VIOMUNDO

Diário da Resistência


Jeferson Miola: Terceira via é apenas outro canal para o antipetismo que elegeu Bolsonaro
Mídia Ninja
Política

Jeferson Miola: Terceira via é apenas outro canal para o antipetismo que elegeu Bolsonaro


25/09/2021 - 09h44

Terceira via é o nome de fantasia da opção anti-Lula

Jeferson Miola, em seu blog 

A terceira via não existe. É puro desejo, é uma invenção das classes dominantes e sua mídia. É o nome de fantasia da opção anti-Lula que as oligarquias tentam desesperadamente fabricar.

Além de Bolsonaro, os donos do poder testam a viabilidade eleitoral de nada menos que outras 8 alternativas de “laboratório”: Ciro, Dória, Mandetta, Moro, Datena, Pacheco, Simone Tebet e Alessandro Vieira.

A última pesquisa Ipec [23/9] mostra, contudo, que o experimento não está dando certo. Nos dois cenários avaliados, os resultados se repetem:

-– Lula vence no 1º turno: num cenário, por 56% a 44%; noutro, por 53% a 47%; e

-– Bolsonaro é o candidato mais competitivo do establishment. Em ambos cenários, as intenções de voto nele superam as intenções somadas de todas demais candidaturas neoliberais: 23% a 14% e 22% a 18%:

cenários ipec

Na vida real, quando se analisa como votam as bancadas dos 8 candidatos de proveta testados, todas elas – bancadas do PSDB, DEM, MDB, Patriota e Cidadania [com exceção da do PDT] – aprovam as propostas bolsonaristas de devastação do país e destruição dos direitos sociais no Congresso.

É a agenda, como se sabe, que unifica os interesses fundamentais do conjunto das oligarquias e suas frações. E que é respaldada pelo judiciário, empresariado, financistas e mídia.

A chamada 3ª via não significa, na realidade, uma 3ª opção em relação a 2 opções estabelecidas, mas sim uma terminologia oportunista para simular uma realidade inexistente.

Do ponto de vista programático, tanto Bolsonaro como Moro, Mandetta, Doria, Pacheco, Datena, Tebet, Alessandro Vieira pertencem à mesma raiz ideológica; são defensores engajados do ultraliberalismo e do selvagem processo de saqueio e pilhagem que está em curso no país.

Desde o fim da ditadura aconteceram 8 eleições presidenciais no Brasil. Nelas, dois campos disputaram o governo: neoliberais versus anti-neoliberais; direita versus esquerda; petistas versus antipetistas.

Em todas estas 8 eleições, o PT se credenciou como a principal força do campo popular e progressista na disputa com as forças políticas e partidos conservadores do bloco dominante.

E, com exceção de 1989 e de 2018, quando Collor e Bolsonaro encabeçaram a polarização com o PT, nas demais eleições o PSDB foi o partido que liderou a rivalidade antipetista.

Na eleição de 2022 esta polarização se repetirá. A grande incógnita é saber quem será o principal opositor do Lula num pleito que tem enormes chances de ser decidido já no 1º turno.

Neste cenário de inviabilidade de alternativas menos bárbaras – ou menos incivilizadas e mais “cheirosas” –, Bolsonaro ainda é uma opção eleitoral seriamente encartada no cardápio do PIB. O conchavo por cima continua frenético e o impeachment perdeu força.

A despeito da desgraça e da barbárie que o governo militar presidido por Bolsonaro causa ao país, as classes dominantes fazem ordem unida a qualquer opção anti-Lula, mesmo que esta opção seja a aberração fascista que catalisa a repulsa mundial.

É pavoroso, mas terrivelmente real, a possibilidade das oligarquias continuarem enganchadas no que há de mais abominável na história da humanidade.

Isso dá a real dimensão da índole das classes dominantes, que nutrem impressionante desapreço pela democracia e não se comovem com o sofrimento, com a dor humana e com a barbárie.





11 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

27 de setembro de 2021 às 00h26

Todos os Partidos dos Candidatos da Direita, sobretudo os NeoNazistas, na Alemanha, se juntaram para bombardear com Fake News a Candidata do
Partido Verde, Annalena Baerbock, que liderava as Eleições Parlamentares
que definirão a escolha o Novo Chanceler Federal (Chefe de Governo) Alemão.
E as principais Agências de Notícias Internacionais silenciaram.
.
.
Desde 2013, Annalena é deputada federal no Parlamento Alemão (Bundestag). Formada em Direito Internacional em Londres, é a mais jovem candidata a chanceler federal desde 1949.

Em abril, após a indicação de Annalena Baerbock como candidata verde
à sucessão de Angela Merkel nas próximas eleições parlamentares, as
pesquisas de opinião deram ao Partido Verde 28% de intenção de voto,
um aumento espetacular sobre os 8,9% recebidos nas últimas eleições
gerais, em 2017.

A ascensão dos verdes coincidiu com uma queda no apoio ao partido
conservador de Merkel, União Democrata Cristã (CDU).
O impulso foi creditado à escolha de Baerbock, de 40 anos.

Rolf Pohl, sociólogo e psicólogo especializado em estudos de gênero, vê nos ataques a Baerbock “referências recorrentes à sua aparência, à sua vida familiar”. Segundo Pohl, “ela se tornou alvo de uma ampla gama de preconceitos e até de tiradas antissemitas”.

Postagens em redes sociais divulgaram fotos da Baerbock com o investidor
americano George Soros, alegando falsamente que ele fizera uma doação para
a campanha dela.

Havia posts de fotos falsas de Baerbock nua, supostamente colocadas online quando jovem.

Num evento no início de julho organizado pela revista feminina ‘Brigitte’,
a política verde disse que já contava ter que enfrentar um exame minucioso
na campanha eleitoral, “mas vejo desde o início da minha candidatura
falsidades serem espalhadas deliberadamente, por sei lá quem”.

Os verdes classificaram os ataques a sua candidata como “tentativa
de assassinato de caráter”, o que, segundo Pohl, prova que estavam
despreparados para a investida.
“Eles parecem surpreendentemente ingênuos nesse aspecto.
Sabemos há muito tempo que mulheres em posições de
destaque se tornam alvo constante de ataques sexistas.”

“Os verdes têm que levar o assunto a tribunal”, recomenda Pohl.
“Mas eles têm que escolher suas batalhas e garantir que seu foco
principal seja a campanha eleitoral, e não os procedimentos legais.”

Os ataques pessoais a Baerbock coincidiram com uma reação contra
algumas de suas propostas políticas.
Em consonância com a plataforma do Partido Verde, ela se pronunciou
contra os voos de curta distância e exigiu um aumento dramático de
0,15 euro dos preços do petróleo, como medidas para combater a
mudança climática.

[ Reportagem: Rina Goldenberg | Deutsche Welle (DW) ]

Íntegra:

https://www.dw.com/pt-br/verdes-alem%C3%A3es-perdem-terreno-ap%C3%B3s-ataques-contra-candidata-a-chanceler/a-58206743

Responder

Zé Maria

26 de setembro de 2021 às 11h50

As Rádios Nem-Nem estão se multiplicando no interior do País.

Responder

Zé Maria

26 de setembro de 2021 às 01h51

Na realidade, LULA é a Terceira Via, Alternativa
aos Candidatos Direita Conservadora (Fascista)
e da Direita (Neo)Liberal, ou seja, LULA é o Único
Candidato a Presidente capaz de derrotar os
Genocidas Jair Bolsonaro e Paulo Guedes, cujas
medidas políticas e econômicas estão destruindo
a População Trabalhadora Brasileira.

Aliás, a destruição de Guedes/Bolsonaro atinge,
em síntese, precisamente os valores representados
pelas Cores da Bandeira do Brasil, isto é:
– o Verde (a Vegetação e os Bens Ambientais);
– o Amarelo (o Ouro e todas as Riquezas Minerais);
– o Azul (o Céu, o Ar e as Águas de Mares e Rios); e
– o Branco (a Paz).
E as 27 Estrelas (as 27 Unidades da Federação).

Assim, pois, só LULA poderá resgatá-los ao País.

Do contrário, restará como Símbolo Nazional,
a “Jolly Roger” tremulando num “CSS Savannah”,
uma Bandeira Pirata tremulando no Mastro de
um Corsário Escravocrata Confederado (CSA)
que é precisamente o que representa a Direita
no Poder.

Responder

Thaos Closs

25 de setembro de 2021 às 17h38

Na verdade, o PT e a esquerda que não se vendeu deveria ter um bom plano B para o caso de mais uma fraude no sistema eleitoral, para caso ocorra mais algum golpe, o que não é impossível.
Precavido morreu de velho.
É arrogância desprezar um adversário só pq ele é nanico político e com poucas intenções de voto.
O “já ganhou” não é saudável, não é bom. E é extremamente pouco inteligente.
Olha aí o resultado dos EUA no Afeganistão.

Responder

abelardo

25 de setembro de 2021 às 16h43

Acredito que muito mais que a ambição e a ganância alucinada da oligarquia golpista e preconceituosa, que se agarra e se amarra com todos os seus tentáculos venenosos nas entranhas do cérebro, do pensamento e do desejo; que muito mais que ser anti petista e que ser anti Lula e que do que ver a esquerda de volta ao comando da presidência do país, nada é mais incômodo, mais intolerante e mais odioso do que assistir a presença de gente humilde da classe baixa, voltar a frequentar aeroportos, shopping center, supermercados e em outros espaços que ficaram fora do alcance, nos dois últimos governos de Temer e Bolsonaro. Essa minoria, abastada de dinheiro e de poder, prefere o caos, a baderna financeira, a quebra da estrutura constitucional, a ter que conviver com pessoas humildes que consideram como seu inimigo número 1. Avalio que a classe menos favorecida, faz séculos, nunca saiu da alça de mira da elite oligárquica golpista, rentista e vendida.

Responder

Henrique Martins

25 de setembro de 2021 às 14h14

https://www.diariodocentrodomundo.com.br/essencial/ciro-nogueira-bolsonaro-pp/

O senhor ainda não viu nada senhor Ciro Nogueira. A situação de Bolsonaro vai se agravar tanto que todos vocês que estão com ele serão alijados da política e muitos evangélicos sentirão vergonha de falar que são evangélicos para não serem apontados na rua. Vocês todos merecem esse castigo da providência divina e vai acontecer pois Bolsonaro ainda vai aprontar coisas inimagináveis. Oportunistas.

Responder

Marco Vitis

25 de setembro de 2021 às 12h19

Se uma “terceira via” não existe, então por que os petistas gastam tanto tempo e palavras para combater o que não existe.
Por que é tão difícil compreender a existência do voto “Nem, Nem” ?

Responder

Zé Maria

25 de setembro de 2021 às 10h46

“Não adianta.
O Brasil se dissolvendo com Bolsonaro e a obsessão é falar mal do PT.
Hoje, um analista político na TV falava da crise, atribuindo seu início ao governo Dilma e depois “a economia melhorou com Temer, e agora piorou de novo”.
E é considerado um jornalista isento.”

Jornalista Hildegard Angel
https://twitter.com/hilde_angel/status/1441543761331429376

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding