VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Kenarik Boujikian, pelo impeachment de Bolsonaro : ‘Regime democrático não admite governantes irresponsáveis’; petição e fotos
Reprodução
Política

Kenarik Boujikian, pelo impeachment de Bolsonaro : ‘Regime democrático não admite governantes irresponsáveis’; petição e fotos


15/07/2020 - 17h36

Da Redação, com PT na Câmara

Nessa terça-feira, 14-07, em ato realizado em frente ao Congresso Nacional, lideranças de entidades da sociedade civil e movimentos sociais entregaram aos parlamentares presentes a petição pelo impeachment (na íntegra, ao final) do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

O documento é assinado por juristas, artistas, médicos, antropólogos, psicólogos, esportistas, cientistas sociais, professores. Enfim, trabalhadores de todas as áreas.

Mais de mil organizações populares do Brasil inteiro subscrevem-no, entre as quais, UNE, UBES, Levante Popular da Juventude, CUT,  MST, APIB (Articulação dos Povos Indígenas do Brasil), Movimento Negro Unificado, Instituto Socioambiental (ISA), ABGLBT, Associação Brasileira de Juízes pela Democracia (ABJD), Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (Conic) e Marcha Mundial das Mulheres.

Após o encontro, os parlamentares protocolaram na Mesa Diretora da Câmara o pedido de impeachment que será encaminhado ao presidente da Casa, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ).

O pedido aponta uma série de crimes de responsabilidade cometidos por Jair Bolsonaro durante os 18 meses de mandato.

Entre eles,  constam os ataques ao livre exercício da imprensa, a direitos políticos e sociais do povo brasileiro, contra a administração pública (improbidade administrativa).

São elencados também crimes por ataques a outros poderes da República e contra a segurança interna do País, como a irresponsabilidade no combate à pandemia pelo novo coronavírus.

A petição enfatiza ainda os retrocessos impostos por Bolsonaro em diversos eixos temáticos, entre os quais:

Relações trabalhistas — Desde o início do governo Bolsonaro, vêm sendo adotadas medidas que favorecem as grandes empresas, não garantem o emprego e a renda e pioram as condições de vida dos trabalhadores.

Meio ambiente — Diversas condutas do presidente e de seu governo têm gerado severos riscos ao país, além de sua postura priorizar interesses particulares de grandes violadores de normas ambientais.

Política de saúde – As políticas de saúde também foram severamente afetadas pela atuação criminosa de Jair Bolsonaro.

Além da desarticulação do Sistema Único de Saúde (SUS), que já vinha sendo posta em prática no primeiro ano de gestão, a pandemia da Covid -19 escancarou o desprezo do atual governo pela proteção à saúde da população.

Acesso à terra e direito à alimentação  — O governo capitaneado por Bolsonaro paralisou por completo a Reforma Agrária no País.

Por meio da Medida Provisória nº 910, buscou legalizar a grilagem. Também interrompeu o programa de compra antecipada de alimentos (PAA), que, além de favorecer os trabalhadores do campo, permitia o acesso à comida saudável por parte significativa da população mais pobre.

Populações tradicionais — As populações tradicionais têm sofrido com a implantação de uma política genocida. Além de não demarcar os territórios que a Constituição de 1988 estabeleceu como pertencentes a esses grupos, o governo Bolsonaro desmontou a estrutura institucional de proteção a essas populações.

População negra e racismo de Estado — As políticas racistas incentivadas pelo discurso e pela prática institucional e o seu discurso oficial, permeado de declarações com viés discriminatório, têm acarretado um incremento do discurso do ódio no Brasil, o que se afere pela crescente vulnerabilidade da população negra e pela quantidade de novos grupos neonazistas disseminados desde que Bolsonaro chegou ao poder.

Soberania nacional e violação da política de paz entre as nações — A postura do governo brasileiro também gera prejuízos à política exterior. Além de abdicar da soberania nacional em nome de interesses, em especial, do governo norte-americano, Jair Bolsonaro vem sendo considerado uma ameaça global.

Política cultural e liberdade de expressão e de imprensa — Em matéria de política cultural, Bolsonaro empreendeu uma verdadeira perseguição às produções que não se alinham às crenças e aos valores dos grupos políticos que dão suporte a seu governo.

Após rebaixar o Ministério da Cultura ao nível de Secretaria, o governo federal paralisou o financiamento público de espetáculos e iniciativas culturais.

A desembargadora aposentada Kenarik Boujikian, fundadora e membro da Associação Juristas para a Democracia (AJD), é uma das signatárias da petição.

Ela diz por que ao Viomundo:

O regime democrático não admite governantes irresponsáveis.

Jair Bolsonaro cometeu inúmeros ilícitos políticos nas mais variadas áreas: saúde, cultura, meio ambiente, em relação aos indígenas, à população negra,  à liberdade de expressão e tanto mais.

Deve responder por eles num processo de impeachment por ser o caminho jurídico e político para a reconstrução nacional.

Petição de Impeachment Popular de Bolsonaro by Conceição Lemes on Scribd



Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

O lado sujo do futebol: Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - O lado sujo do futebol e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Sebastião Farias

16 de julho de 2020 às 16h04

Concordo que o sistema democrático permite que o povo se vendo prejudicado, não só tire o ou os titulares dos Poderes da República que não se mostrem dignos e/ou capazes, por diversos motivos constitucionais, das funções que ocupam para defenderem a soberania do povo e da nação , para promoverem a a justiça imparcial e o bem-estar comum, etc, afinal, o dono do Poder constitucional é democrático é o povo brasileiro, Parágrafo Único do Artigo 1º da Constituição Federal da República Federativa do Brasil.
Paz e bem
Sebastião Farias Um cidadão brasileiro nordestinamazônida

Responder

Henrique Martins

16 de julho de 2020 às 14h54

Complementando meu comentário anterior eu digo que é muito difícil para nós idosos mudarmos em alguns aspectos já solidificados em nós ao longo da vida. Neste sentido só me restam elogios à coragem de Gilmar Mendes.

Agora, o Felipe é jovem gente! Tem licença poética para mudar de opinião quantas vezes quiser. Quantas vezes eu não mudei de opinião e atitudes quando era jovem?
No mínimo o rapaz provou que é um jovem democrata que se preocupa com o nosso país, e que não é cego.
Quantos políticos que se dizem democratas – que construíram suas prósperas vida com o dinheiro do povo – e estao totalmente inertes neste momento?
Alguns até bem velhos como FHC estão emprestando seu peso político para defender a permanência de Bolsonaro, porque a política dele interessa à elite. Esse velho é tão insensível como Bolsonaro, e se Deus quiser será cobrado por ter defendido a permanência dele no poder.
As Diretas Já não teriam acontecido sem os jovens.
Precisamos muito deles para barrar essa outra ditadura – que é nitidamente mais nefasta porque é também nazifascista.

É desonesto de nossa parte não reconhecer a atitude corajosa desse rapaz defendendo a democracia no país.
Não podemos nos igualar à cegueira ideológica dos Bolsonaristas radicais. O radicalismo não faz bem à nenhum espectro político.

Responder

Henrique Martins

16 de julho de 2020 às 13h59

Não gosto de usar o Facebook. Sou velho e essas tecnologias não me atraem.
Mas acabei de usar o meu para seguir o Felipe Neto e engrossar a lista dos seus seguidores.
Esse rapaz prestou um enorme serviço ao país essa semana, assim como Gilmar Mendes. Ambos merecem os meus mais sinceros aplausos.
Não estou interessado nas posições passadas de ambos. Estou interessado no que eles estão fazendo pelo país neste momento. Além do mais, todo mundo tem direito de mudar, de crescer como ser humano em todos os sentidos.
Portanto, pelo Brasil, eu peço encarecidamente a alguns comentaristas de esquerda para não ficarem depreciando a atitude de nenhum dos dois em função de posições passadas. Isso nos enfraquece.
O rancor definitivamente não é um bom conselheiro e não nos ajuda a evoluir espiritualmente.
Apoiando a atitude deles sem reservas estaremos ajudando o país neste momento dramático da nossa história.

Pelo amor de Deus não vamos colaborar indiretamente com os Bolsonaristas que estão esperneando gente.

Vamos prestigiar quem está conosco nesta luta!

Responder

Antenor

16 de julho de 2020 às 12h39

O jovem Felipe Neto conseguiu uma verdadeira proeza com sua entrevista no NY Times. E o que é melhor, o fez prá defender o Brasil.
Valeu cara!
O Brasil realmente está precisando de jovens corajosos, democratas e inteligentes como você.

Parabéns!

Responder

Henrique Martins

16 de julho de 2020 às 11h51

Para o Movimento Pró-democracia

Sonhei com a música ‘The Show Must Go On’, da banda Queen.

Observem essas passagens da letra:

O Show tem que continuar

(…)
Segure a linha, alguém quer aguentar um pouco mais?
O show deve continuar
(…)
E continua, alguém sabe para que estamos vivendo?

Eu acho que estou aprendendo – aprendendo – aprendendo
Eu preciso ser mais forte agora
(…)
Contos de fadas de ontem vão crescer, mas nunca morrer
Eu posso voar – meus amigos
O show deve continuar
Eu irei em frente
Tudo com um sorriso
Eu nunca irei desistir
Avante – com o show
Eu irei dar show
E irei dar um lance maior
Eu tenho que achar forças para continuar
Com o show
Com o show
O show deve continuar
Continuar (Bis)

Responder

Zé Maria

15 de julho de 2020 às 21h50

A Secretaria Geral da Mesa da Câmara informou que, além desse,
foram recebidos outros 51 pedidos de impeachment contra o presidente
Jair Bolsonaro. Em entrevista a uma rádio nesta terça-feira, o presidente
da Câmara, deputado Rodrigo Maia, declarou que iniciar um processo
de impeachment neste momento poderia aprofundar a crise causada
pela epidemia do coronavírus.
| Reportagem: Cláudio Ferreira | Edição: Geórgia Moraes | Agência Câmara de Notícias |
Íntegra: https://www.camara.leg.br/noticias/676124-ato-pede-impeachment-do-presidente-jair-bolsonaro/

Responder

Zé Maria

15 de julho de 2020 às 21h22

https://twitter.com/i/status/1283503187912282114

“Bolsonaro é a síntese do que há de pior
na nossa história:
concentra a riqueza, escraviza o trabalho
e, como um velho rei destronado,
pensa que sua vontade é a lei.
Eterno parasita da política e falso moralista,
ele invoca a Pátria para negar a ciência
e desprezar a democracia.”

https://twitter.com/BohnGass/status/1282752731694927873

https://pbs.twimg.com/card_img/1283091754758156288/VSwZwtQ0?format=jpg&name=900×900

“Vox Populi mostra q maioria não quer Mourão no Planalto,
caso haja impeachment de Bolsonaro.
Nada menos que 65% querem convocação de novas eleições
p/ presidente.
PEC de @HenriqueFontana do PT prevê eleições diretas
sempre que vagar o cargo de presidente.”

https://twitter.com/Gleisi/status/1283143241605554181

Responder

Zé Maria

15 de julho de 2020 às 20h23

Juristas Fabio Konder Comparato, Carol Proner e Weida Zancaner Bandeira de Mello
estão levando fé nesse pedido de Impeachment de Bolsonaro. Boa Perspectiva.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!