VIOMUNDO

Diário da Resistência


Deputada do PT compara ex-chanceler Aloysio a Barrichello: “Chegou tarde”
Agência Brasil
Galeria dos Hipócritas

Deputada do PT compara ex-chanceler Aloysio a Barrichello: “Chegou tarde”


27/09/2019 - 14h47

‘Embaixador’ do golpe, Aloysio Nunes agora denuncia manipulações da Lava Jato no impeachment de Dilma

Ex-senador, que viajou aos Estados Unidos para fazer defesa da suposta legalidade do golpe do impeachment, pede que o STF tome providências contra procuradores

da Rede Brasil Atual

São Paulo – Ex-ministro das Relações Exteriores do governo Michel Temer, o ex-senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) agora afirma que houve manipulação política dos procuradores da Lava Jato e do então juiz Sergio Moro para derrubar a então presidenta Dilma Rousseff no golpe do impeachment, em 2016.

Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, publicada nesta sexta-feira (27), ele diz que as revelações da Vaza Jato mostram que Moro e os procuradores adotaram “procedimentos de absoluta ilegitimidade”.

Alvo de delação do ex-presidente da OAS Léo Pinheiro, que o acusa de ter pedido propina para campanhas do PSDB em São Paulo em troca da liberação de recursos para obras no estado, Aloysio diz que os membros da Lava Jato atuavam “imbuídos de um projeto político, que vai além do processo judicial”.

Ele condenou a “divulgação parcial” dos diálogos entre Dilma e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Conforme revelado pela própria Folha, em parceria com o The Intercept Brasil, Moro ocultou as conversas de Lula que enfraqueciam a tese de que a sua nomeação como ministro da Casa Civil serviria para livrá-lo das investigações da Lava Jato.

“Eles manipularam o impeachment, venderam peixe podre para o Supremo Tribunal Federal. Isso é muito grave.”

Além da nomeação de Lula barrada pelo Supremo, a divulgação ilegal da conversa serviu para turbinar as manifestações pela derrubada de Dilma.

Hoje, Aloysio diz que apoiou o impeachment, mas não com o “mesmo entusiasmo” da bancada do PSDB da Câmara. Contudo, no dia seguinte à votação pelos deputados da admissibilidade do processo contra Dilma, o então senador, que presidia a Comissão de Relações Internacionais da Casa, viajava a Washington, capital dos Estados Unidos, numa “contraofensiva diplomática” para combater as denúncias de que impeachment, na verdade, se tratava de um golpe.

A deputada Margarida Salomão (PT-MG) classificou a declaração do ex-senador como uma “barrichellada”, em referência ao seu arrependimento tardio.

“Aloysio foi um contumaz apoiador do golpe; foi ministro graças a isso. Agora, acuado por acusações, diz que o impeachment foi manipulado e recorre ao mesmo argumento da defesa de Lula para se defender”, postou no Twitter.

Já o deputado Ivan Valente (Psol-SP) relacionou o impeachment com o governo Bolsonaro: “O golpe de 2016 resultou do encontro entre o reacionarismo e a politização de órgãos do sistema de Justiça. O colapso democrático pariu Bolsonaro. Cabe por um fim nisso!”

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

30 de setembro de 2019 às 13h40

https://t.co/Hw5SCQHuAh

Não é hacker e não é petista.
É um delegado da Polícia Federal expondo crimes da #LavaJato

‘Delegado da PF diz que Lava Jato tentou destruir provas
a pedido de colega promovido por Moro’

https://twitter.com/DeputadoFederal/status/1178654767406616576

https://revistaforum.com.br/politica/delegado-da-pf-diz-que-lava-jato-tentou-destruir-provas-a-pedido-de-colega-promovido-por-moro/

Responder

Zé Maria

30 de setembro de 2019 às 13h37

O Cinismo dos Tucanos é Incurável …

Responder

Vilma Herculano

27 de setembro de 2019 às 17h18

Essa tese da lava jato é mais furada que peneira. Se o Lula queria foro privilegiado por qual razão ia esperar até 2016 para usar esse estrategema. Já teria usado em 2014.
O que acontece é que Sérgio Moro é um oportunista e invejoso, louco por fama além de dinheiro e poder. Vejam que depois das revelações do Intercept Brasil ele nunca mais foi dar suas palestras de pavão exibido nos EUA. Só quer aplausos e glórias.
Destruiu o país por causa da super vaidade dele. E enganou muitos otários.
Ele quer ser um Lula, um FHC, mas não nasceu pra isso. Tem que se conformar em ser apenas um ex juiz.
E ainda tem ideias nazistas e fascistas. O que importa é ele dane-se o povo. A lava jato é um desastre econômico e pode ser tornar um desastre social. Desastre jurídico já e há muito tempo.
Provavelmente ano que vem e a eleição de senador desse Aluísio Nunes. Por isso ele vem com esse papinho pega trouxa.
O Moro não tava com medo do Lula fugir do país ou para o foro privilegiado, o Moro estava com medo do Lula salvar o governo Dilma e impedir o impeachment. Esse era o grande medo do Moro. Só pelas conversas que ele não revelou do Lula já se percebe isso. Além de não ter feito perícia no celular do Cunha.

Responder

    Mariane

    27 de setembro de 2019 às 23h57

    Concordo plenamente com comentários de Vilma.
    Enfim e em resumo, estamos no meio da lama e será difícil limpar e principalmente, depois de perdermos nosso patrimônio como petróleo e estatais negociadas sem escrúpulos. Alguém precisa falar sério com racionalidade neste País. Brasil República de bananas.

    Dr. Almeida

    28 de setembro de 2019 às 00h29

    Perfeito!!!


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.