VIOMUNDO

Diário da Resistência


Opinião do blog

Dilma, o marketing e as mulheres de verdade


01/03/2011 - 21h31

Renata em ação

Mariana em ação

por Luiz Carlos Azenha

A Conceição Oliveira costuma dizer que sou machista.

Observação aceita.

Registro, porém, que estou disposto a aprender.

Mesmo que por motivos pessoais.

Afinal, tenho duas filhas, de 23 e 21 anos de idade.

Há alguns dias, fui à Venezuela.

Com uma equipe formada por duas mulheres: a cinegrafista Renata e a produtora Mariana.

Duas mulheres batalhadoras, cegas diante do “teto de vidro” que se ergue sobre a ascensão profissional das mulheres.

Renata e Mariana não aceitam os limites colocados pelos homens — e mesmo pelas mulheres machistas — à sua ascensão profissional.

Ambas não aceitam ser definidas a partir de seus relacionamentos, ou seja, não aceitam ser “espelhos” de seus namorados/maridos.

Confesso que experimentei o machismo na própria pele, durante a viagem com as duas: muitas vezes, os venezuelanos simplesmente se negavam a “lidar” com as duas mulheres da equipe.

Nunca senti tanta vergonha alheia: quando o motorista de táxi se voltava para o banco de trás, onde eu estava, para tratar de um assunto que dizia respeito ao trabalho da produtora Mariana, eu era obrigado a ser descortês: “Por favor, fale disso com minha chefe, a Mariana”.

Muitos marmanjos se ofereciam para carregar a câmera (que pesa mais de 20 quilos) da Renata. Polidamente, ela se negava a aceitar, como se estivesse dizendo: “Eu faço as imagens e vocês devem se conformar com o fato de que eu determino o que deve ou não ser filmado”.

É por tudo isso que eu acho triste que a presidente Dilma Rousseff tenha escolhido a Ana Maria Braga e a Hebe Camargo como “exemplos” de mulheres brasileiras, neste início de mandato.

As duas, em minha modesta opinião, representam arquétipos de mulheres do século 20. Uma delas faz da cozinha o centro de sua existência. A outra, malufista, sobrevive em função de fofocas sobre a vida de celebridades. Nada mais demodé (demodé é, definitivamente, demodé).

Sinceramente, prefiro a Conceição Lemes e a Conceição Oliveira, colaboradoras deste site; ou a Renata e a Mariana.

Embora, concordo, elas não representem, por associação, um investimento tão bom “de marketing”.





125 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Mauro A. Silva

21 de março de 2011 às 09h27

Renata e Mariana não tem sobrenomes?
Realmente, Azenha: o seu machismo está implicito no fato de você escrever um artigo e não dar o nome completo das duas mulheres, das duas profissionais responsáveis pela ótima reportagem sobre a Venezuela.

Responder

zildo

10 de março de 2011 às 20h20

A DILMA não tem o mesmo carisma, e a popularidade de LULA, o unico caminho é indo nestes programas populares, para a população saber que ela é uma pessoa normal e que não come criancinhas, alem do mais quantos Brasileiro e Brasileiras conhecem a Conceição Lemes e a Conceição Oliveira?????.Vivemos em uma país apolitico, este é nosso grande problema, enquanto isso temos que trabalhar com marking.

Responder

Domiciano Santos

06 de março de 2011 às 17h16

Cozinha ou sofá, por que então ela não foi ao programa matinal da Record?

Responder

Marcio

04 de março de 2011 às 18h50

Quando uma presidente escolhe programas para mandar mensagens ela olha a audiência e o objetivo a ser alcançado. Me espanta a miopia ao dizer que a Dilma escolheu o modelo de mulher errado. Política é algo que não pode nunca dispensar estratégia e INTELIGÊNCIA. Concordo com a maioria dos artigos aqui publicados mas neste francamente!

Responder

Vivi

04 de março de 2011 às 15h35

Azenha, achei fantástico a Dilma ter ido a esses programas liderados por mulheres, para falar para um público que não a conhece e pensa que ela come criancinha, é sapatão e quer instituir o comunismo. Acho que foi uma jogada de mestre, pois ela está se aproximando da classe média (que é direitona e conservadora), podendo levar uma mensagem diferente.

Responder

Cicero

04 de março de 2011 às 01h16

Quem sabe se ELA for no programa do Edu Guedes todo esse rancor não caia por terra???

Responder

Adilson

04 de março de 2011 às 00h15

Concordo Azenha: Viva a Conceição!

Responder

SôniaG.

03 de março de 2011 às 23h55

No frigir dos ovos, nessa, (A.M.B.), ponto para Dilma mesmo. Tenho ouvido de mulheres e homens comuns, e bastante refratários à Presidenta, um discurso que é 'início de simpatia'. A questão é a dita empatia, uma vez estabelecida, derruba as barreiras construídas durante a campanha, contra ela. ironicamente, graças a Grrrobo.
A Hebe, iniciando sua carreira de novo – foi dispensada do STB -, não poderia mesmo levar o seu prezado, querido e assíduo amigo de sempre: Maluf. A A.M.Braga, que como alguém disse aqui, vestiu luto na vitória do Lula (desconhecia esse fato), dificilmente, no futuro, poderá, mesmo obedecendo a ordens do patrão, falar mal da Dilma, sem se desmoralizar.
Quanto a Folha, já deu a senha. Vai preservar a Dilma e minar as pessoas da esquerda que ajudaram-na a se eleger.
Sim, Azenha vc. é machista. Ninguém é perfeito, mas com algum esforço dá para chegar mais perto.

Responder

Dilma e a ‘Operação doçura’ na mídia velha (via @maria_fro) « Blog do murilopohl

03 de março de 2011 às 16h51

[…] transmitida por twitcam, Azenha trollou a mim e a Conceição Lemes e escreveu este post aqui. Não há como não concordar com ele que Ana Maria Braga, Hebe Camargo, a senhora do […]

Responder

JotaCe

03 de março de 2011 às 15h01

Caro Azenha, Minha última intervenção nos comentários deste artigo não foi publicada. A presente informação nem é tanto pelo ocorrido, mas pelo significado. Imagino que tenha decorrido de problemas técnicos. Pois não houve violação das linhas que o blogue adota, nem de quaiquer outras questões éticas, morais etc. Abraços,

JotaCe

Responder

Dilma e a ‘Operação doçura’ na mídia velha | Viomundo - O que você não vê na mídia

02 de março de 2011 às 20h40

[…] transmitida por twitcam, Azenha trollou a mim e a Conceição Lemes e escreveu este post aqui. Não há como não concordar com ele que Ana Maria Braga, Hebe Camargo, a senhora do […]

Responder

beattrice

02 de março de 2011 às 15h19

Azenha
Esse é um pilar básico da análise do discurso onde quer que ele seja produzido, o contexto altera o conteúdo.
Portanto é lamentável sob todos os aspectos essa decisão deliberada deste protogoverno de se dirigir insistentemente a tais nichos de "comunicação".
Trata-se de personagens abolutamente identificados com a extrema direita paulista, o retrato do atraso social.

Responder

    Davi Sensu

    02 de março de 2011 às 17h06

    Triste… Vc acha mesmo que as donas de casa que assistem ao sei lá qual o nome desse programa, são em sua maioria da "extrema direita paulista"? Parece necessário cuidado pra não cair na extrema esquerda lunática.

    Gerson Carneiro

    02 de março de 2011 às 18h43

    Sendo assim, por uma simples questão de audiência, de público alvo, poderemos esperar então a aparição da Presidente Dilma na casa do Big Brother Brasil. Afinal, ela é a presidenta de todos os brasileiros, e aquele vasto público, até maior que o público do programa "sei lá qual o nome", também é composto de brasileiros.

    Zé Augusto

    02 de março de 2011 às 23h10

    Se for para politizar, se tiver contesto para um discurso que valha a pena, até poderia. O difícil é encontrar um contexto político num programa destes, capaz de prender a atenção do telespectador típico. No programa da Ana Maria Braga, a telespectadora típica deu ouvidos.

Ana Maria

02 de março de 2011 às 15h07

Ana Maria Braga e Hebe Camargo não são com certeza exemplo de mulheres que eu admiro e tomo como exemplo, são dondocas cansadas. O preconceito existe nas duas apesar de frases de efeito com sentimentalismo barato que usam para serem simpáticas e cativar o público.Fazer o que!!!!!!????tem gosto para tudo.
Nem a presença da Dilma me faz assistir esses programas , mas confio em nossa Presidenta ela com certeza não da ponto sem nó.

Responder

Ediane

02 de março de 2011 às 14h28

Ficamos sabendo quais os critérios do blogueiro para estabelecer o que são mulheres exemplo e mulheres de verdade. Cada um de nós tem as suas preferências, é certo. Justo, razoável e salutar.
Só não se entende é porque o Lula "podia" e "devia" dar entrevistas em todos os programas, especialmente se de grande audiência, e a Dilma tem que ser "seletiva", preconceituosa e classista em suas andanças, contatos políticos e em saídas para dar entrevistas. Já tem "manual" da Presidenta Perfeita?
Dois pesos duas medidas? Ou machismo mesmo?
Lembremos que Marta Suplicy e Lula tiveram apoio de Maluf em eleições, aceitos e admitidos. Agora, Dilma tem que virar a cara para a Hebe simplesmente porque ela é amiga do Maluf?
Criticar é saudável, mas as críticas têm que ter pé e cabeça. Juntar um bando de "preferências"pessoais, estereótipos, preconceitos e mandar ver, fala sério!
Se a Dilma for se guiar pelos puristas de plantão vai comer o pão que o diabo amassou nas próximas eleições!

Responder

    Luiz Carlos Azenha

    02 de março de 2011 às 23h58

    Quem falou em proibir entrevistas? É uma questão de prioridades. As da Dilma já sabemos quais são: 1) Washington Post; 2) Ana Maria Braga; 3) Hebe Camargo. Nada mal. abs

    Adriana

    03 de março de 2011 às 16h27

    Azenha ainda é muito cedo pra julgar as atitudes da Dilma. Eu tenho grandes esperanças quanto ao governo dela. Sinceramente detesto Mais Você e assemelhados, mas com certeza a Dilma só está usando os meios de comunicação do PIG pra se fortalecer diante da opinião pública, ainda mais estando tão apagada no início do mandato. Esperemos pelos próximos capítulos, e que eles sejem mais proveitosos.

Pedro Ayres

02 de março de 2011 às 13h44

Pelo visto o Azenha defende a tese de que a forma prevalece sobre o conteúdo, pois, ao colocar as fotos de suas auxiliares – jovens e belas- como referências de mulher, quis nos dizer que pouco importa o que a Presidenta tenha dito ou feito. Ora, pelo que se sabe, a Dilma não disse ou demonstrou que as senhoras Hebe Camargo e Ana Maria Braga representavam as mulheres brasileiras em termos de posições políticas, embora, por suas histórias de trabalho e vitórias contra graves problemas pessoais, até que poderiam servir como paradigmas para qualquer mulher ou homem que se preze e honre a própria vida.
E já que estamos falando de forma, por que não podemos ver as fotos das duas Conceição?

Responder

    Luiz Carlos Azenha

    02 de março de 2011 às 23h58

    Pedro Ayres, além de "ler" meu pensamento, você comete uma grosseria machista com as duas Conceições. Menos, por favor. abs

Marcelle

02 de março de 2011 às 13h35

Azenha,

Acho que a Dilma é presidenta de todos os brasileiros. E isso inclui as inumeras mulheres que, como minha mae, sao donas de casa, tem pouco estudo, tem 'ogeriza' de computador e nem sabem o que é um blog. Minha mae nunca vai entrar no seu site e ler os otimos artigos publicados aqui. Minha mae nao vai ler entrevista da Dilma num jornal ou num site — seja ele do PIG ou 'progressista'. Acho fantastico que a Dilma se de ao trabalho de ir no programa da Ana Maria Braga para falar com a minha mae.

Responder

    Adriana

    03 de março de 2011 às 15h47

    Marcelle faço de suas palavras as minhas. Eu nem mesmo assisti o programa da Ana Maria e nem tampouco assistirei o da Hebe, mas muitas de minhas tias gostam desses programas.

Ernesto

02 de março de 2011 às 12h57

Já entendi tudo! Vou abreviar.
A Presidenta só deve ir a programas de tv e de rádio que não pontuem em audiência, em horas mortas. E, preferencialmente, nas rádios e tvs públicas federais.
Assim, vamos não só garantir que ela não seja vista ou ouvida por quase ninguém, mas garantiremos munição contra ela em 2014. Chumbo grosso!
Sim, porque ao usar canais públicos com intensidade, o que será devidamente documentado pela VEJA , o Estadão,a FSP, o GLOBO, etc o Millenium, a Opus Dei, as igrejas, o PSDB e o PV, ou seja, os autênticos representantes da civilização ocidental e cristã, poderemos acusá-la, com provas irrefutáveis, de uso da máquina pública, improbidade, imoralidade, falta de vergonha e tudo mais!
Estou me credenciando ao lugar do guru indiano do PSDB ou de Chefe da assessoria política do PV ( afinal de contas também possuo meta-visão e visão estratégica para todos os gostos).
Faço isso agora, posto que, pelo visto nos blogs "progressistas", já estamos em franca e aberta campanha para as próximas eleições. Delenda est Dilma Rousseff!
Como sou idealista, prefiro ser pago numa cesta de moedas, para evitar a desvalorização cambial.

Responder

Valdete Lima

02 de março de 2011 às 12h42

Caríssimo Azenha
Que pena que você pensa assim. Mas eu entendo. Você é homem e ainda carrega um ranço de machismo. Pense que a Dilma está dando tapa de pelica em todos. A Folha, forjando uma ficha penitenciária a convida para o aniversário e ouviu o que não queria: ''Prefiro a crítica ao silêncio da Ditadura''. Quer melhor do que isso… La Braga, Serrista, ouve um agradecimento emocionado quando se solidarizou com o câncer da Dilma. No decorrer do programa, a PRESIDENTA, do seu jeito mineiro foi só dando porradas esclarecedoras. E culminou dizendo que aos homens, ninguém os chama de durões. Só se espera das mulheres, reacões cheias de fragilidade. Estava dado o recado. Em nenhum momento as elevou a mulheres exemplares. Pense nisso. Analise o que foi perguntado e o que foi dito e verá que a Dilma está arrasando com o PIG. O melhor de tudo foi ela homenagear as mulheres que votaram nela e, por isso, presidentA.

Responder

    angela

    02 de março de 2011 às 13h29

    Obrigado Valdete,muito prazer em conhecê-la,diga-se de passagem.
    Agradeço porque eu estava pensando em uma resposta para tanto
    preconceito, mas estava difícil.Aí veio você e falou tudo aquilo que
    me vai na alma….gente, acho que estavam esperando o momento
    para começar as críticas, e com a Dilma não é muito difícil,ela não
    vai pedir licença para fazer o que acha correto e eficaz.
    Vai receber porrada sobretudo da "esquerda"….pois é, quem viver
    verá. E que venha a entrevista da Hebe, vou rir muito e seria acon-
    selhável que os críticos fizessem o mesmo.

Geysa Guimarães

02 de março de 2011 às 12h30

Azenha:

Coisa rara eu discordar de vc, mas nessa o faço. A Presidenta não escolheu as duas apresentadoras como exemplos, apenas se serviu dos programas que elas comandam para falar à Mulher brasileira.
Hipocrisia à parte, nem que seja um dia ou outro, tanto as mulheres quanto os homens assistem amenidades.
Não se vive erudição em tempo total. Considero a peruíce de Hebe e Ana altamente tóxicas, mas se a maioria gosta, só posso dizer pra mim mesma: "É o tal capitalismo, estúpida!"

Responder

Davi Sensu

02 de março de 2011 às 12h27

Azenha, nunca senti tanta vergonha alheia como no caso desse post seu… Você precisa ouvir mais mesmo a Conceição porque você de fato é bem machista… Muito mais do que qualquer venezuelano que tenha se oeferecido para carregar o camera…

Responder

betinho2

02 de março de 2011 às 12h23

A Maitê Proença está reclamando que editaram a pergunta que fez à Dilma. Tentou dar uma aliviada na história dos "machões" e não levou…rsrs

Responder

Ruth

02 de março de 2011 às 12h06

Em tempo ,suas colegas são belas e a segunda foto transmite sensualidade.Sua chefe deveria ter tomado a rédea da conversa no táxi e mostrado seu conhecimento do assunto ,com educação e delicadeza,na minha opinião.

Responder

Davi Sensu

02 de março de 2011 às 12h06

Acho que esse foi um dos posts mais machistas que eu já vi… E a entrevita para o Boner, que o Lula concedeu no início do mandato, também foi negativo para os homens? Agora virou uma guerra dos sexos, cada mulher que a Dilma encontrar vamos fazer uma análise curricular do que essa mulher representa para as mulheres? Isso é ridículo…

Responder

Luana

02 de março de 2011 às 12h01

Ao contrário, acho que é uma boa estratégia ir a um programa dito de "mulherzinhas", pois é possível relativamente "politizar" um público que não tem muita intimidade com a política e, particularmente, com a presidenta. Seu discurso não foi assim politicamente genial, mas tendo em vista o programa, é como se fosse. Como disse uma amiga, "para além das polêmicas, a presidenta gosta de literatura e disse isso em rede nacional, na fuça da Ana Maria".
Além disso, acho que a Dilma está dando um tapa com luva de pelica nas "cansadas": já deu entrevista para a Ana Maria e parece que já gravou uma matéria para o novo programa da Hebe. Agora faltam a Ivete Sangalo e a Regina Duarte! (com o perdão da piada! rs)

Responder

Ruth

02 de março de 2011 às 12h00

Azenha,ví toda a entrevista e achei ótima!Minha empregada parou para ouvir e adorou a resposta sobre uso de Presidenta.Vamos controlar o ciúme ok?A Dilma precisa fazer conhecer a sua história.O Lula demorou vinte anos para ser conhecido e respeitado .A Dilma não tem este tempo,precisa que o povo a conheça para poder gostar e admirar como consequência.Só acho que deveria dar entrevista exclusiva ao JR como prometeu às reporteres que fizeram a primeira entrevista pós eleição.Os outros são programas dirigidos ao público feminino e sua presença se justifica neste mês da mulher.Abç

Responder

Rogério

02 de março de 2011 às 11h53

Tá certo! Já entendemos quais são as mulheres exemplo para o Azenha. Nada contra.Maior respeito!
Mas vamos à reflexão: o que irrita no caso da Hebe( cantora, atriz de cinema, radioatriz, apresentadora de televisão); Ana Maria ( engenheira, jornalista, apresentadora de tv) e Dilma Rousseff ( economista, ocupante de vários cargos de importância, militante política com teoria na cabeça, formulação e cancha)????. O que as une???? Sucesso, carinho da maioria da população!!!
Imperdoável!!!.
Brasileiro da classe média não perdoa o sucesso alheio!
Tudo tinha que ser deles ou da classe dominante.

Responder

IV Avatar

02 de março de 2011 às 11h04

O Azenha que pegação no pé da Dilma, ela é politica, tem que ir a tudo quanto é canto sim, o povão adora vê-la na Maria Praga, muita gente só ficou sabendo que Dilma existe porque ela apareceu na Hebe, oh céus homi,
Eu só vou descer a lenha na Dilma daqui a dois anos, se eu ver que houve de fato mudança de rumo, e não é o que parece, a mulher tá trabalhando, e o povo feliz, nós é que estamos nos descabelando oxente

Responder

claudio meira

02 de março de 2011 às 10h44

Agora, se Dilma fosse num programa destes da Record teria esse comentário?
Mesmo que não sejam ancorados por figuronas do PIG? Azenha, Azenha!
Quero ver o dia que a Dilma vai receber a presidenta da UBM (União Brasileira de Mulhers),
a representante das mulheres do MST, de outros movimentos sociais, das centrais
sindicais que tantos votos batalharam pra elegê-la.

Agora, concordo com alguns acima, nesse inicio de governo a principal iniciativa
tem sido uma direção aos neoliberais. Quanto às colegas do Azenha, boa sorte no
trabalho, mas um gesto de cavalheirismo acho sempre bem-vindo.

Responder

Klaus

02 de março de 2011 às 10h36

Antevejo o início de um movimento SEBASTIANISTA no Brasil. Aguardemos.

Responder

Fernando

02 de março de 2011 às 10h14

A intenção de colocar fotos da Mariana e da Renata trabalhando é ótima, mas ao mesmo tempo é colocar fotos de duas jovens lindas… deu pra entender?

Responder

    KBLo

    02 de março de 2011 às 12h51

    complementando: podia ter escolhido melhor a foto da mariana. pra evitar "mensagem subliminar", né?

Gerson Pompeu

02 de março de 2011 às 10h10

Perguntinha inocente: será que os que criticam com tanta veemência a atitude da Dilma são tão rigorosos consigo mesmos?

Eu não me acho no direito de questioná-lo, Azenha,mas, seguindo o mesmo tipo de conduta, poderia fazê-lo quanto ao seu emprego na Record (Bispo Macedo). Ou seja, o que eu quero dizer com isto é que, principalmente pelo seu (dela) currículo de vida, podemos, sim, discordar de suas decisões, mas com a humildade de saber que podemos ser nós os equivocados.

Com todo o respeito.

Responder

Gunter Zibell

02 de março de 2011 às 09h16

Discordo um pouco. Também tá cheio de homens arquétipos do século XIX (pior que XX) por todo o lado. Quando há discussões sobre preconceitos em blogs, a maioria dos reaças é homem, não? Ana Maria Braga não é fútil (embora venda futilidade), ela é engenheira química (ou algo assim) e foi editora de um núcleo de revistas da Abril, depois é que achou o programa como caminho. Ela, como muitas mulheres, faz de limões limonadas e caminha por onde surgem espaços. E D. Hebe, no que seria mais conservadora que seus contemporâneos masculinos? Ou até mais jovens, como Amaury Jr?
O objetivo é sempre a busca da felicidade, não é? Ou da "densidade"? Não tem essa de caminho melhor. Tem quem batalha como pode e sabe, enfrenta o teto de vidro ou atende brechas (fúteis) de mercado. Ou se elege presidenta. Não vou prejulgar.
E fico feliz que mamãe (85) e minha sogra (86) podem ver a presidenta na TV. Ou a blogosfera acha que elas têm PC em casa?

Responder

    beattrice

    02 de março de 2011 às 15h13

    Bióloga, essa líder da extrema direita paulistana é bióloga.
    Quer dizer que o próximo "evento" será uma visita ao Amaury Jr?
    A ILHA de CARAS vai protestar veementemente e com razão!

Paulo Spannenberg

02 de março de 2011 às 09h12

Bom seria que ela só desse atenção a mídia "suja" e ignorasse as tvs e jornais do outro lado!
Que grande maneira de aparecer pra aqueles que estão condicionados a "ver" o mundo pelos olhos do PIG!
O grande problema é fazer o discurso para o umbigo. E parece que a PresidentA quer mais do falar para os que prestam atenção(e policiam) o seu governo.

Responder

Maria José Rêgo

02 de março de 2011 às 08h39

Azenha, lembro que no início da campanha a Marta Suplicy promoveu um evento em São Paulo para apresentar a Dilma às apresentadoras de TV. Se neste evento a então candidata Dilma prometeu às apresentadoras que iria aos programas delas, acho justo que ela cumpra as promessas. Entendo também que sua ida representa um calo na oposição pois a desarma, já que as apresentadoras são eleitoras de seu candidato. Acho que ela fez bem em ir tanto ao aniversário da FSP como na Globo e deve ir a todos que a convidarem. É uma ótima oportunidade para mostrar aos eleitores tucanos a sua verdadeira face, contrariando o que foi disseminado durante a campanha.

Responder

Klaus

02 de março de 2011 às 08h29

Mais uma coisa: as três recentemente venceram o câncer. Isto também cria uma ligação. Diferentemente dos mineiros, que SÓ são solidários no câncer, as mulheres são solidárias TAMBÉM no câncer.

Responder

Klaus

02 de março de 2011 às 08h23

A participação da presidentA nestes programas faz parte de um trabalho de popularização de sua imagem. Dilma num primeiro momento foi apresentada ao país como aquela que gerencia, que sentada na cadeira presidencial toca pessoalmente os projetos da nação. Contudo, uma presidentA não é só uma gerente. Precisa também de uma imagem popular. Num país em que a televisão é o principal meio de entretenimento e informação de grande parte dapopulação, que lugar melhor para uma presidentA "desconhecida" da população se apresentar? Dilma, uma desconhecida, chegou à presidência seguindo os conselhos destes que hoje a levam aos programas populares de "mulherzinha". Se deu certo antes, por que não dará agora, deve pensar a presidentA.

Responder

Werner_Piana

02 de março de 2011 às 08h03

o que preocupa neste inicio de Gov Dilma não são os salamaleques aos Frias ou as visitas às mumias Hebe e AMBraga.
O que incomoda é a EVIDENTE tendencia NEOLIBERAL na Economia. Isso tira o sono de qualquer um. Rentistas se esbaldando, a economia real se retraindo, etc… te esconjuro(s). Que deus (?!) nos acuda…

Responder

    Depaula

    02 de março de 2011 às 09h19

    Wener, cresça e apareça para aprender a fazer e analisar a política… A presidenta está certa de atender aos pedidos de entrevistas de programas populares.

    beattrice

    02 de março de 2011 às 15h15

    Werner, os "maus conselheiros" são os mesmos, os que insistem no figurino neoliberal e os que a arrastam aos cenários do PiG.

    Flávia

    02 de março de 2011 às 18h27

    Dilma arrastada? Então vamos concordar que ela é mesmo um "poste"?
    Sinceramente? A Dilma não é mulher de se deixar arrastar por ninguém.
    Se a Dilma não falar no PIG, vai falar onde mesmo e para quem mesmo?
    A realidade é que a mídia do país está toda nas mãos do PIG. A parte que não está é parcela irrelevante e diminuta. Basta consultar os índices.

Zé Ninguém

02 de março de 2011 às 07h54

Sem contar que a Hebe conseguiu muito progresso profisisonal com o diploma que Deus lhe deu !!

Responder

Sonia Santana

02 de março de 2011 às 07h45

Não suporto a AnaMariaBraga desde do dia que ela vestiu luto na reeleição do Lula.Não vi o programa ao vivo, até porque não vejo a Globo,mas um amigo me ligou e, não tendo votado na Dilma, tendo sido critico dela na campanha ,disse que votaria nela duas vezes depois do programa!
Fui ver e tive um prazer enorme em ver a Dilma se desdobrando em elogios ao Lula e a loira tendo que ouvir ! Dilma está se infiltrando na casa do inimigo e conquistando espaços importantes,está desarmando, fazendo aliados, se fazendo conhecer, está dominando , está marcado territorio! E eles estão vendo que o buraco é mais embaixo… Podemos não gostar do modo que ela está fazendo,porque não estamos querendo entender o que ela pretende!! Juro que a festa da Folha incomodou, mas ela está certa!
Dima tem muito trabalho a frente e precisa suavizar um pouco o seu caminho,não vai dar para ficar batendo de frente o tempo todo.A briga dela é maior !! Tambem sou mulher,votei nela, e já fui tachada de"sapata" porque comandava equipes, dava ordens e sei o quão duro é se firmar , se fazer respeitar neste mundo machista.
Vamos dar credito a ela, vamos ouvir suas explicações.Ela está sorrindo e pisando no pé da imprensa…
Fogo amigo não é bem o que ela esta precisando e nem merecendo.
Eu continuo vestindo a camisa dela com orgulho!! e tambem sou lulista roxa.

Responder

    augusto

    02 de março de 2011 às 11h08

    Teu comentario é muito bom,sonia, até dei um sinal + adicional nele… ao contrario de teu amigo, que em materia de politica -cidadania , me pareceu um excelente Louro Jose!"

    Thelma Oliveira

    02 de março de 2011 às 11h23

    Parabéns, Sonia, pela sua clareza. Concordo plenamente e ando meio intrigada com o tom deste blog, um dos que mais gosto, tanto de algumas matérias, quanto de alguns comentaristas. Não tenho participado muito, por excesso de trabalho, mas o pouco que tenho visto me pareceu uma cobrança de fim de um mandato em que tudo deu errado e todas as perspectivas foram frustadas. Às vezes, tenho que fazer força pra pensar que estamos em março do primeiro ano de governo. Adorei "Ela está sorrindo e pisando no pé da imprensa…" e realmente penso, e assisto, ela desarmando emboscadas de forma elegante e determinada, o que muito me anima.

    Emilio Matos

    02 de março de 2011 às 14h58

    Acho que muito disso se explica por você ter tomado anti-serrismo por apoio à Dilma, será que não?

Ricardo

02 de março de 2011 às 06h06

OMG, desde quando pedir para carregar a camara é ser machista? Eu acho que eh ser idiota, eu carregaria era Ela, com camera e tudo…heheheh
obs.: Com todo respeito, é claro…Grande Nassif, né fraco não.

Responder

Ze Augusto

02 de março de 2011 às 04h38

Dilma NÃO escolheu Ana Maria Braga e a Hebe Camargo como “exemplos” de mulheres brasileiras.
Ela falou sobre igualdade e desafios das mulheres (é uma politização, inclusive mostrando-se como uma mulher comum que chegou lá) à setores do eleitorado pouco politizados (cujo centro de interesse é culinária e celebridades).
Essas brasileiras também compõe o Brasil, e se elas não vão à Dilma, não há nada de errado Dilma ir à elas.
O contato de Dilma com as "Amélias" do século XX faz a diferença, abre novos horizontes na vida delas, ajuda-as a se libertarem.
Já o contato com as Renatas e Marianas do século XXI, não passaria de afago, não faria qualquer diferença nas suas vidas.
Será que valeria a pena as Renatas e Marianas, que não precisam disso, disputarem a atenção com as "Amélias", que precisam?

Responder

João Ribeiro Campos

02 de março de 2011 às 04h35

jprcampos João Campos @
@Tsavkko @maria_fro A Dilma não pode ir à Folha, não pode ir no Mais Você, daqui a pouco vão dizer que ela não pode beber Coca-Cola também.

Responder

candida

02 de março de 2011 às 02h29

Azenha
Vc não aprovou, tudo bem. É gosto seu.
Agora, queria que vc visse a alegria da cozinheira e da bábá aqui em casa ao verem a Dilma,no programa da Ana Maria. Elas literalmente se sentiram honradas, como se fosse uma visita para elas.
Eu dormia, quando elas vieram me acordar: "viemos avisar que a nossa Presidente está dando uma entrevista, porque sabemos o quanto a senhora gosta dela." Levantei num pulo e corri pra tv da cozinha.
Foi a maior confraternização! Nós três amamos a entrevista e até fizemos um omelete de queijo para comemorar.
Viva o Brasil! Viva a nossa Presidenta, uma mulher de fibra e que sabe fazer omelete, entre tantas coisas mais! Que Deus a conserve e nos dê a graça de a termos como nossa Presidenta por muitos anos!

Responder

    Carmem Leporace

    02 de março de 2011 às 08h42

    Você está bem mesmo??

    Gunter Zibell

    02 de março de 2011 às 09h39

    É isso aí!
    Porque ninguém reclama quando Lula se comunica com metáforas futebolísticas? O que me interessa saber o que ele pensa de Ronaldos ou Ronaldinhos? Interessa á parte dos brasileiros? Ótimo, Ana Maria Braga interessa a outra parte. Eu a acho tão interessante como pessoa do que qualquer apresentador esportivo…
    A sociedade herdou divisões sociais de gênero e, enquanto é assim, só se poderá buscar a igualdade pretendida falando a todos os desiguais.
    Donas de casa incluídas, posto que o voto delas tem o mesmo valor.

lala

02 de março de 2011 às 02h06

Mulheres de verdade? Isso é um critério muito subjetivo. Vai depender de cada um.
Todas as mulheres são mulheres de verdade.
Mulheres exemplo? Outro critério muito subjetivo.
Preconceitos e preferências pessoais não são bons critérios para uma presidenta decidir com quem fala ou não fala.
Pessoalmente muito me agrada ter uma Presidente que não tem preconceitos, nem julga rigidamente quem quer que seja. E que tem o mesmo sorriso de simpatia e bem estar tanto para dançar com um profissional da limpeza urbana quanto para receber um príncipe no Palácio do Planalto. Um grande exemplo para todos nós.
Vamos deixar a Presidenta ser quem ela é e ir aonde acha que deve ir? Não é isso que queremos que façam conosco?

Responder

Leonardo Câmara

02 de março de 2011 às 02h00

Sinceramente, penso que isso seja secundário. Elas apoiaram a Dilma a presidenta retribui. Nada demais.

Agora preocupa, e muito, é esse início neoliberal. Arrocho salarial combinado com aumento de juros? Pro trabalhador migallhas, pros banqueiros mais dinheiro?

Já estou com vontade de protestar na rua, não votei nem fiz campanha para isso. Lugar de neoliberal é do outro lado. Fora Palocci!

Responder

    Carmem Leporace

    02 de março de 2011 às 08h44

    Isso é fruto do tal do ""Momento Mágico"" que ela herdou do padroeiro, ou vem dizer que tu não sabes rapaz????

    Larga mão do Palocci, Palocci segue ordens de Dilma, os dois últimos anos foram de completa lambança, nunca existiu esse tal de "momento mágico" era tudo propaganda enganosa, a fatura chegou e vai ter que ser paga.

MauMauQuirino

02 de março de 2011 às 01h51

Alguns criticam a ida da nossa presidenta à festa da FSP,os mesmos criticam sua ida ao programa Mais Você e, irão criticar também sua ida ao programa da Hebe Camargo na rede TV,estamos em uma democracia e criticas são normais,entretanto é preciso analisar a importância de tais aparições,enfrentar o adversário em seu próprio campo,o discurso feito por nossa presidenta na festa da FSP conseguiu tirar da oposição,leia-se PIG,a bandeira da liberdade de expressão e da liberdade de imprensa,essa foi a síntese do discurso presidêncial,já quem assistiu o programa global pode ver uma presidenta leve,descontraída,simples,elegante e acima de tudo uma profunda conhecedora do Brasil,do seu povo,dos problemas e das soluções,consciente da enorme responsabilidade que está sobre os seus ombros e do papel que a mulher vem desempenhando na sociedade,quem não a conhecia,teve a oportunidade e,a imagem que o PIG construiu durante a campanha eleitoral se desmanchou.

Responder

MauMauQuirino

02 de março de 2011 às 01h47

Alguns criticam a ida da nossa presidenta à festa da FSP,os mesmos criticam sua ida ao programa Mais Você e, irão criticar também sua ida ao programa da Hebe Camargo na rede TV,estamos em uma democracia e criticas são normais,entretanto é preciso analisar a importância de tais aparições,enfrentar o adversário em seu próprio campo,o discurso feito por nossa presidenta na festa da FSP conseguiu tirar da oposição,leia-se PIG,a bandeira da liberdade de expressão e da liberdade de imprensa,essa foi a síntese do discurso presidêncial,já quem assistiu o programa global pode ver uma presidenta leve,descontraída,simples,elegante e acima de tudo uma profunda conhecedora do Brasil,do seu povo,dos problemas e das soluções,consciente da enorme responsabilidade que está sobre os seus ombros e do papel que a mulher vem desempenhando na sociedade,quem não a conhecia,teve a oportunidade e,a imagem que o PIG construiu durante a campanha eleitoral se desmanchou.
Enganam-se aqueles que a criticam, Dilma não é um "poste",sua inteligência é acima do normal,e ela está mostrando isso,enganam-se também aqueles que acham que só os demotucanos leêm a FSP,que só os demotucanos assistem a Ana Maria e que só os demotucanos assistem a Hebe,uma liderança se forja assim,no campo do inimigo,quanto mais pessoas conhecerem a verdadeira Dilma,melhor para o Brasil.

Responder

    Carmem Leporace

    02 de março de 2011 às 08h47

    ""Enganam-se aqueles que a criticam, Dilma não é um "poste",sua inteligência é acima do normal"""

    Procure um médico rapaz, a lavagem cerebral no seu caso atingiu níveis além do pretendido, pode ser perigoso.

    luiz antonio

    02 de março de 2011 às 11h41

    E vc, quem é para se achar dona da verdade?
    Assisti ao programa e achei importante a participação de nossa Presidenta, tanto pela postura quanto pelos conceitos e respostas dadas às perguntas.
    Tua manifestação me leva a deduzir que votaste no Serra, porém convém que te lembres de que a eleição já passou e, ainda que tu teimes em não aceitar o resultado, Dilma estará lá no Planalto pelo menos até 2014, quiçá até 2018!
    Vale relembrar Ibrahim, o colunista das zelites: "Os cães ladram e a caravana passa!"
    Detalhe: diga lá, se por ser mulher não te sentiste mais valorizada com a razão dílmica para o uso do termo Presidenta?

Maria Lucia

02 de março de 2011 às 01h45

O que há de errado na Presidenta da República ter ido falar ao seu povo através de programas de grande audiência? Por que uma mulher que trabalha como apresentadora, seja qual for a posição política dela, deveria ser considerada "indevida" por um ou uma presidenta da república? Onde fica a dignidade essencial de todo ser humano? Quem deve ser considerado como "exemplo" e quem não deve? Ou seriam todas as mulheres brasileiras, cada uma com suas identidades e personalidades, todas dignas do apreço e da consideração de um ou de uma presidente/a?
Fico pensando assim: tem horas que a cidadã Dilma Rousseff deve se lembrar dos tempos em que estava presa, em que foi torturada por lutar contra a ditadura. Deve pensar:será que a ditadura acabou mesmo?

Responder

Clara

02 de março de 2011 às 01h28

A blogosfera progressista parece estar de mal com a Presidenta. É um resmungo, uma má vontade!
O amor era pouco e se acabou! Mais o povão está cada vez mais encantado com a sua Presidenta.
Afinal foram eles quem apostaram nela, que a elegeram e sabem muito bem o porquê!
Agora, por exemplo, não se conformam que ela tenha ido a programas assistidos pelas classes populares, como o da Ana Maria e da Hebe.
Já quando o Lula ia aos programas do Ratinho e outros do mesmo tipo, batiam palmas. Isso é que é machismo. Lula podia, Dilma não pode!

Responder

    Carmem Leporace

    02 de março de 2011 às 08h48

    """Mais o povão está cada vez mais encantado com a sua Presidenta.""""

    E o salário ÓÓÓÓÓÓÓÓÓ!!!!! Devem estar amando mesmo….

beattrice

02 de março de 2011 às 01h19

Também considero triste Azenha, tristíssimo.
Até porque antes de representarem qualquer segmento feminino ambas representam a extrema direita paulistana "palatável", se é que tal tendência pode ser palatável.

Responder

    Osmar

    02 de março de 2011 às 11h12

    Devem ser palatáveis. Porque os paulistas sempre elegem gente da extrema direita, com grande entusiasmo.
    Das duas uma ou o eleitorado paulista é de direita palatável, ou a esquerda é impalatável, tal a sua burrice, arrogância, carradas de preconceitos e permanente uso de anteolhos.

Lira

02 de março de 2011 às 00h44

Não me iludo. Muitas decepções virão.
Ela está indo no caminho inverso do nosso eterno presidente Lula.
Tem sido um rosário de frustação. Ana Braga e Hebe, é um Deus nos acuda.

Responder

    Carmem Leporace

    02 de março de 2011 às 08h50

    Pior é que é.

    Davi Sensu

    02 de março de 2011 às 17h19

    Pior é que é? Vc não falou um pouco mais acima que o Lula que criou essa "conta" e que "chegou a hora de pagar?"… No mínimo bipolar…

mello

02 de março de 2011 às 00h35

Acho que foi porque as duas manifestaram solidariedade quando ela estava em tratamento contra o câncer. Isso a sensibilizou, quis mostrar gratidão. Acho que foi um gesto não reprovável, e aparentemente foi o motivo principal.
Se estivesse mesmo atrás só de marketing, apareceria em programas com mais visibilidade, no horário nobre, não em programas de 6 ou 9 de ibope..

Responder

betinho2

02 de março de 2011 às 00h11

Azenha

E sobre o que Dilma falou, não interessa divulgar?
Poderias por exemplo escrever que Marina Silva, candidata dos ecocapitalistas também prestigiou
as mulheres que voce chama de demodès, com uma pergunta que enviou a Dilma.
Vou te ajudar, com a pergunta e a resposta:

“quais são as políticas voltadas para a inclusão produtiva das mulheres para que estas também possam ter aquilo que chamam de igualdade de oportunidades tanto para elas quanto para seus filhos?” (Marina).

A intenção, claro, era tentar pautar Dilma, que não embarcou, fez um parentese e continuou sua fala:

“Era disso que a gente estava falando. Muito boa pergunta da Marina… Eu tenho certeza de que uma política de erradicação da pobreza, ela tem de ser focada na mulher e na criança. Nas famílias chefiadas por mulheres, quanto mais pobre a família, maior o número de famílias chefiada só pela mulher. Por que a gente foca na mulher? Quem recebe o Bolsa Família é a mulher. Por quê? Porque a gente sabe que a mulher não vai pegar o dinheiro e dar uma passada no bar e tomar umas e outras. A gente sabe disso, o próprio homem sabe disso. Por quê? Porque a mãe dele cuidou dele e ele sabe que a mãe é isso, então privilegiar a mãe.” (Dilma)

Depois disso temos o reajuste do Bolsa Família, no compromisso de erradicação da miséria, sobre o que não vou me estender, pois você certamente fará uma matéria a respeito. Ou não?
Ou cumprir promessa de campanha é "marketing" também e você não gosta?
Essas são as mulheres que Dilma prestigia:

“O Bolsa Família é tudo para mim. Sem ele a gente nem ia viver. Quando cheguei a Irecê vivia no lixão catando, passava fome. Com o aumento do Bolsa Família vou comprar mais comida para as crianças”, (Maria de Lourdes dos Santos de Jesus, moradora de em Irecê (BA) )

Responder

    Luiz Carlos Azenha

    02 de março de 2011 às 07h59

    Betinho, sobre o que a Dilma divulgou saiu na televisão, não é? No programa da Ana Maria Braga…

    Archibaldo S Braga

    02 de março de 2011 às 08h07

    Eu acho, com profundo pesar, que a nossa(sic) presidente tá começando a pisar no tomate!!! LULA 14!!! Braga

    betinho2

    02 de março de 2011 às 12h07

    Sim saiu. E Ana M. Braga estava de "burca", que ninguem a reconheceu? Ninguem viu que era no programa dela, que voce precisou fazer toda essa pecuinheira, para o Brasil saber onde Dilma esteve?

    A mim interessa saber o que Dilma disse, não onde disse.

    Falar em "onde", você não acha que se daria bem montando um blog lá onde mandam os "aiatolás"?…rsrs
    Toma jeito Azenha
    Um abraço.

Márcio

01 de março de 2011 às 23h18

Parece que este episódio pontual apagou toda a história da Presidenta Dilma…
Não bastou ela, com uma delicadeza ímpar, dizer a razão pela qual foi ao programa. E logo de cara.
Também não foi observada sua postura focada e política, com clareza e simplicidade. Foi a melhor explicação que ouvi sobre a lei aprovada do salário mínimo.
E também posso imaginar que visitar os Marinhos não deva ser algo agradável. Mas quem tem nome e sabe de sua história pode arcar com esse ônus.
A Mariana, a Renata e todas as mulheres que enfrentam o machismo surfam na onda em que a presidenta furou muito antes.Que haja mais generosidade e delicadeza no mês das mulheres, ainda que uma ponta de desagrado esteja presente.

Responder

MCG

01 de março de 2011 às 23h08

O fato da presidenta ter aceito o convite de participar nos programas de Hebe e Ana Maria não significa de maneira alguma que as considere como exemplos de mulheres. São apenas duas profissionais de televisão que, temos que admitir, chegam à casa de milhares de brasileiras e brasileiros devido ao alto grau de popularidade. Então porque não aproveitar esta oportunidade de se fazer melhor conhecida, como mulher cidadã e presidenta? Sorte de quem se adiantou e fez o convite! Tenho a certeza que se a produtora Mariana preparasse uma entrevista com a Dilma, realizada pela Ana Paula Padrão, com imagens da cinegrafista Renata, todos nós ficaríamos felizes em assistir. Sou mulher e votei na Dilma.

Responder

    Gunter Zibell

    02 de março de 2011 às 09h55

    É até mais que isso. Serve de marketing? Ok, mas podemos fazer uma leitura ainda mais positiva. Dilma retribui os votos de suas eleitoras como pode, ora. Minha sogra e uma cunhada não trabalham fora e vêem esses programas. Outra cunhada acompanha internet e uma sobrinha assina Carta Capital. Então que a blogosfera e essa revista agendem entrevistas também…

Fátima Oliveira

01 de março de 2011 às 23h07

Em minha crônica de hoje ("O primeiro Dia Internacional da Mulher do governo Dilma")
eu também externei uma preocupação: que é o viés economicista da abordagem da dita "questão da mulher"no Governo como se independência econômica fosse a panaceia contra a opressão de gênero. Não é e a história já demonstrou que não é. Evidente que ela é necessária, mas não é suficiente. Mas é o caminho que parece ser por onde o governo quer navegar. Um erro crasso e lamentável.
Um trecho: "O que é prioridade máxima para as mulheres no governo da primeira presidenta do Brasil? A opressão de gênero está encerrada num nó górdio. Para desatá-lo (ou cortá-lo?), urge que o governo saiba que NECESSIDADES IMEDIATAS e ESTRATÉGICAS DE GÊNERO são demandas igualmente importantes. Como na música dos Titãs: "A gente não quer só comida/ A gente quer comida/ Diversão e arte". Falo impropérios?"
Espero ter sido explícita

Responder

    Caetana Campos

    02 de março de 2011 às 12h54

    Azenha, por que a crônica da Fátima Oliveira não está aqui no VI O MUNDO. Acessei no jornal que ela escreve e é uma conversa que faz toda a diferença, por ser corajosa e coerente. SOS!

Fátima Oliveira

01 de março de 2011 às 23h00

Azenha, entendo com absoluta precisão o que você sente e verbaliza. Li duas vezes com atenção o que você escreveu. E o que sente tem uma base real, que é o fato de as mulheres não constituirem um bloco monolítico. Entre nós há clivagens de classe, raciais/étnicas, escolaridade, geração e por aí vai, que na prática estabelece um fosso entre nós, tornando impossível uma coisa que o feminismo francês nos 1970/80 denominava de sororidade entre as mulheres, que hoje sabemos ser uma falácia…
Mas há algo comum a todas as mulheres que é a opressão de gênero – a inferioridade, a cidadania de segunda categoria – que perpassa todos os fossos e é o que torna possível uma luta de todas nós contra a opressão feminina.
E também acho que é preciso compreender que o fato da presidenta Dilma ter concedido entrevista à Hebe e à Ana Maria Braga não foi e nem significa que é porque elas são os MODELOS de mulheres que poderíamos chamar de NOVAS MULHERES, assim como ela não as escolheu como exemplos. Não dá para viajar rsrsrsrrsrs

Responder

    Luiz Carlos Azenha

    02 de março de 2011 às 08h50

    Salve Fátima, grande batalhadora pelos direitos das mulheres!

    Carmem Leporace

    02 de março de 2011 às 08h52

    Apoiado.

Marcelo de Matos

01 de março de 2011 às 22h51

Agora, com a divulgação das fotos, entendo porque os venezuelanos se ofereciam para carregar a pesada câmera. Não é machismo não. E aquele impulso natural de solidariedade humana. Grande Azenha!

Responder

Mercia Almeida Neves

01 de março de 2011 às 22h43

Ela arrogante, não se espelha nem em cozinheiras nem donas de casa demodé, as usa, pior quem se ilude com isto, que chavao!

Responder

parte1

01 de março de 2011 às 22h41

E tem blogueiro por aí praticamente decretando que a Dilma é uma estrategista política genial. é para rir ou para chorar?

Responder

    Maria 1

    02 de março de 2011 às 07h38

    Que bom que "tem blogueiro por aí" que pensa diferente! Se todos expressarem sempre a mesma opinião, numa espécie de fidelidade partidária, tal qual os colunistas do chamado PIG, nós, leitores, estamos perdido. Mais um espaço de discussão e análise que se perderia num "samba de uma nota só".

Marcelo de Matos

01 de março de 2011 às 22h39

(parte 2) Não podemos subestimar apresentadoras como Hebe Camargo e Ana Maria Braga. Se elas estão há tanto tempo na ativa é porque desempenham bem seu papel. Sílvio Santos é um empresário de visão e já dispensou grandes nomes na emissora: Lilian Witfibe, Adriane Galisteu, Ana Paula Padrão. Se manteve a Hebe é porque ela dá conta do recado. E tem mais: a Dilma mostrou que não precisa do marketing oficial. Com a reforma ministerial promovida pelo presidente Lula em 2007, a SECOM incorporou a Secretaria de Imprensa e Porta-Voz, que é responsável pelas relações entre o governo e a mídia. O marketing oficial ficou reduzido a zero. A Dilma, porém, com sua simplicidade e simpatia, aparecendo de vez em quando na mídia, fará o próprio marketing. Mesmo que a blogosfera progressista não lhe dê uma mãozinha. E tudo indica que não mais dará.

Responder

    Gunter Zibell

    02 de março de 2011 às 10h00

    Silvio manteve Hebe um tempão, mas agora ela foi pra Rede TV! Ou não?

    Parte da blogosfera anda com ciúmes! Mas isso passa. Quando virem em S.P. o ex-governador fazendo campanha pra prefeito se lembrarão da alternativa à Dilma…

    SôniaG.

    03 de março de 2011 às 23h34

    Apenas a título de informação, Marcelo, a Hebe foi 'dispensada' do SBT. O novo programa é na RTV.

Marcelo de Matos

01 de março de 2011 às 22h39

(parte 1) Penso que a Presidenta deve manter com a imprensa uma relação civilizada. Na Alemanha, a primeira ministra Angela Merkel, nascida e criada no lado Oriental, comunista, certamente não se nega a dar entrevistas e comparecer a programas de TV. E os alemães não têm preconceitos ou revanchismo contra líderes que foram da direita ou da esquerda. É uma mentalidade diferente (vou evitar dizer que de primeiro mundo). O Brasil, como potência econômica já é de primeiro mundo. Muito em breve disputaremos com a Alemanha o posto de 5ª economia do planeta. Mas, e a nossa cabeça, em termos políticos? Somos muito ligados ao passado. Certa vez Leonel Brizola resolveu fazer uma visita ao Estadão e acabar com uma antipatia que vinha desde os tempos de Getúlio Vargas. Não deu certo – foi barrado na portaria. Esse é o Brasil: revanchista, apegado ao passado. O revanchismo é como o machismo e outros ismos – a economia pode melhorar, mas, a coisa mais difícil continua sendo mudar a cabeça das pessoas. A relação de Dilma deve ser com a imprensa que temos (como ela é).

Responder

Frederico

01 de março de 2011 às 22h36

Assim, na foto, Renata parece uma fofa (ou, talvez, esta observação seja muito "século 20": a ver).

Responder

Edson

01 de março de 2011 às 22h35

Lãminas Afiadas, é triste pelo que a Globo representa na história, porém pela história a Dilma deve estar onde o povo possa ver,

Na emissora que deu apagão na carreira da Lelia Abramo depois de demitir a presidente do Sindicato dos Artistas que lutava por direitos e anistia,

Com presos políticos nos presidios a Lélia chamava outros artistas para visita-los, conseguiu levar a Bruna Lombardi, imagina, a Lélia demitida pela Globo, a mesma empresa que hoje fez a Dilma ser ouvido por milhões de brasileiros, que nem sabe ou lembra quem é Lélia.

…doeu ver a Ana Maria Braga e a Dilma comentando a história visto pela janela do tempo editada como se a presença da Dilma ali era homenagem da TV Globo para as mulheres que assistem o Mais Você, ainda com dor tive que ver o poder de comunicação que o programa tem, cheguei na casa da minha mãe, ela contente me perguntou se tinha assistido a Ana Maria, me deu um nó na garganta, ela tinha assistido e emocionada vibrou que a Dilma estivesse sido tão amavel, contou em detalhes a história do menino que chorou por que não tinha sido convidado para a festa da presidenta.

A Dilma esteve no bucho do dragão, uma situação paradoxal, foi e foi vista por milhões que prestaram atenção como talvez, em nenhum outro lugar asseguraria tanta atenção de tanatas mulheres no Brasil, audiência garantida em cima de tantos ombros que lutaram pela democracia no Brasil, como da Lelia Abramo demitida pela Globo por ter assumido a presidência do Sindicato dos Artistas de São Paulo, a mesma Globo que permite os telespectadores agora ouvirem da Presidenta Dilma em tom de cumplicidade que a leitura, a educação pode dar salto no rumo na vida das pessoas.

A Lélia acreditava que era necessário ter os mais velhos convivendo com os mais jovens para não haver ruputuras na memória, e as duas mulheres hoje no programa falaram algo parecido sobre serem avós, algo sobre responsabilidade e amor, eu entendi. Mas foi inevitável lembrar da história da Lelia que queria que muitas avós fossem ouvidas, e muitos netos pudessem ouvi-las, trocas de memórias por esperança.

Responder

Maria 1

01 de março de 2011 às 22h29

Os programas da Ana Maria Braga e da Hebe Camargo, são assistidos por milhares de brasileiras. Através deles, a Presidente Dilma falou, interagiu com elas, brasileiras que não são cinegrafistas nem produtoras e muitas delas, decerto, fazem da cozinha o centro da sua existência. Mas, como as valorosas profissionais aqui citadas, são cidadãs que, igualmente, merecem o respeito e a deferência presidencial. E, cá entre nós, tb não é um tanto ultrapassado esse ranço com quem pilota uma cozinha?

Responder

    JotaCe

    02 de março de 2011 às 05h19

    Desculpa, Maria 1, mas esse tipo de comportamento é condenado desde tempos muito antigos. Até o poeta Virgilio reclamou disso na Eneida com aquela celebrada frase a respeito de Heitor: ‘Quantum mutatus ab illo’! ou seja ‘Quanto ele mudou’…A mim não parece que a Presidente procurou aquelas duas senhoras ‘por respeito e deferência presidencial’, mas tentando numa atitude, no mínimo leniente, uma aproximação com o PIG. Até que se fosse um caso isolado, seu raciocínio poderia ser aceito, mas o grande problema é que vem acontecendo uma série de atos, de políticas, desde a escolha de certos ministros, ao convescote da falha, às declarações que fez por lá etc. Tal comportamento está deixando de cabelo em pé muita gente, como eu, que votei nela. Pra finalizar, não vejo como cotejar o trabalho e, por extensão, as pessoas de Mariana e Renata, com os da Hebe e Ana Maria. Os valores não são os mesmos…Abraços,
    JotaCe

    Maria 1

    02 de março de 2011 às 08h22

    Através do PIG, em especial um programa de TV, Jotacê, a agora Presidente de todos, fala, repito, com milhares de brasileiros. Foi o que a Dilma fez. E muito bem feito. A Hebe e a Ana Maria exercem uma atividade profissional, assim como a Renata e a Mariana. Aí, nada que as diferencie. No aspecto pessoal, não posso avaliar. Não conheço nenhuma das quatro. O que sei é que as duas primeiras são ligadas a políticos de direita. E daí? Somente por isso devem ser dequalificadas? Exercem um direito de escolha muito caro à democracia. Podemos e devemos contestá-las, quando for o caso. Mas com o devido respeito.
    Abs, Maria 1

    Gunter Zibell

    02 de março de 2011 às 10h07

    É isso. "Sou Mais Você" rsrs
    Quando Lula foi entrevistado pela horda de apresentadores tucanos no Canal Livre da Band ninguém reclamou dele dar entrevista pro PIG. Foi elogiadíssimo pela blogosfera, até. E olha que a audiência desse programa não chega a 2 pontos, contra 9 pp da Ana Maria Braga.
    x-x-x-x-x
    Se políticos podem dar entrevista pro Kennedy Alencar, da Folha/uol e da Rede TV!, porque não poderim pra Luciana Gimenez da mesma emissoria?
    x-x-x-x-x
    Pensem na alternativa que agradaria ao machismo brasileiro : o ex-governador de SP dando entrevista pro louro José… Ou Datena… Ou Faustão…
    Dilma mereceria mais compreensão. Bom, não deve tar nem aí.

    Davi Sensu

    02 de março de 2011 às 12h19

    Exatamente Gunter e não vi nenhum post questionando o que essas pessoas significavam para os "homens". Esse comentário do Azenha foi extremamente machista… Azenha, homens e mulheres são diferentes em algumas coisas… Qual o problema em um homem se oferecer para carregar um objeto pesado? Agora em muitas outras somos iguais, como nesse caso da Dilma… Por que tem que ter um siginificado especial para as mulheres o fato de ela aparecer em programas de culinária ou fofoca, porque o fato dela participar desses programas tem um significado especial? Não é justamente isso que ela deveria fazer, olhara para as mulheres preocupadas com culinária e fofoca e falar "Oi, eu sou presidenta, as filhas de vocês podem ser o que elas quiserem ser, cozinheira, dona de casa ou presidenta"? Vc acha que ela tem um papel mais importante a desempenhar falando com mulheres já politizadas e super antenadas em política e economia ou conversando com as donas de casa, que cuidam dos filhos e filhas e gostam de culinária e fofoca?

    Davi Sensu

    02 de março de 2011 às 12h19

    Você reclamaria do Lula se ele fosse num programa sobre carros falar de política? Parece que as pessoas tem uma idéia errada do que é o machismo… Se oferecer pra carregar uma objeto pesado é ser machista, julgar que ao aparecer em um programa de determinado nicho a presidenta estaria dando uma mal exemplo para as mulheres não? Pra você as mulheres podem usar saias quando bem entenderem ou também é um mal exemplo de exposição do corpo?

    Gunter Zibell

    02 de março de 2011 às 13h29

    Não entendi tudo, mas tento responder :
    Você reclamaria do Lula se ele fosse num programa sobre carros falar de política? R: > Não. pode-se falar de política em qqer lugar.
    Se oferecer pra carregar uma objeto pesado é ser machista R: > Se não for insistente, não, apenas gentil.
    julgar que ao aparecer em um programa de determinado nicho a presidenta estaria dando uma mal exemplo para as mulheres não? R: > Parece mais precipitado que machista.
    Pra você as mulheres podem usar saias quando bem entenderem ou também é um mal exemplo de exposição do corpo? R: acho que tanto homens como mulheres poderiam usar saias ou calças quando bem entenderem…

    Davi Sensu

    02 de março de 2011 às 14h40

    Desculpe Gunter, agora que li o que escrevi ficou meio estranho, parecia que eu estava odiosamente concordando com você… O "odiosamente" aconteceu porque quando eu dizia "você" estava enfurecido com o Azenha… Esse "você" que eu coloquei não era você não Gunter, estava apenas concordando com o que você disse e enfurecido com o post do Azenha… Me desculpe.

    Gunter Zibell

    03 de março de 2011 às 02h11

    haha, eu percebi que seu comentário estava fora do lugar (o "não entendi" era pra isso.) Tranquilo!

    Davi Sensu

    02 de março de 2011 às 17h23

    * mau exemplo…

    JotaCe

    03 de março de 2011 às 00h31

    Prezada Maria 1,
    Calma, comadre! A sua ‘chamada’ exigindo respeito não me atinge. Jamais fiz uso de qualquer blogue para desconsiderar as pessoas. Dei minha opinião e a mantenho, por favor não se sinta obrigada a aceitá-la. Quanto às pessoas da Mariana e da Renata, gostaria de lhe informar que, embora não as conheça pessoalmente, estou certo de que, por exercerem um trabalho sério num blogue democrático como o do Azenha, diferem muito das duas senhoras que você defende. Com relação à questão da ‘falta de respeito’, creio que você faria melhor se endereçasse tal conselho a essas mesma senhoras. Pois ambas, por muitas e muitas vezes, faltaram com o devido respeito à pessoa da Dilma, antes de que fosse eleita. E o mesmo procedimento desrespeitoso delas continuaria se o Cerra tivesse sido o vencedor. Será que você duvida disso ? Ambas se habituaram, nos seus programas fúteis, a levar o incenso da hipocrisia ao turíbulo da bajulação. Que o digam o Arcebispo de Guarulhos e o Cerra. Eles entendem de igreja. Abraços,

    JotaCe

    Maria 1

    03 de março de 2011 às 12h56

    Calma tb, compadre JotaCe. Quando falei que podíamos e devíamos contestar àquelas veteranas profissionais de TV com o devido respeito, não foi um conselho para vc. Nem poderia ser. A sua contestação foi educada e gentil. Sei valorizar isso, embora o meu texto (não bem escrito) possa ter induzido vc nesse equívoco. Se assim foi, minhas desculpas. Quanto ao mais, tb mantenho a minha opinião. E uma dúvida: as jovens profissionais citadas pelo Azenha trabalham para o blog ou para a TV Record? Bem, pouco importa. Não são santas ou demônios por conta disso.

    JotaCe

    03 de março de 2011 às 23h40

    Prezada Maria 1,

    Obrigado, ‘comadre’, pela sua atenção e elevado espírito democrático. Não tem do que se desculpar, realmente. Meu texto resultou de um equívoco de interpretação. Se há culpas, elas são minhas. Espero contar com sua crítica quando eu aparecer novamente e se divergir dos meus rabiscos. Um abraço pra você do

    JotaCe

Herminio

01 de março de 2011 às 22h28

Percebam que temos que olhar diferente, enquanto essas mulheres acham que estão usando a presidenta, é o contrário, ela aproveita pra se aproveitar delas no bom sentido.

Responder

pperez

01 de março de 2011 às 22h28

Acho bacana que as missões protocolares da Presidenta Dilma na folha e no programa da Ana na TV Globo suscitem tanto debate dos seus eleitores!
O PIG não estava incomodado com a Presidenta recolhida em seus pensamentos no seu gabinete?Não urdia a cada dia mensagens incitando-a a vir para as ruas!
A dilma foi para cima, enfrentar de frente seus adversarios no seu terreno!
Os Piguentos da Folha e da Globo terão mais trabalho para descontruir o fato politico que Dilma criou.
Eles teriam muito mais materia para detona-la com sua recusa.
Queira ou não debatendo olho no olho com um programa de alcance nacional e ainda por cima fazemdo uma omelete como qualquer dona de casa, Dilma deu seu recado e um tapa com luva de pelica na cara dos piguentos!

Responder

Caio

01 de março de 2011 às 22h27

Ora, o q ela quer é, naturalmente, "suavizar" a imagem. O problema da Dilma não é ser moderna e independente, mas ser isso demais. Isso causa rejeição, principalmente nas mulheres pelo que vimos na eleição. Ela obviamente avaliou que precisava fazer isso. Deveria? Bom, acho que o exemplo dela é eloquente o suficiente. É hora de governar. Se isso aproximá-la do público e facilitar o governo, então que seja. Abs,

Responder

@MiguelBBargas

01 de março de 2011 às 22h25

Nossa! Que patrulha… Deixe a presidenta ir aonde ela quiser. Se ela fizer metade do que o imortal Lula fez já estou contente.

Em tempo: Parabéns à Mariana e à Renata.

Abraços

Responder

Maria Ines Azambuja

01 de março de 2011 às 22h20

Discordo.
Estas duas mulheres, mesmo que eu pouco as assista, são batalhadoreas e merecedoras de todo o espaço que conquistaram… Acho machismo sim menosprezar, por exemplo, a culinária como espaço de trabalho… Não se vive sem isto! E pelo visto não se vive sem fofocas…
As duas foram à luta e são vencedoras incontestes nas suas profissões.

Responder

    Maria 1

    02 de março de 2011 às 07h23

    Pois é, Maria Ines. O seu comentário me fez lembrar a melhor definição que li sobre a culinária, dada pelo pessoal da macrobiótica: "a arte fundamental da vida". Mas há quem faça pouco caso dessa tarefa, embora, como vc diz, não podendo viver sem se alimentar.

    Gunter Zibell

    02 de março de 2011 às 09h26

    Apoio-lhe. As duas são vencedoras.
    Se culinária ou vida de celebridades fossem coisas menores, outras divisões sociais de gênero, como a superestimativa da importância dos esportes (e celebridades correlatas) podem também ser tidas como arquétipos do século XX. Ou não?
    Ou todo o tempo e recursos que se usam em torno de futebol são uma moderna e séria imprescindibilidade social? Nada, são resquício de uma transposição da mentalidade ultracompetitiva, que vem lá dos jogos helênicos…

ZePovinho

01 de março de 2011 às 22h06

Fica tranquilo,Azenha.A Conceição Oliveira e minha patroa me chamaram de "Teoria da Conspiração".KKKK!!!

ORTODOXIA À BEIRA DE UM ATAQUE DE NERVOS

Dilma corrige os valores do Bolsa Família e dá reajuste real ao benefício recebido por 12,9 milhões de famílias. O menor valor da transferencia de renda passa de R$ 22 para R$ 32; o maior, de R$ 200 para R$ 242. O benefício médio atual, de R$ 96, subiu para R$ 115. Famílias com filhos foram contempladas com as maiores taxas de aumento real. A reunião do Copom desta 4º feira servirá um 'lexotan' aos mercados. Se subir 0,5% a taxa de juro básica, a Selic, oferecerá aos rentistas um 'tranquilizante' da ordem de R$ 7,5 bilhões/ano; quase quatro vezes o gasto previsto com o reajuste do Bolsa Família que vai beneficiar 50 milhões de brasileiros pobres. Aguardemos a avaliação da mídia para cada um desses dispêndios fiscais.
(Carta Maior; 4º feira-, 02/03/2011)

Responder

Gerson Carneiro

01 de março de 2011 às 22h06

Pois é… Dilma me provocou hoje. Quis me fazer acreditar que "lugar de mulher é na cozinha".

Agora, sinceramente… para trocar a Renata e a Mariana por Hebe Camargo e Ana Maria Braga é preciso estar rasgando dinheiro. Louco, varrido de pedra.

Responder

    Maria José Rêgo

    02 de março de 2011 às 08h40

    Gerson, eu entendi que, a mulher que vai à cozinha, pode também ser Presidenta da República.

    Gerson Carneiro

    02 de março de 2011 às 18h40

    Perfeito, também.

    Gerson Carneiro

    02 de março de 2011 às 17h52

    Vixe mãinha! Quanta negativação!
    Isso porque me recusei a acreditar no que a Dilma quis que eu acreditasse.
    Reitero tudo o que eu já disse.

Vicente P Pereira

01 de março de 2011 às 22h02

"É por tudo isso que eu acho triste que a presidente Dilma Rousseff tenha escolhido a Ana Maria Braga e a Hebe Camargo como “exemplos” de mulheres brasileiras, neste início de mandato".
Faço, meu caro, das suas palavras as minhas.
Sem contar o lamentável episódio da Folha.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding