VIOMUNDO

Diário da Resistência


Ameaça de Palocci de delatar bancos e empresas de comunicação pode ter sido “recado” chave para soltura de José Dirceu
Falatório Política

Ameaça de Palocci de delatar bancos e empresas de comunicação pode ter sido “recado” chave para soltura de José Dirceu


03/05/2017 - 00h58

por Luiz Carlos Azenha

Anos 2000. Redação da TV Globo de São Paulo. Venho do posto de correspondente da TV Globo em Nova York. O chefe de reportagem Luiz Malavolta me procura com um e-mail. Malavolta é meu amigo desde a adolescência, em Bauru. Trabalhamos juntos no Jornal da Cidade e na TV Bauru.

Malavolta diz que gostaria que eu fizesse uma investigação a partir do conteúdo do e-mail. Já experiente, eu digo a ele: Malavolta, um e-mail sem origem? E se isso for grampo, tiver origem ilegal?

Ele pensa um pouco e responde: vamos confirmar o conteúdo do e-mail, assim a gente elimina qualquer dúvida sobre a origem e descarta o e-mail.

Mais tarde, fiquei sabendo que a origem da mensagem tinha sido um araponga ligado ao então deputado ACM Neto, conhecido nos bastidores por motivos óbvios como “grampinho”. A mensagem foi enviada diretamente à alta hierarquia da Globo (num futuro livro, prometo reproduzir o e-mail), que a repassou hierarquia abaixo.

Fomos investigar caixa dois do PT em Goiânia. Bingo. Todos os caminhos levavam a Adhemar Palocci, irmão de Antonio Palocci, mais tarde diretor da Eletronorte.

O caso foi parar em uma das três CPIs que investigavam o mensalão petista em Brasília. Tratava-se de caixa dois bancado por uma seguradora chamada Interbrazil, que faliu deixando um rombo na praça.

A CPI pretendia convocar Adhemar Palocci. Nos bastidores da Globo, veio a resposta: se Adhemar for convocado, o ministro da Fazenda pedirá demissão do cargo. Fomos à Eletronorte: Adhemar não quis dar entrevista.

Em votação, a convocação de Adhemar foi derrotada. Logo em seguida, a Globo me mandou retornar de Brasília e encerrou a cobertura do caso.

Foi logo depois de o dono da seguradora falida depor na CPI dizendo que havia contribuído não apenas com o PT, mas com o PSDB, PMDB, enfim, com todos os partidos, sempre em material e “por fora”.

Para mim, ficou claro: a emissora não queria denunciar Palocci, o ministro da Fazenda, nem deixar claro que o homem do caixa dois petista tinha feito absolutamente o mesmo de forma generalizada.

Como era uma das minhas primeiras investigações depois de quase duas décadas nos Estados Unidos, caiu a ficha: se for contra o PT, vale tudo.

Ficou a pergunta: houve algum acerto de bastidores com o Palocci?

Um detalhe do caso sempre nos chamou a atenção: eu e Malavolta queríamos aprofundar as investigações sobre o instituto de resseguros do Brasil, que nos parecia ter agido de forma relapsa ao permitir a falência de uma seguradora que deixou um grande rombo na praça.

De repente, o executivo-alvo apareceu todo sorridente passeando pela sede da Globo em São Paulo, ao lado do diretor regional de jornalismo da emissora. A especulação que nunca pudemos comprovar era de que o executivo sabia muito sobre o Banco Roma, que havia sido o braço financeiro da família Marinho. O assunto morreu ali.

Corte para Antonio Palocci, preso em Curitiba, depondo diante do juiz Sergio Moro.

“Tenho certeza disso”, respondeu o ex-ministro, sobre se a Odebrecht contribuiu com José Serra e Aécio Neves tanto quanto em favor de candidatos do PT.

Segundo Palocci, na campanha de 2014, “a Odebrecht fez chegar ao presidente Lula […] que havia uma provisão em torno de R$ 200 milhões. O presidente Lula me procurou surpreso, estranhando e disse que nunca tive ‘conversa desse tipo'”.

Palocci questionou Marcelo Odebrecht, que informou que era comum a empresa fazer “provisões”.

“Fui ao presidente Lula e disse que foi um mal entendido”, explicou.

Mais tarde, Palocci disse que recebeu a estranha visita de uma pessoa — “uma grande personalidade do meio financeiro” — que falava em nome de um banco e que afirmava ser o responsável por “financiamento de campanha”. O ex-ministro se dispôs a informar Moro, em sigilo, mais tarde, sobre o nome do representante do banco.

“O senhor também mencionou uma das grandes empresas de comunicação”, perguntou um dos advogados presentes em seguida.

“Olhando o cenário de hoje parece que todos os governos só trabalham em função da empresa Odebrecht e o que eu procurei demonstrar é que o primeiro problema que tive quando sentei na cadeira de ministro da Fazenda foi o setor da construção civil”, afirmou Palocci, antes de a audiência ser interrompida.

Mais tarde, ele afirmou: “Empresas de comunicação tiveram sérios problemas neste período [quando ele era ministro da Fazenda], inclusive com algumas empresas declarando default nos seus compromissos externos”. A essa altura, Moro interrompe bruscamente Palocci: “Quando o sr. se encontrava com o sr. Marcelo Odebrecht, onde é que se davam esses encontros?”.

Ficou claro que o juiz de Curitiba não pretendia se aprofundar no assunto.

Pela época da qual tratava Palocci pode se deduzir que ele falava da TV Globo, que enfrentou profunda crise quando o Brasil “quebrou” sob FHC, na passagem para o governo Lula. A Globo tinha imensa dívida em dólar e sofreu com a repentina desvalorização do real.

Foi um dos motivos pelos quais a emissora fez uma armação nas ilhas Virgens Britânicas para não pagar impostos na compra dos direitos de transmissão da Copa do Mundo, esquema denunciado pela blogosfera que resultou em cobrança superior a R$ 615 milhões da Receita Federal à emissora (ver documentos abaixo).

Um dos vazadores oficiais da Lava Jato “informou” há pouco que Antonio Palocci teria “repensado” a ideia de fechar acordo de delação premiada, diante da soltura de seu ex-colega de ministério José Dirceu.

Se receber o mesmo benefício, ele pode simplesmente ficar calado.

A ver.

Palocci disse, em seu depoimento diante de Moro: “Acredito que posso dar um caminho, que talvez vá dar um ano de trabalho, mas é um trabalho que faz bem ao Brasil”.

Globo? Banqueiros? A quem interessa calar Palocci?

Talvez trazendo de volta a gravação da conversa entre o senador Romero Jucá e o ex-presidente da Transpetro, Sergio Machado, a gente entenda:

MACHADO – Rapaz, a solução mais fácil era botar o Michel [Temer].

JUCÁ – Só o Renan [Calheiros] que está contra essa porra. ‘Porque não gosta do Michel, porque o Michel é Eduardo Cunha’. Gente, esquece o Eduardo Cunha, o Eduardo Cunha está morto, porra.

MACHADO – É um acordo, botar o Michel, num grande acordo nacional.

JUCÁ – Com o Supremo, com tudo.

MACHADO – Com tudo, aí parava tudo.

JUCÁ – É. Delimitava onde está, pronto.

PS do Viomundo: Não se esqueçam que, na busca e apreensão feita no escritório paulistano da fabricante de empresas-laranja, a Mossack & Fonseca, do Panamá, a Polícia Federal encontrou anotações referentes a Paula Marinho, neta de Roberto Marinho.

São indícios de que ela pagava as taxas de manutenção de três empresas offshore, a Vaincre LLC, a Juste e a A Aplus, sediadas respectivamente nos Estados Unidos, ilhas Seychelles e Panamá.

Nas planilhas também há menção à Glen, de Alexandre Chiapetta de Azevedo, hoje ex-marido de Paula.

A Vaincre LLC é uma das donas da mansão de concreto em Paraty atribuída aos Marinho.

A A Plus e a Glen participam da concessão ilegal, sem concorrência pública, dada pelo governo do Rio ao casal há mais de 20 anos.

O estádio de Remo da Lagoa Rodrigo de Freitas, espaço público, foi transformado num luxuoso centro de consumo em local estratégico do Rio de Janeiro, gerando lucros privados.

Há duas ações do Ministério Público do Rio a respeito: uma questionando a concessão, outra pedindo de volta todo o dinheiro público investido no estádio em diferentes ocasiões, sem que o concessionário tirasse um tostão do bolso.

Pergunta sem resposta: quem precisa de três offshore, pelo menos uma delas com dupla blindagem — ou seja, você não sabe quem é o dono verdadeiro, nem quem atua em nome do dono — para gerir os valores relativamente pequenos envolvidos numa concessão que abriga cinemas e restaurantes? Haveria algo além disso?

Infelizmente, até agora, parece que o caso foi entregue ao Geraldo Brindeiro, o engavetador-geral da República de priscas eras.

A família Marinho diz que Paula nunca teve absolutamente nada com os negócios do ex-marido, mas é uma defesa inverossímil, já que numa das anotações apreendidas na Mossack, ao lado do nome da neta de Roberto Marinho, aparece o número de uma conta bancária de onde aparentemente se originava o dinheiro utilizado para pagar as taxas de manutenção das offshore. Além disso, ela assinou como fiadora numa das ocasiões em que a concessão do estádio de remo da Lagoa Rodrigo de Freitas foi renovada, sempre sem concorrência pública.

Leia também:

Gilmar detona procuradores e Dallagnol retruca atacando o STF

Livro do Luiz Carlos Azenha
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet



14 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Aécim Pódemais

08 de maio de 2017 às 16h07

Realmente os bandidos estão de toga e em Curitiba além do STFede.

Responder

Eduardo_

03 de maio de 2017 às 22h05

Resumindo,
para se safar a globo mandou soltar o Dirceu.

Responder

Messias Franca de Macedo

03 de maio de 2017 às 21h28

… Quer dizer, “intonci”, que o Antonio Palocci irá salvar a mafiosa Globo pela segunda vez?
E “olhe” que o Palocci não é o tal ‘Italiano’ das alcunhas do Listão das propinas da Odebrecht!
PQP, esses bandidos filhos do criminoso “dotô” Robert(o) Marín(ho) nasceram com o CUnha voltado para o Líbano do caranguejo MT!

Responder

Messias Franca de Macedo

03 de maio de 2017 às 21h25

ATENÇÃO PARCELA DO BEM DA NAÇÃO BRASILEIRA

Humilde e respeitosamente, acredito que a defesa do grande líder José Dirceu deve, imediatamente, elaborar um, digamos, relatório contemplando documentos oficiais (fiscais, bancários, telefônicos…), peças do Processo (incluindo elementos da AP 470, vulgo Mentirão!), pareceres de juristas, depoimentos de testemunhas, vídeos, narrativas do próprio acusado e de seus advogados, enfim…
Este acervo ficaria disponibilizado para consultas públicas, sendo divulgado através de vários mecanismos, inclusive, eletrônicos (internet).
Ademais, publicizado internacionalmente.
Em paralelo, a defesa do líder histórico José Dirceu deve/iria ingressar com uma Ação junto à ONU, análoga à encaminhada pela defesa do eterno e honrado presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
Provar a inocência do José Dirceu é, portanto, questão de honra, civilidade, humanidade e compromisso pedagógico, libertário e histórico…

A Verdade Vos Libertará! Preceito bíblico

Responder

Eduardo

03 de maio de 2017 às 14h39

Sempre tenho lido o “Viomundo”. Acho muito importante o trabalho que realiza. Parabenizo a todos da equipe e ao líder do blog neste “Dia Internacional da Liberdade de Imprensa.” Deus criou o homem para ser Livre!

Responder

luis castro

03 de maio de 2017 às 12h14

Devagar com o andor que o Santo é de barro, sábio ditado popular. Justamente agora que as delações, inclusive com provas concretas de recibos e localização de contas em paraísos fiscais, atingem em cheio a alta cúpula tucana (Aécio, Serra, Alckmin, FHC…), o STF resolve parar com as detenções coercitivas e prisões arbitrárias. O novo herói disso tudo, justamente o Gilmar Mendes, protetor de todos os tucanos ameaçados, depois de blindar Aécio, e soltar Elke, o Zé Plenário não tinha outra alternativa senão a de votar a favor pela libertação de Dirceu. É bom botar um pé atrás com essa desavença entre juizes e procuradores da Lava Jato com Gilmar Mendes, já que eles têm em comum o ódio ao PT e Lula, não se deve subestimar essa gente, pode ter alguma jogada que só o transcorrer dos fatos pode esclarecer.

Responder

Clayton

03 de maio de 2017 às 10h08

Que ligaçõe$ teria o “mineirinho” carioca Aébrio com essas grandes teia$, hein…?

Responder

Des

03 de maio de 2017 às 09h16

“A delação de Palocci, por exemplo, deixa de ser um questão agonizante e desesperadora para o ex-ministro com a nova perspectiva de que o Supremo poderá revogar a sua prisão. Se Palocci decidir não delatar, os bancos serão os maiores beneficiados, já que ele prometia revelar práticas nada ortodoxas do sistema financeiro.”
Ou que Palocci delataria a Globo…
Palocci ofereceu o banqueiro e o Moro fez cara de paisagem. Ninguém vai investigar isso. Assim como o Emílio Odebrecht ofereceu a Globo, ninguém jamais vai investigar isso. Ponto final.
Quanta baboseira, como se a Lavajato aceitasse produto de outro gênero ou qualidade que não fosse Lula, daí que Cunha tenta delatar mas não tem delação aceita, Pinheiro delata, mas a delação não é aceita, Eike entrega a lista e a lista é arquivada no triturador.
Como se Moro fosse aceitar em algum momento qualquer tipo de delação contra a Globo! Ideia digna da Luciana Genro! Não deixem a Lavajato morrer agora que chgou às portas da Globo. Tá serto…
Haja contorcionismo, querem justificar a decisão sobre Dirceu como que relacionada a Palocci, e não como decisão pensada e acordada entre os ministros em Gilmar que já se expressava nesse sentido desde o final do ano passado.
Gilmar (STF), o fez para acabar com a conflagração, podar o poder dos juízes de província de perseguir os milhares de vereadores, deputados, prefeitos do PSDB em interstícios de mandato e toda a hierarquia, chegando aos seus caros Mineirinho, Careca, Patati e mesmo o Bolacha e o Santo. A decisão foi correta, e Vaccari deve ser solto, assim como Palocci e até mesmo o Cunha, sem frescuras.
Obviamente que o decidido por Gilmar (STF), foi feito sobre um inimigo, entretanto um inimigo desarmado, perseguido, inerte, morto politicamente, não sobre um de seus comparsas, nem sobre um inimigo que ainda tem força política (Lula).
Daí que a decisão que abre o verdadeiro precedente a Dirceu foi sobre Genu e Bumlai, quem são esses? Qual a real importância destes?
Haja paciência.

Responder

Roberto

03 de maio de 2017 às 08h54

É só ameaçar a pĺiim-pliim que nosso judiciário cede. Se ameaçar denunciar a pliim-pliim E os bancos, aí é que cede mesmo.

Responder

MARCIO R

03 de maio de 2017 às 08h16

PIG e seus capangas devem ser eliminados. Golpistas desde a origem.

Responder

Zegomes

03 de maio de 2017 às 08h05

Parágrafos confusos, Azenha: “Para mim, ficou claro: a emissora não queria denunciar Palocci, o ministro da Fazenda, nem deixar claro que o homem do caixa dois petista tinha feito absolutamente o mesmo de forma generalizada.

Como era uma das minhas primeiras investigações depois de quase duas décadas nos Estados Unidos, caiu a ficha: se for contra o PT, vale tudo.”
A emissora não quis denunciar Palocci (do PT) porque puxaria o fio da meada de outros partidos, é isso? Pois se valia tudo contra o PT, como a Globo recuou em relação ao petista Palocci?

Responder

Cláudio

03 de maio de 2017 às 06h13

:
: * * * * 04:13 * * * * .:. Ouvindo As Vozes do Bra♥♥S♥♥il e postando: A grande mídia (mérdia) é composta por sabujos sujos e sabujas sujas a serviço dos ianque$ e do $ionismo de capital especulativo internacional e outras máfias (como a ma$$onaria) dos e das canalhas direitistas…
.
AS MORDOMIAS DOS MARAJÁS EM PÉ DE GUERRA:
.
Os 17 mil juízes receberam em média 46,1 mil por mês em 2015;
.
Os 1,2 mil promotores e procuradores de Justiça recebem salário máximo teórico de 33,7 mil mensais;
.
Magistrados e promotores têm auxílio-moradia de 4,3 mil mensais. Se morarem juntamente com um cônjuge que também tem direito a auxílio, ambos recebem da mesma forma;
.
Todos têm 60 dias de férias por ano e, em caso de trabalho fora do local, uma diária equivalente a 1/30 da remuneração mensal;
.
Pena máxima em caso de punição disciplinar: aposentadoria compulsória com salario integral (i$$o é punição mesmo ou é premiação ?…)
,
E MAIS :

Os tribunais de contas e o Judiciário são a maior fonte de corrupção

o Judiciário do Brasil é o mais caro do mundo

o juiz é um servidor público como o faxineiro, só que o Judiciário decide em causa própria

os juizes dizem “na minha vara” – a vara não é dele!

a reforma de Previdência não vai atrás de juiz que recebe aposentadoria de R$ 100 mil: vai atrás dos pobres

o Judiciário é uma ditadura de classe – e ditadura conservadora
.

Poesia contra a distopia (Distopia = Ideia ou descrição de um país ou de uma sociedade imaginários em que tudo está organizado de uma forma opressiva, assustadora ou totalitária, por oposição à utopia. “Distopia”, in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, http://www.priberam.pt/dlpo/distopia [consultado em 01-10-2016].)

::

Quem não tem voto cassa com o Mentirão ou E agora, Josés?

Parte 01: Brasília de Dirceu

José Dirceu, herói brasileiro
O homem que enfrentou a ditadura,
Sacrificando-se no Mentirão por inteiro,
É a prova viva da mais humana figura.

Dedicado ao povo do Brasil
Inteligente e dotado de fraternidade
Resistiu ao golpe contra o poder civil
Crescendo com a pátria amada de verdade
E foi condenado SEM PROVAS num julgamento vil
Um tribunal de exceção midiatizado pela politiqueira oposição.

Parte 02: Cartas Brasileñas

Justiça seja feita para esse homem
O idealista do bem na sua luta pelo Brasil
Sempre contra forças poderosas que ao País consomem
É um herói de nossa sociedade civil

Genuíno e verdadeiro homem de bem
Estrela de uma vida inteira
No serviço do amor ao próximo, a quem
O fraterno brasileiro e a pátria brasileira
Íntimos de seu valor, retribuem e vão além
Na votação que fez a presidenta primeira
Obscurecendo o Mentirão, que contra Genoíno provas não tem.

::
.:.
* 1 * 2 * 13 * 4
.:.
♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥
* * * * * * * * * * * * *
* * * *

Por uma verdadeira e justa Ley de Medios Já pra antonti (anteontem. Eu muito avisei…) !!!! Lul(inh)a Paz e Amor (mas sem vaselina) 2018 neles (que já tomaram DE QUATRO no PSDBosta) !!!!

* * * *
* * * * * * * * * * * * *
♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥

Responder

Rogério Bezerra

03 de maio de 2017 às 04h44

De cima a abaixo de nossa sociedade a mesma atitude de ingratidão e traição.
Desde a Globo e grandes grupos econômicos, servidores públicos e o mais simples trabalhador do país o governo Petista só fez ajudar. Trilhões de reais foram canalizados para que todo o Brasil melhorasse, avançasse e melhorou e avançou em todos os campos. Mas a ganância e a ingratidão resultaram no golpe traidor contra Dilma.
A elite que sempre nos traiu associada a alta cúpula dos servidores públicos está entregando nossas vidas aos interesses dos estados unidos e demais potências que sabem que o Brasil desenvolvido será um líder no planeta.
E os militares? Os militares, como sempre se aliaram aos mais ricos em nossa história, e fizeram o golpe contra uma Presidenta respeitável, competentíssima e honesta.

Responder

Jose carlos lima

03 de maio de 2017 às 01h50

Postei no faceburro do delanhoooollll

Como a Lava Jato destruiu o brasil

https://josecarloslima.blogspot.com.br/2017/05/como-lava-jato-destruiu-o-brasil.html

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!