VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Daniel Valença e os 10 anos de Estado Plurinacional da Bolívia: Forças populares continuam vivas mas sem ilusões; vídeos
Política

Daniel Valença e os 10 anos de Estado Plurinacional da Bolívia: Forças populares continuam vivas mas sem ilusões; vídeos


23/01/2020 - 11h22

por Daniel Valença, especial para o Viomundo

Há dez anos nascia o Estado Plurinacional da Bolívia, proclamado por uma Constituição que, desde as primeiras linhas, previa uma mudança radical na história do país:

“O povo boliviano, de composição plural, desde a profundidade da história, inspirado nas lutas do passado, na sublevação indígena anticolonial, na independência, nas lutas populares de libertação, nas marchas indígenas, sociais e sindicais, nas Guerras da Água e de Outubro, nas lutas pela terra e território, e com a memória de nossos mártires, construímos um novo Estado” (Preâmbulo Constituição Política de Estado-CPE de 2009).

E, realmente, não foram poucas as transformações.

Desde a chegada de Evo Morales ao governo, houve a nacionalização do petróleo e gás, bem como de setores estratégicos e criação de novas estatais.

Assim, o Estado passou a administrar de 13% a 40% da economia do país.

Como consequência, a diferença entre os mais ricos e mais pobres foi reduzida em 139 vezes.

Da Argentina, ato com Evo e Linera (no topo), transmitido ao vivo para milhares de bolivianos em Cochabamba (abaixo)

10 anos de Estado Plurinacional da Bolívia: uma comemoração amarga, mas sem ilusões

Milhões de bolivianos saíram da miséria e da pobreza e, se a economia brasileira era 96 vezes maior do que a boliviana em 2006, em 2017 estava 45 vezes maior. [1]

Mas, se o Estado Plurinacional representava a superação do Estado neoliberal na seara econômica, recuperando todo um histórico de lutas anti-imperialistas, operárias e socialistas, também apontava para a ideia de superação da “nação boliviana”.

Este país não seria um país “mestiço”, como suas elites brancas e setores da esquerda por décadas tentaram construir.

Afirmou-se, assim, a sua plurinacionalidade. Diversos diversos padrões de sociabilidade, culturas, idiomas, conformação de nações dentro de uma plurinacionalidade.

Tal processo suscitou o interesse internacional pelo nosso país-irmão.

Multiplicaram-se os estudos sobre a cultura e os valores indígenas, em geral vistos de maneira idealizada e sem mediação com a realidade.

Por exemplo, o indígena-originário-campesino, denominação do sujeito histórico deste processo político e cuja expressão terminou por estar presente no texto constitucional, para abrigar as mais diversas frações das classes subalternas (aquelas que se enxergavam como camponesas indígenas – majoritárias no processo – e aquelas que se enxergavam como indígenas originárias), está ausente, em regra, nas análises.

Nelas, a categoria “classe” está ultrapassada, coisa de uma modernidade europeia.

Houve, também, quem acreditasse que, com a CPE aprovada há uma década, estabilidade econômica e social sem precedentes na história da Bolívia, seriam preservadas as vontades das maiorias e não haveria quaisquer tentativas de ruptura democrática.

Tanto que, no slogan de campanha de Evo-Linera, “futuro seguro”, se percebia a máxima “em time que está vencendo não se mexe”.

Ou seja, o objetivo último seria seguir crescendo e distribuindo renda por mais cinco anos – algo muito próximo ao que vimos por aqui em passado recente.

Mas, como dissemos, em “De Costas para o Império [2], o Estado Plurinacional seria necessariamente um Estado de transição.

Como projeto político autônomo das classes subalternas – mediado pela correlação de forças, por óbvio – e em detrimento das oligarquias e elites bolivianas, ele estaria refém do aprofundamento do processo de transformação em curso  ou  de uma restauração conservadora.

Enquanto uma esquerda republicana, movida por princípios liberais e pós-modernos, debatia que não seria democrática a nova postulação de Evo, bem como que o Estado Plurinacional “estaria refém” do “populismo”, do “messianismo”, do “desenvolvimentismo”, as elites oligárquicas e forças armadas locais, com o apoio do imperialismo norte-americano (estas sim, categorias que acompanham a Bolívia ao longo de sua história) avançavam no golpe de Estado.

Nesta quarta-feira, 22 de janeiro de 2020, comemoramos 10 anos de Estado Plurinacional.

Mas a comemoração vem com sabor amargo de um golpe de Estado:

*35 assassinatos em Senkata e Sacaba;

*fechamento de Tvs e rádios comunitárias;

*Whipalas queimadas em praça pública e Cholitas (indígenas) açoitadas à luz do dia por grupos juvenis fascistas;

*centenas de presos, especialmente lideranças do MAS-IPSP, partido de Evo, e das organizações indígenas camponesas originárias.

Bastou ser indicado o candidato do MAS, Luís Arce, para, no dia seguinte, o Ministério Público anunciar ampliação das investigações contra ele.

O Estado Plurinacional não morreu.

Não que o fato de a CPE continuar em vigência assegure isso. Porém, a multitudinária mobilização nesta quarta-feira (22/01), em Cochabamba, para comemorar o aniversário do Estado Plurinacional e ouvir Evo, não deixa dúvidas. As classes subalternas bolivianas continuam vivas.

E é do processo de luta que vivenciaram, com o qual sofreram e viram os seus tombarem, que aprenderão que o único futuro seguro possível é aquele que imponha a derrota das oligarquias e do imperialismo.

*Daniel Araújo Valença, professor do curso de Direito da UFERSA, coordenador do Grupo de Estudos em Direito Crítico, Marxismo e América Latina-Gedic

[1] Conferir este e outros dados na entrevista que realizei, ao lado da professora Ilana Paiva, com Álvaro García Linera, Vice-Presidente deposto pelo golpe de Estado de 2019, para a Revista Culturas Jurídicas. Disponível em https://www.brasildefato.com.br/2018/02/06/vice-presidente-da-bolivia-avalia-experiencia-do-governo-de-evo-morales-no-pais/

[2] Livro: “De Costas Para o Império: o Estado Plurinacional da Bolívia e a Luta pelo Socialismo Comunitário”, publicado pela editora LumenJuris.

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.