VIOMUNDO

Diário da Resistência


Opinião do blog

O dia em que perdi torcendo pela Argentina


17/06/2010 - 10h54

A editora Leila, Saldanha e eu no International Broadcasting Center de Roma

por Luiz Carlos Azenha

Em 1990 eu era correspondente da Rede Manchete em Nova York. Fiz parte da equipe que cobriu a Copa do Mundo da Itália. Foram quase dois meses percorrendo o país. Um trabalho agradável, já que não tinha compromisso com as notícias diárias nem com o terrível deadline, o prazo final para concluir reportagens. Viajava de carro com um cinegrafista brasileiro e um motorista italiano, de Nápoles, que frequentemente nos levava para comer o macarrão da mama.

Depois que o torneio começou, numa partida da qual já não me recordo, consegui entrar com a câmera nas arquibancadas — imaginem se isso seria possível numa Copa dos dias de hoje — e gravar minha participação com o jogo em andamento. O pessoal da central, em Roma, gostou, e passei a ser escalado também para acompanhar alguns jogos.

De nossa equipe faziam parte o Zagallo, o ex-árbitro Armando Marques e o inesquecível João Saldanha, que contrariando ordens médicas havia embarcado para a Itália. O estado de saúde dele era grave, João não tinha um dos pulmões e sofria de enfisema, provavelmente por causa de uma vida dedicada, como dizíam os antigos, à boêmia. Saldanha montou a melhor seleção brasileira de futebol de todos os tempos, a que venceu a Copa do Mundo de 1970, no México, mas foi substituído por Zagallo pouco antes do campeonato. Diz-se que foi por interferência do regime militar brasileiro, já que os ditadores não aceitariam dividir as glórias de um título com o comunista Saldanha.

Em Roma,  Saldanha tinha acessos de tosse e a direção da equipe da TV Manchete em Roma ficou preocupada em mantê-lo sozinho em um apartamento de hotel. Providenciou-se um rodízio de colegas para dividir o quarto com Saldanha e ficar de olho nele durante a noite, enquanto a emissora providenciava a vinda da esposa do comentarista, o que aconteceu depois de alguns dias. Saldanha era levado de cadeira de rodas para o estádio Olímpico de Roma, comentava os jogos e voltava para descansar. Acreditem, ele continuou a dar algumas tragadas! Naturalmente que Saldanha ventava fogo contra o futebol medíocre da seleção de Sebastião Lazaroni, que foi eliminada pela Argentina.

Uma das partidas que cobri foi o sofrível 0 a 0 entre Inglaterra e Holanda em Cagliari, apelidado de “confronto dos hooligans”, já que havia grande temor de confusão entre os torcedores violentos dos dois países (a onda de violência nos estádios, que faria um grande número de vítimas em anos subsequentes na Europa, estava tomando corpo). Estive também nos bastidores da inesquecível semifinal de Nápoles, entre Itália e Argentina. Inesquecível não pelo futebol, o jogo foi 1 a 1. Mas pela presença de Maradona, o grande craque da Copa, vestindo a camisa argentina no estádio do time em que era considerado um semideus, o Nápoli. Naturalmente que Maradona provocou comoção nacional na Itália explorando o regionalismo e fazendo apelos aos napolitanos para que torcessem pela Argentina, já que no restante do ano eles eram, nas palavras de Maradona, “desprezados” pelos compatriotas. Os argentinos ganharam a semifinal nos pênaltis (Maradona marcou o dele). Foi divertido.

No dia da final, em Roma, estávamos sem credenciamento para assistir a decisão. O repórter Antonio Petrin se mostrava inconformado: “Viemos a Roma e não vamos ver a decisão?”. Por sugestão dele, fomos para diante do estádio Olímpico tentar cavar uma oportunidade. Encontramos com cerca de 300 torcedores argentinos, que realizavam um protesto e tentavam entrar na marra. Ficamos por perto, de olho na movimentação. Foi quando correu a notícia de que para evitar confronto os organizadores permitiriam a entrada daquele grupo, ao qual rapidamente nos juntamos gritando “arrentina, arrentina”. E foi assim que eu e o Petrin fomos parar nas arquibancadas do estádio Olímpico para ver a final. Como não havia lugares vagos para todos, nos sentamos na escadaria e vimos um jogo feio, em que a Alemanha Ocidental — naquela época ainda havia Alemanha Ocidental — derrotou a Argentina por 1 a 0, gol de Andreas Brehme (obrigado, leitores que me corrigiram), de pênalti. Foi meu dia de “argentino” derrotado, em Roma.

Dias depois, já de volta a Nova York, recebi a terrível notícia. Internado antes do jogo decisivo, por causa do agravamento de sua situação de saúde, João Saldanha morrera em um hospital de Roma.





59 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Flavio Lima

18 de junho de 2010 às 08h12

Argentina e Holanda são meis segundos times em Copas.
Tambem perdi essa final… se é que voce estava falando serio quando disse que perdeu com a Argentina. Que alias, ta jogando muito nessa Copa…

Responder

Urbano

18 de junho de 2010 às 04h16

Corrigindo o comentário anterior, não nesse confronto, mas, a essas alturas nem sei, no confronto entre Argentina e Brasil.

Responder

Urbano

18 de junho de 2010 às 04h07

Interessante que naquele ano, até por revolta sobre tudo que estava acontecendo em nosso país, fui assistir a esse confronto, na casa de um compadre e amigo meu, intimamente torcendo contra a nossa seleção, mas explicitamente vestido com uma bermuda branca e uma camisa, tipo polo, azul. Encenaram o meu linchamento, óbvio.

Responder

Galerius

18 de junho de 2010 às 03h48

Assistí o jogo Brasil X Coréia do Norte, e assistí o jogo Argentina X Coréia do Sul. O time argentino é um time de calibre campeão, o do Brasil parecia de segunda divisão. Acabo de ler o livro de Eduardo Galeano sobre o futebol, e conta ele com nostalgia sobre o time de 70 com quatro jogadores no ataque: Pelé, Rivelino, Tostão, e Jairzinho, e as vezes vinham Carlos Alberto e Gerson somando seis jogadores no ataque enquanto o resto do mundo jogava na mediocridade de dois jogadores no ataque (mesma história de hoje). Aquilo sim, a maravilha! O espetáculo que faz História.

Responder

mauro silva

17 de junho de 2010 às 22h27

Caro Azenha
muito antes dessa copa de 90, já dizia que o Brasil está para o futebol com os EUA estão para o basquete.
1 ano antes dela, numa churrascada, quando o Brasil levantava o duvidoso caneco de Campeão das Américas, afirmei e apostei uma churrascada com vários -uma covardia!- que o Brasil não chegaria entre os 4 primeiros na copa.
Só não ganho na loteria ……
O que mata o futebol brasileiro são esses dogmas inventados pela mídia: os 1000 gols do Romário, o "craque" Kaká (sic), o campeonato mundial do corintians etc.
Falta seriedade.

Responder

Anderson

18 de junho de 2010 às 01h00

Jogadores do Brasil amam a pátria
CBF estipula prêmio de R$ 1 milhão para cada atleta pelo hexa, diz jornal
Dunga também fará parte da premiação milionária da seleção brasileira, na África do Sul. Comissão técnica terá quantia rateada pela entidade
Um prêmio de R$ 1 milhão. Esse será o valor que a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) vai oferecer para cada um dos 23 atletas e mais o técnico Dunga em caso de conquista do título da Copa do Mundo, na África do Sul, totalizando R$ 24 milhões aos cofres da entidade. O restante da comissão técnica terá rateada a premiação que será repassada pela CBF ao final do torneio. A informação é do jornal "Estado de S.Paulo".
Em 2006, na Alemanha, quando a seleção brasileira foi eliminada pela França nas quartas de final, o time de Parreira deixou de ganhar um valor perecido, mas arrecadou o prêmio de US$ 260 mil (R$ 468 mil) pela participação no torneio.
OLHA AÍ O PATRIOTISMO DOS JOGADORES XDXD http://www.gazetadopovo.com.br/copadomundo2010/se…

Responder

    Jairo_Beraldo

    17 de junho de 2010 às 22h22

    E a quantas anda a CPI da CBF? Alguém tem notícias sobre?

    Roberto

    18 de junho de 2010 às 10h01

    Meu caro, quais jogadores estão nesta copa por exclusivo amor à pátria? Essa época acabou, infelizmente…

    Anderson

    18 de junho de 2010 às 10h54

    O prêmio oferecido aos suíços é de 15 mil

    E mesmo assim bateram na Espanha com todas as forças que tinham

Dil

17 de junho de 2010 às 20h51

perdão, retire o "vence", fui falar em "nó" e acabei me enrolando..rs..

abs!

Responder

Anderson Varejão

17 de junho de 2010 às 20h48

Será que teremos duas copas seguidas com Argentina e México nas oitavas??

Na última foi parelho o jogo…

Responder

Dil

17 de junho de 2010 às 17h35

Poxa, Azenha vc trabalhou ao lado de João Saldanha, o grande e saudoso João sem medo..Que bom saber!

Aproveito para divulgar meu blog. Tenho feio análises diárias da copa, vc verá o que não vê nessa mídia covarde e doente.

é só clicar

Responder

ceci jordi

17 de junho de 2010 às 20h25

hahaha viva o Mexico!

Responder

Jairo_Beraldo

17 de junho de 2010 às 17h24

E dessa o Saldanha não voltou…foi uma grande perda! Feliz de voce, Azenha, que absorveu as ultimas gotas deste grande jornalista e esportista!

Responder

Anderson Varejão

17 de junho de 2010 às 19h57

Gol do México powww!!!

Toma França. Não vale nada sem o Zidane.

Responder

    Jairo_Beraldo

    17 de junho de 2010 às 20h23

    Está lá pelas mãos do Henry…sai pelas mãos de Deus.

@EduardoLurnel

17 de junho de 2010 às 19h48

Sabia que alguma boa história aquela Copa devia ter guardado.

Responder

Rodrigo Prado

17 de junho de 2010 às 18h31

Vou torcer para Argentina encontrar o Brasil! Nada como ganhar da Argentina, ainda mais na Copa!

Responder

Artur

17 de junho de 2010 às 18h12

Corazón sudamericano. Abaixo o galvanismo de secar seleções sul americanas…

Responder

Anderson Varejão

17 de junho de 2010 às 18h12

Desde 1990 que as copas estão com um nível técnico de campeonato brasileiro série B

E esse ano não está fugindo à regra…

Aidna bem que ocm o youtube posso ver vídeos de Rivelino, Maradona, Di Stefano e Puskas

Responder

Francine

17 de junho de 2010 às 18h05

Hoje o viomundo está mais especial que nunca, minha Argentina e meu Corinthians em "primeira página".

Responder

Fabio SP

17 de junho de 2010 às 18h02

Azenha, meus pêsames, mas se jogasse Argentina x Seleção do Hitler, eu era mais o bigodinho…

Responder

Alex

17 de junho de 2010 às 14h30

me chamou a atenção a série de comerciais ridicularizando os hermanos…e a chamada do jornal daqui da província, a Zero Hora (Fora?) que dizia que era dia de secar os argentinos…olha, sem teoria da conspiração, mas em tempos de Serra lascar o Mercosul, a Bolívia e achar Uribe "o cara" , fica estranho…parabéns pelo texto Azenha…e a Argentina, de Diego Armando Maradona, o melhor jogador que eu vi jogar – junto com Zico e Platini – é minha segunda seleção na Copa!!!

Responder

cotta13

17 de junho de 2010 às 14h27

Quanto ficaria contente em ter Paraguai,Uruguai,Argentina e Brasil classificados para a próxima fase.

Responder

    Anderson Varejão

    17 de junho de 2010 às 18h10

    E o México

    Latinos, mestiços, colonizados e fodidos.

    Mas unidos podemos mais

iza

17 de junho de 2010 às 14h26

Pelo amor dos meus filhiiiiiiiiiiiinhos….. Azenha!
Sebastião Lazaroni e Dunga.
Lembra do Collor e a “famosa” (rs,rs,rs,rs,rs,rs) "era Dunga"?
A história ta se repetindo, e agora como farsa.
Pelo que já vi da Argentina jogando nesse mundial, se pegar o Brasilzinho de Dunga, vai ser saco, chocolate.
Meia dúzia no mínimo, com uns três do craque Lionel Messi.

Com esse timinho meia boca do Dunga, "tamo" lascado!

Responder

    Jairo_Beraldo

    17 de junho de 2010 às 20h33

    Querida Iza…o Lucio e o Maicon pararam o time do Barcelona na semifinal da Copa dos Campeões da Europa…menos.

silvia macedo

17 de junho de 2010 às 14h12

Bela página de memória, Azenha. Escrita de modo muito vivo, com muito humor, detalhes rápidos e muita agilidade narrativa. Uma crônica e tanto.

Responder

Artur

17 de junho de 2010 às 14h03

Invejo os argentinos por seu amor à Pátria e sua cultura.
Exceto o Menem, que foi produto da mídia e da elite (uma mistura de Collor e FHC), eles sempre foram coerentes após se livrarem da ditadura.
Já aqui temos um presidente que tem medo da imprensa que o agride.
Cristina, Hugo, Evo, Ahmadinejad. Que bom que vocês existem.

Responder

    Jairo_Beraldo

    17 de junho de 2010 às 20h32

    Foi uma postura para deixarem morderem a isca…espere pelo que está por vir…não é atoa que até a Globo está alisando!

Marat

17 de junho de 2010 às 13h58

E se alguém descobrisse que era de Brasil??? – rsrsrsrsrs

Responder

alirio

17 de junho de 2010 às 13h52

O melhor futebol do mundo é quando a gente joga. se for para assistir, só se for espetáculo, não interessa qual país.

Responder

Leider_Lincoln

17 de junho de 2010 às 13h39

Azenha, por falar em Argentina, que show de bola! E outra, ainda falando em platinos, o Uruguai ontem estava soberbo. A Copa ainda nos reserva surpresas!

Responder

    Jairo_Beraldo

    17 de junho de 2010 às 20h30

    É Leider…mas estes jogos que voce citou, foi 11 de um lado contra ninguém do outro lado.

dukrai

17 de junho de 2010 às 13h21

véi, embolou geral, mas se for para torcer, primeiro pro Ramires e Nilmar entrarem de cara e Brasil campeão, depois Argentina e Maradona de vice.
Tem um urbuzólogo aqui no site, desculpe, esqueci o nome, que disse que a final seria Brasil e Argentina, com Argentina campeã.

Responder

    Jairo_Beraldo

    17 de junho de 2010 às 20h29

    cunpádi…nem que chova canivete vai ser essa a final da copa…

Fernando

17 de junho de 2010 às 13h08

Márcio Guedes era da equipe da Manchete também.

Responder

luiz reis

17 de junho de 2010 às 12h41

Valeu, Azenha! Mesmo estando aqui eu torço pelos hermanos. Personalizam melhor o que era o futebol em sua origem, não essa coisa absolutamente mercantilizada e sem graça! Sem os argentinos essa copa seria um lixo!!! Vamo, vamo Argentina, vamo, vamos a ganar!!!
Sou brasileiro 365 dias do ano, mas não compactuo com essa tentativa tola de nos transformar em patriotas de arquibancada e no dia-a-dia torcer contra nossos irmãos, querendo passar por cima de qualquer um que se ponha em nosso caminho ou desprezando os miseráveis, torcendo para que morram e não atrapalhem nossas vidas de pachecos! Gosto muito de futebol para torcer para Dunga e Ricardo Teixeira!

Responder

    Anderson Varejão

    17 de junho de 2010 às 18h16

    Cara esperto

    Por que a mídia faz questão de disseminar rivalidade contra os argentinos e uruguaios??

    Eles foram colonizados como nós, são dominados pelo império norte americano como nós, são fodidos como nós.

    É claro que existe um interesse por detrás disso.
    Essa rivalidade que a mídia brasileira tenta disseminar contra os argentinos e uruguaios é péssima e responsável por essa leviandade de que brasileiros não gostam de argentinos que não gostam de uruguaios..tudo para nos manter separados, em nome do interesse das potências clássicas.

    A Globo e o pig amam o Brasil de quatro em quatro anos

    Depois seu amor direciona-se a um país ao norte do México

    argentinos, paraguaios, uruguaios, mexicanos, chilenos, brasileiros.
    Somos todos latinos. Mestiços, colonizados e fodidos.

    mauro silva

    17 de junho de 2010 às 22h35

    Prezado Anderson
    existe até uma palavra que define essa "política" imperial: "balcanização".

voxetopinio

17 de junho de 2010 às 12h27

Quantas memórias Azenha. Em 90 eu estava para nascer em outubro, hahaha. Bom ver a história de todos os focos possíveis.

Responder

    Jairo_Beraldo

    17 de junho de 2010 às 20h28

    Feliz do homem que terá histórias para contar aos seus netos…e seus adeptos de seus bolgs.

    voxetopinio

    18 de junho de 2010 às 11h28

    Nada como o advento da internet, Jairo. Hahaha.

Derli

17 de junho de 2010 às 12h08

Azenha,
Sem dúvida, todos perdemos com a morte do João Valentão.
Ele foi o grande vencedor da Copa de 70.
O Saldanha foi um grande técnico e um enorme comentarista.

Responder

    carmen silvia

    17 de junho de 2010 às 19h29

    Concordo com o Derli, o Saldanha conhecia futebol de verdade,tanto que formou aquela seleção inesquecível de 70, último ano que torci para o Brasil de verdade,de coração.Agora é coração e mente,pra não morrer de susto.

Gerson Carneiro

17 de junho de 2010 às 11h36

A imagem mais ridícula dessa copa de 90, que sintetiza a passagem de Sebastião Lazaroni pela seleção, foi a do Renato gaúcho, em um treino, em plena copa, sentado na bola, no meio do campo, fazendo biquinho de enfezado.

Responder

Fernando

17 de junho de 2010 às 14h34

Márcio Guedes também fazia parte dessa equipe da Manchete?

Responder

José Medrano

17 de junho de 2010 às 11h32

Quem fez o gol foi o Lothar Matheus!

Responder

    Anderson

    17 de junho de 2010 às 13h42

    Não, foi o Brehme!

    Christian Schulz

    17 de junho de 2010 às 20h30

    Nopes, foi o Brehme mesmo.

    Foi uma delicadeza de Matthäus com a torcida anfitriã, visto que ele era o cobrador oficial da Alemanha Ocidental e artilheiro do time com 5 gols. Uma espécie de prêmio de consolação para os italianos, que tiveram, então, o artilheiro isolado 'Toto' Schillaci.

    Quem conta essa história é o Silvio Lancelotti.

Maurício Macedo

17 de junho de 2010 às 14h29

Azenha, aproveita esse teu histórico de pé-frio porteño e vai pra África!!
Chega lá e compra um ingresso pra um jogo da Argentina…
A história deve se repetir (como é de praxe pra quem acredita em superstição no futebol)
Posso apostar que os teus leitores farão uma vaquinha pra custear essa tua ida…
.. e garantir a saída dos hermanos da Copa de 2010… hehe!!
forte abraço

Responder

    FatimaBahia

    17 de junho de 2010 às 14h09

    Pode contar com a minha contribuição pra "vaquinha" da campanha "vamos levar Azenha pra torcer pra Argentina"!hehehehe

    Brincadeirinha!Ô seu Mauríco,Azenha é muito pé quente e até los hermanos merecem nossa torcida pra ficar em 2º lugar !

    Anderson Varejão

    17 de junho de 2010 às 18h13

    Eu gosto da Argentina

    Jairo_Beraldo

    17 de junho de 2010 às 20h26

    É alguma vizinha, ou colega de trabalho?

Klaus

17 de junho de 2010 às 14h23

Azenha, você confundiu os cobradores de penalte alemães em finais de Copa. O Gerd Muller fez gol de penalte na final de 74, contra a Holanda. Na final de 90, quem fez o gol foi Andreas Brehme.

Responder

    Jairo_Beraldo

    17 de junho de 2010 às 20h25

    O Klaus finalmente se mostrou útil…deve ser a presença do grande saldanha neste post…trouxe sabedoria a muitos.

    Sérgio Tenório

    18 de junho de 2010 às 08h09

    Quem marcou o gol de pênalti contra a Holanda foi Paul Breitner.
    Müller fez o gol da vitória, mas com bola rolando.

Ronaldo

17 de junho de 2010 às 14h20

Azenha,

Quem fez o gol da final foi Andreas Brehme e não Gerd Muller. Era um jogador de defesa!

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding