VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Política

Alvaro Bianchi: A militante Dilma e os arquivos


28/10/2010 - 13h11

A militante Dilma e os arquivos

por Alvaro Bianchi, na CartaCapital

28 de setembro de 2010 às 14:45h

Como não poderia deixar de ser, o passado da candidata Dilma Rousseff tem atraído especial atenção da mídia. Sua participação em organizações clandestinas de resistência à ditadura, particularmente a Vanguarda Armada Revolucionária Palmares (VAR-Palmares), poderia ser um incentivo para uma reavaliação da história recente do Brasil. Mas essa oportunidade está sendo, mais uma vez, perdida, com o aval da própria candidata, que se recusa a dar declarações sobre o tema.

O Supremo Tribunal Militar esconde fontes inestimáveis para essa reavaliação, dentre elas os originais dos processos nos quais Dilma Rousseff é acusada. Infelizmente, o acesso a eles é extremamente difícil, limitado ou simplesmente proibido pelas autoridades. Por sorte, cópias desses processos integram a coleção Brasil Nunca Mais, seu conteúdo é público e pode ser consultado por pesquisadores e interessados no Arquivo Edgard Leuenroth – Centro de Pesquisa e Documentação Social, sediado no Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas.

A coleção integra o acervo do Arquivo desde 1984, quando foi doada por Dom Paulo Evaristo Arns, um dos artífices do projeto Brasil Nunca Mais. A pesquisa desses documentos pode esclarecer episódios importantes de nossa história recente, mas pouca coisa acrescentará ao que já se sabe sobre a participação de Dilma Rousseff na resistência à ditadura. Os processos relatam que ela foi presa no dia 16 de janeiro de 1970 na rua Augusta, em São Paulo, em plena luz do dia. Os autos não registram que portasse arma ou tivesse oferecido resistência. Investigações realizadas na casa onde morava também não encontraram armas, somente alguns folhetos e um livreto de Stalin intitulado Estratégia e Tática. Apenas má literatura política.

No inquérito policial de 30 de janeiro de 1970, Dilma Vana Rousseff Linhares era chamada de “Joana D’Arc da subversão”, uma “figura feminina de expressão tristemente notável”. Segundo seus acusadores, Dilma “chefiou greves, assessorou assaltos a bancos”, mas não é dito que greves ou que bancos. Ao contrário, a inquisição continuou de modo vago afirmando: “Não há (como) especificar sua ação, pois tudo o que foi feito no setor teve sua atuação direta”.

Para a infelicidade de alguns, entretanto, não há nada nesses processos que vincule diretamente Dilma Rousseff a ações armadas, como sequestros, expropriações ou atentados contra alvos civis e militares, nem mesmo a greves ou manifestações estudantis. Ao contrário. Mesmo seus inquisidores não conseguiram estabelecer esse vínculo, não restando – senão — acusá-la vagamente de “subversão”.

Após sua prisão, Dilma foi levada para a sede da Operação Bandeirantes (Oban), em São Paulo. No dia 26 de fevereiro foi lavrado o Auto de Qualificação e Interrogatório, no qual consta um longo depoimento assinado pela presa. Nesse depoimento, Dilma afirmou ter chefiado o Setor de Operações da VAR-Palmares e, posteriormente, os setores Operário e Estudantil. Citou, também, uma grande quantidade de militantes, fornecendo detalhes sobre a participação destes em reuniões ou ações da organização. Seu nome, com frequência, aparece associado nesse e em outros depoimentos de militantes à administração do dinheiro proveniente do famoso assalto ao cofre que o ex-governador Adhemar de Barros possuía na casa de sua amante Anna Capriglioni.

Mas a veracidade desse relato precisa mesmo assim ser contestada. Em uma apelação judicial, a atual candidata à Presidência desmentiu o depoimento prestado, afirmando que ele teria sido obtido “mediante coação física, moral e psicológica”. Em outro Auto de Qualificação e Interrogatório, a acusada repete que “foi torturada física, psíquica e moralmente; que isto se deu durante vinte e dois dias após o dia 16 de janeiro (quando foi presa)”. Por fim, em novo interrogatório, realizado em 21 de outubro de 1970, Dilma Rousseff afirmou não reconhecer nenhuma das testemunhas de acusação, com a exceção de Maurício Lopes Lima, um dos torturadores.

Apesar da evidente farsa judicial, o nexo entre Dilma Rousseff e as ações armadas da VAR-Palmares não foi estabelecido sequer por seus acusadores. Sua militância política era, entretanto, muito mais intensa do que ela afirmou em seus depoimentos, com o propósito de dificultar a acusação a ela e a seus companheiros. O cruzamento das informações contidas nesses processos com outras fontes dá a entender que Dilma, ao contrário do que afirmou no depoimento de outubro de 1970, havia sido ativa na organização chamada Comando de Libertação Nacional (Colina). Mas também nessa organização, ao que parece, não desempenhou ações armadas.

Ao final do processo no Tribunal Militar, Dilma Rousseff foi condenada a quatro anos de prisão e a dez anos sem direitos políticos. Sobreviveu à ditadura. Diferente foi o caso de muitos de seus companheiros de resistência que sucumbiram na luta, como Eduardo Collen Leite, o Bacuri, executado em dezembro de 1970, no sítio do delegado Sérgio Paranhos Fleury; Iara Iavelberg, morta, segundo depoimentos, após ser torturada no Dops da Bahia, em 1971; e Carlos Lamarca, executado em 1971 no interior da Bahia.

Tortura, assassinato, desaparecimento, sequestro e exílio são palavras aterrorizantes. Para escrever a história deste País é preciso fazer uso delas. Relembrar esses episódios é difícil e angustiante, mas não é possível deixar esse passado definitivamente para trás sem torná-lo uma ameaça presente. Cabe à memória recordar a barbárie para que ela não tenha lugar. Suprimir a memória para não perder votos não é boa coisa. Falsificá-la para ganhá-los também não.

*Alvaro Bianchi é diretor do Arquivo Edgard Leuenroth e professor do Departamento de Ciência Política da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)



Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

O lado sujo do futebol: Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - O lado sujo do futebol e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


36 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

VLADIMIR RODRIGUES

31 de outubro de 2010 às 22h14

PODERIA SER PIOR AINDA BEM QUE TIRIRICA NAO TENTOU SER PRESIDENTE !! kkkkkkkkk

Responder

Silvana

30 de outubro de 2010 às 21h00

Viva Dilma, mulher valente e que é orgulho das mulheres brasileiras! Em frente guerreira! Estamos contigo para ver o país melhorar mais ainda! É 13, com certeza!

Responder

edu marcondes

29 de outubro de 2010 às 20h45

Sinto, no artigo e em algumas manifestações de leitores, uma preo cupação com relação ao fato de Dilma ter ou não pego em armas, ter participado de ação armada ou não. E se participou? Qual é o problema? Afinal ela fazia parte de grupo que entendia ser a oposição armada ao regime autoritário a opção mais correta, mais eficiente. Foi uma face da oposição à ditadura que assassinava, estuprava e sequestrava, que teve seu momento histórico. Foi uma face da oposição em que muitos corajosamente se envolveram e em que muitos morreram e os que sobreviveram devem ser respeitados pela coragem e por terem colaborado, com um grão de areia que seja, pela futura democratização. Se Dilma pegou em arma para cumprir alguma missão que ferisse a ditadura fez muito bem, era o que devia ser feito. É simples assim e vamos parar de frescura.

Responder

LUCIA

29 de outubro de 2010 às 17h24

COMPANHEIROS, A NOSSA DILMA É MULHER E TANTA, ELA DEU A CARA PARA BATER, ENQUANTO O CORRÃO DO SERRA, FOI SE EXILAR NO CHILE.HJ TEMOS A DEMOCRACIA , POR CAUSA DAQUELEES QUE DERAM A SUA VIDA PELA PÁTRIA.
TENHO CERTEZA ,SE CHEGAR AO CONHEIMENTO DO PARTIDO(PT) LES SABERAM TOMAR AS DEVIDAS PROVIDENCIAS.
Ñ VAMOS FICAR ANSIOSOS, VAMOS TER FÉ , QUE CHEGAREMOS NO FINAL DO DOMINGO COM A VITORIA DA NOSSA PESIDENTE. CADA VEZ MAIS VAI SE CONCRETIZANDO A BAIXARIA DO SDBESTA.

Responder

eduardo jorge

29 de outubro de 2010 às 13h52

É a tortura explícta e contada pelo próprio torturador.A FSP está criando na psiquiatria uma nova patologia:NEO-PSICOSE-SADISMO-HISTÓRICO.

Responder

Raul Weidmann

29 de outubro de 2010 às 13h50

Para quem não viveu à época da ditadura militar, não sabe o que é isso. Os militares em concluio com coronéis do interior e os CORONEIS DA CIDADE, dominavam os brasileiros pobres e da classe média. Por isso quem lutou contra isso, é herói, tanto faz se é Serra ou Dilma. E os políticos que parem de falar sobre isso. Um dos piores elementos da ditadura foi o Sarney e outros que se aproveitaram dos militares e continuam mamando aí. Raul Weidmann

Responder

Heitor Rodrigues

29 de outubro de 2010 às 00h00

Azenha, o advogado Márcio Mello Casado, Mestre e Doutorando em Direito pela PUC/SP, escreveu um artigo interessante na Carta Maior. A FSP já tirou xerox do processo da Dilma em 12/03/2009, e fêz uma matéria intitulada "Grupo de Dilma planejava sequestrar Delfim", que foi desmentida e ficou por isso mesmo. Para êle, a Fôlha quer uma nova cópia para legitimar a bala de prata, já que desmoralizou-se com o uso que fêz das informações anteriormente, em 2009. O panfleto quer apresentar os documentos como novidade e, é claro, descobrir coisas inacreditáveis que Dilma teria feito, e que óbvio, não aconteceram e nem constam do processo. Como desmontar a farsa até domingo? Esta é a questão.

Responder

Luciene

28 de outubro de 2010 às 23h57

Acho que é chantagem. Desde que publicou matéria em que as alunas denunciam que Mônica Serra fizera aborto, que a Folha joga verde para colher maduro, esperou que Dilma falasse no assunto, mas ela não mordeu a isca. Agora, a Folha espera que a campanha de Dilma se manifeste de viva voz antes da matéria para colocar a acusação na boca da própria Dilma. Esse povo de Veja, Folha, Globo e etc. não vale nada!
Deixem que a própria Folha se manifeste. Construiremos para Dilma, a partir da reportagem, o mito da heroína e para Serra o mito do fujão, nós chamamos aqui em sergipe de cagão, o mesmo que covarde. Usaremos os mídias que não estão participando desse esgoto jornalístio. Acontecerá o mesmo que ocorreu com a bolinha de papel.

Responder

aurica_sp

28 de outubro de 2010 às 23h34

"QUANDO SE CONHECE BEM ESSA PESSOA, LOGO SE SABE NELA A GENTE NÃO VOTA, ESSA CERTEZA A GENTE TEM, NEM SERRA E NEM DEM NEM SERRA E NEM DEM"…
DIA 31 é 13.
Voto Dilma porque aos 19 anos ela enfrentou a DITADURA pelo nosso País, não saiu do Brasil para passear em Países Andinos ou da América do Norte. E depois de tudo estar "SUAVE", voltar se fazendo de "vítima".
Só lembrando, ALGUÉM PODE FALAR AO PAPA para ele cuidar dos PEDÓFILOS que acoberta e deixar que do Brasil cuidaremos NÓS…

Responder

    Heitor Rodrigues

    29 de outubro de 2010 às 07h23

    Amiga, cuidar dos pedófilos o Para já cuida há muito tempo. Não vê como êle os protege?

    Joaquim Pereira

    04 de novembro de 2010 às 18h55

    Meu caro amigo você está desatento ou é um sectário de uma seita qualquer que há tantas no Brasil. Então o Papa protegeu a quem?. Tão má é a pedofilia como o aborto. Trata-se de prejudicar inocentes e gente indefesa. Lá na sua seita quantos pedófilos haverá? Provavelmente não se preocupe com isso porque o mal está sempre na casa dos outros. Assim pensam todos os sectários.

    malu

    29 de outubro de 2010 às 12h51

    Ele cuida bem dos pedófilos. Só trata mal quem não reza na cartilha dele. Sou católica, mas estou em recesso, nem sei se volto.

    Silvana

    30 de outubro de 2010 às 20h22

    Concordo plenamente. É inconcebível não considerar a importância de quem enfrentou a ditadura nesse país. Admiro mais ainda Dilma Vana Roussef por ter lutado pela libertação do povo brasileiro. Quanto ao papa, deveria, realmente cuidar da pedofilia dentro da igreja, o que é muito pior do que liberalização do aborto. Para mim, que sou católica, esse papa perdeu e muito por interferir irresponsavelmente onde não lhe cabia. Amanhã vamos digitar 13 para eleger a primeira mulher presidenta do Brasil!

Baixada Carioca

28 de outubro de 2010 às 23h15

Acho que o povo já está vacinado. Por mim, ainda que fosse verossímil que Dilma tivesse participado de ações armadas, subversão e o escambau, se foi pra lutar contra a ditadura terá o meu voto. Eu só não voto em covardes, cafetões, pilantras mentirosos…

Responder

Nizinha

28 de outubro de 2010 às 23h11

Toda esta discussão sobre a "folha" da Dilma como prisioneira é absolutamente repugnante. Uma jovem é bárbaramente torturada durante muitos dias, arrancam-lhe sob tortura um depoimento e anos depois, às vésperas das eleições, aqueles mesmos que não permitem a abertura dos documentos da tortura põem-se a comentar, indecentemente, o depoimento da candidata. Nenhum de nós deveria aceitar mexer neste lixo. Eles só o estão fazendo, trazendo estas questões à baila, para denegrir a imagem da candidata e tentar, assim, com o auxílio do santo papa, que aliás nunca deu uma condenação clara e explícita à tortura no Brasil e no mundo, nem sequer à pedofilia que grassa entre seus santuários, para tentar o impossível, ou seja, impedir que Dilma seja democraticamente eleita a nossa Presidente.

Responder

    Zaidem

    30 de outubro de 2010 às 21h08

    santo papa???????

Antonio Luiz

28 de outubro de 2010 às 22h25

Afinal, onde quer chegar o autor?
Parece-me aquela história de que "pimenta no dos outros é refresco".
Haja Joanas D'Arc.

Responder

Sidora

28 de outubro de 2010 às 22h24

MULHERES BRASILEIRAS, UNI-VOS! TODAS COM DILMA, PELO BRASIL!!!

Responder

Ivonildo Dourado

28 de outubro de 2010 às 22h05

Mais uma vez o Serra vira sucesso no Twitter. " O #serracafetao já esta no top 5 do Twitter

Ao encerrar o seu discurso em ato da campanha presidencial na tarde desta quinta-feira em Uberlândia, no Triângulo Mineiro, o candidato José Serra (PSDB) apelou até para as “meninas bonitas” irem a campo em busca dos votos dos seus pretendentes masculinos. E orientou as moças a usarem a internet.

“Quero me concentrar agora no que vamos fazer até domingo. Temos que não apenas votar, temos que ganhar voto de quem está indeciso, voto de quem não está ainda muito decidido do outro lado”, disse, acrescentando que cada um dos seus apoiadores deve buscar ao menos mais um voto.

Disse que os que trabalham na saúde, área em que Serra atuou como ministro, podem conseguir cinco votos para ele. E acrescentou: “Se é menina bonita, tem que ganhar 15 [votos]. É muito simples: faz a lista de pretendentes e manda e-mail dizendo que vai ter mais chance quem votar no 45″.

Responder

    Regina Martins

    28 de outubro de 2010 às 23h08

    Seracafetão não deveria mais sair do top dez, porque o que Serra fez foi uma canalhice. Aliás, um candidato desse o nosso país não merece. Seria bom que os eleitores dele do sul soubesse dessa atitude baixa.

Ronaldo Caetano

28 de outubro de 2010 às 21h02

Olha, se isso for mesmo sério, é bom correrem…

O IBOPE acaba de ampliar a vantagem de Dilma que era de doze pontos para catorze (votos válidos). Amanhã já é sexta-feira e considerando-se que os factóides e boatos cada vez mais são percebidos como factóides e boatos, especialmente vindos da Folha, Veja, Estadão e (como se viu no episódio da bolinha de papel) Rede Globo, vai ficando dramática a corrida de Serra em busca de um evento milagroso.

Até porque, como já disse aqui inúmeras vezes, uma coisa é embaralhar a cabeça de parte do eleitorado que tinha uma Marina para se refugiar. Outra bem diferente é o eleitor embaralhado optar por Serra que fez uma campanha pífia e ineficaz enquanto tentativa de ganha-la. Sem a mídia golpista e Marina jamais teria ido ao 2o Turno. É ruim de caráter e de voto…

Responder

BRUNO

28 de outubro de 2010 às 17h51

condenação pela justiça militar na época da ditadura, taí mais uma justificativa para votar em Dilma. Enquanto isso, por onde andava o fujão da UNE?

Responder

    Lourença Pereira

    29 de outubro de 2010 às 21h53

    Serra!!! O FUJÃO? Ele possui outros bons adjetivos! Vejamos: Oportunista, personalista!
    Voto Dilma! Uma militante responsável e corajosa. Técnica, mas também política, conforme tem demonstrado ao costurar projetos importantes em favor do Brasil no governo Lula.
    Unamo-mos por um Brasil em que tipos dissimulados como José Serra sejam desmascarados.

Torquemada

28 de outubro de 2010 às 17h40

Olhem!
Dignas de nota a defesa do STM, feita pela Advocacia Geral da União, e a resposta do presidente do STM, ambas apresentadas à Min. Carmen Lúcia, e das quais destaco este trecho:
“Esclareço, mais ainda, que a Sra. Fernanda Odilla, então jornalista da Folha da Manhã S/A, autorizada por uma das partes constante dos feitos julgados por esta Casa, envolvendo a Sra. Dilma Roussef (sic) teve acesso aos aludidos autos em 12/03/09, retirando cópias xerográficas num total de 168 páginas. O fruto de tal acesso resultou na matéria publicada na Folha de São Paulo, em 05.04.09 sob o título: “ Grupo de Dilma planejava seqüestrar Delfin – ex-integrante da cúpula da organização terrorista dá detalhes do plano do qual a ministra declara jamais ter tido conhecimento, “ex-guerrilheira é elogiada por militares (sic) e vista como cérebro do grupo”
Daí a preocupação desta Presidência no resguardo das informações contidas nos autos em questão….”

Como se vê, talvez por um descuido uma repórter da Folha tirou no ano passado 168 xerox desse processo, e o uso que foi feito de um acontecimento de 40 anos atrás, como já era de se esperar, evidentemente foi no sentido de detonar a imagem da então ministra Dilma Rousseff. Imaginem se botarem a mão em todas as informações hoje, agora!
Seja como for, minha preocupação está reduzida agora a menos da metade, pois a Carmen Lúcia mandou intimar o presidente do STM, como de praxe, e ele, muito vivo, acionou a Advocacia Geral da União para defender o Tribunal, tendo a AGU apresentado ontem mesmo uma arrazoado de 54 páginas melando brilhantemente a pretensão da Folha, ou seja, era para vir uma resposta do Presidente, meramente formal, informando o que aconteceu e porque ele não permitiu o exame dos autos. Na verdade a AGU entrou mesmo é com uma verdadeira defesa e, se a Carmen Lúcia não foi uma doida de pedra, deverá acolher a manifestação e defesa do STM

Meno male!!!
http://redir.stf.jus.br/paginador/paginador.jsp?d

Responder

    Bonifa

    28 de outubro de 2010 às 21h55

    Basta ver a defesa do Tribunal para se chegar à conclusão: se a Folha fosse um ser vivo, seria um rato!

    layla

    28 de outubro de 2010 às 22h43

    coitado do rato :(

    Sônia Maria

    28 de outubro de 2010 às 22h48

    Nossa eu acho que rato é um elogio. Mau caratismo mesmo, crápulas, torturadores, o que estão fazendo com a gente é prática de tortura.

Torquemada

28 de outubro de 2010 às 16h50

1 – Se tais informações estão à disposição de quem quiser no Arquivo Edgard Leuenroth, a troco de que a Folha está, desde julho deste ano, tentando desesperadamente ver os originais do processo que estão guardado a sete chaves na sala do presidente do Superior Tribunal Militar – Carlos Alberto Marques Soares – militar que, a bem da verdade, vem negando sistematicamente o acesso dos autos à Folha, dentre outros motivos, exatamente para evitar o USO POLÍTICO da papelada???

2 – Se tais informações são públicas e estão à disposição de quem quiser, e se os advogados da Folha, Marco Antonio Rodrigues Barbosa e Samuel Mac Dowell de Figueredo (este último com quem Elis Regina vivia ou namorava quando faleceu), são ou foram membros do Tortura Nunca Mais, a fim de que o processo no STM?!?
Vale dizer, se tudo é do conhecimento público como dito acima, e se os advogados da Folha fazem (ou pelo menos fizeram no passado), parte do Tortura Nunca Mais, por que estão forçando tanto a barra junto à Min. Carmen Lúcia para terem acesso a esse bendito processo???

3 – Das duas uma: Ou está faltando peças na cópia que está no Arquivo Leuenroth, ou a Folha já tem uma matéria prontinha, elaborada a partir de documentos extraídos do Arquivo Leuenroth mas, não querendo comprometer tal Arquivo foi buscar outra “fonte” para fundira a sua bala de prata, ou seja, os originais do processo que tramitou no Tribunal da Inquisição.

Não cheira bem! Pela pressa que a Carmen Lúcia vem conduzindo as coisas, atropelando e dando a todo mundo o exíguo prazo de 24 horas para se manifestarem, sei não…

Para se ter uma idéia o Presidente do Superior Tribunal Militar já respondeu a ela.

A bola está com a Carmen Lúcia e a partir de agora nada mais a impede de fazer, com o perdão da má palavra, a derradeira cagada!

Responder

Wagner

28 de outubro de 2010 às 16h29

Dilma, mais do que ninguém é a ÚNICA pessoa que tem o direito de permitir que sua ficha seja divulgada, não um jornaleco de 5ª categoria. Só ela tem no corpo e na mente as torturas que sofreu e se ela não as quer em público, NINGUÉM, tem o direito de fazê-lo. Espero que o STF, na pessoa da ministra Carmem Lúcia tenha a sensibilidade de entender isto. Os primeiros artigos de nossa constituição que falam sobre nossa liberdade não podem ser violados para atender à interesses escusos que clamam pela "democracia"

Responder

ruypenalva

28 de outubro de 2010 às 16h25

Só não podem é quererem torturá-la mais uma vez!

Responder

    Elton

    28 de outubro de 2010 às 23h05

    Já estão torturando, desta vez publicamente.

    Baixada Carioca

    28 de outubro de 2010 às 23h23

    PÔ Ruy! Mais ainda?

    Heitor Rodrigues

    28 de outubro de 2010 às 23h44

    Já estão. E a nós também.

angela

28 de outubro de 2010 às 16h21

Mas ela foi militante mesmo, nem tem porque se esconder tal fato…..nós mulheres brasileiras que acreditamos
na democracia e que somos guerreiras, somos militantes assim como a companheira DILMA, Do que ter medo.
do que se envergonhar? Da coragem de enfrentar a ditadura? Nunca….a Globo, ah a Globo vai ter engolir suas
misérias, a FSP também, a veja, e outras revistinhas de fofoca… SOMOS TODAS MILITANTES JUNTO COM DILMA.

Responder

edv

28 de outubro de 2010 às 14h27

Noticias de última hora que possam decidir eleições, sem poderem ser avaliadas ou assimiladas adequadamente podem tanto servir como não à democracia e ao interesse público.
Sendo verdadeiras e bem interpretadas ou assimiladas podem evitar um erro eleitoral.
Sendo falsas e mal interpretadas ou assimiladas, podem causar uma fraude eleitoral.
Se alguém tem o que noticiar neste aspecto, que o faça com a maior antecedência possível ao voto.
Estará contribuindo para um voto consciente.
Não é o caso de todas as últimas eleições, em que os arautos destas notícias as guardam para o último momento.
Pura ma fé!

Responder

joe

28 de outubro de 2010 às 13h52

Esse horário de verão é f….
Para mim, em São Paulo/SP esse texto veio do futuro!!!!

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!