VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Contarato fuzila ministro sobre cloroquina: Ciência não se faz em consultório médico; veja a intervenção do senador
Reprodução
Política

Contarato fuzila ministro sobre cloroquina: Ciência não se faz em consultório médico; veja a intervenção do senador


06/05/2021 - 20h28

Da Redação

O senador Fabiano Contarato fez uma das sustentações mais argutas do dia na CPI da Covid.

O capixaba disse ao ministro Marcelo Queiroga, que é cardiologista, que existe uma diferença entre os médicos e os cientistas e que àqueles não cabe fazer Ciência no consultório.

Ele estava se referindo à defesa feita pelo ministro, ao longo do dia, de que os médicos deveriam ter liberdade para receitar cloroquina e ivermectina.

A senadora Zenaide Maia (PROS-RN) apoiou a fala de Contarato.

Segundo ela, o governo Bolsonaro promoveu os dois remédios e produziu em parte da população a falsa sensação de segurança em relação às aglomerações e ao uso de máscaras.

Para a senadora, há na CPI uma tentativa dos governistas de validar o uso do chamado “tratamento preventivo” com o “kit covid” para evitar que sejam futuramente responsabilizados tanto os médicos que receitaram as drogas quanto os governantes que gastaram dinheiro público com remédios ineficazes.

Segundo o painel do Conass, hoje foram registradas 2.550 mortes por covid no país, que atingiu um total de 416.949 óbitos.

Contarato, por sua vez, defendeu que o general Eduardo Pazuello seja alvo de condução coercitiva se continuar tentando evitar seu depoimento à CPI.

Nos bastidores de Brasília, a boataria é de que Pazuello considera pedir um habeas corpus para não depor.

Hoje, o general recebeu a visita do chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, num hotel de Brasília.

Contarato defendeu, também, que seja quebrado o sigilo bancário e fiscal do ministro Queiroga, depois que foi divulgado que um hospital pertencente à família dele, que estava desativado, recebeu investimento público do governo da Paraíba para atender pacientes de covid e agora está à venda.

O Hospital Santa Paula, de João Pessoa, recebeu R$ 2,5 milhões do governo estadual para uma reforma. O ministro Queiroga disse que não tem ligação com o hospital, mas sim o sogro dele.

Durante a sessão, o relator da CPI, Renan Calheiros, rebateu Jair Bolsonaro, que numa live de hoje disse que logo o filho do senador, Renan Filho, governador de Alagoas, será investigado e desmascarado.

Renan disse que não foi seu filho, mas a pandemia que está matando brasileiros.





4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

marcio gaúcho

07 de maio de 2021 às 15h13

Depois da CPI da Pandemia, esperamos que seja instalada a CPI dos Médicos em relação à Covid-19 e que sejam processados por crime de morte TODOS os profissionais que se deixaram levar por essa tolice da hidroxicloroquina e ivermectina, cassando-lhes os diplomas, pois médicos sérios e competentes não o são. Ignorância e charlatanismo tem limites.

Responder

Zé Maria

06 de maio de 2021 às 23h10

O Queidroga é um Cínico Enrolão.

Responder

Guilherme Lucas

06 de maio de 2021 às 22h43

Responder

Henrique Martins

06 de maio de 2021 às 21h08

https://www.brasil247.com/brasil/presidente-da-oab-diz-que-eleicoes-de-2022-serao-garantidas-quer-bolsonaro-queira-ou-nao

Não só vai ter eleição como ele não estará nela. Deixem esse homem delirar a vontade. Com loucos não se discute.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding