Renato Rabelo: Petrobras e os porta-vozes da privataria

Tempo de leitura: 3 min

por Renato Rabelo, no Vermelho, sugestão de Franco Atirador

Quantas empresas no mundo podem ostentar a cifra de R$ 21 bilhões em lucro líquido?

A resposta desta questão pode elucidar sobre o que está por trás da tentativa, insólita e desonesta, da mídia e da oposição de desestabilizar não somente a Petrobras e o governo, mas principalmente o nosso país.

A tática é simples e simplista.

Observa-se a queda da taxa de lucros de uma grande empresa em relação ao ano anterior.

O passo seguinte é espalhar uma onda capaz de atingir milhões de pessoas – utilizando grandes meios de comunicação e assim provocar uma corrida pela venda de papéis da empresa e assim beneficiar (financeiramente) a especulação.

E a especulação sobre uma empresa com grandes expectativas de futuro é um negócio muito rentável, quase risco zero.

Política e especulação financeira andam lado a lado não somente neste caso.

O PSDB governou em função dos interesses da especulação financeira a ponto de ter transformado o BNDES numa agência de repasse de dinheiro público ao financiamento de privatizações (e que foi pensado para financiar a privatização e desnacionalização completa da própria Petrobrás).

Sendo a Petrobras um grande símbolo de competência nacional que ganhou muita força durante o governo Lula, não é de surpreender que os porta-vozes da privataria tentem utilizar esta grandiosa empresa num dos calcanhares de Aquiles do governo.

E o oportunismo ganhou relevo diante do “problema” gerado aos acionistas privados (a União é dona de 50,26% das ações ordinárias e os acionistas privados contam com 39,6%).

É muito claro que com a queda de rendimentos da empresa é seguida pela queda de lucros dos acionistas privados e é esse filão que a oposição tenta encampar com o discurso da excessiva interferência do Estado na Petrobras.

E essa “interferência” do Estado é explicável ao menos por dois motivos.

Um é óbvio, pois o controle da maioria das ações pertence ao Estado, portanto é mais do que normal que o Estado tenha maior poder de decisão.

O outro motivo está relacionado com o fato de nenhuma empresa do mundo que opera num setor tão estratégico quanto a energia estar fora do escopo da própria estratégia nacional de seus respectivos Estados Nacionais.

Portanto existe somente uma explicação para este nível de gritaria: oposição política.

Todos querem ter uma carta na manga do porte da Petrobras, seja para desestabilizar o governo, seja como moeda de troca com os especuladores e o capital estrangeiro interessados no futuro quase certo de uma empresa deste nível de solidez.

São porta-vozes e herdeiros da privataria e a Petrobras deve ser a bola de vez desta gente caso alcancem o governo central.

Porém, o campo da análise deve ser mais amplo e deve envolver que tipo de Estado e projeto de nação queremos – do ponto de vista estratégico.

Existe um fato concreto a ser assinalado: uma potência da estatura do Brasil, prestes a se transformar num grande produtor e exportador de petróleo, ainda importa gasolina.

Trágico e cômico ao mesmo tempo se esse tipo de observação não fosse lastreado pela própria explicação dada pela presidenta da Petrobras, Maria das Graças Foster, afirmando que a queda dos lucros teve como causa “o aumento da importação de derivados a preços mais elevados, pela, desvalorização cambial, que impacta tanto nosso resultado financeiro como nossos custos operacionais”.

Dois problemas objetivos relacionados a falta de planejamento que acomete nosso Estado desde a década de 1990.

Ao invés de lamentar a desvalorização cambial, dever-se-ia ter uma resposta – buscando meios e maneiras de aproveitar esta situação criada pelo aumento de demanda de gasolina e da própria desvalorização cambial – que induzisse a substituição deste tipo de importação dado o impacto não somente na balança de pagamentos da Petrobras, mas do país como um todo. Este mesmo raciocínio vale para a dita “inflação de alimentos” que ocorre num dos gigantes mundiais da produção de cereais.

O delicado momento político deve servir para sistematização de um discurso político ofensivo contra a oposição.

Mas a história ensina que momentos-limite são ótimos para se repensar os nossos próprios limites, a história destes limites e a necessidade de recolocação tática e estratégica.

Certamente, a Petrobras e o governo Dilma estão sofrendo este ataque justamente num momento de transição na política monetária cuja consequência é a própria recomposição da política macroeconômica do país diante da herança maldita da década de 1990.

Renato Rabelo é presidente nacional do PCdoB

Leia também:

Emanuel Cancella: Aves de rapina sobrevoam a Petrobras

Apoie o jornalismo independente


Siga-nos no


Comentários

Clique aqui para ler e comentar

Graça Foster: “Não há crise na Petrobras” « Viomundo – O que você não vê na mídia

[…] Renato Rabelo: Petrobras e os porta-vozes da privataria […]

Gerson Carneiro

A Petrobras era forte quando se dava o luxo de afundar a maior plataforma de petróleo do mundo, com um bilhão de reais em equipamentos e 11 vidas de trabalhadores, em plena luz do dia.

Isso foi em qual governo mesmo?

lulipe

Primeiro os Correios, depois a Embrapa, agora a Petrobrás, se continuar assim vão acabar com tudo….

Parreiras Rodrigues

Vixi: Tantos defensores da PeTrobrás.

Onde estavam vocês quando a Venezuela nacionalizou a nossa unidade lá?

E o que dizem a respeito duma operação fraudulenta – supervalorização, numa licitação em curso?

    Julio Silveira

    Aonde voce vê defensores da PeTrobras, como muitos paranoicos anti PT, pelo menos da minha parte defendo a petroBRAS.
    Quanto, a nacionalização Venezuelana retirei informação que para vc deve ser insuspeita já que partiu do G1 principal informativo dos agentes da transformação do Brasil em eterna colonia. Obviamente extraí parte, mas se voce quiser o todo pesquise é informação de 01.05.07. Segue: “O acordo com a empresa brasileira foi fechado ainda no ano passado e prevê repassar para a estatal venezuelana PDVSA o controle dos ativos que a Petrobras tem na Venezuela.
    Segundo a assessoria de imprensa da empresa brasileira, antes do acerto com o governo venezuelano a Petrobras produzia 42 mil barris de petróleo por dia no país -hoje, extrai cerca de 15 mil barris. A estatal brasileira não foi compensada em dinheiro, mas com participação em outros projetos de exploração de hidrocarbonetos na Venezuela.
    Duvido que acredita afinal foi informação prestada pela estatal brasileira, voce parece ser dos que preferem a versão dos que pretendem vender o patrimonio que não construiram. E a proposito o Chaves agiu no melhor interesse de seu país e de sua gente, coisa que muito aqui dentro fazem o oposto. Dá para se entender por que. Quanto a supervalorização em curso voce deve ter o que se chama de infomação de cocheira e como bom brasileiro que parece querer demonstrar, e como cidadão, deveria ir aos orgãos competentes denunciar. O ministério publico de alguns estados da federação teriam orgasmo em poder provar sua denuncia.

Urbano

Agora, bem que a presidenta da Petrobras deveria vir a público explicar a situação bem detalhadamente ao povo brasileiro. Assim no estilo quando foi para bater no seu antecessor…

Julio Silveira

Os trastes que querem demonizar a Petrobras o fazem pelo mero espirito entreguista e esmorecedor de nossa cidadania. São os lambe botas de sempre, que não se satisfizeram com a entrega de patrimonios publicos surgidos pela visão estratégica de alguns brasileiros em seus lampejos de cidadania. Desvirtuar a necessidade estratégica desse instrumento nacional só clarifica de qual lado sempre estiveram, e não é do povo brasileiro. Prefiro uma Petrobras dando prejuizos ao tesouro, que costuma absorver prejuisos da elite dominante desde sempre (como se tivesse sido criado com essa finalidade) onde também existem recursos não somente dos ricos, mas também dos médios e pobres, e financiando o carro chefe da nossa economia, a classe média que alavanca também os pobres por efeito de onda. Quer subsidiando combustivel, quer criando tecnologias para esse Brasil tão carente de inteligências (e com isso distribuindo até aos mais pobres o orgulho de que possuimos saber e também inspirá-los). Fazendo uma espécie de redistribuição de renda e de produção de inteligência contra aqueles que preferem importá-las, não em cabeças mas nos resultados encontrados nos produtos acabados, a custo dos royalties, retirando de nós capacidades em diversos sentidos e reforçando a dominância estrangeira. Prefiro vê-la nossa, sangrando um pouquinho os recursos desse rico Brasil de poucos muito ricos e muitos muito pobres, que vê-la sendo sucateada para atender a interesses dos dominadores.
O que de fato precisamos é de nos livrar dos traidores de uma vez por todas. Falar mal da Petrobrás é ousar impregnar na burrice um falso discurso de interesse nos seus resultados e no interresse publico, quando, como se vê, é defender uma minoria.

Eudes Hermano Travassos

Sem correção este texto, a não ser quando se refere a citar em posições destintas entre mídia e oposição. Ora, está mais do que claro, a mídia é a verdadeira oposição de sempre, acontece que, quando seus representantes políticos não conseguem mais a máscara cai, estoucerto de quando a midia tambem não dé mais resultados as máscaras cairão denovo e aparecerá um novo agente oposicionista brasileiro, quam sabe , até um dia enfrentarmos denovo a CIA no Brasil.

    Fabio Passos

    Perfeito.
    A verdadeira oposição, ponta de lança dos interesses imperialistas, é o PiG.
    São capachos assumidos dos ianques.

Julio Silveira

Acho que minha opinião sobre esse tema caiu na nuvem.

Batista Nogueira

Eu naum tenho a menor duvida que a Graça Foster age para favorecer Esta Gente, e tambem para atingir o Gabrielli.
Agora por que motivo ela age desta forma, gostariam Muito de saber.

FrancoAtirador

.
.
O que a Presidente da Petrobrás não disse na mídia:

Lucro líquido superior a R$7 bilhões no 4º trimestre de 2012

Veja os principais pontos dos resultados financeiros e operacionais do quarto trimestre e do exercício de 2012 da Petrobras:

• No 4º trimestre, o lucro líquido aumentou 39% em relação ao trimestre anterior especialmente em virtude de ganhos financeiros e maiores benefícios fiscais.

• A meta de produção estabelecida para o ano foi alcançada, totalizando 1 milhão 980 mil bpd de óleo e LGN no Brasil.
A produção total de petróleo e gás natural da Petrobras foi de 2 milhões 598 mil barris de óleo equivalente por dia (boed);

• A entrada em operação do FPSO Cidade de Anchieta, no campo de Baleia Azul, no Pré-sal da Bacia de Campos e o início do Programa de Aumento da Eficiência Operacional na Bacia de Campos (PROEF) elevaram a eficiência operacional da UO-BC de 67%, em abril de 2012, para 78%, em dezembro de 2012;

• As reservas provadas totais atingiram 16,44 bilhões de boe pelo critério SPE/ANP.
O Índice de Reposição de Reservas (IRR) no Brasil ficou em 103% e a relação reserva-produção em 19,3 anos.
Pelo 21º ano consecutivo, a Companhia mantém um IRR no Brasil acima de 100%;

• A produção no Pré-sal em 2012 atingiu recorde diário de 214 mil barris em 27 de dezembro.
Este montante representou 7% da produção de petróleo no Brasil, na média do ano;

• Recorde de processamento de petróleo entre 9 e 12 de agosto (2 milhões 101 mil barris/dia).
No ano, produção de derivados foi de 1 milhão 997 mil barris/dia e as vendas no mercado brasileiro de 2 milhões 285 mil barris/dia;

• Recorde diário de geração de energia de 5.883 MW em 26/nov e de entrega de gás nacional de 49,6 milhões m3/dia em 11/out;

http://www.petrobras.com.br/pt/noticias/lucro-liquido-superior-a-r-7-bilhoes-no-4o-trimestre-de-2012/

Marat

Os lesa-pátria (e muitos deles estão também no PT!!!) sempre jogaram sujo, contra o Brasil e a favor dos interesses do tubaronato internacional, para manter o círculo vicioso do lucro fácil proveniente da exploração e do embuste. Para isso usam seus pepostos no PSDB-PFL-PPS-FIESP-PIG, uma corja de arrepiar!

FrancoAtirador

.
.
Atualizando um comentário publicado originalmente no dia 10/11/2011,
aqui mesmo no sítio Viomundo, quando da postagem do vídeo da reunião das socialites em SP*.
.
.
A ESTRATÉGIA DO MILLENIUM

A mídia oligárquica [e bandida, porque atua para privilegiar uma minoria de Espoliadores Apátridas e, portanto, contra o Brasil-Nação] está pautando toda a classe média com o tema corrupção no governo (só no federal).

Nota-se o fato no cotidiano de várias cidades do País.

Existe realmente uma articulação para um possível golpe, caso Dilma tente fazer aprovar uma Ley de Medios.

Desde o início do governo Dilma até agora, a mídia oligárquica mercantil [e bandida, porque age contra os interesses nacionais] vem sistematicamente minando os partidos da “base aliada”, com acusações que têm levado, mesmo que infundadamente, à queda de alguns ministros. [Sem contar os incessantes ataques às lideranças no Congresso Nacional].

Mas a estratégia do Millenium vai muito além de esvaziar a “concertación partidária” governista.

O objetivo principal é ressuscitar a combalida direita financista e corrupta, despolitizando a política.

A ideia central é direcionar o senso comum para um ponto fixo que tem apelo popular: a corrupção.

A partir daí, desmoralizam-se os partidos e os políticos, especialmente os de esquerda, através dos dispositivos midiáticos [jornais e redes de rádio e televisão, e seus notórios calunistas e articulistas, e de incógnitos (ou nem tanto) “especialistas convidados”, todos bandidos de mídia, porque atuam deliberadamente em benefício próprio ou dos especuladores financeiros que os remuneram e, portanto, contra os interesses nacionais], com mensagens expressas ou subliminares do tipo]:

1] “Todos os partidos políticos são corruptos, fundamentalmente o Partido dos Trabalhadores (PT) e os que o apoiam”.

Neste caso, é imprescindível recorrer frequentemente ao tema ‘mensalão’ para reforçar o argumento, se possível colocando no meio o nome do já estigmatizado José Dirceu. [E, agora então, depois do Julgamento do Mentirão no STF, o assunto, mais do que recorrente, é potencializado].

2] “A corrupção generalizada é a causa de todos os problemas políticos e sócio-econômicos no País. E todas as instituições ligadas ao executivo federal [inclusive as estatais] estão ‘aparelhadas’ pelo ‘lulo-petismo’, a logomarca da corrupção”.

Incluem-se [também] aqui, além da militância partidária, [os blogs “chapa-branca”], os sindicatos, as entidades estudantis e os movimentos sociais.

3] “Não existe nem direita, nem esquerda, nem centro, apenas alguns homens e mulheres bons, no meio dos inúmeros ‘petralhas’ maus”

Assim, excluem-se todas as formas [legítimas de representação e] de representatividade coletiva, personalizando e centralizando as ações governamentais em uma única pessoa, que é diferente de todos os demais: Dilma, “a faxineira”.

Então, a partir do momento em que “a faxineira” estiver totalmente isolada, demite-se-a por “justa causa”.

[Estaremos, hoje, chegando nesta fase?].

Por enquanto, a Estratégia do Millenium está funcionando. E em ritmo mais acelerado do que há pouco se pensava.

[Sem uma lei de regulação dos Meios de Comunicação de Massa, resta saber qual é a estratégia da Presidência da República, do governo federal, do PT e seus aliados, para estancar esse avanço golpista da direita antinacional.
Se é que têm alguma forma de combate efetivo, porque essas manifestações esparsas e esses desmentidos ocasionais são absolutamente insignificantes e ineficazes, diante dessa avalanche de factoides, intrigas, boatos, mentirinhas e Mentirões massificados diuturnamente por essa Mídia Bandida que assola o País.]
.
.
*(http://www.viomundo.com.br/humor/eu-vi-isso-mesmo-ou-foi-um-delirio.html#IDComment219914242)
.
.

    Angelo

    Muito bom, nao vamos deixar cair nas mãos dos reacionários, o sonho do povo, de ter um Pais melhor.

Taques

Será que Renato Rabelo considera Graça Foster uma porta voz da “privataria”??? Afinal de contas, as informações ruins foram passadas pela atual presidente numa entrevista coletiva de maneira absolutamente direta e clara.

A realidade é a seguinte: ou se administra como uma empresa de fato, ou seja, investindo tanto em expansão como na manutenção do atual parque sempre visando lucros ou naufraga se for usada como instrumento político praticando preços irreais além de servir de cabide de empregos para apadrinhados políticos notóriamente inacapazes como seu ex presidente.

Se adotar a segunda opção conseguirá inviabilizar uma empresa petrolífera com preços de barris na casa dos US$ 100 o que não deixa de ser, lamentavelmente, uma proeza.

Willian

As ações da empresa estão no fundo poço por que os investidores são idiotas e não querem ganhar dinheiro.

Nunca vi tanto comunista entender de capitalismo como no Brasil.

Acho que nem na China há tantos…

Fabio Passos

Os privatas do psdb-PiG não conseguiram entregar a Petrobrás, mas não desistiram de sabotar a empresa para favorecer interesses dos especuladores.

É preciso resistir ao jogo sujo dos vende-pátria.

Se deixar, os entreguistas do psdb-PiG vendem a própria mãe…

Deixe seu comentário

Leia também