Blogosfera em surto: Sobre o valor de protestar no Brasil e na Venezuela

Tempo de leitura: 3 min

por Luiz Carlos Azenha, no Facebook, com atualização

A blogosfera está indo pelo mesmo caminho da mídia corporativa: fofocas, especulações, chutes, opinionismo, exploração sensacionalista da morte e da violência, manchetismo, superficialidade, busca de audiência a qualquer custo…

Para não falar do fla-flu político do qual não se extrai absolutamente nada.

Como observou uma amiga, vai envenenando o sangue da gente. Faz bem dar um tempo e ler um livro.

*****

Uma colega me cobra uma opinião definitiva. Definitiva! Contundente! Arrasadora! Eu fico me perguntando de onde nasce o desejo.

Falta de convicção nas próprias ideias? Síndrome do rebanho? Necessidade de ter certeza de que todos pensam como ela? As redes sociais, nas quais incluo a blogosfera, criaram esta necessidade: uma opinião definitiva por dia.

Todos sabem absolutamente tudo sobre todos os assuntos, com uma convicção infernal: rolezinho, black bloc, Copa, Joaquim Barbosa…

Se você publica dois textos com opiniões distintas sobre o mesmo assunto é um Deus nos acuda: desagrada 100% dos leitores!

As pessoas se entregam ao opinionismo apaixonado antes mesmo de terem todas as informações que poderiam educá-las sobre o caso.

Atiram rojões verbais umas sobre as outras e o fazem de novo, no dia seguinte.

No meu caso, foi instrutivo o caso da indiazinha que teria sido queimada no interior do Maranhão, “notícia” que nunca se confirmou.

Meu pedido de cautela aos internautas foi respondido com um bombardeio de ofensas e críticas que uniu a Soninha ao Altino Machado. Nunca recebi um pedido sequer de desculpas…

Onde é que está o espaço para a dúvida, a incerteza, o contraditório, a nuance?

Morreu nas mãos da ditadura do opinionismo.

*****

Tenho escrito aqui, nos últimos dias, sobre a degradação da informação provocada pela blogosfera que busca audiência a qualquer custo: opinionismo, manchetismo, descompromisso com a verdade factual.

É aquela que exige do blogueiro uma opinião definitiva e arrebatadora. Pelo menos uma por dia. Independentemente dos fatos.

Exemplo: recebi por e-mail um link da Aporrea, da Venezuela, segundo o qual um manifestante teria dito ter recebido 150 bolívares para participar de manifestações violentas em Caracas. Bolívar é a moeda local.

Já no Brasil, sem apresentar provas do pagamento, nem sobre a origem do dinheiro, um advogado diz que manifestantes receberam 150 reais para se manifestar.

150 reais não tem o mesmo valor relativo de 150 bolívares venezuelanos. São números iguais, só isso.

Não há provas definitivas: de que houve o pagamento, nem lá, nem aqui. Pelo menos por enquanto.

Não há provas: de que exista alguma relação entre os dois casos.

E, no entanto, um site muito acessado usa o número 150 no título e joga na rede. Será compartilhado muitas vezes. Vai dar muita leitura, já que teorias de conspiração são fascinantes — pelo menos eu gosto.

Mas, e a verdade factual? E o compromisso com a informação?

Dane-se, parecem dizer os que bancam isso. Eu jogo lá, o assunto gera os clicks de que preciso para vender publicidade e no dia seguinte eu invento outro assunto!

PS do Viomundo: O objetivo dessa desinformação é comprovar que existe uma conspiração internacional contra a Copa do Mundo no Brasil. Talvez seja trabalho de contrainformação. Isso sim é que é teoria da conspiração!

Leia também:

Jornal que celebra golpe militar agora prepara caça às bruxas

Apoie o jornalismo independente


Siga-nos no


Comentários

Clique aqui para ler e comentar

Robson França

Para quem comparou Fernando Haddad com Celso Pitta, você não está com muita moral, Azenha ;)

    Luiz Carlos Azenha

    ???

    Apavorado com a cara-de-pau humana.

    …. o que li na NET sobre isso é ” …estão querendo fazer de Hadad um Pitta…” ” a mídia quer fazer de Hadad um Pitta”

    Isso não foi Azenha que disse…

Euler

No meio do tiroteio, de renhidas disputas é difícil não se envolver, assumir com paixão um lado, ainda que este lado seja marcado por grandes contradições. Porque o outro lado nós conhecemos bem: é o esgoto, o fascismo, a direita, é a guerra. Mas estar envolvido, apoiar um lado, não significa necessariamente que se deva fazê-lo sem crítica, sem reflexão, sem dúvidas. Esta é a dificuldade que muita gente tem, de aceitar que é possível apoiar um lado, sem perder a autonomia para criticar, e até mesmo, quando for o caso – caso este se mostre igual demais ao outro lado – propor a mudança. Não me parece que seja este o momento de uma mudança. Ou seja: é preciso manter para mudar.

Diogo

Azenha,

Sinceramente, estou bastante preocupado com a situação de desinformação em relação à Venezuela. Bem que poderia ter aquela matéria do Jornal da Record com você vendo o mundo, né?

Ou então lançar uma proposta de vaquinha no site pra você ir reportear lá. Eu contribuiria com prazer.

Fica a ideia. Porque as pessoas estão muito apaixonadas, seria bom ter reportagem de um jornalista brasileiro mostrando as coisas de perto.

Colombo

Sua amiga só pode ser uma pessoa muito legal.
“vai envenenando o sangue da gente. Faz bem dar um tempo e ler um livro.”
Também recomendo.
Não vale e-book.

luiz sergio nacinovic

Vamos ver se a sensatez começa a imperar, principalmente se ela for usada no que tange ao cenário mineiro. Em vez de falar sobre a oposição que vai disputar a eleição majoritária e na qual Pimenta da Veiga está a toda contra o Pimentel, fala-se a exaustão sobre um monte de denúncias sem provas contra o candidato presidencial e num suposto complô contra a liberdade de expressão no estado. Ele sempre existiu há décadas e isso nunca foi levado em conta, pois quem está sendo reprimido hoje já foi repressor e mau companheiro um dia. Temos que livrar o Estado de Minas desse estado de coisas como um todo, atacando as consequências e não as causas.

abolicionista

Concordo com suas reflexões, caro Azenha. Justamente por isso é preciso primar pela qualidade do debate. Era a isso que eu me referia quando pedi para que comentários de conteúdo fascista não fossem permitidos no site. Debater pautas como a legitimidade da tortura ou do linchamento já é uma maneira de justificá-los. Exigir um mínimo de qualidade no debate não é elitismo, é uma premissa ética. Assim como reconhecer os próprios erros (algo que, na blogosfera, só vi o Viomundo fazer). Acho ainda que a proliferação de opiniões é um sinal de que ninguém sabe muito bem o que está acontecendo, ou talvez apenas vontade de que algo diferente aconteça. Enfim, um sinal do desgaste do debate político, dafalta de confiança e expectativa nos canais tradicionais de representatividade. Daí porque todo mundo comece a procurar motivações ocultas, grupos de poder agindo nos bastidores. Ora, se o público está cada vez mais interessado em palpitar sobre o que acontece por trás das cortinas, será que isso não significa que a história representada no palco já não convence ninguém? Será que a tragédia não está se repetindo como farsa pela enésima vez?

lulipe

Temos por aqui “comentaristas” que veem conspiração até quando vão ao banheiro!!!

    Paulo

    Seria uma “conspiração constipativa”! :)

Ricardo

Pois é, um site que eu gostava, mas que expressa exatamente essa síndrome diagnosticada pelo Azenha é o Brasil 247.
Tá começando a virar um partidarismo obtuso.

Hans Bintje

Azenha pode ter dúvidas. São todas ótimas pessoas…

E eu vi acontecer — estava na plateia do show do Paulinho da Viola — nenhum blogueiro me contou:

MULTIDÃO ESPANCA BLACK BLOCK NA PRAÇA DA REPÚBLICA

Imagens: http://tv.estadao.com.br/videos,multidao-espanca-black-bloc-na-praca-da-republica,224237,250,0.htm

    Leo V

    Hans,

    qualquer um que atira uma pedra ou quebra alguma coisa é para a imprensa um “black bloc”. Essas pessoas não foram as mesmas que ajudaram os professores do Rio a se defenderem da polícia. Há pessoas na foto destruindo um ponto de ônibus, duas. Onde está o bloco preto na foto?

    Black bloc não é um grupo.

    Você pode dizer que essas pessoas da foto estão tendo uma atitude reprovável. Apenas isso. Mas não pode dizer que os outros manifestantes, usem a tática black bloc ou não, façam as mesmas ‘besteiras’. É a mesma lógica de, vamos supor, um seguidor de Olavo de Carvalho reprovar as ações do Sendero Luminoso e vir com uma foto deles e dizer: “viu como os comunistas são pessoas ruins?”.

Ted Tarantula

ahhhh…os descaminhos da “esquerda” no poder: eles não esquecem nada e não aprendem nada: à menor crítica pulam com 5 pedras na mão…vendido!!! tucano!!! direitista!!!!! reacionário!!!..com seu pensamento binário (preto/branco, zero/um, aceso/apagado, ligado/desligado esquerda/direita) e escasso repertório de xingamentos …se ao menos lessem Ariel Dorffman,por exemplo, insuspeito militante de esquerda e intelectual sério, alertando sobre os erros decorrentes da arrogância e cegueira no governo Allende no Chile, que preparou o caminho para Pinochet, certamente teriam um pouco mais de juízo e no mínimo descobririam que não tem 10% da importância que pensam que tem.

luiz mattos

Caro Azenha.
Por algumas vezes discordamos, sua honestidade não me surpreende pois exerce a profissão com dignidade.Se te admirava,apesar de por vezes discordar,hoje te admiro e respeito muito mais.

Fernando

Na Europa o manifestante recebe 150 euros.

Nos EUA 150 dólares.

No Japão 150 yenes.

Na Inglaterra 150 libras.

E por aí vai.

    Leo V

    Pois é, voluntariamente mesmo as pessoas só trabalham pra FIFA.

    O interessante é que são os capitalistas que tentam desmoralizar os outros dizendo que fazem as coisas por dinheiro. Como é paradoxal. Acho que tenho muitos 150 reais que esqueci de pegar nos últimos 10 anos.

michel

eu gostei da matéria quando alerta para a necessidade de checar as fontes e de analisar por si mesmo, refletir. vale a pena aguardar as atualizações do viomundo.

san paradise

postado lá no conversa afiada, numa matéria sensacionalista sobre manifestações no brasil e na venezuela. o blog citado tem somado voz com a grande mídia na criminalização de manifestações que não sejam cordiais com o governo federal, como se todo mundo que discordasse fosse golpista, já vimos esse filme na esquerda:

“esqueceram de mencionar um pequeno detalhe; a venezuela vive um processo revolucionário, o governo soberano e corajoso da venezuela enfrentou o capital, enfrentou o latifundio, enfrentou a indústria do petroleo, enfrentou a globo de lá e portanto, enfrenta as reações das viúvas do capital, das elites.
comparar com a dilma? quá quá quá….sou eleitor do lula, fiz campanha pra dilma, agora comparar com a venezuela é RIDICULO.
a dilma abraçou o capital, se aliou a podridão política do brasil e nos conduz ao neoliberalismo como fhc.
o golpe no brasil já foi dado, paes e cabral aliados (traíras ainda por cima) entregando o rio e a dilma fazendo de conta que não vê, já que só pensa em reeleição.
os ditos blogueiros progressistas – que leio desde que começou essa onda de blogs – devem estar enxergando outro brasil…..se dependessem de cruzar a av brasil todo dia pra trabalhar, tendo que acordar 4 da manhã pra fazer o mesmo trajeto de quando levantava as 6, certamente estariam protestando na rua e não vivendo da fantasia de numeros e estatística de campanha.
somos todos viúvas da esperança que foi dilma”

FrancoAtirador

.
.
A Rose não tem culpa

Por Jacques Gruman, na Carta Maior

Acho que minha grande precursora foi a Rose. Lembra?
Aquela geringonça metálica da série Os Jetsons, sempre com um espanador nas garras.
Um robô empregada, sem salário, sem descanso semanal, sem férias remuneradas, sem carteirinha sindical, sem memória da escravidão. Sonho de qualquer patrão (desculpe a rima horrorosa).

Depois, veio o quê?
Os primeiros joguinhos eletrônicos, toscos painéis onde macaquinhos pegavam cocos, mergulhadores fugiam dos tentáculos de um polvo, e por aí vai. Vício e tanto.
No meio da estrada, sentaram praça velhos primos-irmãos.
O Hal, computador do ‘2001: uma odisseia no espaço’, que tinha licença para tomar decisões, entre as quais se incluíam matar os tripulantes de sua nave. Assassino amador, penso eu.

Olhe para a história dos humanos e veja se não tenho razão.
E os replicantes do ‘Blade runner’? Como torci por eles!
Afinal de contas, eram ciborgues filósofos, que reapresentavam aos homens a questão da finitude.
Não mereciam ser caçados implacavelmente.
Os verdadeiros predadores estavam do outro lado do balcão.

Olho tudo isso com certa nostalgia.
Neste ano de 2064, são imagens remotas, quase inocentes.

Num dos meus chips de memória, constato que uma desprezada notícia de jornal do ‘anno domini’ de 2014 foi premonitória daquilo em que me transformei.

Falava sobre o Ano Novo chinês, que provocava o maior deslocamento humano do planeta. Eram quase 4 bilhões de viagens durante 40 dias, pessoas visitando parentes e amigos.
Pela cultura local, mulheres maiores de 27 anos eram discriminadas quando ainda não tinham casado.
No Brasil, seriam saudadas com galhofa, tinham “ficado p’ra titia”.
Na China, ganhavam um rótulo pejorativo: ‘sheng nu’ (sobras).
Multidões de angustiadas, muitas com esgotamento nervoso, encontraram um meio criativo de apagar a mancha.
Passaram a alugar namorados, quebravam o galho para calar parentes e relaxar no feriadão.

Com o tempo, a demanda se diversificou.
Os acompanhantes alugados passaram a servir para fazer compras, ir ao cinema, fingir intimidades tão sinceras quanto as dos profissionais do sexo.
Sem se perceber, lá estava um modelo de relacionamento que se alastrou rapidamente.
As franquias de ‘care deliveries’, ‘love partners emagic families’ tiveram um boom inédito na história do mercado mundial, que está longe de se esgotar.
As vagas para MBAs [Masters of Business Administration] de ASCAR (Acompanhantes e Senhorios do Carinho) não conseguem acompanhar a procura e figuram entre os cursos mais caros.
As relações humanas entraram, definitivamente, nas planilhas dos economistas, dos programadores virtuais e de ministérios variados.
A máxima dos governos passou a ser: o que não for previsível é descartável.

Não faz quarenta anos e os processadores de computadores começaram a rivalizar com a capacidade do cérebro humano.

Engraçado como tudo foi rápido.
O primeiro McIntosh, de 1984, tinha memória 8,4 milhões de vezes menor do que um iPhone de última geração da Apple, em 2014.
Hoje, não há mais mistérios sobre o cérebro humano, e eu sou a prova viva – melhor dizendo, ativa – de toda essa vertigem.
Máquinas humanoides que reproduzem sensações, inclusive os impulsos eróticos e tanáticos, podem ser adquiridas por preços módicos.

Há empresas que funcionam sem qualquer interferência humana direta.

Exércitos de Roses, clones de humanos, destroem-se mutuamente e, de quebra, vão eliminando o que sobrou da Natureza.

Não fique triste, ecologista tardio.
Há incontáveis hologramas de fauna e flora no mercado, tão sofisticados que exalam cheiros e simulam texturas.
Se quiser, pode tocar um urso ou um caxinguelê (seu chip sensorial não saberá distinguir vapores coloridos de substância tátil).
Os hologramas são um mercado promissor, e já começam a substituir professores nas escolas e técnicos de futebol.

Há dez anos, outra grande revolução.
Decodificado o amor, passou a ser desnecessária a formação de casais.
As complexidades, as oscilações e as turbulências de qualquer paixão foram substituídas por modelos autocorrigíveis.
Qualquer ameaça de desequilíbrio e o parceiro mecânico amoroso acomoda, gerencia e resolve a crise.
Bebês passaram a receber chips estabilizadores de emoções ao nascer.

É verdade que surgem as primeiras notícias de crescimento do número de suicídios.
Isso, entretanto, já está sendo analisado pelos canais competentes e os indivíduos propensos à autodestruição passam por um tratamento experimental, que desliga neurônios perigosos.
Assim somos, rumo à eternidade e à perfeição.

Olho para meus filhos. Que prazer tive em determinar cada célula de seus corpinhos. A cor dos olhos, pernas e braços perfeitos, cérebro privilegiado, emoções controladas.
Genética é tão elementar que se aprende nos cursos de alfabetização.

Minha estrutura de fibras de carbono se adaptou bem às curvas planejadas de minha parceira.
Temos orgulho de ser a primeira geração que fundiu carne e material sintético.
Temos a memória que programamos, que, com pouquíssimas concessões, só nos dá prazer.

A História deixou de ser obrigação curricular para ser patrimônio das vidas privadas.

O que me irrita, mas vou controlar, é que há gente que não aceita tudo o que conquistamos nessa jornada de repovoamento do planeta.

Soube que uma seita de puristas anda estudando o que sobrou dos íbis-calvos-do-norte.
Tentam decifrar um enigma que desafia a ciência há séculos.
Por que esses pássaros, que voam anualmente 960 quilômetros da Áustria à Toscana, se deslocam com formação em V?
Para que tanta curiosidade, meu santo terabyte?
Será que não bastou banir a poesia?

Vou ter que me despedir.
Parece que a equipe de manutenção da Máquina de Abraços chegou.
Faz falta esse afago acolchoado, que, dizem os rumores, na pré-história era trocado sem pagar nada a uma concessionária.

Pais abraçando filhos, amigos se tocando, namorados se apertando!
Onde já se viu uma coisa dessas??

Anauê.

JAX modelo 2030

(http://www.cartamaior.com.br/?/Opiniao/A-Rose-nao-tem-culpa/30239)
.
.

João

O goernno de coalizão PMDB-PT, no estado do Rio de Janeiro, também já fez uma baita passeata no Centro do Rio, com manifestantes a soldo! Foi no final de 2012, pelos royalties do petróleo!

Messias Franca de Macedo

Judiciário baixa preço do sacripanta Ali Kamel(o) da globo para R$ 15 mil

Enviado por Miguel do Rosário on 13/02/2014 – 7:25 pm

Perdi o processo.

Ainda não sei se vou apelar. Provavelmente sim, até a última instância possível, o Supremo Tribunal Federal.
No entanto, a meu ver, Ali Kamel sai derrotado moralmente. Ganha uma ação de R$ 15 mil para quê? Para evidenciar a sua truculência, de um lado, e, de outro, seu medo de perder espaço para a blogosfera.
Perde a Justiça, que poderia tomar uma decisão corajosa, em favor da liberdade de expressão. Mas meus amigos de São Paulo já haviam me falado sobre o Judiciário do Rio.
Ao menos, baixaram o preço do sacripanta de R$ 41 para R$ 15 mil. Agora tenho que ver a decisão completa, saber se tem de fazer depósito em juízo, se o valor foi atualizado, essas coisas.
O que está acontecendo, Brasil? A direita avançou de vez pelo Judiciário, que virou um espaço de proteção aos poderosos e de opressão aos pequenos?
A nossa mídia, pelo jeito, só está preocupada com a liberdade de imprensa no Equador, em Cuba, na Rússia. Aqui no Brasil, é processo em cima de tudo quanto é blogueiro. É jornalista preso em Minas. O escambal.
Já eles, os jornalistas dos grandes meios, podem tudo. Podem xingar, difamar, injuriar.
Essa minha condenação lhes faz cair a máscara. E o que vejo por trás é ainda mais feio do que eu supunha.
Tudo bem, Kamel. Eu sei como termina essa história. Eu vou morrer um dia. Você vai morrer um dia. A história é que nos dará o veredicto final. Você será o medíocre covarde que usou o poder de uma corporação para atacar um simples blogueiro.
Você pode até arrancar meu dinheiro, é tão ridículo pensar isso que me dá vontade de rir. Já não sou tão pobre, graças ao sucesso do meu blog. Com um pouco de ajuda dos amigos, que tenho aos montes, consigo R$ 15 mil com facilidade.
A questão não é essa.
Eu tive o privilégio de ler muito, Kamel. Já vivi em Florença, onde li Dante Alighieri no original. Já li Rimbaud e Baudelaire, diante da Notre Dame. Já mijei bêbado de madrugada no rio Sena, enquanto chorava de emoção, pensando em Rousseau.
Você pode usar seu poder para me arrancar dinheiro, mas jamais roubará minha cultura, minhas leituras de Virgílio, em latim, de Homero, em grego.
Enfim, eu aprendi com William Blake, meu caro: Expect poison from the standing water. De água parada, espere sempre veneno. Não estou surpreso.
Fique bem, tente me esquecer. O Cafezinho pagará seu almoço por alguns dias. Já eu, jamais aceitarei qualquer dinheiro seu.
Perdi uma batalha, uma mísera e insignificante batalha. A guerra, venceremos!

– See more at: http://www.ocafezinho.com/2014/02/13/judiciario-baixa-preco-de-sacripanta-para-r-15-mil/#sthash.ZzaN1s5c.dpuf

    Mário SF Alves

    Sim, com certeza, prezado Messias, seu comentário põe-nos em contato direto com a alma de um sábio.
    Valeu.

ricardo

É sempre digna de elogios a atitude de autocrítica.

Francisco

Comparar as possibilidades jornalísticas de blogs com jornais é assombroso!

Como é que um blog que mal dá para pagar um webmaster e o sustento, vai confirmar uma noticia no interior do Pará?

Quem tem estrutura para isso ainda é o jornal, a TV e, em poucos casos, a rádio.

Quem dera que os blogs “estivessem ficando cada dia mais parecidos com a grande mídia”. Se tivessem a estrutura da grande mídia seriam obrigados e cobrados a fazer as verificações a que o texto alude (um ganho para a sociedade) e quanto a “ter lado”, não é o ideal (bom seria a isenção de um santo), mas haveria maior oferta “de lados”, no lugar do monopólio que hoje se vê.

O jornalismo e o jornalista é desorganizado e meio “porra louca”: até o momento não surgiu um “Pasquim” na rede. O Pasquim era uma estrutura libertária, enxuta, barata e relativamente viável. Não há jornalista com vocação para contador ou para Steve Jobs. O maior problema do jornalismo hoje é que não há modelo de negócio com futuro. Nem mesmo na net.

O noticiar esta “ruim”, porque está acabando o noticiar.

Lucas Gomes

pois é, o 247 é um exemplo do que há de mais a direita no PTismo.

Alexandre Maruca

Azenha, sem intenção de jogar confete, o viomundo vem se tornando a melhor página de jornalismo sério e honesto na blogosfera. A direita e a esquerda tem de tudo, realmente virou briga de torcida. Fico pensando como e a cabeça de um leitor da veja ao se deparar com muitos textos de blogs de esquerda que não aceitam qualquer crítica ao governo do Pt. Aí os opostos se encontram pois fazem o mesmo deservico da direita raivosa. O fla x flu ideologico não estimula a inteligência. Você, Azenha, junto com a Carta Capital, o Rodrigo Vianna ainda vem estabelecendo um diálogo critico e inteligente a esquerda, fugindo de opiniões faceis sem senso crítico, algo cada vez mais comum. Vida longa ao Viomundo! (Com ipad a gramática fica comprometida).

marco

Pois olhe e leia sr.Azenha.Eu leio os blogs e tenho opiniao ao respeito de tudo.Não acredito em pessoas,cujas opiniões sejam tão difusas,quanto as NUVENS.Estas sim,por nebulosas,não tem opinião!Mesmo aqueles cuja ideologia eu não concorde,prefiro àqueles cuja ideologia mais se assemelha às nebulosas nuvens que vem e vão.O que o sr. está a observar,ocorre em todas as áreas da intercomunicação,ou seja todos tem opinião e mesmo utilizando o contraditório,o correto é discutir-se às ultimas consequências!Veja Sr.Azenha,particularmente na sua profissão,jornalista,os privilégios em relação aos demais,constituem tema CONSTITUCIONAL,posto que qualquer jornalista,no exercício de sua profissão,lhe é assegurado a não revelação de sua fonte,mesmo que ela possa ser puramente falsa.Ao passo que pra nós,simples blogueiros,quando postularmos retratações de publicismo falso,temos de buscar socorro,nos silenciosos e escuros corredores do judiciário e quando obtemos sucesso,ninguém fica sabendo,ao contrário da IRRESPONSABILIDADE PUBLICITÁRIA,característica de todos os ORGÃOS DE IMPRENSA,que de livre não tem nada,e sim a vontade do dono do jornal,estas sim,não sofrem qualquer tipo sanções e eles,os patrões dos jornalistas,sejam eles sérios ou canalhas,terminam sendo porta vozes das OPINIÕES E IDEOLOGIA de seus chefes.Então sr.Azenha,que bom que existam blogueiros com OPINIÃO e não blogueiros que se escondem numa pseudo redoma,em nome de uma equidade que a vida não ofereceu não oferece e quiça,nas calendas gregas,possa faze-le um dia.SALVE OS BLOGUEIROS DE OPINIÃO.Abaixo os BLOGUEIROS EM CIMA DO MURO!

    Ted Tarantula

    mas vc é contra ou a favor?

Zilda

O que acompanho no O cafezinho e no Tijolaço tem sempre fundamento. Os textos analíticos, o Fernando Brito sempre faz questão de falar que é sua opinião. Os textos do Miguel do Rosário sobre a AP 470, têm vindo acompanhados de documentos probatórios. Não vejo sensacionalismos por lá.

    Fábio Oliveria

    Verdade,tudo publicado no cafezinho tem fundamento. vc deve estar lembrada daquela acusação que o Miguel fez ao JOaquim Barbosa de receber salários da UERJ, estando licenciado da instituição, fato que não se comprovou. Ele e outros blogueiros esquerdistas fazem exatamente o que o Azenha afirmou, soltam textos sem qualquer compromisso, apenas para fazer espuma e gerar clicks e só.

edson tadeu

imagianem voce os blogs de direita reacionarios que nao dispensa uma sequer basta ter oportunidade que faz de um copo uma tempestade. e sai na globo, o globo, folha, veja etc.; e os blogueiros de esquerda ficar sem postar suas ideias so para nao lamiar mais a politica. Ora bolas é o mesmo que o governo que vem recebendo borduados, cassetadas e mais cassetadas e nao responde fica na dele. Se todos parar de enviar suas ideias, isso nao vai ser bom. abora enviar suas ideias, nao enfeitar, maquiar, mentir, esconder fatos. isso sim estaria errado. Escrevi hoje um poster onde falo que os black blocs serviram para emplumar o PSDB, ARRUDA AECIO porque mudaram os rumos do assunto e eles foram beneficiados com isso. entao sugeri que se voltasse ao tema do mensalao tucano. isso sim nos interessa. e temos que ficar atentos.

Urbano

Nem sei bem se na semana passada ou retrasada, que passou um flash sobre isso em minha mente. Inclusive, logo em seguida eu fiz o mea culpa; muito embora eu tenha melhorado um pouco, mas ainda falta muito. De cangalha pra sela, custa tempo para se acostumar (rsrsrs).

edson tadeu

SEGUNDO O QUE TENHO lido foi o preso que tambem andou dizendo que recebeu 150 reais para participar. se é verdade so ele pode confirmar. agora vai ser a palavra dele contra a de quem lhe deu o dinheiro porque certamente nao lhe passou recibo, mesmo porque esse dinheiro deve ser sujo, caixa 2 , talvez dinheiro de empresas que estejam interessadas em desestabilizar o governo, mais recebi nao acredito que eles tenham dado e com certeza nao daria. Se é preciso investigar entao que se investigue a origem do dinheiro se ele realmente existiu. Mas se tratando da oposiçao Pig e orgaos de espionagem no Brasil, nao duvido de nada.

Alemao

Não entendo a perplexidade. Esse é exatamente o modus operandi da esquerda paleolítica latino americana. Escolhe-se um alvo e não importa como, qdo onde, o negócio é criar a ilusão de que existe algo, alguém ou qq instituição responsável pela miséria de um determinado grupo, ou que maquiavelicamente planeja o sofrimento alheio. O Lula é campeão em pregar a discórdia na população.

    Luís Carlos

    Quanto ao Lula, uns 180 milhões de brasileiros discordam de você. Que bom. Dizia Nelson Rodrigues que a unanimidade é burra.

    Adolpho

    Melhor dar uma conferida nesses números. O BR tem cerca de 135 milhões de eleitores. Desses, um tantinho a mais da metade votou no Lula. Dos que votaram, boa parte nunca fez qualquer análise mais acurada acerca da situação política, da honestidade do eleito ou coisa que o valha. Vota por inércia, porque do jeito que tá para ele tá bom. Simples, assim. Mas, se formos fazer correlação entre análise e eleição do analisado, podemos averiguar que o Sarney é quase unanimidade no MA há cerca de uns 50 anos. Indo ao extremo, Saddan Hussein seempre era reeleito com 100% dos votos. E por aí, vai. Então, meu caro, menos, menos…

    Luís Carlos

    Você fala de eleitores. Eu falo de brasileiros. A política não se significa apenas pelo voto e eleitores, mas se legitima pela cidadania e participação.
    Sobre Sarney e Saddam, vale a pena ouvir as pessoas que vivem no MA e no Iraque, para saber de seja razões, cão contrário pode parecer soberba de quem avalia de fora, pelos olhos e ouvidos hegemônicos da mídia corporativa ocidental.

    Luís Carlos

    Disse acima: para saber das razões delas, caso contrário…

    Abolicionista

    Sei, a esquerda brasileira, por exemplo, a Revista Veja, né? Por falar en paranoia…

Rob

Já faz alguns meses que venho percebendo um declínio na qualidade dos textos de muitos blogs e, falando claramente, o Miguel do Rosário vem encabeçando isso. O seu blog Azanha, como o dele, fazem parte da minha leitura diária. Já mandei comentários ao Cafezinho e ao Tijolaço a respeito dessa lambança jornalística, principalmente em alguns temas específicos, como Copa do Mundo e Black Bloc.

Opinionismo exagerado e manchetes ao estilo revista Caras só esta contribuindo para um maior radicalismo na política brasileira. Mesmo a grande imprensa sendo a principal culpada disso, parece que muitos blogueiros estão absolutamente tentados em seguir a mesma formula, só que a esquerda.

Na web, é tudo diferente e nesse início de construção de uma nova comunicação social não se pode cair nessa ladainha e estilo jornalístico caduco. O grande fluxo de informação e a grande troca de ideias é um negócio muito loco, mas há cascas de bananas na internet: muitas informações fracas e fofocas sobrando ao talo.

Parabéns pelo posicionamento Azanha.

sergioa

A gente vê isto o tempo todo.

As pessoas abdicaram do sagrado direito, direito não dever, dever de pensar.

As pessoas acreditam em tudo que é dito na TV, no rádio, acreditam em tudo que leem em jornais, revistas.

Qualquer porcaria escrita na internet em blogs ou rede sociais, qualquer spam que recebem, por mais absurda, improvável e inverossimil que possam ser são tidos como verdades absolutas.

Eu já nem discuto mais ideias com as pessoas, pois quando começam a despejar o monte de asneiras que leem na internet, nos jornais, coisas que veem na TV, tenho vontade de partir para agressão verbal pois me dá asco ver pessoas que estudaram em faculdades ficarem repetindo bobagens que leram ou ouviram na internet, tv …

Bacellar

Putz me identifiquei com o texto, meu ultimo comentario no VoM tinha as exatas caracteristicas descritas: Vago, opinativo, raso…Acho que tambem tem haver com o tempo que temos pra “dar um pitaco” enquanto se lê um texto tendo 50 outras coisas pra fazer…Comportamento de manada em tempos de rede-social…Dureza…

Silvestre

Azenha, te dou razão e te admiro por essas posições, mas também não posso concordar 100% com esse pensamento (e como concordar 100% com algo em política?)?
O motivo disso é que não é apenas a “blogsfera” que está em surto. A imprensa tradicional também não está? Você pode visivelmente apenas fazer seu trabalho de jornalista quieto, neutro na medida do possível, porém nem todos tomaram essa decisão, muitos da blogsfera declaradamente fazem um trabalho de oposição a essa imprensa, para “equilibrar” o jogo. A Blogsfera não é homogênea, cada um é cada um com sua credibilidade, reconhecida por cada leitor.

Essa história de Black Block pago, não é lá muito difícil de acontecer. A denúncia está aí, vamos apurar. O advogado falou para toda a imprensa sobre essa acusação de que tem gente pagando, blogs repercutiram, não é um fato ainda apurado. Imprensa, blogueiros, e leitores também vão reunir informações. Até aonde isso é verdade? Até aonde tem dinheiro e gente por trás? Antigamente, o ideal seria apurar a história toda a fundo antes de publicar, mas como fazer isso hoje em dia quando as informações correm livres em tempo real? Só é preciso ter um pouco de bom senso na hora de ler essas notícias e pesquisar outras fontes, o que aliais é algo que eu comumente vejo incentivado por ai na blogsfera.

Sobre notícia em si, também é natural muita gente ficar de guarda levantada para a “veracidade” desse tipo de coisa, já que sabemos que tem vários grupos independentes e financiados por governos estrangeiros patrocinando desestabilizações de governos, isso é fato. Ninguém quer ver seu país vítima disso, dai surge a paranoia nessas horas, “será que esse caso tem ligação com aqueles grupos?”, o que é mais motivo para apurar melhora a história.
A partir daí depende só do leitor decidir ser um babaca alienado do facebook ou não.
Aliais, facebook que se foda, enquanto tiver essas áreas de comentários em sites e blogs estou tranquilo.

    Leo V

    Mas a blogsfera está repetindo a mesma coisa da grande imprensa que ela diz se opor. Ou seja, reproduzindo acusação de pagamento a manifestante (tática mais vela que o Estado-nação pra tentar deslegitimar e desmoralizar movimento social).

    E pera lá. Nem sequer na acusação feita por esse advogado ele diz que “black bloc” é pago. Acho que é bem a esse tipo de coisa que o Azenha se refere.

    Não há nada que caracterize como “bloco preto” os dois rapazes que foram presos. Roupas normais, não estavam em bloco.. nada disso. E eles também não disseram que faziam parte de “black bloc”. Então comecemos por aí para não ficar divulgando fantasmas e desinformação..

    Silvestre

    Nesse caso, não é necessário a pessoa se vestir totalmente de preto com o rosto coberto para ser um desses vândalos, e o comentário era justamente se não existia gente “a paisana” orquestrando. Aquela Sininho está sempre por lá junto com o BB, e sempre arrumadinha para passear no shopping não é?

    E como eu disse, blogsfera não é uma coisa só, é um monte de gente independente mas que se comunica, algunas formam grupos, panelinhas, mas enfim, Azenha faz parte da blogsfera, se você sai comentando que a “blogsfera está em surto” uma pessoa pode muito bem pensar que o Azena está incluso não?
    Esses alertas dele são válidos e bem vindos, mas também não é para toda vez que ele fizer isso nós condenarmos todos igualmente. Não sei quem é que assumiu a denuncia como verdade, quem vi eu comentar apenas deu nota da denuncia e expôs o que acha da questão. Na Venezuela, só vi o 247 comentar, mas aquele site não raro comente esses deslizes, como hoje mesmo ao publicar notícia com informações da PF do caso Pizzolato, falando que ele passou pela Espanha, adicionou a informação dele ter retirado 1,6 milhão de euros de conta na Suíca. Mas para onde foi esse dinheiro, se ele só comprou um carro popular na Espanha para se deslocar e só tinha 14 mil quando foi preso? Vendo a fonte, vi que essa informação veio da Folha, via Estadão, naquela denuncia que ela fez tempos atrás sem nenhuma fonte ou evidência. É um caso iguala o telefonema do Dirceu, a única fonte é a própria nota do jornal e nada mais.
    Custou eu clicar em um link para descobrir isso? Não. E por causa de um site eu vou condenar a todos? Não.
    Também não deve custar a ninguém fazer o mesmo para se informar melhor sobre o caso da Venezuela e aqui no Brasil sobre manifestante pago. Estamos todos contra os Black Bloc, porque não estão fazendo nada de bom, só quebrando e tumultuando, natural querermos entender e reparar em pontos estranhos dessa história e ir atrás de explicação. Afinal, é a classe média “coxinha”? É gente pobre de periferia? Nesse caso, de onde sai esses fogos caros? Os partidos politicos que saem junto na rua com eles, afinal estão envolvidos ou não? Etc, etc, etc.
    Se alguém que faz parte dessa coisa toda fala algo, é claro que vão repercurtir e discutir.

    O único ponto negativo na minha opinião é que graças ao aumento da popularidade de toda a blogsfera, cada vez mais tem gente acompanhando que não é o tradicional leitor desses sites que vai atrás da informação. Tem cada vez mais gente lendo porque compartilharam com ele um link, ou porque apareceu na TL do Facebook, nem lê direito, se indigna e compartilha, sem absorver direito a informação contida ali.
    Dentro dos próprios sites e blogs é fácil incentivar uma discussão sadia, mas dentro de outras redes sociais foge do controle.

    Luís Carlos

    Estava acreditando que você dava crédito para o que a grande imprensa dizia sobre o PT. Afinal, descobrimos que é tudo mentira. O print do facebook da Sininho também não é verdade. Ainda bem que surgiu esse caso com falsas acusações contra Black Blocs, Anonymous e contra PSOL.

ZePovinho

Pelo menos eu procuro fundamentar minhas paranóias……….

Leo V

Esse post é um oásis de razão em meio a tanta irracionalidade.

É o que tenho pedido em geral na resposta a comentaristas: razão e coerência.

Sim, muitos blogs ditos progressistas e governistas tem agido de maneira idêntica ao tão odiado PIG e os tais ‘blogs de esgoto’.

E por que o Viomundo pode agir diferente? Além das pessoas que o fazem, por ter independência de publicidade.

parabéns Viomundo!

    Silvestre

    Como eu disse acima, não dá para enquadrar a blogsfera inteira.
    Vide caso Freixo, vi blog condendando ele com um “eu já sabia” e outros fazendo questão de correr para ficarem alertas com o que poderia se dito ou supostamente “descoberto” sobre o deputado.
    Um dos que se adiantou no “eu já sabia” é um jornalista que está na TV…

    Luís Carlos

    Vcoê poderia citar nomes de blogs “governistas” que agem dessa forma por não terem “independência de publicidade”?

    Leo V

    Silvestre, eu disse “muitos” e não “todos”.

    Luis Carlos, o blog do PHA é um deles. Agora, se ele fica reproduzindo o que sai no PIG sobre as manifestaçoes e manifestantes por intenção política própria apenas, ou por falta de independência econômica, ou em que medida cada um, é impossível saber.

    O que é possível saber é que a independência econômica é condição necessária para isenção e bom jornalismo. E pelos motivos que o Azenha apontou nesse post.

    Luís Carlos

    Ok. Eu entendi errado. Pensei que você se referia a blogs como Tijolaço, Cafezinho, Escrevinhador, Da Cidadania, entre outros, que não recebem dinheiro do governo mas que tem posição política clara e não escondem isso. Cheguei a pensar que você estivesse alinhado com pensamento da grande mídia que mente dizendo que esses e outros blogs são “chapa branca” por recebem dinheiro do governo, quando, de fato, não recebem.

    Luiz Carlos Azenha

    Mesmo que recebessem, não há problema nenhum nisso. A Globo, a Veja, a Folha recebem. Muito.

    Leo V

    Luis Carlos,

    eu não acesso todos esses blogs que vc citou, por isso só posso falar o que acho dos que conheço. O PHA já deixei de ler faz alguns anos. Sequer publicar comentários divergentes ele publicava. Tem que ter muito estômago pra ler ele quando trata de movimento social.
    O Rodrigo Viana eventualmente leio, e embora evidentemente não concorde com tudo, claramente é alguém que também coloca a razão e princípios em primeiro lugar.
    Outro que leio, mas não com a mesma frequencia que o Viomundo, é o Nassif. Acho que ele consegue manter um equilibrio. Certamente se guia por princípios também. O Nassif é financiado com propaganda. Isso joga no lixo o trabalho dele? Claro que não. Mas eu também não percebo nele a mesma independência que percebo aqui. Mas é difícil avaliar o que é falta de independência ou é simplesmente a intenção do jornalista. Por exemplo, mesmo que o Boris Casoy não fosse empregado do SBT ou de outro canal, provavelmente diria as mesmas coisas que dizia como âncora.
    Essa é minha visão.

    Luís Carlos

    Não sou expert, mas entende que blogs não se restringem a jornalismo, nem jornalistas. Blogs são da comunicação. Dito de outra forma, quem tem blog faz comunicação, e não exclusivamente jornalismo, pois de outra forma, teríamos que exigir que todos blogueiros fossem jornalistas? Jornalismo é para jornalistas. Comunicar é uma característica humana e política, portanto, qualquer um pode fazer, inclusive por blogs, não sendo exclusividade de jornalistas ou da mīdia corporativa, por isso fiz pergunta a Leo V.
    Azenha, de fato, não entendo que “independência econômica” seja condição imprescindível para fazer bom jornalismo ou isento, mesmo porque não acredito nessa “isenção” nem a cobro de jornalistas, mas sim, entendo que devamos querer honestidade jornalística, que não é o mesmo que isenção. Jornalistas, como qualquer outra pessoa podem, e devem ter posições. O que desabona trabalho de jornalistas não é terem ou não isenção, mas serem desonestos com seu público.
    Leio os blogs que citei acima, diariamente, entre outros, considerando, em primeiro lugar, justamente o fato de não serem, nem pretenderem ser “isentos”, sem posição, mas por tratarem de forma honesta com público leitor.
    Viomundo é para mim leitura diária, várias vez ao dia, e blog no qual me sinto a vontade para não apenas ler, mas para me manifestar, o que raramente faço nos demais. Isso pela honestidade do blog, e não por ser isento de posição, o que não entendo que seja (felizmente) mesmo que muitas vezes não explicitem posição, o que é um direito seu e da Conceição. Outros motivos são a qualidade dos textos e entrevistas e pertinência dos temas desenvolvidos.

Deixe seu comentário

Leia também