VIOMUNDO

Diário da Resistência


Bresser-Pereira: Acordo com a UE agora, condena o Brasil ao atraso
José Cruz/Agência
Política

Bresser-Pereira: Acordo com a UE agora, condena o Brasil ao atraso


29/06/2019 - 23h07

Acordo que condena o Brasil ao atraso

por Luiz Carlos Bresser-Pereira, no Facebook

Os jornais informam hoje que depois de 20 anos de negociação o Brasil fechou acordo com a União Europeia. E a notícia é recebida pelos brasileiros de direita e de esquerda, liberais e desenvolvimentistas.

Apenas Celso Amorim, o grande ex-ministro das Relações Exteriores do Brasil, mostra-se preocupado, mas não com o efeito maléfico deste acordo em relação à indústria; adverte apenas que com um Brasil e seu governo muito enfraquecidos, essa não foi a melhor hora para fechar um acordo.

Os economistas do Ministério da Economia, praticantes eméritos da futurologia, preveem que o acordo entre Mercosul e União Europeia pode aumentar as exportações brasileiras à região em quase US$ 100 bilhões até 2035.

E esperam um impacto positivo no PIB) brasileiro de US$ 87,5 bilhões em 15 anos.

Os economistas da Confederação Nacional da Indústria, que deviam estar preocupados com o gravíssimo processo de desindustrialização, entram no jogo e apostam que o acordo pode agregar US$ 9,9 bilhões às exportações do Brasil para a região, representaria um aumento de 23,6% em dez anos.

Na verdade, esse acordo é um desastre para o Brasil; é mais um passo no sentido de desindustrializar, o sonho do Ocidente imperial e dos liberais dependentes brasileiros de tornar o Brasil um mero exportador de commodities, cujo PIB continuará crescendo a uma taxa anual por habitante de apenas 1 por cento ao ano, ficando, dessa maneira, cada vez mais para trás não apenas dos demais países em desenvolvimento mas também dos países ricos.

Como posso eu fazer essas afirmações se, em 1987, como Ministro da Fazenda, eu fui o primeiro a iniciar a liberalização comercial brasileira, e que continuo um forte defensor da abertura e da competição internacional?

Por uma razão muito simples, que eu desconhecia há 30 anos atrás, mas hoje sei muito bem.

As elevadíssimas tarifas aduaneiras acompanhadas por controles administrativos de importação não eram protecionismo, ao qual me oponho, mas uma forma de neutralizar a doença holandesa em relação ao mercado interno.

Quando em 1990, depois da preparação iniciada por mim, o Brasil baixou suas tarifas médias de importação de 45 por cento para 12 por cento, desmontamos nosso sistema de neutralização da doença holandesa e a indústria brasileira passou a enfrentar uma desvantagem competitiva muito grande.

Para o Brasil voltar a se industrializar e a crescer realizando o alcançamento, além de superar a crise fiscal e voltar a aumentar a poupança e o investimento público, o Brasil deveria aumentar de forma linear suas tarifas de importação de manufaturados.

Ao fazer isso, não estaria sendo protecionista, mas estaria estabelecendo igualdade de condições para as empresas localizadas no Brasil (nacionais ou multinacionais) em relação às empresas localizadas em outros países.

Eu conheço bem o ridículo argumento liberal a favor de uma taxa de câmbio apreciada: “ela obrigará as empresas nacionais a serem mais competitivas”.

Obrigar as empresas a serem mais competitivas do que já estão sendo obrigadas desde 1990?

Sugerir que são apenas as empresas nacionais que estão sendo prejudicadas, quando hoje boa parte da indústria já está nas mãos de empresas multinacionais?

No momento presente a apreciação cíclica e de longo prazo do real que a Teoria Novo-Desenvolvimentista prevê em função da doença holandesa e de juros altos não está ocorrendo e o real não voltou a se apreciar fortemente depois da crise financeira de 2014-2015.

Isto acontece porque a taxa de juros baixou, e porque o Brasil continua em crise não apenas econômica mas também política, de maneira que nem nacionais nem estrangeiros têm confiança na economia brasileira, e a taxa de câmbio se mantém em um nível relativamente competitivo.

Mas quando o Brasil faz um acordo como esse que está fazendo com o Mercosul, os brasileiros e seu governo deveriam pensar no longo prazo e estar usando a melhor teoria econômica disponível.

Não é isso que estão fazendo, mostrando não conhecer a teoria relevante para essa questão e não ter capacidade de pensar de maneira independente.

Ao assinar esse acordo, eles estão condenando a economia brasileira e sua indústria ao atraso.

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

01 de julho de 2019 às 17h54

Justificativa de empresa encerrando suas atividades no Rio Grande do Sul: “esperávamos um Brasil que não veio”

Como assim, votou em Bolsonaro, q não prometeu nada, além de armas
para o povão e STF para Moro, esperava que Brasil?

No Brasil o Uno foi a #VazaJato quebrando o país

https://twitter.com/TiaBiba49/status/1145776344149741573

Responder

Zé Maria

01 de julho de 2019 às 17h50

A Prisão de Lula e a Eleição de Jair Bolsonaro
já foram uma Condenação do Brasil ao Atraso.

Responder

lulipe

30 de junho de 2019 às 14h28

Se tivesse sido celebrado por um governo petista teria sido o maior acordo da história do universo, mas…. O choro é livre, lula não. #mito2022moro20262030

Responder

abelardo

30 de junho de 2019 às 14h14

Eu acredito que o que aconteceu ao Brasil foi uma espécie de rapto, após o fatídico estrupo da constituição pelo recurso do domínio do fato, na AP470. Desde aquele momento o Brasil deixou de ser o país que todos vivíamos e conhecíamos tão bem. Parece que raptaram-no e o deixaram vagar ao Deus dará em uma região que ninguém conhece, que ninguém consegue entender e que por mais que gritemos, solicitemos e peçamos ajuda e socorro, nenhuma autoridade sequer olha em nossa direção. Parece que elas estão dopadas por penduricalhos, pelas mordomias, pela ilusão do status, pelos holofotes, flashes midiáticos e pela falsa sensação de poder e invulnerabilidade. Imagino que para manterem e continuarem a desfrutar dessa insana utopia, se fecharam as barbaridades da ilegalidade, tais como: armação da indecente falcatrua de pedaladas fiscais; impeachment ilegalmente “arranjado” contra Dilma; uso da imundície jurídica em forjar provas, tramar e praticar delinquências jurídicas, pela operação lava jato, para servir premeditadamente de cortina enquanto tentavam fuzilar politicamente a Lula, sem sucesso; desmobilização e destruição de grandes empresas nacionais; desestruturação do mercado da produção e do consumo; extinção da CLT e implosão do mercado de trabalho no país. Feito tudo isto, se faz a pergunta: se no social, financeiro e econômico temos um país arrasado, fragilizado e sufocado pela omissão, pela covardia, pela ganância e anti-patriotismo demostrado pelas autoridades, que deveriam lhe proteger e também que deveriam ter atendido aos gritos e acenos de socorro que a população nunca deixou de fazer, o que fazer fomos raptados por forças que andam de braços dados com o atraso e a degradante submissão? O que fazer, se sendo nós os únicos e principais prejudicados a assumir toda a dívida e todo o sacrifício desta monumental invasão estrangeira contra a soberania nacional e contra as nossas riquezas? Não é hora de fazer acordo e se passou muito da hora de acordar, para resgatarmos o Brasil das mãos de nossos raptores.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.