VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Jeferson Miola lembra Trotsky sobre aliança esquerda-liberais: “Marchar separados, golpear juntos!”
Foto: Lula Marques
Política

Jeferson Miola lembra Trotsky sobre aliança esquerda-liberais: “Marchar separados, golpear juntos!”


19/12/2020 - 19h10

A tática antifascista da esquerda na eleição da Câmara

Por Jeferson Miola, em seu blog

Juntos, os partidos de esquerda [PCdoB, PSOL e PT] e centro-esquerda [PDT e PSB] têm 132 do total de 513 deputados/as da Câmara.

O campo político da direita e extrema-direita tem a folgada maioria parlamentar de 381 parlamentares – um poder mais que suficiente para eleger a presidência da Câmara em fevereiro de 2021, que exige 257 votos.

Este campo, porém, está dividido entre o candidato do Bolsonaro e dos militares, deputado Arthur Lira/PP, e a candidatura do bloco articulado pelo atual presidente Rodrigo Maia/DEM.

Por enquanto, o candidato do Bolsonaro larga na frente com 204 apoios, contra 159 do bloco articulado por Maia.

É fato que o campo da esquerda/centro-esquerda não tem força eleitoral para, sozinho, eleger o/a presidente da Câmara; mas nenhuma das 2 facções conservadoras têm chances de conquistar a presidência sem votos progressistas e de esquerda.

Essa realidade de incertezas enseja toda sorte de traições, deslealdades e oportunismos típicos do cretinismo parlamentar – em todos os espectros ideológicos, diga-se de passagem.

É neste marco conjuntural – [1] de divisão do bloco parlamentar da oligarquia dominante, [2] do risco de Bolsonaro conseguir instalar uma “espécie de Augusto Aras” na presidência da Câmara, e [3] do peso relativamente limitado da oposição de esquerda – que deve ser analisada a tática do campo de esquerda/centro-esquerda neste processo.

Acima de qualquer dúvida, é preciso reconhecer que Arthur Lira na presidência da Câmara reforça consideravelmente a ameaça de escalada ditatorial e do autoritarismo; favorece o avanço ultra-reacionário, do fanatismo religioso e do extremismo fascista.

Na Câmara, Lira funcionaria para Bolsonaro como Aras funciona para ele na PGR, como Noronha no STJ, como Mussi no TSE e como Ramagem na ABIN.

Em que pese durante sua gestão Maia ter autocraticamente engavetado quase 60 pedidos de impeachment do Bolsonaro e ter sido o artífice da aprovação da agenda bolsonarista ultraliberal de destruição da soberania nacional e dos direitos dos trabalhadores para viabilizar o mais devastador processo de pilhagem e saqueio das riquezas do país, Maia e sua facção não serviram ativamente como motor para a escalada fascista.

Em texto de dezembro de 1931, escrito no contexto do ascenso inexorável de Hitler ao poder, Leon Trotsky defendeu o entendimento de que, para deter o avanço nazista, “Pode-se fazer acordos com o próprio diabo, com sua avó e até mesmo Noske e Grzesinsky [dirigentes do partido social-democrata], com a única condição de não atar-se as mãos”, ou seja, com a condição de não subordinar-se politicamente à classe dominante.

Para Trotsky, a esquerda não deveria ter “Nenhuma plataforma comum com a social-democracia ou os líderes dos sindicatos alemães, nenhuma publicação, nenhuma bandeira, nenhum sinal comum!”.

Na opinião do revolucionário russo, na relação com a burguesia alemã, os socialistas e comunistas deveriam “Marchar separados, [mas] golpear juntos! Pôr-se de acordo apenas em como golpear, em quem golpear e quando golpear!” o nazismo.

À luz desta perspectiva, a tática adotada pelo campo político de esquerda/centro-esquerda [ainda pendente de posicionamento oficial do PSOL] representa a escolha adequada para este momento histórico nacional.

Conforme explicou a presidente do PT Gleisi Hoffmann, a esquerda tem “muitas divergências, muitos embates, principalmente na agenda econômica” com Maia e a direita.

A aliança pontual para a eleição da Câmara, neste sentido, não apaga estas profundas diferenças; é apenas um dispositivo de luta para impedir a eleição de um preposto do Bolsonaro para deter sua escalada nas instituições e, assim, proteger o pouco que ainda resta de democracia no Brasil.

A esquerda/centro-esquerda integra o bloco preservando inteiramente sua identidade política e programática.

Não ficou com as “mãos atadas” aos candidatos defendidos por Maia, os deputados Aguinaldo Ribeiro/PP e Baleia Rossi/MDB. E isso se traduz na candidatura própria com que a esquerda/centro-esquerda se apresentará no 1º turno da eleição, e que será definida em consenso entre PCdoB, PDT, PSB, PSOL e PT.

Neste período histórico de derrota dos interesses nacionais, populares e democráticos; de correlação de forças desfavorável e de ofensiva fascista-militar no Brasil, a maior prioridade das forças populares, de esquerda, democráticas e progressistas é impedir o aprofundamento do totalitarismo e da barbárie.

Romper os elos da cadeia de poder e de domínio do Bolsonaro, neste sentido, é uma urgência que se impõe.

Aliar-se “até com o diabo” para derrotar o fascismo, desde que sem “atar-se as mãos”, é a chave tática da esquerda para a eleição da presidência da Câmara.

PS do Viomundo: Com todo respeito aos discordantes, o sentido da política é vencer. Ficar isolado, elogiando o próprio purismo, é inconsequente se você perde. A esquerda, além de ocupar cargos-chave na estrutura da Câmara se vencer, vai impedir que Bolsonaro avance sobre mais um poder da República, como já o fez com a Polícia Federal, a Abin, a PGR e assim por diante. O criticado acordo de Stálin com a Alemanha deu aos soviéticos o tempo necessário para se preparar para a guerra que viria. Neste caso, muito menos dramático, trata-se de colocar algumas pedras no caminho de um presidente que não tem qualquer escrúpulo — nem terá, para tentar se reeleger.





14 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Henrique Martins

20 de dezembro de 2020 às 21h47

https://www.diariodocentrodomundo.com.br/video-em-plenario-janaina-acusa-doria-de-engana-la-com-projeto-de-neurociencia-e-chora-nao-sou-prostituta/

A senhora se vendeu para tirar a única mulher que assumiu o poder no Brasil, apoiou um fascista e agora se cala para não defender uma colega de assédio sexual. Sinceramente, as prostitutas são muito mais honradas dona Janaína.

Responder

Henrique Martins

20 de dezembro de 2020 às 13h33

https://www.brasil247.com/poder/ministros-do-stf-dispensam-ferias-para-que-fux-nao-fique-sozinho-no-poder-durante-o-recesso

Ainda bem que eles tomaram essa atitude. Afinal, temos um louco na presidência da república e um aloprado presidindo o STF. Além disso, como se não bastasse, temos o louco presidencial armando para fazer da Câmara um puxadinho do seu hospício. E isso tudo acontecendo durante a pandemia do século. Conclusão: o Brasil está numa situação desesperadora. Cabe aos ministros do STF conterem os arroubos do aloprado e cabe a oposição de direita e esquerda se unirem para evitar que a Câmara se torne instrumento do regime fascista que se instalou no país. As demais instituições eu nem digo nada porque estão todas aparelhadas pelo doido que preside o país.

Responder

Marcos

20 de dezembro de 2020 às 09h44

É por essas e outras que eu gosto muito da ferramenta chamada PICARETA e leio muito um livro chamado “Que Fazer” de Vladimir Uliánov. Livro que trata com maestria os movimentos de alianças PONTUAIS que, na prática funciona melhor do que estas teorias. Aliás tem outro livro do autor citado acima que fala da cegueira tática desta turminha, chama-se “Esquerdismo, doença infantil do comunismo”, deveriam ler. Afinal Trótski só escreveu UM livro teórico, enquanto Vladimir Uliánov escreveu mais de dez.

Responder

Zé Maria

19 de dezembro de 2020 às 22h56

Assim fica fácil demais para a Direita
desmontar o Discurso da Esquerda.

Responder

Zé Maria

19 de dezembro de 2020 às 22h54

Pessoal não aprende que esses Conchavos
são totalmente anti-didáticos para o Povo.
Depois vem o Resultado Eleitoral Adverso
e ficam sem saber o que houve de fato.

Responder

Zé Maria

19 de dezembro de 2020 às 22h41

É um Auto-Golpe da Oposição.

Responder

Zé Maria

19 de dezembro de 2020 às 21h22

Se, como disse Ésquilo, Dramaturgo Grego,
quando da Invasão Persa à Grécia Antiga,
“na Guerra, a Primeira Vítima é a Verdade”,
na RealPolitik a Primeira Vítima é a Dignidade.

Responder

Zé Maria

19 de dezembro de 2020 às 21h08

NOTA DE DILMA ROUSSEFF SOBRE O ABUSO CONTRA A DEPUTADA ISA PENNA

Manifesto meu apoio e solidariedade à deputada estadual Isa Penna, do PSOL-SP,
vítima de comportamento sexualmente abusivo, em plena sessão plenária,
por parte do deputado Fernando Cury, do partido Cidadania.
Essa cena abjeta e repugnante foi filmada e, só após a contundente exigência
dos líderes das bancadas de oposição, o presidente da Alesp, Cauê Macris,
do PSDB, foi obrigado a divulgá-la.

Isa Penna foi molestada pelo deputado Fernando Cury e reagiu imediatamente,
mas só conseguiu apresentar a prova do abuso depois de vencer o silêncio e
a omissão criminosas dos que pretendiam proteger o assediador.

O que aconteceu dentro do plenário da Alesp é uma revoltante repetição
do que acontece na sociedade brasileira, todos os dias, o tempo todo,
com milhões de mulheres, que são alvos de todo o tipo de abuso e violência
de natureza sexual, física, emocional e psicológica.

No caso da deputada Isa Penna, fica evidente a sordidez ao juntar, num mesmo
gesto, a violência sexual e a violência política, afrontando uma deputada eleita
que milita pelas causas em defesa dos direitos das mulheres.

O atentado contra Isa Penna é um ato explícito de abuso sexual.
É ainda uma ação torpe de desprezo à democracia.
É um insulto contra todas as parlamentares e contra todas as mulheres brasileiras.
O autor do abuso deve responder criminalmente, na justiça, e perder o mandato
pelo crime cometido.

Basta de violência contra a mulher!

Basta de machismo e misoginia!

Basta de impunidade para os abusadores e da omissão covarde
dos que se acumpliciam com a violência contra a mulher!

DILMA ROUSSEFF
[A Dignidade em Pessoa]

https://t.co/REDlbwtbSS
https://twitter.com/dilmabr/status/1339943831509364738
http://dilma.com.br/solidariedade-deputada-isa-penna/

Responder

Zé Maria

19 de dezembro de 2020 às 20h56

Alguém acredita mesmo que o PSL, o DEM, o MDB e o PSDB
fazem oposição ao desgoverno Bolsonaro/Guedes/Mourão ?
Essa eleição para Presidente da Câmara dos Deputados
nada mais é do que uma Articulação da Cambada Neoliberal
preparatória para lançamento da Candidatura do Doria (PSDB).
Logo ali adiante, essa Tchurma do Maia, junto com a Globo e a
Mídia Fascipaulista, vai puxar a Escada e deixará o PT pendurado
na Brocha. Por outro lado, o Ciro manterá força para aglutinar
o PDT, o PSB e até o PCdoB e, quiçá, uma dissidência da Direita.
Com o Fucks na Presidência do STF, até o final da 1ª Quinzena de
Setembro de 2022, alguém crê que o Lula será Candidato?

Responder

Zé Maria

19 de dezembro de 2020 às 20h24

“candidatura própria com que a esquerda/centro-esquerda
se apresentará no 1º turno da eleição”

Certamente esse trecho se refere à eleição presidencial de 2022.

Responder

Zé Maria

19 de dezembro de 2020 às 20h18

A ‘Agenda do Maia’ é a ‘Agenda do Guedes’.

Responder

Zé Maria

19 de dezembro de 2020 às 20h06

Agora há pouco, na votação do FUNDEB na Câmara,
viu-se precisamente no que deu o acordo da “minoria”
com a “maioria” para não apresentarem destaques.

Essa é a tal RealPolitik praticada pela Direita …

“A Bancada do PT lamentou o descumprimento do acordo
feito pelo relator com a Oposição, e emendas apresentadas
pela base do governo acabou desfigurando o fundo
para permitir a transferência de recursos públicos
para a iniciativa privada.

O coordenador do Núcleo de Educação do PT, deputado
Waldenor Pereira (PT-BA), lamentou o que ocorreu
na regulamentação da Emenda Constitucional (EC 108),
que constitucionalizou o Fundeb.

A deputada Professora Rosa Neide (PT-MT) também criticou
o descumprimento do acordo.

“Na verdade, o relator fez dois acordos, um com a Oposição
e outro com a base do governo, lamentavelmente,
porque nós teríamos agido de outra forma
se soubéssemos que viríamos aqui para entregar
os recursos públicos para a iniciativa privada”, desabafou.

Ela disse que há três semanas negociava o texto
da regulamentação com o relator.
“Podemos no Parlamento divergir das ideias,
mas acordo se cumpre”, ensinou.

O PT e os partidos de Oposição passaram a obstruir
os trabalhos da sessão virtual após a aprovação
de mudanças na regulamentação do novo Fundeb,
com a aprovação de destaques para destinar
recursos do fundo para entidades do Sistema S
e para entidades filantrópicas.

O líder da Bancada do PT, deputado Enio Verri (PR),
questionou como ficará os acordos a partir de agora.

“O quadro ficou muito temerário. E eu pergunto
como ficam os acordos a partir de agora
porque, durante esse período, nós fizemos
muitos acordos com muita gente.
E nós fechávamos os acordos, votávamos e
encaminhávamos. A partir de agora, parece que
os acordos não valem porque fechamos o acordo
e ele não é cumprido”, lamentou.

Enio Verri anunciou que o Partido dos Trabalhadores
vai rever sua posição sobre construir acordos,
visto que os acordos são feitos com o relator,
mas nem sempre são cumpridos por outros.
“Portanto, isso enfraquece qualquer possibilidade.
Acredito que isso vai dificultar muito
a nossa vida aqui para frente”, alertou.”

https://pt.org.br/golpe-no-fundeb-pt-denuncia-desfiguracao-e-privatizacao-de-recursos/
https://www.camara.leg.br/noticias/714981-camara-realiza-sessao-para-votar-regras-do-fundeb-copia-copia-copia-copia

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding