VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Política

Brasil de Fato: Ruralista foge de debate na TV


07/09/2011 - 12h34

CNA foge de debate sobre agrotóxicos na TV

sex, 2011-09-02 16:53

Integrante da CNA abandonou gravação de programa da TV Justiça depois de exibição do documentário “O veneno está na mesa”, de Silvio Tendler

06/09/2001

Maria Mello, no Brasil de Fato, sugerido pelo Igor Fellipe

De Brasília

Um episódio estarrecedor marcado pela falta de respeito à democracia e ao livre debate de ideias provou, mais uma vez, que os ruralistas não têm como defender o indefensável.

Na tarde desta terça-feira (06), um dos representantes da Campanha contra os Agrotóxicos e Pela Vida no Distrito Federal e integrante do SINPAF, Vinícius Freitas, participaria da gravação do programa “Meio ambiente por inteiro”, da TV Justiça, em Brasília, para debater o problema do aumento do uso dos agrotóxicos no Brasil. Além de Freitas, a produção do programa convidou também o integrante da Confederação da Agricultura e Pecuária no Brasil (CNA) José Mário Schereiner para expor a visão da entidade em relação ao tema.

Após serem recebidos pela equipe do programa, os debatedores foram informados da linha de condução das perguntas. No roteiro da entrevistadora, a primeira pergunta seria direcionada ao ruralista e afirmava ser utópica a possibilidade de acabar com o uso de agrotóxicos no país.

No início da gravação, a jornalista apresentou os participantes e chamou o VT de um trecho do documentário “O veneno está na mesa”, recém-lançado pelo cineasta Silvio Tendler e que ganhou repercussão nacional, que serviria como pontapé inicial para o debate.

Antes que a transmissão do trecho do filme terminasse, porém, um dos três assessores de Schereiner que acompanhava a gravação dentro do estúdio correu até a apresentadora e determinou a interrupção do andamento do programa. “Não sabíamos que vocês iriam exibir esse filme, podem parar”, bradou o assistente.

O dirigente ruralista, por sua vez, passou a argumentar de forma agressiva com a equipe de jornalistas que não continuaria com a gravação e que não estava ali “para que seus filhos o vissem como assassino”.

No intuito de garantir o debate, a produção se desculpou e propôs que a exibição do VT fosse excluída, o que de pronto foi negado por Schereiner. O grupo deixou o local alegando “insegurança” para continuar a gravação.

“Lamentamos não ter podido promover um debate saudável sobre um assunto tão importante para a população. Continuamos à disposição do programa e da sociedade brasileira para ouvir e argumentar”, afirma Freitas.

Por fim, o programa não foi gravado, mas a produção do “Meio ambiente por inteiro” afirmou que pretende convidar novamente o SINPAF para debater o tema.

Veja também:

Para assistir o documentário de Silvio Tendler, clique aqui

O imperdível documentário Comida S/A

Stédile expõe a nova estratégia do MST

Danielly Palma: O veneno no leite materno

Wanderlei Pignati: A água contaminada que você bebe

Raquel Rigotto: A herança maldita do agronegócio

Kaline Fávero: As doenças respiratórias e os agrotóxicos

Amaury Ribeiro Jr.: Os Privatas do Caribe

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



23 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Militantes do Facebook descobrem a política | Viomundo - O que você não vê na mídia

09 de setembro de 2011 às 14h48

[…] Brasil de Fato: Ruralistas fogem de debate na TV […]

Responder

Alexei_Alves

08 de setembro de 2011 às 13h53

Na minha opinião a questão dos agrotóxicos é o grande calcanhar de aquiles do agronegócio. É um assunto que precisa ser levado para toda a sociedade AGORA. Causará muito mais comoção popular do que os assassinatos de trabalhadores sem terra, ou grilagens de terras públicas, pois nos afeta a TODOS. Quando as pessoas souberem que estão nos empurrando veneno na comida conseguiremos aí sim uma mobilização nacional contra os ruralistas da senhora Kátia Abreu e seus ataques à natureza e à vida..

Só mais uma coisa: O ruralista dizer que aquele filme não permite uma "discussão saudável" sobre o assunto só pode ser uma piada de mau gosto.

Responder

Augusto

08 de setembro de 2011 às 12h38

E cadê a ANVISA? O governo federal não pode isentar-se dessa responsabilidade. Sabemos que existe um forte lobby para os agrotóxicos (que insistem em chamar de "defensivos"), mas os responsáveis tem que tomar uma atitude. Vamos, Dilma!

Responder

Sônia Bulhões

07 de setembro de 2011 às 22h55

A senadora katinha, diz no vídeo do Silvio Tendler, que não há condições de uma agricultura natural. Diz que seriam necessários mais três Brasis. Pena que aqui não dá para postar fotos de hortaliças e até tomate e morango que meu amigo cultiva em vasos como se fossem flores, e os distribui para a família, para os vizinhos e amigos, em grandde quantidade. Cultiva no último piso de sua casa na cidade. Sim senhore, sem agrotóxico algum.

Responder

Antonio

07 de setembro de 2011 às 21h49

A turma do agrotóxico, com essa megera à frente, não conseguem defender a utilização exacerbada dos agrotóxicos e fogem do debate. Estamos realmente em perigo. O Governo Federal precisa investigar mais a fundo o que está acontecendo com a produção de alimentos. Pela fuga do sujeito, o envenenamento é bem maior do que se sabe.

Responder

    Nelson

    07 de setembro de 2011 às 23h01

    Meu caro Antônio, o governo federal atual, da "nossa companheira", e o anterior, do "nosso companheiro", sabem de tudo o que está acontecendo com a produção de alimentos no país. Portanto, creio que não é investigação que está em falta.
    Falta é tomar uma posição corajosa em favor do meio ambiente e da saúde do povo brasileiro, apostando na reforma agrária e na agroecologia.
    Infelizmente, acho que não verei isso. O governo Dilma, assim como aconteceu com o de Lula, optou pelo produtivismo altamente deletério e degenerativo das condições ambientais; é preciso engordar os números do PIB, não importando a que preço.
    Adotaram o produtivismo, que deixou destruição ambiental monstruosa da antiga União Soviética. E olha que a turma do PT que, digamos, dá as cartas no governo, é a mesma que, tempos idos, se esmerava em criticar o comunismo soviético por aquele ter praticado o produtivismo.

    Antonio

    07 de setembro de 2011 às 23h14

    Eu não conhecia essa história do produtivismo, muito menos na União Soviética. É tanta coisa errada pelo que precisamos brigar que dá até um desconcerto.

Pafúncio Brasileiro

07 de setembro de 2011 às 18h33

Azenha,
Sobre esta questão dos agrotóxicos no Brasil. Até o ano 2000 ou 2001 a ANDEF (Associação das empresas produtoras de defensivos, os chamados agroquímicos) publicava os valores em bilhões de dólares do mercado nacional, na Internet. A partir daí não publicaram mais. O negócio é muito bom e se multiplicou várias vezes (acho que mais de 10 vezes). Eu tenho gravado em hardcopy as paginas de então. Era coisa, na época de 2,5 Bilhões de Dólares. Você as quer ? Se, sim, vou procurar no meu baú.

Responder

Marat

07 de setembro de 2011 às 17h55

Hoje eu vi um bando de bobos, com as caras pintadas, na Av. Paulista, atrapalhando o trânsito. Eles faziam algo parecido com uma manifestação popular, onde pediam o fim da corrupção e a não-construção de Belo-Monte. isso eu acho que a imprensa-pig apóia. Isso para eles é liberdade de expressão. Agora, quando há outro tipo de manifestação, contra, por exemplo, o péssimo governo pessedebista em SP, ai a imprensa não apóia e ainda diz que o trânsito foi atrapalhado pelos manifestantes. Isso quando não os tacha de baderneiros. Sinceramente, precisamos ter um congresso progressista o suficiente para aprimorarmos a legislação e abrir mais canais de televisão e jornais, diferentes desses que estão ai, a serviço do grande capital internacional, do governo dos EEUU e das elites locais!

Responder

JotaCe

07 de setembro de 2011 às 16h38

Azenha,
Divulgação excelente para o Dia da Pátria, quando o povo protesta contra a corrupção em todas as suas formas! Parabéns ao Igor pela sugestão, ao Vi o Mundo por divulgar o acontecido, e também aos jornalistas da TV Justiça que pautaram a matéria. Muito desejo que possam estes últimos resistir à pressão que irão receber, a fim de amaciar um futuro programa para salvar os fujões. Se condenados um dia todos os vende-pátrias, sugiro que a cozinheira deles seja a senadora que recomenda comida envenenada para os pobres…Abraços, JotaCe

Responder

Marcio H Silva

07 de setembro de 2011 às 16h29

O cara confessou que é assassino.

Responder

José Eduardo Camargo

07 de setembro de 2011 às 15h59

Não sei se vocês sabem, mas esses ruralistas não comem o que plantam por causa dos venenos que usam. Mas fico me perguntando o que eles comem e de onde vem a comida em seus pratos. De Marte? De outros produtores como eles? Resumindo, é inescapável o fato de que está todo mundo sendo envenenado, inclusive eles, os envenenadores!

Responder

    Marcio H Silva

    07 de setembro de 2011 às 16h29

    Os Ruralistas de elite compram os hidroponicos e os livres de agrotoxicos, os fazendeiros pobres cultivam suas comidas separado.

    JotaCe

    07 de setembro de 2011 às 19h29

    Contudo, Márcio, mesmo assim eles não escapam e levam suas famílias a se envenenarem. Ainda que se sirvam em geral de produtos orgânicos (veneno é pra pobre, leciona a senadora), comem muito bagulho processado. Mas há ainda a água (mesmo a de poços profundos) e até o ar empesteado de venenos. Abraços, JotaCe

    Marcio H Silva

    07 de setembro de 2011 às 22h46

    Lembrou bem. O aquífero que temos na região Sul/Sudeste pode estar ou já está em perigo.

Leider_Lincoln

07 de setembro de 2011 às 14h57

Nem o Richard Smith, que tem dados sinais inquietantes sobre sua saúde mental, participaria de um debate destes a favor do uso de agrotóxicos…

Responder

Marcelo Fraga

07 de setembro de 2011 às 14h24

Direitista, golpista e ruralista só debatem um assunto quando estão em posição favorável.

Responder

Marat

07 de setembro de 2011 às 13h47

Isso sim é que é liberdade de expressão hein? O democrata em questão não evocou a tal da liberdade? Será que o RSF vai tomar as dores da TV Justiça?

Responder

Jairo_Beraldo

07 de setembro de 2011 às 13h43

Vale lembrar que José Mário Schereiner foi secretario da agricultura do "grande" reizinho de Goiás, M. Perigo.

Responder

FrancoAtirador

07 de setembro de 2011 às 13h06

.
.
Marcha contra a corrupção

CIVITA, FRIAS, MARINHO OU MESQUITA

QUEM VAI SER O PORTA-BANDEIRA?

<img src="http://www.computerworld.com.pt/media/2011/05/bandeira_pirata.jpg"&gt;

Responder

    JotaCe

    07 de setembro de 2011 às 19h36

    A Senadora Kátia, caro Franco. Aquela do agronegócio e defensora do veneno. A que tem o descaramento de recomendar aos pobres comer veneno. Um abração, JotaCe

Fabio_Passos

07 de setembro de 2011 às 12h57

Então o covardão da CNA – José Mário Schereiner – fugiu do debate?

Se ele não quer ser visto como um assassino pelos próprios filhos… deveria ter ao menos a capacidade de argumentar.

Evidente que a CNA e os fabricantes de veneno estão preocupados apenas com lucros.
E a saúde da população que se exploda.

Responder

FrancoAtirador

07 de setembro de 2011 às 12h49

.
.
Na verdade, esses é que são os assassinos do campo.

E não têm nem a coragem de mostrar a cara ao povo.

Preferem sair de soslaio e agir na emboscada, de tocaia.
.
.
REFORMA AGRÁRIA JÁ !!!

E VIVA O MST !!!
.
.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.