VIOMUNDO

Diário da Resistência


Protocolado no Senado pedido de impeachment de Gurgel
Política

Protocolado no Senado pedido de impeachment de Gurgel


12/03/2013 - 19h28

Vieira: A denúncia aponta que Gurgel usou de seu poder de procurador-geral para proteger a governadora Rosana (PMDB), filha do senador José Sarney, e impedir sua punição pelo TSE

 do blog de Jorge Vieira, no Jornal Pequeno

Acaba de ser protocolado, no Senado da República, pelo ex-deputado Aderson Lago, o pedido de impeachment do procurador-geral da República, Roberto Gurgel. A denúncia aponta que Gurgel usou de seu poder de procurador-geral para proteger a governadora Rosana (PMDB), filha do senador José Sarney (PMDB-AP), e impedir sua punição pelo Tribunal Superior Eleitoral em dois processos, em ação de cassação de mandato, e pelo Superior Tribunal de Justiça, em processo por crime de peculato.

O pedido de impeachement relata que Gurgel requisitou para si todos os processos que envolvem Roseana Sarney, num total de três com a única finalidade de retardar a devolução, impedido, assim, que Roseana seja julgada pela Justiça. Dentre os processos contra Roseana Sarney que Gurgel retarda deliberadamente, a denúncia aponta o RCED 809 que pede a cassação do diploma de governadora por abuso de poder político e econômico. Este processo está com Gurgel há mais de sete meses e ele jamais emitiu o parecer final.

O Pedido de impeachement mostra ainda os documentos que comprovam que todos os processos que envolvem cassação de governadores das eleições de 2010, ao chegarem à procuradoria-geral, foram distribuídos à procuradora Sandra Cureau, responsável pela atuação junto ao TSE. No entanto, os casos envolvendo Roseana Sarney, mesmo já estando com Sandra Cureau para se manifestar, Gurgel requisitou todos eles, e sobre eles jamais praticou qualquer ato, somente para proteger Roseana Sarney.

Diz a denuncia que “é de praxe no Tribunal Superior Eleitoral que, não obstante o procurador-geral Eleitoral seja o próprio procurador-geral da República, o Ministério Público Eleitoral é representado pelo vice-procurador-geral Eleitoral, que no momento é a subprocuradora Sandra Cureau. E foi isto que ocorreu em todos os processos contra governadores eleitos em 2010. Ocorreu com todos, menos com os processos contra a governadora maranhense Roseana Sarney Murad”.

A evidenciar a desídia deliberada de Roberto Gurgel para proteger Roseana Sarney, o mesmo tipo de processo envolvendo o governador de Tocantins (RCED 495), foi encaminhado à procuradora Sandra Cureau no mês de outubro de 2012, e mesmo com o recesso de 02 meses do TSE, nesta data de hoje, 12.03.2013, Cureau entregou o parecer ao TSE, no qual pede a cassação do governador Siqueira Campos.

A denúncia relata ainda que Roberto Gurgel retarda há quase 03 anos um parecer numa representação criminal contra Roseana Sarney por crime de peculato, em tramitação no Superior Tribunal de Justiça. Gurgel também requisitou este processo e desde 10 de junho de 2010, jamais deu qualquer andamento, impedindo de o STJ dar continuidade com a investigação.

Aderson afirma que não há explicação para que somente os RCED´s interpostos contra a governadora do Maranhão, Roseana Sarney, receba tramitação diferenciada da rotina administrativa. Fica evidente a vontade do denunciado, Roberto Gurgel, de forma deliberada, de proteger a governadora Roseana Sarney do alcance da responsabilização por infração a legislação eleitoral.

Outro caso mostrado na denúncia é o recurso contra expedição de diploma 991, em que Gurgel está com os autos desde março de 2011, e também não deu qualquer andamento, neste caso impedindo até mesmo de processo se iniciar.

Diante das graves e contundentes acusações, o pedido requer, com base na Lei 1.079, que a denúncia seja lida em sessão do Senado Federal, e composta uma comissão, e no final a denúncia seja submetida ao plenário, com a procedência da acusação, impedido do exercício do cargo o procurador Roberto Gurgel.

 Leia também

Mauricio Dias: Pedido de impeachment de Gurgel será protocolado

Livro do Luiz Carlos Azenha
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet



13 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

J Souza

13 de março de 2013 às 19h51

Está claro como o judiciário brasileiro manipula os processos?

Responder

Nedi

13 de março de 2013 às 14h52

Se for “impitimado” será convidado pelo senhor joão soares para compor a mesa junto àquelas quatro moçoilas, “mosqueteiras indignadas”, do programa do gordo.
VADA A BORDO, “brindeiro gurgel”!!!

Responder

Pedro Teixeira

13 de março de 2013 às 13h28

Impeachment?

Responder

RONALD

13 de março de 2013 às 12h27

E aí o presidente do PARAGUAI anuncia o ministro da marinha prá surpresa do presidente brasileiro.
Após o evento numa conversa reservada o brasileiro pergunta ao paraguaio:
O presidente, que negócio é esse de ministro da marinha no PARAGUAI?
Ao que o presidente do PARAUGUAI responde:
Ué, quando você falou no seu ministro da justiça no BRASIL eu também não falei nada pô.

Responder

Gerson Carneiro

13 de março de 2013 às 11h10

Agora ele está, a serviço do tucanato paulista, no encalço do Chalita.

Ontem estava na tv distribuindo sorrizinhos de canto de boca afirmando que tem uma farta documentação contra o Chalita para analisar.

Responder

    RicardãoCarioca

    13 de março de 2013 às 13h17

    Isso é implorar a ajuda do PiG para receber alguma blindagem. Foi se meter a fazer politicagem para o PiG… agora sentirá o gostinho de ser deixado à beira da estrada por ele, já que daqui a alguns meses, fora do comando da PGR, voltará a ser insignificante para o (ex-)aliado de ocasião.

Scan

13 de março de 2013 às 10h39

Cachoeira para a PGR!
Pra que nos contentarmos com os subalternos quando o chefe está disponível?

Responder

Carlos de Sá

13 de março de 2013 às 10h08

Claro que não vai responder.
Isso aí a “opinião pública” da globo e seus satélites não dão a menor importância.
Depois fica malhando sinicamente os sarneys.
Santa hipocrisia.
Isso é o Brasil!

Responder

Julio Silveira

13 de março de 2013 às 09h58

E tem cidadão, anjo, que acredita que na Justiça brasileira não rola politica, que os poderes são independentes. kkkkkkkkkk.
O cidadão ludibriado com o engodo ainda vai demorar a perceber que boa parte de suas mazelas está no judiciário politico, mas esse infelizmente como bom anteparo para preservação de privilegios, o povo não pode mexer democraticamente.

Responder

Jose Mario HRP

13 de março de 2013 às 09h48

Vamos ver se agora esse gordinho “safo” se safa!
“El Prevaricador Geral da República”!

Responder

Nilson

12 de março de 2013 às 21h10

Que a verdade ganhe força e se faça justiça.

Responder

Nelson

12 de março de 2013 às 20h41

O Gurgel apronta uma em cima da outra, seu mandato já está acabando e ele acabará impune, duvido que ele responderá por algum dos atos que cometeu.

Responder

    Roberto Locatelli

    13 de março de 2013 às 10h56

    Mas a pressão contra Gurgel tira força do golpe de estado em andamento. Já é um começo…


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

Últimas matérias
John Pilger: A guerra contra a Venezuela foi construída sobre as mentiras que a mídia espalhou no mundo; acompanhe ao vivo imagens da fronteira

Na ponte que separa os dois paises, em Cúcuta, chavistas (com apoio da polícia) enfrentam não chavistas A guerra na Venezuela é construída sobre mentiras de John Pilger, no Counterpunch Viajando com Hugo Chávez, logo entendi a ameaça representada pela Venezuela. Em uma cooperativa agrícola no estado de Lara, as pessoas esperavam pacientemente e com […]

Ler matéria