VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Megapanelaço mostra que fim do isolamento pode levar multidões às ruas contra Bolsonaro
Reprodução
Opinião do blog

Megapanelaço mostra que fim do isolamento pode levar multidões às ruas contra Bolsonaro


15/01/2021 - 21h21

Da Redação

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que se nega a pautar o impeachment de Jair Bolsonaro na Câmara, andou titubeando.

Os golpistas de 2016, depois de terem investido pesado na desconstrução dos direitos sociais — para o que precisaram prender Lula e afastar Dilma do poder — ainda se agarram nas reformas de Guedes.

Mas ele seria incapaz de fazê-las se Bolsonaro perder a disputa pela presidência da Câmara.

Um pedaço razoável da esquerda não acredita em aproximação com Baleia Rossi, candidato do MDB apoiado por Maia, por ter certeza de que, como no passado, virá mais traição adiante.

Porém, o cenário é mais complexo do que parece. Se não conquistar a presidência da Câmara, o Centrão sai enfraquecido e pode debandar se o preço for o “adequado”.

Foi o Centrão, afinal, quem entrou com os votos para derrubar Dilma.

Sem base parlamentar sólida, Bolsonaro passaria a depender cada vez mais dos militares para pressionar contra a abertura de um processo de impeachment, preservando suas chances de se reeleger.

Porém, as conjunturas sanitária e econômica são terríveis.

O desemprego bate recorde. O Brasil perde empregos industriais e torna-se cada vez mais dependente do agronegócio.

Com a volta dos Estados Unidos ao Acordo do Clima de Paris, a pressão internacional sobre Bolsonaro vai crescer.

O agro quer ser pop mas, principalmente, não quer correr qualquer risco de boicote internacional a seus produtos.

Mesmo a base de Bolsonaro no agronegócio pode fraquejar.

Com Trump fora do poder e sob investigação por crimes estaduais em Nova York, que não ficam sujeitos ao perdão que Trump considera dar a si próprio e à sua família, o presidente americano corre o risco de ir para a cadeia.

Trump é prova de como a aprovação popular é flutuante: depois do episódio da invasão do Capitólio por seus apoiadores, o apoio ao presidente caiu a apenas 29% dos entrevistados, segundo pesquisa do Pew Research Center, quando ao longo do mandato ficou entre 40% e 45%.

Bolsonaro já perdeu seu guia no cenário internacional.

Falta, na equação, considerar o povo brasileiro.

Bolsonaro parece ter um apoio sólido em uma camada de 30% dos eleitores, que agora será colocado em jogo com o fim do auxílio emergencial.

Essa margem pode, sim, chegar ao osso do bolsonarismo raiz, não superior a 15% dos brasileiros.

O megapanelaço desta noite, nas maiores metrópoles do Brasil, foi a retomada das manifestações contra Bolsonaro, com a fúria causada pelas mortes de pacientes por falta de oxigênio em Manaus.

Em São Paulo, nosso repórter percorreu os bairros de Santa Cecília, Higienópolis, Pacaembu e Consolação e considerou a manifestação recorde.

A previsão de que as vacinas começam a ser aplicadas no Brasil ainda este mês sugere que, no segundo semestre, talvez os protestos possam ser replicados nas ruas, ainda que com máscaras e distanciamento social.

Até lá, já saberemos se Bolsonaro conseguiu ou não o controle da Câmara.

Se conseguir, certamente não vai se intimidar com qualquer multidão.

Se perder, o emedebista Baleia Rossi pode ficar vulnerável à pressão.

O movimento dos que realmente mandam no Brasil — TV Globo e o grande capital financeiro — depende, em certa medida, de mobilização popular que justifique trocar um presidente-bomba, feito Trump, por um militar vaselina, Hamilton Mourão, que seria o fiador de eleições sem tumulto em 2022.

É o que a direita cheirosa quer.





5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Sandra

18 de janeiro de 2021 às 13h57

Panelaço com gritos de #ForaBolsonaro aconteceu até em prédios que só moram militares, aqui em Brasília. Parece que alguns estão acordando. Ponto para as FFAA, que estão se sujando ao apoiar esse desgoverno

Responder

César

18 de janeiro de 2021 às 02h03

Então Manaus não tem prefeito e Amazonas não tem governador. Só assim pra culpar o presidente. Pq não falaram que parte do panelaço foi pq as pessoas não aguentam mais a imprensa que só destaca a desgraça? Os pontos positivos são rodapés de páginas. Pessoas bateram panelas pra dizerem que não são burras. Que essa manobra de tentar mobilizar uma maioria contra o governo, é apenas por interesse. Não vai demorar pra noticiarem que está faltando folhas A4 pra imprimirem os resultados dos exames. Hipócritas.

Responder

Gilmar

16 de janeiro de 2021 às 21h05

Um povo covarde sempre será um povo covarde.
Nunca será um russo.

Responder

Alex

16 de janeiro de 2021 às 19h08

O panelasso doi forte na ZO jardins tb. Mais forte que os anteriores

Responder

Bíblia do 17

16 de janeiro de 2021 às 02h25

é irresponsabilidade não condenar qualquer movimento de aglomeração enquanto 99% da população não tiver imunizada. E como quem tomar vacina só se imuniza por uns 8 meses, sendo otimista, só daqui uns 10 anos é que se atingiria o índice que permite se reunir em manifestação

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding