VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Fux cita possível “crime de responsabilidade” em fala de Bolsonaro e dólar bate em R$ 5,28 por causa de discursos golpistas do presidente
Reprodução
Política

Fux cita possível “crime de responsabilidade” em fala de Bolsonaro e dólar bate em R$ 5,28 por causa de discursos golpistas do presidente


08/09/2021 - 15h07

Da Redação

Os discursos golpistas do presidente Jair Bolsonaro no 7 de Setembro levaram o dólar a bater em R$ 5,28 às 15 horas da quarta-feira, 8.

A Bolsa de Valores, por sua vez, tinha queda de 2,95% no mesmo horário.

Em sua fala na avenida Paulista, Bolsonaro mencionou pelo nome o ministro Alexandre de Moraes, relator do inquérito dos atos antidemocráticos no Supremo Tribunal Federal, além de sugerir que não vai mais respeitar decisões da Justiça.

Os discursos foram universalmente repudiados.

O presidente do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux, afirmou hoje que “se o desprezo às decisões judiciais ocorre por iniciativa do Chefe de qualquer dos Poderes, essa atitude, além de representar atentado à democracia, configura crime de responsabilidade, a ser analisado pelo Congresso Nacional. Ninguém fechará esta Corte. Nós a manteremos de pé, com suor e perseverança”.

O aliado de Bolsonaro que preside a Câmara, Arthur Lira (PP-AL), fez um discurso dizendo que “bravatas em redes sociais, vídeos e um eterno palanque deixaram de ser um elemento virtual e passaram a impactar o dia a dia do Brasil de verdade”.

Ele não mencionou as dezenas dos pedidos de impeachment de Bolsonaro sobre os quais está sentado.

O impasse entre o STF e o chefe do Executivo tem potencial para causar impacto de longo prazo nos mercados, uma vez que o preço dos combustíveis no Brasil acompanha a variação do dólar.

Além disso, eventuais investidores no Brasil dificilmente vão colocar seu dinheiro num país em crise institucional cada vez mais grave.

PSD e PSDB consideram apoiar o impeachment de Bolsonaro, se juntando ao bloco de esquerda que tem manifestação marcada para o próximo sábado.

Além de mandar prender apoiadores do presidente, acusados de declarações antidemocráticas, o ministro Alexandre de Moraes pode ficar diante de uma decisão importante a qualquer momento sobre o filho vereador de Bolsonaro.

Carlos é tido como um dos alvos da investigação sobre a disseminação de fake news e ataques contra o STF e o Congresso.

Mesmo em queda de popularidade nas pesquisas, Bolsonaro mantém uma base fiel de cerca de 25% dos eleitores, que pode ser suficiente para levá-lo ao segundo turno em 2022.

Porém, ele tem perdido apoio entre empresários, banqueiros e no mercado financeiro, por causa da permanente crise sanitária, econômica e social sobre a qual Bolsonaro preside sem apresentar soluções.





12 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

09 de setembro de 2021 às 02h05

O Supremo Tribunal Federal marcou para o próximo dia 17
a retomada do julgamento de ações que questionam
a política armamentista do governo Bolsonaro.

Os temas já tinham sido levados ao plenário virtual do STF
em ocasiões anteriores, mas tiveram a análise adiada
por pedidos de vista do ministro Alexandre de Moraes.

Agora, Moraes devolveu os processos, o que permitiu que os julgamentos pudessem ser novamente agendados.

Com a devolução dos processos por Moraes,
os ministros do STF vão decidir sobre a [in]constitucionalidade de decretos e atos do governo federal
que alteram as regras para a posse, compra, registro
e tributação sobre armas e munições.

O julgamento será no plenário virtual, modalidade de deliberação em que os ministros apresentam os votos por escrito, sem a necessidade de uma sessão presencial ou por videoconferência. O plenário virtual ficará aberto para apresentação dos votos até dia 24.

As ações têm como relatores os ministros Edson Fachin e Alexandre de Moraes e a ministra Rosa Weber. Estarão na pauta as ações que questionam:

– decretos de 2019 que aumentaram as possibilidades de posse de arma de fogo;
– decisão da Câmara de Comércio Exterior (Camex), vinculada ao Ministério da Economia, de reduzir a zero a alíquota para a importação de revólveres e pistolas;
– decretos de fevereiro deste ano sobre a posse e o porte de arma; entre outros pontos, as medidas aumentavam, de dois para seis, o limite de armas de fogo que o cidadão comum pode adquirir;
– portaria editada no ano passado pelos ministérios da Defesa e da Justiça e Segurança Pública que aumentou para 550 o número de munições que podem ser adquiridas mensalmente por quem tem posse ou porte de arma;
– revogação pelo Exército de portarias sobre o rastreamento e a marcação de armas e munições no país.

Desde as primeiras semanas da gestão, o governo federal tomou medidas para alterar o Estatuto do Desarmamento.

[G1]

Responder

Zé Maria

08 de setembro de 2021 às 22h07

https://twitter.com/i/status/1435655619986530316

Hoje (8), Bolsonaristas sitiaram o Congresso Nacional,
na Esplanada dos Ministérios, dificultando que os
parlamentares trabalhem.
Paulo Pimenta pede que o presidente da Câmara
e do Senado tomem as devidas providências e
defendam a Democracia e a Constituição Federal.
@DeputadoFederal
https://twitter.com/DeputadoFederal/status/1435655619986530316

Responder

Zé Maria

08 de setembro de 2021 às 22h01

.
“Sou 100% Bolsonaro”

diz Aécio Neves na Reunião do PSDB sobre Impeachment.

Alguém ainda duvidava? (https://t.co/dfLMiqizD1)

https://twitter.com/DeputadoFederal/status/1435704948960989188

Responder

Zé Maria

08 de setembro de 2021 às 21h19

Movimentos ‘Nem-Nem’ da Direita Lavajatista
se apropriaram do Protesto #ForaBolsonaro,
tal como fizeram contra Dilma em Junho/2013.
Sem LULA na Rua, não há Acordo Possível.

Responder

    Zé Maria

    08 de setembro de 2021 às 21h24

    Mídia Fascipaulistas e Rede Globo já estão redirecionando a Cobertura.

    Zé Maria

    08 de setembro de 2021 às 21h29

    “Meus 2 cents sobre esse papo de todo mundo ir de branco:
    Vá com a cor que quiser. Se quiser ir de vermelho, vá.
    Use camisa e broche de seu partido.
    A despolitização não é o caminho.
    Uma massa sem partido vira o partido que o publicitário
    ou editor das imagens quiser.”
    https://twitter.com/tesoureiros/status/1435738953966133249

    Zé Maria

    08 de setembro de 2021 às 21h34

    A Manifestação dos Rights Movement
    no Próximo Domingo, 12 de Setembro,
    não é contra Bolsonaro, é contra LULA.
    Seria bom a Esquerda se antecipar.

Zé Maria

08 de setembro de 2021 às 20h15

O Lira é Tchuchuca do CornoGenocida.

Responder

Henrique Martins

08 de setembro de 2021 às 16h31

https://www.brasil247.com/brasil/gleisi-diz-que-oposicao-vai-debater-proximos-passos-do-impeachment-e-descarta-participar-de-ato-do-dia-12-buynn9cz

Pois bem. Já que o PT não vai participar, sugiro que a direita aposte todas as suas fichas e se dediquem o máximo que for possível para garantir o sucesso das manifestações em defesa do regime democrático. Até porque, interesses eleitorais só se realizam dentro da democracia. Neste aspecto, a esquerda está em vantagem nas pesquisas em relação à disputa presidencial para 2022. E a direita precisar melhorar sua atuação e cavar votos.
Agora, dona Gleisi, falar que o PT não tem interesse de participar não serve. O que nos serve é a senhora marcar manifestações urgentes em que o PT possa dar o ar da graça. Né….

Responder

Henrique Martins

08 de setembro de 2021 às 15h39

https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2021/09/08/pronunciamento-fux.htm

Senhor Hamilton Mourão, até então não há’ clima nas ruas’ para o impecheament de Bolsonaro, mais HAVERÁ porque ele não está cuidando dos problemas do povo e nem da economia. Além da sua habitual necessidade de espalhar o caos e a divisão entre o nosso povo e perseguir as instituições com a sua língua maldita e fake news, ele só governa para a turma dele e está interessado apenas em proteger a si mesmo e à sua família. O povo mesmo ainda não teve oportunidade de se manifestar. A turma que saiu para defende-lo está com a vida arrumada. É a turma que tem feijão na mesa e tem dinheiro para comprar fuzil e precisa de autorização legal para tanto. Participei da manifestação do ‘Grito dos Excluídos’ no mesmo horário da turma dele em local diferente aqui no meu estado e fiquei impressionada com os carrões e motões que estavam portanto a bandeira do Brasil e buzinando nas ruas em defesa dele. Essa turma definitivamente não representa o povo brasileiro que em sua maioria é pobre e neste momento está passando por dificuldades. O país tem 220 milhões de brasileiros. A turma que saiu às para defende-lo ‘a pé’ representa cerca de apenas 0,3 por cento da população. A turma que estava de carro representa os 24 ou 25% de apoio que ele tem hoje. Portanto, falta a ele o apoio de mais de 70 por cento da população brasileira. Mussolini era fascista e quando ele caiu ele tinha 30 por cento do apoio da população e isso não impediu sua morte trágica por causa do regime fascista. Então, meu senhor, trinta por cento da população mais abonada não segura governo de índole fascista.
Bolsonaro não termina o mandato. Disso o senhor pode ter certeza,. Ele não tem competência e nem sanidade mental para conduzir o pais e vocês sabem muito bem disso. Agora, quanto à base aliada que ele ainda tem no Congresso, o ‘clima das ruas’ vai resolver a questão e ele a perderá, até porque, ele vai querer usar sua trupe para impor suas pautas ao Congresso na marra. Hoje é o STF que está sendo ameaçado de fechamento, amanhã poderá ser o Congresso Nacional. Então meu senhor, em vez de passar panos na loucura do presidente, comece a se preparar para presidir o pais e enfrentar os graves problemas que nos aflige. De uma coisa eu tenho certeza: ao menos o senhor não é louco.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding