VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Baixa confiança na mídia e rede de robôs permitem a Bolsonaro ter 51% de aprovação no combate à pandemia
Foto Roberto Parizotti, via Fotos Públicas, mostra bolsonaristas protestando contra o governador e o prefeito de São Paulo por causa do isolamento social.
Opinião do blog

Baixa confiança na mídia e rede de robôs permitem a Bolsonaro ter 51% de aprovação no combate à pandemia


12/05/2020 - 14h54

Da Redação

Quase 52% dos brasileiros acreditam que o governo Bolsonaro tomou as medidas adequadas para enfrentar a pandemia do coronavírus, revela pesquisa da CNT-MDA divulgada nesta terça-feira.

A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais.

A desaprovação ao comportamento do governo é de 42,3%.

Este número surpreendente pode ser relacionado com a baixa confiança na mídia revelada pela mesma pesquisa.

O governo Bolsonaro tem como um dos seus pilares o questionamento das críticas feitas a seu governo, utilizando para isso as redes sociais — inclusive fazendas de robôs.

O youtuber Felipe Neto reproduziu recentemente em sua conta no twitter novos indícios de que um número razoável de apoiadores de Bolsonaro, que reproduzem mensagens idênticas, podem ser perfis falsos.

Eles levantam hashtags como #FlavioPresidente, sobre o senador Flávio Bolsonaro, em paises como a Bielorrússia, indício de que trafegam pelo país da Europa oriental as emissões dos robôs.

Tanto o Supremo Tribunal Federal quando a CPMI das Fake News, na Câmara, investigam a atuação do clã Bolsonaro nas redes sociais.

No inquérito do STF, o principal suspeito de operar a rede é o vereador Carlos Bolsonaro.

Desde que a pandemia teve início no Brasil, o bolsonarismo tem trabalhado para desacreditar as autoridades de Saúde e os governadores nas redes sociais.

Duas entidades que monitoram o WhatsApp — o Monitor do Debate Político no Meio Digital, da Universidade de São Paulo (USP), e Eleições Sem Fake, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) — acompanharam durante uma semana 500 grupos e concluiram que 30% das postagens eram relativas a supostos caixões vazios que teriam sido enterrados para turbinar os números da pandemia.

O deputado Carlos Bordalo (PT-PA), em entrevista ao Viomundo, disse que as mentiras das redes eram responsáveis parcialmente pela falta de adesão ao isolamento social em Belém.

O fato de a mídia brasileira ser controlada majoritariamente por uma dúzia de famílias oligárquicas — homens, brancos, ricos, conservadores — também contribui para o descrédito.

Emissoras de rádio, TV e jornais se engajaram diretamente na campanha pela derrubada de Dilma Rousseff em 2016, com base em “pedaladas fiscais” que encobriram um golpe parlamentar capitaneado por Aécio Neves e Eduardo Cunha — incrivelmente, em nome do “combate à corrupção”.

De acordo com a pesquisa CNT/MDA, a soma dos que confiam pouco ou não confiam na mídia sobre as informações da pandemia do coronavírus é de 73,7%!

Ainda assim, a maioria é contra as manifestações contra o STF e o Congresso Nacional.

28,8% aprovam — é a sólida base bolsonarista.

As notícias não são boas no geral para Jair Bolsonaro, com a sua taxa de péssimo chegando a 55%  quando se trata de aprovação pessoal — ele assumiu o Planalto com 28% de péssimo.

Em fevereiro de 2016, Dilma Rousseff tinha desaprovação pessoal de 73,9%.

A avaliação negativa do governo Bolsonaro saltou de 31% para 43% entre janeiro e maio deste ano, numa curva que pode ter sido impactada pelos maus resultados da economia — que precediam a chegada do coronavírus.

Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - A mídia descontrolada e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

12 de maio de 2020 às 23h23

Esse percentual se refere ao Governo como um todo,
e ainda traz a lembrança do Ministro da Saúde anterior,
que saiu bem avaliado pela população, em geral.

Mesmo assim, os GOVERNOS ESTADUAIS estão com Avaliação
muitíssimo mais POSITIVA nessa Pesquisa MDA, chegando a
69,2% de APROVAÇÃO.

Além disso, sobre isolamento social em decorrência do novo coronavírus,
67,3% dos entrevistados responderam que a medida deve ser praticada
por todos, independentemente de ser ou não do grupo de risco.
Para 29,3%, o isolamento só deve ser adotado por quem integra grupos de risco.
E apenas 2,6% opinaram que a prática não deveria existir.

Pessoalmente, Jair Bolsonaro está totalmente queimado.

Responder

Zé Maria

12 de maio de 2020 às 23h10

CNT/MDA
12/05/2020

“Sobre o desempenho PESSOAL de Jair Bolsonaro,
a DESAPROVAÇÃO foi de 55,4%”.

A aprovação caiu para 39,2%. Os outros 5,4% não souberam opinar
ou não responderam.
Em janeiro, 47,8% dos entrevistados aprovavam e 47% desaprovavam.

O governo federal, sob a presidência de Bolsonaro, foi avaliado como ruim
ou péssimo por 43,4% da população brasileira, segundo a pesquisa CNT/MDA divulgada nesta terça-feira (12/5).
Em janeiro deste ano, a avaliação negativa da gestão era de 31%.

O instituto MDA realizou 2.002 entrevistas por telefone, com pessoas de 494 municípios de 25 unidades da Federação.
A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais.

https://oglobo.globo.com/brasil/governo-bolsonaro-ruim-ou-pessimo-para-434-da-populacao-aponta-pesquisa-cntmda-24422798

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.