VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Lúcia Rodrigues: Torturador aliado de Bolsonaro e defensor da ditadura militar é condenado à prisão 50 anos após crime
O torturador Carlinhos Metralha e duas de suas vítimas: Soledad Barret e Edgar de Aquino Duarte. Fotos: Reprodução
Holofote

Lúcia Rodrigues: Torturador aliado de Bolsonaro e defensor da ditadura militar é condenado à prisão 50 anos após crime


23/06/2021 - 20h24

Torturador que apoia Bolsonaro e quer volta da ditadura militar é condenado à prisão

Por Lúcia Rodrigues*

Carlos Alberto Augusto, Carlinhos Metralha e Carteira Preta são variações sobre o mesmo verdugo que,nas décadas de 1960 e 1970, atuou nos subterrâneos de um dos centros de tortura mais temidos da ditadura militar: o Dops (Departamento de Ordem Política e Social) de São Paulo.

Torturador feroz e homem de confiança do sinistro delegado Sérgio Paranhos Fleury no período mais sombrio do Dops, Metralha não poderia supor que cinco décadas depois seria condenado por, pelo menos, um de seus crimes.

Em decisão inédita, o juiz da 9ª Vara Criminal Federal de São Paulo Silvio César Arouck Gemaque condenou-o a 2 anos e 11 meses prisão, embora a pena possa ser cumprida em regime inicial semiaberto.

É a primeira vez na história do Brasil que um agente da repressão militar vai para a prisão.

A sentença proferida contra Metralha é pela morte do ex-fuzileiro naval Edgar de Aquino Duarte, desaparecido desde 1971.

O jornalista Ivan Seixas esteve preso no Dops no mesmo período em que Aquino Duarte foi serviciado por Metralha. “O Edgar me disse que tinha sido torturado por ele”, relata.

Seixas descreve o ambiente em que os dois se conheceram. “O Edgar estava numa cela ao lado da minha. E eu via ele sendo levado pelo Carlinhos Metralha para a tortura.”

A ação que resultou na condenação do torturador foi movida pelo procurador da República Andrey Borges de Mendonça, nove anos antes, em 2012. Mas essa é apenas uma entre as várias denúncias contra Metralha.

O próprio Mínistério Público Federal acusa-o também pela morte do militante do Movimento Revolucionário Tiradentes (MRT) Devanir José de Carvalho, que ocorreu em abril de 1971.

De acordo com a ação movida pelo órgão, Carvalho teria morrido após sofrer intensas torturas durante três dias.

O corpo dele foi enterrado em uma vala comum no cemitério da Vila Formosa, na Zona Leste da capital paulista. A família do ativista nunca conseguiu encontrar seus restos mortais.

Metralha também é acusado pela morte de seis militantes da Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), delatados pelo agente infiltrado Cabo Anselmo, amigo do torturador.

O massacre da Chácara São Bento, em Pernambuco, como ficou conhecido o episódio, não poupou nem mesmo uma militante que estava grávida.

Soledad Barret era namorada de cabo Anselmo e  foi executada grávida de quatro meses junto com os cinco companheiros de organização.

Os seis tiveram os corpos crivados de balas. Ela recebeu quatro tiros na cabeça e dois no pescoço e foi encontrada ao lado do feto, provavelmente abortado durante a sessão de tortura que precedeu a execução.

Ao contrário dos demais torturadores daquele período que tentam dissimular o passado, Metralha faz de tudo para chamar a atenção.

Extravagante, perambula com um capacete de ferro por manifestações de cunho fascista em apoio a Bolsonaro, esbravejando contra o comunismo.

Frequentador do acampamento montado, em 2015, pela extrema-direita em frente ao Quartel General do Comando Militar do Sudeste, no Ibirapuera, Zona Sul de São Paulo, ajudava no coro por intervenção militar.

Mas suas provocações vêm de há muito tempo.

Em 2014, invadiu uma audiência da Comissão da Verdade da Assembleia Legislativa de São Paulo que lançava o livro do jornalista Marcelo Godoy sobre o DOI-Codi, outro centro de tortura da ditadura militar.

Na ocasião, vociferou mais uma vez contra os comunistas. Foi repelido pelo então presidente da Comissão da Verdade, o ex-deputado petista Adriano Diogo. “O senhor não vai intimidar as pessoas que estão na sessão”, advertiu o parlamentar.

Diogo também o questionou sobre a tortura e morte de Aquino Duarte. “Aproveita esta oportunidade (para contar). Eu vi, eu estava preso lá.”

“Guerra é guerra. Um ganha, outro perde… Trabalhei no Dops com muito orgulho. Não houve arbitrariedade nenhuma, nenhuma”, afirmou Metralha para justificar os crimes cometidos.

“Na boca do senhor, o significado de guerra é apenas uma desculpa para assassinato e tortura”, rebateu o jornalista Godoy.

Cinco anos antes, em 2009, Metralha já havia organizado uma missa para lembrar os 30 anos da morte do delegado Fleury.

“Familiares, amigos, ex-policiais do Dops e informantes contam com sua presença à missa”, dizia o texto divulgado por ele na internet.

Um panfleto também foi distribuído antes do início da missa, que ocorreu no Santuário Nossa Senhora do Rosário de Fátima, no bairro do Sumaré, Zona Oeste de São Paulo, saudando o torturador que chefiava o Dops.

“Sua morte deixou em nós uma lacuna impreenchível. Só o tempo poderá atenuar a sua perda irreparável para a sociedade brasileira. Dr. Fleury ficará na memória de todos, a sua inesquecível figura que tanto bem semeou. À sua passagem, sempre cumprindo ordens superiores e defendendo a sociedade”.

Os carros luxuosos que traziam o público para a missa ostentavam adesivos defendendo o porte de armas e apoio ao general Heleno, à época comandante militar da Amazônia e hoje ministro do Gabinete de Segurança Institucional de Bolsonaro.

Fleury não chegou a ser arrolado no processo porque já havia morrido quando o MPF impetrou a ação.

Na sentença que condenou Metralha à prisão também eram réus o ex-comandante do DOI-Codi de São Paulo, o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, e o ex-delegado Alcides Singillo. Ambos respondiam pelo sequestro do militante. Mas não chegaram a ser condenados porque  faleceram em 2015 e 2019, respectivamente.

Em 2012, Ustra foi o primeiro militar a ser declarado torturador pela Justiça, em uma ação movida pela família Teles. Mas a sentença ficou fora do escopo criminal.

Em relação à sentença desta semana, o Ministério Público Federal antecipa que vai recorrer da decisão.

O procurador irá pedir o aumento do período de prisão, além de solicitar o cancelamento da aposentadoria do torturador.

Metralha ainda pode contestar a decisão judicial na segunda instância.

*Lúcia Rodrigues é jornalista e formada em Ciências Sociais pela USP.





1 comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

24 de junho de 2021 às 12h32

A Condenação desse Torturador FDP
chegou com Atraso de 35 Anos.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding