VIOMUNDO

Diário da Resistência


Política

Dilma: “Nenhum risco de racionamento no curto, no médio e no longo prazo”


23/01/2013 - 21h46

23/01/2013 às 20h35

Blog do Planalto, 23 de janeiro de 2013

Queridas brasileiras e queridos brasileiros,

Acabo de assinar o ato que coloca em vigor, a partir de amanhã, uma forte redução na conta de luz de todos os brasileiros. Além de estarmos antecipando a entrada em vigor das novas tarifas, estamos dando um índice de redução maior do que o previsto e já anunciado. A partir de agora, a conta de luz das famílias brasileiras vai ficar 18% mais barata.

É a primeira vez que isso ocorre no Brasil, mas não é a primeira vez que o nosso governo toma medidas para baixar o custo, ampliar o investimento, aumentar o emprego e garantir mais crescimento para o país e bem-estar para os brasileiros. Temos baixado juros, reduzido impostos, facilitado o crédito e aberto, como nunca, as portas da casa própria para os pobres e para a classe média. Ao mesmo tempo, estamos ampliando o investimento na infraestrutura, na educação e na saúde e nos aproximando do dia em que a miséria estará superada no nosso Brasil.

No caso da energia elétrica, as perspectivas são as melhores possíveis. Com essa redução de tarifa, o Brasil, que já é uma potência energética, passa a viver uma situação ainda mais especial no setor elétrico. Somos agora um dos poucos países que está, ao mesmo tempo, baixando o custo da energia e aumentando sua produção elétrica. Explico com números: como acabei de dizer, a conta de luz, neste ano de 2013, vai baixar 18% para o consumidor doméstico e até 32% para a indústria, a agricultura, o comércio e serviços. Ao mesmo tempo, com a entrada em operação de novas usinas e linhas de transmissão, vamos aumentar em mais de 7% nossa produção de energia, e ela irá crescer ainda mais nos próximos anos.

Esse movimento simultâneo nos deixa em situação privilegiada no mundo. Isso significa que o Brasil vai ter energia cada vez melhor e mais barata, significa que o Brasil tem e terá energia mais que suficiente para o presente e para o futuro, sem nenhum risco de racionamento ou de qualquer tipo de estrangulamento no curto, no médio ou no longo prazo. No ano passado, colocamos em operação 4 mil megawatts e 2.780 quilômetros de linhas de transmissão.

Este ano, vamos colocar mais 8.500 megawatts de energia e 7.540 quilômetros de novas linhas. Temos uma grande quantidade de outras usinas e linhas de transmissão em construção ou projetadas. Elas vão nos permitir dobrar, em 15 anos, nossa capacidade instalada de energia elétrica, que hoje é de 121 mil megawatts. Ou seja, temos contratada toda a energia que o Brasil precisa para crescer, e bem, neste e nos próximos anos.

Minhas amigas e meus amigos,

O Brasil vive uma situação segura na área de energia desde que corrigiu, em 2004, as grandes distorções que havia no setor elétrico e voltou a investir fortemente na geração e na transmissão de energia. Nosso sistema é hoje um dos mais seguros do mundo porque, entre outras coisas, temos fontes diversas de produção de energia, o que não ocorre, aliás, na maioria dos países.

Temos usinas hidrelétricas, nucleares, térmicas e eólicas, e nosso parque térmico, que utiliza gás, diesel, carvão e biomassa foi concebido com a capacidade de compensar os períodos de nível baixo de água nos reservatórios das hidrelétricas.

Praticamente todos os anos as térmicas são acionadas, com menor ou maior exigência, e garantem, com tranquilidade, o suprimento. Isso é usual, normal, seguro e correto. Não há maiores riscos ou inquietações.

Surpreende que, desde o mês passado, algumas pessoas, por precipitação, desinformação ou algum outro motivo, tenham feito previsões sem fundamento, quando os níveis dos reservatórios baixaram e as térmicas foram normalmente acionadas.

Como era de se esperar, essas previsões fracassaram. O Brasil não deixou de produzir um único kilowatt que precisava, e agora, com a volta das chuvas, as térmicas voltarão a ser menos exigidas.

Cometeram o mesmo erro de previsão os que diziam, primeiro, que o governo não conseguiria baixar a conta de luz. Depois, passaram a dizer que a redução iria tardar. Por último, que ela seria menor do que o índice que havíamos anunciado.

Hoje, além de garantir a redução, estamos ampliando seu alcance e antecipando sua vigência. Isso significa menos despesas para cada um de vocês e para toda a economia do país. Vamos reduzir os custos do setor produtivo, e isso significa mais investimento, mais produção e mais emprego. Todos, sem exceção, vão sair ganhando.

Aproveito para esclarecer que os cidadãos atendidos pelas concessionárias que não aderiram ao nosso esforço terão, ainda assim, sua conta de luz reduzida, como todos os brasileiros. Espero que, em breve, até mesmo aqueles que foram contrários à redução da tarifa venham a concordar com o que eu estou dizendo.

Aliás, neste novo Brasil, aqueles que são sempre do contra estão ficando para trás, pois nosso país avança sem retrocessos, em meio a um mundo cheio de dificuldades.

Hoje, podemos ver como erraram feio, no passado, os que não acreditavam que era possível crescer e distribuir renda. Os que pensavam ser impossível que dezenas de milhões de pessoas saíssem da miséria. Os que não acreditavam que o Brasil virasse um país de classe média.

Estamos vendo como erraram os que diziam, meses atrás, que não iríamos conseguir baixar os juros nem o custo da energia, e que tentavam amedrontar nosso povo, entre outras coisas, com a queda do emprego e a perda do poder de compra do salário.

Os juros caíram como nunca, o emprego aumentou, os brasileiros estão podendo e sabendo consumir e poupar. Não faltou comida na mesa, nem trabalho. E nos últimos dois anos, mais 19 milhões e 500 mil pessoas, brasileiros e brasileiras, saíram da extrema pobreza.

O Brasil está cada vez maior e imune a ser atingido por previsões alarmistas. Nos últimos anos, o time vencedor tem sido o dos que têm fé e apostam no Brasil. Por termos vencido o pessimismo e os pessimistas, estamos vivendo um dos melhores momentos da nossa história. E a maioria dos brasileiros sente e expressa esse sentimento.

Vamos viver um tempo ainda melhor, quando todos os brasileiros, sem exceção, trabalharem para unir e construir. Jamais para desunir ou destruir. Porque somente construiremos um Brasil com a grandeza dos nossos sonhos quando colocarmos a nossa fé no Brasil acima dos nossos interesses políticos ou pessoais.

Muito obrigada e boa noite.

Leia também:

 Dr. Rosinha: Patentes, uma nova forma de colonização

Dom Balduino sugere jejum e oração contra poder de Kátia Abreu





96 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Coutinho

27 de janeiro de 2013 às 14h14

Como disse um comentarista acima, lavei a minha alma. É necessário que o governo, com frequência, utilize a rede de televisão para fazer os que se façam pronunciamentos semelhantes, afinal essa rede é uma concessão do governo que só é usada para fazer oposição suja.

Responder

Guanabara

27 de janeiro de 2013 às 00h02

Escrevendo com um pouco de atraso… FINALMENTE! Finalmente, Dilma POLITIZOU o debate. Coisa que deveria ter feito desde que tomou posse há 2 anos. Demorou, mas veio na medida exata.

Parabéns, Presidenta! (pela primeira vez, com P maiúsculo).

Responder

De Paula

25 de janeiro de 2013 às 09h02

A Folha deixou de informar sobre temporais em Minas e São Paulo. Enchem barragens.

Responder

Eduardo Guimarães: Oposição age como kamikaze da conta de luz « Viomundo – O que você não vê na mídia

25 de janeiro de 2013 às 00h35

[…] Mas, o que é que ela disse que causou tanta reação? […]

Responder

Altamiro Borges: Dilma em cadeia nacional driblou monopólio da palavra « Viomundo – O que você não vê na mídia

25 de janeiro de 2013 às 00h18

[…] Mas, o que foi que ela disse que causou tanta reação? […]

Responder

Marcio H Silva

24 de janeiro de 2013 às 23h38

EXCLUSIVO

Piora estado de saúde de Miriam Leitão

Familiares e amigos próximos começam a chegar a casa de Miriam Leitão devido a subita piora de saúde da economista: “é isso, ela entrou em coma após o pronunciamento da Dilma. Não suportou ouvir que não há risco de racionamento e a redução do custo de energia será maior. Estamos chamando entes queridos para se despedirem”, contou um familiar a reportagem.

Dona Efigênia, doméstica da familia Leitão, estava inconsolável: “foi minha culpa. Ela estava melhorando do mal subito, mas aí ao invés de falar que seria socorrida pelo helicóptero do Sirio Libanes, eu falei que vinha o SAMU, e ela não aguentou”. O estado de saúde de Miriam não vinha bem. Segundo o boletim médico da ultima segunda feira, Miriam vinha sofrendo alucinações, repetindo o tempo todo a palavra “apagão”.

Responder

    Maria a.

    25 de janeiro de 2013 às 22h11

    “Muito tragico” e muito engracado…

    Bete Soares

    27 de janeiro de 2013 às 10h39

    Muito bom!!!!!!Essa entidade (Miriam Leitão) deve ser exorcizada!

Bonifa

24 de janeiro de 2013 às 19h59

O que vimos foi um golpe de mestre do Governo. Depois do esgotamente do Mensalão, a mídia do PSDB abriu várias frentes secundárias para atacar permanentemente o Governo, sem deixá–lo respirar. Diante de tantos lobos a fustigar, qual a estratégia do Governo para romper o cerco e desfazer o ataque? Um erro crasso da mídia do PSDB foi se concentrar preferencialmente no ataque ao setor energético, exagerando incidentes minúsculos e ressaltando sempre a possibilidade de um racionamento, que nunca existiu. Isso gerou a necessidade de um esclarecimento à população, por parte do Governo. Eles, da mídia, passaram dos limites na euforia de disseminar a desinformação. Ora, o governo já havia feito anúncio da redução de tarifa aos consumidores. E chamou para este ponto todo o batalhão adversário, pulverizando–o com um pronunciamento sóbrio, preciso, perfeitamente em acordo com o momento e com a necessidade de esclarecimento à população. Parabéns ao Governo.

Responder

abolicionista

24 de janeiro de 2013 às 18h14

PSDB faz emendas contra redução de 16,2% na conta de luz anunciada por Dilma
O PSDB na Câmara dos Deputados e no Senado apresentou emenda contra o povo, pois sabota a redução de 16,2% na conta de luz, anunciada pela Presidenta Dilma.

No rol de 431 emendas apresentadas por deputados e senadores à medida provisória (MP 579/12) que reduz as tarifas de energia elétrica no Brasil, três delas se destacam por se configurar como uma investida explícita do PSDB contra a proposta que beneficia consumidores de energia em todo o País.

A MP 579 prevê por meio de dois mecanismos – reduções de encargos e renovação dos contratos de concessões de geração, transmissão e distribuição – uma queda de cerca de 20,2% na tarifa de energia elétrica, variando de 16,2% para consumidores residenciais e pequenos comércios até 28% para grandes consumidores industriais.

Na contramão da proposta apresentada pela presidenta Dilma Rousseff, o PSDB está sugerindo modificações que vão prejudicar os consumidores originalmente beneficiados.

Uma das emendas tucanas é a número 274, de autoria do deputado Antonio Imbassahy (PSDB-BA), que suprime os artigos 1º a 16 e 26 a 28, de forma a desfigurar totalmente a MP. Isso porque a referida emenda retira a parte de amortização dos ativos e renovação dos contratos de concessão, mantendo somente os itens que tratam da redução dos encargos setoriais. O problema é que, sem os demais dispositivos (que a emenda suprime), não há garantia total da implementação da proposta nem da possibilidade de alcançar a redução tarifária pretendida.

“Essa é a prova clara de que o PSDB é contra o povo. As três emendas refletem uma postura de quem não concorda com a redução da tarifa de energia elétrica para os consumidores brasileiros, sejam domésticos, pequenos comerciantes ou industriais”, analisa o líder do PT na Câmara, deputado Jilmar Tatto (SP), que vai presidir a comissão especial que dará parecer à Medida Provisória 579.

Outra emenda tucana – a número 287, de autoria do deputado Alfredo Kaefer (PSDB-PR) – prevê que os recursos da Conta de Desenvolvimento Elétrico, utilizados entre outros fins, para garantir a universalização dos serviços de energia elétrica e menores tarifas para consumidores de baixa renda, sejam usados também para ressarcir eventual perda de arrecadação do ICMS dos estados.

O autor da emenda justifica que os estados terão perdas por conta da redução nas receitas de ICMS, já que os encargos do setor elétrico que serão reduzidos ou extintos fazem parte da base de cálculo do imposto. Ou seja, os estados que já cobram alíquotas altíssimas de ICMS (de 18 a 25%), como o Paraná, governado pelo PSDB, não querem contribuir com a redução da conta de energia elétrica para os consumidores.

Uma terceira emenda tucana que desconfigura a MP 579 é a número 112, do senador Álvaro Dias (PSDB-PR). Vale ressaltar que, adicionalmente, a medida do governo institui um regime de cotas na distribuição equânime de energia pelas geradoras para todo o País, a fim de beneficiar os consumidores residenciais e pequenos negócios (que compõe o mercado cativo). A emenda do senador quer incluir nesse grupo os chamados consumidores livres, o que poderá prejudicar a redução tarifária dos beneficiários originais do sistema de cotas.

Fonte: http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com.br/2012/10/psdb-faz-emenda-contra-reducao-de-162.html

Responder

roberto

24 de janeiro de 2013 às 17h33

O Álvaro Dias ficou com a peruca de nylon toda arrepiada e o Aécio tomou mais alguns goles. Serra e FHC se abraçaram e choraram, Serra limpou o nariz no casaco do FHC,que babou no suéter do Zé.
Quanto ao PIG, perdeu o trabalho de um ano inteiro em cinco minutos e já duvida se vale a pena “trabalhar” tanto.

Responder

    Bete Soares

    27 de janeiro de 2013 às 10h44

    Meu Deus, meu domingo foi salvo. Seu comentário é hilário, perfeito e digno de ser copiado.

nona fernandes

24 de janeiro de 2013 às 17h25

A porrada na cabeça de Miriam Leitão,deve ter sido uma postada, ou seja, dada por um poste chamado Dilma Rousseff.Como está doendo……

Responder

Gerson Carneiro

24 de janeiro de 2013 às 17h12

Presentinho da Dilma para “aqueles que são sempre do contra”.

Responder

    Bonifa

    24 de janeiro de 2013 às 19h23

    Gerson, esta foi memorável e antológica!

    Bete Soares

    27 de janeiro de 2013 às 10h45

    Gente, maravilha!!!!!!!

Maria Amélia Martins Branco

24 de janeiro de 2013 às 16h51

Lavou a minha alma, Valeu, Presidenta.

Responder

Fabio Passos

24 de janeiro de 2013 às 16h24

Chupa, PiG!

Responder

LEANDRO

24 de janeiro de 2013 às 15h23

Só para lembrar, o horário “gratuito” é pago e bem pago pelos contribuintes as empresas de rádio e televisão.

Responder

    João Paulo Ferreira de Assis

    24 de janeiro de 2013 às 20h15

    Só para lembrar que os contribuintes pagam o horário gratuito sim, mas os governos do PT fizeram pouquíssimo uso dele, ao contrário dos governos tucanos.

Carlos de Sá

24 de janeiro de 2013 às 14h54

Alguém aí sabe quanto as pessoas físicas irão economizar por ano com esta medidada de redução da tarifa de energia?
A Folha já soltou uma matéria com a seguinte chamada: “Para garantir desconto na conta de luz, governo vai desembolsar R$ 8,5 bi” por ano.
Ou seja, colocou apenas o custo da medida (se é que é esse mesmo), pra alimentar os trolls da rede. Deixou de lado os benefícios que são cetenas de milhões de brasileiros que irão economizar com energia (tirando do lucro das elétricas e com o subsídio do governo federal).
Fiz uma conta simples: 50.000.000 (residências) vezes R$ 18,00 (economia mês considerando uma média de consumo de energia em R$ 100,00) = 900 milhões X 12 = R$ 10,80 bi, sem falar na economia da indústria que deve ser gigantesca (32%).
Alguém tem os números totais de economia para os brasileiros depois da redução?

Responder

    Carlos de Sá

    24 de janeiro de 2013 às 14h56

    Deve ter uma estimativa.
    Não?

    Ricardo Souza

    24 de janeiro de 2013 às 15h18

    Esse tipo de conta a imprensa se recusa a fazer. Imagina O Globo dando na manchete: “Indústria economizará R$ 50 bilhões com desconto em energia”

    JAMAIS!!!! Seria salvo-conduto para a reeleição da nossa querida Dilma.

FrancoAtirador

24 de janeiro de 2013 às 14h12

.
.
TAGs MÍDIA BANDIDA; ESPECULADORES BANDIDOS & TROUXAS QUE LHES DÃO CRÉDITO

MÍDIA BANDIDA: UMA CORPORAÇÃO BANDIDA A SERVIÇO DAS CORPORAÇÕES APÁTRIDAS

Desde o ‘Factóide do Apagão’, os especuladores estão vibrando com os lucros.
.
.
AÇÕES DA ELETROBRÁS: SERÁ QUE A FOLHA GANHOU COM ISSO ?

O apagão deveria ser mais transparente …

Por PHA

Acompanhe, amigo navegante, essa preciosidade que o Rafael encaminhou ao Conversa Afiada.

A sequência de notícias da Folha (*) – aquela que o Edu ridicularizou, e o Venício mostrou que é um partido político – sobre o assim chamado apagão: aquele fenômeno descrito, nos minimos emergenciais detalhes pela ” massa cheirosa” e a Urubóloga:

07/01/2013: BOVESPA CAI ABAIXO DE 62 MIL PONTOS COM BAIXA DE ELÉTRICAS; DÓLAR VAI A R$ 2,03
(http://www1.folha.uol.com.br/mercado/1211204-bovespa-cai-abaixo-de-62-mil-pontos-com-baixa-de-eletricas-dolar-vai-a-r-203.shtml)

07/01/2013: BOLSA FECHA ABAIXO DE 62 MIL PONTOS PRESSIONADA POR SETOR ELÉTRICO
(http://www1.folha.uol.com.br/mercado/1211330-bolsa-fecha-abaixo-de-62-mil-pontos-pressionada-por-setor-eletrico.shtml)

08/01/2013: INCERTEZAS COM FORNECIMENTO DE ENERGIA DERRUBAM AÇÕES DAS ELÉTRICAS
(http://www1.folha.uol.com.br/mercado/1211736-incertezas-com-fornecimento-de-energia-derrubam-acoes-das-eletricas.shtml)

08/01/2013: ELÉTRICAS DERRUBAM BOVESPA COM INCERTEZAS SOBRE FORNECIMENTO DE ENERGIA
(http://www1.folha.uol.com.br/mercado/1211863-eletricas-derrubam-bovespa-com-incertezas-sobre-fornecimento-de-energia.shtml)

11/01/2013: PERDA DO VALOR DAS ELÉTRICAS NA BOLSA CHEGA A R$ 37 BI EM 4 MESES
(http://www1.folha.uol.com.br/mercado/1213363-perda-do-valor-das-eletricas-na-bolsa-chega-a-r-37-bi-em-4-meses.shtml)
.
.
DAS MANCHETES CRIMINOSAS AO RETORNO EM LUCROS ASTRONÔMICOS:

22/01/2013: ELETROBRAS REDUZ CUSTOS E AÇÕES JÁ DISPARARAM 41% DESDE 8 DE JANEIRO
(http://www1.folha.uol.com.br/mercado/1218907-eletrobras-reduz-custos-para-enfrentar-queda-na-receita-acoes-ja-disparam-41.shtml)
.
.
Desde os impactos (SIC) da Medida Provisória 579,
publicada em 15 de novembro com novas regras para o setor
e derrubando as ações das elétricas (SIC),
AS AÇÕES DA ELETROBRAS JÁ SUBIRAM MAIS DE 75%.

(InfoMoney; quinta-feira, 24/01/2013 às 10h52min)

(http://www.infomoney.com.br/eletrobras/noticia/2665451/acoes-eletrobras-lideram-perdas-ibovespa-apos-discurso-dilma)
.
.
Enquanto os trouxas, que só leem as manchetes da Mídia Bandida, vendem as ações em baixa,

os Bandidos de Mídia e seus Patrocinadores Bandidos lucram com as ações em alta.
.
.
Ações da Hering caem quase 12% na Bovespa

FOLHAPRESS

Empresa admitiu ter subestimado o potencial de demanda no último trimestre de 2012

A Hering reconheceu que “foi um erro não preparar a cadeia de suprimento em setembro para atender o crescimento em dezembro”.

“Tivemos difícil aceleração para atender a demanda, que se aqueceu”, disse o presidente-executivo da Cia Hering, Fabio Hering, em teleconferência com analistas.
“A cadeia de suprimentos não conseguiu atender como esperávamos e o abastecimento aconteceu muito próximo do Natal.”

“Não estávamos preparados para uma reação [leia-se: reaquecimento da economia prenunciado pelo governo e desacreditado pela Mídia Bandida].
Houve no trimestre uma desestocagem da rede e não conseguimos atender toda a demanda que houve no tempo necessário”, disse.

“Erramos ao não acreditar no potencial de crescimento e levou tempo para reagirmos.”

(http://www.gazetadopovo.com.br/economia/conteudo.phtml?id=1334673&tit=Acoes-da-Hering-caem-quase-12-na-Bovespa)

Responder

RicardãoCarioca

24 de janeiro de 2013 às 12h49

Se eu fosse jornalista – e independente, portanto, não sendo do PiG – Chegaria com um microfone até a boca do Álvaro Dias e perguntaria:

“Falando sobre a recente redução do preço da energia elétrica proporcionada pelo governo federal, o sr. é a favor dessa redução de preço que beneficia todo o povo brasileiro ou é a favor dos lucros acima do razoável dos concessionários de energia elétrica?”

Responder

Marisa Cantão

24 de janeiro de 2013 às 12h16

Discurso infeliz e medíocre.

Responder

    anac

    24 de janeiro de 2013 às 12h43

    Pague a senhora por sua insignificância no mundo. Pague por ser ignorante. Eu, não!!!!
    Tô farta de pagar os juros mais alto do mundo, a tarifa de energia mais alta do mundo. Tô farta de ser otaria.

    anac

    24 de janeiro de 2013 às 12h46

    Lendo o comentario da Sra. Marisa Canhão, digo rsrs, Cantão, vejo que Joseph Pulitzer ( 1847 – 1911 ) tinha razão:
    “Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma”.

    Bruce Guimarães

    24 de janeiro de 2013 às 13h05

    Vai continuar pagando!!! Quem está bancando esse markenting aí é o Tesouro Nacional, ou seja, nós contribuintes!!!

    RicardãoCarioca

    24 de janeiro de 2013 às 12h44

    Chora. Chora bastante. Ajude a abastecer, com suas lágrimas, as represas que o PiG havia profetizado que iriam secar!

    Diniz

    24 de janeiro de 2013 às 13h59

    Marisa Cantão, infeliz e medíocre é o seu comentário, que emprega 2 adjetivos, 1 substantivo e ZERO DE ARGUMENTAÇÃO !!

    ROSI SOUSA

    24 de janeiro de 2013 às 15h08

    Comentário pobre e dispensável.

anac

24 de janeiro de 2013 às 12h04

A enorme resistência que o governo enfrenta para reduzir as tarifas dá uma dimensão do vulto dos interesses especulativos envolvidos. A privatização promovida por Fernando Henrique Cardoso fatiou o sistema Eletrobrás e deu o controle da produção e distribuição da energia elétrica a grandes grupos capitalistas brasileiros e estrangeiros. Na esteira da privatização veio a mudança nos critérios de composição da conta de luz. Desde a década de 1970 eles incluíam a operação e manutenção das empresas, mais uma taxa de remuneração dos investimentos. Com a privatização, a conta de luz passou a incluir também os custos financeiros das empresas concessionárias, entre eles pagamentos de dívidas e juros. O custo da tarifa de energia elétrica deu um salto, colocando o preço deste bem – cuja produção, no Brasil, é muito barata – no topo entre as mais caras do mundo.Com a MP, o governo propõe renovar por até 30 anos as concessões de geração, transmissão e distribuição que vencem entre 2015 e 2017. Em troca deste alargamento do prazo de concessão, as empresas teriam que aceitar uma redução remuneração dos serviços que prestam.
Esta proposta foi materializada na MP 579/12, publicada no Diário Oficial da União em 17 de setembro, e que tramita no Congresso Nacional.
As empresas concessionárias, por sua vez, defendem os altos ganhos que vêm mantendo desde que foram privatizadas, no governo de Fernando Henrique Cardoso. Consideram baixa a remuneração prevista nas novas condições dos contratos de concessão (o governo fala em lucro médio de 10%, face aos atuais que vão de 15% a 25% ou mais), e reclamam também – e este talvez seja o braço de ferro – das indenizações previstas para a renovação dos contratos cujo valor deve ficar, no cálculo do governo, em 20 bilhões de reais. Estas indenizações se referem à amortização de investimentos feitos pelas empresas e à perda de receitas futuras.
O diretor geral da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), Nelson Hübner, foi claro a respeito, e considerou “muito alta” a remuneração recebida atualmente pelas concessionárias, dizendo que elas “terão que se readaptar” às novas condições definidas pelo governo.
Hübner explicou que grande parte da tarifa cobrada aos consumidores (sobretudo indústrias e famílias) de energia elétrica inclui a amortização de investimentos feitos que, “uma vez amortizados, restam operação e manutenção”.
Na mesma linha de raciocínio, o secretário geral do Ministério de Minas e Energia, Márcio Zimmermann, defende que, uma vez amortizados, estes bens (os equipamentos e as instalações das empresas concessionárias de energia elétrica) pertencem à sociedade, não aos acionistas das empresas. Trata-se de um bem público concedido para a exploração privada por tempo determinado. “Não estamos propondo remuneração de ativos amortizados porque esse é um valor que tem de ir para a sociedade e não para o Tesouro Nacional, como aconteceu em situações anteriores”, disse em audiência pública no Senado. “Um ponto importante a ser considerado (envolve) a decisão de que esses valores sejam levados à sociedade, respeitando todo os contratos e não para acionistas de empresas que estão mudando princípios básicos para se apoderarem de recursos que são da União”.Outra reclamação das empresas diz respeito à base de cálculo das indenizações. O governo usa o valor histórico das concessões que vencerão em 2015 e 2017 – isto é, o valor investido pela concessionária quando venceu a licitação e assumiu o controle das empresas, calculado em 18,7 bilhões. As empresas querem o privilégio de serem contabilizadas pelo valor de mercado atual (de R$ 32,7 bilhões), e pleiteiam mais R$ 14 bilhões no cálculo da indenização. O governo não aceita pois os investimentos feitos, que geraram estes ativos, foram amortizados há muitos anos. Já estão pagos.

Responder

Gerson Carneiro

24 de janeiro de 2013 às 11h28

O boleto da conta deveria vir com as opções:

1. com redução; 2. sem redução; 3. com acréscimo.

Para dá chance à tucanada provar a macheza.

Responder

    anac

    24 de janeiro de 2013 às 12h52

    Proponho que a conta de energia dos pinguentos rola bostas deve vir com acrescimo para pagar a redução que virá na conta do restante da população que vota na Dilma, Lula e PT.

trombeta

24 de janeiro de 2013 às 11h24

Nossa, os jagunços do PIG guasca (gaúcho) estavam furiosos com a redução da conta de luz, pelas beiradas eles tentaram desqualificar a presidenta.

P.S. Azenha, aceite meus cumprimentos pela série de entrevistas sobre o Paquistão veiculadas pela Record, excelente trabalho, em especial, aquela a respeito das mulheres atacadas com ácido; é lindo ver um jornalista no auge da maturidade profissional, parabéns!

Responder

anac

24 de janeiro de 2013 às 11h12

Em que mundo os rolas bostas trolls vivem?
Leem ou não o PiG?
Recorrente a insatisfação do PiG com manchetes e editoriais contrarios com a redução da tarifa de energia eletrica pela Dilma através de medida provisoria. Os governos do PSDB e DEM Paraná, São Paulo, Goiás, etc se insurgindo contra a MP e ainda vem dizer o RB que Dilma inventa que existe gente contra. Cara de pau o RB.
Já que Dilma não quer cumprir a Cosntituição criando a leis dos medios que pelos menos use o tempo da TV para colocar os pontos nos is.
Além de ser contra a redução da tarifa de nergia eletrica, a direita foi contra a redução dos juros. Conspiram contra o Brasil.

Responder

cezar

24 de janeiro de 2013 às 11h09

LULA É AMIGA DE DILMA. MAS NÃO SE ESQUEÇAM! CONVIVEU COM BRIZOLA E SOUBE NA HORA CERTA FINCAR O PUNHAL….GLOBO QUE SE CUIDE!!!

Responder

    Rose

    24 de janeiro de 2013 às 20h23

    Saudade do Brizola. Ele sabia como ninguém sacanas a Globo.

Gerson Carneiro

24 de janeiro de 2013 às 10h56

A tucanada pode se rebelar e pagar a conta de luz em dobro se quiser. Agora eu quero vê a macheza até aonde vai.

“… aqueles que são sempre do contra estão ficando para trás…”

Alvaro Dias vestiu a carapuça e já fala em pedir direito de resposta.

Responder

Bruce Guimarães

24 de janeiro de 2013 às 10h27

Vergonhoso o pronunciamento. Esperava uma fala de presidenta e não de candidata. Inventou um monte e coisa, inclusive que tem gente contra a queda na tarifa de energia.

Responder

    Ary Xavier

    24 de janeiro de 2013 às 11h50

    Calma, Bruce, nao fique nervoso(a).Vamos aplaudir o que é bom para todos, inclusive para os que ela chama de pessimistas.

    Paulo Figuiera

    24 de janeiro de 2013 às 17h46

    Procure dar uma lida na nota divulgada pelo PSDB vestindo a carapuça, quem dá luz a cego é bengala branca de Santa Luzia

    Paulo Figuiera

    24 de janeiro de 2013 às 11h56

    Não tem não?

    Bruce Guimarães

    24 de janeiro de 2013 às 12h59

    Tem??? Então poste um link aí, com alguém do PSDB dizendo que é contra diminuir o custo da energia!!!

    RicardãoCarioca

    24 de janeiro de 2013 às 12h40

    Não lê o blog da Míriam “do contra” PiGão, não? Ou da Eliane “massa cheirosa-do contra” Tucanhede (com hífem é mais chique, para esses imitadores de americanos) não? É opositor e só vive em blog progressista? Deus me livre…

    Vai ler sobre o Aécioduto, vai.

    Aline C Pavia

    24 de janeiro de 2013 às 14h17

    Antes de você nascer ela apanhava na cadeia, pelada, com eletrodos nos mamilos, no pau de arara, sobre a própria urina e fezes, com as unhas dos pés e das mãos arrancadas a sangue frio.
    Mais ou menos na época em que você frequentava a escolinha ela já era secretária de Energia no Rio Grande do Sul, descobrindo uma fraude de 80 milhões de reais.
    Enquanto você se preocupava com open bar na festa da faculdade ela virou ministra e depois presidenta.
    Vá buscar lã com ela, vá. Mais um que vai voltar tosquiadinho até o coranchim.

    Bruce Guimarães

    24 de janeiro de 2013 às 15h45

    E daí??? Isso dá a ela o direito de contar mentira???

    Jurgen

    25 de janeiro de 2013 às 00h50

    O desinformado bruce, não percebeu que as únicas empresas que não entraram em acordo foram as geradoras do PR, SP e MG. Coincidentemente as pertencentes aos governos do psdb. Um Jênio! Com jota mesmo para lembrar de Jegue.

    João Ferreira Batos

    24 de janeiro de 2013 às 15h26

    Brucezinho, procure no PIG os diversos pronunciamentos feitos por laranjas do Aécio contra a redução na conta de energia, dizendo que as concessiona´rias quebrariam e outros absurdos.
    Larga de ser bobo.

    Bruce Guimarães

    24 de janeiro de 2013 às 15h43

    Uai!!! Manda o link aí!!! Tá difícil encontrar? Saber por que? Porque ninguém do PSDB disse isso, é mentira da presidenta!!!

    abolicionista

    24 de janeiro de 2013 às 18h12

    É mentira, Bruce? Então todas essas matérias são mentirosas?

    “PSDB é contra a redução da tarifa de energia para consumidores

    No rol de 431 emendas apresentadas por deputados e senadores à medida provisória (MP 579/12) que reduz as tarifas de energia elétrica no Brasil, três delas se destacam por se configurar como uma investida explícita do PSDB contra a proposta que beneficia consumidores de energia em todo o País.

    A MP 579 prevê por meio de dois mecanismos – reduções de encargos e renovação dos contratos de concessões de geração, transmissão e distribuição – uma queda de cerca de 20,2% na tarifa de energia elétrica, variando de 16,2% para consumidores residenciais e pequenos comércios até 28% para grandes consumidores industriais.

    Na contramão da proposta apresentada pela presidenta Dilma Rousseff, o PSDB está sugerindo modificações que vão prejudicar os consumidores originalmente beneficiados. Uma das emendas tucanas é a número 274, de autoria do deputado Antonio Imbassahy (PSDB-BA), que suprime os artigos 1º a 16 e 26 a 28, de forma a desfigurar totalmente a MP. Isso porque a referida emenda retira a parte de amortização dos ativos e renovação dos contratos de concessão, mantendo somente os itens que tratam da redução dos encargos setoriais. O problema é que, sem os demais dispositivos (que a emenda suprime), não há garantia total da implementação da proposta nem da possibilidade de alcançar a redução tarifária pretendida.

    “Essa é a prova clara de que o PSDB é contra o povo. As três emendas refletem uma postura de quem não concorda com a redução da tarifa de energia elétrica para os consumidores brasileiros, sejam domésticos, pequenos comerciantes ou industriais”, analisa o líder do PT na Câmara, deputado Jilmar Tatto (SP), que vai presidir a comissão especial que dará parecer à Medida Provisória 579.

    Outra emenda tucana – a número 287, de autoria do deputado Alfredo Kaefer (PSDB-PR) – prevê que os recursos da Conta de Desenvolvimento Elétrico, utilizados entre outros fins, para garantir a universalização dos serviços de energia elétrica e menores tarifas para consumidores de baixa renda, sejam usados também para ressarcir eventual perda de arrecadação do ICMS dos estados.

    O autor da emenda justifica que os estados terão perdas por conta da redução nas receitas de ICMS, já que os encargos do setor elétrico que serão reduzidos ou extintos fazem parte da base de cálculo do imposto. Ou seja, os estados que já cobram alíquotas altíssimas de ICMS (de 18 a 25%), como o Paraná, governado pelo PSDB, não querem contribuir com a redução da conta de energia elétrica para os consumidores.

    Uma terceira emenda tucana que desconfigura a MP 579 é a número 112, do senador Álvaro Dias (PSDB-PR). Vale ressaltar que, adicionalmente, a medida do governo institui um regime de cotas na distribuição equânime de energia pelas geradoras para todo o País, a fim de beneficiar os consumidores residenciais e pequenos negócios (que compõe o mercado cativo). A emenda do senador quer incluir nesse grupo os chamados consumidores livres, o que poderá prejudicar a redução tarifária dos beneficiários originais do sistema de cotas.”

    Fonte: http://www.rikaryo.com.br/politica/372-psdb-e-contra-a-reducao-da-tarifa-de-energia-para-consumidores

    PSDB faz emendas contra redução de 16,2% na conta de luz anunciada por Dilma
    O PSDB na Câmara dos Deputados e no Senado apresentou emenda contra o povo, pois sabota a redução de 16,2% na conta de luz, anunciada pela Presidenta Dilma.

    No rol de 431 emendas apresentadas por deputados e senadores à medida provisória (MP 579/12) que reduz as tarifas de energia elétrica no Brasil, três delas se destacam por se configurar como uma investida explícita do PSDB contra a proposta que beneficia consumidores de energia em todo o País.

    A MP 579 prevê por meio de dois mecanismos – reduções de encargos e renovação dos contratos de concessões de geração, transmissão e distribuição – uma queda de cerca de 20,2% na tarifa de energia elétrica, variando de 16,2% para consumidores residenciais e pequenos comércios até 28% para grandes consumidores industriais.

    Na contramão da proposta apresentada pela presidenta Dilma Rousseff, o PSDB está sugerindo modificações que vão prejudicar os consumidores originalmente beneficiados.

    Uma das emendas tucanas é a número 274, de autoria do deputado Antonio Imbassahy (PSDB-BA), que suprime os artigos 1º a 16 e 26 a 28, de forma a desfigurar totalmente a MP. Isso porque a referida emenda retira a parte de amortização dos ativos e renovação dos contratos de concessão, mantendo somente os itens que tratam da redução dos encargos setoriais. O problema é que, sem os demais dispositivos (que a emenda suprime), não há garantia total da implementação da proposta nem da possibilidade de alcançar a redução tarifária pretendida.

    “Essa é a prova clara de que o PSDB é contra o povo. As três emendas refletem uma postura de quem não concorda com a redução da tarifa de energia elétrica para os consumidores brasileiros, sejam domésticos, pequenos comerciantes ou industriais”, analisa o líder do PT na Câmara, deputado Jilmar Tatto (SP), que vai presidir a comissão especial que dará parecer à Medida Provisória 579.

    Outra emenda tucana – a número 287, de autoria do deputado Alfredo Kaefer (PSDB-PR) – prevê que os recursos da Conta de Desenvolvimento Elétrico, utilizados entre outros fins, para garantir a universalização dos serviços de energia elétrica e menores tarifas para consumidores de baixa renda, sejam usados também para ressarcir eventual perda de arrecadação do ICMS dos estados.

    O autor da emenda justifica que os estados terão perdas por conta da redução nas receitas de ICMS, já que os encargos do setor elétrico que serão reduzidos ou extintos fazem parte da base de cálculo do imposto. Ou seja, os estados que já cobram alíquotas altíssimas de ICMS (de 18 a 25%), como o Paraná, governado pelo PSDB, não querem contribuir com a redução da conta de energia elétrica para os consumidores.

    Uma terceira emenda tucana que desconfigura a MP 579 é a número 112, do senador Álvaro Dias (PSDB-PR). Vale ressaltar que, adicionalmente, a medida do governo institui um regime de cotas na distribuição equânime de energia pelas geradoras para todo o País, a fim de beneficiar os consumidores residenciais e pequenos negócios (que compõe o mercado cativo). A emenda do senador quer incluir nesse grupo os chamados consumidores livres, o que poderá prejudicar a redução tarifária dos beneficiários originais do sistema de cotas.

    Fonte: http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com.br/2012/10/psdb-faz-emenda-contra-reducao-de-162.html

    Os governadores do PSDB estariam aliados aos setores rentistas, especuladores, por isso não aceitam a redução das tarifas de energia elétrica, colocando-se contra os interesses populares. A nota a seguir é do MAB.

    O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) vem a público denunciar o governo Alckmin e também os governadores do PSDB de Minas Gerais e do Paraná por terem se posicionado contra a redução das tarifas de energia elétrica ao povo brasileiro. Não temos dúvida nenhuma que estes governadores e a base parlamentar – deputados e senadores – que se somaram a esta posição, agiram para beneficiar os setores rentistas, os especuladores.

    A CESP (São Paulo), a CEMIG (Minas Gerais) e a COPEL (Paraná) não aderiram a renovação das concessões por orientação de seus governadores e de sua base parlamentar aliada porque cerca de 70% das ações destas empresas já estão privatizadas e juntas, em 2011, tiveram um lucro próximo a R$ 4 bilhões. No mesmo ano remeteram aproximadamente R$ 3 bilhões de lucro aos acionistas. Para continuar atendendo aos interesses dos especuladores, não aderiram à renovação e não aceitaram reduzir as tarifas de energia. Ou seja, preferiram ficar contra o povo e a favor dos acionistas das bolsas de valores.

    Estas usinas estavam vendendo sua energia próximo a R$ 100,00 por MWh e com a medida do governo Dilma deveriam vender por cerca de R$37,00 pelo mesmo MWh. As empresas estatais federais já aceitaram a renovação, no entanto os governadores do PSDB de São Paulo, Minas Gerais e Paraná se colocaram contra e não aceitaram reduzir nenhum centavo nas tarifas.

    Depois do processo de privatização do setor elétrico brasileiro nos anos 1990 realizado pelo PSDB de FHC, as tarifas de energia elétrica aumentaram muito, a tal ponto que a população brasileira paga uma das tarifas mais altas do mundo, mesmo que tenhamos um custo de produção dos mais baixos. Os lucros passaram ser extraordinários. Somente a transnacional francesa Suez Tractebel enviou para fora do Brasil cerca de R$ 8 bilhões nos últimos anos. Além disso, das doze empresas que mais remetem lucro aos acionistas, nove são do setor elétrico. Isso revela o alto grau de exploração que o povo brasileiro tem sofrido através das tarifas de energia elétrica.

    Parte importante do setor elétrico brasileiro – cerda de 25.000 MW de potencia e mais 70 mil Km de linhas de transmissão – que ainda estão nas mãos de empresas estatais, tinham seus contratos de concessão se encerrando entre 2015 e 2017. Os setores empresariais e os governos do PSDB possuíam como estratégia a licitação, o que na prática significava a provável privatização do restante do patrimônio público no setor.

    Em setembro deste ano o governo federal editou a Medida Provisória 579, optando pelo caminho da prorrogação dos contratos, o que evitou a transferência da propriedade das usinas e linhas de transmissão aos setores empresariais. Além disso, o governo federal impôs uma diminuição nas tarifas de energia elétrica, podendo ter redução de 16% para as residências e de 20 a 28% para as indústrias.

    Nós do MAB reconhecemos que a renovação das concessões às empresas estatais e a redução das tarifas é uma vitória dos trabalhadores sobre os setores que defendem a privataria. No entanto, constatamos que os setores industriais foram mais beneficiados que os trabalhadores, houve uma enorme transferência de valor do estado aos setores industriais. Muitas questões devem ser melhoradas, principalmente no que tange aos interesses dos atingidos pelas usinas hidrelétricas e dos trabalhadores do setor. Mas nossa posição e as lutas que realizamos foram pela renovação, pela redução das tarifas e pela defesa dos direitos dos trabalhadores e atingidos.

    Por fim, convocamos toda população brasileira a se somar na luta para cobrar dos governadores de São Paulo, Minas Gerais e Paraná para que revejam sua posição e busquem aceitar a redução das tarifas de energia elétrica ao povo brasileiro.

    06 de dezembro de 2012

    Coordenação Nacional do MAB
    http://www.apn.org.br/w3/index.php/questoes-urbanas/5164-psdb-esta-contra-a-reducao-da-tarifa-de-energia-eletrica

    Estados do PSDB impedem redução na tarifa de energia elétrica

    A diminuição no valor da conta de luz a partir de janeiro de 2013 para alguns brasileiros não será a esperada pelo governo federal. Isso porque a Companhia Energética de São Paulo (Cesp), a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) e a Companhia Paranaense de Energia (Copel), todas pertencentes a estados governados pelo PSDB, rejeitaram a proposta de renovação de suas concessões na área de geração.

    As empresas alegam que as novas regras não garantem o equilíbrio financeiro das empresas. Os três governos tucanos ameaçam transformar a questão em uma guerra judicial. O secretário de Energia de São Paulo, José Anibal, disse que vai recorrer à Justiça contra a decisão de Brasília de levar a leilão no ano que vem a usina de Três Irmãos, cujo prazo de concessão esgotou-se no ano passado.

    Na terça-feira (4), o presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Maurício Tolmasquim, disse que esses Estados que se negam a renovar as concessões estão tratando as elétricas como “capitanias hereditárias”.

    O valor da conta de luz dos brasileiros pode ficar até 16,7% menor a partir de 2013, disse na terça o secretário executivo do Ministério de Minas e Energia (MME), Márcio Zimmermann. O percentual é inferior aos 20,2% anunciados pela presidenta Dilma Rousseff, em setembro. Ontem foi o prazo final para a renovação antecipada de contrato.

    A decisão dessas empresas estaduais, que decidiram pela não prorrogação, está causando diretamente, o impacto de não atingir a meta de 20,2%. Estranhamos que essas empresas preferiram priorizar os acionistas do que a população”, disse o secretário executivo.

    Segundo o diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Nelson Hübner, a redução no valor da conta de energia elétrica, de 16,7%, poderá ser sentida pelos consumidores em março do ano que vem.

    Do montante de 25.452 megawatts (MW) de capacidade instaladas das hidrelétricas, apenas 15.311 MW foram renovados antecipadamente, ou seja, apenas 60% das companhias de geração aceitaram os termos do governo. Com isso, a expectativa de conseguir diminuir em 8,5% o percentual da geração caiu para 5,1%. Em contrapartida, todas as empresas de transmissão aderiram ao plano.

    Uma das usinas da Cesp, a Hidrelétrica Três Irmãos, entre os municípios de Andradina e Pereira Barreto, em São Paulo, terá que ser devolvida à União, por causa da não renovação da concessão, no começo de janeiro. Segundo Zimmermann, a expectativa do governo é fazer o leilão ainda no primeiro semestre do ano que vem. No segundo semestre, o mesmo deverá ocorrer com a Usina Hidrelétrica de Jaguará, em Minas Gerais, pertencente à Cemig. As duas companhias têm capacidade de 1.300 MW.

    Mesmo sem a meta de redução atingida, o secretário executivo do MME acredita que houve “uma grande vitória” por parte do governo, que conseguiu adesão de 100% das transmissoras e 60% das usinas de geração. Com os termos assinados, haverá discussões internas no governo para avaliar a possibilidade de um aporte do Tesouro Nacional a fim de atingir os 20,2%, anunciados anteriormente.

    Novas regras aprovadas

    O plenário da Câmara aprovou na terça a Medida Provisória (MP) 577, que regulamenta a extinção e a intervenção – em casos de caducidade, falência ou má qualidade do serviço – nas concessões e permissões de energia elétrica. O parecer do senador Romero Jucá (PMDB-RR) passou sem alterações. O texto segue para o Senado, onde precisará ser aprovado até 27 dezembro para que não perca a validade.

    Com Agência Brasil
    Fonte:http://www.vermelho.org.br/es/noticia.php?id_secao=1&id_noticia=200507

Mr. Chance

24 de janeiro de 2013 às 10h14

Vocês não acham que essa minoria de insatisfeitos, os tais 5%, deveriam entrar com uma ação judicial exigindo que a conta de luz não tivesse esse abatimento? Seria coerente, não? Não passam de um bando de idiotas pautados por uma mídia golpista muito maliciosa…

Responder

    anac

    24 de janeiro de 2013 às 11h16

    Deviam ser coerentes assumindo na integralidade a conta de energia, bem como as que serão reduzidas para o resto da população. Assumiriam so a diferença viu?. Assim não veriam a multinacionais que tanto prezam prejudicadas.

José Eduardo

24 de janeiro de 2013 às 10h01

Foi maravilhoso. Dilma deu um claríssimo recado e todos entenderam: o PIG é mentiroso, safado e lesa-pátria.

Responder

henrique de oliveira

24 de janeiro de 2013 às 09h51

Esse pronunciamento da presidenta , foi um tapa na cara do PIG e seus aliados.

Responder

    João Vargas

    24 de janeiro de 2013 às 13h11

    Assino embaixo. Finalmente uma resposta vigorosa da nossa presidenta. É assim que se combate o PIG e se esclarece a população, sem meias palavras. A presidenta devia utilizar mais deste expediente para mostrar aos brasileiros quem são os vendilhões da pátria.

Julio

24 de janeiro de 2013 às 09h34

O povo BRASILEIRO está de alma lavada.

DÁ-LHE DILMA

Responder

assalariado.

24 de janeiro de 2013 às 08h51

PQP!! Até que enfim a Dona Dilma deu pelo menos uma indireta para os golpistas de plantão. Dona Dilma, a coisa funciona assim, converse um pouco mais com o povo, pelos meios a que um governante tem direito. Os partidos de esquerda, isto é, se forem de esquerda mesmo, farão o resto que, significa começar conversar mais nas portas das fabricas, empresas e escritórios, que é onde o povo está, e são os que constroem a riqueza da nação. No minimo, nós assalariados da nação somos 40% da nação.

Do ponto de vista da luta entre as classes sociais, com interesses economicos e politicos opostos, isto te diz alguma coisa?

É dessa forma que conseguiremos construir nossa (HEGEMONIA) politica pela esquerda. Não precisa dar nomes aos pessimistas e aos manipuladores dos cerebros das multidões. Basta falar o “milagre”, o povo começará a entender, quem de fato é o inimigo e descobrirá o resto. Como se diz, no estágio atual (estagnação), do modo de produção capitalista mundial, se apoiar no povão, e nos explorados da nação e, sem mamnipulação, é o melhor caminho para construirmos a sociedade dos iguais. No fundo, no fundo Dona Dilma, quem é o seu porto seguro nessa luta entre desiguais?

Saudações Socialistas.

Responder

RicardãoCarioca

24 de janeiro de 2013 às 08h16

Dilma, não escute sua secretária de comunicação e ex-colunista do O Globo, Helena Chagas: Apareça em rede nacional mensalmente para falar dos planos sociais do governo, que a grande imprensa opositora omite do noticiário, aumente o diálogo com o povo, pois a senhora mais parece uma rainha boa e encastelada longe das vistas do seu povo.

Míriam “do contra” PiGão deve estar subindo nas tamancas!

A corrida presidencial já começou. Pessoal, acessem o www.novojornal.com e leiam sobre o Aécioduto, que vergonha! O Aético Never é quem realmente irá transformar o mensalão em piada de salão, com o esquema que está em marcha em Minas. E o PiG nada fala. E a Justiça de Minas permanece calada.

Responder

laura

24 de janeiro de 2013 às 08h00

Dilma está reduzindo o custo Brasil e fazendo política de indução de investimentos na área do front tecnologico( medicamentos- produção nacional de insulina), chips no Brasil(Eike Batista). Isso é muito bom e o pronunciamento foi ótimo.
Precisa: tratar melhor a classe média- reduzir impostos e melhorar condições de contratos- menos precarização. A classe média”tradicional”, ao contrário do alardeado não está bem não. Basta ver em qualquer família os “aposentados” na miséria custeados pelos filhos( fator previdenciário e agora no serviço público). Aqui AUMENTARAM OS CUSTOS.O trabalho precario campeia.

Resolver o problema da comunicação melhor distribuindo as verbas públicas com o reforço e surgimento de uma mídia alternativa mais forte.

Melhorar mais as condições do trabalho na universidade pública. A greve dos servidores e professores mostrou que a situação não está boa não. O acordo minora o problema, mas não resolveu não.

Responder

    laura

    24 de janeiro de 2013 às 08h20

    Falo reduzir impostos sobre os ombros da classe média. Pago 27% de Imposto de renda, mais que qualquer imposto pago pelo capital financeiro.Pago 11% para a previdencia pública, ou seja, quase 40% de meu salário eu não vejo a cor.O auxílio saúde é irrisório e pago 1100,00 reais de seguro saúde. Ou seja, o salário não paga minhas despesas. Só vejo desoneração para empresas. Porque não se desoneram meus custos?
    Aliás, não a toa:
    https://www.viomundo.com.br/politica/centrais-sindicais-todos-a-brasilia-pressionar-governo-dilma.html
    Há que fazer-se sim pressão dos trabalhadores para que o governo faça política a favor dos trabalhadores.
    Vejo a Dilma como uma desenvolvimentista com viés de apoio aos setores mais empobrecidos da sociedade. falta tornar-se de fato um governo dos trabalhadores. Em muitas ações(lula incluso) não tem sido.basta ver a persistencia do fator previdenciário, as desonerações as empresas que não estão trazendo empregos e trará problemas para a previdencia e a perda de direitos do funcionalismo. Isso vai CONTRA os interesses dos trabalhadores.

    laura

    24 de janeiro de 2013 às 08h35

    Eis aqui:
    Salário do Professor de universidade federal é pior que na época de FHC.
    Pode?
    http://www.adufmat.org.br/index.php/comunicacao/noticias/15-noticias-2/405-professor-entenda-a-desvalorizacao-do-seu-salario

    Então, não está bom, não. Mesmo.
    Professor, entenda a desvalorização do seu salário

    O artigo abaixo foi recomendado pela professora Msc. Juliana Ghisolfi, do departamento de Sociologia e Ciência Política da UFMT Cuiabá, por meio da página no Facebook da Adufmat. É uma produção do Dr. Pierre Lucena, professor Adjunto de Finanças do Departamento de Ciências Administrativas da Universidade Federal de Pernambuco.

    Salários dos Professores das Universidades Federais já estão piores do que no Governo FHC

    Por Pierre Lucena

Ana Cruzzeli

24 de janeiro de 2013 às 06h41

Disse tudo, falou bonito sem excessos, foi direto ao ponto.

Esse pronunciamento era necessário para dissipar duvidas. O povo entendeu a mensagem e a midia vai sentido que com governos de esquerda, bateu, levou.

Responder

pimon

24 de janeiro de 2013 às 03h27

A guerra foi declarada.
O PSDB… ou o PPS… um deles entrará com demanda no STF (uso partidário da TV).
Não reclame, o mundo é assim!
A Globo usará 890 minutos para desdizer a Dilma.
E ela não terá direito à tréplica, o STF acabou com o direito de resposta.
Como mudar?
Escolhendo bem quem manda, de fato!
Seu deputado e Senador.
Não quer, acha que a Presidente tudo pode?
Então…. tá!
Bons sonhos.

Responder

    Fabio

    24 de janeiro de 2013 às 09h29

    Concordo plenamente! Vou até, com sua licença, ventilar no facebook. Disse Tudo!

Júlio De bem

24 de janeiro de 2013 às 02h39

Fiquei esperando um Ps do Viomundo irônico para com nossa querida Eliane Cheirosa.

Responder

E. S. Fernandes

23 de janeiro de 2013 às 23h42

Quero outro pronunciamento dela daqui a 30 dias.

Responder

George

23 de janeiro de 2013 às 23h41

A presidenta simplesmente usou a rede do PiG para falar que ele não presta e só quer atrasar o país. SENSACIONAL!
Espero que esse diálogo com o povo (e que também ouça o povo) comece a ser mais frequente no governo da presidenta.

Ela precisa sair às ruas, falar olhando nos olhos das pessoas e escutar diretamente delas o que elas querem dizer.

Parabéns para a presidenta Dilma. Há tempos não ouvia um discurso político que me emocionasse.

Responder

Alexandro Rodrigues

23 de janeiro de 2013 às 23h19

Finalmente essa capacha da Globo subiu o tom!

Responder

Fabio Passos

23 de janeiro de 2013 às 23h16

Dilma deveria fazer mais pronunciamentos e buscar a imprensa alternativa para entrar em contato direto com a população.

E o PiG que continue guinchando para os 6% de reacionários estúpidos que emporcalham o Brasil.

Responder

Centrais sindicais: Todos a Brasília pressionar governo Dilma « Viomundo – O que você não vê na mídia

23 de janeiro de 2013 às 22h56

[…] Dilma dá bordoadas nos pessimistas […]

Responder

Mateus Silva Ferreira

23 de janeiro de 2013 às 22h54

Não achei que fosse viver o bastante para ver redução de preço de energia no Brasil.
Viva!

Responder

    anac

    24 de janeiro de 2013 às 11h26

    A verdade é que sempre pagamos muito caro por sermos brasileiros.Uma subraça segundo o PiG e a elite que tem que pagar caro por existir. Nunca foi o custo Brasil(pais riquissimo), sempre foi o custo de ser brasileiro.

Angelo

23 de janeiro de 2013 às 22h46

Muito bom!! O PIG depois de hoje virou: Partido da Imprensa Golpeada…Kkkkkk..

Responder

    Jaime Balbino

    24 de janeiro de 2013 às 01h03

    Parabéns Angelo. Vou usar “Partido da Imprensa Golpeada”.

francisco niterói

23 de janeiro de 2013 às 22h42

Vcs observaram o vestido VERMELHO?

Acredito que foi de proposito para mostrar o lado dela e o respeito pelo partido, aquele que, conforme o AZENHAO, chamou o povo brasileiro para dancar.

DE VERMELHO E DANDO PORRADA PARA TUDO QUANTO É LADO, ESPECIALMENTE NA MIDIA, ME FEZ FELIZ COMO PINTO NO LIXO.

Responder

    francisco niterói

    23 de janeiro de 2013 às 22h47

    Em tempo: acho que a DILMA ouviu o apelo do comentarista daqui do viomundo em post recente e CHAMOU O BRASIL PARA DANÇAR.

Antonio Carlos

23 de janeiro de 2013 às 22h39

Fiquei muito decepcionado com a matéria do jornal da record. Onde eles encontraram na fala da presidenta argumento para despejarem na minha casa o jornalismo esgoto deles? Onde a presidente disse que a energia aumentaria em epoca de seca? Tinha o jornal da record como uma alternativa a lavagem celebral do jornal da rede globo, nacional, mas eles são da mesma laia.

Responder

    Guilherme

    24 de janeiro de 2013 às 03h46

    Pode crêr, vi isso aí também, fiquei louco, nessa toada até o CARROSSEL vai dizer que vai faltar energia!

    assalariado.

    24 de janeiro de 2013 às 09h02

    Antonio Carlos e Guilherme, assistindo o Jornal de esgosto neste mesmo canal e hora, senti o mesmo que voces. Esgoto capitalista tem vários quarteis e vários soldados, usam um de cada vez, para golpearem e manipularem os cerebros da nação. Fedem de várias formas, não tem controle remoto que de jeito.

    Abraços Socialistas.

    Mardones Ferreira

    24 de janeiro de 2013 às 09h18

    Foi um vexame, mas o Jornal da Record – que eu tenho seguido já faz um tempo – tem feito uma cobertura pautada na violência. Ontem foi um escândalo. Tomou o lugar da Globo que costuma apresentar uma reportagem contradizendo o que a presidenta manifesta em rede nacional.

    Infelizmente, a Globo fez escola – do pior nível – quando se trata de televisão aberta no Brasil.

    Pelos jornais, o Brasil é um faroeste, sem lei, sei mandatário, sem casas legislativas, com carnaval e praias. É lamentável.

    Não fosse a reportagem do Azenha na série especial, aquele jornal poderia entrar para a fila do espremeu sai sangue, pois adoram reportagem de mortes.

    Julio

    24 de janeiro de 2013 às 09h30

    Tambem fiquei revoltado com o jornal da record, de dar nojo…
    dá-lhe DILMA

    Vladimir Kotler

    24 de janeiro de 2013 às 12h12

    Mas o sonho da Record é ser a Globo “amanhã”!!

    Cibele

    24 de janeiro de 2013 às 18h48

    Uma lástima. Há uns dois anos que o JR cai vertiginosamente de qualidade. Eu, que assistia sempre, hoje só consigo ver as maravilhosas reportagens especiais dos nossos queridos jornalistas de verdade. A primeira meia hora é no estilo Cidade Alerta e congêneres. Depois, passam um minuto e meio de notícia, comercial interminável, mais dois minutos de notícia, comercial de novo! Um desrespeito total com o telespectador. Não que isso me surpreenda. Eles querem ser a nova Globo e não medirão esforços para alcançar esse objetivo. Sinto nojo e raiva, como sempre senti, de toda a mídia brasileira. Graças a Deus e ao Universo temos a blogosfera. Se um dia ela for censurada, prefiro a “alienação”, mil vezes! “Nunca más un pueblo traicionado”.

J Souza

23 de janeiro de 2013 às 22h38

Hoje o Aécinho dorme minúsculo…
Imaginem a cara da Andréa…
A vergonha do Alckmin, do Anastasia e do Richa…
O sentimento de opressão do Campos…
Está dada a largada!

Responder

Thelma Oliveira

23 de janeiro de 2013 às 22h34

Demorou, mas tudo que eu queria ouvir. Não faltou recado pra ninguém e foi um bálsamo pra alma dos brasileiros atormentados diuturnamente por essa mídia irresponsável. Diria até criminosa. Valeu, Dilma!!

Responder

Luana

23 de janeiro de 2013 às 22h26

Hoje fiz um comentário no Blog da Cidadania porque nao divulgava nos blogs, as notícias do Planalto. Cheguei, inclusive, a questionar se para a Helena Chagas, apenas a ideia de mídia tradicional seria capaz transmitir notícias, com mais de niquenta milhões de pessoas por dia acessando as redes sócias e blogs.

Pará minha surpresa e sobretudo feliz, e o terceiro blog que estou a acessar e todos trazem o discurso da Presidente. Que bom, espero que usem outras vezes, bem como as redes sociais, mas nao apenas em discursos, mas para aproximar o Planalto da internet, porque e aqui que o povo esta. Fico feliz por ter melhorado, mas e preciso avançar nisso aí.

Responder

Abel

23 de janeiro de 2013 às 22h26

A Globo fez um resumo de duas linhas no JN – sem imagem ou áudio do pronunciamento…

Responder

Paulo

23 de janeiro de 2013 às 22h23

E o JN deu mais tempo ao frio de New York… A globo assumiu assim que é um dos “contra” citados pela presidenta.

Responder

ricardo natal

23 de janeiro de 2013 às 22h22

Gostei muito espero mais prenunciamento.

Responder

Apolônio

23 de janeiro de 2013 às 22h18

Parabéns Presidenta. Ótimo pronunciamento. Excelente gool contra o time adversário!

Responder

Marcio H Silva

23 de janeiro de 2013 às 22h18

A Jornalista política, Miriam Dragão foi encontrada vagando a esmo pelo Jardim Botânico esta noite. Fontes confiáveis garantiram que ela não suportou a porrada na cabeça que levou da Presidenta. Os familiares estão preocupados e não sabem como ela reagirá daqui pra frente……Seu escritório que ocupa uma quadra inteira próxima a antiga sede da rede Globo encontra-se fechado e todo apagado. Nenhum funcionário quis dar esclarecimentos……
fontes confiáveis desta redação informaram que o Jornalista Merval Pedreira, após o chá da Academia se preparou para assistir ao pronunciamento, e quando este findou entrou em profundo silêncio, o que deixou seus companheiros preocupados, pois acham que o mesmo possa ter entrado em profunda depressão.
Quanta besteira, mas na linguagem deles, os PIGs…….

Responder

FrancoAtirador

23 de janeiro de 2013 às 22h13

.
.
Redução no preço da energia elétrica para @s [email protected]

de até 18% para as residências e de até 32% para as indústrias.

Nunca Antes Na História Deste País se reduziu tarifa de energia.
.
.
Detalhe: A Mídia Bandida não deu um pio; só falou do frio nos EUA.

Tucanalhas, peguem o controle remoto e troquem de canal de TV!

Ou se mudem logo de país e vão assistir à Mídia Bandida em Miami.
.
.

Responder

FRANCISCO HUGO

23 de janeiro de 2013 às 21h59

Arrasou, Dilma!
Arrasou!!!

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding