VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Política

Marcos Coimbra: A cara do governo


01/12/2010 - 14h13

por Marcos Coimbra, no Correio Braziliense

A reação de parte da imprensa às informações sobre a composição do governo Dilma é curiosa. Em alguns veículos, chega a ser cômica.

Outro dia, um dos jornais de São Paulo estampou em manchete que Dilma estava “montando o núcleo de seu ministério com lulistas”. O que será que o editor imaginava? Que ela fosse recrutar “serristas” para os postos-chave de sua administração?

Como ensinam os manuais do jornalismo, essa não é uma notícia. Ou será que algo tão óbvio merece destaque? “Cachorro come linguiça” não é um título para a primeira página. No dia em que a linguiça comer o cachorro, aí sim a teremos uma notícia (que, aliás, deverá ser impressa em letras garrafais).

Na mesma linha, um jornal carioca achou que era necessário alertar os leitores para o fato de que “Lula está indicando várias pessoas para o governo Dilma”. Em meio a estatísticas sobre quantos nomes já havia emplacado, a matéria era de franca desaprovação.

Na verdade, tanto nessa, quanto na manchete do jornal paulista, estava implícita quase uma denúncia, como se um duplo mal-feito estivesse sendo cometido. Por Lula, ao “se meter” na formação do novo governo, ao “tentar interferir” onde, aparentemente, não deveria ter voz. Por Dilma, ao não reagir à intromissão e o deixar livre para apontar nomes.

Quem publica coisas assim dá mostras de não ter entendido a eleição que acabamos de fazer. Não entendeu como Lula, seu principal arquiteto, a concebeu, como Dilma encarnou a proposta, e como a grande maioria do eleitorado a assimilou.

Tudo mundo sabe que, quando Lula formulou o projeto da candidatura Dilma, a ideia central era de continuidade: do governo, de suas prioridades, de seu estilo. Ele nunca disse o contrário e insistiu no uso de imagens que caracterizavam, com clareza, o que ela representava. Para que ninguém tivesse dúvidas, chegou a afirmar que votar em Dilma era a mesma coisa que votar nele. Foi explícito nos palanques, nas declarações, na televisão.

Dilma sempre falou a mesma coisa. Mostrou-se à vontade como representante de Lula e do governo, seja por sua lealdade para com o presidente, seja pela boa razão de que o governo era dela também.

Apresentar-se ao país como candidata de continuidade nunca a deixou desconfortável, pois significava defender aquilo a que havia se dedicado nos últimos oito anos.

Isso foi bem entendido pelos eleitores. Desde o primeiro momento e até o fim da eleição, as pessoas olharam para Dilma sabendo qual era a natureza de sua candidatura. Muitas descobriram suas qualidades pessoais, mas o núcleo da decisão de votar em seu nome foi outro, como mostraram as pesquisas.

Ninguém votou em Dilma para que o “dilmismo” vencesse o “serrismo”. Só quem quis que a eleição fosse essa foi o próprio Serra, que sabia que perderia se o foco da escolha se alargasse, se os eleitores olhassem para o que cada candidato representava e não se limitassem a fazer a velha comparação de biografias.

Agora, quando Dilma escuta Lula na montagem do governo, ela apenas cumpre a promessa fundamental de sua candidatura, a razão principal (para alguns eleitores, a única) dela ter sido votada. Quando dá mostras de que manterá ministros e dirigentes, faz apenas o natural. Se, por exemplo, se comprometeu durante a campanha com a preservação de determinada política, porque razão não seria adequado que o responsável permanecesse?

O governo que está sendo organizado terá a cara da continuidade, política e administrativa. Terá a cara de Lula, do PT e das outras forças partidárias que venceram a eleição. Terá a cara da atual administração, que é aprovada pela maioria da sociedade. Terá a cara de Dilma, pois é ela que o chefiará.

É isso que foi combinado com o país.

Marcos Coimbra, sociólogo e presidente do Instituto Vox Populi





14 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Lu Busis

17 de dezembro de 2010 às 01h43

Votei na Dilma por sua atuação como ministra do governo Lula, por sua biografia e pela necessidade de o Brasil buscar uma forma de dar continuidade ao projeto que o Lula emplacou. Pouco me importa se o ministro é novo na pasta ou não, pouco me importa se é do PT, do PMDB ou de qualquer outro partido aliado, ou mesmo de nenhum partido. Importa-me sim, que o ministro escolhido não seja do PSDB, DEM, PPS, PSOL, etc, não porque ali não existam pessoas bem intencionadas e capazes, mas porque os principais representantes dessas agremiações bateram pesado demais no Lula, muitas vezes fazendo uso de desonestidade e descaramento, como nos factóides criados para desestabilizar o governo. A proposta da Dilma é a continuidade com aperfeiçoamento, tanto é que a campanha se identificava pelo: PARA O BRASIL CONTINUAR MUDANDO. Se para isso, for necessário que todos continuem lá, que fiquem e façam tão bem quanto fizeram no tempo do Lula.

Responder

Marcio

03 de dezembro de 2010 às 12h23

É que "eles" estão acostumados a brigar entre si. É o caso de SP. Aqui quando um entra muda tudo, mesmo que o outro seja do seu próprio partido. Eles nunca se entenderam e não entendem também como é que Dilma dá continuidade quando falou que…….DARIA CONTINUIDADE.

Responder

Laura

02 de dezembro de 2010 às 08h06

Pois eu votei na dilma e voto no Pt e achei, sim, que o Ministério parece que está, sim, continuista demais.Pouco se me dá o que diz a direita. Houve mudança, sim, com o Tombeini no BC. Mas o ue gostaria de ver são projetos e um certo ar de mudança, arejamento, ousadia. Muitos mesmos nomes dá um certo ar de falta de movimento e projeto próprio. A Dilma é maravilhosa, onde está a maravilha no Ministério?por enquanto está meio insonso, sem verve. Não estou gostando, não.

Responder

a barbosa filho

02 de dezembro de 2010 às 07h45

Jobim, vai por mim: pede prá sair….

Responder

Pedro

02 de dezembro de 2010 às 01h41

Coimbra foi no ponto agora.

Ah, esse PIG…

Responder

franklin

01 de dezembro de 2010 às 18h50

Mas a intenção deles é justamente isso. Isolar a Dilma do Lula, e perseguir o governo dela sem ter que enfrentar o GRANDE LULA.

Responder

Domngos

01 de dezembro de 2010 às 18h37

Essa "grande imprensa" parece não ter o que falar. LULA é DILMA e DILMA é LULA todos sabem disso.

Responder

Lisboa

01 de dezembro de 2010 às 17h54

Na vdd eles (PIG) sabem disso, não são imbecis a tal ponto. O que eles querem
é jogar um monte de asneiras no "ventilador".
E ai, vai que uma asneira dessa pega, no minimo já estaram prontos para o golpe. O
que precisamos é de blogs como esse, para nos munir de informações e não cair
na conversa deles (o PIG).

Responder

J.L.Brandão Costa

01 de dezembro de 2010 às 16h55

Como se diz aqui no Rio: lugar quente para chorar é na cama, ou então no Bola Preta. Análise perfeita.
Esse artigo do Coimbra veio a calhar. Parece que ele sabia o que a Dona Miriam Leitão irira escrever na sua coluna do Globo, hoje. Mais cômico que ísso, só a alegação de que a verdadeira democracia demanda "alternância".

Responder

Marino Piccoli

01 de dezembro de 2010 às 15h55

PERFEITO!!

Responder

Carmen

01 de dezembro de 2010 às 15h52

Concordo plenamente, mas com Palocci fora da Casa Civil e se possível fora do Ministério e Nelson Jobim, O DELATOR, fora do governo.

Responder

ebrantino

01 de dezembro de 2010 às 15h22

Coimbra é o cara. Acrescentar o que?!

Responder

Edmar

01 de dezembro de 2010 às 15h11

Caro o Marcos Coimbra evitou-me a nescessidade de bradar aos ventos contra os comentários idiotas das "sumidades" globais (não sei porque não "sumem" de vez), criticando as escolhas de DILMA e LULA pro ministério. Nós elegemos essas pessoas (que vergonha do Jobim!) que fizeram os governos chefiados pelo LULA, pra que seguissem fazendo a mesma coisa chefiados agora pela DILMA. Afinal alguém com espaço para manifestar-se brada esso "PORQUE NÃO TE CALAS" nesse idiotas do PIG (PHA). Obrigado!

Responder

Sérgio Vianna

01 de dezembro de 2010 às 15h05

"É isso que foi combinado com o país."

Marcos Coimbra foi cruel. Chamou os chorões – todos de uma vez – de estúpidos.

Mas nossa mídia está cheia de estúpidos e medíocres. Não enxergam Dilma como a dona da caneta, que assina a entrada e a saída de quem ELA quiser. Observado o jogo político, que é da vida política. Nada mais que natural.

E aos estúpidos, quem deu a Dilma a autoridade de assinar o que ela quiser também é conhecido por POVO BRASILEIRO. Que está muito satisfeito com a escolha que fez.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding