VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Entrevistas

Marcelo Branco: Lobby das teles quer fim da neutralidade na rede


04/10/2011 - 13h39

da Unisinos, via Maria Fro

O Plano Nacional de Banda Larga proposto pelo governo federal brasileiro pretende expandir o acesso à internet banda larga a 40 milhões de pessoas no país. Mas as negociações do Ministério de Comunicações com as operadoras de telecomunicações têm causado mal-estar entre os defensores da neutralidade na internet. Entre eles, Marcelo D’Elia Branco, ativista pela liberdade do conhecimento e ex-diretor da Campus Party Brasil, critica o “acordo” prévio do Plano Nacional de Banda Larga.

“O principal erro desse acordo é a tentativa de fazer com que as teles recebam dinheiro pelo volume de conteúdos acessados pelo usuário. Até hoje, dentro da lógica de funcionamento da internet, quem pode cobrar pelos conteúdos na rede é o gerador de conteúdo e não as operadoras. A partir do acordo firmado com o Ministério das Comunicações, as teles, além de ganharem pela largura da banda que oferecem, pela velocidade de transmissão, passarão a limitar a quantidade de conteúdo que o usuário pode baixar durante o mês”, explica ele na entrevista a seguir, concedida à IHU On-Line por telefone.

Branco também defende que estados e municípios participem do Plano Nacional de Banda Larga, já que os governos estaduais e municipais são os que mais gastam com serviço de telecomunicações e acesso à internet. “Qual vai ser a participação do estado do Rio Grande do Sul, por exemplo, no Plano Nacional de Banda Larga, visto que têm estruturas da Companhia Estadual de Energia Elétrica – CEEE, da Cia de Processamento de Dados do Estado do Rio Grande do Sul – Procergs? O governo do estado tem investido muito dinheiro com serviços de Telecomunicações. (…) Se uma empresa tem uma conta gigantesca com um fornecedor, ela tem o poder de barganhar algumas vantagens em uma negociação. Com certeza o maior cliente de Telecom do Rio Grande do Sul é o governo do estado. Então, qual é o papel do governo Tarso nessa discussão?”

Marcelo D’Elia Branco foi por três anos diretor da Campus Party Brasil. Consultor para sociedade da informação, ele é fundador e membro do projeto Software Livre Brasil e também ocupa o cargo de professor honorário da Cevatec – Peru, além de ser membro do conselho científico do Programa Internacional de Estudos Superiores em Software Livre, na Universidade Aberta de Catalunha. Seu blog pode ser acessado pelo link http://softwarelivre.org/branco.

Confira a entrevista.

IHU On-Line – Em que consiste o Plano Nacional de Banda Larga – PNBL? Quais as vantagens e desvantagens do Plano, considerando-se a realidade brasileira? Ele apresenta metas e garantia de qualidade?

Marcelo D’Elia Branco – O Plano Nacional de Banda Larga é uma grande expectativa em função da importância que tem a banda larga para o desenvolvimento do país. Não se trata apenas de uma questão de acesso à internet. Da mesma maneira que o Brasil precisa resolver a questão de infraestrutura dos aeroportos, dos estádios de futebol para a Copa, precisa definir por onde vão trafegar as informações e como a estrutura de banda larga irá se expandir pelo país.

A banda larga no Brasil é muito cara, de baixa qualidade e não chega a todos os lugares como deveria chegar. Expandir o acesso à internet é o grande desafio. O Plano Nacional de Banda Larga, anunciado desde o governo do presidente Lula, gerou uma enorme expectativa na sociedade e talvez seja um dos projetos mais esperados do governo da Dilma.

IHU On-Line – Como vê o acordo firmado entre o Ministério das Comunicações com empresas de telecomunicações para que elas toquem o Plano Nacional de Banda Larga, e a notícia de que as teles foram autorizadas a reduzir a velocidade se o usuário ultrapassar 300 megabytes de download por mês? Esse acordo põe em xeque a democratização da internet?

Marcelo D’Elia Branco – Tenho críticas em relação ao acordo, pois ele tem pontos muito ruins. O lado positivo do acordo é ofertar uma banda larga de 1 MB por 35 reais, porque isso força a concorrência a oferecer internet com mais velocidade por um preço menor. Algumas operadores estão oferencendo 1 MB por menos de 35 reais.

Por outro lado, o plano tem aspectos negativos. Um deles diz respeito a quanto de 1 MB é real. A Agência Nacional de Telecomunicações – Anatel tem que regulamentar essa questão. Parece que a Anatel está trabalhando na perspectiva de garantir que 60% da banda vendida pelas operadoras seja garantida como banda real.

O principal erro desse acordo é a tentativa de fazer com que as teles recebam dinheiro  pelo volume de conteúdos acessados pelo usuário. Até hoje, dentro da lógica de funcionamento da internet, quem pode cobrar pelos conteúdos na rede é o gerador de conteúdo e não as operadoras. A partir do acordo firmado com o Ministério das Comunicações, as teles, além de ganharem pela largura da banda que oferecem, pela velocidade de transmissão, passarão a limitar a quantidade de conteúdo que o usuário pode baixar durante o mês.

Essa possibilidade de limitar o acesso ao conteúdo quebra o paradigma da internet. O acordo define que 300 MB é o máximo que um usuário pode baixar no mês. Ao atingir 300 MB no mês, o usuário terá de navegar com uma velocidade muito baixa ou pagará um valor a mais à operadora para aumentar a velocidade de acesso à internet. Então, a operadora, além de cobrar pela velocidade, terá um taxímetro e cobrará pelo volume de conteúdo baixado – o qual não pertence a ela.

Esse acordo é inaceitável e o governo precisa revê-lo urgentemente, pois ele introduz um princípio de quebra da neutralidade na rede. As operadores de telecomunicação podem cobrar por qualidade de serviço, pela velocidade maior, mas não podem cobrar pelo volume de conteúdos que passam pela sua canalização.

1 MB não é compatível com a lógica da internet

Ousuário do plano popular do governo   (1 MB por 35 reais) terá duas alternativas: terá uma internet superlenta ou terá que pagar mais às operadoras para conseguir uma conexão mais rápida. Comercialmente, para as operadoras essa limitação de 300 megas no plano é um excelente negócio, porque certamente a maioria das pessoas contratará um montante extra. Espero que esse acordo das teles com o Ministério das Comunicações não seja um Plano de Banda Larga, mas sim uma primeira negociação do governo com as operadoras.

Quando falamos em 1 MB, estamos falando em download, ou seja, o quanto a pessoa terá de banda para baixar um arquivo. 1 MB tem apenas 128k de subida de sinal, o que significa isso? 128k é uma velocidade muito baixa dentro da lógica da internet, a qual não serve mais somente para ler e-mail e visitar sites. Hoje em dia, a internet é 2.0, é interativa, e os usuários da rede cada vez mais postam conteúdo. Com 128k é muito difícil postar vídeos no YouTube. O ideal é que a rede seja simétrica, que se tenha a mesma possibilidade e qualidade de baixar e postar conteúdos.

Na semana passada iniciou-se um lobby muito forte em torno das teles. No Futurecom, em São Paulo, Ethevaldo Siqueira, que sempre defendeu a privatização da Telebras, foi porta voz das teles na seguinte afirmação: “Não é mais possível a internet brasileira crescer sem frear, diminuir velocidade ou sobrepassar conteúdos de vídeo na rede”.

O fluxo de informações que trafega dentro da internet não pode ser tratado de forma discriminada. Isto é, os conteúdos de dados que estão trafegando, seja audio, vídeo ou texto em linguagem html, não podem ter um tratamento diferenciado. Essa é a lei da internet. Todo arquivo que entra na rede disputa o tráfego com os demais conteúdos.

Antigamente, as operadoras de telecomunicações cobravam pelos serviços diferenciados: telefonia para São Paulo-SP custava um valor, telefonia para Canoas-RS, outro, vídeo tinha outro preço, etc. A internet não é uma rede de telecomunicações; ela veio para quebrar esse paradigma. A internet é neutra e esse é um princípio defendido por Tim Berners-Lee, o criador da web.

A afirmação de Ethevaldo Siqueira e a gritaria das teles aponta que há um lobby poderoso em cima do Ministério das Comunicações, em cima da Anatel, para que a neutralidade na rede seja abolida, para que não entre no Marco Civil como um direito do cidadão. As teles querem controlar o fluxo de informações dentro das redes. Assim, o vídeo do concorrente vai ser baixado de modo mais lento do que o vídeo do cliente da operadora, por exemplo.

IHU On-Line – Como vê o corte no orçamento da Telebras?

Marcelo D’Elia Branco – O corte do orçamento da Telebras é algo preocupante. Num primeiro momento, o governo da presidenta Dilma anunciou que a Telebras teria 1 bilhão de reais à disposição para investimento. A proposta orçamentária do governo enviada para o parlamento prevê um valor para aproximadamente 350 milhões de reais. Esse orçamento não reflete a prioridade do Plano Nacional de Banda Larga e o papel da Telebras nesse processo de expansão. O orçamento destinado à empresa deveria ser maior.

Quero deixar claro que não acredito e não defendo que todo o Plano de Banda Larga deva ser implementado somente pelo Estado ou pela Telebras. Conduzido pelo governo federal, o Plano Nacional de Banda Larga deve ser um esforço do poder público envolvendo as operadoras privadas com metas e obrigações claras, para que tenhamos uma banda larga mais barata e de qualidade.

Com a redução do orçamento da Telebras, a empresa não consegue estimular, através dos serviços prestados, para que suas concorrentes privadas baixem o preço da tarifa da internet. Quanto mais a Telebras tiver a possibilidade de construir uma infraestrutura que concorra com aquela das teles privadas, o custo de acesso à internet será barateado.

O Plano Nacional de Banda Larga é um plano estratégico para o governo da Dilma e, portanto, deveria constar no PAC. É estranho que um plano anunciado como prioritário no governo federal não conste no orçamento do PAC. Para a aceleração do crescimento do Brasil, a expansão da banda larga é importante. Recursos do PAC deveriam ser destinados para a melhoria da banda larga.

Algumas pessoas pensam que o governo federal deveria mudar o regime de exploração de banda larga, que hoje é considerado um serviço de valor agregado, um serviço privado. Se fosse um regime público, na visão dos defensores, seria mais fácil para o governo controlar esse serviço e enquadrar as teles. Não concordo com essa ideia de que o regime público seria a melhor saída para enquadrar o serviço de banda larga, pois isso criaria uma burocracia e uma série de regras de como e quais empresas poderiam prestar serviço de banda larga no Brasil. Essa ideia do regime público coloca uma barreira muito grande para pequenos e médios provedores de serviços de banda larga no Brasil.

Conversei com Cezar Alvarez, do Ministério das Comunicações, e ele disse que o acordo com as teles não consiste em um Plano Nacional de Banda Larga. Aconteceu apenas uma primeira negociação, mas o governo terá que pressionar mais as teles porque, nessa primeira rodada de negociação, as teles sairam ganhando.

IHU On-Line – Além da falta de investimento na Telebras, o que tem dificultado a expansão e o barateamento da internet no Brasil?

Marcelo D’Elia Branco – O que tem dificultado o barateamento e a expansão da internet é a falta de interesse comercial das operadoras. Elas não têm interesse em atender regiões onde, comercialmente, não obterão lucros. Não existe nenhum mecanismo que enquadre as teles para que elas cumpram um plano de metas.

Por outro lado, a ação da Anatel em São Paulo-SP, por exemplo, não é boa. E estamos falando da capital mais importante do país. Os usuários dos planos de banda larga reclamam que a conexão da internet cai com frequência. Falta firmeza da Anatel para cobrar qualidade dos serviços oferecidos por operadoras privadas.

Não há como fazer um plano de banda larga, no Brasil,  a curto ou a médio prazo sem contar com as operadoras. Mesmo que vários governos começassem a operar no setor de telecomunicações, na oferta de banda larga para os usuários finais, mesmo que tivesse orçamento sobrando para isso – o que não é a realidade –, demoraria muito tempo para que a banda larga chegasse até o usuário final. Não é fácil construir uma rede de banda larga com fibras ópticas e rádios em um país com as dimensões do Brasil.

IHU On-Line – Além da utilização de recursos privados, em que consiste um aperfeiçoamento do Plano Nacional de Banda Larga?

Marcelo D’Elia Branco – Deveria haver mais participação dos estados e municípios, que são os principais interessados no Plano Nacional de Banda Larga. Não vi, no Plano Nacional de Banda
Larga, investimentos e tampouco cobrança e controle em relação à banda larga dos estados e municípios. Participei da construção da primeira rede de banda larga de Porto Alegre em 1998, a qual funciona até hoje com uma conexão de 150 MB.

Qual vai ser a participação do estado do Rio Grande do Sul, por exemplo, no Plano Nacional de Banda Larga, visto que têm estruturas da Companhia Estadual de Energia Elétrica – CEEE, da Cia de Processamento de Dados do Estado do Rio Grande do Sul – Procergs? O governo do estado tem investido muito dinheiro com serviços de Telecomunicações. Por isso as contas, por exemplo, do Banrisul, da administração direta, das principais estatais em serviços de telecomunicações contratadas pelas operadoras privadas precisam ser um elemento de pressão em cima das operadoras para que elas prestem um serviço de melhor qualidade e com preços mais baratos. Se uma empresa tem uma conta gigantesca com um fornecedor, ela tem o poder de barganhar algumas vantagens em uma negociação. Com certeza o maior cliente da Telecom do Rio Grande do Sul é o governo do estado. Então, qual é o papel do governo Tarso nessa discussão?

IHU On-Line – A partir do Plano Nacional de Banda Larga, qual a expectativa em relação à inclusão digital?

Marcelo D’Elia Branco – As metas do governo de mais 40 milhões de pessoas terem acesso a banda larga é fantástico. Se o plano atingir as metas previstas, o Brasil será o país do futuro.

IHU On-Line – Quais são as principais reivindicações do Movimento Mega Não?

Marcelo D’Elia Branco – A neutralidade na rede é a nossa principal luta nesse momento. Nos Estados Unidos, o FCC, que é a Anatel deles, sofre também uma forte pressão para quebrar a neutralidade da internet.

Existe um lobby das operadoras de telecomunicações privadas para se quebrar a neutralidade. Há uma preocupação no Brasil de que a Anatel passe a regulamentar a internet. O comitê gestor da internet BRASIL é um exemplo de gestão para outros países e para a governança internacional da rede.

Quem gerencia a internet no Brasil é o Comitê Gestor, um órgão muito mais democrático, que é uma referência para outros países na gestão democrática da internet e modelo para a governança mundial da rede. O comitê gestor conta com a participação dos empresários privados, da sociedade civil, dos governos e da academia.

Seria inadmissível que um órgão como a Anatel, que representa apenas um dos setores,  passasse a regulamentar a internet no Brasil.

IHU On-Line – Qual sua expectativa em relação ao 1º Fórum da Internet no Brasil, que acontecerá nos dias 13 e 14 de outubro, em São Paulo?

Marcelo D’Elia Branco – A expectativa é a melhor possível. Esse é um Fórum importante, organizado pelo Comitê Gestor da Internet. A nossa principal luta é reafirmar a neutralidade na rede e o apoio ao Marco Civil da internet, que foi enviado pelo governo federal ao parlamento brasileiro. Este texto foi construído de forma colaborativa, com a participação da sociedade civil durante todo o ano de 2010.

Leia também:

Na internet, projeto de Azeredo cria “presunção da culpa”

A proposta completa do PT para o setor das comunicações

Será que um dia teremos um Google brasileiro?

Movimentos Sociais repudiam banda lenta, cara e sem universalização

A banda larga e 40 milhões de sardinhas

Ex-presidente da Telebrás: A banda larga é das teles

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



24 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

LINKOTECA | Marco Civil Já!Marco Civil Já!

24 de fevereiro de 2015 às 16h19

[…] com Marcelo Branco :: Lobby das teles quer fim da neutralidade na rede :: […]

Responder

masato suzuki

28 de novembro de 2012 às 20h17

Pelo jeito estão reinventando a roda… quadrada lógico.Banda larga a R$ 35,00 de 1Mb, é estamos regredindo…

Responder

Luiz

02 de dezembro de 2011 às 08h43

Bem que o Azenha poderia perguntar a própria Dilma, como reporter e depois passar essa entrevista prá nóis, né?

Responder

Substantivo Plural » Blog Archive » Marcelo Branco: Lobby das teles quer fim da neutralidade na rede

01 de dezembro de 2011 às 10h09

[…] Da Unisinos, via Maria Fro NO VI O MUNDO […]

Responder

Luiz

01 de dezembro de 2011 às 08h58

Aí têêêm político se assanhando pra ganhar muito dinheiro. Se a TIM conced por 25 centavos falar o dia inteiro com outro TIM, , mesmo que em qqr estado da federação é pq é vantajoso para a empresa. Então, como e que vêm com essa história de cobrar por quantia de conteúdo? Nessa hitória tem mutreta, e das grossas. 300 mega se atinge em 1 semana só procurando fazer compras pela internet ou assessando blogs jornalísitocos, sem baixar um mísero videosinho.

Responder

Pitagoras

18 de novembro de 2011 às 00h08

Cumméquié, cara pálida? Depois da molecagem da privataria que estufou as burras das concessionárias privadas de serviço público de telecomunicações. proporcionando ao pateta do consumidor brasileiro o pior serviço do mundo, compensado regiamente pela mais alta tarifa e com a maior falta de respeito ao consumidor, não obstante o melhor Código do Consumidor do mundo e da mais rigorosa, enérgica, pró-ativa, imparcial, efetiva, comprometida fiscalização daquela tal de "agência reguladora", a.k.a., anatel (é nome de anabolizante ou de purgante?) esses crápulas vão agora reinventar a roda a seu modo, no seu exclusivo interesse?
Se não tivéssemos o sangue tipo "de barata" já teríamos organizado um boicote nacional, uma vez por mês por exemplo, para sangrar o bolso desses marginais.
Acorda brasiiiiiiiuuuuuuuu!

Responder

Ronaldo Cananéia

06 de outubro de 2011 às 10h24

Esqueçam a Banda Larga de qualidade.

Quando a Dilma colocou o Hibernardo no Mistério das Comunicações ela já sabia com quem estava lidando. O foco dela é tirar os miseráveis da pobreza. Mais alguns milhões de votos.

Não vai apoiar o MSI – Movimento dos sem Internet.

A Dilma e o PT são autistas quando se trata da estratégia de comunicação popular.

De onde não se espera muita coisa é de onde não sai nada mesmo.

Sempre resta a alternativa do protesto nas ruas. Alguém se habilita para a Primavera do PNBL?

Responder

@MarceloBranco: #MarcoCivil da Internet enviado ao Congresso | Viomundo - O que você não vê na mídia

06 de outubro de 2011 às 09h14

[…] Marcelo Branco: Lobby das teles quer fim da neutralidade da rede   […]

Responder

Ajude a identificar os problemas da banda larga no Brasil | Viomundo - O que você não vê na mídia

05 de outubro de 2011 às 21h32

[…] Marcelo Branco: Lobby das teles quer fim da neutralidade na rede […]

Responder

Alvaro Tadeu Silva

05 de outubro de 2011 às 12h01

Perfeitas as explicações do Morvan, mas gostaria de tornar o debate mais preciso no trato das grandezas, pois é aí que mora o perigo. Vamos chamar MB de "megabyte" e Mb/s de "megabit por segundo". Um byte é igual a 8 bit, logo, pode gerar confusão da ordem de oito vezes. A velocidade proposta de 1 Mb/s é muito baixa para a internet de hoje e o preço de F$ 35,00 é um verdadeiro assalto. Agora, não pode ser aquela história dos 10%, contratou 1 Mb/s, tem de entregar no mínimo 95% para download (receber) e, digamos, 50% para upload (enviar), sem CENSURA de conteúdo, isto é, limitação do número de bytes baixados ou enviados. Seria como comprar um carro e não poder andar mais de 5km por dia. Embora baixa para os padrões internacionais, uma velocidade mínima de 3Mb/s ao custo de R$ 25 reais/mês seria bastante razoável.

Responder

Marcio H Silva

05 de outubro de 2011 às 01h19

O texto abaixo, comentei em post antigo aqui no blog, quase que com as mesmas palavras, e levei cacetada, muita cacetada. Quem está ou foi do ramo entende como é dificil e caro fazer um PNBL a partir do zero. Tem que se aproveitar a Infra existente. Onde? das operadoras que receberam uma concessão publica. Ora se é pública, tem que atender o publico. Mas os atuais "donos" das teles são gananciosos. Se o Governo Federal não tiver pulso, eles vão vencer e a internet no Brasil vai ficar pior do que é agora.

"Não há como fazer um plano de banda larga, no Brasil, a curto ou a médio prazo sem contar com as operadoras. Mesmo que vários governos começassem a operar no setor de telecomunicações, na oferta de banda larga para os usuários finais, mesmo que tivesse orçamento sobrando para isso – o que não é a realidade –, demoraria muito tempo para que a banda larga chegasse até o usuário final. Não é fácil construir uma rede de banda larga com fibras ópticas e rádios em um país com as dimensões do Brasil."

Responder

FrancoAtirador

04 de outubro de 2011 às 20h44 Responder

Pedro Luiz Paredes

04 de outubro de 2011 às 18h21

Se fizer muito download vai gastar os cabos…
As produtoras "culturais" estão adorando!
1 MB a 35 reais ta caro. Até porque hoje por contrato 1 MB não passa de 100kb e as teles cumprem essa cláusula a risca. Isso não é banda larga.
A única vantagem do plano é levar essa merda de internet mais rápido para os municípios que ainda não tinham. Mais rápido do que antes, porém não mais rápido do que o governo é capaz de fazer.
Essa eu tenho que admitir que foi populismo do Lula.
Acho que na verdade o plano mesmo é dar mais dinheiro para as teles. Tirar mais um pouquinho do povo, para dar para as teles.
Um governo que se caracteriza pelo progressismo e que entende bem o papel da internet na competitividade internacional, na evolução civilizatória, na democratização da informação e etc…
É o que nós temos de melhor!

Responder

eunice

04 de outubro de 2011 às 16h47

é bom sonhar mas…………………desculpem…………………………..ainda não há telefones rurais a rádio, na maior parte dos pequenos povoados do Brasil. É uma enorme população mas espalhada em porções. Não se instalam antenas porque não dá retorno para as operadoras. O cafundó além de não ter polícia não tem telefone e não terá internet.

Responder

Bruno

04 de outubro de 2011 às 16h01

Caros, corrijam aí: a velocidade de conexão fornecida é medida em Mb(ps), e não MB(ps). 1B (byte) = 8b (bit). Só para evitar confusões.

E abaixo este plano de banda larga meia boca!

Responder

    Morvan

    04 de outubro de 2011 às 21h27

    Boa noite.
    Perfeito, Bruno. Megabits/s (Mbs, e não MBs).

    :-)

    Morvan, Usuário Linux #433640.

Morvan

04 de outubro de 2011 às 15h21

Boa tarde.

Com a recente "entrega" da "banda estreitíssima" aos tubarões da mídia brasileira, por obra do Sr. Paulo Bernardo e da Presidente Dilma, vai chegar um momento em que falar em neutralidade da rede não passará de quimera.
O conceito de neutralidade da rede é bem mais amplo do que o que estamos a discutir ora, mas, neste contexto, vai ser muito difícil manter – ainda – os resquícios de neutralidade ou agnosticidade, num linguajar mais estanque.
Ora, o fato de a Internet no Brasil ser extremamente cara e elitizada já nos remete ao oximoro da neutralidade dela. Aponha-se a isso o fato de o poder público (Presidente e Ministros afetos ao asunto) não terem coragem de intervir, para não melindrar os senhores feudais da comunicação(?) no Brasil.
Releve-se ainda o fato de a maioria dos provedores no Brasil praticar, sem qualquer escrúpulo, o "Traffic Shape" nas conexões com protocolos de conversação "nodeless" (como P2P, Torrent, etc.) e pense em neutralidade, repito, neste contexto, como algo distante e quase insustentável.
Com a palavra os que querem (realmente) uma Internet universal e neutra.

:-)

Morvan, Usuário Linux #433640.

Responder

    Thata

    05 de outubro de 2011 às 01h01

    Caro Morvan,
    Poderia esclarecer para este povo :) que nada entende sobre redes e informática,
    o que é "traffic shape" e "protocolos de conversação 'nodeless' "?
    Agradeço!!

    Morvan

    05 de outubro de 2011 às 09h33

    Bom dia.
    Pois não. À guisa de esclarecimento, Traffic Shape, ou livremente traduzido, Controle de banda, é uma daquelas coisas que foram inventadas para o bem e acabaram sendo utilizadas contra os direitos civis (ao contrário da própria Internet, que, de concepção inicialmente militar, tornou-se uma ferramenta essencial no processo comunicatório humano). O traffic Shape seria, inicialmente, utilizado para otimizar tráfego (daí o "Traffic"); porém, espertamente, os provedores utilizam-no para matar pacotes de dados com determinados conteúdos – P2P, por exemplo; saiba-se aqui, que, a rigor, todo pacote que circula na rede contém um cabeçalho e este cabeçalho contém informações como a origem, o destino do pacote, o tipo de serviço, o tipo de conteúdo, o protocolo, etc. Daí, um gerente de provimento pode "matar" conteúdo pesado, novamente, como exemplos, P2P e Torrent (reporto-me em outro post a estes dois, por concisão).
    Protocolos "NodeLess" são tipos de comunicação onde não há, a rigor, um servidor central. Todos os micros são nós (Nodes) e compartilham pequenas porções dos dados. Daí, quanto mais gente compartilhando, melhor.
    A seguir, falarei um pouco sobre os dois protocolos mais utilizados para compartilhamento: o P2P e o Torretnt.
    Ps.: Azenha, Conceição: desculpem pela prolixidade.

    :-)

    Morvan, Usuário Linux #433640.

    Morvan

    05 de outubro de 2011 às 09h49

    Bom dia.
    A priori, já que se falou tanto em protocolos, o que é um protocolo?
    Protocolo é um tipo de sublinguagem dentro da grande rede. Por exemplo, eu posso baixar um conteúdo utilizando o HTTP, que é um protocolo, ou FTP, idem. Cada um deles tem suas vantagens e desvantagens inerentes ao serviço / linguagem. Posso utilizar ainda o TCP, onde vai haver maior garantia de entrega dos dados, ou utilizar o UDP, que é menos confiável mas é mais veloz que o protocolo TCP.
    Quanto aos protocolos P2P e Torrent (observação: para desambiguação, o Torrent é um P2P com características específicas), ambos são protocolos ponto-a-ponto (daí o P2P, Point to Point).

    O P2P torna todos os micros interconectados como uma rede de compartilhamento (quem usa o Apollon, no Linux ou no Windows, ou o Napster, lembra-se dele?) está utilizando o P2P); assim, quanto mais gente compartilhando, mais disponibilidade de dados e menos tempo para os DownLoads (baixas de arquivo);
    O Torrent é similar, mas utiliza o conceito de Seeders (semeadores). Teoricamente, quanto mais Seeders, mais rápido você obterá os dados. São importantes ferramentas de compartilhamento.
    Pena que a Internet não é tão neutra assim.

    Espero ter sido claro. Qualquer dúvida ou reparo, favor postar.

    :-)

    Morvan, Usuário Linux #433640.

    Marcio H Silva

    05 de outubro de 2011 às 01h24

    Então caro Morvan o "traffic Shape" é realizado em dois pontos. Porque nas operadoras também é configurado o Traffic Shape" nos B-RAS. Imagine a interconexão congestionada? onde que voce vai shapear tráfego? na operadora.

    Michel

    05 de outubro de 2011 às 23h44

    Perfeito, Morvan.
    Considero fundamental diferenciar "concessionária" (para conexão banda larga) de "provedor", que era necessário nos tempos da conexão dial up. Acho que está tendo muita confusão por aí. Eu uso conexão ADSL e pagava, além de R$ 69,00 da banda larga da empresa de telefonia, tb o valor de R$ 29,90 pelo provedor da mesma empresa. Entrei na justiça (e ganhei) por diversos fatores, inclusive a venda casada. Hoje não pago provedor algum; pago apenas à concessionária para ter direito à conexão. Você tb tocou num ponto-chave: a grande mídia já está começando a "cartelizar" o mercado com a imposição do inútil provedor. E no regulamento do PNBL não está claro que é proibido a imposição de provedor para o consumidor que já paga para ter acesso à internet. Então o governo impõe um "preço popular" de R$ 35,00 e os espertalhões passam a cobrar mais R$ 30,00 pelo "serviço"…

    Morvan

    06 de outubro de 2011 às 09h15

    Bom dia.
    Michel, muito bem lembrado; os vários usuários que entraram na justiça contra a tal taxa de provedor, sejam sozinhos, ou via Abusar.org, ganharam a(s) causa(s). Simplesmente em se tratando de banda larga não é necessário provedor. Ainda mais que os espertalhões são meros repassadores de sinal de DNS (não são provedores de conteúdo) e de um email que ninguém utiliza.
    A lei da Banda Estreita é omissa mesmo; você está certo. É o pulo do gato.

    Morvan, Usuário Linux #433640.

    Michel

    06 de outubro de 2011 às 12h00

    Entrei na justiça contra cobrança acima do valor acordado e a venda casada ( banda lerda + cartão de crédito). Eis que no meio do litígio, um belo dia constatei que com qq senha e login eu acessava a internet, cujo "serviço" era (e ainda é) um lixo. Mandei cancelar e custaram p/ enviar a conta sem a taxa do provedor; só cancelaram quando eu avisei que entraria com mais um processo. Se desejar, dê um "google" na expressão "banda larga sem provedor" para ler o meu artigo sobre o assunto publicado exatamente há um ano. Nem a atendente do Procon estava inteirada sobre o assunto… O que me espanta é que nenhum blogueiro (da turma progressista) chama a atenção para este verdadeiro abuso em que os barões midiáticos (que eles tanato combatem) estão não apenas enchendo os bolsos, mas tb dominando a rede…


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.