quatro linhas. Um dos livros mais corajosos da história da literatura esportiva, revela informações contundentes sobre as negociatas que empestearam o futebol nos últimos anos. Mostra como João Havelange e Ricardo Teixeira desenvolveram um esquema mafioso de fraudes e conchavos, beneficiando a si e seus amigos. Fifa e CBF se tornaram um grande balcão de negócios, no qual são firmados acordos bilionários, que envolvem direitos de transmissão e materiais esportivos. Um grande jogo de bolas marcadas, cujo palco principal são as Copas do Mundo.

por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet.

Compre agora online e receba em sua casa!

 

4 Comentários escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

carlos

22/06/2018 - 16h19

Quer descobrir o caráter de uma pessoa? Conceda-lhe um voto, saberá como ela se comporta o poder para fazer o mal as pessoas vem exatamente do voto e esse mal caráter nunca me enganou até porque nunca votei nele.

Responder

Julio Silveira

21/06/2018 - 17h36

Duvido muito que se possa comemorar como mais um avanço no combate a corrupção, não passará de milho para pintos, para afirmar disposição de trabalho isento que camuflam como combate a corrupção, mas para caçar petistas. Afinal, é Tucano, é de São Paulo, e em casos que escondam tucanos reside todo uma assistencia para fazer de todos os casos, como esse, mais um para morrer nas mãos do Gilmar.

Responder

JULIO CEZAR DE OLIVEIRA

21/06/2018 - 12h36

já já o gilmar manda soltar,quem quer apostar?

Responder

Deixe uma resposta