VIOMUNDO

Diário da Resistência


Leandro Fortes: Gurgel denunciou Renan para viabilizar Taques
Política

Leandro Fortes: Gurgel denunciou Renan para viabilizar Taques


03/02/2013 - 01h41

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel: Fellipe Sampaio/ SCO/ STF 

Gurgel para iniciantes

por Leandro Fortes, em CartaCapital, sugestão de Messias Franca de Macedo

As motivações do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, ao denunciar o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) duas semanas antes das eleições para a presidência do Senado Federal e, em seguida, vazar o relatório da mesma denúncia pelo site da revista Época, no dia da eleição, nada tem a ver com preocupações morais ou funcionais.

A máscara de servidor exemplar com a qual tem se apresentado ao país desde a micareta do mensalão não resiste a uma chuva de carnaval, basta lembrar da atuação do chefe do Ministério Público Federal no caso do arquivamento da Operação Vegas da Polícia Federal, de 2009, a primeira a pegar as ligações do ex-senador Demóstenes Torres, do DEM de Goiás, com o bicheiro Carlinhos Cachoeira. O sempre tão diligente e cioso dos bons costumes procurador-geral escondeu as informações da Justiça e obrigou a PF a realizar outra operação, a Monte Carlo, no ano passado – esta, afinal, que se tornou impossível de ser novamente engavetada por Gurgel.

O que Roberto Gurgel pretendeu ao denunciar Renan Calheiros às vésperas das eleições do Senado foi viabilizar a eleição do também procurador da República, o senador Pedro Taques (PDT-MT), praticamente um representante do procurador-geral dentro do Parlamento. Mas não se trata apenas de um movimento corporativista. Uma vez presidente do Senado, Taques teria nas mãos o poder de definir o que deve ou não ser colocado em votação no plenário.

Dadas as ligações viscerais estabelecidas, desde o julgamento do mensalão, entre a PGR e a oposição, sem falar no apoio irrestrito dos oligopólios de mídia, não seria pouca coisa ter um preposto num cargo tão importante.

Mas como Gurgel não entende nada de política e Taques é apenas um neófito no Senado, as campanhas de um e de outro foram só tiros n’água.

Mas é bom que se diga, não há nada a comemorar.

Sai José Sarney, o Kim Il-sung do Maranhão, entra Renan Calheiros, o adesista das Alagoas.

Nem ética, nem interesse público. As eleições das mesas diretoras do Congresso Nacional continuam sendo o resultado da baixa política de alianças entre o Executivo e o Legislativo, onde grassam como moedas de troca as indicações de cargos, os favorecimentos regionais, as mesquinharias paroquiais e a blindagem mútua.

Leia também:

Antônio David: O que está por trás da eleição no Senado





86 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

ADILSON SILVEIRA DUARTE

15 de fevereiro de 2013 às 10h05

É uma lástima! Se realmente, como parece, for verdade este senhor deveria ser processado e não quero nem pronunciar o seu nome.

Em tempo: Temos que ficar atentos com todos os poderes e é preciso, numa verdadeira democracia, equilíbrio entre eles.

Agora: toda vez que observo uma campanha sistemática, como acontece em alguns episódios, contra a Câmara e o Senado, me vem um gosto amargo da DITADURA, que alguns sentem muitas saudades. Pode?
Dos meus candidatos que escolhi e votei, continuo tendo orgulho da minha escolha.

Responder

Gurgel, Taques e o processo contra Renan: será política? | Edivaldo Júnior

14 de fevereiro de 2013 às 18h57

[…] a uma semana da eleição à presidência do Senado foi interpretada por alguns (como o jornalista Leandro Fortes) como uma ‘forcinha’ à candidatura alternativa de […]

Responder

Pedro Taques comanda operação-abafa em favor de Roberto Gurgel. Mas evita falar da licitação do MPF que Collor denuncia como possível fraude | Pagina do E

14 de fevereiro de 2013 às 15h51

[…] a uma semana da eleição à presidência do Senado foi interpretada por alguns (como o jornalista Leandro Fortes) como uma ‘forcinha’ à candidatura alternativa de […]

Responder

italo

13 de fevereiro de 2013 às 21h59

O Brasil precisa de um camaro amarelo na PGR.

Responder

Rômulo Gondim – Maria Luiza Tonelli: Prefácio de Ayres Britto é imoral

05 de fevereiro de 2013 às 21h27

[…] Leandro Fortes: Gurgel denunciou Renan para viabilizar Taques […]

Responder

Maria Luiza Tonelli: Prefácio de Ayres Britto é imoral « Viomundo – O que você não vê na mídia

05 de fevereiro de 2013 às 19h37

[…] Leandro Fortes: Gurgel denunciou Renan para viabilizar Taques […]

Responder

J Tavannes

05 de fevereiro de 2013 às 18h36

Sempre admirei os comentários de Messias Franca de Macedo, parabéns a esse Blog. Esse Gurgel, faz tudo milimetricamente pensado, ele pode até não entender de política, mas de politicagem é doutor. É um traíra da pátria ao fazer o jogo sórdido do imprensalão golpista. Quanto as alianças entre Executivo e Legislativo, a culpa maior está no povo que os elegem e depois de um mês nem se lembra em quem votou, porisso não condeno Dilma. Considerando o Brasil como empresa, o gerente vai ter de se virar nos trinta, com os funcionários que lhe enviam.(Só um exemplo,o PSD com políticos oportunistas e fisiológicos, recem formado pelo mostrengo Kassab,elegeu em torno de 500 prefeitos e torna-se a quarta maior força).

Responder

Kazu

05 de fevereiro de 2013 às 18h12

E o que o think tank do Instituto Millenium estará produzindo de teorias ao proximo golpe politico contra um governo progressita e patriota?
Com as presidencias do Congresso e Senado, até onde irá o enfrentamento dos pemedistas contra o PIG e STF?
No Instituto Millenium deve estar fervilhando de pensadores golpístas, de academicos da USP a jornalistas alinhados com a “Oia”, Foia, Estadão, rede Bobo e Cia.

Responder

José BSB

05 de fevereiro de 2013 às 14h43

Complemento ao comentário anterior. Por que o Pedro Taques e a imprensa não cobram a quebra do sigilo dos votos da oposição?
O tucano eleito para a 1 secretaria, cargo responsável pelos contratos e licitações do Senado, ajudou a eleger renam calheiros.
Aécio neves permaneceu calado durante toda a sessão. Não foi capaz de balbuciar uma critica ao candidato do PMDB. Os tucanos também pipocaram.
Depois da história dos R$ 16 milhões, aquele lá do paraná sumiu dos holofotes.

Responder

José BSB

05 de fevereiro de 2013 às 13h47

Renam calheiros já mandou um recado para tranquilizar os murdochs nativos ao afirmar que não encaminhará nenhum projeto de regulamentação da mídia.
O arruda e o demostenes torres sentaram no colo do civita e marinhos e o resto da historia todos conhecem…

Responder

Jairo Falcucci Beraldo

05 de fevereiro de 2013 às 12h08

Não há nada de novo nisto tudo, pois a questão central é o carater. De direita ou esquerda, quando há fraqueza de carater, as atitudes serão identicas – vingança, rancor, dissimulação. E cito frase celebre de um presidente estadunidense para ilustrar – “O homem a tudo pode suportar. Mas se quiseres por a prova seu carater,outorgue-lhes poderes!”(Abraham Lincoln,1809-1865)

Responder

Gerson Carneiro

05 de fevereiro de 2013 às 11h17

Ontem, segunda-feira, 04.02.2013, houve um debate no Jornal da Cultura sobre a manutenção de velhos políticos no Congresso Nacional.

A apresentadora, Maria Cristina Poli, indignada, questionou qual é então a novidade se os mesmos políticos há quarenta anos se reelegem.

Foi a chance que eu precisava. Pelo twitter dei um cruzado de esquerda no olho direito do Marco Antonio Villa comentarista tucano do Jornal da Cultura.

Pelo twitter, eu disse que a novidade é que a oposição e a imprensa não estão conseguindo eleger seus candidatos escolhidos no rodízio, dentre os candidatos que lá estão há quarenta anos.

A apresentadora leu minha mensagem na íntegral.

O Villa quase pulou da cadeira e obviamente e peremptoriamente negou.

A apresentadora ao ler minha mensagem disse que achava que eu estou exagerando.

Como não houve espaço para réplica, coloquei a seguinte mensagem na página do Jornal da Cultura no facebook (e na minha pagina também):

Bom dia. Essa é para a Maria Cristina Poli.

Ainda sobre a manutenção de políticos corruptos no Congresso Nacional discutida na edição desta 2ª-feira.

Poli, você disse que eu exagerei ao afirmar que a surpresa é que a oposição e a imprensa não estão conseguindo eleger seus candidatos. Pois vou te dizer mais. Com certeza você dirá novamente que estou exagerando mas tenho certeza que no fundo tua consciência vai concordar comigo.

É o seguinte: a imprensa tem grande parcela de responsabilidade sobre a manutenção de políticos corruptos no Congresso Nacional. Mas que responsabilidade, a imprensa é cúmplice. Senão vejamos:

Álvaro Dias acabou de ser flagrado em um espisódio aonde a filha dele o acusa de ser possuidor de uma fortuna de R$ 16 milhões não declarada à Receita Federal e à Jústica Eleitoral. Qual foi o telejornal que noticiou esse fato? O Jornal da Cultura manteve-se em silêncio sepulcral.

Não fosse os blogues que o Serra chama de “blogues sujos” não ficaríamos sabendo.

Agora imagine se esse fato tivesse ocorrido com um político do PT. Toda a imprensa, sem exceção (jornais, revistas, telejornais, e os blogues dos seus colunistas) teriam noticiado.

Portanto, a imprensa é mais que responsável pela manutenção de políticos corruptos no Congresso Nacional, a imprensa é cúmplice. Chega ao ponto de em dado momento, dependendo do interesse em jogo, atacar o político que antes defendia ou defender o político que antes atacava.

É isso. A imprensa tem lado, sabe quem atacar e quem defender, e quando. E este assunto não é discutido, e deveria. Enquanto não houver um debate franco e aberto, toda a sua indignação Poli será em vão.

Quanto ao Villa, ele nega por interesses óbvios. Ele disse que na última eleição para prefeito em São Paulo Lula estaria acabado. E não ocorreu. Se o Villa nega prontamente a minha declaração, então parabéns à imprensa por ter eleito o Renan. Bye bye.

Responder

Roberto Locatelli

05 de fevereiro de 2013 às 09h05

Se é para escolher entre um político fisiolóco e um (suposto) membro titular da (suposta) quadrilha de Cachoeira, o senado escolheu o menos ruim.

Responder

Vlad

04 de fevereiro de 2013 às 19h36

Calma gente.
O Renan e o Alves estão no comando.
Tudo dominado.
Nós é eles e eles é nóis.
Vamo continuar a noça luta pela educasão e pelas lissitassão.

Responder

Geysa Guimarães

04 de fevereiro de 2013 às 17h52

Cumé que é? O pedetista Taques atuaria de forma sincronizada com o prevaricador?
A eleição de Renan precisa ser comemorada.
Vou chamar os cachorros!

Responder

Roberto

04 de fevereiro de 2013 às 15h08

Pedro Taques, ex-procurador da República, concorreu à Presidência do Senado, em 1º de fevereiro. Casa abalada por diversas polêmicas, o Senado Federal será palco de queda de braço subliminar: Ministério Público versus Partido dos Trabalhadores.

Já não é mistério para a maioria do povo brasileiro, que costuma acompanhar o noticiário de maneira mais atenta, que a presidente da República, Dilma Rousseff (PT), ficou bastante contrariada com o desempenho do procurador-geral da República atual, Roberto Gurgel, como, de maneira geral, do Ministério Público da União (MPU) em seu papel constitucional.

O candidato apoiado pelo Partido dos Trabalhadores, o senador Renan Calheiros, foi alvo recente de denúncia do Ministério Público, em decorrência de suposto ato criminoso, que o levou a renunciar ao mandato pelo PMDB alagoano.

Ainda que conte com o auxílio de boa parte dos partidos de oposição, como o PSDB e o PSOL e, também, de uma ala rebelde aos governistas do PMDB, jornalistas políticos e parlamentares até da oposição concordam que Taques não terá chance real de vencer o candidato do governo Dilma.

Porém, há uma corrente política parlamentar que enfrenta o apetite por poder absoluto demonstrado pelo PT. São parlamentares comprometidos com o combate à corrupção e que apoiam iniciativas institucionais de valorização da instituição, que tem como missão maior fiscalizar correta aplicação da lei.

O chamado ‘Caso Mensalão’ deixou em evidência algumas disputas (entre advogados, ministros e procurador e, ainda, entre a imprensa de oposição e aquela que apoia o governo), contudo expôs o descontentamento de Dilma Rousseff e do PT com o comportamento incisivo de Gurgel para que os integrantes do Partido dos Trabalhadores, acusados de corrupção, sejam condenados exemplarmente.

O procurador-geral da República tem sido alvo de mais reclamações do que o presidente do Supremo Tribunal Federal, o ministro Joaquim Barbosa (transformado em celebridade passageira, para infelicidade da grande imprensa), relator da Ação Penal 470 e cujo dueto com Ricardo Lewandowski, revisor, em espetaculares discussões pela condenação dos denunciados, diminuiu a importância da participação do Supremo no resultado do julgamento.

Gurgel ainda foi firme com Dilma, quando exigiu o cumprimento da Constituição para que se garantisse a independência da instituição, defrontando insinuações da presidente de controlar as atividades do Ministério Público, principalmente no que diz respeito a denunciar supostas atuações criminosas por parte de componentes do governo federal.

Pedro Taques, ex-membro do Ministério Público, foi candidato não declarado de setores da sociedade brasileira descontentes com a gestão do PT ante sua pregação pela ‘ética na política’ e as constantes notícias de práticas de corrupção com consequentes demissões de ministros de Estado e indiciamento de pessoas ligadas ao governo.

Certamente, a oposição pretendeu aparecer no episódio como aliada das ações do Ministério Público, entretanto alguns deputados e senadores de oposição constam, igualmente, na lista de denunciados à Justiça por prática de corrupção. O senador Eduardo Azeredo, por exemplo, é personagem central do dito ‘mensalão mineiro’. Levado ao STF em razão de ter sido denunciado pelo procurador-geral da República, que o caracterizou como “um dos principais mentores e principal beneficiário” de um suposto esquema de corrupção, lavagem e desvio de dinheiro público.

Neste momento, portanto, é importante que entidades da sociedade civil que são a favor de maior controle nas ações do governo (principalmente quando se tratar de uso do dinheiro público), unam-se em apoio ao procurador-geral da República para assegurar a independência do Ministério Público e garantir de sua missão constitucional de defender o Estado Democrático de Direito.

Responder

    Mário SF Alves

    04 de fevereiro de 2013 às 17h32

    “Porém, há uma corrente política parlamentar que enfrenta o apetite por poder absoluto demonstrado pelo PT. São parlamentares comprometidos com o combate à corrupção e que apoiam iniciativas institucionais de valorização da instituição, que tem como missão maior fiscalizar correta aplicação da lei.”
    ____________________________________
    Argumentação quadrada, resposta redonda:

    http://www.youtube.com/watch?v=yjsqhJavAzQ&list=UUtyZlveXsB4K3bLrWjMAv3g&index=1

    Roberto

    04 de fevereiro de 2013 às 19h53

    É, caro, a resposta é bem redondinha, 360°, ou, se não entendeu, volta para o mesmo lugar. É o argumento redondo do cachorro correndo atrás do próprio rabo, rosnando ‘EU NÃO SEI DE NADA’.

    Mário SF Alves

    06 de fevereiro de 2013 às 13h12

    “É, caro, a resposta é bem redondinha, 360°, ou, se não entendeu, volta para o mesmo lugar. É o argumento redondo do cachorro correndo atrás do próprio rabo, rosnando ‘EU NÃO SEI DE NADA’.
    ______________________________
    Cara, francamente, gostei da resposta. Genial. Pena que o argumento, a coisa em si, ainda continue fraca.

italo

04 de fevereiro de 2013 às 13h49

O que o Gurgel faz com a globo está para o que cachoeira fazia com o Policarpo da veja. Interferir nas nomeações que possam vir a facilitar o esquema ou afundar o adversário. Elementar,meu caro.

Responder

Eudes Hermano Travassos

04 de fevereiro de 2013 às 12h54

Não é mais poossível se ter dúvidas quanto ao paple do inclito prevaricador Geral da República na luta entre governo de esquerda do PT e a ultra direita brasileira.
Se o nome era Taques ou outro, não é o que importa, a única certza que temos é que quem a ultra direita elegesse para comandar o Senado, estaria submetido de joelhos ao mando do golpe.
Mas nada como uma dia atraz do outro, é impossível se reprimir a força invísivel do movimento da dialética e, agora, com a eleição de Renan, o prevaricador geral de República, vai colher o que plantou.

Responder

Geysa Guimarães

04 de fevereiro de 2013 às 12h48

Pergunta que não quer calar: Gurgel já denunciou algum tucano ou coligado?

Responder

    Mário SF Alves

    06 de fevereiro de 2013 às 13h48

    Essa vai permanecer assim, ainda por um bom tempo, irrequieta e incalável. Jamais, no entanto, impertinente.
    ____________________________
    E, se me permite, é isso, prezada Geysa.

TIAGO PT

04 de fevereiro de 2013 às 12h27

Novo Blog Prog…http://pigocracia.blogspot.com.br/ comentem….critiquem…espaço democratico em contraposição ao PIG tradicional!!

Azenha parabéns pelo Blog!!

Responder

Wagner Martos

04 de fevereiro de 2013 às 12h25

Caro Azenha, não sabia onde postar isso, mas prá seu conhecimento segue aqui mesmo. Faça o melhor uso.
Abraços

Passou desapercebido pela maioria dos blogs uma fantástica notícia que nos veio da revista Harvard Business Review, frenético sonho de consumo da patuléia neoliberal.
No volume de Janeiro-Fevereiro de 2013, HBR publicou a lista “The Top 100 Best-Performing CEO in the World”.
O critério adotado, as usual no mundo neoliberal, foi “retorno ao acionista”.
O método empregado é a bestialidade de sempre; Montou-se uma cesta de desempenho de ações em algumas bolsas (as que melhor lhes atendia, é claro) e calculou-se o resultado, por ação, que o CEO devolveu ao acionista durante seu “reinado”. Em outras palavras, mediu-se o quanto uma ação valorizou e o quanto ela distribuiu como lucro, pro bolso dos acionistas.
Nesse cenário, graças ao tenaz e continuado esforço de 31 anos de demotucanato à frente do estado de São Paulo, enfim, algo realmente importante foi atingido por obra dos amados emplumados. Nessa lista, na honrosa 29a. posição, aparece o sr. Renato Alves Vale (um ilustre desconhecido), ou seja, pelo indice da HBR, no mundo inteiro, a empresa administrada pelo sr. Renato é a 29a. que mais “coloca grana” no bolso dos “seus donos”.
Maravilhoso não?
BRASIL, SIL, SIL, SIL….
Parabéns ao sr. Renato pela incrível capacidade de gerar caixa, de “fazer aparecer dinheiro”, de enriquecer seus patrões.
Seria maravilhoso não fosse “a vaca leiteira e parideira” da grana.
O sr. Renato é presidente da CCR.
O que faz a CCR?
A CCR pedagia as estradas tucanas.
Não se assuste, é isso mesmo. A CCR é especialista num único produto. PEDÁGIO.
Seu maior e quase exclusivo cliente é a “Pedagiolândia, o mundo encantado do Geraldo” que os livros de história teimam em chamar de estado de São Paulo.
Prá que doa um pouquinho mais nosso estômago eu repito, a CCR não faz outra coisa não. Ela só faz pedagiar as estradas tucanas. Nada mais. Só isso. É sua única ocupação, seu único produto.
O guru da admiinstração, o sr. Renato, só tinha um único produto no seu portfólio prá conquistar a 29a. posição no ranking da HBR. Coisa de craque.
Sem nenhum demérito ao sr. Renato mas qualquer que fosse o presidente da CCR ele estaria na lista da Harvard; fosse o Arrelia, a Sabrina Sato, o MC Jotinha, o FHC, a Luciana Gimenez, os dançarinos do É o Tchan, qualquer BBB, …., na verdade, até mesmo o Geraldo Alckmin, isso mesmo, até o inacreditável performático Geraldo estaria lá.
Taí, a grande contribuição tucana prá gestão mundial.
31 anos de demotucanato dá nisso.
Entregaram as estradas arrumadíssimas e a CCR foi lá e construiu as praças de pedágio e o sr. Renato teve que se esforçar muito prá gerar caixa pros seus patrões. Simples assim.
Isso é a privataria tucana no seu modelo mais bem acabado e que agride à bofetadas nossa cara.
Prá quem quiser saber mais
link da HBR http://hbr.org/2013/01/the-best-performing-ceos-in-the-world/ar/1
link da CCR http://www.grupoccr.com.br/negocios/concessao-de-rodovidas

Responder

    demetrius

    04 de fevereiro de 2013 às 18h35

    Muito obrigado pelas infos, Wagner.
    Um bando de vampiros sedentos por secar as aortas da classe abaixo da média, que se defende dizendo que as estradas ficaram melhores com os pedágios. Otários.

    Agora vemos pra quem ficou melhor.
    Abs.

José X.

04 de fevereiro de 2013 às 08h59

Acho que nem foi para “viabilizar” Taques, mas sim um aviso para os políticos: Gurgel tem todo mundo na mão, quem for atrás dele vai sofrer as consequências. O cara é um deus, faz e desfaz e ninguém tem coragem de contestar, provavelmente por medo desse tipo de chantagem.

Responder

henrique de oliveira

04 de fevereiro de 2013 às 08h43

Gurgel precisa ser investigado e preso junto com o tal Barbosta do STF.

Responder

spin

04 de fevereiro de 2013 às 07h28

Azanha vc ilustrou o post com foto do tucano jo soares!

Responder

    Luiz (o outro)

    04 de fevereiro de 2013 às 10h47

    As duas figuras são igualmente desprezíveis…

Adilson

04 de fevereiro de 2013 às 03h14

Azenha,

Após mega apagão no Super Bowl – um dos maiores, senão o maior evento esportivo dos EUA, o PIG, o “Jô Gurgel” e os demotucanos, irão apresentar uma representação contra a Presidenta Dilma. Para os derrotados nas urnas é um absurdo a Presidenta Dilma, além de fazer campanha do PT aparecendo em rede nacional vestida de vermelho, nomeiar um Ministro das Minas e Energia (Edson Lobão) que não é capaz de impedir o apagão que ocorreu nos EUA, especificamente, no Super Bowl.
KKKKK!!!! É piada feita na medida certa!!!!

Responder

Adilson

04 de fevereiro de 2013 às 01h57

Azenha,

Essa não posso deixar de repassar – do blog dos Amigos do Presidente Lula: “No Jornal Nacional Aécio apresentou-se como se estivesse apoiando Taques. Nos bastidores entregou o jogo a Renan, naquele melhor estilo de jogo combinado entre compadres, para garantir o estratégico controle do cofre do Senado para os tucanos, coisa que prenuncia ser de grande valia no financiamento da campanha de 2014 além de “otras cositas más. A TV Senado pegou em flagrante o tucano dando um caloroso abraço no vencedor Renan Calheiros (PMDB-AL)”. Como uma imagem vale mais do que milhões de palavras, vejam a “decepção” do tucano com a eleição de Calheiros: http://www.senado.gov.br/noticias/TV/default.asp?IND_ACESSO=S&cod_midia=218527&cod_video=213026

Responder

tiagoPT

03 de fevereiro de 2013 às 23h31

Novo blog prog…http://pigocracia.blogspot.com.br

Espaço democrático..entrem critiquem…opinem!!

O Leandro…e o Azenha…é um dos melhores é um dos melhores jornalistas…ainda bem que eles não são da conta do PIG!!

Responder

Nelson

03 de fevereiro de 2013 às 20h08

Perfeito, na mosca!
Grande Leandro.

Responder

Marcelo

03 de fevereiro de 2013 às 18h40

Política e por demais suja, mas pior é apenas ser um crédulo ouvinte. Prefiro saber o que fazem todas as peças do jogo e como as jogadas podem me afetar , que acreditar na santidade de alguns reis e rainhas.
Viva a política!

Responder

Urbano

03 de fevereiro de 2013 às 17h43

Notadamente nós brasileiros estamos pagando altos proventos a muitos servidores das três esferas governamentais, tão-somente para trabalharem contra nós mesmos e contra o Brasil. Só para se ter uma ideia, houve um deputado do psb do multicara eduardo moita que queria emplacar uma lei para impedir qualquer serviço do Município que pudesse beneficiar as famílias da Comunidade de Pinheirinho, quando esta ainda existia. Como se pode ver claramente, esse tipo de figura, ninguém sabe se por burrice ou por maldade mesmo, quiçá ambas as coisas, atropela até a Constituição.

Responder

    Urbano

    03 de fevereiro de 2013 às 17h46

    Corrigindo: onde escrevi deputado, na verdade era um vereador.

    Roberto Locatelli

    03 de fevereiro de 2013 às 21h30

    O povo precisa ficar mais atento à política. Nós podemos estimular nossos amigos e familiares, comentando, pedindo opinião.

    Já que você deu um exemplo de atitude absurda, dou outro: FHC tinha feito aprovar uma lei que IMPEDIA o governo federal de criar escolas!! Quando Lula decidiu criar a primeira das muitas universidades federais de seu governo, o primeiro passo foi revogar essa lei!! Olha o absurdo que os brasileiros nem ficaram sabendo.

    Urbano

    04 de fevereiro de 2013 às 13h50

    Olá Locatelli. Tudo beeem? Eu desconhecia essa sua informação. Como podemos ver, estamos tendo um gasto absurdo para uma verdadeira súcia trabalhar contra o Brasil. O povo brasileiro tem que se desdobrar, e muito, para acabar com isso. O pior é que nem podemos contar com a justiça de boston…
    Obrigado Locatelli e boa sorte.

    Roberto Locatelli

    05 de fevereiro de 2013 às 09h01

    Olá, Urbano.

    Cara, é espantoso o que esses tucanos fazem na calada da noite.

    Acho que o PT errou em ter se retirado dos movimentos populares. Eles são fundamentais para incrementar a discussão e a consciência política.

    Abraço.

silvia macedo

03 de fevereiro de 2013 às 16h59

Leandro Fortes, Gilson Carone, Altamiro Borges, André Singer, Azenha. Hoje a página está bombando.

Responder

anac

03 de fevereiro de 2013 às 16h47

Quando vejo a direita se arvorando em defensora da moralidade e ética, me vem a imagem de um pedofilo serial killer bradando contra um responsavel pai de familia eventual pulador de cerca. Pela amor de Deus essa direita brasileira é tão suja, mast tão suja que não tem moral para apontar o dedo para ninguem. Collor e Renan são ladrões de galimha perante ela. A direita tem medo de Collor porque ela sabe que ele sabe TUDO sobre ela. Pior, sabe o antidoto. A Criatura contra o criador.Renan é outro. E todos com sede de vingança. Precisamos desses aliados para 2013 e 2014. O PiG joga sujo e é capaz de tudo para ter de novo o poder.Todas as armas serão validas para enfrentálo na guerra que se avizinha.

Responder

Mateus Paul

03 de fevereiro de 2013 às 16h45

Azenha e Conceição,

Breve entrevista do Julian Assange para a Carta Capital acerca do livro dele (“Cypherpunks: Liberdade e o futuro da internet”) que saiu agora pela Boitempo:

http://www.cartacapital.com.br/sociedade/a-guerra-de-assange-2/

Responder

ricardo silveira

03 de fevereiro de 2013 às 16h34

As denúncias contra o senhor Gurgel são muitas e muitos são os desserviços que tem trazidos prejuízos políticos ao país. Esse funcionário público, pelo que se denuncia, é um conspirador contra a democracia brasileira, tem que responder pelos seus atos, como todo e qualquer cidadão.

Responder

Abelardo

03 de fevereiro de 2013 às 16h14

Se uma ação suspeita, de denúncia, parecida com a que fez o PGR fosse uma ação executada pelo PT, certamente essa ação seria taxada de criminosa, de falta de decoro parlamentar, de ação criminosa planejada, com segundas intenções e, portanto, formação de quadrilha, etc… Porém, o que podemos esperar, no momento, desse super corporativismo do judiciário brasileiro? Nós não deveríamos estar denunciando as autoridades do judiciário que exorbitarem suas funções ou abusarem do poder que lhes são conferidos? Nós não deveríamos estar denunciando as autoridades do judiciário que se omitem quando graves transgressões, praticadas pelos seus membros, não são apuradas ou sequer reprimidas? Nós não deveríamos estar denunciando as autoridades do judiciário que se dedicam mais em aparecer na mídia, que executar o serviço pelo qual são muito bem pagos e que devem fazê-lo com isenção, com integridade, com ética, com transparência e com total imparcialidade? Como disse Lula, em Havana: “Nós não podemos depender dos outros para publicar o que nós mesmos devemos publicar”.

Responder

Gerson Carneiro

03 de fevereiro de 2013 às 15h36

“Blogueiros são filhos do Diabo” (Pastor Malafaia)

Tô aqui imaginando o Diabo falando pro Azenha:

– Filho larga esse computador que tá na hora do banho. Obedeça papai.

http://www.youtube.com/watch?v=HGFEWMJd4JA&feature=player_embedded

Responder

nancy lima

03 de fevereiro de 2013 às 15h08

Leandro Fortes deu o cheque-mate,espero que Dilma durma de olhos bem abetros com o proximo prevaricador!

Responder

Julio Silveira

03 de fevereiro de 2013 às 14h46

A gente sabe que a coisa tá feia é quando a dita esquerda é obrigada a defender pau de galinheiro.

Responder

    Mário SF Alves

    06 de fevereiro de 2013 às 13h58

    Verdade. E pior, a cosa é mais feia ainda quando até democratas o têm de fazer.
    ____________________________
    Resistência democrática, já! É hora de o planejamento da mobilização. É hora de preparar as barricadas.
    _____________________________________

    Saudações! PT, Saudações! E mais democracia, e sempre; até à indigestão.

Luís Carlos

03 de fevereiro de 2013 às 14h25

E vejam só. Renan é grande amigo de… …Collor, o mesmo que tem representação parada na presdiência do Senado para chamar Gurgel aquela casa. Será que Renan não atenderá pedido de seu amigo de longa data? Gurgel deve estar assustado.

Responder

    Willian

    03 de fevereiro de 2013 às 23h33

    Assustados deveriam estar os petistas que dependem de Collor e Renan.

    Que fase!!!

    Bonifa

    04 de fevereiro de 2013 às 08h46

    Todo mundo depende de todo mundo. Não se faça de inocente, troll.

Isidoro Guedes

03 de fevereiro de 2013 às 14h03

Enquanto o “engavetador-geral” da República dos tempos de FHC (o Geraldo Brindeiro) nada investigava (quando as denúncias eram contra o governo FH), este procurador]geral (que o senador Collor chama de “prevaricador-geral”) tudo investiga (quando as denúncias são contra os governos Lula e Dilma, ou contgra alguém do PT) e ao mesmo tempo nada investiga (quando as denúncias batem nas portas da oposição formada pela trinca PSDB-DEMO-PPS).
Ainda bem que este senhor está para sair da PGR. Não deixará saudades…
Que venha outro procurador (ou procuradora) mais sério, legalista e republicano!

Responder

De Paula

03 de fevereiro de 2013 às 13h18

Penso que este texto, claro e sem meandros, montou definitivamente, o quebra-cabeça do golpe que se pretende aplicar no País, ainda em 2013. Todas as peças envolvidas já se revelaram e se moveram. Mídia, STF e Procuradoria Geral. A mídia desconstruindo;o STF fornecendo subsidios “jurídicos” a essa desconstrução; a Procuradoria Geral atuando em duas frentes: acusando a partir de meros e falsos indícios, um dos candidatos à Presidência do Senado, com propósitos claros de produzir seu esvaziamento, e apresentando aos partidos da oposição, um nome de sua total confiança, integrado a engrenagem expúria do golpe. Se bem sucedida a empreitada, fechar-se-ia a corrente através do Procurador Taques, fabricando-se um novo Auro de Moura Andrade; aquele que em 61, na presidência do Senado, aceitou a renúncia do Jânio e três anos depois declarou a a vacância da Presidência e renúncia de Jango, abrindo as porteiras para o golpe militar. Fui claro?

Responder

    maria olimpia

    03 de fevereiro de 2013 às 17h43

    Claríssimo, De Paula!

    Mário SF Alves

    06 de fevereiro de 2013 às 13h30

    Claro e preocupante. O que foi exposto faz pleno sentido. Preocupante… verdadeiramente preocupante.
    ______________________________________________

    E aí? Resistência democrática neles… enquando há tempo.
    __________________________________________________________
    Democracia se faz com povo. Às vezes – quando necessário for – com o povo nas ruas.
    _________________________________________________________________

    Mais do que nunca é hora de *integrar para não entregar! *Integração/mobilização social/resistência pacífica/objeção de consciência, Mahatma Gandhi, refiro-me a essas coisas e pessoas.

Tomudjin

03 de fevereiro de 2013 às 13h14

Enquanto alguns estudaram tanto tempo para entender a lógica da jurisdição, outros não precisaram perder tanto tempo para entender que a jurisdição não é lógica.

Responder

FrancoAtirador

03 de fevereiro de 2013 às 12h53

.
.
O compadrio se chama “Foro Privilegiado”.
.
.

Responder

    Mário SF Alves

    06 de fevereiro de 2013 às 13h34

    Franco,
    Por favor, dê uma olhadinha no argumento do De Paula:

    “Penso que este texto, claro e sem meandros, montou definitivamente, o quebra-cabeça do golpe que se pretende aplicar no País, ainda em 2013. Todas as peças envolvidas já se revelaram e se moveram. Mídia, STF e Procuradoria Geral. A mídia desconstruindo;o STF fornecendo subsidios “jurídicos” a essa desconstrução; a Procuradoria Geral atuando em duas frentes: acusando a partir de meros e falsos indícios, um dos candidatos à Presidência do Senado, com propósitos claros de produzir seu esvaziamento, e apresentando aos partidos da oposição, um nome de sua total confiança, integrado a engrenagem expúria do golpe. Se bem sucedida a empreitada, fechar-se-ia a corrente através do Procurador Taques, fabricando-se um novo Auro de Moura Andrade; aquele que em 61, na presidência do Senado, aceitou a renúncia do Jânio e três anos depois declarou a a vacância da Presidência e renúncia de Jango, abrindo as porteiras para o golpe militar. Fui claro?”
    _______________________________________
    Preocupante, meu caro, preocupante.

geniberto campos

03 de fevereiro de 2013 às 12h47

O exclente texto do Leandro Fortes contém uma grave denúncia: a candidatura do senador Taques era, na realidade, uma manobra para colocar alguém da PGR no comando de uma das casas do Congresso Nacional.
E dessa forma, criar sérias dificuldades ao funcionamento das 3 áreas do poder.Travando, ou pelo menos, dificultando a chamada “governabilidade”.
Não há como considerar o senador Renan Calheiros um mal menor. Houve, na realidade, uma clara tentativa de ingerência do Poder Judiciário no Legislativo. A candidatura do senador Renan transitou, naturalmente, entre os seus colegas do SF. O escore da eleição – 56 x 18 – não deixa dúvidas sobre isso.
E o atual procurador continuará, até o próximo final do seu mandato, fazendo estragos na loja de louças???

Responder

anac

03 de fevereiro de 2013 às 11h58

Gurgel sabe que tem vida curta no cargo de procurador geral. Faltam poucos meses para nos livrarmos do golpista prevaricador. Dilma escolha CORRETO nada de escolher o mais votado da lite triplice. E o governo deve ter um candidato confiavel nessa lista.É não criar corvos…
A mesma coisa com os ministros do STF e STJ, escolher os aliados.A Dilma tem o poder para desarmar a bomba.

Responder

Alberto-Rio

03 de fevereiro de 2013 às 11h56

Parodiando os vampiros do STF, “causa-me espécie” que a classe “mérdia” brasileira bóia solenemente nas intenções deste irmãos políticos. Todos eles. Parece-me briga de mafiosos, onde a população só tem duas opçõs: ou se enclausura em casa e assiste ao BBB,ou aceita resignada o trabalho “célere e honesto” do procurador, que a meu ver, está modificando o nome do seu cargo para Direcionador Geral da Oposição.

Enquanto a pluralidade da informação não chegar, de verdade, é a isso que assistiremos entre o JN e Salve Jorge.

Responder

Gerson Carneiro

03 de fevereiro de 2013 às 11h31

Se o Renan renunciar dessa vez quem assumirá será um senador do PT. Esse era o medo da imprensa e a preocupação do Gurgel.

Quer apostar que a imprensa vai pegar leve com o Renan?

Responder

Marat

03 de fevereiro de 2013 às 10h58

Fortes, outra vez, arrasador! Texto incrível, mas o “José Sarney, o Kim Il-sung do Maranhão” foi genial – rsrsrsrsrsrs
Até inspira-me a criar novos personagens:
Pinochet da Mooca;
Papa Doc de Higienópolis;
Baby Doc da Bahia;
Costa e Silva das Impren$$$as…

Responder

    Willian

    03 de fevereiro de 2013 às 23h34

    Fidel Castro da Savassi…

    Bonifa

    04 de fevereiro de 2013 às 08h54

    Você, troll, ainda é do tempo em que se amarrava cachorro com linguiça e se pedia a Deus nas novenas proteção divina contra o Fidel Castro.

    Marat

    04 de fevereiro de 2013 às 22h11

    Ah, esqueci, esses cães são deuses para os obtusos moneyteístas – rsrsrsrs

Álvares de Souza

03 de fevereiro de 2013 às 10h34

Sobre os comentários finais, é verdade! Agora, se assim não for, prá onde vai o projeto do PT, claudicante embora? Pro brejo!!1 E de quem é a responsabilidade? Nossa, inteiramente nossa, que agimos de modo completamente irresponsável ao elegermos nossos representantes nas câmaras e nos parlamentos.

Responder

    Bonifa

    04 de fevereiro de 2013 às 08h59

    Não é nada disso. O povo elege seus representates. O único entrave à completa legitimidade dessas votações é a compra de votos, através de meios ilegais, com os caixas dois, ou legais, com as contribuições privadas de campanhas, que são também no fundo pura compra de votos, uma aberração antidemocrática e antipopular.

Ricardo Lima Vieira

03 de fevereiro de 2013 às 10h21

Inelizmente, as palavras finais do texto são – sempre foram e sempre deverão ser – a mais pura expressão da realidade política de nosso país, uma nação que se construiu pouco afeita a noções básicas de cidadania, ao trato decente com a coisa pública, esta usada por muitos ao longo do tempo como coisa privada (dê-se o sentido que se queira a isto). E sabemos que tal estrutura se desenha em todos os níveis – federal, estadual e municipal.

Escolheu-se o caminho da convivência com certas forças retrógradas e obscurantistas, para que se faça frente às políticas de inclusão social, numa realpolitik infelizmente necessária para combater outras forças ainda mais retrógradas e obscurantistas; e estas outras forças dominaram o país por 502 anos, e, o resultado principal de sua dominação, a acima mencionada construção de um ambiente pouco propício à básica cidadania.

Na “realpolitik” os puristas acabam, muitos deles, servindo de massa de manobra aos interesses mais sórdidos dos conservadores, os quais, em nosso país, são ainda mais provincianos, hipócritas, patrimonialistas (à custa dos outros) e cruéis, que em outras plagas. Ô praga!

Responder

    Ricardo Lima Vieira

    03 de fevereiro de 2013 às 10h24

    erratas: o texto deve iniciar-se com “Infelizmente”; o “faça frente” como pró, e não contra! (de súbito veio-me a ideia de duplo sentido). A pressa em escrever gera problemas.

José de Almeida Bispo

03 de fevereiro de 2013 às 10h20

Essas histórias do Gurgel são reflexo do que foi alertado pelo professor Dalmo Dallari quando Fernando Henrique Cardoso, pra garantir a permanência dos efeitos da Privataria Tucana nomeou Gilmar Mendes pro STF. Destruiu tudo. Nem nos famigerados tribunais militares, naturalmente de exceção, se viu tanto desrespeito ao bom senso, sem falar da Lei. Daqui pra frente vai ser assim: juízes de quinta e procuradores/promotores de sexta como na República Velha a sempre agirem como se a Justiça fosse a extensão do partido da Casa Grande. E quem for contra? Ah, recebe a ostraka; vai pro ostracismo. É a velha direita medieval brasileira.

Responder

Roberto Locatelli

03 de fevereiro de 2013 às 10h17

O sistema político brasileiro força os governantes a fazer alianças ou cair. Foi assim com FHC, é assim com o PT. Interessa às classes dominantes que seja assim.

No entanto, pior do que ter o fisiológico Renan na presidência do Congresso seria ter Pedro Taques, parte integrante do golpe de estado em andamento.

O nobre senador Aébrio Neves (também conhecido como Menino do Rio) possivelmente votou em Renan, pois sabe que se o golpe for bem sucedido suas chances de ser presidente caem a zero.

Responder

    maria olimpia

    03 de fevereiro de 2013 às 17h47

    Concordo, Locatelli!

Inez

03 de fevereiro de 2013 às 09h34 Responder

J Souza

03 de fevereiro de 2013 às 09h16

Em todo o mundo é assim… Talvez não nos países nórdicos…

E não se enganem os fiéis do puritanismo dos procuradores/promotores…
Eles também roubam e matam!
Não é, Demóstenes?
Não é, Walber?
Não é, Igor?
Não é, Thales?

E como prevaricam quando é de seu interesse político ou corporativista…
Não é, Gurgel?

Se o ministério público federal trata o Congresso como bandido, está mais do que na hora de o Congresso tratar o ministério público federal como político…

Responder

Morais

03 de fevereiro de 2013 às 09h13

Precisamos agora que o renan como presidente do senado e recám-atacado pelo Gurgel coloque em votação o processo para investigar o mesmo e se possílvel instalar o impeachmant do prevaricador urgentemente, pois o Brasil não pode ter na procuradoria geral da república uma pessoas que usa e abusa do poder em proveito próprio ou de amigos.

Responder

Mr. Chance

03 de fevereiro de 2013 às 09h08

Figura que já tem o seu lugar garantido na História recente do Brasil… o Lixo!

Responder

Gerson Carneiro

03 de fevereiro de 2013 às 07h27

Os sempre do contra nesse blogue acusam os progressistas de serem agora admiradores do collor (segundo eles), mas os sempre do contra não se envergonham de manterem silêncio apoiador em relação ao “Prevaricador Geral da República” (segundo Collor).

Quanto ao “Prevaricador Geral da República” (segundo Collor)atua sempre com o mesmo scripte. Esse tá manjado.

Responder

    Willian

    03 de fevereiro de 2013 às 23h34

    Imitando o Tio REi, Gérson??rs

    emerson57

    04 de fevereiro de 2013 às 09h50

    sr. gerson,
    os mesmos que votaram no collor, contra o lula
    em 1989, para presidente(a mando e “cabeça feita” pela globobo)
    hoje escrevem -luLLa- e pior: tentam desqualificar o senador que acusa, o pgr de prevaricador, chantagista etc.
    e o jô gurgel br800 não se defende!!!! (“quem cala consente”).
    o mundo dá voltas!

José BSB

03 de fevereiro de 2013 às 02h32

A contagem dos votos prometidos ao Pedro Taques demonstra que o apoio da oposição à sua candidatura não passou de uma grande farsa. O discurso da defesa da ética não resistiu as tentações do voto secreto.
O senador matogrossense caiu na mesma esparrela montada pelos demotucanos em 2010. Marina Silva passou 8 anos dentro do governo Lula mas abandonou o partido para disputar a presidência. Acabou empurrando o Serra para o segundo turno e atualmente esta mais perdida que a Lindsay Lohan num chá das 5.
A bola da vez é o governador do Pernambuco.

Responder

    A. Carlos

    03 de fevereiro de 2013 às 11h39

    Conciso e certeiro!

    FrancoAtirador

    03 de fevereiro de 2013 às 12h46

    .
    .
    Pior que isso, meu caro José BSB:

    Os ‘passarinhos’ do PSoL vivem caindo nessa mesma ‘esparrela’ tucanalha.

    Até quando servirão de instrumentos de manipulação da Mídia Bandida?
    .
    .

    assalariado.

    03 de fevereiro de 2013 às 18h59

    Franco, sou obrigado a seguir seu raciocínio. Será que o PSOL é mais um PPS da vida?

    Abraços Fraternos.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding