Jeferson Miola e a pergunta que fazemos há 5 anos: Quem contratou o vizinho de Bolsonaro para assassinar Marielle?

Tempo de leitura: 3 min
Foto: Global Voices

A pergunta que dura cinco anos: quem contratou o vizinho do Bolsonaro para assassinar Marielle?

Por Jeferson Miola, em seu blog

Neste 14 de março se completam cinco anos do bárbaro assassinato da vereadora do PSOL Marielle Franco e seu motorista Anderson Gomes sem que se saiba a resposta sobre quem contratou o vizinho do Bolsonaro do condomínio Vivendas da Barra para executar o crime.

A expectativa de se chegar a esta resposta aumentou com a abertura de inquérito da Polícia Federal, determinada pelo ministro da Justiça Flávio Dino em fevereiro passado.

O crime foi preparado com sofisticação e profissionalismo. Os implicados têm tentáculos em instituições policiais, militares e judiciais.

Políticos, agentes do submundo e autoridades públicas com interesses escusos tumultuaram as investigações e provocaram mudanças nas equipes de apuração para embaralhar a elucidação do caso e impossibilitar a descoberta dos autores e mandantes.

Em uma das inúmeras reviravoltas do caso, chegou-se a dois envolvidos: o matador de aluguel e ex-PM Ronnie Lessa, vizinho de Jair e Carlos Bolsonaro no condomínio Vivendas da Barra, que vivia a cerca de 70 passos de distância; e o também ex-PM Élcio Queiroz, que dirigia o Cobalt Prata usado no atentado.

Ronnie Lessa diversificava seus negócios. Além de matador de aluguel e outros serviços da milícia, era envolvido com o tráfico internacional de armas. Em imóvel de responsabilidade dele no centro do Rio foram apreendidos 117 fuzis.

Desconhece-se quais vínculos sociais ou de amizade os vizinhos do Vivendas da Barra mantinham. A imprensa noticiou, contudo, que Renan Bolsonaro namorou a filha de Ronnie Lessa.

As imagens captadas por câmeras de vigilância mostram a existência de uma terceira pessoa no veículo no momento da emboscada, no início da noite de 14 de março.

A suspeita de que o terceiro ocupante do “Cobalt da morte” tenha saído junto com os dois criminosos desde o Condomínio Vivendas da Barra alimenta a dúvida sobre Carlos Bolsonaro.

Ele teria se ausentado da sessão da Câmara de Vereadores do Rio e estava na residência do pai entre as 14 e 17 horas daquele trágico 14 de março de 2018, enquanto Ronnie e Élcio ultimavam os preparativos do crime.

A gravação da portaria do Condomínio, na qual o porteiro Alberto Jorge Ferreira Mateus interfonou para a casa do “Seu Jair” para autorizar o ingresso de Élcio no local, sumiu.

Na época, suspeitou-se que Carlos teria atendido o interfone. Mas, assim como aconteceu com a gravação, o porteiro também sumiu, e a polícia e o MP não conseguiram esclarecer também este aspecto.

Meses depois, a imprensa descobriu que o sumido porteiro estava residindo no bairro Gardênia Azul, na zona oeste do Rio, área controlada pelo Escritório do Crime, a organização criminosa integrada por Ronnie Lessa e pelo miliciano Adriano da Nóbrega.

Adriano, que foi executado numa estranha e ainda não esclarecida operação das PM’s do RJ e da Bahia, era um bandido muito reverenciado pelo clã miliciano.

A mãe e a ex-esposa dele eram funcionárias do gabinete de Flávio Bolsonaro na Assembleia do RJ, e participavam do esquema de corrupção conhecido como “rachadinhas”.

Do dia em que o assassinato aconteceu, até os dez primeiros meses de investigação propositalmente tumultuada do caso, o general Braga Netto, vice de Bolsonaro na chapa militar na eleição de 2022, era o “xerife” do Rio – interventor federal nomeado pelo usurpador Michel Temer.

Ele teve como seu secretário de Segurança Pública o general Richard Nunes, atual comandante do Comando Militar do Nordeste.

De acordo com um jornalista especializado em editoria policial, durante a intervenção federal “o Exército conseguiu usufruir dos bancos de dados das polícias Civil e Militar fluminenses e também montou um mapa das ações criminais no Rio. Isso vale tanto para facções criminais convencionais como para as milícias paramilitares formadas por ex-policiais”.

“Não [foi] à toa”, conclui o repórter, que “Braga Netto ganhou dos amigos a reputação de ter o CPF, nome e endereço de cada miliciano no Rio”.

O assassinato de Marielle e Anderson é repleto de indícios, pistas, coincidências, contradições e acontecimentos estranhos. E envolve nomes oriundos da escória que ocupou o centro da política nacional nos últimos quatro anos.

A elucidação deste crime, com a revelação de quem contratou o vizinho do Bolsonaro para assassinar Marielle e Anderson é uma exigência irrenunciável por memória, verdade e justiça.

A pistolagem e o banditismo político não podem vencer a democracia.

Marielle vive! Viva Marielle!

Leia também:

Nesta segunda, acompanhe “Marielle Vive! Favelas na Reconstrução do País”; ao vivo, das 9h às 14h

Nesta sexta, ato e missa pelos 50 anos da morte de Alexandre Vannucchi Leme, assassinado no DOI-Codi, em SP; vídeo


Siga-nos no


Comentários

Clique aqui para ler e comentar

Sandra

Fatos não esclarecidos e procuradores afastados são a demonstração de um crime cometido para mostrar o poder dos fascistas contra a esquerda brasileira.

Sandra

Fatos não esclarecidos e procuradores afastados são a demonstração de um crime cometido para mostrar o poder dos fascistas contra a esquerda brasileira.

Zé Maria

Execução Sumária por Motivação Política Ideológica
Associada a Racismo, Homofobia, Aporofobia e Misoginia.

Deixe seu comentário

Leia também