VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Intercept: Lava Jato fez fumaça com denúncia contra Lula e Deltan, messiânico, defendeu acordo que deu vantagens inéditas a corruptores
Reprodução de vídeo
Opinião do blog

Intercept: Lava Jato fez fumaça com denúncia contra Lula e Deltan, messiânico, defendeu acordo que deu vantagens inéditas a corruptores


14/10/2019 - 11h25

Da Redação

A troca de mensagens mostra que a ideia de usar a denúncia contra Lula no caso do sítio de Atibaia para criar uma cortina de fumaça no caso Temer partiu do procurador Carlos Fernando dos Santos Limas, foi endossada por Deltan Dallagnol, que fez uma consulta indevida à Polícia Federal em Brasília, referindo-se a operação como “festa” e pedindo sigilo aos colegas (“mantenham aqui óbvio”) sobre a resposta. “Vamos criar distração e mostrar serviço”, afirmou Santos Lima na véspera da denúncia.

A Operação Lava Jato usou a denúncia contra o ex-presidente Lula no caso do sítio de Atibaia politicamente, para criar uma cortina de fumaça e proteger a Procuradoria Geral da República no caso da investigação do usurpador Michel Temer.

A revelação foi feita pelo Intercept Brasil a partir da análise de mensagens trocadas entre integrantes da força tarefa da Lava Jato em Curitiba.

A denúncia contra Lula poderia ter sido apresentada no dia 17 de maio de 2017, mas foi adiada.

Naquele dia, o diário conservador carioca O Globo noticiou que o usurpador Temer teria dado aval ao empresário Joesley Batista, da JBS, para comprar o silêncio do presidente da Câmara, Eduardo Cunha — ambos do MDB.

Porém, logo a PGR de Rodrigo Janot se viu questionada pelos advogados do usurpador.

O áudio no qual foi baseada a denúncia não havia ainda passado por perícia da Polícia Federal.

Além disso, um dos responsáveis pela delação do empresário Joesley Batista, o ex-procurador da República Marcelo Miller, que foi da Lava Jato na PGR e integrou a equipe de Janot, era suspeito de atuar dos dois lados do balcão.

Mais tarde, Miller foi indiciado pela Polícia Federal e denunciado pelo próprio MPF sob a acusação de receber R$ 700 mil do escritório de advocacia que fez o acordo de delação dos irmãos Joesley e Wesley Batista.

Miller, de acordo com a acusação, começou a receber o dinheiro em fevereiro de 2017, mas só se afastou oficialmente do cargo em abril daquele ano.

“No período compreendido entre fevereiro e 05/04/2017, serviu a dois senhores: mantendo-se no cargo de Procurador da República e valendo-se da confiança do Procurador-Geral da República e membro auxiliar do Grupo de Trabalho Lava Jato, orientou a confecção de acordo de colaboração entre o MPF e seus ‘clientes’, em razão de promessa de pagamento ofertada pelos denunciados Joesley e Francisco”, diz a acusação contra ele.

Francisco é o advogado Francisco de Assis e Silva, que representava o empresário dono da JBS.

Trecho da denúncia contra Miller

Os próprios integrantes da Lava Jato ficaram desconfortáveis com os termos da delação dos Batista, de acordo com o Intercept:

A força-tarefa também se preocupava com as condições do acordo com a JBS, que previa, inicialmente, total imunidade aos delatores: eles não seriam denunciados criminalmente, ficariam livres da prisão e de tornozeleira eletrônica e poderiam se manter no comando das empresas. Dallagnol reportou aos colegas que apoiadores da Lava Jato consideraram “absurdo os batistas nos EUA rindo da nossa cara”, referindo-se aos irmãos Joesley e Wesley Batista, que deixaram o Brasil no mesmo dia em que fecharam a delação.

Apesar das suspeitas, no calor da hora Deltan Dallagnol escreveu um longo texto de apoio a Rodrigo Janot, que compartilhou num grupo com uma centena de integrantes do MPF.

No texto, Deltan defendeu o acordo feito com os irmãos Joesley e Wesley.

Ele aproveitou para “vender” uma reforma anticorrupção que é prerrogativa do Congresso, não do Ministério Público Federal.

Finalmente, sugeriu a Janot dar uma entrevista exclusiva ao Jornal Nacional como gatilho de uma “estratégia de marketing”.

Janot refugou. Mais tarde, fez uma manifestação oficial ao STF, defendendo o áudio que incriminava Temer.

A denúncia contra Lulano caso do sítio de Atibais foi apresentada com cinco dias de atraso para “ocupar” a mídia, enquanto a Polícia Federal fazia a perícia comprovando que o áudio da conversa entre Joesley e Michel Temer, embora com cortes, não havia sido adulterado.

Meses depois, com a comprovação do envolvimento de Miller com os irmãos Batista, os acordos de delação foram cancelados a pedido do próprio Janot.

Miller conseguiu trancar a ação do MPF contra si. Um tribunal superior considerou a denúncia inepta.

A defesa apaixonada de Miller e do acordo de delação dos irmãos Batista, feita pelo beato Dallagnol — em mensagem a procuradores sobre os quais tinha ascendência política — mostra que o chefe da Lava Jato em Curitiba parecia se mover com messianismo, sem a cautela requerida pelas dúvidas que ele próprio e os colegas manifestavam privadamente sobre o caso.

Em outras palavras, Dallagnol dizia uma coisa para seu grupo mais íntimo e outra quando interagia com o MPF e o próprio Rodrigo Janot:

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Nelson

15 de outubro de 2019 às 10h17

Podridão, podridão e mais podridão, em escala nunca imaginada.

E pensar que ainda há milhões e milhões de brasileiros acreditando, com toda a convicção, que Sérgio Moro e a Lava Jato e seus procuradores estão a livrar completamente o Brasil da corrupção.

Conheço um cidadão, advogado há umas três décadas, mais ou menos, que chegou a me dizer, quando critiquei severamente o atual ministro da Justiça, o seguinte: “coloque na tua cabeça que Moro é na Terra o que Jesus Cristo é para a Igreja”.

Em outro e-mail que me enviou, o mesmo advogado se refere ao “Marreco” como “o extraordinário, magnifico, exemplar, o incomparável Sérgio Moro”.

A princípio – não é uma regra inexcedível – uma pessoa que cursou uma universidade deve ter uma capacidade intelectual mais desenvolvida do que uma outra que não tenha passado por um curso superior.

Portanto, uma pessoa com curso superior teria muito mais aguçada a capacidade de apreender sobre as coisas que a cercam.

Por isso, não me furto de perguntar. Se um advogado que, possivelmente, chegou a cursar também uma pós-graduação ou mais que isso, se deixa envolver completamente pelo fanatismo[*] e não consegue enxergar as tantas vezes em que Moro, a Lava Jato e seus procuradores e o próprio STF pisaram, sem cerimônia, na Constituição, o que passará pela cabeça daquele que não teve o privilégio de ingressar em uma universidade?

* O antipetismo insuflado na cabeça de milhões, à base de muito ódio e “veneno”, só poderia resultar em fanatismo. Fanatismo que, como podemos ver pelas declarações do advogado, não poupa nem gente letrada.

Responder

Cláudio Lima Santos

15 de outubro de 2019 às 07h47

Esses procuradores da lava jato de Curitiba , sao verdadeiros marginais. Eles agiam à margem da lei , pra alimentar um projeto político. Nin guem ali estava preocupado com corrupção.

Responder

Zé Maria

14 de outubro de 2019 às 13h37

A Denúncia da Força-Tarefa de Curitiba contra Lula
era só uma questão de “Timing” na Mídia Fascista:

Se tinha Operação em Brasília,
com repercussão na Imprensa,
não tinha Denúncia contra Lula,
em Curitiba, porque concorreria
com a outra, na Mídia Fascista.

O Lula tinha de estar sempre
em destaque nas Manchetes
da Globo, do Estadão, da Folha;
da Gazeta do Povo, no Paraná,
e do Antagonista, na internet.

O Liminha (CFL) dava a dica
e o Beáto Dalanhól (DD) corria
de um Grupo a outro da PGR
para saber o momento exato
de ‘largar’ a Denúncia [Fraca]
contra o ex-Presidente Lula,
não na Justiça, mas na Mídia
que faria, antecipadamente,
o Julgamento e a Condenação.

https://www.viomundo.com.br/wp-content/uploads/2019/10/captura-de-tela-2019-10-14-axxs-10.35.17-1241×600.png
https://www.viomundo.com.br/wp-content/uploads/2019/10/captura-de-tela-2019-10-14-axxs-10.35.25.png
https://www.viomundo.com.br/wp-content/uploads/2019/10/captura-de-tela-2019-10-14-axxs-10.35.33.png

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.