Jeferson Miola: A mídia, as versões sobre o ataque à maternidade no sul da Ucrânia e a guerra de narrativas

Tempo de leitura: 5 min
Guerra híbrida. Foto: Instituto de Psicologia da USP
A mídia, as versões sobre o ataque à maternidade e a guerra de narrativas

Por Jeferson Miola, em seu blog                                                 

Passados quatro dias do bombardeio do prédio onde funcionava um hospital materno-infantil na cidade de Mariupol, no sul da Ucrânia, prossegue a guerra de versões. Enquanto isso, a verdade – a vítima imediata de toda guerra – continua agonizando.

O bombardeio de um hospital é um crime de guerra e contra a humanidade. É causa suficiente para levar seus mandantes e executores ao banco dos réus do Tribunal Penal Internacional e das Cortes e Tribunais internacionais de direitos humanos.

Para que os autores possam ser denunciados é indispensável, entretanto, haver uma denúncia bem documentada e bem fundamentada. É preciso documentar e registrar imagens, colher depoimentos e testemunhos, identificar e catalogar as pessoas feridas, vítimas fatais etc.

Apesar de líderes mundiais terem empregado adjetivos fortes para condenar o ataque, ainda não se conhece, contudo, nenhuma apuração preliminar séria e imparcial sobre o evento.

A propagação de uma narrativa

Em lugar do esclarecimento da verdade prevalece, no entanto, a prioridade em se propagar versões que abasteçam a narrativa desejada e pré-concebida. A mecânica disso é rudimentar.

Primeiro, decidem o conteúdo e o alvo da narrativa. E, a partir daí, vão encaixando as peças para dar aparência de verossimilhança, pouco importando se as peças são verdadeiras ou falsas. O fundamental, no caso, é a narrativa; o que importa é a propaganda, não a verdade.

O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, por exemplo, alardeou que “Pessoas, crianças estão sob os destroços. Atrocidade!” [9/3].

Em que pese a contundência da denúncia, não existe, contudo, uma única fotografia ou filmagem de uma única criança “sob os escombros”.

E a imprensa não se preocupou em conferir a veracidade da acusação, apenas repetiu e replicou esta versão na velocidade indomável das mídias digitais.

O Secretário-Geral da ONU António Guterres, de outra parte, denunciou que o ataque foi feito “a um hospital onde estão localizadas as maternidades e as alas infantis, é horrível. Os civis estão pagando o preço mais alto por uma guerra que não tem nada a ver com eles”, disse ele [9/3].

Em resposta, o vice-embaixador da Rússia na ONU Dmitry Polyanskiy acusou Guterres de promover fake news. E lembrou que em 7 de março a Rússia alertou que não havia pacientes e profissionais de saúde no local, pois o hospital passou a funcionar como base militar do Batalhão de Azov, uma milícia neonazista do governo ucraniano.

O Secretário-Geral da ONU, num desempenho incompatível com o cargo que ocupa, apesar da réplica do diplomata russo, fez ouvidos moucos, não abandonou a versão que demoniza Putin e a Rússia e, providencialmente, deixou o assunto de lado.

A porta-voz da ONU para Direitos Humanos Liz Throssel, por seu turno, mencionou a “suspeita de que pacientes estavam escondidos nos porões do hospital” [11/3]. Ela usou uma “suspeita” não comprovada e, talvez infundada, para sustentar a narrativa de que “era um hospital e estava funcionando, com pessoas ali” [sic].

Além disso, a mídia divulgou, a partir de informações oficiosas e também não comprovadas, que três pessoas foram mortas e outras 17 ficaram feridas em decorrência do ataque.

Estranhamente, porém, não foi divulgado nenhum registro das cenas assombrosas descritas pela funcionária da ONU, como também não se tem conhecimento sobre nenhuma das três pessoas alegadamente mortas, como tampouco foi divulgado um único boletim médico de nenhuma das supostas 17 pessoas feridas.

Tivesse de fato acontecido como propagado pelas autoridades, o que seria uma brutal e condenável atrocidade, certamente haveria uma cobertura exaustiva do acontecimento. Mas não é isso o que se observa no caso presente.

O ataque ao hospital e a modelo grávida

De tudo o que foi publicado a respeito do ataque ao hospital, duas informações são coerentes.

Uma: o prédio, que antes funcionava como um hospital materno-infantil, foi, sim, atacado.

E a segunda informação coerente: a modelo fotográfica Marianna Vishegirskaya, grávida, foi fotografada no cenário.

Mas, quando bombardeado, o prédio funcionava como base militar de setores extremistas das Forças Armadas ucranianas [Batalhão de Azov], alegou o governo russo, sem ser desmentido. Se esta alegação que não foi desmentida for verdadeira, isso significa que no momento do bombardeio já não havia pacientes, profissionais de saúde e civis no prédio.

Em razão disso, a modelo fotográfica, bem como outras pessoas, teriam sido filmadas no local no contexto de uma produção cenográfica executada depois do prédio ter sido bombardeado, como sustenta o site Anti-Spiegel [aqui].

Observa-se, neste sentido, que as pessoas filmadas e fotografadas não aparentam pânico e não estão cobertas de poeira, o que aconteceria caso efetivamente estivessem no local no momento das explosões.

Se a modelo Marianna atendesse a um dos inúmeros pedidos de entrevista, poderia colocar fim a muitos rumores, e contribuiria para o fim desta insana guerra de versões.

O jornal inglês The Guardian publicou reportagem [12/3] sobre o nascimento da filha da modelo supostamente em alguma maternidade da Ucrânia.

Nas fotos da matéria, do fotógrafo Evgeniy Maloletka, da estadunidense Associated Press, Marianna aparece vestindo a mesma roupa de cor bege com bolinhas escuras que aparecia nas imagens do hospital atacado [o esperável seria ela estar vestindo a indumentária própria de ambientes hospitalares no momento do parto ou após o parto].

O canal BBC, de Londres, transmitiu a informação do embaixador da Ucrânia na ONU Sergiy Kyslytsya de que a filha de Marianna foi batizada como Veronika, sem nada mais esclarecer.

A mídia hegemônica e o jornalismo de guerra na guerra

Na cobertura do conflito, a mídia hegemônica tem sido parcial, enviesada e tem propagado um sentimento russofóbico que vai muito além de uma posição anti-Putin. É caso de racismo e preconceito mais profundo. Os meios de comunicação têm atuado como agentes propagadores da ditadura do pensamento único pró-OTAN e pró-EUA..

A mídia hegemônica tem evidenciado pelo menos três características marcantes na cobertura do conflito.

A primeira, de se desobrigar de qualquer compromisso com a verdade e com a veracidade dos fatos. Entende que não precisa embasar as informações, opiniões, versões e até mesmo notícias publicadas em fatos comprováveis, reais, concretos. Basta-lhes criar os fatos úteis para colocar em pé uma narrativa planejada. Se disse, está dito!

A segunda característica é que, por se saber hegemônica e colonizadora, impõe uma espécie de “princípio de autoridade” sobre as mídias nacionais da periferia do sistema, inclusive para setores das mídias independentes. Uma relação, enfim, colonizadora, entre metrópole-província.

Nesta relação ideológica hierárquica, a mídia das metrópoles imperiais impõe a sua verdade sem precisar comprová-la, mas apenas reiterá-la. O chamado princípio da autoridade que deve ser obedecido. Como um pai autoritário que diz para o filho: “Cala a boca, olha com quem estás falando!”.

E a terceira característica é a censura e a extinção da liberdade de expressão e de imprensa e o banimento do pluralismo jornalístico, como evidenciam os bloqueios estabelecidos pelas plataformas controladas por capitais estadunidenses  – Twitter, Facebook, Youtube, Google, Instagram – que restringem informações que não sejam condenatórias à Rússia e a Putin e liberam o caminho para posições racistas, preconceituosas e, inclusive, violentas contra o povo russo.

Numa guerra acontecem, em simultâneo, muitas guerras – guerra informacional, comunicacional, cibernética, psicológica, econômica, contra a pluralidade de opinião, contra a liberdade de imprensa e de expressão, guerra de narrativas etc.

O acontecimento de Mariupol, nesta perspectiva de guerra híbrida e multidirecional, é um campo de exibição do papel central e decisivo – semiótico – exercido pela mídia hegemônica na alimentação de interesses poderosos para defender o status quo geopolítico que agoniza.

Enquanto a mídia “convida” a opinião pública a se distrair com o suposto ataque a crianças e gestantes na maternidade de Mariupol, aproveita para esconder os arsenais biológicos dos EUA no território ucraniano. Vários laboratórios de armas bacteriológicas coordenados pelos EUA foram desbaratados, mas este gravíssimo assunto não merece mais que notas de rodapé na mídia.

Chega a ser bizarro ouvir a histeria ridícula da mídia hegemônica alarmando a existência de uma “máquina de propaganda russa” que dissemina a visão russa no Brasil e em outros países, como se a própria mídia hegemônica não fosse, ela mesma, uma mortífera e maligna máquina de propaganda de guerra da OTAN e dos EUA.

Na cabeça de muita gente, a embolorada guerra fria ainda não acabou. Os incautos que se cuidem.

Apoie o jornalismo independente


Siga-nos no


Comentários

Clique aqui para ler e comentar

Zé Maria

“ESTÃO CUTUCANDO O URSO COM VARA CURTA”

Excelente Análise (Diagnóstico e Prognóstico)
do Conflito na Ucrânia, na Disputa pelo Poder
Geopolítico Hegemônico no Planeta.

Vídeo: https://youtu.be/htHGjvzp_gI

Esta não é uma Narrativa Burlada da Guerra Híbrida Promovida pelo Pentágono na Imprensa Ocidental,
é uma Lição de História da Geopolítica Contemporânea
Proferida pelo Insuspeito Professor John Mearsheimer,
do Departamento de Ciência Política da Universidade de Chicago (Illinois); Oficial da Reserva da Força Aérea dos Estados Unidos da América (EUA); Mestre em Relações Internacionais pela Universidade do Sul da Califórnia (Los Angeles/CA); Pós-Doutor pelo Centro de Assuntos Internacionais da Universidade de Harvard (Cambridge/Massachusetts).

Autor dos Seguintes Livros:

“Conventional Deterrence” [“Dissuasão Convencional (1983);

“Nuclear Deterrence: Ethics and Strategy” [“Dissuasão Nuclear: Ética e Estratégia” (com Diversos Autores, 1985);

“Liddell Hart and the Weight of History” [“Liddell Hart e o Peso da História”] (1988);

The Tragedy of Great Power Politics [“A Tragédia da Política das Grandes Potências” (2001);

The Israel Lobby and U.S. Foreign Policy [“O Lobby de Israel e a Política Externa dos Estados Unidos” (c/ Stephen Walt 2007); e

“Why Leaders Lie: The Truth About Lying in International Politics” [“Por que os Líderes Mentem: A Verdade sobre a Mentira na Política Internacional”] (2011).

https://en.wikipedia.org/wiki/John_Mearsheimer#Ukraine
.
.
Leia também:

“Esses acordos são promovidos e impostos por persuasão
ou coerção em nível multilateral, como o Tratado de
Não-Proliferação Nuclear (TNP), a Organização para a
Proibição de Armas Químicas (OPAQ), as Convenções
sobre Armas Biológicas e o Missile Technology Control
Regime (MTCR),
e, em nível regional, pela difusão das teorias e políticas
de segurança cooperativa e pela formação de zonas
de paz livres de armamentos nucleares que, todavia,
não impedem o trânsito e o estacionamento de armas,
inclusive nucleares, pelas grandes potências nessas
mesmas zonas [!!!].
Na esfera política, há todo um esforço de consolidação
jurídica do poder das grandes potências pela ampliação
informal da jurisdição territorial-militar da OTAN
(Organização do Tratado do Atlântico Norte) e da
competência do Conselho de Segurança das Nações Unidas,
onde se vem redefinindo gradualmente o conceito de
ameaça à paz e onde se promove o estabelecimento
gradual de Estados em situação de ‘virtual neo-protetorado’,
agora coletivo, que seria necessário à sua reconstrução,
como seriam os casos do Timor, da Bósnia, do Afeganistão, do Iraque …

Samuel Pinheiro Guimarães
[Diplomata Brasileiro, Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais pela Faculdade Nacional de Direito da Universidade do Brasil (atual UFRJ), Mestre em Economia pela Universidade de Boston/Massachusetts, ex-Secretário-Geral das Relações Exteriores (2003-2009) do Ministério das Relações Exteriores ; ex-Ministro-Chefe da Secretaria de Assuntos Estratégicos (20/10/2009-31/12/2010) no Governo Lula]

Em: “Desafios Brasileiros na Era dos Gigantes”
(Rio de Janeiro: Editora Contraponto, 2005, p. 255)

Apresentação do Livro:

Os quatro grandes desafios do Brasil são
“a redução, gradual e firme, das extraordinárias disparidades sociais, a eliminação das crônicas vulnerabilidades externas, a construção do potencial brasileiro e a consolidação de uma democracia efetiva, em um cenário mundial violento, imprevisível e instável”.
É o que nos diz o embaixador Samuel Pinheiro Guimarães no fim do primeiro capítulo deste livro.
E completa:
“A reflexão sobre uma estratégia de desenvolvimento (…) deve iniciar-se pela análise da população brasileira, como mão-de-obra produtora e como cidadania política.” Estabelece-se assim um ponto de partida que difere fundamentalmente das análises correntes da situação brasileira, há muitos anos dominadas por diferentes versões de “macroeconomias do curto prazo”.

Obcecadas pelos fluxos financeiros, elas são cegas para outras questões muito mais fundamentais:
estruturas de poder, território, história, população, capacidade técnica, cultura, vontade.
São, justamente, as questões que predominam no olhar de Samuel Pinheiro Guimarães.
Escrevendo com simplicidade e profundidade, Samuel enfrenta de frente os maiores mitos difundidos pelos meios de comunicação de massas, busca sempre uma visão sistêmica das questões que aborda e não esconde que defende, intransigentemente, os interesses do Brasil.

Opõe-se, assim, aos fundamentos dos programas aplicados na década de 1990, aqui e em muitos outros países, com o patrocínio e a inspiração do sistema financeiro internacional e as instituições que ele controla, e com a conivência de parceiros internos.
Os aspectos comuns desses programas são o desmonte dos mecanismos de solidariedade social, o enfraquecimento dos Estados nacionais e a subordinação crescente de cada economia aos movimentos, cada vez mais voláteis, do capital financeiro.

Os monumentais fracassos dessas políticas são sempre imputados aos elos mais fracos.
Dentro de cada sociedade, o indivíduo é culpado pela sua própria exclusão, como se não vivesse imerso em relações sociais que são decisivas para definir as oportunidades que terá.

No sistema internacional, os efeitos da desordem financeira são jogados nas costas dos países periféricos, pois as crises recorrentes teriam origem em ambientes domésticos insuficientemente adaptados ao receituário universal da modernidade.
O modelo de economia e de sociedade proposto não pode ser julgado, pois nunca está completamente implantado.
A conclusão se repete monotonamente: dobrar a aposta, seguir em frente, produzir mais do mesmo, pois sempre falta fazer novas supostas “reformas”.

Massificado pelos meios de comunicação,
esse raciocínio circular provoca um colapso
do pensamento.

Com o tempo, as sociedades se tornam incapazes de definir uma agenda própria de desenvolvimento.
Deixam de reconhecer seus problemas e suas potencialidades.
Abandonam a idéia de ter um projeto.
Acostumam-se a viver em crise crônica.
Aceitam a tirania das questões de curto prazo.
Passam a gravitar em torno de temas artificiais e importados. [!!!]

O livro de Samuel Pinheiro Guimarães é uma ousada contribuição intelectual para superarmos esse quadro e recuperarmos nossa capacidade de fazer uma agenda própria de desenvolvimento.
Uma contribuição muito bem-vinda, no momento em que o Brasil e a América Latina começam a reconstruir seus caminhos.”

https://www.expressaopopular.com.br/loja/produto/desafios-brasileiros-na-era-dos-gigantes/
.
.

Zé Maria

Excerto [e Adendo Analógico Adaptado às Práticas de
Moro e DD com a Mídia Venal Antipetista braZileira]

“Primeiro, [os Patifes da Força-Tarefa da Operação
Lava-jato de Curitiba, ‘comandada’ por Sergio Moro] decidem o conteúdo [corrupiSSáum do petê] e o
alvo da narrativa [Lula].
E, a partir daí, vão encaixando as peças [vazamentos selecionados – pelos policiais e promotores da acusação
e pelo juiz acusador – de depoimentos falsos, delações premiadas sem provas, à Imprensa Venal Antipetista]
para dar aparência de verossimilhança, pouco importando
se as peças são verdadeiras ou falsas.
O fundamental, no caso, é a narrativa [para caracterizar ficticiamente a corrupiSSáum dos governos do petê, e derrubar a Presidente Dilma, e condenar, e prender
o ex-presidente Lula];
o que importa é a propaganda [contra Lula e o petê],
Não a Verdade.”

    Zé Maria

    “Lula não foi solto porque
    Moro era um juiz parcial,
    Lula foi preso por isso!”
    Cristiano Zanin
    Advogado de Defesa de Lula.

Christian Fernandes

De Taubaté à Ucrânia, com amor.

Deixe seu comentário

Leia também