VIOMUNDO

Diário da Resistência


Opinião do blog

O próximo passo da blogosfera: incentivar a militância digital


21/08/2010 - 10h23

por Luiz Carlos Azenha

A Conceição Oliveira, do Maria Frô, definiu bem: os blogueiros mais velhos devem ensinar aos mais novos como fazer política; e os mais novos devem ensinar tecnologia aos mais velhos. Foi a respeito de um momento que considero simbólico no debate final do Encontro Nacional de Blogueiros, quando aqueles que queriam incluir a palavra “mídia colaborativa” na carta foram derrotados pela grande maioria. Perderam duas vezes, por não terem conseguido explicar o que queriam dizer com isso. Talvez não tenham tido tempo de fazê-lo. Vou tentar explicar esse distanciamento entre as gerações, que ficou evidente.

Quando leio os portais da grande mídia e mesmo quando leio a Carta Maior, a Caros Amigos e a CartaCapital na internet (as três com conteúdo editorial excelente), percebo que todos estão ainda na internet do século 20. Na internet 1.0. Na internet verticalizada , em que os editores decidem e os leitores lêem. Sim, há caixas de comentários. E há espaço para os leitores se manifestarem, enviando fotos e informações, em alguns portais. Mas esses espaços ainda refletem, acima de tudo, a transposição da lógica da velha mídia para o espaço virtual. O leitor está ali, mas ainda é tratado como se fosse hierarquicamente inferior aos jornalistas, aos editores e aos especialistas.

Para não cometer uma injustiça, noto o excelente blog do Emir, do professor Emir Sader, que foi ao encontro dos blogueiros; e as mudanças que Celso Marcondes fez, melhorando muito o site da CartaCapital.

Noto, também, que a lógica da velha mídia é reproduzida por muitos blogueiros. Aliás, ela fazia sentido quando a internet começou a se transformar em um espaço para furar o bloqueio dos barões da mídia. Muitos blogueiros se tornaram, eles próprios, micro-barões da mídia, com poder de veto sobre os comentários e a condução da linha editorial do espaço. Fazia sentido, quando não existiam ainda as ferramentas da internet 2.0, da chamada mídia colaborativa ou horizontalizada.

Quais são essas ferramentas? O twitter e o formspring, os microblogs que permitem a você trocar informações com outros internautas; as redes sociais como o facebook e o orkut, em que você se integra a uma comunidade de internautas; e ferramentas como o twitpic, a twitcam e o ustream, que permitem a você enviar e receber imagens de internautas e transmitir vídeo ao vivo enquanto interage com os leitores. Há dezenas de outras, essas são apenas as mais conhecidas.

O que significam essas ferramentas? Basicamente, interação.

Qual a consequência do uso delas por um blogueiro, seja jornalista ou não? Fica implícito que ele desce do pedestal, se iguala aos leitores, passa a ser apenas o coordenador do espaço, que na verdade é tocado pelos interesses dos leitores e comentaristas.

A longo prazo, seria o fim do jornalismo industrial. Seria, não, será. Talvez eu não viva para testemunhar isso, mas o papel tradicional da mídia, assim chamada por pretender fazer a mediação entre os diversos atores sociais, receberá um estaca no coração cravada pela “mídia colaborativa”.

As razões para isso residem no fato de que há uma infinidade de leitores muito mais qualificados do que eu ou qualquer blogueiro para escrever sobre engenharia, medicina e informática. Para fazer humor ou opinar sobre política. Para tratar de questões éticas ou legais. E essas pessoas começam a participar da blogosfera, criando seus próprios espaços ou comentando nos já existentes.

Como demonstrei no Encontro Nacional de Blogueiros, onde apresentei a minha “mala de ferramentas” (câmeras, gravadores, cabos de conexão etc.), quando quero carrego comigo uma emissora de rádio, de TV e um jornal. Quanto Assis Chateaubriand gastou para formar seu império? E o Roberto Marinho? Guardadas as devidas proporções, as novas tecnologias de informação permitem a um blogueiro ter seu mini-império informativo com um investimento total de menos de 5 mil reais.

Qual é a diferença essencial entre ele, blogueiro, e o jornalista que trabalha em uma corporação? A liberdade para falar e escrever o que quiser, desde que se submeta de maneira elegante à chuva de críticas de seus próprios leitores, quando for o caso. Sim, porque os leitores deixam de ser apenas receptores de informação. Eles opinam, criticam, acrescentam e anunciam na caixa de comentários. Funcionam como abelhas em um processo de polinização. Trazem sugestões de textos, insights e informações que muitas vezes se transformam em posts, ou seja, os leitores se tornam co-responsáveis pelo espaço.

É justamente por isso que, como notou o Rodrigo Vianna, do Escrevinhador, talvez o foco do Segundo Encontro Nacional de Blogueiros deva ser na troca de informações entre os blogueiros sobre essas novas tecnologias. Fizemos alguns painéis que tiraram o fôlego do público, tantas eram as novidades sobre as quais falamos.

Já antevejo o passo seguinte: esses blogueiros, futuramente, poderão ser os professores dessas tecnologias em seus bairros, em escolas técnicas ou junto aos movimentos sociais.

Essas tecnologias, obviamente, são politicamente neutras, mas devem ser apropriadas para que um número cada vez maior de brasileiros possa produzir conteúdo informativo e participar direta e ativamente do trabalho de aprofundamento de nossa nascente democracia.

PS: Registro, com satisfação, que muitos leitores do Viomundo participaram do Encontro. O Gerson Carneiro me escapou, mas o Glécio Tavares e o Francisco Latorre foram obrigados a me ouvir pessoalmente. Aliás, com as novas ferramentas do Intense Debate (usado por este espaço), o leitor pode transformar os comentários que deixa em diversos blogs em seu próprio blog! Aqui, o espaço do Glécio. Aqui, o espaço do Latorre. Aqui, o espaço do Gerson. Se você fizer comentários depois de se inscrever no Intense Debate, poderá acompanhar o que dizem os comentaristas da blogosfera neste e em outros blogs. Clique na imagem do Urariano Mota, por exemplo, que aparece no comentário que ele deixou neste texto.

SAIBA AQUI QUEM PATROCINOU O ENCONTRO

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



135 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

francisco.latorre

27 de agosto de 2010 às 00h46

as novas mídias num primeiro momento ampliam o poder dos donos da comunicação.

depois escapam ao controle determinando novos padrões… outras posiibilidades geram novas necessidades… redesenhando a lógica do sistema.

os velhos padrões… vão pro saco… perdem poder…

daí as revoluções.

a imprensa… os tipos móveis de gutemberg…

a príncipios serviu pra produzir mais bíblias…

[ não esqueçam que a bíblia era 'a' mídia… monopólio dos monges copistas…

logo aconteceu o protestantismo… cisma interno…

e em seguida a profusão de livros…

o renascimento humanista…

a igreja a príncípio pensou ganhar poder… pra perdê-lo em seguida.

[ revolução… pensem na influência de voltaire pré revulução francesa… de dostoiévski na revolução russa…

___

a história se repete…

as novas mídias… desde o cinama rádio e tv…serviram à propaganda… construir o consenso… a partir do topo da pirâmide capitalista…

[ vejam o cinema amerikano… a propaganda é tão eficiente que abstraímos que é propaganda. cruel.

a rede subverte o jogo.

o computer… a máquina libertando o homem prevista por marx…

e a rede mundial… o ultra hipertexto coletivo do qual fazemos parte… como autores fruidores… a criação coletiva… a utopia realizada…

a rede… nosso mar de idéias… é pós-gramsci… é uma trans-hegemonia.

num primeiro momento serviu aos donos do poder… agora ameaça destruí-los.

e essa ameaça se cumpre a cada dia.

a pirâmide capitalista… que é vertical… não pode com a rede social mundial… que é horizontal.

é a revolução do milênio… que é de todos.

a evolução técnica conduz à revolução social-política.

materialismo dialético é isso aí.

Responder

O próximo passo da blogosfera: incentivar a militância digital « Somos andando

25 de agosto de 2010 às 10h20

[…] Para continuar lendo, clique aqui. […]

Responder

vander

24 de agosto de 2010 às 23h39

Concordo, um dos maiores desafios é estimular os leitores a participarem mais, tanto nos comentários, como na produção de textos próprios. Também tenho a esperança de que os blogueiros progressistas consigam formar, junto com o Barão de Itararé e o MSM, uma agência independente de notícias. Funcionaria assim: aconteceu algo importante em uma cidade? Acontecerá algo importante em uma cidade? Qual blogueiro progressista mora por lá e poderia cobrir o evento, com câmera de foto e vídeo? Formaríamos uma rede de blogueiros conectada por celular, twitter, email e blogs, e os blogueiros que moram na cidade do evento a ser coberto poderiam, de livre e espontânea vontade, tentar cobrir o evento com o tempo de que dispõem. Eles faria um post no blog da agência independente de notícias, que seria um contraponto aos portais e jornalões da velha mídia. Ganharíamos autossuficiência na produção de notícia. Tal agência também pode ser financiada, seja pelos blogueiros, seja por outros meios a serem estudados.

Responder

Ed.

24 de agosto de 2010 às 19h33

A blogosfera é hoje o "jornal universal".
Interativo, rápido na notícia, na contranotícia e na análise da notícia
Milhares de repórteres, colunistas e editores.
Transregional, transnacional, multitema, multilíngue, mutimidia…
Preto e branco, colorido, diversificado e plural.
Coletivamente inteligente e informado.
Prolífico para boatos e esclarecimentos dos mesmos.
E ainda tem gente neste espaço que não consegue ser independente, rezando cartilhas de patrões…

Responder

Gerson

24 de agosto de 2010 às 19h14

Pra mim fica melhor definido como:

"Blogueiros Alternativos Progressistas"

Responder

Gerson Carneiro

24 de agosto de 2010 às 18h50

Xiiiii… eles voltaram. Ficaram quietinhos no período que durou o Encontro. Certamente porque não encontram acolhimento nem nos blogs dos seus patrões. Agora voltaram zerando os comentários. É o máximo que podem fazer. São os capitães-do-mato, gente.

Responder

    Gerson

    24 de agosto de 2010 às 19h38

    Xará, se eles estão fazendo isso de zerar os comentários, me cheira algum tipo de doença mental.
    Como é que alguem viria aqui só pra zerar comentáros.

    Acho que eles não tem nenhum comentário a fazer. E, se fizer algum, provavelmente não será plausível de crédito.

    abs,
    Gerson

Helcid

24 de agosto de 2010 às 17h55

é o fim da mídia nativa impressa? tomara… :

[youtube i36ylnZz3d4 http://www.youtube.com/watch?v=i36ylnZz3d4 youtube]

Responder

    Ed.

    28 de agosto de 2010 às 21h50

    Valeu, Helcid, bom!

Hans Bintje

24 de agosto de 2010 às 17h52

DUKRAI:

O próximo passo da blogosfera: enquanto o pessoal de BH estiver fazendo a brassagem – trabalho que leva um dia inteiro – reativa-se o blog de DUKRAI & Companhia :))

Aqui em São Paulo, eu já avisei o pessoal: neste final de semana vai ter engarrafamento de Hefeweizen e brassagem de Oatmeal Stout.

Se aparecer outro show do Turco, estaremos preparados!

Responder

Hans Bintje

24 de agosto de 2010 às 16h59

Tiago disse:

"Eu gostaria de saber qual foi o critério utilizada para definir os blogueiros participantes como 'progressistas', como diz o título do evento."

Foi um critério que, em alemão, se chama "Schweinereien".

Fiz uma divertida troca de mensagens com o pessoal da Holanda falando como fiquei feliz em participar desse evento "Vuiligheid".

Duro mesmo foi a turma de lá tentar pronunciar o nome do Pixinguinha.

Mas, pelo menos, o pessoal adorou a música "Carinhoso".

Responder

    Carlos

    24 de agosto de 2010 às 17h32

    E se eles ctentarem pronunciar com a boca cheia de farinha de mandioca

    Gerson Carneiro

    24 de agosto de 2010 às 18h39

    É só regar a farinha com um gole dágua antes de pronunciar, e dará certo. É tudo uma questão de conhecimento, meu caro. Com certeza os amigos do Hans regarão com aquela cerveja maravilhosa que o Hans sabe fazer. Hans, se for assim eu também quero.

Carlos

24 de agosto de 2010 às 16h42

Azenha
Li aqui, há pouco tempo, sobre a necessidade de geração de conteúdos próprios…
Seria o caso, então, de definir pautas de interesse comum de/dos blogs, de alcance nacional (ou regional) com rateio de custos para contratação de repórteres?

Responder

    Luiz Carlos Azenha

    24 de agosto de 2010 às 17h12

    Por aí, Carlos. Pensamos numa fundação ou algo do gênero para financiar repórteres. abs

    Carlos

    24 de agosto de 2010 às 17h31

    Gracias.
    Até que tal se viabilize, que sugestões de pauta sejam analisadas – e aproveitadas, se for o caso.

Renan

24 de agosto de 2010 às 16h20

Azenha, aproveitando a deixa que vc deu para os jovens ensinarem tecnologia aos mais velhos, gostaria de informá-lo que textos gigantes como este que você publicou não funcionam na internet. São muito grandes e cansam já no segundo parágrafo, principalmente quando se vê o tamanho do texto. Para não perder o conteúdo já escrito, sugiro a você dividir este post e vários outros menores e linkar uns com os outros. Uma dica de livro que ensina um pouco disso é o "Jornalismo Digital".
Abraços

Responder

    O Brasileiro

    24 de agosto de 2010 às 20h03

    "Gigantes"…
    "Grandes"…
    Daqui a pouco só vão publicar as manchetes…

Tiago

24 de agosto de 2010 às 15h48

Eu gostaria de saber qual foi o critério utilizada para definir os blogueiros participantes como "progressistas", como diz o título do evento.

Responder

vera oliveira

24 de agosto de 2010 às 15h36

bom,a militancia digital eu já faço faz tempo

Responder

BloGDoRiLDo

24 de agosto de 2010 às 15h16

Foi muito emocionante e interessante a participação do companheiro Ricardo Carvalho se apresentar como trabalhador braçal dar suas sugestões para a inclusão digital com vistas a emancipação da cidadania. Doutores e pessoas simples como eu falando uma mesma língua. Quem não foi, perdeu.

Responder

Josnei Di Carlo

24 de agosto de 2010 às 14h55

Mal comparando, o destino dos jornalões será o mesmo das gravadoras. Espécie de alforria da informação.

Responder

jairo b dos santos

24 de agosto de 2010 às 14h34

Rodrigo Vianna no escrivinhador, escreveu que eram 300. Para que só 300 estejam incomando tanto o PIG, só
podiam ser os 300 de Esparta.

Responder

Henderson Sousa

24 de agosto de 2010 às 14h11

Ser um " blogueiro progressista" se resume a quê? Vocês criaram uma expressão um tanto esquipática e não condizente com o que vocês fazem.

Explico: suponhamos que um blogueiro não alinhado ao lulismo e ao petismo queira interagir com os Senhores. Certeza é que ele receberá um não gritante daqueles que comandam.

O que há de progressista nisso? Uma alternativa midiática que quer criar um conceito único de política, economia etc ?

Responder

    Carlos

    24 de agosto de 2010 às 14h48

    Simples, una-se aos seus, os "cheirosos"…

    Bruno

    24 de agosto de 2010 às 23h44

    Então você está admitindo que não existe espaço para a democracia no seu pseudoprogressismo, e que ele é apenas lulismo travestido?

    Klaus

    24 de agosto de 2010 às 16h15

    É a Revolução dos Bichos em andamento. É bonito ver a ingenuidade e a vontade de mudança, principalmente dos blogueiros amadores e dos mais jovens. Lembram os cristãos das primeiras comunidades. Daqui apouco virá o sufocamento da ingenuidade pela hierarquização dos blogueiros, com seus papas, cardeais e bispos, a institucionalização da blogosfera, a discussão na divisão das verbas públicas, onde aqueles mais vistos terão preferência e, Oh! surpresa, são aqueles já profissionais. Aguardem um sindicato, uma cooperativa ou uma associação de blogueiros para receber as verbas; aguardem regras claras para o recebimento do dinheiro, pois claro, elas existirão. São poucos hoje em dia que ganham um pouco de dinheiro com blogs. No futuro, serão poucos que ganharão muito dinheiro com os blogs. E não será você!

    Helcid

    24 de agosto de 2010 às 17h20

    ora, "herr troll", desejando que aconteça com os blogueiros, a desorganização, a apatia, a falta de rumo e a falta de projeto que seus pares vivem hoje ??

    para você e o henderson, trolls de 1º linha, durmam com isto: "A inveja é bastante justa, pois rói o invejoso por dentro!"

    Gerson Carneiro

    24 de agosto de 2010 às 18h33

    O que a dor de cotovelo não faz, hein! Que pena, não posso chorar junto com vocês que não curtiram o deleite desse Encontro porque me encontro muito feliz. De qualquer forma, aquele abraço.

    Em tempo: "o deleite do Encontro porque me encontro", olha que legal. A felicidade fui e deixa escapar maravilhas como essa, que a língua portuguesa nos proporciona.

    Gerson Carneiro

    24 de agosto de 2010 às 18h44

    A felicidade flui… :)

    Gerson Carneiro

    24 de agosto de 2010 às 18h27

    Henderson,

    Se você tivesse tido o prazer de ter participado (com bastante excesso de redundância bem redundante mesmo) a esta hora você saberia de forma coloquial, a quê se resume ser um " blogueiro progressista". Que peninha… hoje você não tem esse prazer. Não participou. E os blogueiros do Millenium não farão um encontro tão bacana. Apesar do alto preço cobrado no encontro deles. É isso. Gostaria de te ajudar… mas agora eu só quero é me divertir e curti essa delícia que é fazer parte desse mundo que você não conhece. Um abraço.

    Ed.

    25 de agosto de 2010 às 18h05

    Ora Hend, vc é um dos mais famosos aqui, e vem dizer que não tem espaço para se manifestar?!
    Veja se há algum "dneH" lá no seu "Uncle King"?
    Vc é campeão de interação aqui. A hora do recreio!
    Seu problema não é falta de espaço aqui e sim excesso de espaço na cabeça…
    (tá, não fique zangado, eu me desculpo..)

pelasmadrugadas

24 de agosto de 2010 às 13h27

“A responsabilidade da blogosfera é do tamanho da oportunidade recebida” Exclamo; Carambolas, Parei oh, Bom pacas, pelas madrugadas, paranapiacaba, pindamonhangaba!! Que alegria estar colaborando. “Estar a favor do fluxo”. As coisas se encadeiam. Por exemplo assinar e ler o radical “Brasil de Fato” sempre pregando a pureza do esquerdismo, nunca descansar até atingir a sociedade perfeita; a partilha.
Em um curso que fazia lá mesmo no Sindicato dos Engenheiros, dado pelo IPEA, uma moça vendia assinaturas. Curso do IPEA para movimentos sociais. Soube pelo blog do Rodrigo Viana. Lá aprendi que a taxa de crescimento da população já caiu (depois pela internet vi nomearem isso com o nome de bônus populacional que facilita a melhor distribuição de renda) e pasmem soube que Lula havia aumentado de 1,5 vezes mais o numero de escolas técnicas, o que confirmei no site do planalto. Logo depois assisti o “Lula filho do Brasil e o significado de Lula recebendo o diploma de torneiro mecânico.

Tenho 72 anos, depois de acessar a blogsfera não consigo mais assistir TV. Encadeamento, sincronismo, conjunção conspiratória, nova era novo ciclo.. Marilyin Ferguson. Eram os deuses astronautas?
Sabe tive contactos com paradigmas através da Eubiose. De um lado senti que possam negativa-los como wishful thinking, delírios que acalento, porem de outro estou convicto da auto ajuda da ”lei de atração!”, o primeiro passo é “não remar contra a corrente” Depois? Não se preocupar; o próprio fluxo encaminha o sentido da existência para a plenitude. Logo estaremos cogitando mais democracia nas comunicações e como sobreviver economicamente nas comunicações via internet.

Paradigmas que ilustro com a Anunciação; “A voz de um anjo sussurrou no meu ouvido….eu já escuto os teus sinais…”

“O fim de um ciclo apodrecido e gasto e o alvorecer de um novo” Ora senão a eleição de Lula/Dilma, a crise capitalista (especulação da moeda), convergência para Estado e Mercado eficazes.

“América latina, berço de uma nova civilização” Ora senão um centelha o 1º encontro de blogueiros progressistas” colaboradores.

“O ciclo das comunicações”. As simples asinhas nos pés de Mercúrio se aprimorando pelas ferramentas, como é mesmo Azenha….(ainda aprenderei)
“O dinheiro não pertencem a quem o possui, mas a quem sabe usá-lo” Parei oh !! Será que é suficiente o que emprego para alavancar Intervozes, Blog da Dilma, Brasil de Fato, MSM, (Á NET faço com raiva, devido o serviço mais caro do planeta).

Responder

dukrai

24 de agosto de 2010 às 12h51

o I Primeiro Encontro dos Blogueiros Progressistas bombou e é consequência da Altercom, Barão de Itararé e dos blogs militantes como o do Eduardo Guimarães.
Podemos até dar notas para os pontos que a gente considerar importante:
Organização – 10. Como conseguiram fazer um trein desses em tres meses sem ficar doido e tudo dando certin.
Pauta – 10. Abordaram pontos fundamentais.
Pontos críticos:
Resultados – 8. 10 para os objetivos políticos alcançados e 6 para a mobilização dos blogueiros.
Interação 0 (zero). A república sindicalista rs copiou o formato da assembléia de sindicato. As tentativas de diálogo viraram tietagem de pop star e no final teve blogueiro propondo reunião pós-encontro para conhecer os blogueiros da sua cidade. Fiasco e decepção.
Proposta:
Realizar encontros regionais em formatos com dinâmica interativa, painéis, oficinas, … A temática deve ser múltipla, técnica e política. Exposições só na abertura e fechamento.

Responder

    Hans Bintje

    24 de agosto de 2010 às 13h54

    DUKRAI:

    A primeira coisa que chama a atenção no Encontro dos Blogueiros é que ele finalmente aconteceu.

    Eu também percebi que parte do pessoal estava tímido, travado e se amparava em palavras de ordem para fazer os discursos.

    É compreensível: afinal, quem são e o que pensam todos esses estranhos? Dá medo!

    Mas se o temor fosse tão grande assim, nem valeria a pena sair de casa. A dica é ser prático e objetivo: os discursos se tornam menores, a platéia não fica cansada e pode ouvir mais gente falando.

    São coisas que a gente só aprende fazendo!

    dukrai

    24 de agosto de 2010 às 16h46

    ô véi,
    pode parecer meio babaca mas foi emocionante, num momento mais de 300 blogueiros de 19 estados e uma multidão que compartilha informação, conhecimento, cultura e outras traias convergimos para um ponto do espaço-tempo, um auditório de um sindicato num lugar qualquer de uma mega-cidade. Não existe tecnologia para registrar a sin/energia desse encontro, e além do mais, o simbolismo do virtual ir às ruas em passeata, e se perdendo, porque o Miro não sabia o endereço direito rs.
    Encontrar o meu amigo Gerson, a Marips, conhecer o Cloaca, o Miro, o Nassif, vc e tomar a sua cerveja, excepcional mesmo para um aprendiz homebrewer, são lembranças e no momento seguinte já estou/amos pensando no encontro aqui em BH, em tornar o meu blog ativo, em chamar o meu amigo Pablo e mais gente daqui, e por aí afora.
    O Nassif comentou quando me apresentei que eu tinha a mão pesada, acho que porque já censurou vários comentários meus, talvez seja falta de jeito, mas a idéia do Azenha resume tudo, incentivar a militância digital e, suponho, que a minha proposta possa ser uma boa estratégia.
    abs

Edson Rogerio

24 de agosto de 2010 às 12h24

Caros Azenha, Rodrigo Vianna, Conceição Lemes, Conceição Oliveira e demais organizadores do encontro de blogueiros,

continuação…

O nome do meu blog é: "Entre Folhas começa aqui!" e o lema escolhido: "Um passo a mais no exercício de cidadania".

Parafraseando nossa querida Dilma “eu considero que…” desde a criação de meu blog, em fevereiro/2010, (inspirado em você pelo magnífico conteúdo do viomundo e pelo anúncio da hostnet) venho a cada dia dando um novo passo nesse sentido, sem perder o foco de minhas convicções, mas sem, de fato, saber como e o que fazer para continuar minha caminhada. O encontro de blogueiros representa não o exercício de alguns passos, mas um avanço de quilômetros nessa magnífica e desbravadora estrada virtual que é a blogosfera.

Por essas razões que decidi registrar meus agradecimentos, pelo que vocês da organização fizeram e pela disponibilidade coletiva em continuar agindo em favor de todos nós.

Responder

Edson Rogerio

24 de agosto de 2010 às 12h23

Caros Azenha, Rodrigo Vianna, Conceição Lemes, Conceição Oliveira e demais organizadores do encontro de blogueiros,

Publiquei no meu blog alguma coisa sobre o encontro realizado no último final de semana e ainda pretendo dizer algo mais, pois o evento foi riquíssimo em conteúdo e seu desdobramento parece não terá um ponto final e sim consequências que espero sejam as mais formidáveis possíveis, diante do que vocês da organização pretendiam e ainda esperam alcançar.

Minha primeira matéria publicada foi um texto de agradecimento a todos vocês da organização. Espero que possam ler e acolham meus sentimentos de gratidão e reconhecimento.

continua…

Responder

Leticia Nunes

24 de agosto de 2010 às 12h00

Azenha, a direita e a velha midia não gostaram nadinha do encontro dos blogueiros progressistas. Prepare-se que eles virão pra cima. Já estão atacando o PHA e o Nassif:

http://blogdovampirodecuritiba.blogspot.com/

Chora, direita! Bye, bye, Serra

Responder

CC.Brega.mim

24 de agosto de 2010 às 11h54

Adorei sua resposta, NaMaria, a riqueza é a diversidade, a colaboração e a disseminação também… Parabéns pelo seu trabalho, que é realmente importante.

Adorei o texto, defendendo a igualdade de maneira corajosa, Azenha. Beijos,
CC.

Responder

ZePovinho

24 de agosto de 2010 às 11h43

Eu te adoro,NaMaria!!!!!!!!!!!!

Responder

ZePovinho

24 de agosto de 2010 às 11h43

Um dia teremos a TVG-TV da Blogosfera:Não!!!Quis dizer TVB-TV da Blogosfera!!

Responder

Klaus

24 de agosto de 2010 às 11h42

Isto aqui tá parecendo a Revolução do Bichos, de Orwell. Boa sorte àqueles que andam sobre quatro patas (antes de achar que estou ofendendo alguém leiam o livro).

Responder

    ZePovinho

    24 de agosto de 2010 às 12h12

    Orwell era um operativo da CIA por meio do Congresso Mundial da Cultura.Essa instituição deu muita grana para intelectuais europeus fudidos depois da Segunda Guerra Mundial em uma Europa arrasada.
    Deixa de ser bobão,Klaus!!!

    Bruno

    24 de agosto de 2010 às 23h51

    Acabou o Gardenal na sua cidade?

Luiz Claudio

24 de agosto de 2010 às 11h41

Azenha, gostaria de saber o que comprar para montar um blog, apesar de marinheiro de primeiríssima viagem. Você disse que com cinco mil se montaria algo eficiente. Será possível mandar a lista? Agradeceria. Um abraço, Luiz Claudio

Responder

ZePovinho

24 de agosto de 2010 às 11h35

Um dia teremos a TVG-TV da Blogosfera:
http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com/2010

Trabalhadores conquistam sua liberdade de imprensa com canal de TV

Os trabalhadores do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, conquistaram seu canal de TV após 30 anos de sonho.

Como a liberdade de imprensa existe na constituição, mas a liberdade é do dono do canal da TV, os trabalhadores do ABC só agora conquistaram sua liberdade.

O prefeito de São Bernardo, Luiz Marinho (PT), afirmou que a TVT nasce para ocupar uma lacuna na programação: “Não iremos tirar o lugar de ninguém, mas queremos dar voz àqueles que não têm espaço”.

A inauguração do canal foi na noite de segunda-feira, em São Bernardo do Campo (SP), com a presença do presidente Lula.

O presidente criticou a lentidão com que os governos anteriores trataram o primeiro pedido de concessão da TVT, feito no final da década de 1980:

“Não seria justo que em um país como o nosso, com uma democracia cada vez mais sólida e madura, que sindicato e movimentos sociais continuassem impedidos de exercer a liberdade utilizando suas próprias emissoras de TV”, disse.

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Sérgio Nobre, pontuou que a concessão não teria saído da gaveta sem o empenho do governo atual. “Foram 25 anos de muita luta, e a história do presidente Lula foi fundamental para a consolidação desse projeto”.

O presidente Lula lembrou que colocar a TV no ar foi uma conquista, mas é preciso convencer o público a assistir a programação. A TV inicia com alguns programas de produção própria, e preenche a grade com programação da TV Brasil e das TVs públicas, mediante convênio. (Com informações do ABDC Maior)

Como sintonizar a TV dos Trabalhadores:

Canal 48 UHF no ABC e Grande São Paulo.
Canal 46 em Mogi das Cruzes e Alto Tietê.
TV a Cabo no ABC – ECO TV- canais 96 (analógico) e 9 (digital) NET.
TV a Cabo em São Paulo – TV Aberta – canais 9 e 72 TVA (analógico) NET e 186 (digital) TVA.

Para assistir pela internet:
http://www.tvt.org.br/

Responder

milton freitas

24 de agosto de 2010 às 11h24

Azenha,leio seu blog todos os dias porem faço hoje meu primeiro comentário.
Estive no encontro dos blogueiros ,achei ótimo a iniciativa e todo o conteúdo do mesmo , sendo o melhor a leveza e naturalidade com que foi tratado todo o congresso .
Aprendemos a duras penas que com organização e informação podemos mais.
Azenha ,talvez para quem vive a informação no dia dia possa não perceber,porem nos que procuramos levar as pessoas a pensar, comparar e parar de comprar pensamentos prontos do PIG e retransmiti-los como se seus fossem,encontramos muitas dificuldades.
Como fazer um adepto um viciado em Globo ,Veja ,Folha e Estadão adentrar ao mundo dos blogues.
Vemos na periferia pessoas que com muitos méritos buscaram uma formação ,penduraram o canudo na parede, mas um canudo que lhes da o título de especialista o qual não tenho o objetivo de diminuir este feito.
Porem Azenha estes na hora de se informar se tornaram reféns do PIG.
Sabem tudo,mas tudo que eles querem e como eles querem.
Tem opinião ,mas a opinião que eles querem.
Passam a distribuir informação e preconceitos impostos e nos sabemos para qual objetivo.
Agora não falo Azenha ,mas sim blogueiros progressistas, como levar estes a mudar uma vida e mostrar-lhes que levaram uma vida de dominados e induzidos pelo meio que tiveram ou optaram para se informar.
Como aquele ou aquilo que eles tanto desprezam ,um cara da esquerda ,braçal ,sindicalista com ensino médio poderá não imbuir novos pensamentos pois já passamos desta faze ,mas convida los a pensar e ver não o novo mas o real ou confronto de idéias para que forma o seu raciocínio .
Assim propus no encontro o DVD pois mais que formar a militância digital poderíamos estar convidando muitos a entrar no mundo da blogosfera.
Um DVD leve sem a imposição da velha militância da qual faço parte ,sem radicalismo ,um convite ao pensamento e não a opiniões equivocadas.
poderia ser mostrada a velha mídia e seus truques e o outro lado um lado que não quer se impor como o certo ,mas quer mostrar o contraditório possibilitando aquilo que sustenta uma democracia o direito de pensar de escolher.
Com este DVD poderíamos entrar em faculdades,sindicatos,movimentos sociais e o mais importante na classe media .
Classe esta que nem sempre esta ligada a qualquer movimento.
Agora Azenha como militante partidário julgo que o melhor é que também estaríamos adentrando neste mundo militante ou de apenas filiados.
Assim se o objetivo é mudar ,penso que trazer novos leitores e principalmente os jovens para a blogosfera progressista e essencial .
Ainda mais quem não tem internet poderia ter uma noção através de seu DVD.
Assim sem muito tro lo lo e com DVD estaria atingindo meu objetivo levar muitos a ler ,Azenha,PHA,EDU,Rodrigo,Miro,Renato e mais a turma do encontro.
Agora enquanto isto estarei ,no 2%,no 3% ainda não sei como ,mas estarei.

Responder

    francisco.latorre

    24 de agosto de 2010 às 12h34

    integrar as mídias.

    isso isso.

    a rede tem que transbordar da rede.

    ..

Carlos

24 de agosto de 2010 às 10h18

Todos e todas têm zilhares de coisas pra dizer, comentar, e as sugestões de pauta escorrem, inaproveitadas.

Responder

Joel Bueno

24 de agosto de 2010 às 09h55

Foi bom, porque aconteceu. E bem organizado, por sinal. Boa infra, hospedagem, alimentação. Só faltou organizar o essencial: o debate.

No sábado, muita "oficina" ensinando o óbvio. Palco para os egos não faltou. Faz parte.

No domingo, duas horas discutindo a "carta dos blogueiros", que poderia ter sido limada de muitas polêmicas antes. E uma baita disputa sobre o próprio nome do encontro: blogueiros progressistas, independentes, livres, de esquerda. Ganhou "progressistas" mesmo. As resoluções, os desdobramentos ficaram em segundo plano.

Aquele famoso grupinho de gente em pé num canto à frente (quantas vezes já vi isso, já participei disso) sequestrou o plenário, com o beneplácito da mesa, simpática mas incompetente. Teve uma hora que o encontro parou por uns 15 minutos para que eles chegassem a acordo sobre uma questão que só era importante para eles mesmos.

Mais de 40 propostas consensuais, vindas dos grupos de trabalho, foram aprovadas por aclamação, sem nada que garanta que vão ser implementadas. Desse jeito, no ano que vem vamos discutir as mesmas coisas.

O próximo encontro vai ser em maio, com encontros estaduais antes. Talvez a gente consiga um mínimo de organicidade até lá. Senão, vamos continuar falando para nós mesmos e comendo o pó da irrelevância.

Responder

    CC.Brega.mim

    24 de agosto de 2010 às 17h32

    Eu concordo com você, Joel, que o grupinho de pé teve acesso privilegiado à fala (eu estava nele) mas acho que só criticar não vai ajudar.
    Porque você critica também o consenso (e de novo com razão).
    E aí você não quer nem o consenso nem o discenso…
    Quero dizer, combater o acesso privilegiado à fala é algo realmente importante e eu pretendo ainda escrever mais sobre isso.
    Mas não é verdade que as questões não são importantes. Esse foi o argumento usado pela mesa (concordo que a mesa é simpática e que agiu de forma parcial, embora seja necessário reconhecer a organização impressionante do evento) para conduzir todas as discussões a um consenso simplificador.
    Eu venho das letras e considero muito importante definir bem as posições, com palavras precisas e inequívocas. Acho que debater a carta em plenária foi um passo democrático. Mas o acesso à fala realmente ainda permanece desigual e a desigualdade é de classe (infelizmente).

Marcos

24 de agosto de 2010 às 09h12

Azenha, acho que você tocou num ponto fundamental do debate sobre a "nova mídia" – ou pelo menos começou a abordar o assunto. Pouco se tem falado sobre o que significa esse novo canal tem termos econômicos (economia é uma ciência social!). O fato é que a internet tem derrubado os custos de transação para os produtores de conteúdo. Antes era preciso obter uma concessão pública e fazer um alto investimento em estrutura para produção de conteúdo e para a sua transmissão. Hoje, com as ferramentas colaborativas, o custo é de R$ 5 mil em equipamentos e de R$ 70,00 por mês em internet banda larga. Os impactos sobre a produção de conteúdo são potencialmente gigantescos (sem contar que a criatividade já transborda nos 140 caracteres do Twitter). Imagine como será o mundo com a GoogleTV (ou coisas parecidas): vou poder, num futuro próximo, ver vídeos do Viomundo em casa – uma concorrência direta com a TV tradicional (isto é uma ameça às TVs, que podem se organizar no Brasil para impor uma regulamentação restritiva à distribuição deste tipo de conteúdo). Há muita coisa a ser analisada e eu, modestamente, fico "zonzo" pensando em tudo isso. Eu mesmo gostaria de me dedicar e escrever mais sobre este assunto tão pouco explorado pelos economistas (eu sou economista).

Responder

Roberto Locatelli

24 de agosto de 2010 às 09h11

O Movimento dos Sem Mídia colocou mais de 500 pessoas em frente à Folha. O jornal acabou tendo que se explicar por causa do infeliz termo "ditabranda".

A Globo acabou retirando do ar a campanha Globo 45 anos, para apoiar o "zé". Houve pressão da Blogosfera.

A Blogosfera é um filhote de dragão. E está crescendo.

Responder

    Henderson Sousa

    24 de agosto de 2010 às 14h19

    " Campanha 45 anos para apoiar o zé" Você queria que fosse a campanha "44 anos" para comemorar os 45?

    Gerson

    24 de agosto de 2010 às 19h24

    E deu um xeque mate também nos institutos de pesquisas.

Gerson Carneiro

24 de agosto de 2010 às 09h04

Furo de reportagem: descobri quem manda no viomundo.

Não é o Azenha, muito menos a Conceição Oliveira. Nesse pequeno vídeo restará revelado quem de fato manda no viomundo, e como aconteceu o planejamento para o 1º Encontro Nacional dos Blogueiros Progressistas.

Confiram: no início aparece o Azenha conversando com quem manda no viomundo, e mais no final aparece a Conceição Oliveira. Obs: aparece um capitão-do-mato, "troll", também, mas logo leva um murrão na boca.

[youtube 98J425wZvE0&feature=related http://www.youtube.com/watch?v=98J425wZvE0&feature=related youtube]

Responder

    Gerson Carneiro

    24 de agosto de 2010 às 11h47

    Dica para facilitar o vídeo: quem é essa pequenininha aí conversando com o Azenha grandão?
    Mulher é assim: o que não tem de tamanho, tem de autoridade.
    (não vou falar o nome porque senão ela vai me censurar) :)

fcuri1

24 de agosto de 2010 às 08h30

Azenha:
A responsabilidade da blogosfera é do tamanho da oportunidade recebida. O segredo, daqui para a frente, principalmente após essas eleições que tanto nos prende ao fato único, será o de melhor entender e organizar a interação entre todos os blogs afins e seus participantes. Dolado dos moderadores, o desafio será o de encontrar potenciais escrivinhadores, verdadeiros dissiminadores de idéias e opiniões, que possam, cada vez mais, enriquecer os espaços da blogosfera. É ou não é uma verdadeira revolução à humanidade? O mais interessante é que a velha mídia, queira ou não, terão que se adaptar ao novo e eu estou curioso para saber como vão resolver isso.

Responder

Gerson Carneiro

24 de agosto de 2010 às 08h17

Danado… respondeu minha pergunta com um texto. Achou que eu não iria perceber. Tô mais alerta que preá fugindo de gavião.

Responder

geniberto campos

24 de agosto de 2010 às 08h05

caro Azenha,
parabens pela realização do evento; vai entrar na História.
Esse seu texto é muito importante na conceituação das novas formas de comunicação que estão surgindo e que se tornarão cada vez melhores e + interativas. Sem exagero, creio que estamos no caminho – ou pelo menos na trlha – da Democracia Direta.As novas tecnologias irão propiciar, seguramente, a criação de Ágoras eletrônicos que deixarão os gregos rindo de satisfação, ao verem os seus conceitos postos em prática, por meios eletrõnicos, séculos depois. Talvez seja uma visão muito otimista, "panglossiana" até, maspercebemos, sem fazer grandes elocubrações teóricas, que as coisas mudam, numa direção imprevista pelos donos do poder.Democracia neles…

Responder

gilberto

24 de agosto de 2010 às 08h00

Leiam isso que a Presidenta Argentina esta fazendo :

Cristina anunciará novas medidas contra 'Clarín' e 'La Nación'

kkkkkk
a Dilma tinha que fazer isso aqui e tomar tudo que o PIG ganhou na época da ditabranda….

Responder

    pelasmadrugadas

    24 de agosto de 2010 às 11h09

    Um dia participei de um encontro lá no Makoud Plaza e um jornalista argentino falava sobre a ley de los medios. Acertos, dificuldades o tempo gasto para construir consensos. Bem nós tambem estamos construindo a nossa. É transcendente ou descendente de algum parametro cosmico. A humanidade começa trilhar sair da caverna das sombras para o grito da libertação do "eu sou" eu som ou per som. Logo depois ou ao mesmo tempo o partilhar.

Fátima Soares

24 de agosto de 2010 às 07h57

Eu penso que há espaços diferentes, com objetivos diferentes. Blogs e sites como a carta maior, carta capital, caros amigos, revista forum têm foco no texto bem elaborado tanto na forma quanto no conteúdo e precisam de tempo e grande conhecimento para serem elaborados, o que nem sempre acontecesse nos blogs, que por sua vez, são ferramentas para conversas mais apressadas, mais emotivas, até. Os blogs são campos de batalhas diárias, os outros sites servem com quartel general que alimentam nossas fontes de guerra.

Responder

Daniel Dantas

24 de agosto de 2010 às 07h23

Trabalhei na minha dissertação de mestrado sobre a idéia do que chamamos, entre outros nomes, de leitura interativa: nos blogs se lê escrevendo. Conclui em minha pesquisa, e posso estar errado, que o estímulo aos comentários nos blogs é uma estímulo a de tornar blogueiro. Blogueiros, como você, exercem o papel de mediadores de leituras para outros. Assim, quem comenta se torna blogueiro também, ou porque passa a fazer parte de uma comunidade virtual seja porque decide escrever um blog.

Responder

    Gerson S.

    24 de agosto de 2010 às 10h04

    Grande Daniel Dantas, foi uma satisfação trocar uma conversa rápida no intervalo do encontro.
    Concordo com seu ponto de vista. É da maior impportância o trabalho dos grandes blogueiros, e na sequência aparecerão muitos mais incentivados pela possibilidade de expor seus pensamentos.

Afinsophia

24 de agosto de 2010 às 03h53

Azenha e compnaheiros do Vi o Mundo,
BLOGOSFERA: REDES COLETIVAS/ALTERNATIVAS DE EXPRESSÕES CONSTITUINTES
é o texto que publicamos – pelo 1º Encontro de Blogueiros Progressistas – no bloguinho intempestivo Afinsophia, vetor virtualizante da Associação Filosofia Itinerante – AFIN (Manaus-AM). Um texto como forma de participar dos debates em torno de um projeto político construído numa prática comum na blogosfera, que faz parte como uma das interfaces plurais da construção de uma nova democracia, onde exista liberdade de expressão, onde se possa finalmente falar em opinião pública e que transborda para a realidade social e política do Brasil e do mundo. Aí o link: http://afinsophia.wordpress.com/2010/08/23/blogos
Abraços afinados!

Responder

Paulo Rená

24 de agosto de 2010 às 02h46

A quantidade de comentários aqui evidencia o potencial dos blogs. Que essa interação seja a regra. Avante blogosfera.

Responder

Elias São Paulo SP

24 de agosto de 2010 às 00h42

“Toda esta gente a dormir sossegada. É curioso. Mas deixá-lo. Não tarda aí mais uma revolução. Estamos fatigados de constituições, de cartas, de sutilezas, de mentiras. Ah se eu tivesse um jornal ou uma tribuna, como eu abalava tudo isto. Mas para qualquer empresa é preciso dinheiro. Que miséria. Ser filho de um taberneiro e perder a mocidade em busca de pão.” Gustave Flaubert
Quando em 1869 Flaubert escreveu tais palavras no romance Educação Sentimental, não poderia jamais imaginar que cento e poucos anos depois um jovem universitário ou não, com parcos recursos teria sim condições de ter um jornal ou uma tribuna. Nos 15 anos que a internet se propalou no Brasil, centenas de milhares de jornais e tribunas chegam às casas de milhões de pessoas. E o 1º Encontro de Blogueiros Progressistas é a prova maior do que acabo de dizer.
Parabéns a todos os que participaram do evento. Certamente um divisor águas nos mares turbulentos da web brasileira. Obrigado pelo espaço, Azenha.

Responder

Arthur Schieck

24 de agosto de 2010 às 00h37

Fiquei com preguiça de ler esse texto mas acabei gostando muito, principalmente da parte que fala sobre a contribuição que leitores "especialistas" em determinadas área podem dar para enriquecer o conteúdo do(s) blog(s).
Volta e meia eu leio reportagens em sites com esse velho formato onde grandes bobagens são ditas sobre a área na qual eu tenho um pouco mais de domínio, mas o espaço pra retrucar se limita a comentar abaixo sem essa via de mão dupla.
Vamos ver no que vai dar essa nova mídia que ainda não existe direito.

Responder

    BloGDoRiLDo

    24 de agosto de 2010 às 15h04

    Arthur, penso que essa participação pode acontecer muito substantivamente nos Encontros Estaduais que deverão ocorrer antes do 2° Encontro Nacional. Com blogueiros de um mesmo Estado, com pessoas da mesma região, fica mais fácil uma Oficina onde os mais experientes podem contribuir com os não experientes.

    Estou ansioso pelos Encontros Estaduais.

Társilo

24 de agosto de 2010 às 00h21

Olá Azenha,
Concordo com tudo o que você colocou e inclusive minutos antes da sua participação na mesa eu conversava com o Paulo Henrique Amorim justamente sobre isso. Eu inclusive acho que vocês jornalistas mais experientes e sabedores de técnicas e tecnologias poderiam possivelmente promover oficinas aos blogueiros nos próximos encontros, mesmo que sejam apenas conhecimentos básicos, pois isto traria inclusive uma produção maior de informação do que apenas opinião. Quanto à vocês jornalistas profissionais fazerem reportagens para os seus blogs, eu acho que seria não somente muito didático, mas tambem uma diversificação considerável que poderia conquistar um público mais sensível às imagens e som do que o texto escrito (levando-se em consideração o pouco hábito da leitura por parte de grande parte da população, sobretudo internautas). Aí fica uma questão contratual que vocês possam ter com as empresas para as quais vocês trabalham se isso seria possível. Mas fica aí a minha sugestão.

Responder

ferrera13

23 de agosto de 2010 às 23h03

Azenha, o Rodrigo Viana foi um dos blogueiros do grupo 2, grupo em que participei, e trocamos algumas ideias sobre a possibilidade dos encontros estaduais tomarem um viés mais pragmático com as oficinas. Assim, os encontros nacionais ficariam como um espaço mais filosófico. Eu ainda não tenho as resoluções da "grande plenária" pois tive que sair mais cedo para não perder o retorno ao RJ. Mas estou ansioso por saber dos desdobramentos sobre os encontros estaduais. Mas a conclusão a que chego é a seguinte: o uso diário leva a prática e a prática leva ao aperfeiçoamento. Acredito que tinha que acontecer o encontro para, daqui pra frente, os blogueiros se aperfeiçoarem nos seus trabalhos, inclusive os mais experimentados.

Ah! E sobre o seu equipamento, Kucinski em debate na fundação Perseu Abramo já tinha anunciado essa emancipação quando a internet ainda engatinhava. Viva a democracia! Viva os blogueiros e a blogosfera!

Responder

Avelino

23 de agosto de 2010 às 22h58

Caro Azenha
Participo de vários blogues, mas neles há uma opinião dominante dos que participam, ou você está com um candidato ou está com outro e geralmente prodomina a Dilma, ponto paraa os movimentos sociais.
Também participo dos comentários da Folha e Estadão, ali sinto que se interage mais.
Entendo a necessida dos blogues e os defendo, mas vejo ser necessário, que muitos dos que aqui postam, não o deixem de fazer, mas temos que cutucar a onça, no seu domínio.

Responder

Leider_Lincoln

23 de agosto de 2010 às 22h54

No próximo nós vamos, Pamplona… Mais uma meia dúzia de mineiros e goianos podemos trocar liquor de jenipapo pela cerveja do batavo e beber, usando pururuca e queijo fresco com jiló como tira gosto. Entre um debate e outro, por que hay que endurecer, pero sin estar con hambre jamás!

Responder

    Ed.

    24 de agosto de 2010 às 13h42

    Concordo sobre o Milton (sem julgar o Jairo): alguns dos melhores vídeos, que nem poderia deixar de conhecer, foram postados por ele. Cadê vc, Milton?!

    CC.Brega.mim

    24 de agosto de 2010 às 17h40

    Eu achei o Milton Hayek (é deles que oceis tão falando?) visitando o intense profile do Zepovinho…

Gerson Carneiro

23 de agosto de 2010 às 22h39

Azenha, meu queridão. Costumo dizer que quando estou entre pessoas muito inteligentes geralmente me calo para que as demais pensei que sou inteligente também. Por isso não tenho blog. Tenho um endereço de email apenas, e isso já dá trabalho suficiente pra deixar um baiano cansado. Planejo criar um blog algum dia, o nome pelo menos já tenho, e, com o perdão da palavra, é "fantástico". Mas por enquanto prefiro ficar apurrinhando no blog dos outros.

Responder

Nereu

23 de agosto de 2010 às 22h36

"Eppure si muove".
Isto é o importante, concordando ou discordando das opiniões dos blogueiros e dos comentariantes.

Responder

Claudio Ribeiro

23 de agosto de 2010 às 22h29

A blogosfera brasileira encara seus maiores desafios e se apresenta como fonte viável de informação, muitas vezes corrigindo os rumos plantados pelas desinformações sistemáticas da velha mídia, dos jornalões e suas jogadas. Desmonta factóides, denuncia e informa as pessoas, ganha cada vez mais credibilidade e acessos e já apresenta alguns exemplos sustentáveis economicamente.
http://palavras-diversas.blogspot.com/2010/08/o-d

É o presente!

Responder

Marcelo

23 de agosto de 2010 às 22h27

Quem sabe essa não seja a verdadeira democracia que ouço desde criança, eu leio e escrevo, eu concordo e discordo, eu aceito ou rejeito.
Essa mudança virá acompanhada pelo aumento da escolaridade, da consciencia critica e a da eterna desconfiança sobre a real qualidade do que eu leio, concordo e aceito.
Azenha, parabéns pelo texto, ainda não tinha pensado o quão fortes temos sido.

Responder

Gerson Carneiro

23 de agosto de 2010 às 22h15

Não só a Caras esteve no 1º Encontro Nacional dos Blogueiros Progressistas, como também, e até, os capitães-do-mato (trolls), compareceram.

Identifiquei pelo menos dois: um perguntou por que (segundo ele) o PHA deixou de falar sobre a Globo depois que saiu da Globo; o outro perguntou ao Nassif se não haveria o risco de surgir uma ditadura dos Blogueiros Progressistas.

Responder

Gerson Carneiro

23 de agosto de 2010 às 22h01

Me sinto sacaneado pelo Glécio Tavares duas vezes: primeiro, "armou" um encontro na esquina da av. Paulista com outra lá que não me lembro o nome, das 19h00 às 19h45. Segundo ele, em frente à porta do metrô Brigadeiro. Estive lá, com um colega do Ceará (que conheci no hotel), mas ele não estava lá; Segundo, no sábado, passei em frente a ele e ele nem estirou a mão (certamente, viu aquele ser todo enfeitado, mais enfeitado do que jegue em romaria, e ficou com vergonha), é uma pena, desejei muito conhecê-lo.

E segundo, o Sinhô Azenha, por intermédio, de sua Dilama, Conceição Lemes, sabia muito bem que eu escaparia pela ESQUERDA no sábado antes do fim do evento. Por que não avisou que queria falar comigo? Cabra. Fique sabendo que cum neto de Lampião não se brinca. Ano que vem a gente conversa. Fí du´ma égua. É você quem não vai me escapar no próximo encontro.

Responder

Leider_Lincoln

23 de agosto de 2010 às 21h41

Sei não Azenha, este papo de "enterrar o leitor passivo" não está meio homoerótico não?

Responder

    Luiz Carlos Azenha

    23 de agosto de 2010 às 22h46

    Que tal estimular? abs

    Leider_Lincoln

    23 de agosto de 2010 às 22h50

    Incentivar o leitor à proatividade até que seria bem, mas não soa muito bloguiável…
    Putz, eu queria ter ido, mas lascou tudo para mim aqui em Goiás…

    Gerson S.

    24 de agosto de 2010 às 10h11

    De início pensei a mesma coisa. Mas valeu pelo bom texto, e foi a fala do Azenha, Eu estava lá. Muito bom o encontro.

Raphael Tsavkko

23 de agosto de 2010 às 21h25

Eu ainda iria além, Azenha, a questão não está só nas novas ferramentas, nos comentários e etc, mas na interação autor/leitor e na possibilidade do autor ser pautado pelo leitor e vice-versa. Enfim, uma verdadeira interação entre os lados, confundindo os papéis.

Eu, por vezes, acabo lendo algo em um blog, comentando e passando a discussão para o meu, e em outros casos acontece o inverso. Esta interação é saudável e necessária e é o futuro da blogosfera, uma forma mais colaborativa de produção de textos em que as funções acabam se confundindo.

Durante o encontro dei a idéia a vários blogueiros: Precisamos de oficinas de produção de conteúdo e mesmo de uso de ferramentas de mídia social para atrair tanto os mais velhos quanto os menos experientes e iniciá-los em todas as ferramentas possíveis.

Responder

Adilson (E agora?)

23 de agosto de 2010 às 21h25

Azenha,

Acho fundamental que possamos entrar em contato com essas novas tecnologias. Eu tenho uma resistência antiga, mas aos poucos vou rompendo com isso..Não tenho twitter, mexo mal a pampa no meu blog, mas escrever, pra mim, já é uma enorme satisfação. Criar textos, fazer comentários, "azucrinar" vcs mandando textos, (rs..rs) ler os comentários impagáveis do Latorre – uma figura nota mil que tive o prazer de conhecer – enfim, tudo isso, pra mim, já é um grande barato..

O Encontro estreitou os laços, mas você está certo quando já vislumbra esse próximo passo, principalmente quando fala do trabalho de multiplicadores. Se quisermos realmente prestar esse serviço ele tem que ser feito com qualiddae e propriedade. Trabalho com jovens e sei que eles de bobo não tem nada, querem o que está na ordem do dia do mundo digital e não aquilo que a gente acha que é bom pra eles.

um abraço

Adilson (E agora?)

Responder

    Marcioi Brant

    24 de agosto de 2010 às 01h01

    Adilson, o teu Blog é super legal, e ainda por cima além de Blogueiro Progressista vc é Botafoguense, juntou a fome com a vontade de comer. Parabéns.

    Adilson (E agora?)

    24 de agosto de 2010 às 12h28

    Obrigado Marcio..E vc não imagina pra mim o que foi esse fim de semana. Um dos melhores que já vivi sem dúvida! Cheguei em SP, com a expectativa de conhecer todos vocês, e de ver os bons frutos desse evento, e isso aconteceu de forma muito intensa. De quebra, no sábado a Dilma botou 17 pontos na frente do Serra e quando chego ao Rio, meu FOGÃO está no G3 do Brasileiro!! Como bom botafoguense tenho que dizer a vcs: Em 2006 campeão estadual e Lula presidente., Em 2010 campeão de novo e o resto não precisa nem falar..rs…

@laurorocha

23 de agosto de 2010 às 21h11

Tenho uma agência de publicidade. Se precisarem de alguma ajuda… É só falar. Se estiver ao meu alcance, será feito.

Responder

kimparanoid

23 de agosto de 2010 às 21h06

Gostei muito do texto, Azenha.
O desafio daqui pra frente é, como vc disse, fazer com que a "velha guarda" saiba extrair o máximo possível da interatividade provida pelas novas tecnologias; e que a "garotada" (a geração Y, Z, nem sei mais…), que domina essas tecnologias, se engaje cada vez mais no debate político.
O tamanho do desafio não é desprezível, uma vez que dentro da sala de aula convencional o que se transmite são valores claramente hierárquicos — há um mestre, que detém o conhecimento, e uma massa "ignorante" de alunos (do latim alumni, isto é, sem luz). De fato, o desafio não é apenas tecnológico, mas sobretudo de "cultura política": passar de um paradigma hierárquico, vertical, para um paradigma colaborativo, horizontal.

Responder

Mônica Pinheiro

23 de agosto de 2010 às 21h05

O blog veio pra revolucionar a imprensa. Bom mesmo é ver tanta gente boa escrevendo e batendo um bolão como vc.
Bjos

Responder

    Paulo Rená

    24 de agosto de 2010 às 02h45

    Mais que a imprensa, Mônica, as publicações sem editoria prévia, como os blogs, vieram revolucionar a comunicação. ;)
    Achei que o encontro ficou muito focado no jornalismo. Espero que daqui a um ano eu tenha conseguido, além de tecnologia, convencer mais pessoas a blogarem não só pelas notícias, mas também pelas outras possibilidades abertas.

    Ed.

    24 de agosto de 2010 às 13h43

    Como registro, gostei de suas falas no Encontro. Sucesso!

    Glecio_Tavares

    26 de agosto de 2010 às 13h34

    Eu postei um trecho de voce falando la no encontro, procure no youtube por GlecioTavares ou BLOGPROG.

Renan

23 de agosto de 2010 às 20h53

Azenha, vou confessar, pra mim foi uma surpresa quando vc começou a conversar comigo pelo orkut!
hehehehe aí eu pensei, uai, ele é igual a mim de verdade… como se de "ícone" da mídia vc passasse a ser meu amigo… e passou a ser mesmo.

Responder

Paula

23 de agosto de 2010 às 20h49

Assisti o qto foi possível……Adorei, aprendi. Não tenho blog, nem site, sou leitora e co-produtora porque levo a notícia daqui para as redes sociais. Parabéns!

Responder

    Roberto Locatelli

    23 de agosto de 2010 às 22h13

    Olá, Paula. É FUNDAMENTAL esse trabalho de conexão entre os blogs e as redes sociais que você exerce. É vital mesmo, pois senão as coisas ficam fechadas e ficamos "pregando para convertidos", como se dizia antigamente.

Metheoro

23 de agosto de 2010 às 20h44

Meu caro azenha, de que blogosfera você fala? Blogs são nichos… infelizmente… o seu tem uma audiência razoavel, mas é comparada ao "alienante" Kibeloco, por exemplo? Que tem mais de 500 mil acessos DIÁRIOS? Sem espaço para comentários e apenas a difusão de bobagens midiáticas (o kibe é redator do Caldeirão do Huck).

Existem milhares de blogs por aí, os mas famosos, pelo menos entre os adolescentes.. que recebem "investimentos publicitários" e tem mais de 40 mil acessos diários, no minimo, são de um humor razo e pastelão o que passa a impressão que a blogosfera é aquilo… a discussão é mto mais na qualidade do conteúdo relevante, e de qualidade, do que apenas no engajamento do leitor, acho eu.

Responder

Fabio_Passos

23 de agosto de 2010 às 20h43

É.
Deixa o povo falar… e decidir!

Já imaginaram todo brasileiro com acesso a rede… botando a boca no trombone?
Vocês acham que a minoria rica iria continuar apitando o jogo?

Responder

Júlia Schnorr

23 de agosto de 2010 às 20h40

Ótimo texto. Estou no intervalo de uma aula na faculdade sobre Jornalismo On Line, onde discutimos – pouco – sobre a influência dos blogs na mídia.

Percebi, assim, o quanto aprendi com blogueiros como você, e o quanto a internet e a blogosfera vão ser (bem) utilizadas conjuntamente com os movimentos sociais. Fico feliz e esperançosa quando me deparo com o ciberativismo e suas propostas construtivas. Concordo, também, com a retirada da carta do termo ''colaborativo'', embora ainda não tenha acúmulo de debate para dissertar mais.

Enfim, fica meu abraço.
Primeira vez que posto aqui, mas já leio faz tempo.

Responder

Remindo Sauim

23 de agosto de 2010 às 20h40

Azenha, vou te contar uma coisa que não não ouvi ninguém ainda falar. Na mídia tradicional o tamanho dos textos estão cada vez menor, a desculpa dos editores é que ninguém mais gosta de ler. Então como é que os textos nos blogs estão cada vez maior? Eu descobri a razão desta inversão, o texto grande era só enrolação, e não dizendo nada, tanto faz texto grande como pequeno. E os blogueiros que começaram com post pequenos se viram na obrigação de explicarem a seus leitores seus pontos de vista e como aceitavam a argumentação precisavam deste texto longo para melhor colocarem suas opiniões. A mídia do século vinte pecha o leitor de mau leitor e os blogs estão dando esta abertura achando que ele além de bom leitor pode ser bom nos comentários. Acho que levantei algo interessante.

Responder

alexandreueg

23 de agosto de 2010 às 20h21

Me desculpe o desvio do assunto, mas gostaria de perguntar: porque o Jornal Nacional só faz a caravana em ano eleitoral?
E agora uma pergunta-sugestão? Não seria ótimo ver o Bonner Simpsons tomar um banho de ovos ao vivo em rede nacional?
Vou postar este comentários em alguns blogs sujos!

Responder

Marroni

23 de agosto de 2010 às 20h11

Azenha,

É o lento aprendizado ao qual me referi aqui anteriormente e seu blog. A maior dificuldade que a expansão da comunicação nessa nova dimensão social é a resistência cultural que as pessoas de um modo geral experimentam. E a distância entre as gerações aumenta vertiginosamente. Muito do que você e outros da nossa geração se acostumaram a pensar e escrever simplesmente não chega na garotada com menos de 20 anos.
Eles tem a naturalidade de lidar com as tecnologias digitais porque nasceram depois dela. Essa é a vantagem dos mais jovens e também, paradoxalmente, sua limitação. Porque não há mais a sedimentação do conhecimento estruturante e formador da cultura. Eles estão aprisionados na superficialidade dinâmica das informações que se renovam como as ondas do mar. Devemos ensinar-lhes a profundidade na qual essas informações se sedimentam em conhecimento e formam um todo com significado e sentido.
Penso que é exatamente nesse espaço inter-geracional que devemos construir a fusão de tecnologia e conteúdo, entre velocidade e sentido, entre informação e conhecimento.

Responder

wilsoncjunior

23 de agosto de 2010 às 20h10

Como sou leitor passivo, por enquanto, só me resta espernear nos comentários e no twitter. Vi que a Soninha comanda a campanha do Serra na internet e tá descendo o pau nos antigos companheiros. De quebra tece loas ao desqualificado do Índio. Isso me fez procurar um artigo não tão distante dela na internet chamado "Mídia Sórdida".

Vejam um trecho:

"Mas outra observação deprimente se faz necessária: sobre o comportamento irresponsável, leviano, sórdido da mídia. Aqui e ali, neste momento ou em outro, alguém é acusado com estardalhaço e passará a vida sob a suspeita presunçosa e arrogante daqueles que dizem que "onde há fumaça, há fogo"; aqueles que se comprazem com veneno e maledicência; que esfregam as mãos ante uma "denúncia" e se divertem com o incêndio no circo.

Quantas vezes, como observou o Lula, alguém do PT foi vítima desse tipo de manchete e nunca mais foi visto com os mesmos olhos – enquanto os jornalistas e os veículos continuam com prestígio e poder. "

Aqui o restante do artigo: http://www.observatoriodaimprensa.com.br/artigos….

Responder

    Mônica Rangel

    23 de agosto de 2010 às 20h41

    Wilson, só a título de esclarecimento, também sou só leitora, não tenho blog, porém não sou nada passiva. E não acho que o seu comentário foi um "esperneio". Você veio aqui, argumentou, mostrou seu embasamento para argumentar o que você queria argumentar e ponto. Acho que assim que deve funcionar mais essa opção de comunicação que a gente tem.Não adianta a gente chegar aqui, xingar mais da metade da blogosfera e não apresentar argumentos. Isso não acrescenta em nada! Pode servir apenas como "catarse emocional" para quem xingar, mas aí já é uma questão mais pessoal,né?! rsrsrs

    Raphael Tsavkko

    23 de agosto de 2010 às 21h29

    Como bem colocou o Azenha, o IntenseDebate dá a oportunidade de cada comentário feito cair em um histórico pessoal, que pode ser encarado como uma espécie de blog. O ato de comentar, em si, é ativo, não passivo.

    wilsoncjunior

    23 de agosto de 2010 às 22h37

    De fato mesmo um simples comentário num blog é uma ação ativa. No episódio da "ditabranda" conversava com o Eduardo Guimarães e ele me perguntou por que eu não tinha criado um blog. Disse a ele que tinha pouco a falar e pessoas como ele já diziam o que eu queria dizer. Mas hoje vejo que talvez a boa idéia é a de que todo mundo que se interesse por política ou pela vida em geral tenha seu espaço na internet além das redes de relacionamentos comuns.

    E um vai aprendendo com o outro que vai aprendendo com terceiro…

José Vitor

23 de agosto de 2010 às 19h59

O blog do Emir Sader não tem RSS!
Alguém precisa alertá-lo sobre isso, está perdendo muitos leitores assim…

Responder

    Roberto Locatelli

    23 de agosto de 2010 às 22h16

    Uma das recomendações do encontro é que todos participem de oficinas de tecnologia, para aprender a usar essas ferramentas.

José Pepe

23 de agosto de 2010 às 19h56

Prezado Eduardo: Um Editor que diga sim à publicação da "guerrilheira" Dilma na Época desta semana. E que diga não a matéria semelhante sobre o Dr. José Jirico. Abs.

Responder

mariazinha

23 de agosto de 2010 às 19h55

Não sei o que dizer, querido jornalista Azenha. Talvez VC esteja coberto de razão. Só espero que não deixemos escapulir a preciosa chance de podermos falar, abertamente, o que sentimos e o que pensamos sobre os assuntos e as notícias; o verdadeiro encanto da Internet.

Responder

Marcelo Fraga

23 de agosto de 2010 às 19h29

OFF TOPIC
Eu, que tenho me ausentado do blog por motivos profissionais (ms por pouco tempo, graças), não pude acompanhar o Encontro nem pela internet. Por isso gostaria que publicassem pelo menos algumas fotos mais para saber como se passaram as coisas por lá.
OFF TOPIC

Mas e por que essa proposta foi derrotada pela maioria no Encontro? Me parece bem razoável e acho que todos que estavam lá conheçam o conceito. É por isso que estamos aqui, por uma democratização da comunicações.

Responder

francisco.latorre

23 de agosto de 2010 às 19h25

liberdade.

falou.

..

Responder

urarianomota

23 de agosto de 2010 às 19h20

Como dizem os gringos, good!
Com dizemos no Recife, rochedo!

Responder

    Gerson Carneiro

    23 de agosto de 2010 às 22h15

    Como dizemos na Bahia: massa.

mateus

23 de agosto de 2010 às 19h12

Azenha, não consegui assistir alguma falas, como a sua por ex. , vcs vão publicar videos do encontro ?

Responder

    Luiz Carlos Azenha

    23 de agosto de 2010 às 20h09

    Sim, vamos. Depois que a gente descansar um pouco… abs

Eduardo

23 de agosto de 2010 às 19h12

Viva a ditadura das redes sociais!!! Parece que quem não participa delas é um retrógrado, um velho autoritário.

Azenha, acho que vc está um pouco deslumbrado, vc fala de blogueiro para blogueiro. Não sou blogueiro, não quero participar de redes sociais. Sou leitor de blogs e sites. A participação pouco me interessa, o que me interessa é diversidade de opiniões.

Talvez seja uma doença nas redações de hoje, e talvez vc esteja contaminado, ver seus desejos e opiniões refletidos nas redes sociais. Do mesmo jeito que a velha imprensa anda se pautando por elas, acho que os blogueiros estão seguindo o mesmo caminho.

Ambos estão contaminados pelo narcismo.

Ainda falta muito para que a imprensa reflita a realidade do brasileiro. A imprensa oficial reitera o discurso contra o governo. A "progressista" tenta rebatê-la, mas no meio estou eu e milhões de gente como eu que não vê sua realidade escrita.

Imprensa não pode prescindir do editor, aquele cara que determina o que vai e o que não vai. Vcs estão confundido editor com ditador.

Responder

    Luiz Carlos Azenha

    23 de agosto de 2010 às 19h47

    Caro Eduardo, é mais que "mídias sociais". É permitir ao MST, por exemplo, que tenha uma mini-rede nacional de TV, sem concessão do governo, para falar com gente de todo o Brasil (usando o ustream, por exemplo).

    Habib

    23 de agosto de 2010 às 20h47

    Eu acho que essa web 2.0 de que se fala já há uns bons 4 anos, agora é que finalmente está "engrenando" pelas bandas de cá.
    Eduardo, como você, não sou, de fato, um leitor "ativo" … sou passivo sim, "chupim". Não significa, no entanto, que eu não participe de algumas discussões.
    Gosto muito da idéia de que grupos, entidades, pessoas, possam falar diretamente com as pessoas, como no exemplo do azenha.
    A internet é das minorias, é da difusão de conhecimento … essa é a nossa web 2.0, é o fim do monopólio da informação. Nós, por outro lado, não somos mais passivos no sentido de que sentamos no sofá e esperamos a hora do "Jornal Nacional". Temos opções, podemos colher as informações lá na fonte … Podemos ler opiniões diversas e, quiçá, dar nossos pitacos também. Essa é a nossa liberdade!

    ruy garcia

    24 de agosto de 2010 às 07h25

    Gostaria de ver respondidas, ou até melhor discutidas, as ponderações do Eduardo, que, a meu ver, são muito pertinentes.

    Mônica Rangel

    23 de agosto de 2010 às 19h49

    Eduardo, você está sendo muito radical. Quando se pensaria que há dez anos, você teria um espaço como esse ,online, para demonstrar a sua insatisfação? Se você quer "diversidade de opiniões", contribua de forma positiva para que isso aconteça. Aproveite esses espaços que temos agora, e coloque seu ponto de vista, argumente,debata e não esperneie.É pelo diálogo que a gente cresce. E outra, se você "não vê a sua realidade escrita" em lugar nenhum, será que não está na hora de você começar a escrever também e mostrá-la para a gente?Tenho certeza que você encontrará muito retorno. Te surpreenderá!

    Eduardo

    23 de agosto de 2010 às 22h21

    Olá Mônica, tenho certeza que lemos os mesmos blogs, Vi o Mundo, Conversa Afiada, Escrevinhador, cloaca, Óleo do Diabo, Do lado de Lá, Nassif, NaMaria etc.

    Perceba que eles basicamente comentam as matérias do PIG. Acho que 80% do que é produzido por eles é rebater o discurso do PIG. Ótimo, adoro isso.

    Perceba que quase todos titulares desses blogs ainda trabalham para a "velha imprensa". É de lá que eles tiram os sustento e paralelamente possuem blogs. Perfeito. Alguns deles colocam algum do bolso para manter o site, como parece ser o Vi o Mundo. Outros tentam viver disso, como o Óleo do Diabo (por acaso ele está conseguindo arrecadar algo?).

    Enfim, esses blogs, com toda a interatividade inimaginável há 10 anos, não produzem informação nova (esse daqui produz matérias de saúde). O que me interessa é saber quando eles serão economicamente viáveis para oferecerem material original.

    Qual será o caminho para um jornalismo diverso ao que existe?

    A Carta Capital que tenta fazê-lo vive mal das pernas, além de usar expedientes iguais às de outras editoras, como contratação de PJ sem direitos trabalhistas. Por outro lado, a "nova geração" que usa as "novas mídias" não quer pagar por informação nova e com outro viés e não "tem saco para ler muita coisa".

    É por isso que eu acho que se vive uma euforia, um messianismo. Até quando vamos viver de críticas às matérias do PIG e de opinião?

    Opinião não é informação.

    Para não dizer que eu não contribui para o debate passo o exemplo do site rue89.com que conseguiu colocar nas bancas mensalmente um jornal com as melhores matérias – matérias! – publicadas no blog: http://lemensuel.rue89.com/

    francisco.latorre

    24 de agosto de 2010 às 01h13

    opinião não é informação.

    mas.. análise não é opinião.

    e os jornais tentam competir com a informação instantânea oferecendo.. análise.

    parece que os jornais ficarão pra trás.. em qualquer cenário.

    contrapor informação a opinião.. não é por aí.

    ..

    versões impressas.. sim.

    vai rolar.

    ..

    dukrai

    24 de agosto de 2010 às 13h00

    véi, tinha gente escutando a nossa conversa no Encontro kkkkkkk

    Mônica Rangel

    24 de agosto de 2010 às 09h13

    Agora sim! Gostei do seu comentário. Foi muito produtivo!rsrsrs… Sabe, Eduardo, todo começo é difícil. Foram muitos anos de blindagem, de engessamento provocados pela grande mídia. Romper essa barreira não é trabalho fácil. E esse pessoal que você citou , está conseguindo, aos poucos, transformar essa situação.E acredito que, assim como você, eles também têm essa preocupação de fazer com que essa nova mídia,crie corpo, se desenvolva cada vez mais. Você pergunta, "quando eles serão economicamente viáveis". Não sei se você acompanhou, mas esse foi um dos pontos discutidos no primeiro encontro de blogueiros. Inclusive, na abertura do encontro, o Paulo Henrique Amorim, enfatiza justamente, o que é outra de suas preocupações, a necessidade da busca por informações, já que um blog jornalístico não pode viver só de opiniões.

    NaMaria News

    24 de agosto de 2010 às 10h44

    Caro Eduardo; desde que vi meu nome citado aqui vejo o direito de responder alguns pontos. Agradeço que leia meu blog e os outros citados, que são muito melhores. Mas há alguns equívocos em suas colocações. Meu blog não trata do que sai na "velha imprensa", não trabalho na imprensa colonial – muito menos no governo ou em qualquer de seus braços -, não recebo um mísero tostão furado para perder literalmente 150 horas na pesquisa de um só texto, por exemplo. Meu foco é a imprensa oficial: o Diário Oficial. Minha intenção é ir direto de onde saem as ordens. Se a imprensa colonial cita algumas daquelas ações ela o faz de maneira diversa; segue releases enviados pelos que ordenam, onde a verdade é sempre rosa. E como se vê são bem diferentes da realidade. Não rebato o discurso do PIG, apenas saliento o lado que não é para ser lido pelos comuns porque difícil, misterioso, truncado, justamente por ser o "oficial". Meu chatíssimo blog não é para qualquer pessoa, ninguém vai até lá para se divertir, dar boas risadas; ninguém vai lá buscando paisagens idílicas. Não tenho centenas de pageviews/dia/mês/ano; não tenho milhares de seguidores ou comentaristas. Aquilo tudo é árido, feio, triste, vergonhoso, os textos são longos demais, números demais, personagens "desconhecidos" demais… mas tenho alguns leitores pertinentes e dedicados. Isto vale muito. Quem vai até lá é porque pretende colecionar dados, juntar informações e fazer, quem sabe, novas histórias; quem vai lá liga passado com futuro. Em meu blog não há praticamente "notícias" no sentido da imprensa oficial, portanto. É lamentável.
    (continua)

    Raphael Tsavkko

    23 de agosto de 2010 às 21h28

    Eduardo, tens uma visão bastante deturpada das mídias sociais. A questão do editor não está em suplantar sua função, mas na sensibilidade de compreender que nem sempre a decisão do editor, sozinho, é a mais acertada ou adequada à todo o público, que tem fome de mais informação ou de informação dada de maneira diferente. Hoje é uma realidade que editores são pautados pelas redes, mais que no passado onde tudo era puramente unidimensional.

    Estamos num movimento crescente e sem volta, devemos, pois, buscar meios para democratizar ao máximo a inforação, ao invés de deixar nas mãos de pouco, a mídia do passado, velha.

    Roberto Locatelli

    23 de agosto de 2010 às 22h21

    Eduardo, não entendi. Você não quer participar, mas está participando, fazendo um comentário, argumentando.

    Como resultado da sua participação, pessoas estão respondendo, contra-argumentando. Essa é a dinâmica da internet.

    Quem REALMENTE não quer participar é aquele leitor que nunca coloca comentários nos sites e blogs.

    BloGDoRiLDo

    24 de agosto de 2010 às 15h19

    Locatelli, me permita acrescentar: Quem não quer participar nem se dá ao trabalho de ler.

    Ed.

    24 de agosto de 2010 às 13h52

    Eduardo
    Embora tenha posições assumidas, sou à favor da diversidade, pois assim é a humanidade (sem rimas..).
    Quanto ao "editor", o melhor que existe é sempre o próprio leitor ou receptor (pô, de novo!…).


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.