Idosa que viralizou nas redes ”quebrando tudo” em Brasília já foi condenada por tráfico de drogas

Tempo de leitura: 4 min
Maria de Fátima Mendonça Jacinto Souza, 67 anos, que participou dos atos terroristas em Brasília, no domingo, 8 de janeiro, tem condenação por tráfico de drogas, além denúncias por falsificação e estelionato. Fotos: Redes sociais

Vovó que quebrou tudo em Brasília tem antecedentes

Idosa que viralizou “quebrando tudo” em Brasília no dia 8 de janeiro tem denúncias por falsificação, estelionato e já foi condenada por tráfico

Por Marcelo Menna Barreto, no Extra Classe

Entre os possíveis detidos depois do quebra-quebra do dia 8, na Praça dos Três Poderes, em Brasília e que, para bolsonaristas, poderiam estar sendo maltratados (tese desmentida amplamente pela cobertura da imprensa), a “dona Fátima”, a vovó quebra-tudo, tem antecedentes criminais que contrastam com a alegada defesa dos bons costumes e sequer foi presa. Por ironia, ela mesma acabou vítima de Fake News.

Maria de Fátima Mendonça Jacinto Souza, 67 anos, teoricamente para políticos e influenciadores bolsonaristas é mais uma idosa que poderia ter sido presa de forma arbitrária por estar presente em Brasília durante o caos promovido por terroristas no último domingo.

Ela, no entanto, além de não figurar na lista divulgada das detidas que seguiram para a penitenciária conhecida como Colmeia, tem um histórico no mínimo interessante.

A cidadã de bem, defensora dos bons costumes e da família, registra condenação por tráfico de drogas com envolvimento de menor de idade na porta da sua residência no município de Tubarão (SC) e denúncias por falsificação de documentos e estelionato.

Maria de Fátima aparece entre os bolsonaristas em vídeos feitos por vândalos, saudada por estar “aqui quebrando tudo”, e – segundo ela mesma – ter defecado no ambiente vandalizado.

Nove anos atrás, a idosa foi detida na madrugada do dia 14 de janeiro de 2014 por Policiais Militares que realizavam rondas no em seu bairro, em uma região de “intenso comércio de drogas”, em sua cidade.

Nas imagens produzidas por seus parceiros não dá para identificar precisamente se o quebra-quebra foi no Congresso, no Planalto ou no Supremo Tribunal Federal (STF).

A única dica sai da boca da própria Maria de Fátima: “É guerra! Vamos pegar o Xandão agora”, ao se referir ao ministro Alexandre de Moraes.

Prisão em flagrante e recurso negado no mérito

Abordada pelos PMs depois de ter chamado e atendido uma série de usuários de drogas, ela chegou a colocar a culpa em um adolescente.

No auto de prisão e na posterior condenação, ele foi confirmado como seu parceiro de crime. Na ocasião foram apreendidas vinte e sete pedras de crack.

Maria de Fátima ficou presa na penitenciária feminina de Tubarão no decorrer do processo. Até tentou recurso, mas somente teve êxito em parte.

O Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) acabou reduzindo a pena inicial de quatro anos, seis meses e treze dias de reclusão em regime semiaberto para três anos, dez meses e vinte dias de reclusão em regime inicial aberto.

O regime anterior foi substituído “por duas restritivas de direitos”, a proibição de frequentar “casas noturnas, bares, danceterias, bailes e congêneres” e a prestação de serviços comunitários.

As multas impostas à Maria de Fátima também foram reduzidas de 454 dias-multa para 388 dias-multa.

Segundo o Código Penal brasileiro, um dia-multa corresponde a um terço do salário-mínimo vigente na época que ocorreu um crime. O máximo que pode ser aplicado é cinco vezes o valor do salário-mínimo também da época.

Relator do processo, o desembargador Rodrigo Collaço teve seu voto aprovado por unanimidade pelos demais membros da 4ª Câmara Criminal do TJSC.

Ele enfatizou que foi julgada a procedência do crime, majorado pela utilização de um menor de idade, e que a redução da pena se deu no patamar mínimo “por se tratar de crack – droga de alto poder alucinógeno, viciante e de extrema perniciosidade ao meio social”.

Vitimismo e refúgio da vovó

Entre as alegações feitas no recurso, Maria de Fátima disse que sofria de depressão e este era o motivo de varrer a frente de sua residência todas as noites.

No entendimento dos desembargadores, a narrativa “por si só” não parecia crível devido a uma série de contradições.

Entre elas, segundo os autos, o fato de a condenada estar na frente da sua residência às 3 horas da madrugada para fazer uma varrição em um dia de chuva.

No voto que selou a condenação de Maria de Fátima no TJSC ainda há a informação de que era comum que suspeitos de tráfico de drogas se refugiassem “no interior da residência da ré quando percebiam a abordagem policial”.

Esse dado foi decorrência dos depoimentos dos PMs que participaram da prisão de Maria de Fátima.

No voto de condenação aprovado, uma manifestação é, em geral, muito cara ao bolsonarismo: “o depoimento de policiais responsáveis pela prisão em flagrante do acusado constitui meio de prova idôneo a embasar o édito condenatório, mormente quando corroborado em Juízo, no âmbito do devido processo legal”.

De denunciada pelo MPSC à vítima de fake news

O ano de 2014 foi pesado para a hoje bolsonarista. Em 6 de novembro, o Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) ingressou com uma denúncia criminal contra ela por falsificação de documento público, crimes contra a Fé Pública e por estelionato e crimes contra o patrimônio.

Em novembro de 2021 o processo que Extra Classe não teve acesso no inteiro teor ficou concluído para a decisão judicial.

Ironicamente inserida em um meio que é receptáculo e emissor de notícias falsas, Maria de Fátima acabou sendo mais uma vítima de mentiras que circulam na internet.

Nas redes, vídeos que a chamam de Vovó do Barro falam da sua suposta prisão no Distrito Federal (DF), apesar do seu nome não estar na lista divulgada nessa quarta-feira, 11, pela Secretaria de Estado de Administração Penitenciária do DF (Seape/DF).

À Maria de Fátima também foram atribuídas uma quantia de R$ 30 mil que recebe como pensão pela morte de um suposto marido militar e uma aposentadoria por invalidez no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Segundo investigou Extra Classe, ela não tem nenhum tipo de aposentadoria no INSS. Nem por invalidez, nem por tempo de contribuição.

A única ação encontrada no instituto foi uma solicitação de Auxílio-Doença que foi encerrado em 2021 por falta de cumprimento de exigência, um pedido de complementação dos seus documentos ou de suas informações.

Até o momento, nenhuma informação a respeito da suposta pensão foi identificada nas três instituições que integram as Forças Armadas do Brasil.

Leia também:

Lelê Teles: Cadê os brancos endinheirados, de sapatênis, entre as pessoas presas em Brasília?

Walfrido Ward e Rafael Valim: Os filhos inconsoláveis da democracia, apesar da barbárie de domingo


Siga-nos no


Comentários

Clique aqui para ler e comentar

Magda Ornellas

Vovó do pó superou todos os limites da burrice humana. Cadeia por 30 anos.

Zé Maria

Pessoal tá fazendo Judiaria com o Netinho da “Vovó do Barro”…

– Mamãe, cadê minha vó? Ela morreu? Virou estrelinha ?

– Não meu filho, virou abelhinha 🐝 e agora mora na Colméia! 🐝🐝🐝😂

https://twitter.com/MPietroviski/status/1614754239175352322

    Magda Ornellas

    Abelha é ótimo Kkkkkkk🐝 🐝 🐝

Dorolito

Cabeça de bagre. É envolvida com drogas e tá APARECENDO.
De repente roda toda a família dela por causa dela. Cúmplices ou não.
Vovó do pó.
Insuspeitavel como muitos por aí…

3 da manhã varrendo a calçada. Po, aí forçou demais.

    Dorolito

    Diria que ela tem mais cara de outra coisa.

    Dorolito

    Esse pessoal do sul são os mais antidemocráticos.
    Sabe o que vai acontecer com gente branca que comete crimes ?
    Nada !

Deixe seu comentário

Leia também