VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Glenn Greenwald: Impeachment de Dilma foi o “pecado original”
Política

Glenn Greenwald: Impeachment de Dilma foi o “pecado original”


25/03/2021 - 20h40

O pecado original

O impeachment de Dilma trouxe o Brasil a esta situação. E tudo ocorreu com o beneplácito da mídia

Por Glenn Greenwald, na CartaCapital

Aproveito minha coluna de estreia na CartaCapital, revista que leio desde que cheguei ao Brasil, em 2005, para explicar minha trajetória no jornalismo brasileiro e o que aprendi sobre a imprensa.

Essa jornada é inseparável de uma injustiça histórica – o impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff em 2016 –, cuja importância foi ofuscada pela gravidade dos eventos subsequentes.

Em meus primeiros dez anos no Brasil, evitei comentar política brasileira.­ Mesmo com meu marido, o agora deputado David Miranda (PSOL-RJ), se envolvendo cada vez mais em sua militância.

O meu jornalismo focava em outras questões: os ataques às liberdades civis e aos direitos dos muçulmanos nos EUA e na Europa e o imperialismo no Oriente Médio.

Mesmo em 2013 e 2014, durante o caso Snowden, quando eu era muito visível na mídia brasileira e aparecia no Fantástico e n’O Globo, evitava emitir opiniões sobre política interna do Brasil.

Fazia isso por acreditar que é difícil dominar as nuances e as contradições de um país que não é o seu.

Apesar de ler vorazmente notícias políticas (incluindo nesta revista) e estar imerso no trabalho de meu marido, não me sentia qualificado – mesmo depois de dez anos – para analisar política brasileira.

Tudo isso mudou em 2016. A primeira vez que usei minha plataforma para opinar sobre uma polêmica nacional foi quando o então juiz Sergio Moro vazou conversas privadas entre a então presidente Dilma e o ex-presidente Lula.

Àquela época, antes da #VazaJato, não se sabia tanto sobre os abusos de Moro, mas eu, como advogado e jornalista, sabia que aquilo era absurdo. Por isso critiquei fortemente Moro em várias plataformas.

Não esperava que isso fosse controverso. O abuso me parecia óbvio.

Eu estava enganado: foi muito controverso. Chamou-me atenção que os jornalistas mais incomodados eram os brasileiros.

Defendiam Moro como quem defende um amigo. Foi aí que percebi que havia algo errado entre a mídia brasileira, a Lava Jato, Moro e o governo Dilma.

Isso me levou a mergulhar no debate do impeachment. Os artigos que escrevemos denunciando esse processo foram publicados pela primeira vez em inglês no The Intercept, o veículo que eu cofundei em 2013.

Foi quando traduzimos esses artigos para o português que nos demos conta do apetite que havia por jornalismo independente no Brasil: os artigos traduzidos viralizaram rapidamente e se tornaram alguns dos mais lidos daquele veículo.

Foi aí que decidi fundar o The Intercept Brasil. Havia muito jornalismo de qualidade sendo produzido no País, em diversos blogs e nesta revista, por exemplo, mas ele não podia competir com o monstro corporativo liderado pela Globo, que há tanto tempo monopolizava o debate público.

O maior exemplo disso foi a campanha pelo impeachment de Dilma, tão politizada que o grupo Repórteres Sem Fronteiras denunciou a própria mídia brasileira em 2017 como uma ameaça à liberdade de imprensa, argumentando que a homogeneidade ameaçava o pluralismo e o jornalismo.

Muita coisa aconteceu desde então – a prisão de Lula, o assassinato de Marielle, a ascensão do bolsonarismo, a #VazaJato, a Covid-19 – que é fácil esquecer os absurdos do impeachment.

Mas é importante manter essa memória viva. Considero o impeachment o pecado original que iniciou o processo de erosão democrática que se estende até hoje.

Era óbvio naquela época que a campanha pelo impeachment era um ataque à democracia. Os inimigos do PT viram a chance de conseguir o que não conseguiram nas urnas: a Presidência.

Para isso, usaram táticas antidemocráticas, maquiadas com um verniz de legitimidade constitucional. Foi esse o evento que legitimou a ideia de que às vezes se pode driblar a democracia para atingir objetivos políticos.

Armou-se o quadro ideal para o surgimento de Bolsonaro.

Nesse quadro, é vital lembrar o papel central das manobras de Moro. O ex-presidente da Câmara Rodrigo Maia admitiu, em 2019, que o impeachment era impossível antes dessas conversas.

E hoje, graças à #VazaJato, sabemos que outras interceptações do mesmo dia contradizem claramente a ideia de que a nomeação de Lula tinha motivações espúrias.

Moro optou por vazar a conversa que, descontextualizada, permitia a interpretação mais prejudicial ao PT, e ocultar as que desmentiram essa tese.

Fica claro que foram Moro e seu abuso de poder, mais do que qualquer outra causa, que pavimentaram o caminho para Bolsonaro.

Além de prender Lula e o tirar das eleições e dar a Bolsonaro o manto da anticorrupção, as digitais do Moro aparecem já no impeachment. 

E a grande fiadora disso tudo foi a mídia brasileira, que transformou Moro em herói e liderou a campanha contra Dilma.

Uma democracia não necessita somente de mídia, mas de jornalismo. E isso significa questionar e investigar, não repetir e espalhar, as devoções e ortodoxias da mídia corporativa e seus mestres.





3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

26 de março de 2021 às 22h52

https://s3.amazonaws.com/hub-central/uploads/1615213181_Grupo14.png

O deputado estadual Fernando Cury
apalpou o seio e encoxou a deputada Isa Penna,
no plenário da Assembleia Legislativa do
Estado de São Paulo [Alesp].

Pressione para garantir uma punição exemplar.

(https://www.porumapunicaoexemplar.com/#block-36126)

Queremos Cury cassado!

(https://www.porumapunicaoexemplar.com)

https://s3.amazonaws.com/hub-central/uploads/1615215898_Grupo15.png
https://www.cartacapital.com.br/politica/sp-campanha-tenta-reverter-pena-branda-por-assedio-contra-isa-penna/

Responder

abelardo

26 de março de 2021 às 03h00

Eu tenho certeza que há casos que precisam piorar muito para melhorar.
O fato da Lava Jato conseguir manobrar, sair da estrada da lei, para impedir Lula de ser ministro de Dilma e usar esse convite feito a Lula para ser ministro, como se fosse uma intenção de Lula fugir de um possível processo foi interpretado pela Lava Jato como um xeque mate triplo: em Dilma, em Lula e no PT.
A ingenuidade da coligação golpista e criminosa de Curitiba, e seus patrocinadores associados, foi subestimar o poder de resistência, o poder de inteligência e o poder
político de Lula.
Eu penso que desde quando Lula resolveu aceitar o abuso de poder que usaram para prendê-lo e se colocar a disposição dos federais, ele já sabia onde aquilo iria terminar e quem seria o vitorioso.
A confiança total de Lula em seus advogados formou uma equipe altamente coesa, disciplinada e pacientemente resistente.
A Lava Jato e Sérgio Moro batiam cabeças enquanto Lula recebia visitas e manifestações de apoio de todos os pontos do planeta.
Os golpistas malfeitores, ainda que com toda poderosa cadeia de apoio da grande mídia, do judiciário corporativista, da PF e da grande maioria traiçoeira do legislativo perdiam dia a dia para Lula e o pânico já tomava conta em virtude da Vaza Jato.
O final épico com a vitória de Lula sobre a poderosa coligação, já se consolidou como um dos maiores registros da nossa história.

Responder

Sandra

26 de março de 2021 às 01h43

Com o golpe de 2016, com o trabalho bem feito da mídia, perderam-se o parâmetro do certo e do errado.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Blogs & Colunas
Mais conteúdo especial para leitura