Altamiro Borges: Lula e a transição para superar o fascismo

Tempo de leitura: 2 min
Em 12 de outubro, Lula é recebido por uma multidão em Salvador (BA). Foto: Ricardo Stuckert

Lula e a transição para superar o fascismo

Por Altamiro Borges, em seu blog

Após a vitória épica nas eleições presidenciais de domingo passado, Lula começa a montar a transição para superar o fascismo e a barbárie no Brasil. Ainda há obstáculos no caminho até a posse, no início de janeiro.

Não dá ainda para descartar outras maluquices do golpista que tem mais dois meses no Palácio do Planalto. Mas, aos poucos, o “capetão” Jair Bolsonaro é forçado a admitir a derrota.

Numa conversa com ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), ele teria dito que “acabou”.

Mesmo sem citar o nome de Lula, após 48 horas de silêncio acovardado, ele reconheceu a derrota no seu primeiro pronunciamento como mal perdedor.

Na sequência, temendo os efeitos dos bloqueios criminosos das estradas – patrocinados por empresas e ruralistas -, ele apelou para o recuo dos seus fanáticos seguidores.

Consolidada a vitória eleitoral e descartada a possibilidade de golpes, Lula trata de pensar no futuro – depois de um curto descanso no feriado.

Já indicou seu vice, Geraldo Alckmin, como coordenador da equipe de transição – que deverá ter acesso a situação financeira caótica do governo, a quebradeira da economia, aos planos do governo.

Equipes técnicas estão sendo montadas em várias áreas – como educação, saúde, cultura – para planejar as ações do novo governo a partir de janeiro.

Algumas medidas já são anunciadas. Como a prioridade no combate à miséria – já que o fascista cometeu o crime de fazer o Brasil voltar ao mapa da fome, com mais de 33 milhões de brasileiros que não tem o que comer.

Outra medida já anunciada é do aumento real do salário mínimo – que ficou congelado por quatro anos no desgoverno de Bolsonaro.

Serão muitos desafios em um cenário preocupante, com um país dividido e radicalizado, com uma economia destruída e caótica, com um Congresso Nacional adverso, com uma extrema-direita ativa, fanatizada.

O movimento social terá um papel decisivo nessa nossa realidade, sabendo combinar independência, pressão e inteligência política e apostando todas suas fichas na mobilização, conscientização e organização do povo brasileiro.

É um novo tempo de esperança!

Leia também:

Jean Marc von der Weid: A derrota do energúmeno e as consequências imediatas e futuras

Ana Costa: O povo terá que seguir nas ruas para garantir os seus direitos e apoiar Lula

Apoie o jornalismo independente


Siga-nos no


Comentários

Clique aqui para ler e comentar

Zé Maria

.

O País não está dividido, como querem fazer crer os Antipetistas.

Os Nazi-Fascistas fazem barulho, mas não são em grande número.
A Maioria da População aceitou o Resultado da Eleição Presidencial.

É da Tradição das Igrejas Evangélicas, por exemplo, resignarem-se
ao final dos Pleitos Eleitorais, porque consideram ‘a Vontade de Deus’.

Apenas uma Meia Dúzia de Pastores Mal-Intencionados e Alguns
Fanáticos Imbecis costumam contestar o Desfecho das Eleições.

LULA É O NOVO PRESIDENTE DO BRASIL E PONTO DE EXCLAMAÇÃO!

.

    Zé Maria

    .

    Há, no entanto, um Grande Número de Empresários Urbanos e Rurais
    sustentando os Movimentos dos Criminosos da Extrema-Direita.
    Quiçá, o MPF, o STF e o TSE consigam adotar Providências Rigorosas.

    .

Deixe seu comentário

Leia também