Fernando Safatle: O custo do incentivo à indústria automobilística

Tempo de leitura: 3 min

O PETROLEO É NOSSO?

por Fernando Safatle*

enviado pela Sec Geral do MST, publicado no Diário da Manhã de Goiás

No governo da Dilma o leilão do pré-sal não é privatização, mas, sim, partilha.

A transferência para a iniciativa privada da gestão das estradas, aeroportos e portos não é privatização, mas, sim, concessão.

As várias modalidades de transferência e uso da propriedade estatal se transformaram na realidade em uma batalha semântica.

O governo insiste na sua versão de que nada disso é privatização e, evidentemente, tem motivos de sobra para isso.

Não quer de forma nenhuma dar o braço a torcer na recaída ideológico que se submeteu dando, assim, argumentos aos tucanos de que se renderam finalmente as suas teses, pois, afinal, suas duas ultimas vitorias eleitorais foram obtidas no ringue da estatização versus privatização.

Em plena campanha eleitoral em 2010, a candidata Dilma disse com todas as letras: “É um crime privatizar o pré-sal”.

Afinal, quem está certo? Em essência, apesar de constituírem em modelos distintos, ambos, tanto o dos tucanos como o dos petistas são privatizações, pois, transferem a propriedade para a iniciativa privada.

Só que enquanto o dos tucanos transfere a propriedade ad aeternum para o capital privado, as PPPs, dos governos Lula e Dilma, transferem provisoriamente a propriedade, podendo teoricamente voltar durante um determinado tempo ao Estado.

Envolto na mais terrível contradição de seu governo, a Dilma foi logo aos meios de comunicação tentar explicar que o leilão do pré-sal não privatizou, pois a renda a ser produzida no campo de Libra ficaria 85% com o Estado e a Petrobras.

Isso, evidentemente, não anula a natureza da operação: a transferência de 60% da reserva de petróleo para quatro empresas estrangeiras, duas privadas e duas estatais chinesas.

Por que partilhar com o capital estrangeiro uma reserva de petróleo de cerca de 15 bilhões de barris?

Por que a Petrobras não bancou sozinha a sua exploração? Essa é a pergunta que todos querem fazer.

Na realidade, a privatização do pré-sal foi o resultado de uma sucessão interminável de equívocos que o governo vem cometendo na condução do seu modelo econômico.

Primeiro deles foi reproduzir a mesma política econômica do milagre econômico da época do regime militar que sustentava suas altas taxas de crescimento econômico no incentivo ao crescimento da indústria automobilística.

Os governos Lula e Dilma também jogaram pesado nos incentivos para que a industria automobilística pudesse exercer o seu papel dinâmico na economia, puxando e irradiando seu crescimento para os outros segmentos econômicos.

Retirou IPI, afrouxou o credito, cortou a CIDE, ou seja, fez de tudo para que a indústria automobilística pudesse segurar as taxas de crescimento econômico.

Só que, na medida em que crescia o consumo de carros, pressionava a demanda por combustíveis.

Para que não impactasse o preço da gasolina na inflação o governo não só cortou a CIDE, ou seja, renunciou a recursos que estavam destinados ao investimento na mobilidade urbana, como congelou os preços da gasolina, fazendo a Petrobras bancar um prejuízo monumental.

Com isso, erodiu as finanças da Petrobras.

Alguns anos atrás, segundo Carlos Lessa, a Petrobras tinha reservas no montante de 70 bilhões de reais, hoje, reduziu se a 7 bilhões de reais.

Com esse desmonte da Petrobras, claro, tem dificuldades de levantar os 15 bilhões do bônus de assinatura estabelecido no contrato do leilão do campo de Libra.

Ora, mesmo assim, se houvesse o interesse político da Petrobras bancar sozinha a exploração do pré-sal não precisaria o governo estabelecer um bônus de assinatura tão alto a ponto de impedir sua exploração sozinha.

Com isso, a União vai deixar de ganhar de acordo com Sauer e Comparato 176 bilhões de reais, alem da perda da soberania.

Mas não é tudo. Também têm que entrar na conta dos enormes prejuízos causados a nação os estragos produzidos na mobilidade urbana pela opção que o governo fez de induzir o crescimento da frota de automóveis e o desmonte no setor sucroalcooleiro.

O congelamento dos preços da gasolina fez o Brasil perder o bonde da historia na corrida para se transformar na grande potencia na produção de energia limpa e renovável.

Se não tivesse abdicado do programa do etanol, modificando inclusive seu modelo de exploração em direção a sua democratização, introduzindo mudanças que incorporasse o pequeno e médio produtor rural na sua exploração o etanol estaria abastecendo o mercado e a Petrobras, hoje, ao invés de ser importadora de gasolina, ao contrario, estaria exportando gasolina.

A sucessão de equívocos na política economia do país levou ao descalabro da perda da soberania de um bem estratégico, o petróleo, da perda de liderança mundial na produção do etanol e dos profundos estragos na mobilidade urbana. Depois a culpa é dos vândalos e dos Black Bloc.

*Economista — [email protected]

Leia também:

O segredo das Sete Irmãs e o pré-sal brasileiro

Apoie o jornalismo independente


Siga-nos no


Comentários

Clique aqui para ler e comentar

A crítica de Zé Dirceu à política de juros – Viomundo – O que você não vê na mídia

[…] Fernando Safatle: Os danos do incentivo à indústria automobilística […]

HENRIQUE GONÇALVES DIAS

E ái, a discussão acabou? Estava tão bom ver os debates…

francisco pereira neto

Sinceramente eu teria vergonha, se fosse economista, de escrever um texto com essa “profundidade” de informações.
Não sou economista e vejo uma mesmice absurda. Fico a imaginar quem é economista,o quê dirá.
E vem mais um deitar falação sobre a “soberania” solapada do leilão de libra.
Chega. Já formei minha opinião. Assunto encerrado. Inventa outro.
E desde quando o governo federal colocou alguma culpa nos Black bloc?
O cara está delirando.
Outra coisa. Pegou carona no artigo do Santayana ao dizer que o governo não “previu” as consequências dos incentivos à indústria automobilística para estimular a venda de veículos. O programa Inovar, não serve para nada?
Os usineiros sempre foram privilegiados pelo BNDES e sempre vivem reclamando.
Porque o BBA do Itaú, ao invés de ficar reclamando do governo, não aplica em produção, o lucro histórico do último trimestre, que foi de 4 bi?

Eunice

Não se pode debitar o uso de automóveis ao PT. Isso é crescimento exponencial iniciado há muito mais tempo.

Vejam: sábado esperei o ônibus para o local Filhos da Terra durante 110 minutos. Sob sol forte. Ao meu lado havia faxineiras idosas que haviam trabalhado a manhã toda, de pé, pois hoje faxineiras têm essa idade. Isso na Av. Cruzeiro do Sul, um dos mais antigos e lotados terminais. Apenas uma cobertura pequena para centenas de pessoas. E poderia ser também uma chuva de granizo….
Nunca se investiu em nada para povo. Essa é a verdade.

Mais: o povo quer a desapropriação pelo valor de mercado, mas quando Hadad quer o IPTU pelo valor de mercado a quadrilha vem pra cima. Nunca pagaram um IPTU real. E usam os jornais da ZN para fazer campanha diária contra Hadad e o PT. Sejamos honestos: se parar o bicho come… mas se correr….

Mardones

O modelo de subdesenvolvimento adotado pelo PT é tão criminoso quanto o adotado pelos tucanos. Não apenas é um crime contra a soberania nacional basear o crescimento do país no setor automotivo da forma como o PT tem feito – por meio de isenções de toda sorte e com o desfalque no caixa da Petrobrás – como é trágico o resultado para a construção de um modelo de circulação urbana. Logo, logo mais da metade da população terá um carro; o trânsito e o meio ambiente vão sentir os estragos. Passamos a ser um país que polui não por desmatamento, mas por emissão de gases dos motores.

assuerum maarcaccini

O que teria a dizer o Fernando Brito do blog Tijolaço sobre este texto?
O slogan apropriado sobre nosso petróleo agora, depois da partilha, seria: “O PETRÓLEO É NOSSO E DELES TAMBÉM”

Paulo Expedito

A argumentação de que o poço de libra foi privatizado, é totalmente sem fundamento e ja foi rebatida milhares de vezes, e dito por vários defensores do modêlo atual, que a preferência seria que uma empresa totalmente estatal e capitalizada o fizesse, mas não existia esta possibillidade atualmente.

    Julio Silveira

    E continua sendo refutada essa explicação. Justamente por que as pessoas, assim como o Safatle, já descobriu que tudo não passa de semântica, e que o resultado acabará sendo com o estado repassando a iniciativa privada, ou outros parceiros mais afinados ideologicamente, de forma mascarada, grande parte dos lucros que deveriam ser integralmente de todo o povo brasileiro. Mas reconheço que a luta convicta pela afirmação de sua propaganda, mesmo mentirosa, é coisa antiga e aplicada por todos os governos conservadores do mundo e do país para convencer o povo quando naturalmente não conseguem.

    Alê M.

    Mais uma série de comentários da profundidade de um piris.

    E meu ponto é simples: falta competência para os comentaristas de plantão. Comentem, a cada comentário, uma série de bobagens. Não sabem do que estão falando. É a critica pela critica. É a inércia da pedra. Uma simplificação ridícula, que não permite um papo mais sério. Não dá. Não existe contra-argumentação para esse tipo de papo.

    Eu também sou pedra. Mas minha vidraça é outra.

Paulo Expedito

Dizer que o povo comprou carro devido a redução de IPI, é não entender nada de mercado, houve a redução de IPI, mas os carros não diminuiram quase nada de preço, as montadoras antes das reduções de IPI estavam dando bônus de descontos, após, suspenderam.
Quanto aos juros, eram exorbitantes, mas mesmo assim o povo comprava, a única mudança efetiva foi que o povo passou a comprar em maior escala veículos montados no mercosul devido a majoração do imposto sobre veículos importados.
A vontade, o desejo reprimido, quando surgiu a condição financeira em função do aumento do poder aquisitivo do povo, este povo satisfez o seu desejo e comprou um carro.

demetrius

Quem aqui largaria o carro em casa amanhã e iria de ônibus? Sem desculpinha? Ninguém! Poucos! Amanhã, 7h todo mundo pisando firme no acelerador, abençoando o pouco oxigênio que resta no ar.

Então, tá tudo certo.

Abraços amigos.

bento

BINGO…

ou

GOLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLL…

Já não era sem tempo alguém vir e explicar a plebe ignara as razões de muitas coisas…

Todos somos os produtos de nossas escolhas…

Paguemos o preço…ou será nós pobres mortais da plebe ignara que pagaremos?

José X.

Black bloc ? Que é que tem o Blak Bloc a ver com a história ? Ah seu Fernando, dá um tempo.

Quanto ao articulista, não adianta o Azenha defender: é mais um criticando a política de governo do PT. Pois é, quando esse pessoal estiver no governo eles vão poder (tentar) implementar sua própria política. Vamos ver o que é que conseguirão fazer. 2014 tá próximo. Podem pregar à vontade nas próximas eleições, para eleger uma alternativa à Dilma…

victor paoleschi

Defendo medidas protecionistas sim.

victor paoleschi

Vá me dizer que vocês defendem o “Mais Médicos”. Aposto que se fosse estadunidenses a serem contratados vocês esperneariam.

victor paoleschi

Só não entendo o porquê da Dilma não dar explicações ao povo brasileiro sobre tomada de decisão de assunto ão importante e estratégico para o país……será que ela é autoritária?

    rui

    Será que não é porque é estratégico? Como o nome diz, estratégia não pode ser discutida com o país inteiro, apenas com que entende e a portas fechadas, senão deixaria de ser estratégico.

Guanabara

Pensei parecido com o Tião Macalé (sic). Na verdade, observei as ruas outro dia, e vi o quanto a indústria automobilística afeta a economia. A maioria das pessoas, quando pensa nesse assunto, lembra do ABC paulista, fábricas, autopeças e combustível. Mas vai além! Só aqui onde moro, a quantidade de pequenas oficinas mecânicas, serviços de limpeza de carros, estacionamentos privados… em caso de fortalecimento do transporte público, seriam afetados.

Não, eu não defendo a opção pelo automóvel como solução à mobilidade urbana. Mas um programa de transição da saída do transporte individual por automóvel para o transporte público coletivo tem que levar em conta o impacto econômico em toda a sua cadeia.

    killimanjaro

    exploração! dono de lava rápido paga salário de escravo para funcionário…

    os donos de postos de gasolina são os mesmos, um empresario chega a ter mais de 20 postos de gasolina… Gera emprego o que?

    Gera mortes, mortes no transito são a maior causa de morte de jovens no Brasil.

    Indústria automobilística só gera atropelamentos

    tiago carneiro

    Eita! Pensamento da profundidade de um pires.

    Onde um país desenvolvido é baseado nos automóveis, meu camarada?

Tiao Macalé

Para o nobre jornalista, bom seria se o setor automotivo, COM A MAIOR CADEIA DA EMPREGADOS DA INDÚSTRIA, mantivesse números pífios de crescimento e consequentemente, números altos de desemprego.

O Banco Santander, lucrou este ano R$ 5 bilhões de reias e continua demitindo.

Se o governo não incentiva o mercado…quem o fará ?

Espera que BONDOSAMENTE o empresariado tenha pena do trabalhador e comece a contratar mais ?

Vá ler Adam Smith, Jean-Baptiste Say, Thomas Malthus, David Ricardo, John Stuart Mill, Johann Heinrich von Thünen e Anne Robert Jacques Turgot…e ver que as teorias deles de “equilíbrio do mercado” estavam TODAS erradas !!!

O problema não é o excesso de carros e sim a falta de transporte público !!!

Se o transporte público fosse decente, mesmo com os grandes incentivos, a procura por carros não seria essa loucura que é.

Mas sobre os roubos no metrô de São Paulo e o arquivamento, CRIMINOSO, das investigações pelo MPF de SP nenhuma palavra, né ?!?

Deixa quieto…jornalista de SP…falando mal de governo paulista…rs
Nunca!!!

Hipocritas!!!

    Alex Back

    E se…

    E se o Lula tivesse implantado um programa governamental massivo de compra de ônibus ao invés de incentivar o endividamento da população para comprar carros de qualidade medíocre ao dobro do preço mais 100% a título de juros?

    E se o Lula tivesse deixado de lado esse programa populista de lado e se comportasse como o Estadista que julga ser?

    E se a Dilma não fosse tão entreguista quanto FHC? “Ah, mas não entregou nada, daqui a 30 anos volta tudo a ser nosso” – alguém irá me responder. É, quero ver quem vai sair pelo mundo engarrafando de volta a fumaça do petróleo queimado.

    E se o Brasil um dia tiver um programa realmente comprometido com a soberania e independência?

    E se…

    Tiao Macalé

    Prezado Alex Black Bloc

    Se minha avó tivesse bigode eu teria dois avôs.
    “E se”…não existe!!!

    O transporte público municipal é de competência dos prefeitos!!!
    Isso está na constituição…Aliás, quantas vezes você já leu a constituição ?!?
    Em 99% dos municípios o transporte público municipal é feito por concessionárias.

    Você queria que o Lula implantasse um programa governamental massivo de compra de ônibus…Quem iria comprar os ônibus cara-pálida ?

    Os prefeitos ? Pra quê…se o transporte foi concedido aos empresários ?!?
    Os empresários ? Pra quê…se nenhum prefeito cobra deles melhorias da frota ?!?

    Lula fez o certo…aliás, ele fez o que estava ao alcance dele.
    Gerou empregos e renda em um setor fundamental da indústria. Setor esse que movimenta uma cadeia gigante de clientes e fornecedores.

    O outro setor de igual potencial é a construção civil…por isso o Minha Casa Minha Vida e o PAC também são fundamentais para o pais.

    Ninguém fala, mas as manifestações que a princípio pareciam ser contra o governo federal, estão demonstrando a tempos, a sua real cara: a insatisfação da sociedade com os seus governos locais.

    A briga por um transporte de melhor qualidade tem que ser feita e está sendo feita, corretamente, nas portas das prefeituras e câmaras municipais.

    Eu não concordo com a quebradeira e a depredação, porem, sou totalmente a favor da insistência da população em demonstrar que prefeitos e vereadores são CÚMPLICES do descaso com o transporte público… sim, isso eu sou a favor!!!

    Esse discursinho seu comprado baratinho da Veja, em uma banca ali da esquina, de que o Lula foi “populista e não estadista”, não se sustenta 5 segundos, em uma discussão séria.

    Quanto as sua detrações à Dilma..nem vale a pena comentar…eu não discuto mais com quem assiste e acredita na prosopopeia da Rede Globo.

    A única coisa que eu tenho que dizer é…

    E se você fosse estudar ao invés de ficar falando bobagens.

    E se…

    Luiz Carlos Azenha

    Tião, sua agressividade — “estudar ao invés de ficar falando bobagens” — é completamente gratuita. Apenas rebaixa a qualidade do seu comentário. abs

    tiago carneiro

    Isso, o Tião não passa de autoritário e, pelo visto, com o ego maior que sua altura, pra não dizer outra coisa.

    “Lula fez o certo…aliás, ele fez o que estava ao alcance dele.
    Gerou empregos e renda em um setor fundamental da indústria. Setor esse que movimenta uma cadeia gigante de clientes e fornecedores. ”

    Lula, nesse caso, só fez agradar os patrões, só isso. Poderia SIM ter feito algo pelo transporte público, alguma requalificação dos funcionários das fábricas, o que seja. Até quando as cidades aguentarão mais carros? Me diga ai?

    Creio que o Tião fica de mimimimimiimimim com os que não pensam como ele, mas se diz progressista, de esquerda, etc. Aprenda a debater.

    victor paoleschi

    É verdade né Tião, o dono da Volks, Mercedes, GM, Ford e etc pensaram nos empregos que eles iriram criar né,,,aham

    Tiao Macalé

    Meu caro,

    Realmente o analfabetismo funcional é um problema no Brasil…rs

    Eu disse que o governo brasileiro TEM SIM que fomentar a industrial automotiva.
    Não só essa indústria, mas todas que forem fundamentais na geração de emprego e renda.

    Dados de 2010:

    -Faturamento do segmento R$ 200 bilhões (5% do PIB total e 23% do PIB industrial)

    -Pagamento de tributos (ICMS, IPI, PIS e Cofins) de R$ 52 bilhões.

    -Produção local diversificada: veículos leves, veículos comerciais, máquinas agrícolas e rodoviárias e autopeças.

    -Geração de 1,4 milhão de empregos (diretos e indiretos).

    -O Brasil é o sétimo maior produtor mundial de veículos e se destaca pelo uso de biocombustíveis em larga escala.

    No Brasil estão instaladas 19 empresas montadoras de veículos, com 40 fábricas localizadas em 8 Estados da Federação.

    Para você um setor desse tamanho não tem importância ?!?

    Tem gente que faz a crítica pela crítica…rs

    Ohhh Azenha…melhoras esses meninos aí…

    Tô falando que esse site tá virando site do DEM, PSOL, PSTU…

    Essa direita adora falar pelo cotovelos…rs

    Luiz Carlos Azenha

    É uma pena você ofender o Safatle, que não pertence a nenhum dos partidos mencionados por você. E assim cresce o número de antipetistas…

    tiago carneiro

    Sou PT desde pequenininho e concordo com o texto. E ai, Tião?

    victor paoleschi

    E até parece que não há demissão no setor automobilístico

José Neto

Disseste muito bem, a verdadeira privatização que é a tucana, é ad eternum, não volta nunca mais para o povo.

    tiago carneiro

    Privatização da Dilma é outros 500.

    Ela sucateia, azeita e entrega a preços módicos, faz demissões em massa, dá para a iniciativa privada por 200 anos, mas não é privatizaçao.

    Dá-lhe FHC de saias!

m.a.p

Prezado jornalista
Muito interessante a análise, porém prasefraseando o Mané Garrincha , falta combinar com os “russos”, isto é com a forças políticas que a induziram a tomar as medidas econômicas que tomou.
Ou será que o Wladimir pensa que a CUT apoiaria um desemprego em massa no setor .

    Luiz Carlos Azenha

    m.a.p, é o Fernando, pai do Wladimir. abs

Marcos K

Mesmo sendo eleitor do PT sou forçado a concordar com grande parte do que o Safatle escreveu: a política econômica petista está saturada de erros e contradições. Se insisto em votar na Dilma é porque tenho a convicção de que as alternativas oferecidas são ainda piores do que temos aí e porque apóio as políticas de transferência de renda. Mas não deixo de ver o futuro com preocupação.

    tiago carneiro

    Tenho a mesma opinião.

    Eunice

    Minha dúvida é… até quando votar no menos pior?

    E não se vê nadinha de administrar outras contas. É uma submissão total aos caprichos do Judiciário e outros órgãos e salários altos. Dilma ainda vai tropeçar nas contas. Não há nem promessa de divisão de renda.
    Não há cobrança ao Congresso sobre a não-reforma política. Nem sombra de projeto de lei para taxar as grandes fortunas e etc e etc e etc.Se Dilma usasse um pouco dessa força contra o Congresso seria bom.

tiago carneiro

Lindo artigo!

Gostaria que nossa presidenta saísse do Twitter e desse uma lidinha no viomundo =)

nina rita

Wadimir Safatle deveria saber que a Petrobrás já foi privatizada antes, calcula-se que o governo detenha apenas em torno de 30% da empresa, o resto são capitais privados. Lula conseguiu salvar esse pouco. Depois, que os custos de extração de petróleo submarino é elevadíssimo, que demandaria também know how e levaria muito tempo para render algo. Muito me admira sua postura, nivelando este consórcio, bem interessante com chineses, do ponto de vista geopolítico, com as privatizações, que na verdade foram privatarias. Será que ele não leu Privataria Tucana ?

    nina rita

    Desculpe, agora vi que era Fernando Safatle e não Wladimir Safatle, espero que Wladimir não pense como Fernando.

Deixe seu comentário

Leia também