VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Bolsonaro sabia, mas não fez nada para barrar o vacinagate, patrocinado pelo líder do governo na Câmara
Reprodução
Política

Bolsonaro sabia, mas não fez nada para barrar o vacinagate, patrocinado pelo líder do governo na Câmara


23/06/2021 - 13h50

A CPI da Covid estará requisitando segurança p/ o Deputado Luís Miranda, ao irmão e aos familiares. As informações que o Deputado está declinando à imprensa e que trará a esta CPI, são de extremo interesse público. Sua vida e de sua família precisam estar resguardadas. Randolfe Rodrigues, vice-presidente da CPI.

Randolfe denuncia o conluio

Da Redação

A compra da vacina indiana Covaxin, à qual o governo brasileiro destinou R$ 1,6 bilhão, se transformou no caso que pode levar ao impeachment de Jair Bolsonaro.

O presidente foi alertado sobre o escândalo pelo deputado Luis Miranda (DEM-DF), que enviou a ele, através de um secretário, duas mensagens de texto:

Avise o PR [presidente da República] que está rolando um esquema de corrupção pesado na aquisição das vacinas dentro do Ministério da Saúde. Tenho provas e as testemunhas. Sacanagem da porra… A pressão toda sobre o presidente e esses ‘FDPs’ roubando.

Não esquece de avisar o presidente. Depois, não quero ninguém dizendo que eu implodi a República. Já tem PF e o caralho no caso. Ele precisa saber e se antecipar.

As mensagens são do dia 20 de março deste ano. Miranda foi alertado pelo irmão, Luis Ricardo Miranda, chefe de importação do Departamento de Logística em Saúde do Ministério da Saúde.

A compra das vacinas da empresa indiana Bharat Biotech, ainda em fase três de testes, foi feita por U$ 15 a dose, 5 dólares a mais que as vacinas da Pfizer e Janssen.

Foi a única compra em que o governo federal utilizou um intermediário, a empresa Precisa, cuja sócia é a Global Gestão em Saúde S. A.

Foi, também, a negociação mais rápida: apenas três meses.

O líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), ex-ministro da Saúde no governo Temer, atuou em defesa do interesse das empresas.

Foi ele o autor da emenda que permite a importação de vacinas sem registro na Anvisa.

Na sua emenda, Barros acrescentou especificamente a Central Drugs Standard Control Organization (CDSCO), equivalente indiana da Anvisa, como órgão habilitado a autorizar o uso da vacina.

Barros está sob investigação por improbidade administrativa justamente por suspeita de favorecimento à Global Saúde quando era ministro.

Em 2017, a Global recebeu R$ 20 milhões antecipados para comprar remédios contra doenças raras, mas nunca cumpriu o contrato.

O deputado Luís Miranda e o irmão foram convocados para depor na CPI da Pandemia na próxima sexta-feira.

Miranda disse que visitou pessoalmente o presidente Jair Bolsonaro, ao lado do irmão, para fazer a denúncia, mas não recebeu retorno.

O caso está sob investigação do MPF. Ao depor, o irmão do deputado confirmou que sofreu pressão incomum para autorizar o negócio.

Ele atribuiu as pressões ao tenente-coronel do Exército Alex Lial Marinho, na época coordenador-geral de Logística de Insumos Estratégicos para Saúde.

A compra da vacina Covaxin foi a única em que o presidente Jair Bolsonaro intercedeu pessoalmente, em conversa com o primeiro ministro da Índia, Narandra Modi.

O empresário Francisco Emerson Maximiano, dono da Global e da Precisa, deixou de comparecer à CPI alegando que estava cumprindo quarentena, depois de voltar da Índia.

Ele teve os sigilos quebrados pela CPI e deve depor na semana que vem.





11 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

carlos

25 de junho de 2021 às 07h54

Esse tal onyx é o réu confesso, do cx 2 da JBS, que recebeu dinheiro e disse que foi o que menos recebeu não podia levar em consideração pq seria um meio roubo, pergunta existe no código de processo 1/4, 1/3, 1/2 roubo? Não existe é o roubo, não existe meio ladrão o que existe é o ladrão.

Responder

Bíblia do 17

24 de junho de 2021 às 10h44

O Mito foi eleito por milhões de pessoa para fazer o que faz e não para ser delegado de porta de cadeia.

Responder

Marcela

23 de junho de 2021 às 22h38

Qdo eu digo que isto aqui é um país fudido me olham de revés.
Por isso que sempre ri por dentro (disfarçadamente) com esse fodão de RDE.
O drácula aqui é quem enfia a estaca. rsrsrs !

Responder

abelardo

23 de junho de 2021 às 19h00

luvas pra quem precisa

Responder

Zé Maria

23 de junho de 2021 às 18h54

“Eduardo Bananinha e Onyx Lorenzoni estão
ameaçando explicitamente o servidor público
do Ministério da Saúde que denunciou
o escândalo de corrupção na compra da Covaxin.
Quem tem que ser investigado é Bolsonaro,
que sabia do esquema e nada fez.” #BolsonaroCorrupto

https://twitter.com/MarceloFreixo/status/1407817371973296131

Responder

Marco Vitis

23 de junho de 2021 às 18h46

Quero cadeia pra Bolsonaro e seus cúmplices.

Responder

Zé Maria

23 de junho de 2021 às 18h42

Boaram pra rua o Ruralista Madeireiro Garimpeiro Salles
pra abafar o Vacinagate, o Maior Escândalo de
Corrupção do Desgoverno de Jair Bolsonaro.

Responder

Zé Maria

23 de junho de 2021 às 18h35

O Ônix Caixa 2 é o Advogado de Defesa do Genocida Corrupto.

Responder

Zé Maria

23 de junho de 2021 às 17h52 Responder

Zé Maria

23 de junho de 2021 às 17h04

A CPI do Genocídio tem de convocar também
esse Secretário do Deputado Luis Miranda.

https://www.camara.leg.br/deputados/204381/pessoal-gabinete?ano=2019

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding