VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Luís Felipe Miguel: Figuras como Huck são mais danosas à democracia do que o velho Centrão
Foto: Reprodução GNT
Política

Luís Felipe Miguel: Figuras como Huck são mais danosas à democracia do que o velho Centrão


19/06/2021 - 01h28

Luciano Huck

Figuras como Huck são mais danosas para a democracia do que o velho Centrão

Por Luís Felipe Miguel*, em A terra é redonda

Luciano Huck mentiu a Pedro Bial ao dizer que votou em branco em 2018.

Todo mundo lembra do vídeo, às vésperas do segundo turno, em que ele se posiciona.

No vídeo, começa dizendo, pomposamente, que fez “uma análise”.

Depois se expressa torpemente, no nível de um adolescente não particularmente dotado que se informa pelo zap. É chocante pensar que esse fulano estava cogitado para concorrer à presidência.

Descarta liminarmente o voto em Haddad, sem se preocupar sequer em apresentar justificativa: “No PT eu jamais votei e nunca vou votar. Isto é fato”.

Em seguida, vai ao que interessa. Huck diz que “levantou os problemas” de Bolsonaro, sem explicitá-los, mas logo emenda: “acho que as pessoas podem, sim, amadurecer”.

E completa dizendo que “ele tem uma chance de ouro de ressignificar a política no Brasil. Vamos ver, vamos aguardar”.

Não há margem para dúvida. Huck só não falou “vou votar 17”, mas deixou claro.

Havia apenas duas opções; uma estava vetada e a outra abria espaço para muitas esperanças. Mesmo um telespectador médio do Caldeirão saberia a qual conclusão chegar.

Não é só o vídeo. O marido de Angélica atuou fortemente a favor de Bolsonaro na fase final da campanha – ele proibiu, por exemplo, que o Agora, movimento de “renovação política” que ele patrocinava, divulgasse uma nota já aprovada em favor do #EleNão.

Depois, se esforçou para que a bancada federal do RenovaBR, outro movimento de “renovação política” que ele patrocinava, se alinhasse ao governo.

Bial, que se diz tão ativo na detecção de inverdades de seus entrevistados, deixou passar batido. Mas, claro, estava apenas cumprindo seu papel de coadjuvante da mistificação.

O mais importante é que, ao mentir sobre o voto de 2018, o descobridor de Tiazinha disse: “Eu não me arrependo, eu votei em branco e votaria em branco de novo”.

O que significa que, apesar de toda a mis-en-scène dos últimos meses, ele marchará ao lado do genocida nas eleições do ano que vem.

Eu não assisti à entrevista de Huck. Li a reportagem na Folha, que concedeu a ela dois terços de página ímpar, além de chamada de capa. É o esforço continuado para fazer do ex-patrão da Feiticeira uma figura relevante do cenário político nacional.

Na página ao lado, uma reportagem sobre a reunião de dirigentes do que o jornal, caracteristicamente, chama de “sete partidos de centro-direita e de centro-esquerda”, em busca da mítica terceira via.

Mandetta, organizador do encontro, declarou que o que os unia era a vontade de buscar uma alternativa aos “dois extremos”.

A manutenção deste discurso, depois de dois anos e meio deste governo (ao qual o próprio Mandetta, não custa lembrar, serviu gostosamente durante tanto tempo), sinaliza a mesma coisa.

Uma porta aberta para apoio envergonhado a Bolsonaro no segundo turno.

Para onde, aliás, vocês acham que vai parar Doria, com calça apertada e tudo? Sobretudo com a chance, que hoje é real, de um segundo turno em São Paulo entre o PSDB e Haddad ou Boulos?

Há personalidades políticas da direita que foram capazes, ainda que tardiamente, de afirmar um compromisso mínimo com a democracia e deixar claro que, contra Bolsonaro, apoiam quem for necessário.

Infelizmente, quase todas são, como FHC ou Cristovam Buarque, políticos já aposentados. As lideranças ativas dos partidos de direita não têm esta postura.

Quem diria: elas são mais danosas para a democracia do que o velho Centrão – que, afinal, está aí para se vender a quem quer que seja.

*Luis Felipe Miguel é professor do Instituto de Ciência Política da UnB. Autor, entre outros lis, dvroe O colapso da democracia no Brasil (Expressão Popular).





4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Jair de Souza

20 de junho de 2021 às 09h20

A situação brasileira me faz lembrar o caso recente do Peru e as lições que podemos extrair dali. O que fica bem claro é que a burguesia e seus representantes se orientam sempre por seu sentido de classe. As picuinhas interburguesas só podem ser levadas em consideração quando os interesses maiores de classe do grande capital não estão em risco. Se do outro lado está alguém que pode significar uma ameaça ao sacrossanto direito de continuar espoliando a nação, por que vacilar? Assim como no Peru a reconhecidamente fascista e corrupta Keiko Fujimori era o nome que, apesar de todo o horror que simbolizava, garantiria aos capitalistas peruanos que nada iria interferir em seus negócios, no Brasil, entre Bolsonaro e um nome do campo popular, nossa burguesia também não vai vacilar. Aliás, já deu mostras que não é de vacilar por picuinhas nas horas decisivas. Cabe ao campo popular aprender a lição dessa burguesia e começar a deixar de lado nossas picuinhas nos momentos decisivos e juntar forças para mudar radicalmente a situação. Para evitar “picuinhas”, deixei de usar a expressão “fazer a revolução socialista”.

Responder

Biblia do B

19 de junho de 2021 às 19h06

a mídia esquerdopata deveria informar o que gente da elite não tá tão animada com o governo do mito. Suas demandas não estão sendo atendidas. O que que mais queriam?
1- 30 milhões de petistas expulsos para Cuba e outros 40 mi em campo de concentração e pau de arara

2 – bombardear tudo quando fosse favela, mas não de forma desumana. todo ficaria sabendo uns umas duas horas antes para sair e depois seria construído prédios de 10 andares (sem elevado, claro,), financiado com recursos do BNDES\BB, etc tudo por conta dos milicianos

3- Nenhum serviço público não deveria mais existir. As injeções mais barata deveria custar R$ 500,00

Responder

Rosalvo Valfrido Neves

19 de junho de 2021 às 18h21

As pessoas tem que ter entendimento para escolher um candidato,para governar um país,
Analisando,não só pelas suas propostas,mas pelos seus propósitos;
Entre o desconhecido e conhecido duvidoso,entre o popular e,o aparentemente, simples,.
Mas Nós não podemos ficar encima do muro!.
Acima de tudo acho que,essa política Brasileira tem que ser mudada,renovada!,
Tem que passar por uma reforma política popular!.

Responder

Cleiton

19 de junho de 2021 às 14h50

Não se enganem. Mas uma coisa parece certa, a direita tem sido mais fiel às suas convicções políticas que a esquerda. Eles não votam no PT por nada, preferem ver a democracia se afundar que pobre se emancipar. Me surpreenderia se ele tivesse votado no Haddad

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding