VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Deputado Helder Salomão protocola pedido de CPI do Leite Condensado: ‘Gastos absurdos, nada justifica!’
Câmara dos Deputados (foto de Helder Salomão) e Aroeira (charge)
Política

Deputado Helder Salomão protocola pedido de CPI do Leite Condensado: ‘Gastos absurdos, nada justifica!’


27/01/2021 - 14h25

Helder Salomão pede investigação rigorosa sobre gastos do Governo Federal com alimentos como leite condensado, chicletes e batata frita embalada

Da Assessoria de Imprensa do deputado

“Esses números são absurdos. É preciso instaurar, com urgência, uma CPI para investigar esses gastos”, declarou o deputado federal Helder Salomão (PT-ES), ao protocolar na Câmara Federal, um pedido de instalação de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), para apurar os mais de R$ 1,8 bilhão gasto pelo Governo Federal com compras de produtos como leite condensado, para órgãos do Poder Executivo.

A lista de alimentos foi divulgada pelo Painel de Compras do Ministério da Economia e nela constam gastos de R$ 15,6 milhões com leite condensado, R$ 16,5 milhões com batata frita embalada, R$ 13,4 milhões com barras de cereais, R$ 21,4 milhões em iogurte natural, R$ 2 milhões em chicletes entre outros. Essas compras foram realizadas em 2020. Coincidentemente, após divulgação dos gastos pela imprensa, o portal do Ministério da Economia que apresenta as compras governamentais saiu do ar.

O parlamentar capixaba recebeu a notícia com indignação, pois “nada justifica” despesas tão altas com itens “supérfluos”.

O deputado enfatizou o momento de crise sanitária e econômica que o País atravessa “com a falta de ações corretas por parte do presidente”, os cortes de verba realizados pelo governo em áreas caras para a população como a saúde, por exemplo, e toda a necessidade que grande parte da população brasileira está passando.

“O Brasil está atravessando uma de suas maiores crises. Desemprego altíssimo, cortes de verba para áreas essenciais como saúde e educação, pequenos empreendedores quebrando por falta de suporte do governo, o país de volta ao mapa da fome e o Ministério da Economia apresenta gastos absurdos com compra de chicletes?”, declarou Salomão.

No documento em que faz o pedido oficial de abertura a CPI do Leite Condensado, Helder Salomão justifica que “pelos valores que foram divulgados, há indícios de que o custo unitário dos produtos adquiridos foi superior ao praticado no mercado, o que por si só, já enseja a necessidade de rigorosa investigação para apurar se houve ou não superfaturamento”.

Salomão defende ainda que “devemos utilizar este instrumento legislativo para fazer valer o dever constitucional desta Casa de fiscalização e apurar se houve ou não irregularidade nestes gastos. Para o bem da democracia, não pode haver suspeitas, desta natureza, sobre qualquer um dos poderes, em especial sobre o Poder Executivo”.





2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

baader

27 de janeiro de 2021 às 16h25

Helder sabe do processo licitatório, foi prefeito de Cariacica, na grande Vitória, município lotado de pobreza. Chama-nos atenção a pesquisa CEPEDISA/CONECTAS, com documentos que mostram a intenção de matar, não ter recebido atenção do mesmo ou de outros combatentes.

Responder

Zé Maria

27 de janeiro de 2021 às 14h59

Os gastos alimentícios do governo federal somaram mais de R$ 1,8 bilhão em 2020.

Além dos R$ 15 milhões gastos com leite condensado,
R$ 2,2 milhões pagos em chicletes e
R$ 32,7 milhões em pizza e refrigerante.

O total gasto em alimentos em 2020
é 20% maior que em 2019.

Algumas comparações mostram o tamanho do gasto do governo federal com alimentos.

Apenas o montante pago pelo leite condensado
é cinco vezes mais que tudo que o Instituto Nacional
de Pesquisas Espaciais (Inpe) recebeu para fazer
o monitoramento por satélite de toda a Amazônia,
Pantanal e demais regiões do país – R$ 3,2 milhões no
mesmo período, segundo dados levantados pela
consultoria Rubrica.

Nos últimos dois anos, o Inpe – principal órgão federal
responsável pelas pesquisas espaciais e monitoramento -, o Ibama e o Instituto Chico Mendes de Biodiversidade
(ICMBio) tiveram seus orçamentos reduzidos,
o que comprometeu a capacidade de o governo realizar
ações estruturais de proteção, fiscalização e combate
do desmatamento nas florestas nacionais – a Amazônia registrou volume recorde de queimadas no ano passado.

UOL

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding