VIOMUNDO

Diário da Resistência


Ciro caça espaço polemizando com Lula e Dilma, mas ouve dela que é misógino e usa argumentos dos golpistas de 2016
Política

Ciro caça espaço polemizando com Lula e Dilma, mas ouve dela que é misógino e usa argumentos dos golpistas de 2016


13/10/2021 - 18h29

Da Redação

Sem caminho claro para se tornar a “terceira via”, tão buscada pela mídia, o pedetista Ciro Gomes voltou a se alimentar de falsas polêmicas criadas por suas declarações.

Depois de dizer que o ex-presidente Lula tramou contra Dilma Rousseff no golpe de 2016, sem apresentar provas, o presidenciável atacou a própria presidenta.

Chamado de mentiroso por Dilma, Ciro rebateu:

Na vida nunca menti. Mas errei algumas vezes. Uma delas quando lutei contra o impeachment de uma das pessoas mais incompetentes, inapetentes e presunçosas que já passaram pela presidência. Claro que estou falando de você, Dilma.

A petista, por sua vez, publicou uma série de pílulas no twitter:

Ciro Gomes está tentando de todas as formas reagir à sua baixa aprovação popular.

Mais uma vez mente de maneira descarada, mergulhando no fundo do poço.

O problema, para ele, é que usa este método há muito tempo e continua há quase uma década com apenas 1 dígito nas pesquisas.

Só Ciro Gomes é competente.

Este é o pecado de sua enorme presunção.

Esta é a sua visão quando se trata de avaliar o resto da humanidade.

Mas quando se trata de mulher, sua visão não é só inadequada, é também profundamente misógina.

O mais triste de tudo isso é que Ciro se diz arrependido de ter defendido a democracia.

E ainda usa os mesmos argumentos dos golpistas que diz ter combatido.

Para além disso, Ciro sistematicamente distorce os fatos.

E, nisso, não se difere em nada de Bolsonaro.

Ambos adoram quando os alvos de suas agressões reagem.

Precisam disso para obter likes e espaço na mídia.

É disso que se alimentam.

Lamento ter, em algum momento, dado a Ciro Gomes a minha amizade.

Infelizmente para Ciro, encerro esta polêmica estéril por aqui.

O Brasil precisa é discutir a gravíssima crise democrática, social, sanitária e econômica em que se encontra.

Dilma foi eleita em 2010 com cerca de 54% dos votos, seu melhor desempenho eleitoral.

Ciro, por sua vez, teve 10,97% no primeiro turno de 1998, quando concorreu ao Planalto pelo PPS. Depois, teve 11,97% em 2002, também pelo PPS. Em 2018, concorrendo pelo PDT, chegou a 12,47% dos votos no primeiro turno.





17 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

17 de outubro de 2021 às 12h07

https://www.diariodocentrodomundo.com.br/wp-content/uploads/2021/10/pppt-600×491.png

Deltan Dallagnol [DD] escreveu parte da delação
de Barusco e incluiu PT por “fins políticos”

https://www.diariodocentrodomundo.com.br/wp-content/uploads/2021/10/rttt.png

Para Dallagnol, era preciso reformar a delação de Pedro Barusco,
para que se evitasse “o custo político” de “atacar” só o PP, e não o PT

https://www.diariodocentrodomundo.com.br/wp-content/uploads/2021/10/mpfdel-600×464.png

Barusco confessa: construiu “provas” contra Lula junto com os procuradores

As evidências de que Pedro Barusco atendeu aos mandos dos procuradores da Lava Jato e, junto com eles, escreveu nova versão de sua delação premiada, dessa vez incluindo o PT, veio depois, quando, em 2019, o executivo admitiu, em juízo, o modus operandi à margem da lei arquitetado por Dallagnol e seu colega.

Para condenar Lula por corrupção passiva pelo recebimento de vantagem indevida da Odebrecht, no caso Atibaia, a juíza Gabriela Hardt, que substituiu Sergio Moro na 13ª Vara Federal de Curitiba, utilizou uma seleção de delações premiadas.

Uma delas, feita pelo ex-gerente da Petrobras Pedro Barusco, indica que “provas” apresentadas à 13º Vara Federal para “corroborar” as falas de delatores foram fabricadas ainda durante a fase de negociação com os procuradores de Curitiba.

O caso de Barusco está registrado a partir da página 133 da sentença assinada por Hardt em fevereiro de 2019.

Íntegra: (https://t.co/5eJmsEGwrU)

https://www.diariodocentrodomundo.com.br/exclusivo-dallagnol-escreveu-parte-da-delacao-de-barusco-e-incluiu-pt-por-fins-politicos/

“É preciso prender ⁦@deltanmd⁩ o cretino
e para isto o ⁦@cnmp_oficial⁩ precisa abrir
investigação contra ele e não proteger
seus crimes!”
https://twitter.com/RogerioCorreia_/status/1449515528989642755

https://www.diariodocentrodomundo.com.br/wp-content/uploads/2019/08/captura-de-tela-2019-08-29-as-12-35-08-1-600×331.png

Em sentido contrário ao que escreveu Beatriz Lessa da Fonseca Catta Preta
(em artigo na coluna do jornalista Fausto Macedo, em 21/01/2021, no Estadão)*
– advogada que obteve fama nos veículos de comunicação como defensora de
Paulo Roberto Costa e Pedro Barusco, dentre outros delatores/colaboradores
da autodenominada Operação Lava Jato no Paraná – o Instituto da Colaboração (Delação)** Premiada deixou de ser ‘um meio de defesa legal’ (sic) para se transformar num Instrumento Espúrio de Perseguição/Acusação do Ministério Público, inclusive em conluio com juízes parciais, fato comprovado por documentos
juntados aos autos do Processo decorrente de investigações da Polícia Federal
na chamada “Operação Spoofing” (***), ora em trâmite no Supremo Tribunal Federal.

A Lei não apenas obriga que o Acordo e a Homologação Judicial de Colaborações
Premiadas sejam sustentados pela Verdade dos Fatos, fundamentados em Provas,
mas, antes, pressupõe a Boa-Fé de Investigados/Réus e sobretudo a Licitude dos
Atos Praticados pelos Agentes Públicos Envolvidos na Corroboração dos Acordos,
sejam Policiais, Membros do Ministério Público ou do Poder Judiciário.

*(“De Desconhecida e Tabu ao Uso Habitual: o Caminho da Delação Premiada no Brasil”. Beatriz Catta Preta)
[Nesse caso, parece que o Título do Artigo (https://bit.ly/3mVadhK)
se referiu à Advogada, não propriamente à Delação.]
**(https://www.conjur.com.br/2021-mai-13/fernando-capez-colaboracao-premiada-remunerada)
(https://www.conjur.com.br/2017-mar-03/eugenio-aragao-mpf-interesse-delacao-valide-teoria)
***(https://www.prerro.com.br/tag/operacao-spoofing)
(https://www.prerro.com.br/tag/operacao-spoofing/page/2)
(https://www.prerro.com.br/tag/operacao-spoofing/page/3)
(https://www.prerro.com.br/tag/operacao-spoofing/page/4)
(https://www.prerro.com.br/tag/operacao-spoofing/page/5)
(https://www.prerro.com.br/tag/operacao-spoofing/page/6)
(https://www.prerro.com.br/tag/operacao-spoofing/page/7)
(https://www.prerro.com.br/tag/operacao-spoofing/page/8)

(https://www.conjur.com.br/dl/43007-lula-spoofing.pdf)
(https://www.conjur.com.br/dl/defesa-lula-informe-lewandowski.pdf)
(https://stf.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/1173082210/reclamacao-rcl-43007-df-0101589-4820201000000/inteiro-teor-1173082212)

(https://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/wp-content/uploads/sites/41/2021/02/ilovepdf-merged3_080220214050.pdf)
(https://www.migalhas.com.br/arquivos/2021/2/17eb8635a83f44_documento-defesa-lula.pdf)
(https://lula.com.br/wp-content/uploads/2021/03/MANIFESTAC%CC%A7A%CC%83O-E-8o.-RELATO%CC%81RIO.pdf)
(https://cdn.revistaforum.com.br/wp-content/uploads/2021/03/peticao-12o.-e-relatorio-unific..pdf)
(https://www.conjur.com.br/dl/laudo-defesa-lula-spoofing.pdf)

Responder

Darcy Brasil Rodrigues da Silva

15 de outubro de 2021 às 23h52

Adeus!

Responder

Zé Maria

15 de outubro de 2021 às 13h26

https://pbs.twimg.com/profile_banners/18601589/1634298988/1080×360

“Descolonizar o Saber e o Poder”
“Modos de Dominação, Pensamento Reacionário
e Fragmentação da Esquerda”
“Muitas vezes, os movimentos anticapitalistas,
feministas e antirracistas têm combatido
uma destas formas de opressão –
e fechado os olhos às outras.”

Por Boaventura de Sousa Santos *, na WSIMag

Os conflitos sociais têm ritmos e intensidades que variam consoante as conjunturas. Muitas vezes acirram-se para atingir objectivos que permanecem ocultos ou implícitos nos debates que suscitam. Num período pré-eleitoral em que as opções políticas sejam de espectro limitado os conflitos estruturais são o modo de dramatizar o indramatizável.

Os conflitos estruturais do nosso tempo decorrem da articulação desigual e combinada dos três modos principais de desigualdade estrutural nas sociedades modernas. São eles, capitalismo, colonialismo e patriarcado, ou mais precisamente, hetero-patriarcado. Esta caracterização surpreenderá aqueles que pensam que o colonialismo é coisa de passado, tendo terminado com os processos de independência.

Realmente, o que terminou foi uma forma específica de colonialismo — o colonialismo histórico com ocupação territorial estrangeira. Mas o colonialismo continuou até aos nossos dias sob muitas outras formas, entre elas, o neocolonialismo, as guerras imperiais, o racismo, a xenofobia, a islamofobia, etc. Todas estas formas têm em comum implicarem a degradação humana de quem é vítima da dominação colonial.

A diferença principal entre os três modos de dominação é que, enquanto o capitalismo pressupõe a igualdade abstracta de todos os seres humanos, o colonialismo e o patriarcado pressupõem que as vítimas deles são seres sem plena dignidade humana, seres sub-humanos. Estes três modos de dominação têm actuado sempre de modo articulado ao longo dos últimos cinco séculos e as variações são tão significativas quanto a permanência subjacente. A razão fundante da articulação é que o trabalho livre entre seres humanos iguais, pressuposto pelo capitalismo, não pode garantir a sobrevivência deste sem a existência paralela de trabalho análogo ao trabalho escravo, trabalho socialmente desvalorizado e mesmo não pago. Para serem socialmente aceitáveis, estes tipos de trabalho têm de ser socialmente vistos como sendo produzidos por seres humanos desqualificados. Essa desqualificação é fornecida pelo colonialismo e patriarcado.

Esta articulação faz com que as pessoas que acham desejável a desigualdade social do capitalismo tendam a desejar também a continuação do colonialismo e do patriarcado, e sejam, por isso, racistas e sexistas, mesmo que jurem não sê-lo. Esta é a verdadeira natureza dos grupos políticos de direita e de extrema direita. Se, numa dada conjuntura, as preferências racistas e sexistas vêm ao de cima é quase sempre para expressarem a oposição ao governo do dia, sobretudo quando este é menos pró-capitalista que o desejado por tais grupos.

O drama do nosso tempo é que, enquanto os três modos de dominação moderna actuam articuladamente, a resistência contra eles é fragmentada. Muitos movimentos anticapitalistas têm sido muitas vezes racistas e sexistas, movimentos anti-racistas têm sido frequentemente pró-capitalistas e sexistas e movimentos feministas têm sido muitas vezes pró-capitalistas e racistas. Enquanto a dominação agir articuladamente e a resistência a ela agir fragmentadamente, dificilmente deixaremos de viver em sociedades capitalistas, colonialistas e homofóbicas-patriarcais. Talvez, por isso, e como se tem visto ultimamente, aos jovens de muitos países seja hoje mais fácil imaginar o fim do mundo (pelo agravamento da crise ambiental) do que o fim do capitalismo. A assimetria entre a dominação articulada e a resistência fragmentada é a razão última da tendência das forças de esquerda para se dividirem em guetos sectários e das forças de direita para se promiscuirem em amálgamas ideológicas na mesma cama do poder.

A continuidade da dominação segrega um senso comum capitalista, racista e sexista que serve as forças de direita, até porque é reproduzido incessantemente por grande parte da opinião publicada e pelas redes sociais. Porque age na corrente, a direita pode dar-se ao luxo de ser indolente e transmitir a ideia de “estar ao corrente” e, quando tal não funciona, acciona a sua asa de extrema direita (tão presa ao seu tronco quanto a asa de direita moderada) para dramatizar o discurso e provocar novas divisões nas esquerdas, sobretudo se estas ocupam o poder de governo e estamos em período pré-eleitoral e a ausência de alternativas credíveis salta aos olhos.

Pelo contrário, as forças de esquerda estão sempre à beira do abismo da fragmentação por terem sido treinadas no mundo eurocêntrico para desconhecer ou descartar as articulações entre os três modos de dominação.
As dificuldades são ainda maiores por terem de agir contra a corrente do senso comum reacionário.

* Boaventura de Sousa Santos é uma referência mundial no campo da ciência social.
Tem escrito e publicado extensivamente nas áreas de sociologia do direito,
sociologia política, epistemologia, estudos pós-coloniais, e sobre os temas
dos movimentos sociais, globalização, democracia participativa e direitos humanos.

Íntegra em: (https://wsimag.com/pt/economia-e-politica/56117-descolonizar-o-saber-e-o-poder)
http://desacato.info/descolonizar-o-saber-e-o-poder

Responder

Darcy Brasil Rodrigues da Silva

15 de outubro de 2021 às 09h28

Adeus, Frente Ampla contra o Fascismo! A guerra suja, sem menor apreço aos princípios, iniciada em dezembro de 2017 pelo Brasil 247, com ataques de baixíssimo nível contra Ciro Gomes, produziu a réplica, igualmente destituída de princípios, por parte de Ciro Gomes e ciristas. É uma pena. Todos ataques da oposição a Bolsonaro deveriam ser concêntricos, enfeixados por uma poderosa Frente Ampla. Entretanto, essa ideia escapa a estreiteza de vistas dos oportunistas dos dois lados, ambos apegados a projetos exclusivistas de poder, disputando, sem foice e sem martelo, porque sem compromisso algum com um futuro socialista, a gerência do governo burguês, saudosos dos favores e facilidades concedidos aos carreiristas e seus agregados dos gabinetes diversos, pelo aparelhamento descarado dos lugares oferecidos pelos poderes dos mandatos conquistados. Sinto vontade de vomitar para os dois lados. Nesse ambiente repugnante, não há lugar para os que disputam a realidade com suas utopias. Em 2022, votarei contra Bolsonaro. Ponto final. Em seguida, espero poder colaborar para construir uma outra alternativa a esses oportunistas que se dizem “de esquerda” tão habituais na História do Brasil. Tanto PT quanto PDT são partidos da ordem burguesa, que morrerão com a superação da mesma. As baixarias que vocalizam suas militâncias produzem claques de pequeno-burgueses inúteis às causas dos trabalhadores e do povo, que demandam revolucionários abnegados, como aqueles que doaram seu sangue em luta por seu ideais. Tanto Ciro quanto Lula são anões quando comparados com as alturas de heróis como Diógenes Arruda, Luis Carlos Prestes, Maurício Grabois ou Osvaldão. Infelizmente, esse fato revela a distância que nos encontramos dos princípios que outrora orientam a vida dos revolucionários, dos homens capazes de inspirarem aos seus povos lutas de massas tranformadoras.

Responder

Zé Maria

15 de outubro de 2021 às 08h51

PoderData

Avaliação do Genocida
[O Rodrigues do PD foi bondoso
com o Serial Killer do Planalto
chamando de “trabalho” do PR]

Ruim/Péssimo = 53%
Ótimo/Bom = 29%

https://static.poder360.com.br/2021/10/pd-bolsonaro-drive-13-out-2021-02-1212×2048.png

Responder

    Zé Maria

    15 de outubro de 2021 às 12h58

    .
    Segundo a quarta rodada da pesquisa Genial/Quaest,

    52% dos eleitores que escolheram Bolsonaro para presidente,
    no segundo turno de 2018, repetiriam hoje o voto nele
    [significa dizer que 48% deixariam de votar no Genocida];
    21% migrariam para Lula (PT), no primeiro turno de 2022,
    e outros 12% dizem hoje que cravariam branco, nulo
    ou ainda não sabem.

    Já entre os que votaram em Fernando Haddad (PT-SP)
    no segundo turno de 2018, 79% votariam em Lula, no
    primeiro turno, e apenas 1%, em Bolsonaro
    Outros 12% escolheriam Ciro Gomes (PDT-CE),
    3%, João Doria (PSDB-SP), e 5% votariam branco/nulo,
    .
    [Blog da Jornalista Mônica Bergamo]
    .
    “Bolsonaro perdeu Metade da Base Eleitoral”

    “Se no primeiro turno das eleições de 2018 Jair Bolsonaro teve 46% dos votos válidos,
    a 4º rodada da pesquisa Genial/Quaest mostra que seu desempenho hoje
    seria bem pior. Bolsonaro não passaria dos 30% de votos válidos”,
    escreveu o Cientista Social Felipe Nunes, diretor do instituto.

    “Os dados da pesquisa mostram que apenas 52% daqueles que votaram
    em Bolsonaro no segundo turno de 2018 votariam outra vez no presidente,
    ele perdeu metade da base”, acrescentou.

    https://www.redebrasilatual.com.br/politica/2021/10/bolsonaro-perde-metade-de-sua-base-eleitoral-mostra-pesquisa/

abelardo

14 de outubro de 2021 às 12h11

Parece que Ciro Gomes resolveu definitivamente dobrar pelo caminho da direita, para transitar na mesma estrada tortuosa onde é comum se encontrar com FHC, Roberto Freire, Cristóvão Buarque, Paulinho da força, Marina Silva, entre outras figuras. Com as seguidas bolas fora, que o afasta cada vez mais do lado do povo, ele deixa a entender que decidiu se bandear para o lado onde habita a grande maioria dos inimigos do povo. Então, se é assim, “tchau querido” e seja feliz, se puder.

Responder

Carlos Ixacab

14 de outubro de 2021 às 10h38

O caso é que Lula se reuniu com Geddel aqui na Bahia. Sim aquele das malas de dinheiro. Também com Sarney e Temer falta quem pra completar o time? O Eduardo Cunha?

Responder

Henrique Martins

13 de outubro de 2021 às 21h03

https://www.diariodocentrodomundo.com.br/fux-stf-envolvimento-andre-mendonca/

É deveras compreensível a preocupação de Fux. Mais o fato é que André Mendonça é lavajatista né mesmo….

Responder

Avel Alencar

13 de outubro de 2021 às 20h24

Ciro voltou de onde nunca saiu um cara da ARENA e do PDS.

Responder

Marco Vitis

13 de outubro de 2021 às 20h09

Ciro é misógino porque criticou o desempenho político de Dilma ? Cruz credo !!! Assim não dá.
Sugiro a Dilma que converse com Marta Suplicy para saber o que Lula dizia da Presidenta Dilma pelas costas. Mas este comportamento de Lula também não é misógino. Tem outro nome…

Responder

    Moacir R. de Pontes

    14 de outubro de 2021 às 18h01

    A misoginia está enraizada profundamente em nossas almas… Mas alguns são mais misógenos que outros!

Kauan Líquen

13 de outubro de 2021 às 20h03

O Ciro quer brigar, mas o Lula faz certo em ignorar.
Ele tenta a-trair a classe média de direita para votar nele. Mas na direita vai ter uns 5 candidatos. Votos/5.
Enfim, é um truque para contrapondo-se ao pt dizer que é direita.
Algum valentão aí vai no estádio mandar o Bozo tomar no uuu. Não, né !
De repente aparece um milico de 2 m de altura faixa preta de Jiu Jitsu.
A Dilma saiu pq era mulher. Aceita que doe menos.
Tudo que ela disse naquele discurso final, aconteceu.
PEDALADA foi dar 50 bilhões ao Itaú. Agora remanejar grana isso não é pedalada agora e nunca foi antes dessa MULHER.
Nossa grana para os banqueiros do Itaú.
Quem mais ganhou alguns bizinhos do pibinho.

Responder

    Marco Vitis

    14 de outubro de 2021 às 15h10

    Dilma é uma mulher honesta e sofreu um golpe (político e nada a ver com misoginia). Acho contraditória sua defesa de Lula e crítica à transferência de $$$ aos banqueiros. O próprio Lula se “vangloria” de ter enchido os cofres de banqueiros com $$$ público. É ou não é fato ?

    Moacir R. de Pontes

    14 de outubro de 2021 às 18h06

    Golpe 90% ganância rentista/10% misoginia…

Zé Maria

13 de outubro de 2021 às 19h38

O Ciro tá totalmente Perdido.

Responder

Riaj Otim

13 de outubro de 2021 às 19h36

Ciro não ganhou o suficiente por ter eleito o Mito, agora que se cacifar para terceira via como quem pode fazer tudo que o neofascismo queria que Bozo já tivesse feito, como fechar congresso , STF e mandando uns 30 milhões de esquerdista para o buraco,

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding