VIOMUNDO

Diário da Resistência


Michele, que denunciou discriminação contra os pobres e a falaciosa meritocracia: “Nossa luta está apenas começando. Nunca é tarde para dizer, Fora Temer!”
Falatório Política

Michele, que denunciou discriminação contra os pobres e a falaciosa meritocracia: “Nossa luta está apenas começando. Nunca é tarde para dizer, Fora Temer!”


19/02/2018 - 22h53

O diário Extra, do Rio de Janeiro, deu rosto a Michele Alves, filha de empregada doméstica, 23 anos de idade, aprovada no exame da OAB e integrante de um escritório de advogados de São Paulo.

Mais não é preciso dizer. Ouçam, acima, na voz de Michele.

Transcrição:

Caros colegas, pais, professores, convidados, boa noite.

Nessa noite tão especial, na qual relembramos nossa trajetória na Pontifícia, gostaria de falar sobre resistência, palavra tão usada por nós ao longo desses cinco anos.

Todavia, não quero aqui abranger toda e qualquer resistência.

Quero falar de uma em específico, da resistência que uma parcela dos formandos — que, infelizmente, são minoria neste evento — enfrentaram durante sua trajetória acadêmica.

Me dedico à resistência daqueles que cresceram sem privilégios, sem conforto e sem garantia de um futuro promissor, daqueles que foram silenciados na universidade quando pediram voz e que carregaram, desde cedo, o fardo do não pertencimento às classes dominantes.

Me dedico à resistência das famílias que a muito custo mantiveram seus filhos na universidade, à resistência dos estudantes que perderam, no mínimo, três horas diárias em transportes públicos.

Hoje, trago a história de jovens sonhadores que há cinco anos atrás iniciaram uma história de resistência nessa universidade. Trago a história de resistência da periferia, dos pretos, dos descendentes de nordestinos e dos estudantes de escola pública.

Nós, formandos bolsistas resistimos à PUC São Paulo, aos sonhos que nos foram roubados e à realidade cruel que nos foi apresentada no momento em que cruzamos os portões da Bartira e da Monte Alegre.

Nós resistimos às piadas sobre pobres, às críticas sobre as esmolas que o governo nos dava, aos discursos reacionários da elite e a sua falaciosa meritocracia.

Resistimos à falta de inglês fluente, de roupa social e linguajar rebuscado que o ambiente acadêmico nos exigia.

Resistimos também à falta de apoio financeiro e educacional da Fundação São Paulo, aos discursos da vitimização das minorias e à suposta autonomia do indivíduo na construção do seu próprio futuro.

Resistimos também aos insultos feitos a nossa classe, aos desabafos dos colegas sobre suas empregadas domésticas e seus porteiros. Mal sabiam que esses profissionais eram na verdade nossos pais.

No mais, resistimos aos professores que não compreenderam nossa realidade e limitações e faziam comentários do tipo: por favor, não estudem Direito Civil por sinopse, porque até a filha da minha empregada que faz Direito na ‘Uniesquina’ estuda Direito por sinopse.

Essa frase foi dita por uma professora de Direito Civil no meu terceiro dia de aula.

Após escutá-la, meu coração ficou em pedaços, pois naquele dia soube que a faculdade de Direito da PUC São Paulo não era para mim.

Liguei para minha mãe, empregada doméstica, chorando, e disse que iria desistir.

Entretanto, após alguns minutos de choro compartilhado, ela me fez enxergar o quanto eu precisava resistir àquela situação e mostrar à PUC e a mim mesma o quanto eu era capaz de obter este diploma.

Essa história não é apenas minha, mas de todos os bolsistas formandos da PUC São Paulo.

Somos os filhos e filhas do gari, da faxineira, do pedreiro, do motorista e da mãe solteira.

Por isso, a eles, nossos maiores inspiradores, dedicamos nossa história de resistência nessa universidade.

Que nossa história inspire outros jovens pobres a resistirem.

Avante, companheiros. Avante, pois nossa luta está apenas começando.

Por fim, como nunca é tarde para dizer, ‘Fora Temer’. Muito obrigada.

Leia também:

Dilma denuncia o Estado de Exceção

Livro do Luiz Carlos Azenha
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet



5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Julio Silveira

20 de fevereiro de 2018 às 16h10

Esse Fora Temer será sempre um golpista da pior especie, que ficará na historia como um proscrito pelo povo, apesar de toda a força midiatica que seus parceiris comprados e devedores tentarão impor como lavagem cerebral. É um tipo FHC piorado.

Responder

Dan Moche Schneider

20 de fevereiro de 2018 às 13h08

Bendita tua garra e lucidez. Resistencia, essa é toda a ciencia para un novo amanecer. Gracias.

Responder

Alessa

20 de fevereiro de 2018 às 10h24

Parabéns, menina, tenho muito orgulho de ti !! Também cursei e concluí meu mestrado em instituição pública e moro em comunidade ! Não sou negra mas sou pobre, filha de pais que nem terminaram o segundo grau. Por mérito próprio, consegui alçar o que desejei com incentivos, não dos meus pais, mas de alguns professores que me encorajaram pois, em parte, muito depende de nosso esforço na busca, determinação e na superação de obstáculos sejam eles quais forem.

Responder

Maurício

20 de fevereiro de 2018 às 08h01

Esta jovem encheu meu velho coração de esperança. Suas palavras, prenhes de dignidade e lucidez, são a prova viva de que o discurso de ódio, discriminação e intolerância que domina tantos espaços da nossa sociedade tem lugar reservado na latrina da história. Obrigado, Michele.

Responder

MARCELO SANTANNA

20 de fevereiro de 2018 às 01h38

Tocou meu coração. Infelizmente as pessoas de barriga cheia não veem seus serviçais como seus semelhantes; se consideram acima deles. Estarão mesmo acima? Vejamos que Isto nos remete ao Sermão da Montanha quando Nosso Senhor olhando para o povo que esperava por ele os viu como ovelhas sem pastor. O modo como ele sentiu aquelas pessoas, de coração abrasado, só ele mesmo sentiria, mas é uma referência para todos nós.

Responder

Deixe uma resposta