VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Ao sofrer segundo impeachment, Trump demonstra firme controle do Partido Republicano
Foto Wikipedia
Política

Ao sofrer segundo impeachment, Trump demonstra firme controle do Partido Republicano


13/01/2021 - 18h47

Da Redação

O presidente Donald Trump tornou-se o primeiro líder dos Estados Unidos a sofrer dois impeachments esta tarde, quando a Câmara votou (232 a 197, com 5 abstenções) que ele deve ser julgado por incitar uma insurreição contra o Parlamento no dia 6 passado.

Naquela data, depois de ouvir um discurso de Trump dizendo que marcharia até o Congresso com os manifestantes, para dar “espinha” aos republicanos que relutavam em reverter o resultado do Colégio Eleitoral, apoiadores do presidente invadiram e depredaram o Capitólio, num episódio que resultou na morte de seis pessoas, inclusive dois policiais.

Na votação de hoje, 10 deputados republicanos acompanharam os democratas, mas Trump manteve a lealdade da grande maioria da bancada, com 197 votos.

O presidente obteve 70 milhões de votos na disputa contra Joe Biden em novembro passado. Além disso, em sua campanha para contestar o resultado, Trump arrecadou mais de U$ 250 milhões.

O resultado da votação mostra que o presidente ainda mantém firme controle sobre o Partido Republicano, embora na primeira tentativa de impeachment — sob acusação de exigir da Ucrânia que investigasse a família Biden — os deputados do partido tenham votado de forma unânime contra o processo.

Agora, Trump será julgado mais uma vez no Senado. O líder dos republicanos, Mitch McConnell, já anunciou que não convocará a Casa antes de 19 de janeiro.

Com isso, o presidente completará seu mandato sem correr o risco de ser afastado.

McConnell terá papel decisivo no processo. Se romper com Trump, como se especula, poderá arrastar consigo os votos necessários para condenar Trump com 2/3 do Senado, tornando o presidente inelegível.

Qualquer que seja o resultado, a votação de hoje mostra que o trumpismo assumiu o controle do Partido Republicano de maneira sólida, o que torna o presidente um candidato em potencial para disputar a Casa Branca em 2024.

Autoridades dos Estados Unidos se preparam de maneira inusitada para a posse de Joe Biden no dia 20 de janeiro, colocando até 15 mil soldados da Força Nacional e do Exército em Washington e no entorno da capital.

Muito se fala no risco de ataques de nacionalistas e supremacistas brancos contra as sedes regionais de poder nos 50 estados.

Banido do twitter, do Facebook e do Instagram, Trump opera para se afastar do episódio do dia 6, que partidários dele atribuem a radicais dissociados do Partido Republicano.

Nos discursos feitos hoje na Câmara, muitos republicanos tentaram, mais uma vez, pintar o presidente como vítima de perseguição dos democratas, que teria começado no dia de sua posse, quatro anos atrás.





Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding