VIOMUNDO

Diário da Resistência


Política

Em Porto Alegre, manifestantes vão às ruas contra corte de árvores


24/05/2013 - 09h46

Manifestantes voltaram a percorrer as ruas de Porto Alegre após a marcha de segunda-feira. Mesmo depois da decisão judicial que permite o corte de 115 árvores no Gasômetro, a mobilização permanece | Foto: Ramiro Furquim/Sul21

por Iuri Müller e Ramiro Furquim, no Sul 21, sugestão de Eugênio Neves

Mais uma vez, manifestantes marcharam nas ruas de Porto Alegre para protestar contra o corte de árvores próximas à Usina do Gasômetro, medida permitida pela Justiça gaúcha na última semana. Na noite desta quinta-feira (23), em torno de trezentas pessoas – entre estudantes, ativistas ambientais e trabalhadores – se reuniram em frente à Prefeitura municipal e rumaram em direção ao acampamento que, há mais de um mês, permanece na Avenida João Goulart.

Os manifestantes iniciaram a movimentação por volta das 18 horas, quando novos cartazes começaram a ser pintados no chão da Praça Montevidéu. Na última segunda-feira (21), foi realizada a primeira marcha depois que, na semana passada, a Justiça gaúcha decidiu de forma unânime pela liberação do corte de 115 árvores na Avenida Beira-Rio – via que passará por reformas em função da realização da Copa do Mundo de futebol. Desde então, a Prefeitura pode iniciar a remoção a qualquer momento, ao passo que os acampados prometem continuar no local.

Ambientalistas com bandeiras verdes se juntaram a crianças com rostos pintados, que por sua vez caminharam ao lado de vereadores, professores e secundaristas. Através de gritos e cartazes, apontavam a voz e as letras para o prédio do Paço Municipal. Pediam o recuo do projeto, a atenção da Prefeitura para as bicicletas e as ciclovias, questionavam o recurso financeiro utilizado para as obras da Copa do Mundo e, como na outra noite, pediam por “mais amor e menos motores”.

Presente na manifestação, o poeta Diego Grando opinou que “o movimento nas cidades, nos bairros, é ideal para as pessoas serem tocadas por questões como o transporte, o meio ambiente. Por vezes os assuntos a nível nacional ficam distantes, mas os locais são jogados na nossa cara quando abrirmos a porta”. O objetivo central do protesto – que unia ambientalistas a pessoas sem o mesmo histórico de militância no tema – era sem dúvida o descontentamento com o corte das árvores, mas havia questões maiores envolvidas no ato.

A vereadora Sofia Cavedon (PT), em entrevista para o Sul21, afirmou que de fato “juridicamente são difíceis as chances de reviravolta”, ainda que “possa haver um alento” relativo à atuação da promotoria do Ministério Público no caso. Para Sofia, o movimento é “indiscutivelmente legítimo, até porque reuniu, além de estudantes e militantes da área, o apoio de entidades como o Instituto de Arquitetos do Brasil, por exemplo”. Para Sofia Cavedon, “não se trata apenas da remoção das árvores, mas do espaço do Gasômetro que pode servir para lazer, cultura e esporte”.

Nesta quinta-feira, foi noticiada em parte da imprensa a informação de que a Prefeitura havia desistido da negociação com os manifestantes acampados. Presentes no protesto de hoje, alguns deles comentaram que, embora representantes do poder municipal tenham de fato visitado o acampamento, não houve nada parecido com uma negociação formal. Entre os pontos passíveis de negociação, estaria a permanência de cerca de vinte árvores na região próxima ao Gasômetro – o que gerou o questionamento sobre a necessidade de figurarem no projeto inicial, se não precisam invariavelmente ser removidas.

Após permanecerem por cerca de uma hora e meia na Praça Montevidéu, os manifestantes seguiram pela Rua da Praia até o Gasômetro. No acampamento às escuras, fez-se uma breve discussão em volta de uma fogueira improvisada. Ali, se decidiu pela realização de outra marcha, na próxima segunda-feira (27), e pela continuidade da resistência – que, aliás, não arrefeceu após a decisão unânime do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. Indiferentes à resolução judicial, o movimento aposta na presença forte nas ruas para reverter o quadro e manter as árvores de pé.

Leia também:

Governo Perillo usa recursos públicos para processar críticos





6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

"Desencanto profundo, genuíno e potencialmente violento" - Viomundo - O que você não vê na mídia

14 de junho de 2013 às 23h30

[…] Gaúchos vão às ruas contra corte de árvores […]

Responder

POAemMovimento

25 de maio de 2013 às 01h28

Inteligências de além mar chegaram à conclusão de que obras viárias não resolvem problemas nas grandes cidades e investem em transporte coletivo e impedem a circulação no centro das grandes cidades(temos um rio navegável e o transporte de passageiros é ínfimo). Não há como colocar mais carros no centro de Porto Alegre, a rótula vai propiciar mais carros no centro histórico. O inteligente, seria melhorar mais a saída que a entrada de carros no centro. Aquelas árvores fazem uma barreira anti partículas desprendidas pelos carros no centro, amortecem ruídos e estão incorporada a paisagem. Os coqueiros em frente da prefeitura são da califórnia, os da Getúlio, João pessoa e Osvaldo incorporados a paisagem também. E a questão do Parque, apoiado na sua idealização pelo próprio prefeito, quando Vice-Prefeito. Existe soluções de engenharia capazes de resolver o problema. Mas, a solução do governo é a motosserra. Somos solidários com os que lutam contra o desmatamento predatório em qualquer ponto do país, e lamentamos. Bem como, a fragilização do ambiente natural, frente o Novo Código Florestal, que trata de agricultura, urbanismo e desprotegem as árvores e florestas dentro e fora das cidades, onde não existem pessoas interessadas e suficientes para se opor a agressões violentas que interferem no ambiente ecologicamente qualificado.

Responder

Eugênio

25 de maio de 2013 às 01h10

Julio Silveira, tu poderias ser mais original na tua crítica, pois aqui só repetes o discursinho fuleiro da RBS. Parece até que tu copiou e colou o editorial do pasquim que eles publicam ou as baboseiras que o lasier regurgita diariamente.
Já que falastes em “inteligências rasas”, teus “argumentos” tem a profundidade de um pires. Tu só podes considerar uma espécie invasora quando ela ocupa um ecossistema nativo. Como naquele área já não existe mais vegetação natural a pelo menos cem anos, teu argumento é totalmente infundado.
O que está por trás de tudo isso e é o que não dizes, é uma mentalidade predatória que avança sobre o espaço público, no caso um parque, a fim de satisfazer interesses privados tacanhos, como alargar uma via para corrida de fórmula indy, que o prefeito oportunista inventou para promover-se como administrador que não é. E sobre credibilidade, esqueceste de dizer que a RBS, grande propagandista das benesses da copa, tem interesse direto nessas obras predatórias porque é proprietária de uma empreiteira.

Responder

Cesar Cardia

25 de maio de 2013 às 00h48

Não é “babaquice”, Julio.
É responsabilidade. Responsabilidade com o futuro da cidade. Cortar árvores, cada árvore de grande porte filtra carbono de 100 carros/dia, para colocar mais carros no Centro histórico da cidade beira a insanidade.
Além do que é contrário ao Plano Diretor da cidade que gravou no local a criação do Parque do Gasômetro, unindo duas praças e a área da Usina do Gasômetro, com o rebaixamento da Av. João Goulart.
O fato de não serem nativas do estado e merecem ser cortadas, sim, aí é uma baita babaquice originária da Prefeitura de Porto Alegre. Só para teu conhecimento: a Rua Gonçalo de Carvalho, em Porto Alegre, conhecida no exterior como a “rua mais bonita do mundo”, pelo Túnel Verde e pela LUTA dos moradores para evitarem parte das árvores, é composto básicamente de Tipuanas! As mesmas árvores que a prefeitura alega serem “exóticas”, logo passíveis de corte. Mas A Gonçalo de Carvalho foi a primeira via urbana na América Latina declarada Patrimônio Histórico, Cultural, Ecológico e AMBIENTAL. E isso foi declarado pela mesma Prefeitura.
Como explicar isso?

Responder

Marcelo de Matos

24 de maio de 2013 às 11h16

Derrubada de árvores muito mais grave está ocorrendo na fronteira entre os estados do Acre, Amazonas e Rondônia. Não consegui o vídeo da Band, mas, aí está a notícia.
http://noticias.band.uol.com.br/cidades/noticia/?id=100000436286 Um líder camponês foi morto e vários outros estão sob proteção. No Pará, também, os madeireiros estão matando.

Responder

Julio Silveira

24 de maio de 2013 às 10h08

Francamente, eu que resido em Porto acho uma tremenda babaquice esse postura contra o corte dessas arvores. Cortar arvores em uma cidade que cresce, numa capital, em pontos necessários a evolução urbana não tem como ser evitado. E para isso existem salvaguardas como plantio de muitas outras mais para compensar a retirada. Essas arvores em questão sequer são arvores nativas, são arvores consideradas espécie invasora, que foram plantadas após o aterro sobre o Guaiba que gerou a área, que sequer existia no passado. Acho que ter o espirito em consonância com a ecologia, nestes dias de hoje, necessário, mas há que ter bom senso com a causa, sob pena de se perder a credibilidade e passar a ser visto como desses desajustados que esquecem a inteligência na hora de aparecer, provocando consequências na cidade pelas suas inconsequências,e que encontram, infelizmente, muitos seguidores hoje em dia neste nosso Brasil pródigo em inteligências raras.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding