VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Se o Brasil fizer lockdown de 3 semanas, como o de Araraquara, poderá comemorar feriados do segundo semestre, diz Pedro Hallal
Reprodução
Entrevistas YouTube

Se o Brasil fizer lockdown de 3 semanas, como o de Araraquara, poderá comemorar feriados do segundo semestre, diz Pedro Hallal


08/04/2021 - 18h43

Da Redação

O epidemiologista Pedro Hallal, ex-reitor da Universidade Federal de Pelotas, ficou surpreso com o resultado mais recente de seu grupo de pesquisa no Rio Grande do Sul: só 10% dos gaúchos foram infectados pelo coronavírus em um ano de pandemia.

Isso significa que, se forem seguidos os conselhos de gente como o dr. Osmar Terra, conselheiro do presidente Jair Bolsonaro e pregador da imunidade coletiva “natural”, até ela ser atingida entre os gaúchos levaria ao menos sete anos.

Parece loucura, mas nestes tempos de bolsonarismo o gaúcho Osmar Terra sempre insistiu que toda epidemia tinha um prazo máximo de 14 semanas — mas a pandemia da covid-19 já passa de um ano no Brasil.

Hallal diz que apesar de o ritmo de vacinação ter acelerado nas últimas semanas no Brasil, se o país não adotar um lockdown nacional de três semanas, o risco é de surgir uma nova variante que escape das vacinas existentes.

Porém, enfatiza o epidemiologista, o lockdown deve ser implementado nos moldes do que aconteceu em Araraquara, no interior de São Paulo, em que até o transporte público foi temporariamente suspenso.

Se o Brasil fizer um lockdown como o de Araraquara, Hallal estima que o número diário de casos, que está na média móvel de 70 mil nas últimas duas semanas, cairá imediatamente para a metade.

Mais do que isso, como foi observado em outras experiências internacionais, os casos continuarão caindo nas semanas subsequentes, reduzindo a pressão sobre o sistema hospitalar.

Se a vacinação atingir a média de 1,5 milhão de doses diárias, afirma ele, no segundo semestre os brasileiros poderiam festejar os feriados em grupo, sem grandes aglomerações, mas ao menos em família — nos Estados Unidos, é esta a expectativa para o feriado do 4 de julho, dia da Independência.

Como você vai ver na íntegra da entrevista, acima, Hallal acha perda de tempo se envolver em polêmicas laterais, pois elas tiram o foco do essencial.

Não adianta falar em ampliação de leitos ou na produção maciça de oxigênio, quando a questão central, segundo ele, é derrubar os números da pandemia com lockdown agora e vacinação em massa ao mesmo tempo.

De acordo com o Conselho Nacional dos Secretários de Saúde, o Brasil registrou 86.652 casos nas últimas 24 horas e 4.249 óbitos, um recorde.





5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Henrique Martins

09 de abril de 2021 às 12h45

https://istoe.com.br/fux-atuou-para-pacheco-instalar-cpi-da-covid-antes-de-liminar-do-stf-diz-jornal/

Estamos lutando contra dois vírus. O que o senhor Pacheco não entende ou, por oportunismo não quer entender, é que a instalação de uma CPI da pandemia é antes de tudo pedagógica e por si só vai colocar o segundo vírus nos trilhos.
Portanto, a instalação da CPI não prejudica o combate ao combate ao Covid coisissima nenhuma.
Quero ver agora o segundo vírus ficar gritando em reunião de empresários para o ministro da saúde “tirar a máscara, caralho!”.
O senhor não tem Colhões para ocupar o cargo que ocupa senhor Pacheco. É por falta de colhões de muita gente que está acontecendo um genocídio no país.

Responder

Lucas Nave

09 de abril de 2021 às 00h22

Essa é ótima. Não querem Lockdown, mas querem comprar vacina para os funcionários.
Talvez seja melhor mudar para a Argentina igual a Ford.
A camisa dos caras é muito mais bonita.
Esse país é do Peru.

Responder

Zé Maria

08 de abril de 2021 às 21h51

Há 3 dias não há Óbito por COVID-19 na Cidade de Araquara-SP

O prefeito Edinho Silva (PT) decretou 10 dias de ‘lockdown’, em fevereiro, e a cidade do interior paulista de 240 mil habitantes
teve queda acentuada de casos e mortes pela doença.
Em março, Araraquara teve redução de 33,8% em relação a fevereiro.

Hoje (8), o município registrou apenas
47 casos da doença e, pelo terceiro dia consecutivo, nem sequer um óbito.

A ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) está em 89%. E os leitos de enfermaria estão com 59% de ocupação.
Do total de 179 internados, 102 são de outras cidades.

Os 102 pacientes de outros municípios residem em Americana, Américo Brasiliense (8), Araras (2), Cajuru, Cuiabá (MT), Descalvado, Gavião Peixoto (4), Guaíra (2), Ibaté (5), Ibitinga (3), Itápolis (2), Jaboticabal, Leme (4), Matão, Motuca, Nova Europa (3), Olímpia, Pirassununga, Pitangueiras, Pitangueiras, Porto Ferreira (2), Rincão (13), Santa Cruz das Palmeiras (3), Santa Lúcia (3), São Carlos (31), São Gabriel do Oeste (MS) e Tabatinga (6).
[G1]
.
Araraquara x Bauru:
Dois Retratos do Brasil Com e Sem Lockdown
contra a Covid-19

Ao mesmo tempo em que o Brasil enfrenta
o momento mais mortal da pandemia
sem um plano nacional para conter o avanço
do coronavírus, governos locais vêm tomando suas próprias ações para lidar com a covid-19 e suas variantes.

Lockdown decretado pela Pefeitura
de Araraquara chegou a parar, inclusive,
Transporte Público e Supermercados
Depois do Lockdown, Araraquara viu queda
em casos diários e mortes.

Já em Bauru, a prefeita Suéllen Rosim (Patriota) impôs restrições mais leves.
Ela defende a abertura de lojas e tem declarado que lockdown não funciona.
Porém, nas últimas semanas, tanto a média
diária de mortes quanto a de casos subiram.

| Reportagem: Laís Alegretti | BBC News BR em Londres |
Íntegra em:
(https://www.bbc.com/portuguese/brasil-56640000)

Responder

Zé Maria

08 de abril de 2021 às 18h58

Tem que fechar tudo, com Auxílio Digno
para os Trabalhadores ficarem em Casa.
Isso é que é Lockdown Racional.

Responder

    Zé Maria

    08 de abril de 2021 às 19h26

    .
    Brasil e o Genocídio

    “19 Milhões com Fome, 116 Milhões com Pouca Comida,
    mais 17 Milhões de Pobres e 4 Mil Mortes/Dia por COVID;
    O Supremo se vê obrigado a debater se é
    ou não é possível matar em nome dos deuses,
    de Deus, de Jesus, ou de que divino for”

    Jornalista Bob Fernandes, no Canal do Youtube:
    (https://youtu.be/8E_FOv9E2mM)
    .
    .


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding