João Cézar de Castro Rocha: O bolsonarismo se tornou terrorismo doméstico

Tempo de leitura: 4 min
Fotod: Nelson Jr./SCO/STF e Agência Brasil

Ataque a Moraes mostra que 8/1 não acabou, diz pesquisador do bolsonarismo

 Por Chico Alves*, no UOL

É uma triste coincidência que a agressão ao ministro Alexandre de Moraes e seus familiares por parte de um empresário bolsonarista, no aeroporto de Roma, tenha ocorrido quando João Cézar de Castro Rocha está lançando o livro “Bolsonarismo – da guerra cultural ao terrorismo doméstico” (Autêntica).

Professor de literatura comparada da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), Castro Rocha se dedica há anos ao estudo das estratégias da extrema direita brasileira e na obra atual constata uma perigosa transformação. A agressividade dos bolsonaristas está passando do discurso para o enfrentamento físico.

“O bolsonarismo passou do limite da possibilidade de convivência na pólis”, afirmou o professor à coluna. “Ou nós reagimos agora ou as consequências para o futuro serão funestas”.

A tese que o pesquisador defende no livro é que a extrema direita liderada por Jair Bolsonaro deixou de lado a narrativa da guerra cultural e passou ao confronto real, que acontece de várias formas.

Como, por exemplo, a agressão ao ministro Moraes. É o que chama de terrorismo doméstico.

Castro Rocha defende que sejam tomadas medidas rigorosas e céleres contra os agressores. “O 8 de janeiro não acabou, o ataque a Moraes mostra isso”, diz ele.

A seguir, os principais trechos da entrevista:

TERRORISMO DOMÉSTICO

O bolsonarismo começou usando a estratégia de guerra cultural, mas não era mais possível continuar apoiando o governo apenas com base nisso.

Porque não se pode reduzir a morte a um meme. Não se pode reduzir a vida à disputa de narrativa política.

Havia duas opções: abandonar o bolsonarismo — e em parte muitos o fizeram, e Bolsonaro perdeu a eleição, como o Trump, nos Estados Unidos – mas há os que insistiram em apoiar o Bolsonaro.

É escandaloso que esse seja o caso de dezenas de milhões de brasileiros e brasileiras. Tiveram que abandonar a guerra cultural como disputa narrativa pra abraçar a guerra cultural como forma de vida.

Estamos aqui a um passo de um ethos religioso. É perfeitamente compreensível que o apoio das igrejas neopentecostais a Bolsonaro tenha se ampliado neste momento.

Uma vez que o bolsonarismo passa a uma espécie de quase seita religiosa, a derrota eleitoral deixa de ser aceitável.

Pior: se é assim, então aquele que discorda de você não é um adversário político com o qual deva dialogar. É um ímpio, é alguém que tem que ser eliminado. A violência que era simbólica se torna física.

Houve vários casos no Brasil, como o assassinato do Marcelo Arruda em Foz do Iguaçu e outros episódios.

A minha hipótese então é que o bolsonarismo se tornou terrorismo doméstico que se manifesta de formas diversas.

DA VIOLÊNCIA SIMBÓLICA À VIOLÊNCIA FÍSICA

“O que aconteceu com o ministro Alexandre de Moraes é a pior demonstração possível. Ele é agredido verbalmente e o filho é agredido fisicamente. O bolsonarismo no Brasil hoje não pode mais ser compreendido apenas como guerra cultural. É preciso entender que com a pandemia o ethos religioso passou a ser dominante, a guerra cultural foi de disputa narrativa para forma de vida.”

Quando isso acontece, entramos na esfera da seita. Sendo assim, não há possibilidade alguma para a política. Não há espaço algum para aceitação de qualquer nível de contraditório.

Quem discorda é respondido com sarcasmo, que é uma violência simbólica, ou com violência física.

Isso quer dizer o seguinte: ou nós tomamos uma atitude em relação a deputados como Gustavo Gayer, André Fernandes, Abílio Brunini, Nikolas Ferreira, Carla Zambelli ou o Parlamento perderá totalmente a legitimidade.

O que que nós vamos esperar? Uma nova bomba?

AGRESSÃO A MORAES DEVE SER LEVADO A SÉRIO

O bolsonarismo não consegue conviver com a polis, por isso o objetivo dos deputados bolsonaristas é despolitizar a política. Toda atitude do militante bolsonarista é no sentido da agressão.

Se esses bolsonaristas fazem isso contra o ministro Alexandre de Moraes, o que não farão comigo ou com você se nos encontrarem na rua?

O que eles fizeram com Alexandre de Moraes é uma advertência que nós temos que levar a sério.

O bolsonarismo não mais se entende sobre o conceito de guerra cultural. Por isso o meu livro se chama ‘Bolsonarismo — da guerra cultural ao terrorismo doméstico’.

Não é uma frase de efeito, é uma hipótese que eu estou propondo para a sociedade brasileira.

O bolsonarismo passou do limite da possibilidade de convivência na pólis. Ou nós reagimos agora ou as consequências para o futuro serão funestas.

RETÓRICA DO ÓDIO

A dissonância cognitiva coletiva produzida deliberadamente pelo bolsonarismo por meio das redes sociais gera a retórica do ódio.

Isso impede ver no outro uma subjetividade autônoma, veem no outro apenas o inimigo a ser eliminado.

Se um empresário bem-sucedido, que foi candidato a prefeito numa cidade do interior de São Paulo, tem uma tal atitude insensata, qual será o próximo passo dos bolsonaristas fanatizados que não têm a formação ou que não são tão bem-sucedidos socialmente quanto aquele senhor?

É um cenário distópico.

O 8 DE JANEIRO NÃO ACABOU

Só chegaremos à possibilidade de poder pensar no médio e longo prazo, que sempre inclui educação como eixo, se no curto prazo nós começarmos a adotar uma atitude rigorosa e célere.

Se ficar comprovado que houve uma agressão física contra o filho do ministro Alexandre de Moraes, essas pessoas precisam ir para a prisão. Ponto. Acabou.

E nós precisamos começar a dizer: não é tenente-coronel Mauro Cid, é tenente-coronel golpista Mauro Cid. Não é General Braga Netto, é general golpista Braga Netto. Não é general Augusto Heleno, é general golpista Augusto Heleno.

Se nós não tivermos no curto prazo uma atitude rigorosa, o país pode perder o controle. O 8 de janeiro não acabou, o ataque a Moraes mostra isso.

COMO LIDAR COM O PROBLEMA?

Eu proponho que se crie no Brasil algo como um juizado de causas céleres para crimes digitais.

O que eu chamo de terrorismo digital?

Por exemplo, as atitudes do deputado Gustavo Gayer perseguindo professores e professoras em Goiânia.

É terrorismo digital porque ele leva milhares de pessoas a pressionar uma escola para demitir o professor.

Por que a extrema direita avança no mundo inteiro? Porque se especializou em cometer crimes digitais com a premissa de que a Justiça é analógica.

O crime cometido hoje, a Justiça condena daqui a cinco anos. Já não tem mais nenhuma validade, porque muitas vezes o criminoso já assumiu o poder. Se não houver a curto prazo uma punição rigorosa e exemplar desses crimes, eu não vejo onde nós vamos chegar.

*Chico Alves é colunista do UOL.

Leia também:

Jair de Souza: Por que os bolsonaristas odeiam os professores?

Jair de Souza: O legado de Jesus não pode servir para praticar as coisas do diabo


Siga-nos no


Comentários

Clique aqui para ler e comentar

Zé Maria

https://pbs.twimg.com/media/F19tsMeXwAAmCZ_?format=jpg

“Após a publicação da nossa reportagem
sobre os diálogos de Deltan Dallagnol
com agentes suíços e norte-americanos,
a Polícia Federal decidiu investigar a Lava Jato.”

Jornalista LEANDRO DEMORI
https://twitter.com/Demori/status/1684186198263074816

https://www.agrandeguerra.com.br/p/policia-federal-vai-investigar-contas

Zé Maria

“Lavajatistas -os que ainda restam- estão alvoraçados
com a delação no caso Marielle Franco.

Vamos deixar bem claras as diferenças:

Informações de Élcio Franco [o colaborador]
corroboram as provas já existentes.

Diferente da República de Curitiba que prendia e depois
quando não encontrava provas forçava confissões.

Caso Marielle não é convicção nem um power point.

Mais respeito!”

GLEISI HOFFMANN
Deputada Federal (PT/PR)
Presidente Nacional do
Partido dos Trabalhadores.
https://twitter.com/Gleisi/status/1683583576212660224
https://twitter.com/NaldoValenca/status/1683701952612270080

Zé Maria

O Lavajatismo é Irmão Siamês do Bolsonarismo.

Zé Maria

https://pbs.twimg.com/media/F1QbaqAXoAEstim?format=jpg

O Bolsonarismo deixou de ser um Movimento Pró-Bolsonaro

para se tornar no Brasil uma Repugnante Seita Nazi-Fascista.

.

Zé Maria

“Dallagnol, a ave fênix que entende tudo de prova!!!!!
Quanta expertise… Quanta experiência…
Tocante a preocupação com o que é prova.
Emocionante! Sniff.”
https://twitter.com/LenioStreck/status/1683535595388190751

Zé Maria

“Em Curitiba, a ex-poderosa juíza Gabriela Hardt,
depois de uma audiência reservada com o Corregedor
Nacional de Justiça, Ministro do CNJ, deixou a sala
chorando copiosamente pelos corredores onde
desfilava e não só não cumprimentava as pessoas,
como não respondia a qualquer ‘bom dia’ ou ‘boa tarde’.”

No DCM: https://t.co/iHfngMfWHX

Nas próximas semanas, será divulgado o relatório final da correição
levada a cabo pelo ministro Luis Felipe Salomão, ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e corregedor nacional de Justiça [do CNJ].

No Paraná, os alvos são os excessos da Lava Jato e seus protagonistas,
e, no Rio Grande do Sul o TRF-4, que agiu com incrível conivência
com a midiática operação comandada por Sergio Moro e Deltan Dallagnol.

Luis Felipe Salomão é magistrado conhecido por ser homem discreto,
profundo conhecedor das leis, de trato afável e educado, mas inflexível com irregularidades no poder judiciário.
É a opinião unânime de seus colegas, do meio jurídico e dos jornalistas
que cobrem a área e estão acompanhando sua minuciosa investigação.

Em Curitiba, a ex-poderosa juíza Gabriela Hardt, depois de uma audiência
reservada com o ministro Salomão, deixou a sala chorando copiosamente
pelos corredores onde desfilava e não só não cumprimentava as pessoas,
como não respondia a qualquer “bom dia” ou “boa tarde”.

Num passado bem recente, ela simplesmente copiava e colava as sentenças
anteriores do seu amigo Sergio Moro.

Em audiência com o hoje presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ela o ameaçou
publicamente.

Hoje, é um fantasma nos tribunais curitibanos.

Seu pai é investigado por corrupção administrativa.
Trata-se de uma piada pronta:
Jorge Hardt Filho é suspeito de roubar segredos tecnológicos
da Petrobras e vendê-los para Marrocos, EUA e Jordânia.

O ex-presidente do TRF-4, o desembargador Carlos Eduardo
Thompson Flores, outro lavajatista, deverá ser aposentado.

Uma saída honrosa, segundo fontes do Conselho Nacional de Justiça,
o poderoso CNJ.

Nos tempos áureos da Lava Jato, o desembargador, impecável no vestir
e de trato bastante antipático, fazia uma exigência aos repórteres das
emissoras de TV e aos fotógrafos: dar a entrevista ou ser fotografado
ao lado de um velho quadro onde está retratado seu trisavô, Thomaz
Thompson Flores, “o coronel que matou Antônio Conselheiro”, segundo
sempre explicava com indisfarçável orgulho.
Antônio Conselheiro, segundo dez de dez grandes historiadores,
morreu de inanição durante o violento cerco a Canudos.

As mesmas fontes afirmam que, mesmo sendo conduzida por um
magistrado de notório equilíbrio como o ministro Salomão,
o resultado final, expresso em grande e minucioso relatório deverá ser
nada menos que “uma bomba de nêutrons”, aquela que preserva as
construções físicas e aniquila as pessoas.

A conferir.

https://twitter.com/esojseditsira/status/1683071524725456899
https://twitter.com/kazuo_ieiri/status/1682891334481264640

Zé Maria

Será que a gente vai ver prenderem nem que seja um Generalzinho de Merda?

Zé Maria

https://twitter.com/MichelePradoBa/status/1682347287446532097

“Hoje seguem as operações integradas contra crimes ou atos infracionais
cibernéticos, com a coordenação da equipe do Ministério da Justiça
e participação dos Estados.
Um dos adolescentes investigados possuía perfis de culto a símbolos
nazistas, incluindo imagens de automutilação e a cruz suástica.

Além de idolatrar e propagar imagens de assassinos de massacres
escolares, praticava por meio desses perfis apologia e incitação a crimes
contra a vida, bem como divulgava link de acesso a um grupo de mensageria,
onde conteúdos proibidos de tortura, pedofilia, crueldade contra animais
e pessoas são compartilhados.
Uma das tragédias do nosso tempo. Muito triste. Mas tenhamos força e fé.”

FLAVIO DINO
Ministro da Justiça e
Segurança Pública
Governo LULA
(2023-2026)

Zé Maria

Não dá pra passar a mão em cabeça de Terrorista

https://twitter.com/i/status/1682250120727863296

Zé Maria

https://t.co/4YOFBKBtXW

Bolsonarista radical que liderou atos golpistas de 8/1
[Protegido por Generais] é preso em “assembleia da
direita”

Diego Ventura, que comandou grupo dentro do acampamento em frente
ao QG do Exército [sob o Comando Militar do Planalto], chegou a ser
detido na noite de Natal, em 2022, mas foi solto e participou da invasão
do edifício-sede do STF no início de 2023.

O Bolsonarista estava Foragido desde o dia 8 de Janeiro, após ser um dos líderes dos ataques terroristas na Praça dos Três Poderes, em Brasília,

Ventura foi preso em Campos dos Goytacazes, no Rio de Janeiro,
quando participava da “assembleia nacional da direita brasileira”.

https://twitter.com/luizazenha23/status/1682353370370125826
https://revistaforum.com.br/politica/2023/7/21/bolsonarista-radical-que-liderou-atos-golpistas-de-81-preso-em-assembleia-da-direita-139845.html

Zé Maria

HISTÓRICO!

Hoje participei da sanção pelo Presidente @LulaOficial
do Programa Cozinhas Solidárias, como parte do novo PAA.

As Cozinhas foram iniciadas pelo @mtst durante a pandemia
para matar a fome de milhares de brasileiros.

Foi meu primeiro Projeto de Lei como deputado.

A partir de hoje é Política Pública do Governo Federal!”

GUILHERME BOULOS
Deputado Federal (PSoL/SP)
https://twitter.com/GuilhermeBoulos/status/1682147494694666246

Zé Maria

“Não há precedentes do mal que Dallagnol fez ao nosso país.
O ex-procurador que já pode ser considerado um dos maiores lesa-pátria
da história brasileira, tratou com os Estados Unidos a divisão do dinheiro
da Petrobras em sigilo.”

Rogério Correia
Deputado Federal (PT/MG)
https://twitter.com/RogerioCorreia_/status/1682033010978492420

Zé Maria

“Mais áudios da Operação Spoofing revelam que o cassado Deltan Dallagnol
negociou em sigilo com os EUA acordo pra dividir o dinheiro cobrado
da Petrobras em multas e penalidades.

É mais um dos desmandos da lava jato, que feriu o estado de direito
e a democracia brasileira com o ex-juiz parcial no comando.

E é claro que ele sabia desse acordão pois como já vimos tudo era acertado com o ‘russo’ [Apelido de Moro na PF].

Quem bajulou Moro e cia, contribuindo com o bolsonarismo, devia estar
agora com muita vergonha.”

Gleisi Hoffmann
Deputada Federal pelo Paraná
e Presidenta Nacional do
Partido dos Trabalhadores
https://twitter.com/Gleisi/status/1682054142418665472
(⭐.⭐)

Zé Maria

“Nenhuma surpresa: o agronegócio financiou as ações golpistas.

O agro não respeita o meio ambiente, não respeita os trabalhadores,
não respeita a democracia.
Só é ‘pop’ graças aos fartos volumes publicitários e a cumplicidade
dos meios de comunicação”

Economista JOÃO PEDRO STÉDILE
Coordenador do MST
https://twitter.com/stedile_mst/status/1682040765516746755

Zé Maria

Só Por Curiosidade

Se em vez de ao Ministro do STF Alexandre de Moraes
o Ataque Bolsonarista fosse ao Presidente Lula, seria
também Tratado na Mídia como Terrorismo Doméstico?

Pelo Histórico das Duas Últimas Campanhas Eleitorais
principalmente a Presidencial de 2018, parece que não.

Zé Maria

Bolsonarista Sulista Pobre de Direita:
– “Esses Cabeça-Chata Burros só servem pra levar nosso Dinheiro!

Realidade: https://bit.ly/44wAlUP
– “Com apenas 16 anos, o cearense Matheus Alencar de Moraes
alcançou a meta de todos os grandes estudantes de matemática:
ele foi medalha de ouro na 64ª edição da Olimpíada Internacional
de Matemática, a mais tradicional competição do gênero do mundo.
O evento ocorreu entre os dias 2 e 13 de julho em Chiba, no Japão.”

Bolsonarista Sulista Pobre de Direita:
-???? … Dããã …

Deixe seu comentário

Leia também

Política

Jeferson Miola: Lula balizou o debate mundial sobre o genocídio palestino

Até os governos cúmplices têm consciência da monstruosidade

Política

Chris Hedges: Apelo final de Julian Assange para evitar a extradição

Julian expôs aquilo que o império dos EUA procura varrer da história.