VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Política

A banda larga e 40 milhões de sardinhas


10/07/2011 - 15h24

9 de Julho de 2011 – 9h02

Da lama ao caos: o Plano Nacional de Banda Larga

“Se depois de conseguirem do governo tudo que podiam pedir a Deus (tarifa extorsiva, descompromisso com a qualidade, velocidade que não se pode chamar de banda larga, e limite extremo de download), as teles ainda dizem que é ‘muito difícil’ levar a banda larga a 40 milhões de vítimas, vale perguntar: o que virá depois do caos?”

Bajonas Teixeira de Brito Junior*, no Congresso em Foco

reproduzido no Vermelho

O Brasil já tem a segunda tarifa de telefonia celular mais cara do mundo, só perdendo para a África do Sul. Com o pacto do governo com as teles para o Plano Nacional de Banda Larga (PNBL), recém firmado, podemos nos perguntar se não teremos, em breve, ao mesmo tempo, a internet mais cara e mais restritiva do mundo. E, de quebra, diante da negativa das teles em aceitar a exigência de um padrão mínimo de qualidade, se a qualidade atual, que já é alarmante, não dará lugar ao caos. Ao que tudo indica, da lama passaremos direto ao caos.

Aliás, é uma coisa curiosa essa mania brasileira de “mínimo”. Gente séria vocifera que é preciso que os políticos “tenham um mínimo de responsabilidade com a coisa pública”; que se deve estabelecer “um mínimo de condições de trabalho na educação”; que é preciso garantir “padrões mínimos de qualidade na internet”. Mas por que tudo isso deve ser mínimo? Padrões mínimos de responsabilidade, de ética, de exigências de qualidade já temos de sobra. Só não chegamos a menos que o “mínimo” porque, até o presente, não foi possível.

Curiosamente, a imprensa divulgou junto com o anúncio do plano da banda larga, a notícia de que as teles não aceitaram a imposição de um padrão mínimo. E o que isso significa? Que o PNBL servirá ao público pagante um produto pior do que o já oferecido. O Inmetro, faz pouco tempo, constatou os problemas da internet no Brasil: “A falta de proporção e de clareza dos contratos firmados; o alto preço cobrado pelo serviço; a falta de viabilidade técnica para a instalação; as interrupções e instabilidades do serviço; e a perda de pacotes.” Tudo isso, lembremos, respeitados os padrões mínimos. Como ficarão as coisas na ausência desse mínimo? No mínimo, o completo caos.

Será difícil ao Brasil ingressar nesse estado de loucura chamado caos? Longe disso. Os bueiros da Light explodindo diariamente no Rio de Janeiro, causando danos às pessoas e ao patrimônio público, instaurando um clima de pânico e terror, demonstram o contrário, isto é, que o caos é a ordem para a qual tende o capitalismo brasileiro. Ele já superou a fase do capitalismo selvagem. Penso que a melhor designação hoje seria a de capitalismo terrorista. A cidade do Rio de Janeiro — em que a renúncia fiscal injustificada aos grandes empresários chegou a mais da metade do valor da receita tributária —, com suas explosões em série, mostram essa face nova, desse capital pós-selvagem, em que línguas de fogo sobem dos subterrâneos como se o inferno estivesse a ponto de engolir a cidade.

Voltando aos preços altos, vamos observar o seguinte: ao ser lançado em maio de 2010, o plano apregoava que o custo da tarifa ficaria em R$ 15,00, para o plano com incentivos, com velocidade de até 512 kbps (quilobits por segundo) e limitação de download e de R$ 35,00 para o plano comum. Imagina-se que esse não teria limitação de download. Mas dispondo de um governo cuja capacidade de diálogo segue admirável, as teles conseguiram um acordo. Do valor básico de R$ 15,00, o plano, antes de se efetivar, já pulou para R$ 35,00. Um aumento de 233.33%. E o valor de R$ 35,00 que, antes, foi divulgado de forma que levou a supor que não haveria limite de download, terá o limite de 300 MB. O que são 300 MB para um uso normal de internet? Nada. Absolutamente nada.

E é fácil compreender. Quando se navega na internet se estabelece um tráfego de informações entre a rede e o computador em uso. Se o usuário, por exemplo, abre um vídeo no Youtube, consome uma certa quantidade de MB. Existem programas gratuitos que medem esse tráfego. Um deles, muito simples e fácil de instalar, é o NetWorx. Com ele é possível, por exemplo, obter uma idéia bem clara do que implica ter um limite de 300 MB. Instalei o programa para fazer um teste. Abri cinco vídeos no Youtube que, somados, davam a duração total de 26.4 minutos. O resultado foi 102.3 MB de tráfego. Isso significa que em menos de uma hora e meia de navegação, se pode esgotar completamente o limite mensal de 300 MB.

Bastaria isso, para se ter uma ideia do que está por vir. Hoje, por R$ 50,00 existem diversos planos de banda larga, com velocidade muito superior ao plano implementado, e download ilimitado. As famílias de baixa renda visadas pelo plano, uma grande maioria delas certamente, com crianças e adolescentes, terão então cerca de 1 hora e meia para usar a sua cota. Ocorre que um mês tem trinta dias e cada dia 24 horas. E 30 x 24 é igual a 720 horas mensais.

O que acontecerá com o tráfego depois de ultrapassadas os 300 MB? Provavelmente serão contados à parte e, o que é bem possível, com valor diferenciado. No fim, isso vai sair muito caro. O impacto sobre o orçamento das famílias será enorme. O “plano” prevê alcançar 11,9 milhões de domicílios, com quase 40 milhões de pessoas, até 2014. Se trata de colocar os mais pobres na rede. Ou seja, uma rede dentro da qual cairá um gigantesco cardume, de 44 milhões de sardinhas. É nessa hora que não podemos esquecer o ditado inglês: “Não sou rico o bastante para comprar coisas baratas” (“I’m not rich enough to buy cheap things”). Ou o ditado brasileiro: “O barato sai caro”.

Além de caro, o “barato” traz conseqüências muito curiosas. Em primeiro lugar, ele entra em contradição com a política implementada pelo governo Lula para a expansão da educação superior (expansão destrutiva, diga-se de passagem), que se faz através do ensino à distância. Com 300 MB não dá nem para fazer a matrícula no ensino à distância, quanto menos seguir um curso.

Em segundo lugar, vem a velocidade de download. Para se ter idéia, hoje, as teles se comprometem a entregar no mínimo 10% da velocidade contratada. Isso se baseia numa distinção entre valor real e valor nominal. Se o valor real é de 15GB, por exemplo, o compromisso será com 1,5 GB (valor nominal). É o pacote que eu assino, e do qual conheço bem as limitações. Mas, e se for a ninharia de 1 MB? Em que lugar do mundo 10% de 1MB pode ser chamado de Banda Larga? Na Colômbia, a velocidade mínima para definir banda larga é de 512kbps, aqui, com 10% de 1MB, seria de 100kbps, isto é, cinco vezes menor. O país real ficará cada vez mais longo do país nominal.

Em terceiro lugar, esse plano tem toda a cara de começo do fim. O presidente da Telefônica, logo depois de confirmado o acordo do governo com as teles, afirmou que é “muito difícil” viabilizar a “venda de conexões fixas de 1 Mbps com assinatura a R$ 35 sem a venda conjunta com outros produtos, como telefone fixo”. Se é tão difícil, por que foi aceito pelas teles? Improvável que tenha sido por caridade digital.

Além de não ser muito difícil, mas sim muito fácil, já que a quantidade ofertada é irrisória dadas as necessidades de uma família plugada na internet, o “plano” é uma evidente cilada para os desavisados. Mas a afirmação de que é “muito difícil” traz conseqüências que, por enquanto, permanecem ocultas mas que, não demora, virão à luz do dia. Como um raio em céu azul, é muito provável que cairá sob as nossas cabeças, muito em breve, o infausto limite generalizado para download.

As teles — que como as demais grandes empresas se impõem aos governos no Brasil como faca quente corta manteiga — mostrarão suas planilhas de custos, suas dificuldades incalculáveis para devorar os 40 milhões de sardinhas, seu desejo de servir às “necessidades estratégicas do país”, etc., etc. O governo, diante dessa argumentação tão consistente, não verá outra medida senão estabelecer limites de download para todos os planos do país, salvo os planos que servem às empresas.

Assim, o que poderia ser um plano louvável de inclusão digital — caso fornecesse uns 10 GB de download — provavelmente será a ponta de lança de uma incrível devastação dos atuais padrões de uso e acesso disponíveis na internet no Brasil. A internet no Brasil, que já é muito cara, profundamente deficiente na prestação de serviços, incapaz de satisfazer os tais “padrões mínimos de qualidade”, abusiva em relação ao que oferece e ao que efetivamente fornece em termos de velocidade, se prepara para mergulhar abaixo do mínimo. A partir de agora, tudo indica que haverá uma inflexão radical para o abismo e, dentro da lógica paradoxal brasileira, justo com o pretexto de um serviço — “muito difícil”, filantrópico, estratégico — às camadas mais excluídas da população.

Se depois de conseguirem do governo tudo que podiam pedir a Deus (tarifa extorsiva, descompromisso com a qualidade, velocidade que não se pode chamar de banda larga, e limite extremo de download), as teles ainda dizem que é “muito difícil” levar a banda larga a 40 milhões de vítimas, vale perguntar: o que virá depois? O que virá depois do caos? Depois do caos só resta o abismo. Se tanto.

Será incrível se as instituições ligadas à defesa do consumidor, à liberdade na rede e à inclusão digital não formalizarem ao Ministério Público Federal uma denúncia das mazelas que aqui apontamos no PNBL. E se não o fizerem agora, depois será muito tarde para lamentar as conseqüências deploráveis que certamente advirão.

*Bajonas Teixeira de Brito Junior é doutor em Filosofia, autor dos livros Lógica do disparate, Método e delírio e Lógica dos fantasmas. Foi duas vezes premiado pelo Ministério da Cultura por seus ensaios sobre o pensamento social e cultura no Brasil. É coordenador da revista eletrônica, Revista Humanas , órgão de divulgação científica da Cátedra Unesco de Multilinguismo Digital (Unicamp) e professor colaborador do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Ufes.





88 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Repórter tenta comprar a banda larga do Bernardo. E se dá mal - Viomundo - O que você não vê na mídia

05 de setembro de 2013 às 11h24

[…] A banda larga e 40 milhões de sardinhas […]

Responder

Câmara pode criar CPI da Telefonia « Viomundo – O que você não vê na mídia

08 de agosto de 2012 às 18h27

[…] A banda larga e 40 milhões de sardinhas […]

Responder

Brasil Atual: Tim derruba sinal de propósito para usuário pagar mais « Viomundo – O que você não vê na mídia

07 de agosto de 2012 às 10h14

[…] A banda larga e 40 milhões de sardinhas […]

Responder

Rodrigo Penna, consumidor que registra todo o seu calvário com Embratel e Netfone | Maria Frô

23 de agosto de 2011 às 21h54

[…] um setor monopolizado, caro e ineficiente! Herança maldita da privatização de FHC, que os tucanos ainda se orgulham de lembrar! É […]

Responder

Emiliano José: A luta envolvendo a internet é política | Viomundo - O que você não vê na mídia

21 de agosto de 2011 às 12h04

[…] A banda larga e 40 milhões de sardinhas   […]

Responder

Será que um dia teremos um Google brasileiro? | Viomundo - O que você não vê na mídia

15 de agosto de 2011 às 07h44

[…] A banda larga e 40 milhões de sardinhas   […]

Responder

luiz pinheiro

12 de julho de 2011 às 23h38

(continuação – final – UFA!)
Não vejo, portanto, motivos para previsões apocalípticas. O plano de Paulo Bernardo pode ser ruim, mas é algo concreto que o governo oferece a uma enorme parcela da população brasileira que hoje está excluída do emocionante universo digital.
A gente quer mais, naturalmente. Muito mais. Preparemos, portanto, desde já, uma cordial recepção aos milhões de novos visitantes que teremos em breve. Se nossas ideias são mesmo tão boas quanto achamos que elas são, então nós os persuadiremos a se juntar a nossa luta por um download melhor…

Responder

luiz pinheiro

12 de julho de 2011 às 23h36

(continuação)
A gente quer mais, naturalmente. Muito mais. Preparemos, desde já, uma cordial recepção aos milhões de novos visitantes que teremos em breve. Se nossas ideias são mesmo tão boas quanto achamos, então os persuadiremos à nossa luta por um download melhor… Nunca se sabe o que pode acontecer. Só uma coisa é certa. Se o plano de Paulo Bernardo for bem sucedido, assistiremos, até o final deste ano, a uma inclusão digital de proporções colossais. Até 2014, incluiremos possivelmente mais que a população inteira do Egito. E não apenas em função deste plano falho, mas porque os brasileiros querem e precisam acessar a internet. Estão curiosos. O aumento do poder aquisitivo das classes emergentes e a queda no desemprego também contribuirão. Em 2014, boa parte dos brasileiros que talvez precisassem hoje de banda larga subsidiada, poderão assinar um plano de melhor qualidade, com dinheiro do próprio salário.

Responder

luiz pinheiro

12 de julho de 2011 às 23h34

(continuação)
Nunca se sabe o que pode acontecer. Só uma coisa é certa. Se o plano de Paulo Bernardo for bem sucedido, assistiremos, até o final deste ano, a uma inclusão digital de proporções colossais. Até 2014, incluiremos possivelmente mais que a população inteira do Egito. E não apenas em função deste plano falho, mas porque os brasileiros querem e precisam acessar a internet. Estão curiosos. O aumento do poder aquisitivo das classes emergentes e a queda no desemprego também contribuirão. Em 2014, boa parte dos brasileiros que talvez precisassem hoje de banda larga subsidiada, poderão assinar um plano de melhor qualidade, com dinheiro do próprio salário.
Não vejo, portanto, motivos para previsões apocalípticas. O plano de Paulo Bernardo pode ser ruim, mas é algo concreto que o governo oferece a uma enorme parcela da população brasileira que hoje está excluída do emocionante universo digital.

Responder

luiz pinheiro

12 de julho de 2011 às 23h33

(continuação)
O ministro Paulo Berrnardo, esse covarde que se rendeu às teles, esse incompetente que discrimina os pobres ao lhes oferecer franquias humilhantes, será então julgado pelos milhões de internautas nascidos de seu melancólico plano. Mesmo com internet ruim, eles poderão manifestar sua insatisfação, criando hashtags terríveis contra o ministro e contra o governo Dilma.
Em 2014 haverá eleições presidenciais. Esses milhões de cidadãos recém incluídos na internet serão cortejados pelos candidatos. José Serra oferecerá, além de um salário mínimo de 1.600 reais, banda larga grátis para todos… Ou pode acontecer outra coisa: Paulo Bernardo poderá anunciar uma segunda etapa; não por ser bonzinho, mas por interesse eleitoral, oferecendo um plano de banda larga 2.0, com franquias ilimitadas e preços ainda mais acessíveis. Os milhões de internautas beneficiados (ou vítimas) pelo plano do ministro poderão, por algum motivo misterioso, acreditar nele e darem mais uma chance à presidente Dilma.

Responder

    Hell Back™

    13 de julho de 2011 às 00h26

    Caro Sr.Luiz Pinheiro, você tem certeza que não está com febre?

    rodrigo.aft

    13 de julho de 2011 às 10h56

    Hell,

    algumas pessoas comentam somente ASSUNTOS CONVENIENTES, de forma CONVENIENTE, para justificar interesses CONVENIENTES.

    assim fica melhor explicado? rsrs

luiz pinheiro

12 de julho de 2011 às 23h31

(continuação)
Minha bandeira (e do meu companheiro Theo Rodrigues, do blog Fatos Sociais) é que a banda larga se torne direito básico e seja oferecida gratuitamente a todos os brasileiros, em regime inteiramente público.
Este lamentável plano deverá ser implementado em menos de 90 dias, e cobrirá 100% do território nacional até meados de 2014. É a promessa do governo; não sei se é verdade.
O resultado? Bem, se o plano der certo, dezenas de milhões de brasileiros serão incluídos digitalmente. Terão que ser moderados no uso do youtube e no download de músicas (como sou hoje com meu 3G…), mas poderão ler blogs, sites, pesquisar no Google, ler jornais estrangeiros, estudar línguas, fazer cursos à distância.
Quero acreditar que esses milhões de novos internautas, a partir do exato momento em que ingressarem no maravilhoso mundo virtual, poderão se converter em "militantes" digitais, e exigir do governo e das teles que aumentem o tamanho da franquia para um patamar razoável: 10 giga ao mês. Ou melhor: ilimitado!

Responder

luiz pinheiro

12 de julho de 2011 às 23h29

(continuação)
Outra confusão é sobre a franquia de só 300 Mb de download. Brito reclama que ela esgota-se com algumas horas de acesso ao youtube. Mas é o limite inicial apenas da Telefônica, que terá que ampliá-lo para 600 Mb após alguns meses, e para 1 giga antes de 2013. A OI oferecerá limite inicial de 500 Mb, e, após 6 meses, 1 giga. Em relação à velocidade, é honesto informar que o plano, iniciado agora em 1 Mb (antes eram 500 Kb e ninguém protestava), prevê a oferta de 5 MB para todas as cidades até 2014. O preço pode ficar em R$ 29 nos estados que derem desconto no ICMS, e o o ministro prometeu acesso grátis a segmentos que não puderem pagar. É ruim, mas cumpre informar corretamente, para que a crítica seja acurada. Não douremos a pílula: é um plano péssimo, perigoso, porque as teles poderão cobrar extra caso o cliente ultrapasse a franquia. Todavia, dos males o menor: o plano proíbe bloquear o uso após o "estouro da franquia"; o cliente poderá continuar usando até o final do mês, quando a franquia reinicia do zero; mas terá velocidade reduzida.

Responder

luiz pinheiro

12 de julho de 2011 às 23h18

(continuação)
Falo isso na boa, entendam bem. Tem mais é que bater no plano mesmo. Li os artigos de Marcos Dantas e do Bajonas Brito, dois feras no assunto. Eles batem impiedosamente no PT, no Ministério das Comunicações e no governo Dilma, pelas deficiências notórias do plano.
O plano é ruim, mas as pessoas, na ânsia de criticá-lo, iniciam uma choradeira tão ruidosa que acabam deturpando as informações. Por exemplo, Brito protesta – com muita razão – que as teles serão obrigadas a fornecer apenas 10% do serviço contratado. No entanto, o artigo dele dá a entender que seria uma característica do novo plano, e não uma realidade (ou surrealidade) jurídica que vivemos desde que existe banda larga no país. A diretriz do governo é mudar isso. Segundo Paulo Bernardo, a Anatel assumiu compromisso de votar a regulamentação da qualidade contratada até 31 de outubro deste ano. As empresas terão que cumprir exigências mais severas de qualidade. Não sei se o ministro fala a verdade. Ao menos, hoje um prazo e uma promessa concreta. Não lembro de termos sequer isso durante o governo Lula.

Responder

luiz pinheiro

12 de julho de 2011 às 23h16

Azenha, por que voce não posta esse artigo do Miguel do Rosário, blog Óleo do Diabo?

"O ministro Paulo Bernardo anunciou mais uma etapa do famigerado Plano Nacional de Banda Larga. Não são decisões palacianas sobre o uso ou não da Telebrás, e sim medidas concretas para oferecer banda larga a milhões de brasileiros que hoje não dispõem do serviço. A parceria com as telefônicas provocou perplexidade algo hipócrita entre a militância de esquerda, visto que o governo desde o início sinalizara que assim o faria. A Telebrás seria usada para tampar os buracos de infra-estrutura, usando as redes de fibra ótica abandonadas; poderia até oferecer o serviço final ao consumidor, mas só em última necessidade, para atender regiões isoladas. Nunca houve qualquer sinal de que as teles ficariam de fora.
Mas a perplexidade gera combustível para o proselitismo ideológico que a esquerda adora para praticar seu esporte preferido: vomitar profecias apocalípticas, dizer que o PT mudou de lado, decepcionar-se. É a revolução #mimimi.
(continua)

Responder

Marcelo Fraga

12 de julho de 2011 às 11h53

Lucro menor que 100%? Aí fica difícil mesmo!

Responder

Hell Back™

12 de julho de 2011 às 01h02

Esse PT está irreconhecível. O que é isso companheiro? O que está acontecendo contigo? Está parecendo que se bandeou para o lado negro da força! Parece que você mudou de povo?

Responder

    João Bahia

    12 de julho de 2011 às 10h11

    É fácil entender o que aconteceu com o PT. A soma de uma feroz campanha na mídia com uma sociedade conservadora fez com que as esquerdas perdessem espaço dentro do partido. O próprio Lula teve que "adequar" seu discurso para ganhar (ser aceito) as eleições: comprou terno caro, aparou a barba e passou a fazer discurso para os ricos. Os esquerdistas, chamados "radicais", ruins de voto, deram espaço a grupos "flexíveis", negociadores que levaram o partido para a direita. O PT passou a fazer coligação com o DEM, PSDB, PR, PP e tais… Foram eficientes, porque conquistaram o poder, mas se afastaram dos príncípios que nortearam a criação do Partido dos Trabalhadores. Falo com conhecimento de causa: hoje o PT na Bahia, por exemplo, é uma máfia, controlado pelos "cumpanheiro" (amigos dos amigos). Debate, discussão, movimento social, "foi tudo para o saco". Atualmente, todo mundo só pensa em cargo público…

    Bruno

    12 de julho de 2011 às 11h11

    O problema não é de direita ou esquerda, é de certo e errado. O PT não está sendo "conservador", defensor das grandes empresas ou coisa assim. Isto não teria nada de errado, seria apenas uma mudança de ideologia ou algum convenientismo. O que existe, no caso, é desonestidade pura, não uma simples defesa da integridade financeira das empresas. O PT não mudou, ele (ou, para ser mais justo, seus cabeças) se vendeu.

JOSE DANTAS

11 de julho de 2011 às 18h53

Se todos os "caos" anunciados se concretizassem o mundo já teria acabado.
Caos na realidade, é tudo aquilo que contraria a vontade de um indivíduo com acesso a um meio de comunicação querendo reverter o que já é irreversível.
Temos visto verdadeiros absurdos nesse sentido: a vacina contra a gripe no Brasil provocaria não um simples "caos" e sim um genocídio; o governo do PT não teria competência para governar o País e isso seria uma catástrofe; a Dilma eleita seria presa assim que colocasse os pés no território americano e isso geraria um angu de caroço sem precedentes. A internet de 35,00 atenderá os interesses da maioria dos usuários, até tomarem gosto na peça. A partir daí, cada um optará pela alternativa que lhe parecer mais conveniente, respeitada a questão da condição financeira. Caos mesmo é a privação do serviço. São 40 milhões de eleitores a reclamar na hora que for preciso. Governo tem juízo.

Responder

jaime

11 de julho de 2011 às 17h29

A situação que vai resultar da implantação desse plano da Banda Larga já tem um precedente: os aeroportos. Quando a situação fica ruim, a defesa é a de que muitos mais tiveram acesso ao transporte aéreo. Justo, mas é uma falácia esse argumento. Quando não se conseguir mais enviar um e-mail, a desculpa será a mesma, muitos mais foram incluídos a participarem de um serviço – que não funciona – mas isso é um simples detalhe… Para mim, é uma falta de consideração e respeito para com qualquer usuário, seja dos aeroportos, seja da Banda Larga, Estreita, Mínima… Aqueles que estão chegando agora aos aeroportos ou à Banda Larga, não merecem isso.

Responder

Luciano Prado

11 de julho de 2011 às 16h27

É interessante, interessantíssimo o fato de o PNBL ter ido para o beleléu e o ministro Paulo Bernardo está com sua credibilidade comprometida.

Para mim tem angu nesse caroço.

Esse Paulo Bernardo não é o mesmo. Nem a banda larga.

Já as denúncias…

Será que alguém foi cooptado?

Responder

rodrigo.aft

11 de julho de 2011 às 16h18

(parte 1-2)

Azenha e colegas,

vamos tentar achar os motivos, não ficar discutindo os efeitos?

dos conselheiros da anatel, qtos sobraram de thc, oops, fhc? acho q Lula e Dilma trocaram todos (ou não?)

vcs sabem q os conselheiros da anatel são indicados por cotas, certo? tipow… indicação da cúpula, nunca da base do partido, josé dirceu, paloffi, Lula e outros, além das "indicações" (imposições, melhor dizendo)…

► alguém sabe os nomes dos conselheiros e na cota de quem foi indicado?
se sou ber, por favor, publique como anexo a este ou como comentário avulso, mas publique.

seguindo o raciocínio, um dos problemas da anatel (blargh!!!) se originou nas indicações dos conselheiros, q fingindo de morto numa hora, e vontando na calada da noite em outra, cumprem as "ordens" de quem os indicou.

agora, vistas passadas sobre a anatel, vamos aos partidos…

como já mencionei antes, a maioria dos partidos e das instâncias do Estado (executivo, legislativo e judiciário) já esta no raio de ação do GOLPE BRANCO, q é a tomada do poder decisório nas instâncias citadas sem derramento de sangue, sem gastar dinheiro à toa, sem revolução armada (coisa mais démodé)… coopta-se pessoas chaves nos 3 poderes, nas empresas de capital misto e NOS PARTIDOS.

é mais fácil "administrar" (ameaçar, corromper, aliar ideologicamente, promover comparsas em postos e decisões-chave) 25, 30 ou 50 pessoas-chave no país q fazer um levante militar ou uma intervenção externa.
e MUITOS brasileiros(?) ADORAM se vender barato e fazer QUALQUER papel, de capacho, passando por lambedor de sola de sapato, a cafetão – vale o inverso alterando-se o gênero – da própria mulher e filha (pagando bem, que mal tem, conclui o raciocínio(?) simplista)?

A destituição do Zelaya em Honduras foi um dos melhores exemplos recentes de um GOLPE BRANCO… meia dúzia de conspiradores, sob a bênção dos irmãos bons do north tiram, sem grandes problemas, um presidente eleito democraticamente.

uma vez q o GOLPE BRANCO chega aos partidos, é possível FILTRAR quem vai concorrer a q cargo… se a pessoa não juramenta seguir as indicações de seus "tutores", nem consegue passar das prévias internas do partido.
o psdb, por ex, não precisa se preocupar com o ovo da serpente, pois já NASCEU como o ovo dentro dele, graças aos "estágios" de thc e çérra na terra dos irmãos bons do north.

(já falei q colocaram o OVO DA SERPENTE no pt, e outros partidos, montes de vezes, mas parece q ninguém, nem as bases, se preocupa com isso… depois não reclamem q certas pessoas dos partidos tomamdecisões aparentemente desconexas ou antagônicas, falando uma coisa antes à base ou à população e FAZENDO OUTRA depois de eleita)

uma vez eleita pelo partido q tem alguns de seus "mentores" cooptados pelo Golpe Branco, ou seja funcionários público em cargos estratégicos na máquina pública, essa pessoa não tem vínculos com a população (eleições) ou país (cargos públicos concursados ou indicados ou cargos de confiança).
SEU ÚNICO E EXCLUSIVO VÍNCULO É COM SEUS "SUPERIORES", às vezes fazendo pequenas concessões para não dar tanto na vista.

Responder

    João Bahia

    12 de julho de 2011 às 10h22

    "se a pessoa não juramenta seguir as indicações de seus "tutores", nem consegue passar das prévias internas do partido. " Aqui vai um exemplo de que a coisa é bem pior: eu tentei transferir minha filiação para o PT da Bahia e não consegui. NEM com a interferência do diretório nacional, que ligou, mandou email, etc., mas os caras em Salvador não aprovaram minha transferência (nem julgaram ou justificaram, simplesmente não fizeram nada). O PT na Bahia tem dono. Só entra quem eles querem…

rodrigo.aft

11 de julho de 2011 às 16h18

(parte 2-2)

quer um outro exemplo além do Zelaya?

o q aconteceu com os republicanos nos eua? já foram cooptados faz tempooooo…
agora, os democratas, de uns 20 (ou mais, se alguém tiver detalhes…) para cá, estão fazendo o mesmo papel q os democratas…
PARARAM DE SERVIR A POPULAÇÃO PARA SERVIR A INTERESSES OUTROS…
ATÉ A SUPREMA CORTE DELES JÁ ESTÁ INFECTADA, E AS CORPORAÇÕES TEM PRIORIDADE ABSOLUTA SOBRE O BEM ESTAR SOCIAL.

Outro exemplo, bem mais próximo de nós: o q aconteceu com o partido trabalhista inglês?
mudou radicalmente sua atuação, passando a liderar reformas NEOLIBERAIS e servindo a interesses mais americanos q ingleses (na verdade, interesses do LOBBY SIONISTA), mandando sua gente para a guerra, e desmontando o estado, e os sindicatos, melhor q a conservadora Margaret Thatcher…

ESTÃO VENDO ONDE (E COMO) CHEGA O LONGO BRAÇO DO GOLPE BRANCO?

(se isso – golpe branco – não existe, não reclamem da telecômica, do nióbio q NINGUÉM COMENTA, das mudanças de prioridade dos partidos, da eleição – e promoção no meio público – de pessoas suspeitíssimas, de julgamentos encerrados do nada e pessoas soltas – às vezes, nem sendo presas – do nada… VC VAI RECLAMAR E NADA VAI MUDAR… PODE MUGIR À VONTADE Q VC VAI PARA O ABATE)

NESSE NÍVEL DECISÓRIO, NÃO EXISTEM COINCIDÊNCIAS!!!
AS JOGADAS SÃO FEITAS MUITOS E MUITOS LANCES DO Q OS INGÊNUOS, PSEUDO POLITIZADOS E/OU CULTOS, DISCUTEM.

TORNO A REPETIR: SEM UMA PRESSÃO POPULAR CONSTANTE NO TRASEIRO DOS AGENTES PÚBLICOS, DE QQUER PARTIDO, DE QQUER ESFERA (judiciário, legislativo, executivo), ELES PASSAM A LEGISLAR PARA SI OU PARA MINORIAS COM GRANDE PODER DE FOGO (ou $, como queira).

pergunte a um agricultor (ou criador) se ele deixa sua terra (ou sua criação) de bobeira por 4 anos (tempo do mandato)…
é do raiar ao entardecer, de segunda a segunda, de janeiro a dezembro por anos e anos a fio para conseguir alguma folga de grana, algumas benfeitorias na propriedade.

se o posto acima não é factível, continuem reclamando da telefônica e da anatel… eles estão tão preocupados com isso q ganharam até uma rugas a mais… ficam até com insônia…
(e o nióbio, vai bem? pq ninguém abre uma cpi sobre isso? resposta: pq o golpe branco já dominou esse setor… pode gritar à vontade!)

Responder

    Gabriel

    11 de julho de 2011 às 20h58

    Rodrigo, os que dizem que sao politizados preferem continuar nessa masturbacao teorica na internet, do que pressionar o governo, o congresso, o judiciario, isso dá um trabalho danado né? Melhor fazer esse chororô na net e depois dormir com a sensacao de 'dever cumprido' com o país. Tem jeito nao, ninguem se dispoe a ir p rua em massa p pressionar esses vendidos de todos os partidos. Somos otarios mesmo e otarios imobilizados

Lousan

11 de julho de 2011 às 12h31

deveriam colocar essa "banda larga" para atender os gabinetes dos deputados…além de uma boa economia para os cofres públicos, de quebra ainda sentiriam na pele o que a gente sofre…
isso é o que freia o desenvolvimento do país e das pessoas

Responder

Marcelo de Matos

11 de julho de 2011 às 11h14

O discurso catastrofista espalha-se pela rede a uma velocidade muito superior aos 100 mbps, sonho de consumo dos abaixadores de jogos. As premissas em questão podem ser internet, política industrial, juros, câmbio, que o corolário lógico será sempre a condenação do governo. Ainda mais quando o autor é versado em Lógica dos Disparates e Lógica dos fantasmas! Folha e o Estadão não tem mais por que se preocupar: a blogosfera está formando cada vez maior número de especialistas em sentar o pau no governo. Diariamente ouço dizer que “Os empresários já descobriram: quem quer ter sucesso na indústria e no comércio precisa conquistar a classe C – um mercado de quase 100 milhões de brasileiros” http://tvig.ig.com.br/noticias/economia/empresari… Aqui se fala o contrário: governo e empresários estão unidos para ferrar a classe C. Precisamos barrar a entrada de empresários burros no país. Carlos Slim, dono da Claro e da Embratel, o homem mais rico do mundo, fez fortuna trabalhando com essa classe.

Responder

    Augusto

    11 de julho de 2011 às 13h58

    Discurso catastrofista??? Caro, o que as teles estão fazendo é apenas ganhar tempo para não fazer nada. Lembra-se da banda larga do Serra??? Você conhece algum que tenha a banda larga do Serra??? Sabe por que esse PNBL da Dilma não vai dar certo??? Porque as teles trabalham com o lucro e elas não vão tirar receita de locais que dão lucro para investir em locais que não dão lucro. A lógica de mercado é essa.
    Ninguém está dizendo para estatizar essas empresas. Isso não é mais possível. Elas foram privatizadas, não adianta mais. Mas por que o governo também não pode entrar no mercado??? Qual é o problema??? Qual é o problema termos mais ofertas de serviço??? Se eu fosse Dilma, pegava a Eletronet e transformava a empresa para fornecer internet no mercado consumidor final concorrendo com as teles. Há espaço para todo mundo. As teles não vão perder nada. Elas já estão estabelecidas no mercado e sempre haverá consumidores dispostos a pagar mais por algum benefício. As teles inclusive melhorariam o serviço.
    Num momento em que a internet vai ser fundamental para educação, para o trabalho, não é possível continuarmos com uma conexão ridícula como a que temos.

    Karl Marx

    11 de julho de 2011 às 16h35

    "Mas por que o governo também não pode entrar no mercado??? "
    Talvez porque o BNDESpar tem que ajudar os pobres (mas notórios mecenas), como o Abílio Diniz., logo não sobram recursos.
    Por falar em herança de estadista-fake, como até Matusalém já sabia, o prazo de leilão para o trem-bala terminou hoje, sem interessados.
    Some-se à fanfarronice da banda larga popular para todos ao trem-bala-51, aos emPACados órfãos, à Copa-Fiasco, às Olimpíadas Lula-Nuzman, às Mil-e-uma Univerçidades Tabajara, aos buracos que já existiam e aos que tiveram Nascimento recente, aos bandidos sendo soltos por falta de cadeia, etc, etc, e sobrará apenas muito papo de botequim.
    E a conta do botequim é nossa, sempre.
    Coitada da Dilma.

    Daniel

    11 de julho de 2011 às 18h31

    A Eletronet é plenamente possível. Inclusive, transmitindo dados pelos mesmos das tomadas elétricas…

bissolijr

11 de julho de 2011 às 09h58

o capitalismo brasileiro não é selvagem/predador ou qq coisa que se lhe compare. é muito pior, é algo a ser diagnosticado/desvendado ainda. está mais perto do terrorismo: diariamente somos atacados na nossa dignidade, somos vítimas na relação de consumo. vem nos escapando a capacidade de entender pq esse governo, que tanto nos mobilizou na campanha, não se faz digno dos eleitores que depositaram confiança na pessoa da Sra.Dilma. o tráfego de info/dados/liberdade na internet não é um luxo, é um direito humano, mas parece que a governanta e seus ministros não querem ver isso: preferem se pautar pela continuidade de suas carreiras e, assim, só fazendo concessões aos poderosos excludentes. desgraça.

Responder

Luiz

11 de julho de 2011 às 09h52

Ou Azenha. Poste este comentário lá no bog da Presidenta Dilma: http://dilma13.blogspot.com/

Presidenta Dilma. Eu estou muito apreensivo com o artigo que está no Blog do Azenha: https://www.viomundo.com.br/politica/a-banda-larga
Como faz anos que mora num bairro bem urbanizado em Caxias do Sul e há mais de 9 anos que no bairro tentamos conseguir BL e as operadoras não se mexem para expandir seus serviços. Seu projeto ou do Ministro Paulo Bernardo promete que todos os municípios tenham serviço de banda larga, como não é dito quantos munícipes serão atendidos, pode ser apenas um a ser servido, né? Onde está a exigência para a ampliação do atendimento?
Votei na senhora e acredito que esteja fazendo o melhor pelo Brasil. Por favor, os "quinta colunas" mande para o outro lado da trincheira. Vou expor nos blogs esse meu comentário para que outros fiquem sabendo que eu expressei minha opinião neste blog e que acredito que a senhora irá ler.
Abraços.
Luiz

Responder

carmen

11 de julho de 2011 às 05h43

sem contar que estão telefonando para pessoas em zona rural no qualos telefones so funcionam com antena e enviando moode 3g com 10 gkb quando a pessoa não se quer computador, depois vem a conta da mensalidade de mais de R$ 100;00 (cem reais)e, transformando contas pré pagas erm pós, gerando assim mais débitos para com essas empresas. Estão também querendo compllicar a vida dessas pessoas que são mal informadas e muitas vezes semi-analfabetas..

Responder

Maria Mercedes Nobre

11 de julho de 2011 às 00h01

Azenha, creio que a Presidenta Dilma precisa esclarecer o país, ou pelo menos o seu enorme eleitorado sobre o que a prende ou o que a impede de fazer o que prometeu em campanha. Seus eleitores ja estºao se sentindo traídos. Onde está a banda larga? Onde ficou a lei de medios? Como no Incidente em Antares há muitos cadáveres insepultos. O pais precisa saber o que aconteceu com Honestino, Rubem Paiva, Manuel Fiel Filho e tantos outros. Seria um reencontro do Brasil que lutou e sonhou uma nova realidade, um encontro consigo mesmo. Os milhoes de eleitores de Dilma precisam de uma Presidenta forte, sem medo e sem mácula.

Responder

    Bruno

    11 de julho de 2011 às 09h40

    A campanha de jure é feita para o povo. A campanha de facto, muitas vezes, é feita para os financiadores. Claro como água, simples como dois-mais-dois.

    Mauricio

    11 de julho de 2011 às 10h09

    De acordo. Tbm estou a procura da presidenta que ajudei a eleger.

Luís

10 de julho de 2011 às 23h18

Digo isso e repito. Vocês estão dando importância demais para isso.

Internet não vai salvar o mundo. E quem disse isso não fui eu, foi um tal de José Saramago, comunista, igualzinho a boa parte do pessoal que visita o blog (http://www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/a-internet-nao-veio-para-salvar-o-mundo).

E aí, vão chingar muinto o Saramago no twitter?

Responder

    Bruno

    11 de julho de 2011 às 09h45

    E quem acha a opinião do Saramago irrelevante?

    Brincadeira, mas eu também acho que a internet não vai mudar em NADA as interações sociopolíticas locais, nacionais ou globais. Mas acho que acesso à internet de qualidade e com preços adequados à realidade do brasileiro é muito importante para o desenvolvimento do País.

Ronaldo Cananéia

10 de julho de 2011 às 22h49

2014. Aécio, Dilma e Marina.

Se a capacidade de raciocínio da Marina estiver no nível da sua capacidade de verbalização ela leva fácil.

Basta aproveitar os pontos de insatisfação de largas parcelas da esquerda, militantes petistas incluídos, que certamente serão muito mais em 2014 se a Dilma continuar com esta incompetência na gestão da comunicação com seu eleitorado.

Me lembro de ter criticado várias pessoas do meu círculo de relacionamento por terem votado na Marina, alegando ser apenas uma oportunista ressentida com o Lula. Mas já estou considerando a hipótese para 2014. Pelo menos para sacudir este PT traidor.

Responder

    Bruno

    11 de julho de 2011 às 10h13

    A Dilma não vai se candidatar em 2014. Primeiro porque está deixando a desejar e sua popularidade nunca chegará perto da do antecessor, e segundo porque o antecessor não quer largar o osso e vai se candidatar no lugar dela.

ZePovinho

10 de julho de 2011 às 22h39

Quem diria que nós,pobres trabalhadores,tivéssemos que levar essa iniciativa privada de quinta "catiguria" nas costas.
Até que eu topo sustentar o Estado,mas sustentar empresário vagabundo já é demais!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Como diz o Datena(o ZePovinho da Record):-"Me ajuda aí,ô"!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Responder

francisco p. neto

10 de julho de 2011 às 20h58

É muito salutar que espaço como esse, e olhe que são poucos na blogosfera dos "sujos" aceitar críticas como essa do autor do texto.
Todos nós temos o direito de comentar, desde que se não ofenda ninguém, sobre qualquer assunto, pois os blogs também precisam de audiência, e algum se vangloriam que no mes tal teve tantos milhões de acesso.
Não é o caso desse blog que sempre considerei o mais democrático.
Na verdade o que está acontecendo com o governo Dilma?
Capitulação?
Exemplos não faltam.
Esse PNBL, o caso do Pão de Açucar/ BNDES, nova legislação das mídias que não saem das intenções, lei da anistia etc.
Ainda estou esperando minha candidata tomar posse.

Responder

    Maria Mercedes Nobre

    10 de julho de 2011 às 23h23

    Francisco, estou de pleno acordo com vc. Eu tambem estou esperando que ela tome posse. Será que ela quer realmente governar? Tem feito tantos elogios ao pessoal do lado de lá, FHC, Paulo Renato, Itamar, Palocci.
    Tem medo de desagradar a turma do lado direito? Da Globo? Da Abril? Será que tem confiança no seu enorme eleitorado? Já era para a lei de medios estar pronta. Enquanto o Pig estiver fabricando crises, ela nao governa e o tempo vai passado…

    Luís

    10 de julho de 2011 às 23h48

    "É muito salutar que espaço como esse, e olhe que são poucos na blogosfera dos "sujos" aceitar críticas como essa do autor do texto. "

    Por acaso você se refere a um certo jornalista pogreçista que escreve textos cujos parágrafos não têm mais do que três parágrafos, que é amiguinho dos ruralistas e latifundiários, que dá mais atenção ao que diz um político ruralista do que o que diz um cientista, que é um superhiperultramegaespecialista em meio ambiente e natureza e que no blog dele sempre tem um banner de uma estatal (BB, Petrobrás, CEF)?

    francisco p. neto

    11 de julho de 2011 às 13h44

    Juro que não sei de quem vc está falando.
    Como eu não dou ponto sem nó, o Azenha que me perdoe, se for o caso né?
    Mas eu me refiro ao PHA.
    Gosto muito dele. Ele é sarcástico. Fala maravilhosamente bem. Boa presença, articulado, mas não aceita opiniões divergentes no seu blog.
    Ele cita alguns percalços do governo Lula, que ironiza com a expressão P36.
    Algumas dela: a patranha (sic) da BrOi, Ley dos medios, a defenestração do Paulo Lacerda e Protógenes Queiroz e outras poucas.
    Eu disse lá, entre tantas desgraças que ele publica, perpetradas por DD, Gilmar Dantas (sic), Dr. Macabu, Márcio Thomas Bastos e outros, e que eu concordo, que enquanto se publica isso e que é omitido na grande imprensa, usando aquele velho ditado: enquantos os cães ladram a carava passa.
    Eu quis dizer passividade, leniência.
    De quem?
    Dos poderes constituidos. E isso inclui naturalmente a presidência da república.
    Há algum mal, eu expressar essa indignação?

    Azevedo

    11 de julho de 2011 às 11h25

    Ela está evitando o confronto, mas não há como avançar sem confrontar-se. A arte política reside em capitalizar forças e estabelecer o confronto na medida certa. O único capital político disponível para implantar uma agenda progressista é o apoio popular, e a presidenta Dilma, até agora, sente-se insegura para trilhar esse caminho.

    Bruno

    11 de julho de 2011 às 14h09

    Sabe quem manda na telefonia? Um tal de Dantas, Danny Dantas. E ele sabe muito das sujeiras do Governo Lula, como sabe das do FHC. Ele os tem todos na mão e, desta forma, consegue o que quer.

Marcio H Silva

10 de julho de 2011 às 20h48

Texto maravilhoso, mostrou o âmago da questão. Como pensam os "empresários" do setor. Estes empresários estão se lixando para o país, estão mais para banqueiros do que para empreendedores da nação. Uma menina "Luiza helena" comentou: Telecom não é estratégico para o país? respondo: sim, muito estratégico, estratégico para o desenvolvimento, são as estradas vicinais virtuais onde o produtor ( pqn e Grde ) faz negocio sem se locomover. Estratégico para a educação, difundir informações para a população em tempo record. Estratégico para as forças armadas e sua logistica de defesa do país. Só que hoje está tudo nas mãos de estrangeiros. Nem satélite temos mais, lançamos e vendemos baratim. Tudo isto graças ao Corno mor da nação ( FHC ), seu eterno papa defuntos ( Serra ) e seu partido que é um cancer para a nação ( PSDB).

Responder

Alberto

10 de julho de 2011 às 20h28

O PROCON anuncia todos os meses que os campeões de reclamações são sempre os bancos e as telefônicas, sem que isso leve a melhora dos serviços prestados pelas empresas destes ramos e também de outros, muito pelo contrário. Se os órgãos de defesa do consumidor, no Brasil, servem somente para constatar o óbvio e não para tomarem medidas práticas contra os abusos de empresas contra os consumidores, seria melhor que nem existissem.

Responder

Eduardo Raio X

10 de julho de 2011 às 20h23

Não foi atoa que o próprio Lula no encontro de blogueiros disse para todos ouvirem e testemunharem, Cuidado com a direita ela é perigosa e não dorme nunca. Pois é presidenta Dilma como ficamos agora??? Cadê sua promessa de campanha. Sou um eleitor da senhora que não aceito ser passado no bico! O ministro das comunicações é um quase parando! Se der duas tartarugas para ele vigiar é bem capaz de deixar uma fugir! Daqui a 3 anos e meio teremos essa porcaria que a teles vão nos dar e não me venha dizer que foi o melhor que pode ser feito. Os blogueiros mais sujo que encontros e acordos de ministros com a direita vão lembrar cada faceta do que foi oferecido para o povo nesses anos de sua gestão. E ai será as eleições!

Responder

Djalma

10 de julho de 2011 às 19h59

QUANDO CITEI MINISTRO CABRAL, QUERIA DIZER PAULO BERNADO. ESTAS NOTÍCIAS DO BRASIL NOS DEIXA DOIDO.

Responder

Djalma

10 de julho de 2011 às 19h53

Bem feito. O Povo aplaudio o "modernismo" de Collor e Fernando HC. Esses dois arreganharam as portas do Brasil para a "modernidade" e a PETEZADA, além de não fazer nada, deu continuidade a entrega. Do BRIC nós participamos com o caos.
O Presidente anterior da Telebrás, tinha um pensamento diferente. Defendia, vi em entrevista, que a banda larga tinha que dispor de uma rede independente, fora do controle das Teles (privatizadas por SERJÃO,lembram?) para que os internautas, não sofressem interferências(em terem as ligações derrubadas pelas telefônicas) Pois sim, talvez por isto que foi destronado do comando e então o Ministro Cabral juntamente com o novo Presidente da Telebrás entregou a operação de banda larga as benditas Telefônicas.
É pouco, agora vamos charar lágrimas de sangue e pagar a conta.
Enquanto o Povo não se rebelar, o cortejo vai ser assim. Aguentem.

Responder

edv

10 de julho de 2011 às 19h39

Quando é que a mediocrelite vai entender que uma nação é feita oprincipalmente de pessoas?

Responder

    Bruno

    11 de julho de 2011 às 10h22

    A Dilma aprovou este plano de Banda Larga pra inglês ver sem chiar. Provavelmente ela faz parte da sua "mediocrelite".

Fernando

10 de julho de 2011 às 19h30

o pessoal está com saudades do desgoverno tucano é isso????? aconteça o que acontecer sempre estarei do lado desse governo, pois o inimigo é outro..chama-se direita, pig, psdb, dem pps!!!!!!!!

Responder

    Julio Silveira

    11 de julho de 2011 às 08h28

    Fernando, falo por mim o PSDB é um antro e foi a pior coisa que já aconteceu ao país, a pior enganação pois foi inflado pelos favores que fez a midia corporativa, que realmente os sustentaram. Fui um ardoroso defensor do governo na gestão do Lula, mas do Lula do segundo mandato quando por força das circunstancias precisou se afastar da iminencias pardas, e listradas de seu partido grandes seguidores do Dantesco, se entende a quem me refiro, aquele que a justa quer entender ser ele anjo, lógico, sabemos por que. Mas meu caro ninguem quer ser usado, meu voto não é lixo e vou combater pelo menos em minhas palavras todo e qualquer um que trair seus discursos, afinal o povo não deve ser linha de transmissão de partido algum deve cobrar a seriedade na politica e ética é tambem cumprir a palavra. Criticar també é um alerta positivo, contribui quando se tem discernimento e pode mudar o rumo para melhor.

    Bruno

    11 de julho de 2011 às 10h23

    É quase como estar ao lado de Stálin porque seu inimigo é Adolf Hitler. Dá vontade de vomitar.

Carlos Mundim

10 de julho de 2011 às 19h03

Parece piada mas esta é a triste realidade brasileira. O grito de independencia de D. Pedro I, foi só um gritinho, os ibéricos voltaram para nos colonizar, só que desta vez trouxeram juntos os italianos e até mesmo os mexicanos.

Viva a miopia dos nossos governantes atuais e ao FHC e sua guange de tucanos por revogar a nossa independencia com a suas privatizacões. Se não fizermos uma revolucão já, do tipo que está ocorrendo na Islandia, iremos chorar muito, chorar e pior, pagando os precos mais altos do mundo pelos piores servicos.

Presidenta Dilma, o que realmente vai acabar com a pobreza é educacão de qualidade e o acesso ilimitado a informacão e conhecimento Presidenta. As acões de inclusao social sao somente um paliativo que poderá ser acabado em um próximo governo Agora um cidadão bem informado e digitalmente incluido tem meios sim de sair de permanentemente da armadilha da pobreza e discernir as boas das más politicas dos seus governantes.

Será que a capitulacão para as telefonicas é na realidade o medo de que este eleitor bem informado possa representar para o poder Presidenta? Mas ter medo de que, se hoje o PT está no poder com uma oposicão fraca e cada dia sendo mais e mais desmascarada pela traicão que cometeram contra a pátria brasileira com as suas privatizacões e negócios de pai para filho, assim como a nossa independência.

Francamente, não consigo entender esta miopia do Estado brasileiro.

Responder

Luiza Helena

10 de julho de 2011 às 18h41

Pergunta que não quer calar: setor de telecomunicações não é estratégico em um país?

Responder

    Bruno

    11 de julho de 2011 às 10h25

    Essencialmente, não. O que é essencial é o acesso de qualidade à informação, e o governo Dilma está negando isto ao povo notoriamente.

    Paulo Roberto

    11 de julho de 2011 às 12h06

    Concordo com o Bruno. Se o acesso à internet for sinônimo de maior divulgação das idéias da "direita" retrógrada representada pelo PIG, será melhor continuar na ignorância. Precisamos urgentemente de uma "Ley de Medios" que obrigue as empresas a entregar ao povo informação de qualidade e não apenas os pontos de vista da pseudoelite que sempre governou o país, mantendo para si todas as benesses e deixando a maioria da população ao Deus dará e aos rigores da lei.

    Bruno

    11 de julho de 2011 às 14h16

    Calma, vamos esclarecer. Eu disse acesso à informação, não a opiniões. Pra mim tanto faz se o "PIG" está ou deixa de estar na web. Eu quero que as pessoas tenham acesso de qualidade à internet para se encherem de conhecimento com o mínimo de tempo de conexão necessário, seja pelo acesso ao Wikipedia ou a um repositório de textos iluministas. Ou seja: acho a politização (seja pela leitura do Viomundo ou da coluna da Cantanhede), neste tema, secundário, pois o essencial é o aprendizado, a educação e o aumento das oportunidades.

    Marcio H Silva

    11 de julho de 2011 às 14h49

    Claro que é estratégica.
    Ve se nos EUA tem alguma empresa estrangeira no setor? Porque os milicos do Brasil na época da ditadura consideram este setor como de segurança nacional?
    A central telefonica do pentagono até hoje é mecanica, em caso de guerra nuclear ela não sai do ar.
    Os EUA, Europa, Japão, china e etc… tem satélite de uso especifico para segurança nacional.
    Comunicação, atualmente, é essencial.

    Acordem….

    Bruno

    12 de julho de 2011 às 11h22

    Rupert Murdoch, dono de grande quinhão de mídia americano, é australiano.

    Bruno

    12 de julho de 2011 às 11h23

    Bom falar também que os EUA não tem grandes players estrangeiros em telefonia porque o mercado interno sempre foi sólido demais para a entrada da concorrência europeia, mais fraca, não por ingerência do Estado.

Augusto

10 de julho de 2011 às 18h26

Internet é tão importante que, não por acaso, a ONU a inseriu recentemente dentro dos direitos humanos. Ou seja, a internet hoje é considerada um direito humano, isto é, um direito fundamental ao desenvolvimento do ser humano. Nem acabamos com o alfabetismo e, no entanto, logo, logo, teremo de lidar com o analfabetismo digital. Isso vai impactar tanto na educação como no trabalho, ou seja, vai interferir na economia do Brasil. Hoje já não existe mão-de-obra qualificada em muitos setores e vai piorar ainda mais com a exclusão digital. E o que Dilma faz??? Acorda com a Telefonica, enquanto esta empresa manda todo o lucro para a Espnha. Desistir tão cedo??? Com apenas 6 meses de mandato???

Responder

    Bruno

    11 de julho de 2011 às 14h19

    Acho que um tema importante é: se ela rompesse com as teles e fizesse um projeto de banda larga popular de qualidade a preços acessíveis, quantas cadeiras no Congresso ela perderia? Eu acho que muitas, dadas as origens dos financiamentos de campanha dos srs. parlamentares. Sou da turma que acha que isto não é desculpa para recuar, e é melhor tentar fazer as coisas direito do que se dobrar aos interesses do canhoto, mas se for este o motivo, a explicação para este PNBL sem-vergonha é esta.

operantelivre

10 de julho de 2011 às 18h06

Vale destacar do texto que "com o pretexto de um serviço — “muito difícil”, filantrópico, estratégico — às camadas mais excluídas da população. E a pergunta que pede resposta o tempo todo: "o que virá depois? O que virá depois do caos?"

Este desmonte parece seguir um caminho conhecido. Serão criadas as "Organizações Sociais de Banda Larga e Telefonia. Como? Simples, as Nossas Empresas Trapaceiras de telefonia, TV e Banda Larga vão ser classificadas como filantrópicas, como as OSs, e receber mais e mais grana para gerir a nossa Cultura. Vide artigo 1º do lei complementar 846 de 1998 modificada pela LC 1095 de SET/2009. Basta o governo acatar que estas empresas sejam filantrópicas ou utilizem um braço"pilantrópico" como ocorre com algumas OS de Saúde. Estou de olho nesta situação.

\

Responder

    Bruno

    11 de julho de 2011 às 14h20

    Não tem como, de forma honesta, um serviço de banda meio-larga com limitação de acesso e preço alto até para padrões suíços, ser dado como filantrópico pelo governo. Se for, é porque levaram bola.

    Hell Back™

    12 de julho de 2011 às 22h58

    Depois de tudo o que eu já vi, acho que tudo é possível. Não duvido de mais nada!

Avel de Alencar

10 de julho de 2011 às 17h49

Depois do Abilio e o Carrefour, do acordo da banda larga, do arrocho nas taxas de juros, da crescente desindustrialização do Brasil, do desastre na infraestrutura, representado pelo PR no MT. Não dá mais para achar que os trabalhadores estão representados no governo federal.
Dia 18/07 as dez horas da manhã, os trabalhadores de informática farão uma passeata na esplanada dos ministérios prostestando contra a precarização dos serviços de T.I.C. Tecnologia da Informação e Comunicação no governo federal, patrocinado pela SLTI/MP.

Responder

chico iflem

10 de julho de 2011 às 17h01

No Estado de São Paulo, o PNBL vai ajudar a Telefonica quebrar todos os pequenos provedores de internet.

Responder

    Bruno

    11 de julho de 2011 às 14h22

    Espero que não. Os provedores menores tem a vantagem de trabalhar com rádio, e não DSL ou cable, que precisam de estruturas físicas mais robustas. Se aparecer alguém querendo investir em uma nova GVT da vida, pode se sobressair.

O capitalismo terrorista brasileiro segue explodindo bueiros e sinaliza que nos dará a mais cara e pior internet do mundo | Maria Frô

10 de julho de 2011 às 16h37

[…] Por: Bajonas Teixeira de Brito Junior* Congresso em foco 21, via Viomundo […]

Responder

neto

10 de julho de 2011 às 16h37

Estamos na nova era do PT, o PTSDB. Um monstro que mistura o pior do PT e PSDB.
Deixei de acreditar no governo Dilma após este acordo, infelizmente… E mais infelizmente pq, pelo andar da carruagem, não teremos opção para as proximas eleições… Tudo isso que vem acontecendo com certeza será usado pela oposição, se é que podemos chamar disso, nas próximas eleições.

Responder

    Marcio H Silva

    10 de julho de 2011 às 20h39

    Piot do PSDB? todo PSDB é pior de ruim….

Conceição Oliveira

10 de julho de 2011 às 16h13

Azenha busquei o link no Congresso em Foco e não achei, achei num blog chamado Congresso em Foco 21, são veículos diferentes. Abraços

Responder

Augusto

10 de julho de 2011 às 16h09

Esse é o governo Dilminha! Foi pra isso que ela foi eleita??? A esquerda não acorda. Se fosse para fazer isso, melhor seria o Serra. É por isso que eu digo: essa mulher não passa de 2014. Pelo menos a depender do meu voto, não!

Responder

Beto

10 de julho de 2011 às 16h08

Nos EUA só se considera banda larga acima de 4mb, aqui eles prometem 1mb e entregam 400kbps. Eu tenho 4 mb e faço sempre o teste de conexão e vai a um pouco mais de 3.40mb. Estou falando no Rio, conexão da OI, e o nome do roubo é Velox.

Responder

ZePovinho

10 de julho de 2011 às 16h00

Ah se eu pudesse soltar uns palavrões!!

Responder

Ignez

10 de julho de 2011 às 15h52

Causa-me profundo pesar esta mania do novo governo ir nivelando tudo pelo tornozelo. Não sei como um governo pode ficar tão refém do mercado, depois de eleger-se com o apoio dos que estão "fora" do mercado. São tantas as condescendências feitas que daqui a pouco nada mais restará a todos – cidadãos militantes e não militantes. Será que o exemplo da Grécia; de Portugal; da Espanha; da Irlanda e outros países europeus não serviu de parâmetro para ver no que dá ceder tantas benesses ao deus-mercado? Será que a perversidade neoliberal não se expõe com toda clareza? Será que a privatização da Light – do governo FHC – não prenuncia o que acontecerá com a Banda Larga – banda mínima – daqui a pouco tempo? Por que tanta rendição, presidenta Dilma?

Responder

    Bruno

    11 de julho de 2011 às 14h23

    Quem financiou a campanha foi o povo ou o mercado?

Julio Silveira

10 de julho de 2011 às 15h47

Sobre esse post e muitos outros que estão aparacendo sobre o novo PT.
Que me desculpem o petistas renhidos, mas muitos em breve irão capitular, alguns já até capitularam mais cedo, mas esse PT, o atual PT, não é o PSDB mas tá fazendo um força danada para parecer.
Minha esperança é que se derrubem as "peças" que se acham dentro do partido, as peças da velha escola da politica, propensa a enganação e a traição. As mesmas que combatiam a moralidade em publico, com discursos que arregimentavam militantes e no particular enchiam as cuecas de grana, aceitavam Land Rover de empresários por favores prestados. Alguns foram pegos, mas ainda tem aqueles que se passam por bons, e que conviveram muito bem com esses mais discarados se beneficiando indiretamente entendendo que apenas fechar o nariz já tava mais que suficiente.
Boa parte deles ainda está conduzindo o País iludindo com discursos de necessidade, tendo como pano de fundo o trabalhador mas que nenhum beneficio lhes traz de fato. Pobre Dilma, Petista nova, ter que depender dessa gente. Enquanto isso a telefônica(exemplo dentre tantas) sorri um grande sorriso de jacaré.

Responder

    Gabriel Braga

    10 de julho de 2011 às 18h52

    Vou um pouco mais longe que você colega Júlio.

    Depois desse "plano" de banda larga,da política monetária que está destruindo a indústria brasileira,a timidez,para dizer o mínimo,na implantação da Comissão da Verdade,pra não falar da não revisão da lei de auto anistia aos torturadores da ditadura,e da mistura entre os interesses públicos e privados,vide casos Palloci e Abílio Diniz,diria a você que não há mais nenhuma diferença entre o PT e o PSDB.

    Não tenho mais nenhuma ilusão quanto ao PT,em que pese ainda haver gente séria e comprometida com o interesse público.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding