VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Deputado que homenageia Pinochet quer polícia em órgão de Direitos Humanos e ensino militar nas escolas
Deputado bolsonarista Frederico Braun D'Avila e Pinochet. Fotos: Divulgação Alesp e arquivo de memória
Política

Deputado que homenageia Pinochet quer polícia em órgão de Direitos Humanos e ensino militar nas escolas


21/11/2019 - 14h00

Ruralista Frederico D’Avila também defende que bandeira monarquista seja hasteada nos colégios durante a Semana da Pátria

por Lúcia Rodrigues, especial para o Viomundo

O deputado estadual paulista Frederico Braun D’Avila (PSL) é um ultradireitista de quatro costados.

O bolsonarista é diretor da Sociedade Rural Brasileira, vice-presidente da Associação dos Produtores de Soja (Aprosoja ) e descendente de políticos aliados da ditadura militar.

Em apenas nove meses de mandato, conseguiu a proeza de ser rechaçado publicamente até pelo presidente da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp), Cauê Macris (PSDB), que acaba de proibir a homenagem que D’Avila queria promover ao ditador chileno Augusto Pinochet.

Na noite desta quarta-feira, 20, Macris, antecipando a proibição, divulgou nota em uma rede social.

A homenagem estava marcada para 10 de dezembro, quando se comemora o Dia Internacional dos Direitos Humanos.

O general Pinochet é reconhecido internacionalmente como  genocida.

Durante os 17 anos em que comandou com mão-de-ferro a ditadura chilena, milhares de opositores políticos foram perseguidos, torturados, mortos e tiveram seus corpos desaparecidos.

Em 1998, Pinochet foi preso em Londres, por determinação do juiz espanhol Baltazar Garzón, sob a acusação de ter praticado crimes contra a humanidade.

A presidente da Comissão de Direitos Humanos da Alesp, deputada Beth Sahão (PT), critica a homenagem pretendida por D’Ávila.

“É uma atitude violenta. Agride a democracia e toda a comunidade chilena que sofreu na pele os ataques desse ditador sanguinário. Ao querer homenagear Pinochet, Frederico D’Avila está apoiando tudo isso”, afirma Beth.

Por isso, a deputada comemora a decisão de Macris, lembrando a recomendação da Comissão da Verdade contra a utilização de espaços públicos para apologia à ditadura.

“Vamos entrar na Comissão de Ética da Assembleia contra o deputado”, antecipa.

A homenagem a Pinochet não é um ato isolado de extremismo na curta carreira de Frederico D’Avila na Alesp.

Três dias após assumir o cargo, em março deste ano, o deputado bolsonarista apresentou projeto de lei para implantar o ensino militar nas escolas de níveis fundamental e médio de São Paulo.

Em tramitação na Comissão de Constituição e Justiça da Casa, o texto cita o astrólogo Olavo de Carvalho, a quem o parlamentar chama de jornalista, professor, ideólogo e intelectual, para reforçar o apoio à presença militar nas escolas.

“O desamor à Pátria, incutido nas mentes jovens está ocasionando desagrados dos mais variados no âmbito escolar, familiar e social. Há evidente necessidade de internalizar disciplina”, diz trecho do projeto.

O bolsonarista também quer tornar obrigatório o hasteamento da bandeira imperial (da monarquia) nas escolas de ensino pré-escolar, fundamental e médio do Estado durante os dias letivos da Semana da Pátria.

Outro projeto apresentado por D’Avila quer interferir no Condepe (Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana).

Ele quer que representantes da PM e da Polícia Civil também façam parte do órgão de Direitos Humanos que investiga os crimes praticados por policiais.

“Não se pode consentir que entidades representativas dos direitos humanos atuem praticamente sozinhas, que atuem em evidente posicionamento político partidário e ideológico, preterindo justamente o que pregam: a união, a diversidade e a inclusão”, afirma trecho da propositura do bolsonarista.

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

26 de novembro de 2019 às 18h39

https://abrilveja.files.wordpress.com/2019/10/pateta-sensacionalista-2657.jpg

“Se a Dilma sair” … o PIB Dobra … o Dólar Desaba …

Acreditou no Diogo Mainardi do Antagonista?
Tava indo pra Protesto do Fora Dilma?
Tirou o PT e pôs Temer e Bolsonaro ?
Apoiou as Deformas do Guedes?

Taí, ó … Dólar Tem Alta Histórica!

Bolsonarista verá Pateta no Espelho …

Bolsominion vai passear na Disney
pelo Google Maps Street View

Aliás, já conferiu o Preço do Gás,
da Gasolina e do Óleo Diesel ?

E, só por Curiosidade: a ‘Marka’
do Banco do Guéds é Cindan ?

https://www.viomundo.com.br/denuncias/empresarios-previram-cenario-roseo-depois-do-impeachment-de-dilma-pib-em-dobro-e-taxa-de-investimento-em-alta-voce-se-deixara-enganar-de-novo.html

Responder

robertoAP

22 de novembro de 2019 às 22h24

O cara é tão tosco, boçal e primitivo, que só falta mandar fazer um altar para Hitler, instituir o dia Teddy Bundy no Brasil para homenagear o extraordinário serial killer que matou 100 mulheres nos USA, e solicitar testes nucleares na Amazônia.
Vindo de um sujeito de alma assim degenerada e depravada , pode surgir qualquer barbaridade, por mais estúpida que seja.
Santo Deus, será que esses monstros que estão saindo do armário como ratos de esgoto, são um prenúncio de apocalipse no Brasil, e isso é um aviso para as pessoas do bem fugirem o quanto antes?

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.