VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Depois de Gilmar Mendes dizer que “exército não é milícia”, Aras rejeita intervenção — mas deixa a porta aberta em caso de “desordem”
Rio de Janeiro 29/11/ 2018 -- O presidente eleito Jair Bolsonaro participa da formatura e diplomação de militares na Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais, na Vila Militar em Deodoro, no Rio de Janeiro. Fernando Frazão/Agência Brasil
Política

Depois de Gilmar Mendes dizer que “exército não é milícia”, Aras rejeita intervenção — mas deixa a porta aberta em caso de “desordem”


02/06/2020 - 18h45

Tenho reiterado que as Forças Armadas são instituições permanentes que devem ser compreendidas na sua acepção republicana. É incompatível com a Constituição de 1988 a ideia de que as forças armadas podem fechar o STF ou o Congresso. O exército não é milícia. Gilmar Mendes, no twitter

Delimitação de competências entre os Poderes do Estado é uma questão constitucional. E quem exerce controle de constitucionalidade no Brasil é o Supremo, não as Forças Armadas. Penso que o PGR deve zelar por isso, já que é impossível a ele peticionar diante de canhões e fuzis. Flávio Dino, ex-juiz federal, governador do Maranhão

Da Redação

Depois de declaração controversa em entrevista no Programa do Bial, o procurador-geral da República, Augusto Aras, emitiu nota dizendo que a Constituição de 1988 não admite intervenção militar.

Nas declarações à Globo, ele havia dado às Forças Armadas o poder moderador:

Quando o artigo 142 estabelece que as Forças Armadas devem garantir o funcionamento dos Poderes constituídos, essa garantia é no limite da garantia de cada Poder. Um Poder que invade a competência de outro Poder, em tese, não há de merecer a proteção desse garante da Constituição. Se os Poderes constituídos se manifestarem dentro das suas competências, sem invadir as competências dos demais Poderes, nós não precisamos enfrentar uma crise que exija dos garantes uma ação efetiva de qualquer natureza.

Em outras palavras, Aras disse na entrevista que em caso de um Poder invadir a competência de outro, as Forças Armadas poderia intervir — uma interpretação idêntica à dos bolsonaristas que protestam nas ruas.

Agora, em nota oficial, Aras reviu sua posição, mas deixou aberta a porta para a intervenção dos militares em caso de “desordem social”, desde que convocadas por um dos Poderes, ou seja, se Bolsonaro chamar: 

A Constituição não admite intervenção militar. Ademais, as instituições funcionam normalmente. Os Poderes são harmônicos e independentes entre si. Cada um deles há de praticar a autocontenção para que não se venha a contribuir para uma crise institucional. Conflitos entre Poderes constituídos, associados a uma calamidade pública e a outros fatores sociais concomitantes, podem culminar em desordem social.

As Forças Armadas existem para a defesa da pátria, para a garantia dos Poderes constitucionais e, por iniciativa de quaisquer destes, para a garantia da lei e da ordem, a fim de preservar o regime da democracia participativa brasileira.

Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

O lado sujo do futebol: Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - O lado sujo do futebol e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Magda Maria de Magalhães

03 de junho de 2020 às 01h25

Embora uma lei, por maior que seja, não possa impedir um golpe, a Constituição Cidadã de 1988 prevê em seu art. 5º, inciso XLIV, como crime imprescritível o atentado contra a ordem democrática e a Constituição :

“Art. 5º, XLIV – constitui crime inafiançável e imprescritível a ação de grupos armados, civis ou militares, contra a ordem constitucional e o Estado Democrático;”

Este inciso foi uma resposta ao golpe civil/militar de 1964, e sua lei de anistia ampla e irrestrita, onde não se puniu aqueles que viraram as costas à democracia. Portanto, para os aventureiros, os milicianos, na citação de Gilmar Mendes, não haverá perdão, e serão punidos, seja em que tempo for.

Responder

Zé Maria

02 de junho de 2020 às 21h10

É o Chefe do Poder Executivo e o Grupo de Ministros de Estado nomeados por ele
que estão toda hora conflitando com outros poderes e causando “Desordem Social”.

São os Poderes Legislativo e Judiciário que estão sendo atacados por uma Falange
que ocupa o Palácio do Planalto e tem até Gabinete no Terceiro Andar.
Seriam esses os Poderes da União a convocar eventualmente as Forças Armadas
para promover a “Paz Social” e garantir a Lei e a Ordem, não o Executivo que só
tumultua a Sociedade descumprindo as Leis e a Constituição Federal do Brasil
e ainda põe em risco a Vida [email protected] [email protected] ferindo as Normas Sanitárias.

Responder

Zé Maria

02 de junho de 2020 às 19h49

“exército não é milícia”
Mas com o Mito Genocida
está parecendo que é uma.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!