Walfrido Ward e Rafael Valim: Os filhos inconsoláveis da democracia, apesar da barbárie de domingo

Tempo de leitura: 3 min
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Os filhos inconsoláveis da democracia

Apesar da barbárie de domingo, parcela considerável dos brasileiros ainda apoia uma intervenção militar

Por Walfrido Ward e Rafael Valim*, em A Terra é Redonda

O domingo da vergonha exibiu o ataque contra os prédios públicos que simbolizam as mais sagradas instituições da República.

Nós imaginávamos que as cenas escatológicas de vandalismo fossem horrorizar todo o país e nos conduzir a uma unânime defesa do Estado democrático de direito. Mas isso não aconteceu.

Apesar da imediata reação institucional, as pesquisas de opinião revelam que, depois de tudo, depois do episódio que envergonha o país perante o mundo civilizado, ainda trinta e cinco por cento do nosso povo apoia uma intervenção militar.

Isso não é o suficiente para fabricar uma ruptura sob a mão armada de setores das Forças Armadas, mas pode erodir até o último torrão de terra um governo sobre o qual se escora toda a esperança de continuidade existencial da democracia.

Há algumas verdades inconvenientes na causa desse espanto.

A democracia produziu, no mundo todo, filhos inconsoláveis e outros ingratos.

De um lado, aqueles a quem a democracia, sob regime de produção capitalista, não foi capaz de alimentar, dar moradia digna, educação e segurança. De outro, aqueles que vivem na abundância capitalista, mas se ressentem porque pensam “pagar a conta” sozinhos.

A vitória de Lula, um dos últimos estadistas, em todo o planeta, capaz de empolgar as massas em favor de ideais democráticos, ainda não foi capaz de alterar esse estado de coisas.

E se não refrear seu desconforto na relação com as Forças Armadas, talvez tudo piore.

Lula é um produto das lutas sociais que se opuseram ao regime militar. Ou seja, emerge e viceja com a abertura democrática, sob o gabarito de militares como Geisel e Golbery, os quais a extrema direita considera esquerdistas infiltrados.

Lula é filho da redemocratização, que sepultou as ambições políticas de oficiais e de aspirantes a oficiais que gravitavam no entorno de Sylvio Frota, símbolo da linha dura, removido do poder em outubro de 1977, para que se pavimentassem os caminhos da Nova República.

A geração perdida de Sylvio Frota voltou, no útero do bolsonarismo, com um populismo que a linha dura podia chamar de seu.

Jair Bolsonaro foi eleito democraticamente e, como outros tantos representantes da direita alternativa, do non sense que anima as massas, quase acaba com a democracia no Brasil.

Jair Bolsonaro ampliou a participação de militares em cargos de confiança e empoderou regimentos policiais pelo país inteiro, sob a afirmação de uma maçaroca ética que fala com grande parte da população brasileira.

Fecundou, gestou e botou o ovo da serpente que eclodiu no domingo da vergonha. E que gerou um monstro que se alimenta da ruptura e do distanciamento entre a política tradicional e parte do povo.

Não haverá solução sem que o Presidente dialogue com a cúpula das Forças Armadas, majoritariamente conservadora e insatisfeita com o resultado das urnas.

É como se Mozart estivesse escrevendo uma sinfonia e alguém ligasse uma britadeira na rua em frente da sua casa.

Essa tarefa não pode ser conferida a terceiros. Só Lula, o maior gênio político da história do Brasil, será capaz de lidar com essa situação.

No mais, será necessário olhar para a democracia e suas mazelas, buscar uma regulação fina da democracia, de modo a impedir interferências indevidas na formação e expressão da vontade popular e, quando não for possível, compassá-la aos legítimos interesses públicos, criar estruturas perenes de planejamento e construção de estratégias estatais, que não podem variar ao sabor das mudanças de governo, assim como estruturas de Estado de salvaguarda da democracia, a exemplo do que fez a Alemanha.

As grandes democracias devem ser capazes de competir em eficiência com regimes autocráticos que mais recentemente floresceram em um regime de mercado sob intensa coordenação estatal.

E ao fazê-lo, devem partilhar o produto do sucesso econômico de modo equânime, para que não haja uma multidão de perdedores e pouquíssimos vencedores.

Mas tudo isso sob a certeza de que não é possível acomodar todos os desejos. Assim como nas melhores famílias, sempre haverá filhos inconsoláveis, para os quais só resta um bom corretivo da lei.

*Rafael Valim, advogado, é doutor em direito administrativo pela PUC-SP, onde lecionou de 2015 a 2018. Autor, entre outros livros, de Lawfare: uma introdução (com Cristiano Zanin e Valeska Zanin Martins) (Contracorrente).

*Walfrido Warde, advogado, é doutor em direito comercial pela USP. Autor, entre outros livros, de O espetáculo da corrupção (Leya).

Leia também:

Gilberto Maringoni: Chegou a hora de uma ação definitiva contra o terror?

Roberto Amaral: O governo do presidente Lula enfrenta seu Rubicão


Siga-nos no


Comentários

Clique aqui para ler e comentar

Zé Maria

https://twitter.com/ptsantoamaro/status/1611752019886313472

SECOM tranca Liberação de Verbas para Sites Bolsonaristas de Fake News.

https://twitter.com/caldani_luiz/status/1611345983929028609

José Euzebio dos Santos filho

Essas reportagens de vocês são ótimas e muito informativas , parabéns a todos os jornalistas.

Zé Maria

É aquele ‘tradicional’ Terço da População Brasileira
que, Despolitizada, vota e elege ao sabor das Ondas.

    Zé Maria

    .

    Confrontando alguns Dados da Estratificação da Pesquisa Atlas,
    verifica-se que o número de pessoas que desconfiam do resultado
    das Eleições de 2022 e que apoiam Intervenção Militar ‘para invalidar
    a eleição presidencial’ gira em torno de 38% do Total da Amostra e
    é predominantemente de Eleitores de Bolsonaro que localizam-se,
    na sua maioria, nas Regiões Centro-Oeste e Sul, onde o ‘Agro é Pop’.

    No entanto, de forma aparentemente paradoxal ou contraditória, o
    percentual dos que responderam que são a favor da instalação de
    uma ditadura militar no Brasil é de 9,5%, e a maioria desses localiza-se
    nas Regiões Sul e Sudeste.

    Os que são CONTRA uma Ditadura Militar perfazem 73,5% do Total.

    E outros 17% não souberam ou não quiseram responder

    Verifica-se, portanto, que a inconformidade maior se dá meramente
    em relação ao resultado da Eleição Presidencial, embora o percentual
    desses inconformados represente Menos da Metade do Total Geral.

    Por conseguinte, a Indignação não é teoricamente em oposição à
    Democracia em si, restringindo-se ao Desacato ao Sistema Eleitoral.

    Isso demonstra que se trata de Falta de Educação Política Popular.

    .

    Zé Maria

    A essa Despolitização soma-se como causa a Incitação
    por parte dos Líderes Políticos, Econômicos e Militares
    Bolsonaristas à Desobediência Antidemocrática Violenta
    consumada no dia 8/01/2023 com a Invasão e Depredação
    aos Prédios- Sedes dos Três Poderes Republicanos no DF.

    Zé Maria

    https://pbs.twimg.com/media/FmdPRGjWYAM8TFO?format=jpg

    EU AUTORIZO o @flaviodino a ressuscitar o Michel Foucault
    pra dar uma forcinha no ministério da Justiça!

    https://twitter.com/lolaescreva/status/1614379729028620288
    https://twitter.com/FlavioDino/status/1614346151335202816

    O que mais se lamenta é que
    até Oficiais Militares acreditam.

    .

    Zé Maria

    No caso acima, é Desconhecimento, Ignorância mesmo.

    https://twitter.com/LuciaLeitao2021/status/1614387868377440257

    Zé Maria

    .

    Paulo Freire para Ministro da Educação!

    https://twitter.com/uber6estrelas/status/1614354699469062146

    .

    Zé Maria

    Mas isto é Fanatismo Ignorante e Delirante:
    https://twitter.com/afrocrente/status/1612906657628954648

    Zé Maria

    Valdemar RACHOU o PL. Mais Conhecido por Tirando da Reta!

    https://twitter.com/centralpolitcs/status/1615108845906403340

Deixe seu comentário

Leia também

Política

Berenice Bento: Carta aos que não sepultei

Não sairemos iguais após o horror em Gaza

Política

Paulo Nogueira Batista Jr: Os desafios da esquerda

Emprego, renda, injustiça social, imigração

Política

Jeferson Miola: Impunidades diplomáticas

Simas Magalhães, Eduardo Saboia, Ernesto Araújo…