VIOMUNDO

Diário da Resistência


Privatômetro: Dos R$ 280,4 bi de ativos vendidos da Petrobrás, 62,4% só no governo Bolsonaro
No último trimestre, foram privatizados a Lubnor, os polos Golfinho e Camarupim e campo Alcabora Leste. Fotos: Agência Petrobrás
Política 01/08/2022 - 20h45

Privatômetro: Dos R$ 280,4 bi de ativos vendidos da Petrobrás, 62,4% só no governo Bolsonaro


Por Redação

Privatômetro contabiliza venda de mais de R$ 280 bilhões em ativos da Petrobrás

Por Alessandra Martins*, em Observatório Social do Petróleo

A soma de ativos da Petrobrás vendidos nos últimos sete anos já atinge a marca de R$ 280,4 bilhões.

Desde o início de 2015, com a implementação do programa de desinvestimento, foram negociados 67 ativos da estatal, sendo a maioria (40%) do setor de Exploração e Produção de petróleo (E&P).

A maior parte das vendas foi concretizada no governo Bolsonaro, contabilizando R$ 175 bilhões, representando 62,4% do valor total.

Os dados são do Privatômetro do Observatório Social do Petróleo (OSP) e se baseiam no relatório de desempenho financeiro do segundo trimestre deste ano, divulgado quinta-feira (28/07) pela Petrobrás.

Os valores em reais apresentados já estão deflacionados, considerando o câmbio e o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para junho de 2022.

No comparativo com o balanço anterior, a venda de ativos neste 2º trimestre do ano registrou um crescimento de 6,5%, uma diferença de R$ 17,2 bilhões.

Entre abril e junho, a gestão da Petrobrás vendeu o Campo de Albacora Leste, no Rio de Janeiro, por R$ 11,4 bilhões; os Polos Golfinho e Camarupim, na Bacia do Espírito Santo, por R$ 391 milhões; e a Refinaria Lubrificantes e Derivados do Nordeste (Lubnor), no Ceará, por R$ 177 milhões.

Na distribuição percentual por país, de acordo com o Privatômetro, 96,7% dos ativos vendidos neste último trimestre foram adquiridos por empresas brasileiras e 3,2% ficaram com o Reino Unido.

No levantamento geral, o Brasil é o principal comprador de ativos da Petrobrás, respondendo por 22% das negociações, seguido pelo Canadá, com 21,6%.

Na contramão

O Privatômetro mostra ainda uma queda acentuada nos investimentos em energias renováveis. Desde o início do programa de desinvestimento, a Petrobrás já vendeu R$ 2,6 bilhões nesse setor, quase 1% do total privatizado.

“A Petrobrás não só vem reduzindo investimentos para a tão necessária transição energética como está privatizando ativos de usinas eólicas, biocombustíveis e energias renováveis. Uma estratégia que, infelizmente, vai na contramão do restante do planeta”, afirma Tiago Silveira, economista do OSP e do Instituto Brasileiro de Estudos Políticos e Sociais (Ibeps).

*Alessandra Martins é jornalista e assessora de imprensa do Observatório Social do Petróleo.





5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

04 de agosto de 2022 às 14h40

https://twitter.com/i/status/1554505031306690560

“Dos R$ 54 Bilhões de Lucro da Petrobrás, acionistas estrangeiros
levarão quase R$ 40 Bilhões.
Transformam a nossa Riqueza, a Riqueza que deveria servir
para o Povo Brasileiro, nesse lucro inaceitável, vergonhoso.
Isso é Intolerável!
E por isso, nos perguntamos:
Foi pra isso que deram o Golpe e rasgaram a nossa Constituição?”
Chega!
É hora do Brasil voltar a ter Dignidade com LULA PRESIDENTE!

Paulo Pimenta (PT/RS)
https://twitter.com/DeputadoFederal/status/1554505031306690560

Responder

Nelson

02 de agosto de 2022 às 12h26

Já faz bastante tempo que afirmo que Fernando Henrique Cardoso foi o mais corrupto, entreguista e deletério governo já imposto ao povo brasileiro. Ultimamente, também tenho afirmado que, se reeleito, Jair Bolsonaro pretende superar FHC nesses quesitos nada nobres.

Responder

Zé Maria

01 de agosto de 2022 às 21h49

Entregando o Petróleo a Preço de Casca de Banana.

Responder

    Zé Maria

    01 de agosto de 2022 às 21h57

    E entregaram pelo Regime de Concessão em que
    as Empresas Estrangeiras se apossam do Petróleo.

    Fosse pelo Regime de Partilha, criado nos Governos
    do PT, o Petróleo continuaria sendo do Brasil,
    não seria transferido às Petrolíferas Estrangeiras.

Nelson

01 de agosto de 2022 às 21h09

“A maior parte das vendas foi concretizada no governo Bolsonaro, contabilizando R$ 175 bilhões, representando 62,4% do valor total.”

É certo que essa turma do Observatório Social do Petróleo está inventando esses dados só para difamar o governo do Bolsonaro, o “mito”.

Como podem fazer uma coisa dessas com um governo cujos lemas principais e mais repetidos são “Brasil acima de tudo” a “Pátria amada Brasil”?

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Blogs & Colunas
Mais conteúdo especial para leitura