VIOMUNDO

Diário da Resistência


Pensamento único: Dilma e a volta do dragão da inflação
Política

Pensamento único: Dilma e a volta do dragão da inflação


15/04/2013 - 20h44

por Luiz Carlos Azenha

Não entendo de economia, mas de mídia tenho alguns anos de estrada.

Exemplo acabado da manifestação do pensamento único: página 2 da Folha de S. Paulo, 15.04.2013.

Colunista Um da Folha:

De cada 100 brasileiros aptos a comparecer às urnas em outubro do ano que vem, 40 tinham menos de 16 anos ou nem haviam nascido quando o Plano Real liquidou a superinflação. Para essa fatia do eleitorado, é fraca a memória de preços galopantes, corridas aos supermercados no dia do pagamento e estresse cotidiano com o valor do dinheiro no banco.

Aécio Neves, candidato presidencial do PSDB, em sua coluna na mesma página:

O PT sempre foi permissivo com a inflação. Basta lembrar que se posicionou contra o Plano Real, instrumento que derrotou a inflação e fez o país entrar numa era de prosperidade*. Os mais jovens não conheceram os dias difíceis vividos pela geração de seus pais e avós nos anos 80 e 90, quando os preços mudavam todos os dias nos supermercados e alcançavam a estratosfera.

Colunista Dois da Folha, na mesma página:

Trágico, porém, é notar que o governo descobriu, tardiamente, que uma inflação girando na casa de 6% durante tanto tempo criou resistência para sua queda. E gera um risco de reindexação da economia. Parece ter acordado apenas depois que a inflação alta caiu na boca do povo**. Deixou de ser um debate entre economistas e passou a fazer parte do cotidiano dos eleitores. Nada pior às vésperas de uma eleição presidencial.

Aécio Neves, candidato presidencial do PSDB, na mesma página:

A alimentação no domicílio saltou cerca de 14% em 12 meses. O bom humor dos brasileiros fez a disparada do preço do tomate virar piada nacional. Mas podia ser a farinha da mandioca, que teve crescimento de 151% em um ano***. O impacto é maior entre as famílias mais pobres. Elas gastam do seu orçamento com comida e bebida bem mais que as famílias mais ricas.

O que eu, Azenha, quero dizer é óbvio: ninguém iria notar se trocassemos de lugar as colunas da Folha ou alterassemos as assinaturas dos colunistas.

A ideia é a mesma: o PT e Dilma Rousseff vão pagar caro se não combaterem duramente a inflação via aumento dos juros.

Pregam, aparentemente, uma freada de arrumação na economia, faltando pouco mais de um ano para a eleição presidencial.

Falam, como sempre, em nome dos mais pobres, dos mais “sacrificados” pela inflação.

Ninguém se dá ao trabalho, como o bom jornalismo pede, de ao menos se perguntar: Há outra maneira de enfrentar o problema que não com aumento de juros? O que mudou na economia brasileira e, portanto, nas receitas do combate à inflação, desde que o Plano Real foi adotado? Os brasileiros estão dispostos a conviver com uma inflação ao redor dos 6% se isso não prejudicar o crescimento econômico? Pobre prefere perder com a inflação ou com o desemprego?

Eu, que nada entendo de economia, acho fascinante a “coincidência” entre o discurso de um candidato à presidência da República pelo PSDB e dois colunistas da Folha, praticamente no mesmo espaço.

Dias atrás, ouvindo a rádio CBN, testemunhei uma conversa entre Miriam Leitão e Carlos Alberto Sardenberg na qual ambos falavam sobre… a inevitabilidade de um aumento na taxa de juros para combater a inflação galopante.

Um deles avançou ao ponto de dizer que, a essa altura, um aumento na taxa de juros deixaria claro o fracasso da política econômica do governo Dilma, que em parte se baseou… na queda da taxa de juros, vendida aos eleitores e à população em geral como um estímulo ao bem estar do País.

Ou seja, se os juros subirem e houver uma freada econômica, Dilma será castigada pelo crescimento anêmico; se os juros ficarem na mesma e a inflação idem, será castigada por permitir a volta do dragão, por pisar no tomate e outros males dos quais, como admitiram tanto o colunista da Folha quanto o candidato do PSDB, boa parte dos eleitores nem se lembra mais. Neste caso, podem contar com aquela reportagem clássica do Jornal Nacional trazendo de volta as máquinas de remarcação de preços e os fiscais do Sarney.

O certo é que, quando José Dirceu acreditava ter uma TV “sua”, a Globo, cometeu um erro que hoje pode ser atribuído à esmagadora maioria do PT. A grande mídia aliada dos tucanos e financiada fartamente pelos governos petistas pauta os debates nacionais, empareda o governo, promove ou exagera crises (depois do inevitável apagão, veio a crise do tomate) e deixa os governos trabalhistas eternamente na defensiva.

Promover a diversidade de conteúdos é muito mais que garantir uma eventual vitória eleitoral. É razão de Estado na defesa de uma democracia que vá além do que pregam, em uníssono, colunistas tucanos e tucanos colunistas.

*A prosperidade citada por Aécio foi tanta que FHC, no segundo mandato, entregou o Brasil ao FMI.

**Também, como a inflação não cairia na boca do povo depois daquele show da Ana Maria Braga?

*** Vem aí a crise da tapioca.

Leia também:

Altamiro Borges: Um colar de tomates a serviço da alta dos juros

Jorge Vianna: “Há uma campanha em curso para os juros subirem”

Montagem do Bastidores da Mídia, no Facebook:

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



42 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Vagner Freitas: Presidenta Dilma, não ceda à pressão da especulação financeira - Viomundo - O que você não vê na mídia

16 de abril de 2013 às 20h14

[…] Pensamento único: a volta do dragão da inflação […]

Responder

Ivam Cassemiro

16 de abril de 2013 às 19h19

E ai Azenha, você se acha confortável fazendo parte desse jogo ?
Eu tenho lido vários comentários sobre o aumento dos juros como forma de segurar a inflação, mas porém, ai porém, a ideia “original” é do Sr. Guido Mantega, qual é o motivo para se culpar outros ?
Uma sugestão, esqueça os tomates, (você sabia que para produzir molhos, de algum tempo para cá nos os estamos importando da…China ?)para saber da variação real de preços, consulte um gerente de qualquer supermercado.
Obs: De vez em quando faça alguma critica ao governo PT, vai pegar bem e dar a impressão de imparcialidade.

Responder

    Luiz Carlos Azenha

    16 de abril de 2013 às 20h11

    Vê-se que você não é leitor do site. Volte mais vezes…

    Ivam Cassemiro

    16 de abril de 2013 às 20h20

    Poderia até voltar, se tivesse obtido uma resposta convicente.

Carlos Lima

16 de abril de 2013 às 17h00

O que mais o PSDB no gov. do FHC pedia, era uma luz no fim do túnel, pois era um apagão total, literalmente escuridão mesmo. Más agora pedem é a liberação do fumo ou seja o FHC é a favor do THC, até rimou.

Responder

Urbano

16 de abril de 2013 às 16h43

Esse dragão da inflação é puramente a vontade dos dragões da maldade que fazem a mídia de boston…

Responder

    Urbano

    16 de abril de 2013 às 16h49

    A propósito, você já cancelou hoje a sua assinatura de jornais ou revistas do pig? Se não o fez, faça-o agora, pois está pagando para ser ludibriado dia e noite. Ou vai querer ser zé-mané toda a vida?

RicardãoCarioca

16 de abril de 2013 às 13h29

Nos últimos anos, nessa mesma época, o PiG sempre promete entregar inflação e nada. Podem pesquisar. Época de entressafra é o momento de fazer terrorismo midiático.

Responder

Carlos Lima

16 de abril de 2013 às 12h16

O Aécio é boa pessoa, o mesmo não podemos deizer da Folha como jornal, porém escreveram com um erro abissal sobre a verdade, a inflação que o FHC entregou a LULA era calopante, e o cofre sem nenhum centavo, más como temos que sempre falar a verdade, tinha dinheiro deixado no no cofre no caixa da união era pouco mais de 15 Bi oriundos de um emprestimo que o LULA autorizou o FHC a contrair junto ao FMI no apagar do apagão do seu governo, em que o presidente dos EUA, o Clinton costurou para o FHC não sair do governo como um arrombador de cofres públicos, porque se não tivesse este dinheiro ele o FHC deveria ir para a cadêia se o engavetador geral da repíblica trababalhasse. O Aécio é boa pessoa, porém está mentindo, e a folha mente para tirar proveito. Não tem formas de comparar o governo do PSDB com o gov. LULA sobre o assunto inflação, é como comparar o LADRÃO com o delegado que o prendeu. um Deixou o cofre quase vazio e o outro deixou reservas acima de 240 bi. Aécio menos, quando se começa mentindo, começa sempre mal, e o fim pode ser pior ainda. A folha nem é preciso cismar, a mentira e ilações é conteúdo certo em suas letras.

Responder

    RicardãoCarioca

    16 de abril de 2013 às 13h25

    O Aécio é tão boa gente que, em seu governo em MG, sumiram mais de 4 bilhões de dinheiro público de estatais mineiras e o mesmo está sendo processado por isso. A confiança é tanta dele não ser sentenciado em primeira instância, o que impediria o tucano a se candidatar no próximo ano, devido a Lei da Ficha Limpa, que o FHgáC o lançou, apostando que, se o PiG não comentar o assunto, a justiça (minúsculo mesmo Conceição e Azenha, obrigado) também não irá se mexer. Mas ai ai ai se ele fosse do PT…

    É triste imaginar o dinheiro que sai dos nossos bolsos mensalmente, através do pagamento de impostos e contribuições, vai parar nas contas dessa gente no exterior e, depois, bastará dar uma comissãozinha para alguns nas cúpulas dos poderes para que nada aconteça…

    Alemao

    16 de abril de 2013 às 15h21

    Vcs adoram mostrar os números na hora de comparar os dois governos mas se esquecem de informar a razão de tanta diferença. Até hoje nenhum de vcs foi capaz de explicar como o Lula salvou o Brasil. Que medida ele tomou? Nada.
    Na verdade vcs tb não sabem, acreditam apenas no mito. A verdade é que ele não fez nada. O Brasil, assim como hoje, foi salvo pela exportação de commodities.

    Valcir Barsanulfo

    16 de abril de 2013 às 16h21

    Alem,ão é sempre alemão, nazi-faccista. Lula salvou o plano real, e convocou o País ao crescimento, simplesmente.
    O cíniko sociólogo que se envergonha do que escreveu ou plagiou, deixou o País de joelhos e de calça na mão diante do FMI, simplesmente.

Mardones

16 de abril de 2013 às 09h00

Alguém já ouviu falar em aumento do compulsório dos bancos?

E como bem lembrou alguém aqui, quem manda no Brasil é a ANBIMA.

Responder

Mardones

16 de abril de 2013 às 08h55

“Ninguém se dá ao trabalho, como o bom jornalismo pede, de ao menos se perguntar: Há outra maneira de enfrentar o problema que não com aumento de juros?”

Um tal de Paulo Kliass – no site do Carta Maior – já ensinou que há alternativas ao combate à inflação que não o aumento da taxa básica de juros, por exemplo, o aumento do compulsório dos bancos. Como medida superficial.

Para combater fantasmas como o da inflação é preciso política de investimento para evitar que aumento de consumo não seja acompanhada de um aumento da oferta dos bens e serviços. Porém, isso é para longo prazo. E infelizmente, nem governistas, nem oposição pensam em trilhar esse caminho necessário para escapar desse ciclo de aumento da procura, sem o correspondende aumento da oferta.

Finalmente, não custa lembrar e nem precisa ser especialista em economia para saber que há a sazonalidade. Aquele período, por exemplo, de entressafra, no qual os preços de alguns produtos sobem por que não há como antecipar a safra de tal produto. Ou em épocas festivas, nas quais os brasileiros insistem em comprar os produtos que a tv diz ser essencial para a felicidade futura da raça humana. Nessas ocasiões, o governo não precisa se assustar, pois sabe que quando a febre passar ( as festas ou a entressafra) os preços devem voltar ao normal.

Responder

Julio Silveira

16 de abril de 2013 às 08h35

O problema é que esses veiculos de desinformação e manipulação são os principais instrumentos de comunicação de muitos grandes do governo. Como reconheceu a propria Dilma em seu ato de valorização da “imprensa livre” brasileira, quando nos brindou com sua visita a Folha e a sua diretoria como um dos prieiros atos de seu mandato.
Sabemos que através das parcerias que muitos já conhecem, o governo é coagido e anestesiado. O governo hoje é discaradamente trabalhado para aplicar politicas induzidas pela midia, como sempre foi nos governos anteriores até chegar o rebelde Lula, com resultados que certamente beneficiam os grupos empresariais por detrás desses grupos midiaticos e seus tentaculos e a seus parceiros, que lucram com as medidas que “sugerem”. Quanto a beneficios a cidadania, os anos passados onde nos situamos em patamares ridiculos de qualidade de vida e crescimento economico falam por si. Mas há que ter vontade de resistir.

Responder

Gerson Carneiro

16 de abril de 2013 às 08h11

Esse discurso de que “os mais jovens não conheceram a época em que a inflação era de dois mil por cento ao mês” eu vi pela primeira vez no Jornal da Cultura no final do mês de fevereiro.

Responder

    Gersier

    16 de abril de 2013 às 11h46

    Pois é,esqueceram também de dizer que esses jovens desconhecem os apagões,o racionamento compulsório de energia elétrica por parte dos consumidores,as taxas impostas nas contas para dar “sustentabilidade” as concessionárias e geradoras de energia que foram privatizadas,as frequentes idas aos Estados Unidos atrás da grana do FMI.Os mais jovens podem não saber,mas nós os mais velhos nunca vamos esquecer.

José Ricardo Romero

16 de abril de 2013 às 08h01

Às vezes eu penso que sou de outro planeta! Não estamos às vésperas da eleição, faltam 6 meses. O lançamentos das candidaturas precoces de Marina, Aécio Campos e Serra (que corre por fora) pode bater com a cara no poste. E se, até o final deste ano ou início do próximo quando, aí sim, estaremos em ano eleitoral, nenhuma destas desgraças anunciadas acontecer? Seus discursos fundamentam-se em desejos de tragédias. Mesmo que as coisas não corram muito bem com o crescimento, as obras em andamento, falta de energia elétrica e outras catástrofes, como ficará o discurso dessa gente quando de fato estiverem às vésperas de uma eleição? Com o governo governando e o Lula e o PT começarem sua companha política? Vai ser um vazio insustentável. A saída para a oposição é o caos…ou nada.

Responder

foo

16 de abril de 2013 às 07h12

“Falam, como sempre, em nome dos mais pobres, dos mais “sacrificados” pela inflação.”

E alem de tudo e’ mentira.

O preco do tomate aumentou? Pois bem, o preco da carne caiu.

O que e’ mais importante, na percepcao do povo, o preco do tomate ou da carne?

Alem do mais, esqueceram da sazonalidade. Foi so’ publicarem as materias que o preco do tomate caiu 40%.

Responder

FrancoAtirador

16 de abril de 2013 às 01h18

.
.
LULA ORGANIZA O MEIO DE CAMPO

“Tenho ouvido o discurso que eles têm feito: a novidade do tomate.

O que eles não sabem é que uma mulher calejada na luta como é essa (Dilma) não vai permitir que um tomatezinho quebre a economia de um país.
E não vamos jogar tomate nos adversários.
Precisamos ter consciência do que fizemos nesses dez anos.
E do muito que tem que se fazer ainda. É possível fazer mais.
Ainda há obstáculos a serem vencidos.
Mas quem é melhor do que essa companheira (Dilma)?
Este país já teve Getúlio, JK, Lula.
Este país tem nessa senhora a pessoa que mais chegou preparada para governar.
Nunca tivemos motivo para ter tanta tranquilidade quanto podemos ter agora.

Queria pedir a vocês que a gente desse uma salva de palmas para o companheiro Maduro, da Venezuela.

Com todo o respeito que eu tenho pelos americanos, o engraçado é que vira e mexe os americanos cismam de contestar eleição.

Kennedy foi eleito contra Nixon com apenas 0,01% de vantagem.

Por que eles não se preocupam um pouco com eles?”

http://www.cartamaior.com.br/templates/index.cfm

Responder

Gilberto Marotta

16 de abril de 2013 às 00h47

Ótimo, Azenha! E olha só, as elites reacionárias nem originalidade tem! Observe este vídeo de propaganda do IPES do início da década de 60, intitulado “Omissão é Crime”: a mesma tentativa de impor o pensamento único, o mesmo terrorismo midiático, inclusive quanto à inflação. E quem é a “estrela”? ele mesmo, o velho TOMATE, firme e forte, está lá a partir de 3’26”, apavorando os “homens de bem”(ns)… confira onde Veja e Ana Maria Brega se inspiraram… http://www.youtube.com/watch?v=6aM4jk_LxC0

Responder

anderson

16 de abril de 2013 às 00h20 Responder

FrancoAtirador

15 de abril de 2013 às 23h57

.
.
“Elas gastam do seu orçamento
com comida e bebida bem mais
que as famílias mais ricas”
(Aébrio Nébulus)

Com bebida, Aébrio?

Duvido que gastem mais

que a família Neves…
.
.

Responder

J Souza

15 de abril de 2013 às 23h23

Os grandes bancos – como Itaú, Bradesco e Santander – e as montadoras de carro(ça)s são fundamentais para o lucro da rede Globo.
Por isso, juros altos e redução de IPI são “sagrados” para as “organizações” Globo!

Na mídia golpista, onde se lê “inflação”, leia-se “queremos juros mais altos”!

Responder

    J Souza

    15 de abril de 2013 às 23h25

    Quem entendia sobre a “prosperidade” do governo FHC era o Bill Clinton.
    Tem até um famoso vídeo na internet mostrando como o Clinton reconhecia a “prosperidade” do governo FHC…

    Carlos Eduardo Luz- CURITIBA

    16 de abril de 2013 às 12h31

    As coisas são mais complicadas do que parecem, vejam o seguinte: Faço vários comentários e à muito tempo no blog do PHA, sempre que o assunto diz respeito ao PIG eu pergunto ou comento, pôxa PHA bem que a RECORD poderia fazer um “domingo espetacular”contrapondo estas notícias, sabe o que aconteçe? sou censurado. E assim segue a humanidade.

Pelicano

15 de abril de 2013 às 23h10

Um tanto quanto tendenciosa essa coluna, perdeu a chance de trazer a tona um debate econômico e não politico, sobre um assunto importante para todos brasileiros.

Responder

    João-PR

    16 de abril de 2013 às 01h01

    Pelicano, economia e política não se dissociam. Quem faz essa dissociação tenta colocar a economia em um “mundo a parte”, no qual ela seria uma “deusa isenta”, cuja atuação em nada interferiria no mundo dos mortais.
    Fica uma pergunta: a economia deve ser vista como algo a serviço do ser humano, ou o ser humano deve ficar a serviço da economia?

    FrancoAtirador

    16 de abril de 2013 às 02h16

    .
    .
    Caro Pelicano.

    Política e Economia são irmãs siamesas.

    No Brasil, governar é administrar politicamente a Economia

    na doce ilusão de harmonizar a relação Capital e Trabalho.

    Mas então vamos aproveitar a “coluna política” do Azenha

    para “trazer à tona o debate econômico” sobre um “assunto

    importante para todos brasileiros”:

    A Remuneração de Títulos da Dívida Pública Federal.
    .
    .
    Apesar de ter havido alguma redução na rentabilidade das aplicações em Títulos Públicos Federais (TPFs), os índices de remuneração da Dívida Pública Federal (DPF) continuam nas alturas, principalmente aqueles atrelados ao IPCA (IMA-C) e ao IGP-M (IMA-B), que no mês de fevereiro atingiram, respectivamente, 30,1% e 21,6% ao ano.

    Estes dados concretos, fornecidos pelo próprio Tesouro Nacional no “Relatório Mensal da DPF”
    (https://www.tesouro.fazenda.gov.br/images/Texto_RMD_Fev_13.pdf),
    ratificam a afirmação(*) de que “essa gritaria toda”, “em uníssono”, não está relacionada à preocupação cívica com o aumento da inflação, mas sim em fazer pressão para que, o quanto antes, haja elevação dos juros, já que a remuneração dos TPFs pela taxa SELIC (IMA-S) caiu para 8% ao ano.

    Portanto, em matéria de inflação, se algum interesse há dos rentistas da Mídia Bandida, é que aumentem os preços para elevar ainda mais os rendimentos dessas aplicações em Títulos da Dívida Pública atrelados ao IPCA e ao IGP-M.

    Outro elemento estatístico bastante relevante, expresso no Relatório do Tesouro, é que 35,51%, ou seja, mais de 1/3 dos TPFs estão vinculados precisamente aos índices de preços,
    enquanto os títulos remunerados por taxa flutuante (SELIC) tiveram participação na proporção de 23% do total da DPF, em fevereiro de 2013.

    Como não poderia deixar de ser, neste Neocapitalismo extorsivo vigente no Brasil e, como de resto, em todo o Planeta, porquanto globalizado,
    a ganância dos ‘mercadistas’, isto é, dos agentes financeiros apátridas, que são os detentores ou administradores desses Títulos Públicos da DPF, é insaciável.


    .
    .
    Mas é aqui que está o furo da bala: *ANBIMA*

    A Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais- ANBIMA é quem realmente manda na Economia do Brasil:
    .
    .
    5.2 Rentabilidade dos Títulos Públicos Federais

    O Índice de Mercado Anbima (4) – IMA, criado pela Anbima (5) em parceria com o Tesouro Nacional, afere a rentabilidade da carteira teórica formada por títulos públicos em circulação no mercado.

    É considerado um parâmetro eficiente para avaliar a evolução da rentabilidade dos títulos públicos, imprimindo maior dinamismo aos mercados primário e secundário da dívida mobiliária federal.

    Os dados apurados em fevereiro apontam um decréscimo de 0,2 ponto percentual do índice IMA-S, referente aos títulos vinculados à Selic,
    e um decréscimo de 1,8 ponto percentual para o índice Geral.

    Também se apurou uma redução de 1,1 ponto percentual na rentabilidade dos títulos prefixados, representados pelo IRF-M.

    Os títulos atrelados ao IGP-M, representados pelo IMAC, apontam uma redução de 4,5%.

    Houve um decréscimo de 3,7 pontos percentuais dos títulos vinculados ao IPCA, representados pelo IMA-B.

    (4) IMA – Índices de renda fixa calculados com base na evolução do valor de mercado de carteiras compostas por títulos públicos.
    O IMA geral é o resultado da ponderação das variações de cada índice;
    o IRF-M é composto por títulos prefixados (LTN e NTN-F);
    o IMA-C, por títulos atrelados ao IGP-M (NTN-C);
    o IMA-B, por títulos atrelados ao IPCA (NTN-B);
    e o IMA-S, por títulos atrelados à Taxa Selic (LFT).

    Para mais informações sobre os índices IMA acesse:
    (http://portal.anbima.com.br/informacoes-tecnicas/indices/ima/Documents/ima_cartilha.pdf)

    (5) Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais [*ANBIMA*].
    .
    .
    OS DONOS DO BRAzIL

    (http://portal.anbima.com.br/a-anbima/quem-somos/diretoria/Pages/default.aspx)
    (http://portal.anbima.com.br/a-anbima/associados/lista-de-associados/Pages/default.aspx)
    .
    .
    (*) Comentários de Guto Lenartovich e Evandro ao post (https://www.viomundo.com.br/denuncias/jorge-vianna.html):

    sex, 12/04/2013 – 21:44
    Guto Lenartovich

    Somente “almas ingênuas” acreditam que essa gritaria está relacionada à inflação. O motivo da gritaria é, naturalmente, aumentar os juros. Ou seja, aumentar os ganhos parasitários – os ganhos com juros – às custas dos lucros do setor produtivo, dos salários, do Tesouro e do Estado.

    Segundo o Tesouro Nacional, em seu Relatório Mensal da Dívida Pública Federal de fevereiro, nada menos que 70,91% dos títulos federais lançados no mercado estão na mão de bancos, entidades controladas por bancos ou “não-residentes” no país.

    Basicamente, os detentores privados de títulos públicos federais são:
    I) “instituições financeiras”: R$ 510,32 bilhões (27,38%);
    II) “fundos de investimento”: R$ 468,63 bilhões (25,14%);
    III) “não-residentes”: R$ 266,61 bilhões (14,30%);
    IV) “seguradoras”: R$ 76,22 (4,09%).
    TOTAL: R$ 1 trilhão e 321 bilhões em títulos públicos federais.

    Para ajudar no “combate a inflação”, conseguiram elevar o tomate à categoria de indicador econômico.
    .
    .
    sáb, 13/04/2013 – 13:04
    Evandro

    Fonte: Página 14

    https://www.tesouro.fazenda.gov.br/images/Texto_RMD_Fev_13.pdf
    Agiotas pagam muito bem a mídia mercenária
    .
    .

    francisco niterói

    16 de abril de 2013 às 07h35

    por favor, bicudo!!!

    Vc ainda nao entendeu que este debate é sobretudo politico?
    Isso é que dá se pautar por uma midia hegemonica. Acontece que eles poem o assunto em economia mas estao pensando em 2014. E nos rentistas, sempre.

Vlad

15 de abril de 2013 às 23h03

Será que é necessário aumentar os juros?
Quem sugeriu isso como via preferencial de combate à inflação?
Tá implícito nos textos?

Responder

    Luiz Carlos Azenha

    15 de abril de 2013 às 23h11

    Está dito nas colunas, sim, em todas elas. abs

    bento

    16 de abril de 2013 às 10h49

    Chupador de sangue…chegaste no planeta terra hoje?

Gerson Carneiro

15 de abril de 2013 às 22h48

É o “barulho da Democracia”, Azenha.

Responder

Carlos Eduardo Luz- CURITIBA

15 de abril de 2013 às 22h23

Pelo que vejo os blogueiros sujos não aprenderam nada com a eleição do Hadadd em SP, o que a globo fêz em conluio com o joaquim silverio, foi mil vezes pior que o tomate. Fiquem tranquilos o tempo em que eles elegiam seus escolhidos acabou alias o tempo deles acabou só eles não perceberam. Só eles?

Responder

    Rasec

    15 de abril de 2013 às 22h53

    Disse tudo! Assino embaixo. Os blogueiros parece que esqueceram a época do Lula! Dilma, financia os blogueiros ou eles vão continuar batendo terror! Com o bater terror do PIG já deveríamos estar acostumados, mas parece que não!

Alexandro Rodrigues

15 de abril de 2013 às 22h07

Parafraseando o Sr Coerencia (Paulo Henrique Amorim): Essa JK de Saias!

A Sra Presidenta vai pagar caro por acreditar na `Teoria do Controle Remoto`!

Responder

Eneas

15 de abril de 2013 às 21h42

Infelizmente o PT com Dilma e Legislativo, em algumas questoes, sao muito fracos. Talvez se deva a coligacao, principalmente com a ala PMDB q eh quase PSDB, mas eh so uma teoria.

Responder

Fabio Passos

15 de abril de 2013 às 21h29

A “elite” branca e rica, que nao gosta de trabalhar e tem nojo dos trabalhadores, quer recuperar as gordas tetas do Estado para mamar.

Nesta disputa estao 50 mil familias de gra-finos vagabundos x todos os trabalhadores brasileiros.

A forca da casa-grande e o seu poder economico e o monopolio da informacao mantido pela globo.
O PiG e o sustentaculo do Apartheid Social.

Derrotar o PiG e democratizar a midia sao pre-condicoes para o Brasil superar o atraso, a injustica social e o subdesenvolvimento.

Responder

pereira

15 de abril de 2013 às 21h20

Temos que derrubar a globo, eu não vejo a globo a tempos, essa globo acabou, mas o povo esta de olho.

Responder

José X.

15 de abril de 2013 às 20h53

Como eu sempre digo, todo esse papel aí é lixo. O importante mesmo é o que passa no Jornal Nacional, que diariamente “atinge”(literalmente) milhões de brasileiros. Enquanto a Globo tiver força o governo (qualquer um) vai ser fraco…

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.