VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Ex-procurador que revelou preferência da Lava Jato por Bolsonaro foi “traído” por vazamento do Intercept
Reprodução
Opinião do blog

Ex-procurador que revelou preferência da Lava Jato por Bolsonaro foi “traído” por vazamento do Intercept


26/08/2019 - 16h48

Redação

O ex-procurador Carlos Fernando dos Santos Lima é hoje consultor de compliance.

Ganha para supostamente “ensinar” as grandes empresas a seguir as regras.

O mercado de compliance explodiu no Brasil depois da Operação Lava Jato, da qual Santos Lima foi destacado integrante — na Força Tarefa de Curitiba.

A contratação de Santos Lima não significa que a empresa será poupada pela Lava Jato.

Mensagens reveladas pela Vaza Jato sugerem que isso aconteceu com o setor dos bancos e com alguns políticos “amigos” da Operação, como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o ministro Onyx Lorenzoni, o senador Álvaro Dias e o ministro pilar central do governo Bolsonaro, Paulo Guedes

Santos Lima, ao se afastar da Lava Jato, tinha como objetivo “ganhar dinheiro”, de acordo com o que escreveu a jornalista Amanda Audi no Poder 360.

Outra jornalista, Monica Bergamo, revelou que Santos Lima recebeu R$ 286 mil em diárias, pois era lotado na Procuradoria em São Paulo mas servia em Curitiba.

Santos Lima fez uma recente aparição no programa Painel, da GloboNews.

Ele polemizou com o advogado Walfrido Warde, que vê abusos na atuação da Lava Jato, se confirmados os vazamentos do Intercept Brasil.

Santos Lima afirma que, se fosse Moro, não teria aceitado cargo no governo Bolsonaro.

Para ele, a Lava Jato é de “centro”, esmagada de um lado por Bolsonaro e de outra pelo Centrão e a esquerda no Congresso.

O ex-procurador critica o Supremo Tribunal Federal, cujos ministros teriam criado para si próprios “um superforo privilegiado”.

Santos Lima defende a investigação dos negócios do ministro Gilmar Mendes, por exemplo.

Ele afirma que o Congresso, através de Rodrigo Maia, está pressionando Bolsonaro a desmontar a Lava Jato — e os choques públicos entre o presidente e Sérgio Moro seriam resultado disso.

“Todo respeito a ele, mas o mesmo não esteve comigo durante a campanha, até que, como juiz, não poderia”, escreveu recentemente Bolsonaro numa rede social, em resposta a um apoiador que pediu a ele que cuidasse bem do ministro da Justiça.

Para Santos Lima, Moro é “refém do filho” de Bolsonaro, sob investigação. Ele se refere ao senador Flávio Bolsonaro.

A Operação Lava Jato depende de integração entre os distintos órgãos de investigação, como a Receita Federal, o Coaf e outros.

Para Santos Lima, ao fazer o desmanche desta estrutura, Bolsonaro está matando a Lava Jato.

O discurso do ex-procurador é de que Moro foi “tragado” pelo sistema.

De fato, nas redes de extrema-direita, Deltan Dallagnol vem sendo taxado como alguém de “centro-esquerda”, que pretende usar dinheiro do Fundo da Petrobrás para financiar ONGs abortistas, que defendem Marielle Franco ou são associadas a George Soros.

A acusação foi feita por um vlogueiro pró-Bolsonaro.

Olavo de Carvalho gravou um vídeo concordando com a tese acima. Citou de passagem Moro e Dallagnol.

No vídeo, o guru dos Bolsonaro diz que é comum um grupo corrupto tentar se apropriar do poder usando o discurso contra a corrupção — segundo ele, o PT fez isso no passado.

Para Olavo, Bolsonaro não seria parte deste grupo, mas Moro e Dallagnol supostamente sim.

Os dois vídeos — do vlogueiro e de Olavo — foram compartilhados por Eduardo Bolsonaro, o deputado federal que quer ser embaixador do Brasil em Washington.

Confirmam que o grupo mais íntimo de Bolsonaro está tocando fogo na fervura sob Moro e Dallagnol.

Durante o programa da GloboNews, Santos Lima foi contestado várias vezes pelo advogado Walfrido Warde.

Por exemplo, sob consultas informais da Lava Jato à Receita Federal, reveladas pela Vaza Jato.

Nada no papel, que depois poderia ser revelado ou legalmente questionado.

Warde quis saber quem imporia limites à Lava Jato.

Para Santos Lima, milhares de advogados e as instâncias da Justiça já o fazem.

Na entrevista, que foi ao ar em 23 de agosto, Santos Lima não menciona as corregedorias*.

Infelizmente para Santos Lima, o timing da entrevista foi péssimo.

No vazamento publicado pelo Intercept nesta segunda-feira, 26 de agosto, ficou claro que a corregedoria do CNMP engavetou crime cometido por integrante da Lava Jato.

O corregedor soube do crime cometido pelo procurador Diogo Castor de Mattos e simplesmente abafou.

Dallagnol e os amigos procuradores, que também souberam do crime, prevaricaram ao não botar a boca no trombone?

No mínimo, o órgão mais diretamente encarregado de monitorar a Lava Jato falhou miseravelmente.

Fez política.

A outra revelação de Santos Lima, publicada pelo jornalista Reinaldo Azevedo, veio no fim do programa.

Ele acreditava que Fernando Haddad ia acabar com a Lava Jato, embora no decorrer do programa tenha admitido que Lula, Dilma e Temer não tentaram fazê-lo.

Ironicamente — e Santos Lima admite isso — o candidato escolhido pela Lava Jato é quem vai acabar com a Operação.

Aqui, na altura do minuto 43:

Carlos Fernando dos Santos Lima: Infelizmente, no Brasil, nós vivemos um maniqueísmo, né? Então nós chegamos… Inclusive, no sistema de dois turnos, faz com que as coisas aconteçam dessa forma. É evidente que, dentro da Lava Jato, dentro desses órgãos públicos, de centenas de pessoas, existem lavajatistas que são a favor do Bolsonaro. Muito difícil seria ser a favor de um candidato que vinha de um partido que tinha o objetivo claro de destruir a Lava Jato. Seria muito difícil acreditar que…

Renata Lo Prete: Você está se referindo a Fernando Haddad?

Carlos Fernando dos Santos Lima: A Fernando Haddad, obviamente. Então nós vivemos este dilema: entre a cruz e a caldeirinha; entre o diabo e o coisa ruim, como diria o velho Brizola. Nós precisamos parar com isso. Nós realmente temos que ter opções. Infelizmente, um lado escolheu o outro. E, naturalmente, na Lava Jato, muitos entenderam que o mal menor era Bolsonaro. Eu creio que essa era uma decisão até óbvia, pelas circunstâncias que Fernando Haddad representava justamente tudo aquilo que nós estávamos tentando evitar, que era o fim da operação. Agora, infelizmente, o Bolsonaro está conseguindo fazer.

PS do Viomundo: Nosso leitor Zé Maria esclarece que

*Para não fazer confusão, na cúpula do MPF, existe uma Corregedoria-Geral atuando na Fiscalização interna, controlando regularmente as atividades. E no Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), a Corregedoria Nacional do CNMP, que atua externamente – ainda que presidido pela PGR – em Processos Administrativos Disciplinares (PADs) originadas de Sindicâncias instauradas geralmente por representação de qualquer cidadão brasileiro. Até agora, o Intercept já revelou que 2 Corregedores-Gerais, dentro do MPF, articularam com Deltan Dallagnol, para evitar Processos Disciplinares de Procuradores da FTLJ. Primeiro foi o ex-Corregedor Geral, Hindemburgo Chateaubriand Filho, e agora o atual Corregedor-Geral do MPF, Oswaldo Barbosa.

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

28 de agosto de 2019 às 14h06

Jair Messias Bolsonaro, que a Força-Tarefa Eleitoral
da Operação Lava-Jato de Curitiba ajudou a eleger,
“decretou sigilo de 5 anos das visitas ao Alvorada
e ao Jaburu.
Assim, haverá encontros secretos em prédios públicos.
A ordem é do coronel Laranja, fruta com a qual
a família Bolsonaro tem muita intimidade.”

https://twitter.com/senadorhumberto/status/1166704589548269570

Responder

Nelson

27 de agosto de 2019 às 18h20

Os órgãos da mídia hegemônica têm um larguíssimo histórico de divulgação de meias-verdades ou mesmo mentiras. Têm larguíssimo histórico também na arte de dar sumiço , de apagar da memória popular – ou de, pelo menos, tentar fazê-lo – fatos e personagens que fizeram a história do nosso Brasil ou de outros povos.

Os motivos nós sabemos de sobra. Os fatos e personagens que são deliberadamente escondidos não contribuem ou contribuíram para a manutenção do status quo dominante.

Daí que a trajetória, em muitos casos épica, de personagens como o Almirante Negro, o “Cavaleiro da Esperança”, Getúlio Vargas, Paulo Freire, Darcy Ribeiro e tantos outros que dedicaram toda ou quase toda sua vida à construção do nosso Brasil não dá Ibope nessa mídia.

Assim, amigo, quando a mesma mídia hegemônica passa a incensar, a elogiar, a homenagear, de forma contumaz, Sérgio Moro, Deltan Dallagnol, Carlos Fernandes S Lima, a Lava Jato, temos a obrigação de colocar o desconfiômetro em alerta.

Então, baseado no histórico da grande mídia, eu digo que não havia como essa patota aí estivesse realmente a trabalhar pelo nosso país. Se estivessem realmente fazendo isso, essa mídia não daria o menor espaço a eles.

Responder

Zé do rolo

27 de agosto de 2019 às 16h20

Esses procuradores da quadrilha a jato de Curitiba são desumanos pois esculacharam a já saudosa primeira dama Marisa Letícia, o Lula com suas irreparáveis perdas e ainda chamaram o Lula de safado é que só queria passear quando o Lula solicitou ir ao velório do seu irmão.
Ou seja armaram e debocharam do Lula até no momento de perdas familiares irreparáveis essa turma da quadrilha a jato de Curitiba vão prestar conta a Deus por tamanha perversidade e as instâncias superiores do judiciário tem que zelar pela constituição e corrigir essa armadilha que a turma da quadrilha a jato de Curitiba fizeram para com o Lula.

Responder

Zé Maria

27 de agosto de 2019 às 12h29

https://pbs.twimg.com/media/DUQJowXWkAEFiux.jpg
https://pbs.twimg.com/media/C3qizOxWMAAFcvg.jpg

“A Degradação Ética e Moral da Lava Jato”

O Proto-Fascismo Revelado:
A Desumanização do Outro;
A Execração Estampada …

https://t.co/1x6U2YdqNw

https://pbs.twimg.com/media/EC-NJ6bXUAAYmvz.jpg
Luto é “mimimi”. Ir a um Velório é “passeio” …
https://pbs.twimg.com/media/EC-AWHbXoAA96Tu.jpg

https://twitter.com/DeputadoFederal/status/1166284458103902208

Responder

ana s.

26 de agosto de 2019 às 21h37

O nome do “consultor” é Carlos FERNANDO, e não Carlos Alberto, como aparece no primeiro parágrafo da postagem. No Telegram, Deltan sempre se referia a ele como CF.

Responder

Zé Maria

26 de agosto de 2019 às 17h54

Esse Santos Lima tá sempre mordendo a Língua.

Era [ou é ainda] uma das principais cabeças da
Força-Tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba.

Responder

Zé Maria

26 de agosto de 2019 às 17h40

Para não fazer confusão, na cúpula do MPF, existe
uma Corregedoria-Geral atuando na Fiscalização interna, controlando regularmente as atividades.

E no Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP)
há a Corregedoria Nacional do CNMP, que atua externamente – ainda que presidido pela PGR –
em Processos Administrativos Disciplinares (PADs)
originadas de Sindicâncias instauradas geralmente
por representação de qualquer cidadão brasileiro.

Até agora, o Intercept já revelou que
2 Corregedores-Gerais, dentro do MPF,
articularam com Deltan Dallagnol,
para evitar Processos Disciplinares
de Procuradores da FTLJ.

Primeiro foi o ex-Corregedor_Geral,
Hindemburgo Chateaubriand Filho,
e agora o atual Corregedor-Geral
do MPF, Oswaldo Barbosa.

https://theintercept.com/2019/08/26/lava-jato-procurador-audios-outdoor/
https://www1.folha.uol.com.br/poder/2019/08/corregedor-da-procuradoria-viu-conduta-grave-de-deltan-mas-nao-abriu-apuracao.shtml
https://www.redebrasilatual.com.br/destaques/2019/08/corregedor-do-mpf-deu-bronca-mas-perdoou-conduta-grave-de-dallagnol/

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.