VIOMUNDO

Diário da Resistência


Dilma (ouviu Gerson?) se solidariza com família de vítima da PM paulista
Política

Dilma (ouviu Gerson?) se solidariza com família de vítima da PM paulista


29/10/2013 - 13h11

Terça-feira, 29 de outubro de 2013 às 12:13

Dilma presta solidariedade à família de Douglas Rodrigues

do blog do Planalto

A presidenta Dilma Rousseff prestou solidariedade à família de Douglas Rodrigues. O jovem foi morto por um policial militar no domingo (27) em São Paulo. Em sua conta no Twitter, a presidenta disse ter recebido com tristeza a notícia da morte de Douglas.

“Foi com tristeza que soube da morte do jovem Douglas Rodrigues, de apenas 17 anos, na zona Norte de SP. Nessa hora de dor, presto minha solidariedade a sua família e amigos. Assim como Douglas, milhares de outros jovens negros da periferia são vitimas cotidianas da violência. A violência contra a periferia é a manifestação mais forte da desigualdade no Brasil”, disse.

******

Logo após postarmos essa notícia, soubemos que Gerson Carneiro enviou  para o twitter de Dilma o artigo que  postou no Viomundo, criticando a seletividade da sua solidariedade. Pelo twitter, Gerson também cobrou da presidenta manifestação de solidariedade ao garoto Douglas. Cerca de meia hora depois, o perfil de Dilma se solidarizou com a família do jovem assassinado por um PM.

Abaixo, comentário postado por Gerson, aqui, às 15h43:

Não vou dizer que foi exclusivamente a cobrança que fiz diretamente ao perfil da Presidenta Dilma no twitter que a fez, meia hora depois, manifestar solidariedade à família do garoto Douglas Rodrigues mas, posso dizer que também foi. Tanto que a Ministra Maria do Rosário, pelo twitter, me respondeu no exato momento em que a Presidenta tuitava.

A partir do post publicado aqui no Viomundo, denunciando a seletividade da solidariedade da Presidenta, eu e mais alguns internautas cobramos, pelo twitter e pelo facebook, posicionamento da Presidenta no sentido de prestar solidariedade à família do Douglas Rodrigues, já que havia prestado solidariedade ao Coronel dentro do contexto especificado no post “A solidariedade seletiva da presidenta Dilma”.

E ainda, disse eu à Presidenta, após manifestação dela no twitter a que se refere o presente post: faltou textualmente, expressamente, nominar a autoria do crime que vitimou o Douglas Rodrigues.

Alguém dirá “isso não é assunto da alçada da Presidenta”.

Oras, mas por que, quando o fez, prestou solidariedade apenas em favor do Coronel Reynaldo Simões Rossi?

Que permanecesse calada. Puxou a responsabilidade para si e puxou errado. Deveria ter ficado calada e não ter tirado a criança do colo do Alckmin.

Foi patético. Dilma, Maria do Rosário, Geraldo Alckmin e José Serra em coro, prestando solidariedade ao Coronel, que estava em situação de conflito, é preparado para isso, e estava lá para bater. Se estava lá para bater, deveria contar com a possibilidade de apanhar. Óbvio, se algo desse errado. E deu.

Em nenhum momento anterior os quatro, expressamente, prestaram solidariedade alguma a vítimas de policiais truculentos que perderam a visão, que foram espancados, que morreram.

Política se faz assim. A mim não basta ser representado. Tem que ter participação ativa. Como disse, patrulhar é meu dever de eleitor, sim. Se eu não puder cobrar ação positiva de quem eu votei, não fará sentido votar.

Não me sai da mente a imagem dos policiais da Favela Naval que pediam o documentos das pessoas, rasgavam e jogavam fora, e depois espancavam as pessoas.

Nenhuma autoridade saiu publicamente em defesa daquelas pessoas. Nenhuma. Mas quando um PM apanha, em situação diversa do que aconteceu na Favela Naval, em situação normal para o que é preparado, todos saem exclusivamente em solidariedade ao PM. Está errada essa seletividade. É preciso nominar, denunciar e prestar solidariedade às vítimas da violência policial. Não se combate violência, camuflando a violência praticada por um dos lados.

No enterro do garoto Douglas Rodrigues, na tarde de segunda-feira, compareceram mais de 300 pessoas. O povo estava lá. Era obrigação da Presidenta se manifestar. Ainda bem que o fez. Em que pese ter sido de forma genérica ao tratar do termo violência.

A violência policial contra a periferia é a manifestação mais forte da opressão no Brasil.

Leia também:

Gerson Carneiro: A solidariedade seletiva da presidenta Dilma

PS do Viomundo: É uma história recorrente, vejam o vídeo abaixo.

Morte na Brasilândia from Luiz Carlos Azenha on Vimeo.

28 de Outubro de 2013•19h19 • atualizado às 21h07

Protesto contra morte de jovem bloqueia Fernão Dias na zona norte de SP

do Terra

Caminhões são saqueados, invadidos e incendiados na rodovia

Um protesto de moradores de Jaçanã, na zona norte de São Paulo, provocou a interdição da rodovia Fernão Dias em ambos os sentidos na noite desta segunda-feira. Segundo a Autopista, concessionária que administra a rodovia, o bloqueio começou às 19h, na altura do km 86. Por volta das 20h50, a pista sentido São Paulo foi liberada para o tráfego de veículos.

Dois caminhões foram incendiados durante o protesto e outros veículos foram saqueados, conforme imagens da GloboNews. Este é o segundo dia de protestos na região contra a morte de um jovem alvejado por um policial militar da Vila Medeiros, no domingo.

De acordo com a Polícia Militar, várias viaturas da PM e do Corpo de Bombeiros foram enviadas ao local, mas não estão conseguindo se aproximar da rodovia devido a bloqueios feito por manifestantes dentro do próprio bairro. Segundo a corporação, lojas de Jaçanã estão sendo saqueadas, e vias, interditadas com a queima de entulhos. Pelo menos dois ônibus foram incendiados pelos manifestantes, segundo a TV Record.

O protesto, conforme a PM, começou depois do enterro do jovem. Pelo menos quatro ônibus lotados levaram familiares e amigos ao velório. No entanto, segundo a corporação, a manifestação no Jaçanã foi iniciada por outro grupo, que não compareceu ao sepultamento.

Devido ao bloqueio, por volta das 20h50 havia lentidão do km 80 ao 86, na pista sentido São Paulo. No sentido contrário, os motoristas enfrentam filas do km 90 ao km 86. Equipes da concessionária e a Polícia Rodoviária Federal (PRF) estão no local para tentar a liberação total da via.

 Jovem é morto por PM

De acordo com a Polícia Militar, na tarde do domingo vários policiais foram ao bairro Jaçanã para atender um incidente, quando, após tentar revistar dois suspeitos, houve um “disparo acidental” que atingiu o adolescente Douglas no tórax, por volta das 14h30. O jovem foi socorrido e levado ao Hospital Jaçanã, onde morreu, e o PM responsável pelo disparo, Luciano Pinheiro Bispo, 31 anos, foi preso “acusado de flagrante delito por homicídio culposo”.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP-SP), testemunhas afirmaram na delegacia que o tiro pareceu acidental, já que apenas um disparo foi feito. A arma do PM foi apreendida e a perícia realizada no local. O policial foi encaminhado ao presídio militar Romão Gomes.

O caso foi registrado no 73º Distrito Policial (Jaçanã), mas encaminhado ao 39 DP (Vila Gustavo), onde será investigado.





87 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Denúncia na USP: Alunos torturados para confessar que estavam na reitoria - Viomundo - O que você não vê na mídia

12 de novembro de 2013 às 20h30

[…] Dilma (ouviu Gerson?) se solidariza com família de vítima da PM paulista […]

Responder

Coronel da PM: Violência policial tem de parar; desmilitarização já passou da hora - Viomundo - O que você não vê na mídia

10 de novembro de 2013 às 20h09

[…] Dilma (ouviu Gerson?) se solidariza com família de vítima da PM paulista […]

Responder

Adalberto

02 de novembro de 2013 às 22h07

É lamentável e triste o ocorrido , com toda certeza , mas não se pode JAMAIS usar politicamente a morte de cidadãos para ganhar dividendos políticos junto as comunidades carentes , pois isso é o maior de todos os absurdos ! É imoralidade total !

Querem Polícia de primeiro mundo pagando salários de quinto mundo , o mínimo que esta presidenta imoral podia fazer é aprovar o projeto da PEC300 e remunerar dignamente os servidores da segurança pública e o que ela e a bancada do partido dela o fazem ?

Vetam o projeto provando total descompromisso para com a segurança pública !

Responder

Jorge Portugal

30 de outubro de 2013 às 11h54

O garoto morreu! Diz o PM que tiro acidental. E o estatuto do menor e adolescente o que diz? A policia fode sair por ai apontando arma para criança? A arma disparou, não estava travada? O estatuto do menor e adolescente só serve para o filho a Cissa Guimarães e muitos outros de classe média, para filho de podre, só quando estão na cadeia.

Responder

Jorge Portugal

30 de outubro de 2013 às 11h46

Querer uma policia eficiente é impossível, mesmo que o salário seja muito alto! É o mesmo que querer uma partida de futebol sem um erro do juiz. A policia brasileira, principalmente a PM, seus soldados também vem das periferias e da desigualdade, a diferença, é, quando eles tomam um gostinho da superioridade contra seus demais, acham que podem tudo. O PM quando deixa de morar na periferia ele sai com ódio, e deixa de ter amigos, aqueles de infância não servem mais. Eu tenho muios amigos policiais, e muito já morreram, uma coisa que sempre ouvi desses soldados e policiais civis é, “depois que entramos para policia só temos inimigos”. Essa mentalidade é que tem que acabar.

Responder

Mardones

30 de outubro de 2013 às 11h39

O silêncio e o seu grande valor. Muita gente precisa dessa prática. Agora, a Dilma vai pensar mais um pouco antes de tuitar. rs rs rs.

Mandou bem, Gerson.

Responder

Renato Nucci Jr.

30 de outubro de 2013 às 09h39

Declaração da Dilma em solidariedade à família do jovem morto é vazia. Não culpa a PM paulista pelo acontecimento, rotineiro nas cidades paulistas, e coloca difusamente toda a culpa pela violência contra a juventude brasileira na desigualdade social. É bom lembrar que nas manifestações de junho, o ministro da (in)Justiça, José Eduardo Cardozo, chegou a oferecer aos estados com dificuldade em reprimir os protestos os préstimos da Força Nacional de Segurança. Pelos (des)caminhos tomados desde 2002, aliar-se com frações burguesas e seus políticos bandidos e corruptos em nome da governabilidade, os mandatos petistas vão perdendo seu verniz progressista e apostando na violência policial como forma de resolver os graves problemas sociais brasileiros. Basta ver como o “democrático” Tarso Genro, governador do Rio Grande do Sul, tem tratado as manifestações populares: botando a Brigada Militar para bater geral e utilizando o judiciário gaúcho para invadir sedes de organizações populares.

Responder

Pedro P.

30 de outubro de 2013 às 02h52

Interessante como ela fala do Douglas como vítima de uma violência genérica, ocultando a PM como instituição responsável por boa parte dessa violência cotidiana contra a periferia. Se o governo Dilma acha que vai poder continuar ignorando a questão da desmilitarização da polícia, está muito enganado.

Responder

FrancoAtirador

30 de outubro de 2013 às 00h24

.
.
O Gerson é fora de série.
.
.
Mas como a ‘Desigualdade Social’

têm provocado ‘Disparos Acidentais’

nas Armas em Mãos de Militares

contra Civis indefesos nas Capitais…
.
.

Responder

renato

30 de outubro de 2013 às 00h00

Só espero que não tenhamos mais um jovem levando um tiro de policia, nem um policia apanhando da multidão.
Senão teriamos que eleger um Presidente só para pedir desculpas.

Responder

    Gerson Carneiro

    30 de outubro de 2013 às 11h38

    Antes mesmo de você postar esse comentário já havia em São Paulo ao menos mais um jovem morto pela polícia: o Jean.

M Cruz

29 de outubro de 2013 às 23h37

Tanta celeuma se faz em torno de quem uma autoridade pode expor apoio ou não, enquanto isso um debate nacional sobre a PEC 51, que trata da reorganização das polícias, está lá esperando no congresso.

Responder

Igor Tkaczenko

29 de outubro de 2013 às 22h54

Pois é, as generalizações … confesso, também as faço, sei que nem toda PM é PM, mas quando penso em surpresas agradáveis e coisas que possam me causar comoção, uma delas surge na ideia de ações policiais competentes, de polícias bem preparadas, bem treinadas, bem pagas … já o contrário … bom, normal, né?

Responder

Jorge Portugal

29 de outubro de 2013 às 22h43

PM não gosta de pobre, porque não tem dinheiro para lhe pagar suborno!!!

Responder

Fabio Passos

29 de outubro de 2013 às 22h11

Tomara que Dilma preste cada vez mais atenção nos blogs progressistas… e menos no PiG.

Responder

Edno Lima

29 de outubro de 2013 às 21h34

Digo, agressão!

Responder

Edno Lima

29 de outubro de 2013 às 21h23

É o Tipico chato petista. Há alguns dias, em Macapá, dezoito pessoas morreram vítimas de um naufrágio durante um procissão marítima, possivelmente por omissão da capitania do portos; Dilma não se solidarizou. Não faz uma semana,ainda em Macapá, cerca de quinhentas famílias perdéeram as moradias durante um incêndio que destruíu centenas de palfitas de um área de ressaca, onde mais os mais pobres residem; novamente Dilma não se solidarizou. o MPF investiga na cidade da Bauru-SP as razões pelas quais desde 2009, 581 pessoas morreram por falta de vagas no SUS; Dilma não se solidarizou com a família de nenhuma delas. Um cachorro foi atropelado e Luíza Mel reclamou que Dilma não se solidarizou. Para cessar a seleitividade, Dilma deveria abrir mão de governar o país e dar expediente integral no twitter e olha que vai faltar tempo para tanta solidariedade. Outra brilhante conclusão do chato petista´é que o coronel estava ali preparado para bater. Pois é, um sujeito daquela idade fica numa zona de conflito passeando sozinho, vestido ostensivamente, sem colete, sem capacete, sem escudo, sem armamento não letal e não faz uso da letal de que está de posse quando passa a sofrer agreções está realmente preparadíssimo para bater! É cada um que aparece!

Responder

    Gerson Carneiro

    29 de outubro de 2013 às 22h24

    Eu, “chato”?!

    Sou o sujeito mais legal que conheço. A ponto de deixar as pessoas livres para sentirem raiva de mim.

    Você está sendo injusto comigo.

gvalenca

29 de outubro de 2013 às 20h34

Porreta, essa!
A Presidenta ser criticada por ter ouvido a blogosfera progressista? Os “blogueiros sujos”?
Em outros tempos os presidentes só ouviam os “colunistas” da mídia venal.
Apoiado, Presidenta!

Responder

Mário SF Alves

29 de outubro de 2013 às 20h12

Eu no Viomundo. Enfim, minoria outra vez; aliás, como tenho sido quase sempre.
_________________________________
Critiquem a presidenta Dilma, critiquemo-la se, e quando, for o caso, mas, que sejam críticas contextualizadas, circunstanciadas, senão, dia destes e vamos acabar atolados na mediocridade, contentando-nos em pertencer a uma outra rede, a de fofocas.

Responder

    Mário SF Alves

    29 de outubro de 2013 às 22h30

    Prezado Azenha,

    Sabe que cheguei a duvidar que este comentário viesse a ser publicado.

    ______________________________
    No mais, e aproveitando o ensejo para desculpar-me pelo pouco zelo com a gramática, agradeço.

    Sinceramente,

    Mário.
    _______________________________________________
    E viva o Viomundo. Sem pieguismo.

Marcelo Sant'Anna

29 de outubro de 2013 às 19h59

Neste espaço democrático comento que continuo confiando no governo da Presidenta Dilma.

Responder

denis dias ferreira

29 de outubro de 2013 às 19h33

Em 1992 os negros norte-amenricanos incendiaram Los Ângeles por causa da violência policial. Será que esses assassinatos praticados diariamente pela PM paulista somente cessarão quando a periferia se rebelar e incendiar a cidade de São Paulo?

Responder

    Adilson

    29 de outubro de 2013 às 20h20

    No dia em que o morro descer e não for carnaval…

    http://www.youtube.com/watch?v=mr0ZUETRnJk

    Gerson Carneiro

    29 de outubro de 2013 às 20h40

    Exatamente, Denis.

    Aquele foi o Dia de Negro bater em Branco.

    Estamos caminhando para isso. Até então só condenam a violência de um lado.

    Marcelo Yuka há muito vem dizendo: “Não adianta grade nem muro alto. No dia em que o bicho pegar, nada vai segurar”.

    Valdeci Elias

    29 de outubro de 2013 às 21h38

    O povo paulista é meio letargico. O PSDB domina ao estado a decadas, e o povo ainda não foi pra rua se revoltar.

    José Silva

    30 de outubro de 2013 às 09h16

    Infelizmente eu tenho que dizer que ainda bem que o PSDB domina e vai continuar dominando e eu torço que continue até um outro partido que não o PT possa enfrentar o PSDB em São Paulo. Porque o povo de São Paulo não merece um governante da qualidade do atual prefeito! PT é o PSDB pintado de vermelho!!!

    Jeanette

    30 de outubro de 2013 às 11h00

    Não necessariamente tenham que ir pras ruas, basta ir pras urnas e votar em outro partido.

    Gerson Carneiro

    30 de outubro de 2013 às 22h26

    José Silva,

    Se liga na parada.

    “30/10/2013 – 08h24
    Ex-funcionários da gestão Kassab são presos após investigação de Haddad”

    http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2013/10/1364225-cupula-da-administracao-kassab-e-presa-por-investigacao-iniciada-por-haddad.shtml?fb_action_ids=541156845965693&fb_action_types=og.recommends&fb_source=other_multiline&action_object_map={%22541156845965693%22%3A503940759702475}&action_type_map={%22541156845965693%22%3A%22og.recommends%22}&action_ref_map=[]

Bernardino

29 de outubro de 2013 às 19h31

o brasil esta em guerra civil BRANCA faz tempo.Temos 139 HOMICIDIOS por dia e cerca de 50 mil/ano.Nao tem que fazer media com uma vitima sÓ seja coronel seja jovem.Importa o conjunto da OBRA.Pura DEMAGOGIA politica.

Ninguem toma providencias nem governo,nem Congressso.AS POlicias militares foram destruidas pela ditadura que as usaram para bater e torturar os inimigos do REGIME.O vicio vem daí.Lá se passaram 20 anos da constituiçao e tudo continua na mesma.Nem a DIREITA,nem os esquerdinhas no poder nao tiveram peito pra fazer uma politica de segurança moderna no País.

ISSO requer CORAGEM pra enfrentar o Problema e ao que consta Pilantras e demagogos no poder vao jogando a sujeira pra debaixo do TAPETE.
Essa é a VERDADE NUA E CRUA e esses que aí estao ja mostraram que nao tem culhoes pra mexer nesse VESPEIRO chamado Segurança Publica.

BALMAN grande Sociologo Polonês define bem a situaçao:

“LIBERDADE SEM SEGURANÇA É a ANARQUIA;SEGURANÇA SEM LIBERDADE É A DITADURA”.O QUE FALta é o meio Termo de tudo ISTO.!!!

Responder

Eunice

29 de outubro de 2013 às 19h30

Esse Gerson!!!!!!

Abraço.

Responder

Apavorado por Vírus e Bactérias

29 de outubro de 2013 às 18h53

Mentira deslavada essa de disparo acidental. Não existe disparo acidental. Para haver a morte do garoto, o policial mirou e a arma estava engatilhada para ter disparado. Não é homicídio culposo, é doloso. Ou esse policial é um idiota ou assassino. Para mim é assassino. E quem disse que o disparo foi acidental pensa que somos idiotas. Tem que ser preso, julgado e condenado. A PM de São Paulo, em seu desgoverno, descontrole e despreparo, matou mais um menino da periferia. É contra isso que devemos ir em cima do Desgoverno do Chuchu, que usa a PM em benefício próprio. Para a segurança da população, para pegar bandido e traficante não existe PM. Essa polícia é caso de polícia e uma vergonha. O Chuchu é uma vergonha.

Responder

Fabio NS

29 de outubro de 2013 às 18h31

E no PT? Será que a divergência na análise da conjuntura é tão profunda que paralisou o partido, e não conseguem soltar uma notinha sequer? Sugiro aos militantes e dirigentes do PT o excelente post de Renato Rovai, lúcido. “Black blocs, o assassinato do menino Douglas e o inferno anunciado…” http://revistaforum.com.br/blogdorovai/

Espero que os mesmos que atacaram com virulência aqueles que criticavam o leilão do pré-sal não comecem a chamar Rovai de coxinha fascista…

Responder

Rejane

29 de outubro de 2013 às 18h28

Se solidarizou com a família do garoto depois de muita pressão, mas não criminalizou quem praticou a violência. Valou sobre violência mas não disse de onde veio a mesma. Já no caso do coronel ela foi bem rapidinha em desqualificar os movimentos sociais se aproveitando do argumento que criminalizava os Blacks Blocs. Mas não somos bestas, sabemos que tudo isso tem as eleições e a copa do mundo por trás. E dizer que a assessoria dela, diferente de outras de outros presidentes, pode cometer erros mas os reconhece de público, como saber disso? Ainda se está comparando 11 anos de governo do PT com governos que passaram antes dele? Ah! Me poupem.

Responder

    francisco pereira neto

    29 de outubro de 2013 às 20h26

    Alguém tem que ser culpado, mas o culpado maior, e que vocês estão se “esquecendo” e não vi ninguém se referir é o governador Alckmin, pois é a polícia dele que está praticando esses crimes. A competência da segurança pública de São Paulo é do governador.
    No auge do estado de sítio implantado em 2006 pelo PCC, mais de quinhentas pessoas inocentes foram mortas pela polícia e ninguém toca no assunto.
    Foi pior do que o massacre do Carandiru no governo Fleury com mais de 110 mortes. São exatamente cinco vezes mais.
    Aliás nos vinte anos de governo tucano em São Paulo, o PCC vem fazendo a festa a ponto de ninguém mais se lembrar do Comando Vermelho, que era o terror no RJ.
    O poder público em São Paulo praticamente inexiste desde que essa turma se apoderou do governo, principalmente na Segurança Pública.
    Conheço pessoas que estão recorrendo às forças paralelas para pedir segurança, pois deixaram de acreditar no Estado. Nem BO eles fazem mais, porque não resolve nada. E eu não estou falando da capital não. Isso é no interior numa cidade que se gaba ser umas das mais “seguras” do estado. Se esse é parâmetro, imagino como é na capital. Nos anos oitenta morei em São Paulo e não estou vendo nenhuma mudança. Na época era tão igual como agora. E já se passaram mais de trinta anos, mas vamos colocar a responsabilidade somente nos onze anos de Lula/Dilma. Ok. Acho bastante justo. Vamos isentar os vinte anos dos tucanos em São Paulo. Se existe culpado, este são os Petralhas. Vão passar mais trinta anos, e os culpados ainda serão os petralhas.
    A título de informação. Nestes últimos vinte anos eu votei nas eleições majoritária no FHC no primeiro mandato, depois nunca mais votei nele. Para o governo em São Paulo votei no “santo” Mário Covas, canonizado pelo PIG, sempre votei nele para senador, tornei a votar nele na reeleição para governador. Votei no Picolé no seu primeiro mandato depois que terminou o mandato do Covas. A partir daí nunca mais votei em tucanos. Então ninguém pode me chamar de Petralha.
    Estou exercendo o pouco que nos asseguram como democracia. Mudei os meus votos para os cargos a presidente. Está tudo maravilha? É claro que não!
    Mas não sou idiota a ponto de não ver diferenças, por mínimas que sejam.

Adilson

29 de outubro de 2013 às 18h00

A indiferença com o extermínio de jovens negros na favela é um daqueles raros momentos em que a sociedade fecha consenso.

Da extrema direita a esquerda festiva, de cima pra baixo e de tudo quanto é lado, do playboy mascarado a intelectualidade orgânica da academia , quando o assunto é direito das pessoas pobres, negras e faveladas, embora no discurso ainda vejamos diferenças, na prática, a VIDA REAL nos mostra que essas pessoas são absolutamente invisíveis e não tem com quem contar.

A presidenta emitiu a sua nota em solidariedade e é fundamental que o faça, mas é impossível não comparar a mensagem com a que foi dirigida ao coronel da pm. Na postagem sobre o coronel Dilma é firme e diz que não vai medir esforços para que esse tipo de violência cesse, o que está certa em fazer como primeira mandatária da nação. Porém, na postagem dirigida à família e aos mais chegados do menino, a presidenta evita dar nome aos bois e não toca na ferida da violência de Estado contra a população negra e favelada aqui no Brasil. Apenas diz o que tristemente já sabemos, que muitos outros jovens da periferia tb são vítimas diárias da violência , mas escolhe não ir a fundo nessa questão.

E mais, atribuir exclusivamente a desigualdade no Brasil a razão dessa verdadeira dizimação de pessoas é usar o discurso vazio e cínico típico das elites, ou então revela um total desconhecimento dessas causas. Para qualquer das opções, pelo menos nesse aspecto específico, é lamentável a postura de Dilma.

ps: Gerson te parabenizo de coração pela cobrança que fizeste.

Responder

    Gerson Carneiro

    29 de outubro de 2013 às 20h41

    Adilson,

    Estamos juntos na labuta.

    Parabéns por sua labuta aí.

    Abraço.

Mauro Assis

29 de outubro de 2013 às 17h56

Ah, se as ruas não tivessem roncado em julho… ah, se não tivesse eleição ano que vem… D Dilma simpática e solidária seria coisa da Dilma Bolada.

Responder

roberto

29 de outubro de 2013 às 17h37

E como ficam aqueles bandidos que ontem assaltaram ,roubaram, bateram e queimaram? Eram esses os amigos do falecido?
Diga-me com quem andas……….

Responder

    Eunice

    29 de outubro de 2013 às 19h33

    Desculpe,o senhor precisa relacionar mais os fatos. Assim parece que todos os criminosos são amigos e moram no mesmo bairro.

Fabio NS

29 de outubro de 2013 às 16h53

Infelizmente, a imagem que a presidenta passou foi de alguém correndo atrás do prejuízo. A “solidariedade” com a família do rapaz veio a reboque das críticas que se avolumavam nas redes sociais. Mas talvez esta seja uma diferença entre Dilma e os outros pretendentes a seu cargo: enquanto a equipe de Dilma pode, em algum momento e em alguns casos, mudar sua postura frente às pressões dos movimentos sociais, os outros só o fazem à beira do extremo, ou nem isso. Mas me pergunto: tenho que comemorar isso? Ou apenas faço cá minha Real Politik?

Responder

IGOR TKACZENKO

29 de outubro de 2013 às 16h48

Desde o início das manifestações que as polícias vêm agindo de forma antiética e imoral. Infiltrando P2 entre manifestantes com rojões e coquetéis molotov, plantando provas e todo o tipo de esparrela para justificar ações mais enérgicas contra a população que tem o pleno direito (e deve) de se manifestar.

A violência dos Black Blocs – a qual eu sempre fui contra, defendendo mesmo que nós, no movimento dos professores, deveríamos ser os maiores interessados e responsáveis diretos por pedir a paz em nossos atos de rua – veio depois das imoralidades das polícias serem denunciadas na rede, principalmente nas redes sociais. Uma vergonha patrocinada mais especificamente pela polícia culturalmente miliciana do Rio de Janeiro, e esse exemplo seguido pelos demais estados. Se há um início da “bandidagem” esse se deu pelo cunho moralmente corrupto das polícias. Basta lembrar da juíza Patrícia Acioli, morta por desmascarar a cultura criminalizante de plantação de provas e afins. A polícia sempre agiu assim contra a inocência civil por ela morta.

Esse “Neopetismo” que está aí ainda não percebeu a armadilha que está criando para si mesmo em manter esse discurso conservador e aparentemente hipócrita. Está caminhando para a dificuldade do diálogo, coisa mais peculiar aos tucanos e adjacências …

Na verdade, o que o Neopetismo está fazendo é perder a oportunidade de discutir uma demanda secular em nosso país: o debate sério e empenhado sobre a reforma das polícias, a desmilitarização e a sonhada polícia mais cívica. Evidenciar toda essa vergonha moral das polícias é criar a crise necessária visando o apoio popular suficiente para se poder “mexer no vespeiro”. FHC também perdeu essa oportunidade durante a greve das polícias em seu governo.

Assim, ao contrário disso – dessa demanda -, observamos até mesmo o exército nas ruas para garantir a venda de óleo brasileiro. Daí, o que lhe resta, ao Neopetismo, é o choro “comovente” (ênfase nas aspas)sobre coronéis agredidos e cidadãos mortos. O discuro está caindo de qualidade e a demagogia surfando no intelecto do eleitorado, principalmente na Internet e redes sociais … 2014 não será fácil.

Responder

lulipe

29 de outubro de 2013 às 16h46

Se perguntarem para Dilma qual time ela torce em SP ela vai responder, torço pelo SP, apesar de amar o Corinthians, ser fanática pelo Palmeiras e adorar o Santos…

Responder

    JULIO*Dilma2014/Contagem(MG)

    29 de outubro de 2013 às 18h10

    Nadinha disso sabichão, aqui em Minas ela torce pelo Galo, poderia ter fica
    do em cima do muro, já que a torcida do Cruzeiro é muito grande.

    Mário SF Alves

    29 de outubro de 2013 às 20h15

    Ih!

    lulipe

    29 de outubro de 2013 às 20h43

    Querer que ela fique em cima do muro na terra dela aí já seria demais, não é meu caro???

    Luís Carlos

    29 de outubro de 2013 às 22h19

    E aqui no RS onde morou desde os 20 anos ela torce pro Inter. Ela não fica em cima do muro.

wander

29 de outubro de 2013 às 16h31

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=293784004093557&set=a.167836366688322.37004.100003858796537&type=1&theater

Responder

    Ana

    29 de outubro de 2013 às 18h20

    Bravo!

Givaldo

29 de outubro de 2013 às 16h26

Lugar de policial bandido e assassino é na cadeia e ponto final.Agora, manifestar é uma coisa, saquear, agredir, destruir é outra totalmente diferente. O que fizeram ontem na Fernão Dias não tem nada de manifestação, foi crime contra a sociedade. Uma gangue de delinquentes sem propósito algum que não fosse tumultuar, saquear e provocar o caos. Mais uma vez, o criminoso fardado tem que pagar pela vida do jovem inocente que ele ceifou, mas daí, querer generalizar e colocar toda a PM na lata do lixo é complicado, pois qdo o parafuso aperta, qdo o Bandido põe a vida de um cidadão de bem em risco é para o 190 que as pessoas ligam e não p/ BB, comissões de direitos humanos, mídia ou qualquer outro grupo.

Responder

    Romão Gomes

    30 de outubro de 2013 às 11h13

    Lugar de policial bandido e assassino é na cadeia e ponto final. (…)

    Agora conta aquela do papagaio.

Bertold

29 de outubro de 2013 às 16h25

Vou na contramão. Dilma não precisou ouvir o Gerson pois sabe o que se passa Brasil a fora e tem bom senso. Foi correta quando se solidarizou com o espancamento do cel e idem quando se solidariza com à família do jovem assassinado pelo policial psicopata.

Responder

    Tales-Cunha

    29 de outubro de 2013 às 17h43

    Certíssimo o que disse o Bertold. Parece que vários dos comentaristas aqui do site esperavam que a Presidente da República falasse “Bem Feito” para o funcionário público (que no caso é um coronel da PM) e que foi muito bom que ele foi espancado (afinal é ligado ao “inimigo” o PSDB). E ainda que no seu Twitter a Presidente da República deveria chamar os policiais de SP de assassinos e que desejar solidariedade a família do rapaz é muito piegas. E que meia hora antes ou depois… Há vão comprar uma bola de cristal para tentar adivinhar o que a mandatária do país está pensando… Vocês parecem um bando de mal-amados discípulos do Serra…

    Edno Lima

    29 de outubro de 2013 às 21h30

    Correta sua análise. A presidente não precisa que os patrulheiros chatonildos de plantão, que vivem a cata de alguma notoriedade nesse mundinho da internet, lhes digam o que fazer!

Leo V

29 de outubro de 2013 às 16h14

Pois é,

Só que gente morta nos morros e periferias pela polícia é toda hora. Já coronel espancado por manifestantes é raro.

O que o episódio mostra é que ela é seletiva na solidariedade. E como ficou ruim pra ela, twitou essa ‘solidariedade’ pra disfarçar.

Mas agora ela já expôs com quem ela se preocupa mais. Não tem volta.

Responder

Marco

29 de outubro de 2013 às 16h11

Peraí!!! A Segurança Pública e suas politicas são prerrogativas do Estado.
E aqui o povo fica cobrando “manifestações” da Dilma?
E quando ela se manifesta o povo desce o pau?
E o excelentíssimo governador? Vão deixá-lo repousando tranquilamente em seu palácio?
Hoje mesmo um garoto foi morto c/ 6 tiros em Belém do Pará pela PM.
Coincidentemente o governador também é do PSDB.
Ou seja, Dilma vai ser cobrada mais uma vez…
Amanhã tem mais.

Responder

    JoãoP

    29 de outubro de 2013 às 17h24

    Eu, e acho que a maioria da população, não esperamos nada do Governador do PSDB; um
    governador que trucida os moradores de Pinheirinho para favorecer um sujeito com reputação pra lá de suspeita, que tinha um secretário de segurança que não se importa quando sua policia mata cerca de 500 pessoas em duas semanas; que depois de quase 20 anos de roubalheira nas licitações do metrô e trens, vem a público dizer que não sabia de nada…A única esperança que vejo é na eleição de 2014. Paulistas, chegou a hora de mudar!

    Brasileiro, o outro

    29 de outubro de 2013 às 19h22

    Pois é, Marco.
    A Dilma deve ser a única responsabilizada pelo mau comportamento das PMs de todos os estados, principalmente por aqueles governados (?) pelo PSDB.
    Ombros largos servem pra isso.
    E daí se as PMs são de responsabilidade do governo estadual? O que interessa se o comandante, fascista ou não, é designado pelo governador, fascista ou não?
    A culpa é da Dilma!
    E, claro, do Sapo Barbudo que a indicou.
    []’s

Hélio Pereira

29 de outubro de 2013 às 15h50

As seguidas mortes de Jovens na Periféria,onde os suspeitos sempre são PMs,demonstra que é preciso rever o conceito de Policia Militarizada.
Acho que já passou da hora de voltar a antiga Força Publica,que foi “exterminada” pelos “milicos” que deram o Golpe em 64.
Ninguém defende a violência como meio de protesto,mas sera que Protesto Pacifico resolve a Falta de segurança na Periféria de SP ?

Responder

J Fernando

29 de outubro de 2013 às 15h47

Se ela se cala, reclamam.
Se ela se manifesta, reclamam do mesmo jeito.

Muitos se esquecem que devido ao cargo ela não pode ficar comprando briga com corporações. Sem contar que foi uma ação da Polícia Militar do Estado de SÃO PAULO, sob o comando do Gov. Geraldo Alckmin.

Responder

Gerson Carneiro

29 de outubro de 2013 às 15h43

Não vou dizer que foi exclusivamente a cobrança que fiz diretamente ao perfil da Presidenta Dilma no twitter que a fez, meia hora depois, manifestar solidariedade à família do garoto Douglas Rodrigues mas, posso dizer que também foi. Tanto que a Ministra Maria do Rosário, pelo twitter, me respondeu no exato momento em que a Presidenta tuitava.

A partir do post publicado aqui no VIOMUNDO denunciando a seletividade da solidariedade da Presidenta, eu e mais alguns internautas cobramos, pelo twitter e pelo facebook, posicionamento da Presidenta no sentido de prestar solidariedade à família do Douglas Rodrigues, já que havia prestado solidariedade ao Coronel dentro do contexto especificado no post “A solidariedade seletiva da presidenta Dilma”.

E ainda, disse eu à Presidenta, após manifestação dela no twitter a que se refere o presente post: faltou textualmente, expressamente, nominar a autoria do crime que vitimou o Douglas Rodrigues.

Alguém dirá “isso não é assunto da alçada da Presidenta”.

Oras, mas por que, quando o fez, prestou solidariedade apenas em favor do Coronel Reynaldo Simões Rossi?

Que permanecesse calada. Puxou a responsabilidade para si e puxou errado. Deveria ter ficado calada e não ter tirado a criança do colo do Alckmin.

Foi patético. Dilma, Maria do Rosário, Geraldo Alckmin e José Serra em coro, prestando solidariedade ao Coronel, que estava em situação de conflito, é preparado para isso, e estava lá para bater. Se estava lá para bater, deveria contar com a possibilidade de apanhar. Óbvio, se algo desse errado. E deu.

Em nenhum momento anterior os quatro, expressamente, prestaram solidariedade alguma a vítimas de policiais truculentos que perderam a visão, que foram espancados, que morreram.

Política se faz assim. A mim não basta ser representado. Tem que ter participação ativa. Como disse, patrulhar é meu dever de eleitor sim. Se eu não puder cobrar ação positiva de quem eu votei não fará sentido votar.

Não me sai da mente a imagem dos policias da Favela Naval que pediam o documentos das pessoas, rasgavam e jogavam fora, e depois espancavam as pessoas. Nenhuma autoridade saiu publicamente em defesa daquelas pessoas. Nenhuma. Mas quando um PM apanha, em situação diversa do que aconteceu na Favela Naval, em situação normal para o que é preparado, todos saem exclusivamente em solidariedade ao PM. Está errada essa seletividade. É preciso nominar, denunciar, e prestar solidariedade às vítimas da violência policial. Não se combate violência camuflando a violência praticada por um dos lados.

No enterro do garoto Douglas Rodrigues, na tarde de segunda-feira, compareceram mais de 300 pessoas. O povo estava lá. Era obrigação da Presidenta se manifestar. Ainda bem que fez. Em que pese ter sido de forma genérica ao tratar do termo violência.

A violência policial contra a periferia é a manifestação mais forte da opressão no Brasil.

Responder

    Kaloyan

    29 de outubro de 2013 às 17h33

    Fico feliz que tenha alguém como você iluminando os caminhos da presidenta. Parabéns. Aguardo o seu telefone afinal outro dia 21 já passou.

    Gerson Carneiro

    29 de outubro de 2013 às 18h10

    Ninguém vai entender essa sua mensagem truncada.

    Volte logo de suas férias que estou precisando de você aqui para me ajudar.

    Ass: seu chefe.

    luiz pinheiro

    29 de outubro de 2013 às 17h55

    “Se estava lá para bater, deveria contar com a possibilidade de apanhar. Óbvio, se algo desse errado. E deu” – Que tipo de lógica é essa? Por este caminho, o jovem que vai a uma manifestação pode ser espancado, porque seguramente “já conta com a possibilidade”. Essa é uma lógica policialesca, no pior sentido, não cabe num comentário progressista. Eu ouvi muito isso de anti-democratas, na época da ditadura. “Se voce for lá, já sabe o que pode te acontecer”, me advertiam. Devemos repudiar todo tipo de arbitrariedade, quando cometida pela PM, e quando cometida por vândalos também. Acaso é prescindível a presença de policiais em manifestações de rua, ainda mais quando elas sistematicamente descambam para a violencia brutal? Vamos deixar anarquistas malucos quebrar as cidades? Algum governante responsável poderia tirar o policiamento das ruas? Não há qualquer informação de que o coronel oui sua tropa tenham cometido violencia despropositada. Ele estava trabalhando e foi vítima de espancamento, assim como tantos cuiadãos tambem foram, seja por parte da polícia, seja por parte dos black bloks. O Wanderlei Guilherme dos Santos escreveu que aqueles que bateram na cabeça do coronel com uma chapa de metal poderiam muito bem operar como torturadores numa sala do COI-Codi. E é verdade.

    Gerson Carneiro

    29 de outubro de 2013 às 20h36

    Luiz,

    Eu que pergunto: que tipo de lógica é essa?

    “o jovem que vai a uma manifestação pode ser espancado, porque seguramente já conta com a possibilidade”

    Oras, você está concordando comigo que a opressão aos jovens manifestantes está institucionalizada. E não é isso que diz a Constituição Federão Federal no artigo 5º, inciso XVI, que garante o contrário, ou seja, que todos têm o direito de se manifestar.

    E o jovem, não vai à manifestação preparado para apanhar. O policial sim vai preparado para bater.

    É como em uma guerra. O soldado vai preparado para matar, mas se der errado, vai morrer. Faz parte da profissão.

    “Devemos repudiar todo tipo de arbitrariedade, quando cometida pela PM, e quando cometida por vândalos também”.

    Se você ler com calma, e sem paixão, meus textos, vai perceber que é exatamente essa a reivindicação que estou fazendo.

    “Não há qualquer informação de que o coronel aqui sua tropa tenham cometido violencia despropositada. Ele estava trabalhando e foi vítima de espancamento, assim como tantos cuiadãos tambem foram, seja por parte da polícia, seja por parte dos black bloks”.

    Olha só, a imagem que está no link abaixo, segundo estão denunciando na internet, é do mesmo coronel, pouco antes de ser surpreendido pelos manifestantes.

    https://fbcdn-sphotos-b-a.akamaihd.net/hphotos-ak-ash4/q71/1380410_10201425783900718_1694365788_n.jpg

    Abs.

Matheus

29 de outubro de 2013 às 14h54

Depois de uma revolta popular e milhões de ironias, deboches e críticas ácidas nas redes sociais, a persidenta resolveu falar que é solidária à vítima da “violência”. Violência de quem mesmo? Solidariedade puramente retórica, porque para a polícia tucana ela oferece tropas e apoio, e para a família dos assassinados, torturados, desaparecidos, sequestrados e agredidos pela polícia, vai ter algo mais que solidariedade retórica? Não, é claro. Vocês esperam alguma coisa de alguém que põe o Exército para reprimir protestos? É a fascistização a passos largos do neopetismo.

Responder

    luiz pinheiro

    29 de outubro de 2013 às 15h52

    É uma grande injustiça a acusação do Gerson contra a presidenta. Ela nunca foi omissa, sempre se manifestou contra a violencia praticada contra os pobres e contra os negros. A responsabilidade pelos gatilhos assassinos da PM paulista é dos tucanos, que treinam essa corporação há 20 anos. Se não sabemos identificar o inimigo, como conseguiremos transformar a realidade?

    luiz pinheiro

    29 de outubro de 2013 às 15h57

    A presidenta oferece tropas masd é para evitar a depredação do patriomônio público e privado, é para garantir a Copa, para garantir a segurança de todos. Não são soldados do Exército que cometem esses crimes bárbaros. São soldados (?!?!?!) da PM. Tropas federais não assassinam jovens da periferia. O Matheus faz uma enorme confusão com os fatos, não sabe diferenciar alhos de bugalhos.

    Mário SF Alves

    29 de outubro de 2013 às 19h46

    Confusão?!!
    _________________________
    Para mim isso tem um outro nome.

    Bom, a não ser que se acredite mesmo que presidentes da República do Brasil têm pleno e absoluto poder para mudar o que tem de ser mudado no Brasil. A não que ele acredite mesmo que basta ser eleito e empossado como presidente da República do Brasil e o selvagem capitalismo (subdesenvolvimentista) há mais de um século praticado no Brasil, mansa e pacificamente daria lugar ao desenvolvimento socioeconômico do Brasil.
    __________________________________________
    Ora, nem a ditadura militar, com todo o poder que teoricamente lhe era inerente; com toda a liberdade para a prática de repressão aos discordantes, de tipo “prendo, torturo, mato ou arrebento”; com todo o poder para impor o estupor nacionalista do “Brasil, Ame-o [do jeito que está] ou Deixe-o”, foi capaz ou teve poder suficiente para aplicar medidas conservadoras de reestruturação agrária, como foi o caso do Estatuto da Terra, elaborado sob encomenda dela mesma.
    ______________________________________________________
    E o que é mais grave: tem gente que acredita mesmo que a presidenta Dilma tem poder para fazer qualquer coisa, inclusive o de determinar o fim da maldita dívida pública interna, a derrama atual, o maior ralo de recursos públicos da História do Brasil.
    _________________________________________________________
    Para estes, que falta faz um pouco de História e de geopolítica mundial. Quiçá um pouco de TV Câmara já ajudaria.

    Luís Carlos

    29 de outubro de 2013 às 22h31

    Não é confusão não. É pensamento mágico, má vontade, reducionismo e grande limitação de análise. Afinal, se você tropeçar na esquina de casa é o neopetismo e todos petistas e tucanos são todos iguais, usando inclusive sinais matemáticos como se fosse política. Por isso mesmo a grande mídia internacional e seus comparsas nativos querem derrubar Dilma, como queriam derrubar Lula, porque o governo do PT é igual o governo tucano!?! (Ironia). A matemática do Mateus é tão boa como a economia do PSDB.

Clarivaldo Freire

29 de outubro de 2013 às 14h28

Gente,
Posso garantir que não se tratou de protesto contra a morte do jogem. Foi oportunismo puro da “bandidagem”. Antes mesmo do enterro, os vândalos, sob o pretexto de manifestação, estavam renunidos na principal via comercial (Roland Garros) do bairro Jardim Brasil (e não Jaçanã), se preparando para arrombar portas e roubar as mercadorias.
Depois partiram para a rodovia e agindo como sempre, atirando pedras nos parabrias, pararam os caminhões e saquearam as cargas. Daí, para da ar de protesto, queimaram os onibus. Seria interessante verificar se não roubaram os passageiros.
Então, afirmo, com toda certeza, a mídia está “comendo mosca”: Os atos de ontem, e que temo, venham a se repetir hoje, nada tem a ver com a morte daquele jovem. É preciso conhecer a realidade do bairro onde os fatos se deram para compreender o que ocorreu.

Responder

    AlvaroTadeu

    29 de outubro de 2013 às 20h24

    Boa, Clarivaldo, nada como um alguém que estava presente e sentiu o que realmente se passava para nos relatar a verdade. Há muito comentarista comentando sobre aquilo que não viu. Eu também já comentei bobagem, quando vi uma daquelas passeatas de junho passando pela Ponte Estaiada. Que diabos, pensei, o que eles foram fazer no Brooklin? Nem os paulistanos sabem que o Brooklin existe, exceto os corretores de imóveis, pois os preços lá são impossíveis. Depois fiquei sabendo que era uma manifestação contra a Globo. Também a tentativa de invasão do Hospital Sírio Libanês, um dos mais chiques do Brasil, eu achava que o povo tinha enlouquecido. Só depois soube que estavam protestando contra um secretário ou ex-secretário da Saúde do Alckmin, que era diretor do hospital. O tal secretário teria desviado uma boa grana da saúde pública.

Lucas F

29 de outubro de 2013 às 14h06

o bom sinal é que as pessoas lúcidas na internet geram pressão suficiente para arrancar essa mensagem dela.
o sinal de que nada muda muito é que ela não citou quem matou ele, revelando a grande desigualdade da mensagem em comparação com a solidariedade prestada ao PM.

Responder

Dionysius Mattos

29 de outubro de 2013 às 13h51

E pq a presidente Dilma não citou quem foi o culpado pela morte do estudante? Desde os protestos a Dilma não teve coragem de falar a palavra: “polícia”.

Ela é tão igual quanto qualquer outro político. Que tristeza.

Responder

    Nelio faria

    29 de outubro de 2013 às 16h49

    No afã de criticar o governo, ignora-se os fatos. Numa das manifestações no Rio, a secretária de Direitos Humanos, Maria do Rosário, em nome da presidenta, denunciou a violência da polícia contra os professores.
    http://clippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2013/10/3/ministra-critica-acoes-violentas-da-policia.

    Luís Carlos

    29 de outubro de 2013 às 22h34

    Bem lembrado. A ministra Rosário tem feito isso por diversas vezes, tendo sido inclusive alvo de ataques de reacionários por isso.

Daniel Faria

29 de outubro de 2013 às 13h49

Ué, o garoto morreu como? Morreu atropelado? Foi um black bloc que matou?

Quanta dificuldade de uma ex-guerrilheira criticar uma ação policial, hein.

(Não, gente. Eu não vou votar no Aécio, nem no Eduardo Campos. Vou votar na Dilma, mas tá difícil…)

Responder

    Fernando Fidelis Vasconcelos

    29 de outubro de 2013 às 16h12

    Pois eu NÃO voto no Aécio, Eduardo Campos, NEM na Dilma. Estou esperançoso de que vai surgir um bom nome ainda. Vamos aguardar.

    tales

    29 de outubro de 2013 às 23h58

    Pena que o Enéas já se foi…

Ismael Farias

29 de outubro de 2013 às 13h44

Prestar solidariedade, não vai acabar com a corrupção e os abusos cometidos por essa Polícia Militar truculenta. O mais triste é que a violência contra um coronel bárbaro(como constatamos através de relatos que estavam antes do momento da agressão), é mais terrível que a violência praticada a professores, como vimos no Rio de Janeiro. E aonde estava a Dilma pra prestá-los solidariedade?

Responder

    luiz pinheiro

    29 de outubro de 2013 às 16h04

    O que vai acabar com as barbaridades da PM paulista é a eleição de um governador de São Paulo que respeite os direitos humanos. Qual foi último que respeitou?

    Liz Almeida

    29 de outubro de 2013 às 17h13

    Não força a barra, cara…

    É claro que a Dilma sabe muito bem da corrupção, dos abusos e dos excessos da PM, em especial na periferia; mas uma mudança em relação a isso deve ser cobrada, principalmente, dos governos estaduais, os verdadeiros responsáveis pela PM ser o que é.

    Mas sinceramente, estão exagerando nos comentários por causa de um simples tweet da Dilma. Houve repercussão do caso do coronel, e ela comentou… como poderia ter comentado sobre agressões sofridas por manifestantes, e não comentar sobre o coronel.

    Achei meio bobagem dar tanta repercussão a isso… mas enfim, pelo menos fomentou o debate sobre a questão da truculência da PM, algo que precisa ser discutido com urgência mesmo.

    p.s.: Na minha opinião, uma das principais causas pro aumento da violência nos últimos anos, tanto por parte de jovens da periferia como da PM, são aqueles programas policiais horrorosos que passam na TV, e que boa parte das pessoas de comunidades carentes adoram assistir, bem como a constante divulgação na mídia de tudo o que for bárbaras atrocidades. Estimulam demais a violência, acho péssimo.

zé eduardo

29 de outubro de 2013 às 13h35

Boa Dilma! Agiu bem!

Responder

Luís Carlos

29 de outubro de 2013 às 13h28

Repito o que disse ontem quando comentei o post de Gérson. Dilma é minha candidata em 2014. Discordei dela quando prestou solidariedade unilateral ao coronel da PM. Da mesma forma que a critiquei ontem, fico feliz com a postura da Presidenta hoje, pela solidariedade prestada, mas também como observação feita sobre a violência na perifierias contra “jovens negros”.
Como disse Gérson, ele, como eleitor de Dilma estava “patrulhando” a Presidenta. Deu certo.

Responder

Alexandre

29 de outubro de 2013 às 13h25

Teatro, depois de tudo que aconteceu, vem essa…

Responder

Aline C. Pavia

29 de outubro de 2013 às 13h24

Gersão hómi. Depois daquela sua foto levitando cê desandou um pouco a maionese. Mas nós fãs continuamos fãs.

Responder

Jeanette

29 de outubro de 2013 às 13h17

http://mariafro.com/2013/10/29/presidenta-dilma-rousseff-se-pronuncia-publicamente-sobre-o-assassinato-do-adolescente-douglas-por-um-policial-militar-em-sp/

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding